Fórum dos Leitores

PREFEITOS ELEITOS

O Estado de S.Paulo

30 Outubro 2012 | 02h09

Viva São Paulo!

São Paulo "namorou" Russomanno, "noivou" com Serra e acabou "casando" com Haddad. Não "até que a morte nos separe", mas pelos próximos quatro anos. Que prefeito teremos? O da propaganda eleitoral, das promessas fáceis, de apoios um tanto duvidosos? Um militante fiel, tido como super-herói, ou com os pés no chão, enfrentando a realidade, não mais virtual, governando para todos - petistas e não petistas -, premiando a competência, não somente a militância, e que tenha a capacidade de deixar a cidade melhor do que a está encontrando? Boa sorte. Bom trabalho.

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

Determinação

Lula impôs o nome de Fernando Haddad dentro do PT na disputa pela Prefeitura. Arrancou o candidato com um porcentual indesejável para continuar a caminhada eleitoral, levou-o ao segundo turno e o fez prefeito da nossa São Paulo da garoa. Isso significa determinação. Salve, Lula.

VALDIR ABDALLAH

papi.brasil@hotmail.com

São Paulo

'Menas'...

O prefeito eleito de São Paulo deve conter a euforia, pois sua aprovação foi só de 39,5%, enquanto a de seu oponente foi de 31,2%. Um terceiro concorrente, não menos importante - votos em branco, nulos e abstenções -, somou 29,3%. Assim, 60,5% dos eleitores não se iludiram com suas propostas e promessas e com certeza exercerão poderosa cobrança sobre suas ações. Fique ligado!

FLAVIO MARCUS JULIANO

opegapulhas@terra.com.br

Santos

Pelo bem da cidade

Como não adianta chorar o leite derramado, para o bem da cidade só me resta desejar que o prefeito eleito conduza sua gestão de forma bem mais eficiente do que a que marcou sua passagem pelo Ministério da Educação. De qualquer forma, nós, os 44% que não votamos em Haddad, estaremos vigilantes e torcendo pelo bem da nossa amada São Paulo.

MARA MONTEZUMA ASSAF

montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

Oposição de fato

O mínimo que o PSDB deve fazer agora é agir como oposição de fato à administração do PT, fiscalizando o novo poste em nome dos milhões de eleitores que depositaram sua confiança em José Serra.

ELIANA PACE

pacecon@uol.com.br

São Paulo

Terceiro poste

Fernando Haddad - o segundo poste de Lula - foi eleito porque os eleitores não aguentam mais ouvir as promessas de sempre, ditas pelos políticos de sempre. O PSDB que se cuide e o governador Geraldo Alckmin, também, porque em 2014 Lula poderá eleger o seu terceiro poste, para o governo do Estado de São Paulo. A estratégia do "novo" nos velhos discursos está dando certo.

MIRNA MACHADO

mirna.machado@hotmail.com

Guarulhos

Ironias são perigosas

Haddad aprendeu com o "chefe": começou ironizando, em seu primeiro discurso depois da vitória, ao declarar que é o segundo poste de Lulla. Não deveria dizer isso antes de demonstrar capacidade para administrar uma cidade do tamanho de São Paulo. Se nomear sindicalistas e companheiros para administrar a Prefeitura, vai transformar São Paulo numa grande Caracas. Devagar com o andor que o santo é de barro - espero que ele conheça esse velho ditado.

ALVARO SALVI

alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

Gambiarras

É nos postes do PT que se instalam as "gambiarras" e os "gatos" para desviar recursos da saúde, da educação, da segurança... E a lâmpada apaga!

CARLOS ALBERTO ROXO

roxo_7@terra.com.br

São Paulo

Homens-bomba

Quem detonou José Serra na eleição para a Prefeitura de São Paulo foi seu amigo da onça, o prefeito Gilberto Kassab, que também detonou o DEM. Não foi Haddad, criação do Lula, conselheiro da presidente Dilma e futuro conselheiro do prefeito eleito. Depois do encerramento do julgamento do mensalão, Lula que se cuide, pois muitos homens-bomba poderão aparecer para detoná-lo, como fizeram com Serra. O STF estará pronto para julgá-lo. Só falta ser provocado.

