Fórum dos Leitores

ELEIÇÃO EM SÃO PAULO

O Estado de S.Paulo

29 Outubro 2012 | 03h07

Vitória de Haddad

A vitória de Fernando Haddad (PT) para a Prefeitura de São Paulo é resultado de alguns fatores especiais e ocasionais. No primeiro turno havia um candidato que estranhamente teve a preferência do eleitorado por algum tempo, mas não conseguiu se manter. Deu José Serra em primeiro lugar e Haddad em segundo. No segundo turno pesou muito o fato de o derrotado ser apoiado pelo prefeito Gilberto Kassab, de baixa aprovação, e o fato de Serra ter abandonado a Prefeitura no meio do mandato. Portanto, na minha avaliação, não foi Haddad que ganhou, foi Serra que perdeu. Não vejo nenhuma qualidade pessoal decisiva em Haddad, muito ao contrário, nem influência do apoio de Lula, que acabou dando sorte na escolha do candidato desconhecido do paulistano e com passagem pelo Ministério da Educação para ser esquecida. Só nos resta esperar para ver o que vai acontecer.

CELSO BATTESINI RAMALHO

leticialivros@hotmail.com

São Paulo

A cria acabou com o criador

José Serra perdeu a eleição não apenas por ter deixado a Prefeitura para se candidatar a governador e, na sequência, sair para ser candidato a presidente. Isso só atrapalhou. Serra perdeu por causa da péssima administração do prefeito Gilberto Kassab, que nos últimos anos quase nada fez pela população paulistana, tendo-se dedicado exclusivamente a fundar o seu partido (PSD). Se Kassab tivesse cumprido como deveria seus compromissos e obrigações como prefeito, Serra teria vencido fácil. Como no caso de Paulo Maluf e Celso Pitta, a cria acabou com o seu criador.

PAULO RODRIGUES DE MOURA

paulorodriguesmoura@hotmail.com

São Paulo

Coisas de patrícios

Kassab e seu PSD, embora apoiando Serra, prometeu 17 vereadores para engrossar a base de sustentação do petista Haddad caso este derrotasse Serra no segundo turno. E mais: prometeu aliar-se ao PP de Paulo Maluf para apoiar a base aliada de dona Dilma na esfera federal.

SERGIO S. DE OLIVEIRA

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

Dúvida

A Justiça determinou que o sr. Paulo Salim Maluf devolva aos cofres municipais o dinheiro que levou indevidamente da Prefeitura. Maluf já manifestou interesse em marcar audiência com o atual prefeito para que esse valor a ser devolvido tenha um bom desconto. Dúvida: eleito o prefeito de São Paulo, e como ele e seu Lula são os novos amigos íntimos do sr. Maluf, a ponto de frequentarem os jardins de sua residência, o sr. Haddad virará as costas para o seu mais novo padrinho ou beijará suas mãos?

HILO DE MORAES FERRARI

hiloferrari@hotmail.com

São Paulo

Metáfora do malandro

Por vezes vêm à baila metáforas pobres e sagazes que pouco auxiliam o cidadão brasileiro a entender e participar da vida pública. Essa de olhar para a frente, e não para o retrovisor, procura obnubilar o passado dos políticos, como se os que até hoje privatizaram e patrimonializaram os interesses públicos doravante venham a adotar nova e meritória conduta. Nesta altura, Haddad já deve estar sendo fortemente assediado, entre outros, por Maluf e pela máquina voraz do PMDB. Na prática a teoria é outra e começa a confirmação de que o inferno está cheio de boas intenções.

AMADEU R. GARRIDO DE PAULA

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

'Novo'

Vem aí o "novo": Lula, José Dirceu, José Genoino, etc.

VICTOR GERMANO PEREIRA

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

Equipe

Será que o prefeito eleito Fernando Haddad vai pôr algum mensaleiro na sua equipe de trabalho?

VIRGÍLIO MELHADO PASSONI

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

Sugestão

Para a formação do secretariado de Fernando Haddad: Finanças, Delúbio Soares; Transportes, José Genoino; Educação, João Paulo Cunha; chefe de gabinete, José Dirceu. E aí, que tal?

IVAN BERTAZZO

bertazzo@nusa.com.br

São Paulo

Partido do mensalão

Elegendo o candidato do PT, São Paulo freia o esforço da sociedade civil de cobrar moralidade do Supremo Tribunal Federal.

FRANCISCO JOSÉ SIDOTI

fransidoti@gmail.com

São Paulo

Outro poste

Sinto-me envergonhado como paulistano. Apenas imagino nomes como Genoino, Dirceu e camarilha assumindo postos no secretariado municipal. Preparemo-nos, agora, para outro poste no governo do Estado de São Paulo.

