Fórum dos Leitores

APAGÕES

O Estado de S.Paulo

28 Outubro 2012 | 03h07

É bom se acostumar

E os apagões continuam! O representante do Operador Nacional do Sistema Elétrico, em entrevista horas após o incidente de quinta-feira - o quinto desde setembro -, que afetou praticamente toda a Região Nordeste e parte da Região Norte, citou a provável causa: incêndio num capacitor. Adiantou, no entanto, não se tratar de falta de manutenção do sistema. A exemplo de justificativas invocadas quando dos outros recentes apagões, afirmou que tais ocorrências são de difícil previsão, não podendo assegurar que daqui por diante nunca mais ocorrerão. Tom bastante diferente do teor bravateiro e politiqueiro do governo petista em 2005, sublinhado com o famoso "apagões nunca mais", alusão direta aos problemas energéticos do governo anterior. Tudo indica que o cenário não é tão tranquilo como o alardeado naquela ocasião. É bom a sociedade esperar pela "culpa das elites" ou se acostumar com algo mais modesto, como "apagões de vez em quando".

PAULO ROBERTO GOTAÇ

prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

De responsabilidades

Tenho informações seguras de que a comissão encarregada de verificar os culpados já tem indicações claras de que os responsáveis pelo apagão são Pedro Álvares Cabral e Martim Afonso de Souza. Estão certos de que nenhuma responsabilidade cabe aos administradores dos últimos dez anos, que fizeram todos os investimentos necessários, não aparelharam a administração do setor elétrico, dando-lhe uma gestão técnica e muito profissional. E à Aneel, todo o apoio para que realizasse um trabalho perfeito.

ALDO BERTOLUCCI

accpbertolucci@terra.com.br

São Paulo

Superlativos

Ninguém pode negar que tudo dos PeTralhas é superlativo. Além do mensalão, cuecão para guardar dinheirão. E agora, vira e mexe, temos apagão! Aliás, apagão, não. Afinal, estamos na era dos eufemismos: não houve caixa 2, foram recursos não contabilizados; não há privatização, e sim concessão... Enfim, o que dizer desta vez? Será que existe um dossiê? Dilma Rousseff não foi ministra de Minas e Energia? Então, o que ela fez durante a sua gestão à frente desse mistério, digo, ministério? Continuamos à deriva e sem perspectivas de encontrar o rumo. Pelo menos não enquanto esse (des)governo estiver preocupado em convencer a população a consumir cada vez mais, mesmo sem ter como absorver esses gastos adicionais. Show de horror!

RENATO CAMARGO

natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

CORRUPÇÃO

Piada

A defesa de José Dirceu, o "democrata" criado em Cuba, pede a redução de sua pena, citando "relevante valor social". Bem que Delúbio Soares disse que o mensalão ia virar piada. Eis uma delas.

L. A. B. MORAES

labmoraes@uol.com.br

São Paulo

Mau perdedor

O sr. José Dirceu, além de tudo, é mau perdedor: culpou a pressão da direita e da mídia por sua condenação. Ora, vários ministros do STF foram nomeados pelos presidentes Lula e Dilma. Seria melhor, parafraseando a nossa presidenta, que ele não tivesse cometido os malfeitos com a certeza da impunidade, achando que podia fazer a revolução pela corrupção. O STF está resgatando a dignidade que o povo brasileiro espera das nossas instituições. É importante saber que podemos contar com a verdadeira Justiça.

HENRIQUE SCHNAIDER

hschnaider@terra.com.br

São Paulo

Atrás das grades

O grande PT, que nunca investiu nas penitenciárias do Estado, agora vai poder "experimentá-las", ao vivo e em cores, e constatar in loco o estado calamitoso em que elas se encontram!

CRISTINA HESKETH BRAUN

ch.braun@globo.com

São Paulo

Dualidade

Quando o ex-ministro José Dirceu estiver preso, ele será um político preso e, também, um ex-preso político.

ARCANGELO SFORCIN FILHO

arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

Mamãe Noel

Alguém acha que a presidente Dilma vai deixar o "companheiro de armas Zé Dirceu" ir para a cadeia? O indulto natalino vem aí.

BEATRIX N. BEHN

beatrixbehn@yahoo.com

Curitiba

Questões pertinentes

Após a consolidação da coisa julgada no processo penal, é dado ao presidente da República, nos termos do artigo 84, XII, da Constituição de 1988, "conceder indulto e comutar penas, com audiência, se necessário, dos órgãos instituídos em lei", podendo pôr fim a todos os efeitos da pena. Pergunta-se: qual será a posição da presidente Dilma? Vai afrontar a Suprema Corte? E o povo pensante como vai comportar-se diante dessa eventual trágica decisão? Será o fim do Judiciário?