CLEITON REZENDE DE ALMEIDA

cleiton_rezende@uol.com.br

Araraquara

Arroubo incompreensível

É constrangedor ver a euforia com que Marta Suplicy comemorou a vitória do PT em São Paulo. Depois de enxovalhada e humilhada em público por Lulla, que com um dedaço a afastou do pleito, num ato de contrição e subserviência ainda comparou o patrão a Deus. Agora, num arroubo sentimental e histérico, vem dizer que "estava com o Serra na garganta" e "sente a alma lavada". Não se compreende a razão de tanta alegria. Afinal, sem nenhum respeito, foi passada para trás pelo indicador de postes... Em tempo: lava-se alguma coisa quando essa mesma coisa está suja...

ÁLVARO CARDOSO GOMES

alcgomes@uol.com.br

São Sebastião

Fim do sonho

Ao ler as declarações de Marta e Mercadante logo após a eleição, eu me indago: não seria melhor canalizarem essas ideias para educação e cultura?

M. DO CARMO Z. LEME CARDOSO

mdokrmo@hotmail.com

Bauru

Vitória pessoal de Lula

Se São Paulo foi uma vitória pessoal de Lula, Campinas, Salvador, Fortaleza e Manaus não foram derrotas pessoais?

TEREZA SAYEG

tereza.sayeg@gmail.com

São Paulo

Parabéns, Campinas

O eleitor campineiro não se curvou à imposição de Lula e Dilma - provocando um verdadeiro alvoroço em Campinas em 20 de outubro - para que votasse em mais um poste lançado pelo ex-presidente para iluminar politicamente a cidade. O eleitorado de Campinas mostrou maturidade política e que sabe decidir por sua própria escolha. Sou recém-morador e já eleitor, com minha família, nesta magnífica cidade. E estou orgulhoso da personalidade mostrada pela maioria dos eleitores, pois o candidato do PT começou a cair nas pesquisas desde a vinda de Lula e Dilma para impor o seu nome, culminando com a derrota para o adversário, que mostrou suas propostas por ele mesmo.

AGOSTINHO A. DE LIMA COSTA

agostinhoantonio@bol.com.br

Campinas

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadão.com.br

'JORNAL DA TARDE'

É uma pena o fechamento do Jornal da Tarde (JT) após 46 anos de funcionamento e bons serviços prestados á sociedade. O JT, do Grupo Estado, era um jornal comprometido com o bom jornalismo, informação, ética e prestou um relevante serviço social. Infelizmente, no sistema capitalista, só importam os lucros. A imprensa cumpre um papel decisivo na democracia e o fim do JT é uma perda para o País e para a sociedade como um todo. Fica aqui uma justa homenagem a todos aqueles que participaram e fizeram o JT durante mais de quatro décadas de bom jornalismo.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

INESQUECÍVEL

Imaginem, para um garoto de 10 anos, a curiosidade (e por que não dizer, o temor) que foi olhar para a capa do Jornal da Tarde que noticiava a prisão do Bandido da Luz Vermelha. Era, então, o mais procurado dos marginais. Todo tipo de lenda nefasta sobre ele. Ninguém conhecia seu rosto. Meu pai trouxe o jornal para casa. E agora ali estava: foto de primeira página inteira, rosto descoberto, e a manchete: É ele! Bem no estilo gráfico inovador que consagrou o JT. Nunca, nestes 55 anos de vida, me esqueci: a minha primeira página inesquecível do JT.

Horácio dos Santos Monteiro Júnior hsmonteiro@grupopetropolis.com.br

São Paulo

*

ELEIÇÃO 2012 - ABSTENÇÕES

É de causar estranheza e preocupação o fato de que cerca de 30% dos eleitores deixaram de ir às urnas, num sistema eleitoral em que o voto é obrigatório. As abstenções podem ter muitos motivos, mas o maior e mais relevante é o sistema político eleitoral que não é transparente e faz o eleitor de palhaço. Não menos preocupante também é o fato de o eleitor ir até a urna e anular o seu voto. Existe, sim, um protesto. Ele vota em um candidato e quem ganha é o outro. Segundo a ministra Carmem Lúcia, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o tribunal tem de se debruçar sobre o assunto. Desculpe, ministra, mas essa tarefa cabe aos partidos, que precisam criar vergonha na cara, fazer uma grande reforma e tratar o cidadão eleitor com mais respeito.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