JOSÉ FRANCISCO D'ANNIBALE

dannibale@uol.com.br

São Paulo

Alienígena

Muitos de nós, paulistas, estamos aborrecidos com essa vitória lulítica. Mas não tem nada, não, vem aí coisa pior: o Burla está preparando mais uma cria sua, um alienígena paraense para governar o nosso Estado!

LAÉRCIO ZANNINI

arsene@uol.com.br

Garça

Povo sem memória

Pela propaganda eleitoral enganosa de Fernando Haddad, com ele como prefeito São Paulo será a cidade mundial em excelência. Digamos, a réplica do "céu na terra"! Pode até ser que sim, mas não sem antes lotear a Prefeitura entre os milhares de cabos eleitorais desempregados que sonham mamar nas tetas desta cidade, que, em apenas dois mandatos petistas, amarga até hoje os seus danosos efeitos. Povo feliz é povo sem memória mesmo!

BEATRIZ CAMPOS

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

Falta de autonomia

Por não ter luz própria, a presidente Dilma Rousseff teve de engolir várias indicações do ex-presidente Lula e da cúpula petista na formação do seu Ministério. Deu no que todos sabemos: em menos de um ano, meia dúzia de ministros foi defenestrada pela prática de "malfeitos". (Falando nisso, e o ministro Fernando Pimentel, hein?) E Fernando Haddad tem ainda menos autonomia do que a presidente Dilma tinha em 2010. Portanto, a sua eleição é um risco enorme para os cofres da Prefeitura. Eu diria até que o novo prefeito petista não terá autonomia sequer para nomear o porteiro.

MAURÍCIO RODRIGUES DE SOUZA

mauriciorodsouza@globo.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

DA SÍRIA AO LÍBANO

A comparação do Líbano à fênix renascida, tantas vezes lembrada - tendo em vista o potencial de seu povo para a reconstrução do país, sempre que fustigado pelas inúmeras adversidades ao longo de sua história milenar -, não minimiza o sofrimento dos libaneses em face de suas circunstâncias peculiaríssimas, quer sejam de ordem geográfica, política, social ou confessional. Desde sempre, este pequeno grande país revelou-se como terra de acolhimento da diversidade, o que, longe de lhe assegurar o direito à paz, constituiu-se em frágil equilíbrio, passível de ser rompido, mercê de situações de conflito e de luta por poder a seu redor. A morte de Wissam Al-Hassan, barbaramente assassinado em 19 de outubro, é exemplo claro de contaminação com a realidade síria, assolada por verdadeira guerra fratricida. Lamentamos profundamente a situação do povo sírio, com o qual nos solidarizamos, mas não podemos deixar de relacionar mais um crime a interesses da Síria em solapar a soberania do Líbano na condução de seu destino, crime este que se soma a inúmeros assassinatos de figuras proeminentes da sociedade libanesa, sobretudo do mundo político e das comunicações. Se nos voltarmos à história recente - de inícios da década de 1970 para cá -, veremos que a guerra civil ocorrida em território libanês "justificou" a ocupação síria no país, efetivando-se esta por longos 30 anos... A saída do contingente sírio do Líbano, em meados dos anos 2000, revelou-se, quando muito, uma saída física, pois que um braço do governo de Assad, representado pelo Hezbollah, aglutinou partidários e substituiu claramente a presença síria no país, que, na verdade, nunca abriu mão de sua influência no país vizinho, utilizando-se dos meios mais escusos para tanto. Nessa linha, não podemos deixar de registrar, entre outros - por emblemáticos - ao longo do período aludido, o assassinato de Bashir Gemayel (à época, presidente eleito); de Glbran Tueni, conhecido e brilhante jornalista; de Pierre Amin Gemayel, filho de Amin Gemayel, ex-presidente libanês; de Dani Chamoun, também filho do ex-presidente libanês Camile Chamoun; do primeiro-ministro Rafik Hariri, mais recentemente, em 2005. As evidências de todos os crimes, entretanto, jamais impediram a prática habitual do governo sírio de expressar "suas condolências" em nome de seu povo, tal como ocorreu há dez dias. Chefe da Inteligência libanesa, o general Wissam Al-Hassan chegou a desvendar os nomes dos assassinos de Hariri, bem como revelou planos de um atentado que seria realizado a mando do governo sírio e levado a termo por um ex-ministro libanês, aliado à Síria, Michel Samaha, que veio a ser preso por conspirar contra o país e seu presidente, Michel Suleiman. De acordo com as matérias que nos chegam pela grande imprensa, dentre as quais salientamos o trabalho de Gustavo Chacra, colaborador deste jornal, parece-nos não haver dúvida de que tal atentado foi perpetrado por Damasco. O que se espera, no momento, é que seja possível a contenção da revolta que, mais uma vez, tomou conta do povo libanês, a fim de não ser o Líbano palco de mais uma guerra como a que vivenciou há duas décadas em seu território, cujos ecos se podem ouvir fortemente em nossos dias. A afluência de refugiados sírios em cerca de 100 mil aos 10.400 km de território libanês (somados aos 500 mil palestinos ali presentes) traz consigo angustiante instabilidade para a nação, não só do ponto vista de logística humanitária, mas, e principalmente, pelo número de refugiados políticos que podem arrasar para o Líbano, o combate do país vizinho, a despeito da neutralidade de posicionamento intencionada pelo governo libanês. Que o governo sírio privilegie, a qualquer custo, a vida e a paz de seu povo e, consequentemente, de todo o Oriente Próximo.