BENEDITO RAIMUNDO MOREIRA

br_moreira@terra.com.br

Guarulhos

Cumplicidade

Penso que a corrupção é um problema brasileiro endêmico, impossível de erradicar. Não há nada mais corruptível que os incorruptos. Porque estes, nossa imensa maioria, estão pouco ou nada preparados para enfrentar as tentações, que, quando aparecem e lhes cedem, não mais conhecem limites. Nosso caráter, infelizmente, tem uma parcela moldada pela leniência das leis, pela impunidade e pelo péssimo exemplo que vem de cima. Aparício Torelly, o famoso e inesquecível Barão de Itararé, definiu: "Negociata é o negócio para o qual não fomos convidados". Porém Victor Hugo disse, há mais de 150 anos: "Entre o governo que faz o mal e o povo que o consente há uma grande cumplicidade vergonhosa". Todos nós somos cúmplices.

ALBERTO MARTINEZ

alberto.martinez@terra.com.br

São Paulo

ELEIÇÃO EM SÃO PAULO

Segundo turno

A eleição na capital do nosso Estado é de suma importância para todos nós. Mensaleiros em São Paulo? Não, obrigado!

SÉRGIO ECKERMANN PASSOS

sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

Serra x Haddad

Hoje estamos diante de um clássico dos ditados: dos males o menor. Esperamos que a cidade de São Paulo não opte por aquele que para chegar ao segundo turno subiu no palanque com o chefe dos condenados pelo maior escândalo de corrupção da História política brasileira.

FRANCISCO JOSÉ SIDOTI

fransidoti@gmail.com

São Paulo    

APAGÕES

Nos bastidores do PT já tem gente querendo dizer que os apagões da Dilma não passam de atos de sabotagem! Imaginem, que desculpa mais esfarrapada, elles medem os outros com a própria régua. Sendo assim, poderemos então afirmar que aqui, em São Paulo, o PCC está seguindo ordens de alguém? Matando policiais civis e militares (já passam de 85 só este ano) só para minar a Secretaria de Segurança Pública do governo Alckmin? Aliás, antes que tais fatos ocorressem, já cantávamos a jogada: de que em ano eleitoral, em São Paulo, ônibus e favelas são consumidos pelo fogo quase todos os dias, policiais são vitimados por quadrilhas e o trânsito nas grandes avenidas é interrompido por um magote de gente que se diz revoltada com algo ou com qualquer coisa, e toca fogo em pneus para desopilar a raiva. É, paulista e paulistano é gente de muita fibra mesmo para aguentar esta verdadeira guerrilha urbana que aqui se instala a cada dois anos...

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

MARACUTAIAS

Novamente tivemos outro apagão no Norte e no Nordeste do País, ocasionando toda sorte de problemas à população. Como se não bastasse, pela quarta vez em dois meses a Dona do PAC vem a público alegar que o ocorrido não causou maiores prejuízos aos usuários. No governo do FHC, apagões como esses elegeram o governo responsável pelo mensalão, acumulando a maior corrupção nunca vista neste país. Mentiras, marolas e maracutais, assim a PeTralhada vai levando no bico os eleitores comprados com cestas da mendicância. Política no Brasil, simplesmente uma vergonha!

Antonio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

*

CEGOS EM TIROTEIO

Quer dizer que, até agora, em 35 dias, já foram 5 grandes apagões. Não era a dona Dilma grande técnica, até foi ministra das Minas e Energia, que dizia que em seu governo, diferentemente do governo FHC, não haveria apagões. É não cospe para cima que cai na testa. Seu ministro interino das Minas e Energia sr. Zimmermann, em entrevista, não conseguiu saber e explicar o que aconteceu anteontem, que grande parte dos Estados do Nordeste teve um apagão. As informações são controversas, já que o diretor-geral Hermes Chipp, do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), declarou em entrevista que foi um curto-circuito na linha de transmissão em Colinas (TO) e Imperatriz (MA). Já o ministro interino Zimmermann disse que o apagão era quase impossível de acontecer, e que irão fazer uma avaliação do que aconteceu de fato. Quer dizer: estão perdidos. Agora chamem a dona Dilma já que ela é uma grande gerentona, para explicar o que aconteceu, sem mencionar o FHC, o grande saco de pancada da petralhada.

Agnes Eckermann agneseck@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

TUDO BÃO

Mais um apagão e, pró-governo, tá tudo bão.