O ABANDONO DAS URNAS

Ministra Carmem Lucia, certamente o número crescente de abstenções revela que o brasileiro não aceita ser obrigado a votar e, portanto, se insurge. Também não suporta mais as mentiras de campanha, os números falsos, os dossiês e agressões, o uso descarado da máquina federal para eleger candidatos do PT. Permitir que um candidato calunie, minta, invente feitos e números, em um país com tantos analfabetos funcionais e de conhecida deficiência de leitura, é um crime quase hediondo. Transgressões outras rendem, no máximo, pequenas multas aos candidatos e a impunidade é regra. É por isso, senhora, que mais e mais brasileiros abandonam as urnas eletrônicas, que também suscitam todo o tipo de desconfiança. Urnas não auditáveis? Desculpe-nos, mas não há como confiar. Do jeito que está, cara ministra, é de esperar que o número dos não votantes só cresça nos próximos pleitos.

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

O FRACO ESPÍRITO DA ALDEIA

A abstenção de 20% dos eleitores paulistanos é o fato mais importante a ser objeto de análise dos politicólogos e de todos os que se preocupam com o mais relevante dos deveres do homem - o interesse pela polis. O desinteresse pelo destino de nossa urbe é gravíssimo: pode decorrer da constatação de que vivemos um problema insolúvel, porém com mais certeza a incredulidade se deu em face dos candidatos e seus respectivos partidos. Mas uma cidade não pode deixar de galvanizar seus habitantes; no fluxo irrefreável da história, nessa marcha esclerótica um dia se ouvirá apenas o som dos ventos que sobre ela sopram, como disse Bertold Brecht.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

A OPOSIÇÃO AINDA NÃO PERDEU

Muitos já estão antecipadamente derrotados. Vamos repensar o assunto, não repetir os erros e continuar lutando. Houve uma importante vitória do PT para assumir a Prefeitura da terceira maior cidade do mundo, mas: 1) Retirando 31,5% das abstenções, dos nulos e dos brancos, o PT recebeu votos de apenas 38% dos eleitores paulistanos (pouco mais de 1/3). A maioria não votou nele. 2) Isso quer dizer, repito, que 62% dos paulistanos não votaram nele. 3) O Estado de São Paulo é muito democrático e ainda está, em sua maioria, sob o comando de outros partidos. Juntamente com outros Estados, não deixaremos o plano do "grande partido nacional" do PT tomar o poder. Estão ainda longe disso e não chegarão lá, como mostram aquelas participações. 4) Essa eleições demonstraram novas forças que se organizam e se oporão ao domínio do PT. O PSB no Nordeste, e suas outras alianças, e também o PP. O DEM revigorado na Bahia. O PSDB venceu importantes prefeituras no segundo turno e o PMDB continua ainda bastante forte. 5) PT, entretanto, perdeu em importantíssimas cidades brasileiras, inclusive Campinas. Por que Serra não ganhou? Porque foi uma escolha errada do PSDB. Teria sido melhor uma "renovação", ainda que o partido não vencesse. Como se viu no primeiro turno de São Paulo, os novos nomes tiveram crescimento extraordinário, como ocorreu na grande maioria das cidades brasileiras. FHC reconheceu que o PSDB precisa ser renovado. Porque o povo de São Paulo está farto da má administração de Kassab (que agora deve se aliar ao PT), sucessor de Serra, como mostraram as pesquisas realizadas, e preferiria um novo nome e ainda, porque Serra tem muito elevado índice de rejeição, é arrogante, não tem carisma (ao que seu contendor igualou). Pelo abandono do cargo a que fora eleito pelo povo. Desrespeito sentido pelas camadas de baixa renda e muito bem explorado pelo PT. A abstenção foi extremamente elevada nas circunstâncias atuais e com a obrigatoriedade de voto (multa de somente R$ 3,50 para quem não votar). Eleitores insensíveis ou incultos deixaram de lado os interesses do País. Porque o assunto do "mensalão" não atingiu a camada da população que "não lê jornal". E na camada que os lê, não funcionou, não resgatamos, ainda, espero, a importância da ética e da moral na condução da coisa publica. A propósito, se o mensalão fosse julgado pelo povo, como queriam alguns membros do PT, ele teria a aprovação de apenas 38% do eleitorado paulistano, portanto, reprovado. Devemos, entretanto, pressionar para a presidente da República não indulte os réus culpados, assim como o Congresso Nacional. Deverá haver grande pressão petista. Isso, sim, requer o trabalho muito forte da oposição.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