Lody Brais, presidente da Associação Cultural Brasil-Líbano brasil.libano@gmail.com

São Paulo

*

VIOLÊNCIA SECTÁRIA

Muito comum a presença de menores de idade, muitas vezes portando armas de fogo, em manifestações no mundo árabe, como mostrou a foto de um "garoto sunita, de dez anos, patrulhando rua na cidade em Trípoli" (23/10, A22). Fica a pergunta: O que o anjo Gabriel combinou com o profeta Maomé, nas cavernas do Monte Hira, sobre esse assunto?

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

DESERTO EM SANGUE

O corresponde Gilles Lapouge (Uma guerra no deserto, 24/10, A23) descreve a aridez rubra de sangue em episódio inimaginável em nosso século, protagonizada por uma horda de sicários tresloucados que, em suas palavras, "fustiga, lapida, corta os braços ou as pernas daqueles, principalmente daquelas, que desafiam suas proibições" no coração do imenso Saara, no norte de Mali. Islamistas sanguinários da Al-Qaeda local e integrantes do Movimento pela Unidade e a Jihad local. França, Estados Unidos e Argélia titubeiam em intervir, posto que têm nacionais tomados como reféns e que seriam sacrificados imediatamente. Tumbas são profanadas. Parece que não há evolução civilizatória para homens que superam em crueldade feroz os mais contundentes animais predadores da Terra.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

GRÉCIA-TURQUIA, FRONTEIRA FECHADA

Lamentável que a Grécia - que vive grave crise econômica e social - esteja construindo um enorme muro na sua fronteira com a Turquia, para impedir a entrada de imigrantes pobres da Ásia na Europa. Os gregos estão terminando a construção de um muro de 12,5 quilômetros de extensão e 3 metros de comprimento para barrar e entrada por terra de imigrantes pobres e clandestinos no país. Trata-se de medida de xenofobia, segregação e preconceito contra os estrangeiros pobres. A Grécia repete o mesmo erro cometido pelos Estados Unidos, na fronteira com o México, e de Israel, com os palestinos. Queremos viver num mundo livre, sem muros, onde as pessoas possam ir e vir livremente. Ao invés de inclusão, abertura e integração, estamos vivendo num mundo cada vez mais fechado e baseado na exclusão do outro.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

A ASCENSÃO NEONAZISTA NA GRÉCIA

A pesquisa de opinião pública divulgada em 19 de outubro mostra a ascensão neonazista na Grécia. O partido Nova Democracia, do primeiro-ministro Samaras, com 27% seria derrotado pelo partido de oposição Syriza, com 30,5%. Entretanto, o dado mais relevante da pesquisa é que o partido neonazista Aurora Dourada já está em terceiro lugar, com 14%. Os demais partidos que teriam representação parlamentar seriam: Gregos Independentes, com 7%; os comunistas (KKE), com 6,5%; o socialista (Pasok), com 5,5%; e a Esquerda Democrática, com 5,5%. Estes dois últimos partidos formam a coalizão de governo com a Nova Democracia. De acordo com a pesquisa conduzida pela VPRC e publicada no jornal Grécia Amanhã (I Ellada Avrio): 88% estão insatisfeitos com o governo, 82% consideram que a situação econômica pessoal piorou em relação ao ano passado, 78% consideram-se expostos à pobreza, 52,3% não escolheriam ninguém para primeiro-ministro e 35,5% não escolheriam nenhum partido. A democracia está ameaçada na Grécia diante do aumento das medidas de austeridade e a piora das condições econômicas e sociais. A Aurora Dourada está se tornando um Estado dentro do Estado grego, ao criar uma rede de assistência para as pessoas mais atingidas pela grave crise econômica que vai entrar pelo sexto ano em profunda recessão. Uma Grécia em ruína política e econômica assiste à ascensão neonazista, que busca cooptar mais seguidores: reprimir imigrantes, repartir comida, ajudar a buscar emprego e assistir aos desvalidos. A Grécia para os gregos. Banco de sangue somente de gregos para uso dos próprios gregos. A coalizão liderada pelo primeiro-ministro Samaras não conseguirá manter apoio político suficiente, mesmo que seja aprovada a proposta de prorrogação de implantação das medidas de austeridade de 2014 para 2016. Os neonazistas estão ganhando o apoio das ruas e não se pode prever qual será o desfecho da tragédia grega.