Cícero Sonsim c-sonsim@bol.com.br

Nova Londrina (PR)

*

O ETERNO PROBLEMA

E o Brasil continua as voltas com o eterno problema da energia elétrica. A eterna discussão se se constroem hidrelétricas, de alto custo, porém sem poluição, produzem a chamada energia limpa, ou se se constroem termoelétricas, usinas nucleares, etc.. Enquanto isso o povo sofre com uma discussão que se arrasta há anos. No governo FHC privatizou-se a distribuição, que também não estão cumprindo seu papel. Vejam as queixas nos Procons contra estas empresas. Pouco, muito pouco mesmo foi a melhora ou o avanço em relação a quando eram estatais, e não se privatizou as geradoras. Está certo o ministro interino das Minas e Energia ao dizer, sobre estes “apagões” que “Eles não são normais. Coincidência, então, é mais anormal ainda”. Tem razão, ministro. É incompetência mesmo, que vem do passado. E nenhum governo resolve.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

EXPLICAÇÕES

Como é nossa presidente e sua declaração, como ministra, era de que nunca mais teria apagões no Brasil, “porque eu, quando ministra de Minas e Energia, planejei tudo, diferentemente da época de FHC”. A Sra. gostaria de explicar melhor isso, dando detalhes dos problemas que FHC não viu nem a Sra. e os apagões continuam a existir? Depois das eleições de prefeituras e de suas viagens, pagas por nós, contribuintes, será que a Sra. terá tempo de explicar? Fora, PT! Vocês estão acabando com o Brasil, e agora querem São Paulo.

L. A. B. Moraes labmoraes@uol.com.br

Santos

*

CURTO-CIRCUITO

Foi apenas um curto circuito pontual. Não há com que se preocupar.

Guto Pacheco daniguto@uol.com.br

São Paulo

*

OUTRO APAGÃO... FHC CULPADO?

Mais um apagão? Será que depois de dez anos o governo de FHC ainda é apontado como culpado? A cada dia vamos nos deparando com os desmandos do desgoverno petista. Enquanto pensavam em encher os bolsos, Lula e a “companheirada” foi deixando a administração das estatais, das agências fiscalizadoras, os ministérios entre tantos outros setores importantes se deteriorarem. Grande herança maldita herdou Dilma, pena que ela é preposta do ex-presidente se não esses escamoteadores da Pátria, como bem está mostrando o STF, já estariam defenestrados do governo há muito tempo.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

INCOMPETÊNCIA

Na época de FHC apagão era sinônimo de falta de investimentos, agora é sinal de incomPeTência.

Jose Roberto Palma palmapai@ig.com.br

São Paulo

*

APAGAÇO

O ex-presimente Luiz Inácio Burla da Silva disse que de poste em poste o Brasil vai sendo iluminado. Não é o que se vê. O vistoso poste que ele instalou em Brasília não emite luz, só apaguinhos e apagões. E, parodiando Caetano Veloso, pergunto: Vamos nos preparar para um apagaço?

Francisco José Martini fjosemartini@hotmail.com

Jundiaí

*

LAMPARINAS

“De poste em poste o Brasil vai ficar iluminado”. Basta incentivar a fabricação de lamparinas.

Eduardo Henry Moreira henrymoreira@terra.com.br

Guarujá

*

POSTES E APAGÕES

Entre a verborragia e a realidade existem diferenças. O que estamos vendo é que de poste em poste o Brasil vem sofrendo seguidos apagões. Parece que o ex-presidente sempre acaba falando de si mesmo. Nunca duvidei que ele também foi um poste de José Dirceu, que após três derrotas consecutivas forçou o PT – que em grande parte preferia Cristovão Buarque- a indicar seu obediente pupilo numa quarta vez. Ganhou por exclusão, tal como poderá ganhar Haddad a prefeitura de São Paulo, dada a tradicional incompetência da oposição política ao PT.

Roberto Castro roberto458@gmail.com

São Paulo

*

POSTE BOM

Que tal o ex-presidente Lulla enviar seus “postes” para iluminar os lugares que estão sofrendo apagões? Afinal, poste bom é poste com logística satisfatória para ajudar o criador e a criatura em todas as situações pelo país afora. Principalmente no depauperado sistema brasileiro de retransmissão de energia.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

TRAPALHADA

Os apagões se sucedem por todo o País. Enquanto um bando de incompetentes dos partidos amigos, chefiados pelo Lobão, comandarem a área de energia, o problema não será resolvido. Nossa presidente, que já passou pelo ministério, também tem se mostrado incompetente. O País não aguenta tanta trapalhada. Vamos continuar andando para trás nesse campo tão importante para o nosso desenvolvimento.