SILÊNCIO DOS INOCENTES

O que mais preocupa não é o grito dos maus, e, sim, a omissão dos inocentes. Brancos e nulos = 9%; abstenção = 20%. O silêncio dos inocentes elegeu o pior para São Paulo.

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br

São Vicente

*

GRATA SURPRESA

O índice de abstenção em São Paulo (a acrescentar os brancos e nulos), bem demonstra a opinião de quase um terço do eleitorado sobre políticos. Imagino o quanto seria, não fosse o voto obrigatório. Mais ainda, mostra que existe uma parcela grande de eleitores mal informados politicamente. Que o novo prefeito se torne uma grata surpresa.

André C. Frohnknecht anchar.fro@hotmail.com

São Paulo

*

MINHA ANÁLISE

Tem alguns especialistas em política falando da "grande vitória" do PT e do Lula em São Paulo. A partir da análise de todos os votos, e não somente os válidos, não vejo isso: Haddad (38,02%); abstenção (31,59%); e Serra (30,39%). Portanto, os eleitores mostram, na minha opinião, que não querem nenhum dos dois. E assim, há espaço para outro candidato. Eu fiz essa análise, pois votei nulo em minha cidade, Catanduva (SP).

Eloy Rodrigo Colombo eloy_colombo@yahoo.com.br

Catanduva

*

NÚMEROS

Petistas em festa, atenção: mais de 5 milhões (!) de paulistanos não oPTaram pelo "novo": José Serra, 2.708.768 eleitores (44,43%) + 1.642.298 abstenções (19,96%) + 500.578 nulos (7,26%) + 299.224 brancos (4,34%). São Paulo não é SPT!

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

A PALAVRA É EDUCAÇÃO

Serra e Haddad, vocês não mereceram meu voto, pois ainda não entendem o problema básico: qualidade da educação. Não é "escola de lata" nem CEU, mas é o inferno se falarmos da diferença entre país desenvolvido e país subdesenvolvido: a qualidade dos professores, só sanável com incentivo real, ou seja, bons salários. Só aí teremos boas cabeças nas salas de aula e, então, estudantes bem conduzidos. Este é o futuro do Brasil. O resto é enrolação. Só ouvi uma voz nacional coerente: nosso ilustre Quixote, Sr. Cristovão Buarque. Em São Paulo, o Giannazi. Educação é ingrata: só dá frutos uma geração depois. Tem de ser estadista, "cabra macho e inteligente" para "peitar" tal questão. E parece que não temos tal felicidade: nem FHC, nem Lula, nem Dilma: só falatório. Povo, acorde!

Pedro Sérgio Sassioto pssassioto@uol.com.br

São Paulo

*

BOAS VINDAS AO PREFEITO

Já que o prefeito eleito em São Paulo, Fernando Haddad (PT), disse que "vai trabalhar quatro anos, 365 dias por ano, 24 horas por dia para mudar a cidade", como sugestão, que tal começar modernizando os semáforos da cidade, que, a cada chuvisco ou vento, param de funcionar e provocam com isso verdadeira balbúrdia no já caótico trânsito da cidade?

Paulo Ribeiro de Carvalho Jr. paulorcc@uol.com.br

São Paulo

*

AGORA É QUE SÃO ELAS

Sr. Haddad, agora que o senhor está eleito, permita-me fazer um comentário e um pedido. O comentário: prometer mundos e fundos foi muito fácil. Cumprir é que são elas. Estaremos de olho em seu desempenho, começando em quem vai indicar para as secretarias de maior orçamento. Nada de desculpas, principalmente aquelas manjadíssimas. O pedido: por favor, veja se não vem com as frases e nomes de efeito, tão a gosto de seu tutor e de seu partido. A cidade não gosta e não precisa de Projeto Belezura, Fome Zero, Minha Casa Minha Vida, Começar de Novo, e vai por aí afora, cujas expectativas que criaram nunca foram cumpridas a contento. Prefira sempre prometer pouco e, depois, superar as expectativas.