Luiz Roberto da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

São Paulo

*

EFEITO MENSALÃO

É bem verdade que a justiça italiana não tem muito que aprender com a nossa com relação a caçar corruptos e quadrilheiros. Os mafiosos por lá que o digam! Mas, em tempo de mensalão tupiniquim, essa notícia da condenação e pena de prisão do ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi não deixa de ser auspiciosa, porque é mais um populista e demagogo, como o nosso Lula, que é praticamente alijado da política porque também se tornou inelegível. E para aqueles que criticam (inclusive alguns jornalistas) a mão pesada da Corte brasileira com relação aos condenados da Ação Penal 470, o mensalão, a multa do Berlusconi foi fixada em 10 milhões de euros, ou aproximadamente R$ 30 milhões. Provavelmente o dono todo poderoso do Milan não terá coragem de afirmar que este é também um julgamento de exceção, como o José Dirceu e seus quadrilheiros e camaradas do PT arrotam por aí com relação ao Supremo Tribunal Federal (STF). E tampouco seus correligionários italianos, não deverão sair às ruas deste país amigo, em apoio ao condenado, como também sonham fazer por aqui os lulistas, em apoio à quadrilha condenada pelo mensalão! Chance de sucesso zero...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

CRIME E CASTIGO

Ledo engano! Os petistas corruptos que pensavam ser inocentados pelos seus próprios pares - oito dos ministros do STF foram indicados por Lula e Dilma - acabaram sendo condenados pelos impares.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

A MÍDIA

Os "cumpanheros" continuam acusando os principais veículos de comunicação do Brasil, juntamente com "as elite", de serem os grandes culpados de transformar uma farsa num grande processo criminal de repercussão internacional, onde a cúpula do PT e vários outros companheiros, políticos ou não, foram condenados pelos crimes de peculato, lavagem de dinheiro, corrupção ativa e passiva, evasão de divisas, formação de quadrilha e gestão fraudulenta. Os "cumpanheiros" ainda não entenderam que a mídia vive de vender notícias, e como uma padaria que vende pão, se o pão não for do interesse dos clientes, a padaria fecha. Por outro lado, quem os julgou, fora os dois juízes que devem ser assalariados do partido, os outros nove, na sua grande maioria, foram nomeados pelo ex-presidente Lula, que continua achando que o cargo de presidente da República, além de ser vitalício, é propriedade de quem o exerce e que seus nomeados lhe devem eterna obediência. Entendam os petralhas que o Supremo Tribunal Federal não é uma instituiçãozinha onde seus membros podem ser manipulados ao "bel prazer" por um apedeuta fanfarrão e mentiroso. O STF é o órgão máximo da Justiça de uma nação, e com atitudes corajosas, como a que presenciamos nos três últimos meses, é que um país forma a sua credibilidade junto ao seu povo e às outras nações. O mínimo que essa quadrilha pode fazer é baixar a cabeça, encolher o rabo, cumprir direitinho os anos de cadeia a que foram condenados e dar graças a Deus que o seu folclórico guru Lula conseguiu mais uma vez se safar de passar o resto de sua aposentadoria na cadeia.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

'VALOR SOCIAL'

Só faltava esta ao lulopetismo: reduzir a pena a ser imposta a José Dirceu por "relevante valor social". De onde vem essa ideia? Será de Cuba, onde ele foi treinar "restabelecer a democracia no Brasil", ou do interior do Paraná, onde o revolucionário graduado se escondeu, até a anistia, e daí para petralha deu-se na primeira oportunidade de poder.

Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

*

UM ESCÁRNIO

Escarnece da sociedade o advogado de José Dirceu ao invocar para seu cliente um pretenso "valor social" como causa de amortecimento da pena! No caso de Dirceu, este senhor que desejava implantar uma outra ditadura por aqui nos anos 60, e que 40 anos depois subiu ao poder para continuar com este mesmo objetivo, desta feita não mais usando armas, mas a corrupção ativa, a vida pregressa deste homem, mais um falso herói das esquerdas, no meu entendimento seria é causa para um aumento substancial da pena. Do advogado cumprindo o seu papel, ainda que risível, eu posso aceitar o desespero dos argumentos pífios e sem fundamento, agora, o que não se engole é que a redação de um jornal que se diga sério creia que a ideologia (se for de esquerda, "lógico") de um criminoso é causa de inimputabilidade... perdão, esqueci o caso Battisti, quando um certo outro jornal de grande circulação defendeu com unhas, letras e dentes este outro terrorista "importado", como se já não bastassem os daqui, tupiniquins mesmo.

Paulo Boccato pofboccato@yahoo.com.br

São Carlos

*

IDEOLOGIA

Perguntar não ofende: Que tipo de dinheiro paga os derrotados mega advogados dos mensaleiros? A ideologia que não é!