Celso Battesini Ramalho leticialivros@hotmail.com

São Paulo

*

Á LUZ DE VELAS

Os sucessivos apagões que vêm ocorrendo no País é provavelmente uma das razões que despertaram essa paranoia de postes na cabeça confusa e apavorada do Lula. Vamos chamar de defesa inconsciente, pois estamos vivendo às escuras com a roubalheira (chamada mensalão) ocasionada pela quadrilha petista, em um breu na área da educação, nas trevas na área da saúde, amargando uma escuridão geral de dar medo. Vendo muitos declararem abertamente em cartas aos jornais e em blogs na Internet, o seu arrependimento em ter acreditado nos propósitos do PT em estabelecer no País uma administração pública moralizante, a produção do petróleo caindo cem mil barris por dia, o pré-sal acabando como a suspeita de uma estratégia mentirosa para atrair investidores, agarrar-se aos postes foi um delírio alucinante de um pesadelo de olhos abertos de um pretensioso fracassado, que quer se salvar a todo custo.

Nei Silveira de Almeida neizao1@yahoo.com.br

Belo Horizonte

*

MÁ HORA

“Presidenta” Dilma Rousseff, justamente agora que a senhora havia anunciado a redução nos preços da energia elétrica, outro apagão?

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

OS APAGÕES X A LEI DA CAUSA E EFEITO

Mais uma vez, na madrugada de 26/10 o Nordeste brasileiro e parte da Região Norte ficaram às escuras, provocando pânico nas pessoas, principalmente as que ficaram presas nos elevadores das grandes capitais, e milhões em prejuízos para as empresas que trabalham 24 horas. Os donos do poder foram acordados às pressas e já procuraram de imediato os culpados, como desta vez não puderam culpar a natureza porque não houve os raios para danificarem os equipamentos, mas que já acreditam que foi pane no sistema e dizem que os culpados serão punidos. A grande verdade é a falta de investimentos no setor elétrico, manutenção dos equipamentos, que estão sucateados, e, agora que estamos somente no início do verão, outros virão com mais frequência, já que o consumo de energia será maior. Para aqueles que atiraram pedras no Governo FHC, agora viraram vidraças e irão sofrer mais porque somente nos últimos seis meses foram quatro apagões. O troco pela Lei da Causa e Efeito é o enorme desmatamento da Amazônia e no Pantanal, que agora não fornecerá mais a chuva para os reservatórios que estão com sua capacidade em 40%, para alimentar suas turbinas, o pior mesmo será pela enorme estiagem que se anuncia, que não teremos água para alimentar os seres humanos. Não se assustem, não são as Centúrias de Nostradamus, é, sim, o troco da natureza ao ser humano, ela agora parte para sua vingança. Com a palavra, os governantes e os donos do poder, encastelados e enclausurados em seus palácios que também não receberão água nem energia.

Jose Pedro Naisser @Globalecologist

Curitiba

*

FUSÍVEL

A continuar esse acende-apaga, que se troque o Lobão por um Vagalume.

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

SEM CONDIÇÕES

De apagão em apagão, o governo Dilma (o poste de Lula), vem demonstrando a dura falta de preparo para governar o Brasil. Desta vez foi em todo o Nordeste e em alguns Estados do Norte brasileiro. Tanto meteram o pau no apagão ocorrido no governo FHC, que rapidamente foi corrigido com uma nova engenharia de distribuição, o mesmo não ocorre nos governos petistas. Disputam os cargos, compram apoios políticos (comprovado agora no julgamento do chamado mensalão), mas o que mais vemos, além da corrupção, é a incompetência para bem gerir o Brasil. Só de obras incompletas, no Ministério da Educação (onde Haddad ficou um tempão), são mais de 200, ou seja, o governo gosta de investir na deseducação. Será que desta vez os eleitores irão abrir os olhos e ver que esse partido não tem condições de gerir o Brasil?

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

INSEGURANÇA TOTAL

Não se trata de um exercício de futurologia, mas apenas a constatação de que se a bandidagem que campeia à solta em São Paulo, capital e interior, continuar assim, seguramente em 2014 a jóia da coroa do PSDB, que é o Estado de São Paulo, vai para as mãos da atual situação, ou seja, o PT vai levar o governo estadual. Ninguém em sã consciência pode admitir uma segurança pública absolutamente inoperante e ineficaz como essa nossa segurança pública atual. A bandidagem comanda e a sociedade sem assistência alguma está completamente rendida.

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

ACORDO SECRETO

Sempre às vésperas das eleições o PCC sai da toca.

Será coincidência? Ou existe um “acordo” secreto?