Geraldo Alaécio ggalo10@terra.com.br

Guarulhos

*

VITÓRIA DE LULA

No discurso da vitória, Haddad, vulgo "poste", escondeu Lula. Mas que não se enganem nem se iludam os eleitores de Haddad: quem vai mandar em São Paulo é o padrinho inventor dele, Lula, o chefe geral e irrestrito do mensalão, que deveria estar preso. Por isso, quem gosta de São Paulo deve ficar de marcação com este "poste", pois aqui não vão fazer mensalão nem com reza brava.

Asdrubal Gobenati asdrubal.gobenati@bol.com.br

São Paulo

*

PREFEITURA DE HADDAD?

Dá para acreditar que Haddad vai governar sozinho? Nem se coelho da páscoa botar ovo. Dá para acreditar que será uma administração séria? Nem que o Zé Dirceu torne-se honesto. Dá para acreditar que não haverá desvio de verbas? Nem que o dedo do Sr. Tentáculos recomponha-se. Dá para acreditar que ele conhece a língua portuguesa? Nem de longe. Para um ministro da Educação, que deve conhecer a fundo nossa língua, referir-se a ela como "presidenta"... Então, caros amigos paulistanos, estamos num buraco sem fundos, para não proferir outras palavras.

Odair Deboletta deboletta@hotmail.com

São Paulo

*

FANTOCHE

A maioria dos eleitores de São Paulo optou pelo "novo, o mais novo fantoche de Lulla! Que Deus nos ajude!

Luiz Sergio dos Santos Valle lsvalle@tecnacimoveis.com.br

São Paulo

*

GRUPO DE TRABALHO

Haddad e Dilma vão formar um grupo de trabalho entre São Paulo e o governo federal, ao mesmo tempo que lemos que os petralhas e aliados já estão brigando por cargos no novo governo. Pois bem, tenho certeza de que não faltará espaço para os mensaleiros José Dirceu, Genoíno, Delúbio e demais colaboradores. Alerta, São Paulo, pois somos nós, os contribuintes, que vamos arcar com mais este cabide de emprego.

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

*

ELEITOR PAULISTANO

Inacreditável! Na cidade de São Paulo, 3.387.720 eleitores sufragaram Fernando Haddad, do PT. Não dá para acreditar que nem o julgamento do mensalão no Supremo Tribunal Federal (STF) tenha conseguido abrir a cabeça dessa gente. Boa sorte procês. Ocês têm u qui mereci.

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

*

DIVISÃO DO BUTIM

A foto estampada na primeira página do Estadão (29/10), de Chalita comemorando a vitória de Ruinddad, é sintomática. Seu sorriso de Coringa espelha toda a imensa retidão e arcabouço de sua ideologia política pessoal (afinal, quantos mesmos foram os partidos no qual se filiou em tão pouco tempo?) e de seu atual partido. Suas mãos demonstram ainda mais a fúria predadora na divisão do butim e a certeza de que, no dia seguinte, o poste número 2 estaria com o primeiro poste levando a fatura e cobrando o pagamento (mais um ministério a ser criado?).

Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com

São Paulo

*

MÁS COMPANHIAS

Boa sorte senhor Fernando Haddad! Que São Paulo, o apóstolo padroeiro, o livre dos maus pensamentos e das más companhias!

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

APARECEU A MARGARIDA

Tão bem "escondido" durante a campanha de Fernando Haddad, eis que na festa da vitória apareceu todo sorridente para a foto o nefasto Paulo Salim Maluf. Esperamos não ter notícias dele nos próximos quatro anos, pois dele só aparecem mandatos de prisão da Interpol e maracutaias com dinheiro público. Mantenham-no longe dos cofres públicos.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

DIGA-ME COM QUEM ANDAS...