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

SILÊNCIO

Ou muito me engano, ou José Dirceu não vai fazer, passadas as eleições municipais, um escândalo para denegrir o STF após ter sido condenado pelos crimes de corrupção ativa e formação de quadrilha, como diz o editorial do Estado (Crime e castigo, 26/10, A3). É que suas penas ainda não foram fixadas e ele sempre foi prático na vida. Não vai querer agora arriscar a se complicar ainda mais. O range da dosimetria é amplo, de 3 a 15 anos. Vai ficar quietinho.

Paulo Serodio pserodio@uol.com.br

São Paulo

*

PRETENSOS PRESOS POLÍTICOS

A dupla de Zés (Dirceu e Genoino) está declarando aos quatro ventos, e encontrando eco numa imprensa pautada pela megaquadrilha dominante, que o Supremo Tribunal Federal (STF) realiza um julgamento político na Ação Penal 470. Portanto, em caso de uma pena que os leve à prisão em regime fechado, e é isso o que todo Brasil sério espera, serão considerados presos políticos. Ora, toda ação é inicialmente política; para você abandonar a dependência química, o hábito da bebida alcoólica, para você abandonar o tabagismo, etc. Vejam no caso de Fernandinho Beira-Mar, de Marcola e outros. Foram condenados com base na Política Antidrogas. No caso dos Zés, eles ainda não sabem, mas eu os digo: baseia-se na Política Anticorrupção e essa não dá direito a asilo.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

ALMA LAVADA

Não se pode admitir como certo que o STF lavou a alma do brasileiro, mas, com certeza, lavou a alma dos "togados" nas cadeiras, vilmente achincalhados pela cúpula petista, inclusive tentado seu aparelhamento com as "figurinhas togadas" como ministros da Justiça, Lewandowski e Toffoli, descaradamente lá como "advogados dos réus", e advogados sem princípio moral algum.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

A ACEITAÇÃO DO CASTIGO

Lemos, com inusitada surpresa, que o PT pretende produzir um manifesto com críticas ao Poder Judiciário. Não sabemos qual a razão dessa iniciativa, pois fica bem claro que o julgamento da Ação Penal 470 transcorreu da forma mais transparente possível, em obediência estrita aos postulados da democracia. Não foi tolhido aos réus o amplo direito de defesa em todas as faces da ação penal. As condenações são decorrência dos fatos delituosos cometidos pelos réus. Assim sendo, a bem da verdade, nada há mais a questionar, a não ser aguardar com serenidade o que a Suprema Corte do País enfim decidir.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

O INDULGENTE LULA

Confirmado o vergonhoso delito do mensalão, e condenados os executores, espera-se agora a responsabilização do então agente público Lula pela omissão na abertura de processo administrativo, logo após a denúncia de Roberto Jefferson. Em que pese sua grosseira empáfia, ao se dizer julgado, Lula flagrantemente omitiu-se na apuração dos fatos, após a denúncia, e também por não exigir do condenado José Dirceu, então agente público lotado no Gabinete Civil da Presidência da República, a devolução dos valores desviados dos cofres públicos. Essa indulgência é crime! Com a palavra, o Ministério Público Federal.

Honyldo R. Pereira Pinto honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

*

SER SUPREMO

Agora está explicado por que Lula tem a humildade de se comparar a Jesus Cristo, realmente, sua fidelidade é bem maior, não teve um Judas em seu caminho... pelo menos por enquanto.

Mário Aldo Barnabé mariobarnabe@hotmail.com

Indaiatuba

*

JUIZ DE PRIMEIRA CLASSE

Já mencionou o ilustre Joaquim Barbosa que simpatiza e é eleitor do PT, partido que devassou em seus julgamentos. Excepcional qualidade essa de eximir-se de suas próprias convicções políticas ao julgar. O juiz exímio, ao vestir sua toga, enterra sua própria opinião, e não a deixa influenciar suas decisões. Parabéns, ministro Barbosa, Vossa Excelência é o maior exemplo de um juiz de primeira classe.

Daniel Arjona de Andrade Hara haradaniel734@gmail.com

Cotia

*

PENAS

Gostaria de saber dos senhores ministros do STF, que julgam o furto do dinheiro público um mal menor, por que quem furta margarina vai preso e fica mais de seis meses na cadeia? E pena de morte, nos EUA não ocorre em todos os Estados nem se aplica a crimes financeiros, senhor ministro Dias Toffoli - aquele que foi reprovado em concurso para juiz, mas graças à ligação com o PT e sua amizade com Lula virou ministro do STF.