José Gilberto Silvestrini jsilvestrini@hotmail.com

Pirassununga

*

SEGURANÇA PÚBLICA

O cidadão trabalhador sofre cada vez mais com a avassaladora violência e insegurança que literalmente tomou conta do Brasil. Não se tem mais sossego e paz em lugar nenhum. Os marginais matam pelo prazer de matar. Brincam e debocham da justiça brasileira. Sobretudo os bandidos “menores”, porque sabem que as leis brasileiras foram feitas para eles. Continuam matando e roubando inocentes e não acontece nada. Para as famílias destruídas pelos assassinos resta apenas a revolta e a indignação. A constatação é medonha: a justiça brasileira é refém da impunidade. Se os políticos pretendem recuperar o tempo perdido e voltar a merecer o apoio e o crédito da população, que tratem urgente de trabalhar para que as leis comecem de fato a cuidar e zelar pelo cidadão de bem e não os marginais, delinquentes, assassinos, sequestradores e estupradores. Também é urgente que presos perigosos deixem de ter privilégios. Autênticas “saídas de férias” nos dias das mães, no dia dos pais, no dia da criança. A maioria não retorna ao presídio. Claro, diante de tanta facilidade, prefere continuar solto, roubando, matando e traficando drogas. E rindo da nossa cara. Até quando, Santo Deus?!

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

‘EM PRAÇA PÚBLICA’

Excelente o artigo de Dora Kramer de sexta-feira, Em praça pública, sobre os embates dos juristas no Supremo tribunal Federal (STF) no julgamento do mensalão. A forma transparente está propiciando aos réus um amplo julgamento e defesa, inclusive na aplicação das penas que ao meu entendimento de leigo está sendo aplicada com muita parcimônia, pois entendo que a pena mínima básica deveria ser aplicada no crime de peculato quando fosse praticada no nível de vereança municipal, e a pena básica máxima nos casos de peculato no Senado Nacional e Congresso Nacional principalmente quando envolver o presidente do Congresso Nacional que é o terceiro presidente da República.

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br

São Paulo

*

E O DINHEIRO?

Em resposta à pergunta de Aloisio de Toledo César (Quem vai devolver nossos milhões desviados?, 25/10, A2), e conforme a fala do Sr. Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente, ninguém ou os brasileiros comuns ( ou que trabalham de verdade ), pois o Brasil, da Republica Sindical  (de hoje) está nas  mãos dos “mais” espertos! A malandragem impera!

Edivelton Tadeu Mendes etm_mblm@ig.com.br

São Paulo

*

OS MILHÕES DE VOLTA

Primoroso o artigo do desembargador Aloísio de Toledo César (Quem vai devolver nossos milhões desviados?), pois o maior castigo que esses quadrilheiros poderiam sofrer seria o confisco dos seus bens patrimoniais, que seriam devolvidos aos cofres da União. Só cadeia? Acho muito pouco pra esses facínoras.

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

DEVOLVER...

...Nem pensar? No artigo de Aloísio de Toledo César, Estadão de 25/10, é bem lembrado que os milhões de reais utilizados no men$alulão é no$$o e, portanto, deve ser devolvido ao erário, ou será que vai ficar por i$$o mesmo?

Maria Teresa Amaral mteresa0409@2me.com.br

São Paulo

*

A INDENIZAÇÃO DO POVO BRASILEIRO

Com plena razão o desembargador Aloísio de Toledo César. Quem ressarcirá o sofrido povo brasileiro dos milhões desviados, posto que dinheiro não dá em árvore? Transitada em julgado a sentença penal condenatória, nos termos do art. 91 do Código Penal, como efeito genérico da sentença, tornar-se-ão líquidas e certas as quantias desviadas. Resta saber se a União proporá a execução. Se a Advocacia-Geral da União (AGU) recalcitrar, estará sujeita às penas da lei e o Ministério Público deverá agir e buscar o patrimônio garantidor esteja nas mãos de quem quer seja. Mais surpresas poderão advir.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

MENSALÃO ANULA LEIS COMPRADAS

A repercussão do julgamento do mensalão sobre a legislação aprovada pelo Congresso Nacional no período 2003/2005 será, com certeza, maior do que as pesadas penas impostas aos réus. Todas as leis passadas naqueles anos, com votos parlamentares comprados pelo esquema ora reconhecido pelo STF, devem ser consideradas inconstitucionais, pois resultam de atos ilícitos. E, de acordo com os mais básicos princípios jurídicos, nada pode prosperar ou gerar efeitos se resultante de ato ilícito ou criminoso. A pilhagem do dinheiro público e sua utilização na aquisição de apoio legislativo ao governo leva a sociedade e os cidadãos ao descrédito nos homens públicos e até nas instituições. Qual seria o propósito de um governo legal e democraticamente constituído ao comprar os votos parlamentares? Que interesses estariam correndo por traz de tudo isso e quem seriam os beneficiários? Enquanto não se promover uma completa revisão de toda a legislação produzida durante o nefasto período do mensalão, o País estará vivendo num regime de exceção legal. O próprio governo, parlamentares e a sociedade deveriam se empenhar para solucionar essa aberração com a maior rapidez e eficiência. Até que isso ocorrera, a democracia brasileira permanecerá turva, manchada pela criminosa nódoa...

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

CORRUPÇÃO EM BRASÍLIA

Principalmente agora, com a visibilidade do julgamento do mensalão, circula na internet uma defesa da população brasiliense com os desmandos e com a corrupção sempre ocorridos na capital federal. Dos 513 deputados, apenas 8 são do Distrito Federal. Dos 81 senadores, somente 3 são de Brasília. A exceção seria Luiz Estevão, Roriz e Arruda, mas eles também não nasceram nos limites geográficos da cidade. Até hoje não apareceu nenhum nascido na cidade corrompido. Brasilia ainda é virgem nestes problemas, mas até quando esta contaminação vai ser resistir?

João Coelho Vítola jvitola@globo.com

Brasília

*

JULGAMENTO DOS RÉUS DO MENSALÃO

Para aqueles que não operadores do Direito, o cidadão leigo em assuntos jurídicos, que acompanha as sessões de julgamento no STF, perplexos, não entendiam do porque o ministro Ricardo Lewandowski, de forma tão ferrenha, esmiuçava as leis buscando formas de abrandar ou até mesmo para inocentar os denunciados. Essa perplexidade refletiu até mesmo entre seus pares quando o ministro relator, Joaquim Barbosa a ele se dirigiu nos seguintes termos: “Vossa Excelência advoga para ele (Valério)? Está sempre defendendo”.

Mario Pallazini mpallazini@hotmail.com

São Paulo

*

COERÊNCIA

O ministro Lewandovski diz que vem tendo “extrema coerência” ao julgar os réus do mensalão. Defendendo escandalosamente desde o início a quadrilha, quem discorda?

Heloisa Ribeiro novorumo.helo@uol.com.br

São José dos Campos

*

QUADRILHA

Perguntar não ofende: Será que quatro ministros, nomeados pelo PT, com relação de amizade ou de negócios com eles ou seus parentes, ao votar sistematicamente pela absolvição de “mensaleiros” não caracterizam formação de quadrilha?

José Maurício de Toledo Murgel jmmurgel@gmai.com

Jaú

*

DOSIMETRIA É DOSE

Assistir à dosimetria das penas realmente é dose. A figura do ministro Lewandowski defendendo bandidos seguido por alguns companheiros é um acinte. Depois de tudo que foi roubado, os ministros em questão dão a pena mínima? Por isso que esse país não tem jeito. Os bandidos de colarinho branco podem roubar o que quiserem, pois na hora da pena, os julgadores sentem pena. Não é demais?

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

A PEDRA NO MEIO DO CAMINHO

No meio do caminho tinha uma pedra. Tinha uma pedra no meio do caminho. Essa profética poesia de Carlos Drummond de Andrade parece uma antevisão de que o ministro Joaquim Barbosa encontraria o ministro Ricardo Lewandowski em seu caminho.

Décio Celidonio decioml@uol.com.br

Atibaia

*

JUÍZES PETISTAS

O juiz petista Ricardo Lewandowski e seu assecla Toffoli justificam que não podem apenar os mensaleiros, quadrilheiros, corruptos e bandidos pois são pessoas que não devem ficar muito tempo na cadeia. Suas excelências como petistas só pensam no PT e não no povo que fica sem escolas, hospitais, transportes, etc., com os roubos perpetrados pelos petralhas. É lamentável conviver com tamanho descalabro. Não conseguirão fazer deste país uma Cuba, Venezuela, Coreia do Norte, Argentina, Equador, Bolívia, Uruguai, etc.

Cesar Romero Galardo crgalardo@terra.com.br

São Paulo

*

‘DATA VÊNIA’

Data vênia, quando o ministro Lewandowski mudou a sentença de Valdemar da Costa Neto, inocentando-o do crime de formação de quadrilha, já estava dada a senha para inocentar a cúpula do PT: José Dirceu, Genoíno e Delúbio. Coube entretanto a seis ministros do STF recolocar as coisas no seu devido lugar e mostrar aos 200 milhões de brasileiros que a lei é igual para todos e que o bando em questão cometeu crimes gravíssimos, capazes de afetar a segurança de pessoas sim, no caso, de uma nação inteira, quando agiram de forma conivente, em consonância, por longo tempo, mais de dois anos, em delitos já de conhecimento público, crimes de lesa-pátria porquanto surrupiaram dinheiro público destinado sobretudo às necessidades mais básicas dos desprovidos de tudo. Obrigada pois, senhores ministros que seguiram o relator Joaquim Barbosa pelo bem imenso que fizeram ao país. Este dia ficará em nossa memória como um marco importante do início de uma nova consciência: a de que somos todos responsáveis pelos atos que praticamos e igualmente punidos quando esses atos têm o poder de afetar a vida de outrem. Foi, sem dúvida, um dia para ser comemorado e incluído no calendário nacional. Obrigada, Excelências!