Edivelton Tadeu Mendes etm_mblm@hotmail.com

São Paulo

*

PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES

Recente sentença de um juiz mineiro, em primeira instância, desconsiderando a Emenda Constitucional (EC) n.º 41, que reformulou o sistema previdenciário dos servidores públicos, não prosperará e é totalmente inconstitucional. Sob a tese de que na votação da emenda houve influência do pessoal do "mensalão", esta não valeria. É uma tese totalmente absurda, sendo os atos votados em qualquer Congresso do mundo, atos jurídicos perfeitos. Seria o mesmo que invalidar o resultado de uma partida de futebol devido ao fato de o árbitro estar envolvido em atos criminosos - mesmo que ele tivesse sido subornado para arranjar resultados, o resultado seria mantido. Ademais, é uma situação em que se procura manter privilégios de servidores que mais ganham, uma vez que se trata do caso de uma elevada pensão de viúva, que, pelas regras da EC 41, deve ter a parte que exceder ao teto da Previdência do INSS, paga em 70% - e mais desconto previdenciário de 11%, mas só sobre o que excede o teto do INSS. A EC 41, em julgamento no STF, foi considerada constitucional.

Heitor Vianna P. Filho bob@intnet.com.br

Araruama (RJ)

*

APAGÃO NO NORTE E NORDESTE

A única razão para ocorrer um apagão como o de quinta-feira (25/10) é a incompetência.

Ronald Martins da Cunha ronald.cunha@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

OS 'APAGUINHOS' DO GOVERNO DILMA

De apagãozinho em apagãozinho se faz um apagãozão!

Milton Bulach mbulach@gmail.com

Campinas

*

REDUÇÃO DO IPI

O governo prorrogou até o fim do ano a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para os veículos novos. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que era para evitar a subida do preço deles. Legal, ministro. Como o carro é gênero de primeira necessidade - a população almoça e janta carros -, é claro que, se o preço aumentar, vai comer menos carros. Será que ele sabe ou tem acompanhado o índice do custo da alimentação? Provavelmente não. Ele deve se alimentar de... carros. Vou dizer mais o quê, diante de uma declaração ridícula como essa?

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

PÉROLA

Diante do anúncio feito pela presidente Dillma sobre a prorrogação do corte de IPI no preço dos automóveis, o ministro Guido Mantega saiu-se com esta perola: "Sempre que pudermos contribuir para baixar a inflação, contribuiremos"! Vale perguntar: Por acaso ministro, "pobre come carro"? O maior índice inflacionário neste ano caiu em cima dos gêneros alimentícios, se esqueceu?

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

UMA RELAÇÃO DE AMOR

Qual será a relação dos "governantes" com as indústrias automobilísticas que os deixam cegos? Por que essa turma sempre goza dos privilégios com as baixas do IPI? Se for para baixar os índices da inflação, como afirma o mago da Economia, o Mantega, cabe a pergunta: Quem é que come automóveis, caro ministro? Para as indústrias alimentícias e quetais, que já transferem para o bolso do povo muito mais de 10% de inflação, nenhum refresco? Já está dando na vista essa relação de amor permanente!

Leila E. Leitão

São Paulo

*

PRIMEIRA NECESSIDADE

Os brasileiros estão felizes, pois compram com frequência automóveis em supermercados e quitandas.

Luigi Vercesi luigiapvercesi@gmail.com

Botucatu

*

APAGÃO DE CARÁTER

Os petralhas são tão desprovidos de caráter e vergonha que, depois de Guido Margarina declarar que a isenção de IPI para os carros será prorrogada até o fim do ano para evitar uma inflação ainda maior (qual a cesta básica em que se enquadra o carro?), só falta agora uma declaração da primeira posta (feminino de poste, conforme a cartilha de a(na)lfabetização do PT) de que os outrora apagões da era FHC são agora "interrupções energéticas não programadas, e portanto não contabilizadas".

Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com

São Paulo

*

INFLAÇÃO

Só uma pergunta ao nosso forte, impecável, incorrupto, idôneo e capaz governo comandado, dirigido e manipulado pelo PeTelulismo: Como vai a "inflação", senhores, que vocês pegaram beirando o zero de Fernando Henrique Cardoso?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

SENTIMOS NO BOLSO

Prévia da inflação oficial surpreende e sobe para 0,65%. Se a alta da inflação surpreendeu alguém, só pode ter sido o ministro Guido Mantega, que, como seu verdadeiro chefe, nada vê e de nada sabe. Os demais brasileiros não se surpreenderam, sentiram no bolso, com seu poder aquisitivo em queda.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

FALANDO COM NÚMEROS

Eu queria que o Sr. Lula, Dona Dilma ou qualquer membro do PT explicasse, não a mim, mas ao povo que recebe o Bolsa-Família como uma família de cinco pessoas (pai, mãe e três filhos), com o valor de R$ 350,00 (5 x R$ 70,00), acrescido do salário do pai, R$ 620,00, totalizando R$ 970,00, faz três refeições por dia, uma vez que levantamentos feitos por órgãos competentes revelam que a cesta básica composta de 32 itens de alimentação, 5 de higiene pessoal e 7 de limpeza doméstica para a sobrevivência de uma família de 5 pessoas custa R$ 1.175, 79 (setembro de 2012)? Acrescente-se que a composição desta cesta básica não contém carnes, remédios, peças de vestuário e consumo de energia elétrica.