Eliana França Leme efleme@terra.com.br

São Paulo

*

RÉU, SIM; CONFESSO, NUNCA

Embora condenado, mas ainda não apenado, tampouco preso, o petista acusado de idealizar e comandar o “mensalão” – utilizando-se de um injustificado espaço na mídia – vem agindo como a maioria dos presos recolhidos nas cadeias brasileiras. Com raras exceções (ou quando traídos pela consciência ) invocam inocência e consideram-se injustiçados – em geral culpam o advogado por não ter se dedicado na sua defesa. Talvez a dificuldade do petista em aceitar a condenação (e iminente prisão) é a plena vigência do Estado de Direito e a pouca possibilidade do sequestro de um diplomata estrangeiro – suponho, tampouco, a dificuldade de ser beneficiado com anistia ou indulto, por ser acusado e condenado por crime hediondo. É clara sua dificuldade de viver num regime democrático, onde as entidades, organismos e instituições agem com liberdade, mas sempre no estrito limite imposto pela lei – ausente, a manipulação e controle de pseudolíderes e idealizadores de ações que frustram a vontade da maioria ou, quando abortadas, redudam em condenação e prisão – isso, num regime de exceção, certamente teria outro desfecho. Sua insistência em defender-se acusando o STF de “tribunal de exceção”, apenas confirma uma mente doentia, sempre contando com a ingenuidade de incautos ou “grupo de mercenários” que servem como “massa de manobra” para atender a suas locubrações – como ocorreu no primeiro turno, quando tomaram de “assalto” a secção eleitoral, com o argumento de garantir o seu voto. Embora o fato merecesse amplo noticiário pela imprensa, embora tenha causado constrangimento aos mesários, eleitores e profissionais da imprensa que acompanhavam e fiscalizavam o pleito, não se tem notícia de medida legal eventualmente tomada pelo Ministério Público Eleitoral a respeito. Ainda assim, vale a máxima: “réu, sim; mas confesso, nunca!”.

Noel Gonçalves Cerqueira noelcerqueira@gmail.com

São Paulo

*

ZÉ DIRCEU VAI PROVAR

A melhor atitude de Dirceu, como brasileiro que com certeza nunca foi, seria de fato “abrir o bico”, mas como comunista do mundo, não precisa se preocupar com seu futuro, se preso, pode sempre “fugir” para Cuba, claro que apenas deve levar dinheiro nas “cuecas”, dinheiro ganho “honestamente” como petista.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

PAÍS BONZINHO

O Brasil é extremamente generoso com seus criminosos, um ótimo país para eles viverem. As penas são reduzidas e podem ser atenuadas ao extremo. Assim também as multas de transito são ridiculamente baixas, comparadas com qualquer país responsável. Assassinos, ladrões, colarinhos brancos, políticos, não precisam preocupar-se se tiverem um bom advogado, não ficarão presos por muito tempo à não ser que a opinião pública os transformem em “monstros”, pela exposição na imprensa e mesmo assim, assassinos confessos permanecem soltos durante recursos que podem durar anos. O quadro geral deste estranho país é esse, os bandidos são muito melhor tratados do que suas vítimas, infratores serão sempre defendidos pela justiça, por serem sempre “os injustiçados”. Por isso os corruptos e corruptores do mensalão terão penas que deixarão a sociedade decepcionada. Não falo sobre a pena dada pelos juízes mas, as que eles realmente vão cumprir. Porque a nossa sociedade sempre dá razão aos “politicamente corretos” que buscam minimizar o sofrimento de contraventores e outros bandidos “injustiçados” pelas leis? Porque a população se revolta com a menor ser assassinada brutalmente quando aceita que a justiça posteriormente “poupe” o bandido? Qual o motivo que nos leva a estudar a castração de um estuprador e não adotar a mesma pena para corruptos que eventualmente roubam dinheiro da saúde, com perdas de vidas? Porque o estuprador não tem “apoio político”e o corrupto tem? Neste momento estuda-se “melhorar” nosso código penal e muitas novas concessões estão sendo feitas pelos “politicamente corretos” protetores dos bandidos injustiçados. Sendo nossa sociedade “ambígua” no que se relaciona à justiça “para o outros”, aguardem o resultado favorável à contravenção. Em outros países mensaleiros teriam séculos de prisão ou mesmo morte. Mas o brasileiro é bonzinho...