Nei Silveira de Almeida neizao1@yahoo.com.br

Belo Horizonte

*

FUNDO DO POÇO

O governo atual herdou todos os problemas da péssima gestão Lula, agravada pela bolha imobiliária dos Estados Unidos que atingiu o coração financeiro da Europa. Agora os países asiáticos não estão comprando como antes, a Europa, em recessão, a indústria brasileira, em colapso. Quem vai girar a economia brasileira? Os grandes especialistas escolheram o mercado interno, mas o povo brasileiro não tem recursos, os salários são ínfimos, mal dá para comer, e os que fazem parte de elite econômica são apenas 1,5% que já têm tudo do bom e do melhor. Qual a mágica solução? Liberar o crédito, abrir os cofres do BNDES. Consequentemente, endividar o povo brasileiro da sofrida classe trabalhadora com juros extorsivos e impostos que são verdadeiros confiscos fiscais para alimentar o governo que transfere parte para a sociedade como crédito consignado que reduz ainda mais os salários. Esta equação chegou ao limite e o Brasil, no fundo do poço.

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br

São Paulo

*

INVESTIMENTOS E A UNANIMIDADE DO CONFAZ

Cumprimento o senador Ricardo Ferraço, pela iniciativa de propor o PLS 170/2012, buscando regulamentar a concessão de incentivos fiscais de ICMS, política que até aqui trouxe comprovadamente resultados positivos para o País, nos últimos 30 anos, criando milhares de empregos em municípios distantes dos grandes centros, contribuindo para a inclusão social e redução de desigualdades. Que as demais comissões o aprovem, bem como o Senado e a Câmara dos Deputados. O grande entrave para a aprovação dos projetos estaduais é a exigência da unanimidade nas decisões do Conselho Fazendário (Confaz), prevista na LC 24/75. Eliminada esta barreira, com aprovação por 3/5 dos secretários de Fazenda, de forma democrática, tenho certeza de que novos investimentos serão efetivados nas Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Seria o fim da insegurança jurídica. Espero que a Comissão de Especialistas do Senado aponte o caminho da regulamentação e quebra da unanimidade nas decisões do Confaz, em relatório final a ser entregue no final do corrente mês.

Antonio Carlos Moro adialbrasil@adialbrasil.com.br

São Paulo

*

POLÍTICA E ECONOMIA

Numa visão generalizada, o mundo da política foi sempre etiquetado como esquerda e direita, definições que hoje se tornaram resíduos simplificados da realidade. As ideias sucumbiram aos interesses. Existem, entretanto, conflitos difíceis de sanar entre modelos alternativos na organização da sociedade. Neste contexto, deveriam ser feitas escolhas concretas que consigam superar as divergências de interesses colocando dentro de parâmetros possíveis a economia a serviço do homem. Entretanto, quando sinto falar do crescimento da economia em termos que considero totalmente abstratos, tenho um arrepio e gostaria de saber de onde virá o nosso bem-estar. Frios números e indicadores como o Produto Interno Bruto (PIB) dizem que a economia cresce, mas não dizem quem recebeu benefícios com este crescimento. Por isso deveríamos ser capazes de parar um segundo para tentar entender o que é realmente este crescimento ao qual dedicamos nossas vidas e nossas esperanças e decidir também quais são as coisas das quais realmente precisamos e quais são supérfluas.

Franco Magrini framagr@ig.com.br

Cachoeira Paulista

*

SECA NO NORDESTE

Seca e praga abrem crise na produção de leite em Pernambuco (Estado, 22/10, B12). É imperioso que nesta seca assolando o Nordeste, como em várias regiões do Estado de Pernambuco, os responsáveis pelo PAC da transposição do Rio São Francisco expliquem, num mapa, se este canal amenizará e quando a sede e a morte de rebanhos, bem como de brasileiros? O Estado de Sergipe possui regiões sem chuva há mais de um ano, criando o próprio estado desértico no Brasil. Evidentemente, o PAC não chegará lá; este é um banho de realidade secular!

Jürgen Detlev Vageler vatra_ind@yahoo.com.br

Campinas

*

DINHEIRO DE DUAS FACES

Não tem correlação entre um e outro, mas o Tribunal de Justiça paulista está conseguindo receber seus atrasados e nós, cidadãos contribuintes, para o devido ressarcimento dos "togados", estamos aguardando nossos "caraminguás" da poupança não corrigida devidamente; que, se paga, "quebrará" nossos bancos. Com a palavra, o Supremo Tribunal Federal (STF), que tão bem enquadrou os mensaleiros, faltando agora cobrar os banqueiros que se locupletaram acintosamente da correção dos Planos Collor e Verão. Esse esqueleto financeiro enterrado nas gavetas do Supremo aguarda exumação já, sem mais delongas.

Aloisio A. De Lucca aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

*

COTAS E O POLITICAMENTE CORRETO

O STF abriu a porteira, agora está se falando também em cotas para negros no serviço público. Mas é no serviço público que o negro tem mais chance de conseguir um emprego melhor. Isso foi até tema de matéria numa famosa revista racialista brasileira. O critério de seleção é objetivo. Não dá margem para o alegado preconceito. Conquista a vaga quem tem a melhor pontuação, independentemente de a pessoa ser negra, favelada, beatlemaníaca, corintiana. Se querem ingressar no serviço público, vão estudar. Esse argumento de dívida histórica de escravidão também é questionável. Nem todos os brancos são descendentes de donos de escravos. Muitos alemães, poloneses, italianos mudaram para o Brasil depois que a escravidão tinha sido abolida. Na verdade, esses ativismos viraram religião, e das mais fanáticas. Contra seus dogmas é inútil argumentar. Até o STF se rendeu e rasgou a Constituição. Estranho que esses ativixiitas são os mesmos que vociferam contra as religiões. Mas é assim mesmo. Paradoxo é o outro nome do politicamente correto.

Geraldo Magela da Silva Xavier beetolado@yahoo.com.br

Belo Horizonte

*

MELHORA A PERFORMANCE

Nos Estados Unidos, os professores estão sendo testados a melhorar seus salários melhorando sua performance. Por que não adotar o mesmo critério no Brasil para pagar vereadores, deputados e senadores? Com certeza o País iria dar uma melhorada!

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

TUNGA NO PEDÁGIO

Diz o dito popular que "manda quem pode, obedece quem tem juízo". Aboletada nessa sentença despótica, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), através do Diário Oficial da União, tornou regra a isenção do pedágio para carros oficiais nas rodovias federais concedidas à iniciativa privada. Todos os veículos a serviço do poder público, da União, dos municípios e dos Estados, incluindo seus respectivos órgãos ou departamentos, autarquias e fundações, públicas e mais as placas de cor diferenciada das padronizadas (contribuinte servil). No arrocho aplicado pela ANTT, fica explícito que as concessionárias não poderão tentar uma compensação que possa revisar os contratos. O governo transfere uma despesa numa demonstração de que estamos vivendo sob o poder de uma emergente republiqueta bolivariana. As estradas administradas por concessionárias têm recebido dos usuários manifestações de aprovação, o que não se pode dizer das federais, que, segundo a Confederação Nacional dos Transportes (CNT), já estavam ruins em 2011, só fizeram piorar em 2012, mantendo a performance negativa no próximos anos. As estradas federais administradas pelo governo, pela má conservação e precária fiscalização e sinalização, apresentam índices de acidentes fatais inaceitáveis.

Jair Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

SOLUÇÃO DEFINITIVA

Os experts em tráfego urbano concluíram que, a partir de 2013, a velocidade máxima nas ruas de São Paulo deverá diminuir para 50 km/h, pois ficou provado que, com o rebaixamento para 60 km/h, houve uma queda acentuada no número de acidentados. É uma atitude simplista, de incompetentes, e eles poderiam tomar uma solução definitiva sobre o assunto: velocidade zero, acidentes zero.

João Menon joaomenon42@gmail.com

São Paulo

*

A VEZ DAS BICICLETAS

Gostaria de compartilhar meu choque em relação a alguns estabelecimentos comerciais em São Paulo no que diz respeito ao uso da bicicleta. A desinformação é tanta que, por exemplo, no Shopping Market Place, onde trabalho, todos os dias que chego de bicicleta um segurança informa que a entrada é junto com as motos, enquanto outro (na entrada das motos) diz que não. Ora, o bicicletário é lá! A única saída para não perder tempo e fingir que não ouvi. Fora isso, em outros prédios, como na Avenida Nações Unidas, 13.797, os seguranças são extremamente rudes e nem deixam você entrar. Meu marido perdeu uma entrevista de emprego porque a "norma do prédio" não aceita bicicletas. Pode estacionar carro e moto, mas bicicleta não? Não faz o menor sentido, percebi que isso acontece em outros prédios também. No Hotel Blue Tree, na Roque Petroni Jr., não há bicicletário, o segurança só diz "ah, põe lá com as motos" e nem há onde prender a bicicleta. Os prédios comerciais precisam aceitar que muitos funcionários vão, hoje, de bicicleta para o trabalho. A gente precisa chegar na hora e não pode evitar o trânsito? Como li o livro São Paulo sem carro e adorei, acho que é dever da mídia abrir os olhos dos cidadãos menos esclarecidos para que possamos ser uma sociedade mais organizada, menos rude, e mais saudável. Afinal, bicicletas parecem ser a solução, mesmo que parcial, para problemas de trânsito, poluição e sedentarismo. E o melhor é que pedalar não custa nada!

Paula de Souza-Sroka coolpaulinha@hotmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.