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

‘BOOM’ DE PAGAMENTOS NO TJ-SP

Causa perplexidade aos cidadãos saber que o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ/SP) teve um “boom” de pagamentos em setembro, no qual inúmeros juízes e desembargadores receberam salários acima do teto constitucional. Nada justifica que o teto constitucional seja ultrapassado justamente por aqueles que deveriam defender a lei, a justiça, o bem comum, a ética e dar o bom exemplo á sociedade. Decepcionante ver agentes do Poder Judiciário receberem altíssimos salários, enquanto a grande maioria da população luta para sobreviver com dificuldades. Como se não bastasse isso, os juízes ainda gozam de privilégios inaceitáveis em qualquer pais sério e republicano, como 60 dias de férias anuais, licença prêmio, auxílio alimentação, etc., tudo pago com o dinheiro do povo. Pelo que se vê, é um ótimo negócio ser juiz no Brasil e, mais ainda, em São Paulo.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

PALAVRA DE REI

Somos totalmente impotentes e nada podemos fazer além de olhar pois estamos de mãos e pés atados perante o comportamento e atitudes de magistrados do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP). Em especial de seu presidente, Ivan Sartori, que é absoluto e simplesmente determina o que deve ser feito e pago como salários, férias, auxílios saúde, alimentação, transporte, décimo terceiro, etc., etc., chegando um desembargador ou um juiz a receber cerca de R$ 100 mil mensais. Ou seja determinado por ele cumprido será, possui palavra rei. O que ninguém pode esquecer muito menos eles, que somos nós quem os paga.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

CRACOLÂNDIAS DO BRASIL

As “mini cracolândias” espalham-se pelo Brasil. Mesmo na linda Lagoa da Conceição, em Florianópolis, vemos grupinhos consumindo crack em plena luz do dia, sem pudor algum. Dilma Rousseff lançou um programa contra o crack. Todavia, não vemos qualquer efeito de tal ação, talvez porque alguns Estados possuam Defensorias Públicas que atuam no sentido contrário ao almejado pela sociedade e pelo governo, talvez por falta de diretrizes. No Rio de Janeiro, a Prefeitura tem toda a liberdade para agir. Recolhem os viciados para interná-los compulsoriamente, mesmo de forma um tanto improvisada, visto que de a cidade não dispões de clínicas públicas específicas para tratamento. Já em São Paulo, há clínicas, mas não se pode internar ou recolher ninguém de forma compulsória. Sem uma diretriz clara e única para todos, e com as fronteiras abertas ao tráfico, o combate ao crack no Brasil não funciona e a situação beira o caos.

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

OBJETIVO DAS CRACOLÂNDIAS

A prefeitura cria nova minicracolândia (C1 e C3, 25/10). Será que Kassab-Serra e Police Neto também farão Concessão Urbanística no bairro Consolação para a especulação imobiliária se locupletar de ainda mais paulistanos?

Suely Mandelbaum, urbanista suely.m@terra.com.br

São Paulo

*

MULHERES OCIDENTAIS

Ao ler a matéria de quinta-feira Virgindade de jovem é vendida por R$ 1,5 mi (página A24), pela primeira vez senti vergonha de ser mulher ocidental! A revolução feminina, o combate ao machismo, a luta das mulheres por igualdade e respeito pelos homens e por toda a sociedade não pode ser manchada por algo tão grosseiro e materialista. Não somos mercadoria. Somos inteligentes, solidárias, dignas. Nossa fortaleza está na sensibilidade com que amamos e lidamos com as questões do mundo.

Ana Maria Araujo Lima anamaria.bib@gmail.com

São Paulo

*

VULGARIZAÇÃO

Com muita tristeza leio a manchete sobre a moça brasileira que vende sua virgindade. É uma pena a perda do respeito à pessoa e também a vulgarização do ser humano como objeto de compra e venda.

Debora Eguchi deboraeguchi@gmail.com

São Paulo

*

OFERTA E PROCURA

Se a lei da oferta e procura for válida neste caso, as virgens estão em alta na atualidade. Pensar que há 60 anos era justamente o contrário, quase todas as moças se casavam virgens!

Toshio Icizuca toshioicizuca@terra.com.br

Piracicaba

*

VIRGINDADE À VENDA

Isso, sim, é uma proposta indecente.

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.