Ver Maluf no palanque cantando Lula-lá junto com Lula, Marta Suplicy e outros não tem preço! Um condenado pela Justiça a devolver dinheiro surrupiado da Prefeitura de São Paulo e procurado pela Interpol!

Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo

*

BONS VENTOS NOVOS SOPRAM?

Não votei em Haddad, mas, sinceramente, torcerei para que nos surpreenda favoravelmente. Aliás, no domingo voltando para casa, no meio de um pequeno trânsito, pensei: que bom, Haddad vai resolver este problema! Também vendo uma família de mendigos, lembrei: ele vai acabar com a desigualdade em São Paulo! São suas promessas, não são? E em discurso após a confirmação de sua vitória, disse em outras palavras: "...se São Paulo não conseguir resolver seus problemas, que outra cidade conseguirá?". Do jeito que ele fala, dá a impressão de que conhece a fórmula, que maravilhoso! Está posto o desafio! Agora Haddad terá a chance de consertar tudo o que está errado em nossa cidade e, de coração, desejo boa sorte. Porém, preocupa-me deveras o fato de ter visto, todo saliente a seu lado, o Sr. Maluf, feliz da vida por saber que vai abocanhar um pedaço de Sampa. E, mais do que tudo, a possibilidade de trazer as velhas práticas mensaleiras consigo, o aparelhamento com pessoas despreparadas, sem falar do asco por velhas atitudes como o deboche de Marta Suplicy - a ministra da "Cultura" que nunca soube perder, muito menos ganhar - ao se referir ao Serra, com sua eterna descompostura. Haddad terá de desgarrar do "velho", que são as mentiras veiculadas com propagandas caras, a tradicional incompetência petista que não traz resultados efetivos e de qualidade, isso, se quiser ter sucesso em sua empreitada, pois, afinal, não foi o "pense novo" que lhe deu a chance de governar a maior cidade do Brasil aproveitando um desencantamento dos paulistanos? Não é mudança que o povo de São Paulo quer, e só por isso o elegeu? Aguardaremos ansiosos!

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*

SÍRIO-LIBANESES

Parabéns ao novo prefeito Fernando Haddad, desejando sucesso e profícua administração da cidade de São Paulo, principalmente atendendo aos cidadãos mais carentes. Também parabenizo a operosa e importante comunidade sírio-libanesa e seus descendentes brasileiros, que nos têm dado tantas personalidades ilustres em todos os campos do saber e da atividade humana. Relação dos prefeitos da cidade de São Paulo, sírio-libaneses descendentes: Willian Salen; Antonio Salin Curiati; Paulo Salin Maluf; Gilberto Kassab; e, agora, Fernando Haddad.

Antonio Borges da Costa aborgesdacosta@hotmail.com

São Paulo

*

LIMONADA

Agora que nós, eleitores de PSDB/Serra, tivemos o gosto azedo de receber um limão como presente, nesta eleição, temos por obrigação transformar este limão numa limonada. Com tristeza, vimos o fim do ciclo Serra em cargos majoritários. Isso pode ser uma oportunidade única para aqueles que não querem ver o projeto PT de perpetuação no poder estender seus tentáculos por todos os cantos deste país. Deixo aos estrategistas políticos a missão de extrair os ensinamentos deste episódio, apesar de podermos enunciar, numa análise menos completa que, em São Paulo, tratou-se de uma penalização ao candidato - acima de tudo - e ao partido, pela curta visão e falta de estratégia em saber encaminhar seus projetos políticos. Aliás, foi possível observar ter sido este, de fato, o único êxito de Lula e Dilma em seu desesperado intento de impor seus candidatos nos principais municípios deste país, o que demonstra que o poste Haddad não venceu o pleito, mas o PSDB, Serra e Kassab se autoderrotaram. Por outro lado, vimos, com satisfação, uma plêiade de novos figurantes, derrotando o continuísmo, de norte a sul deste país; e, com o fim do ciclo Serra, o PSDB e seus luminares podem pensar em construir um novo caminho de unidade, onde prevaleça o projeto, e não os egos, se é que o partido ainda tem algo a dizer a este país.

Pedro Paulo Santos santospedrop@hotmail.com

Sorocaba

*

'HERANÇA MALDITA'

A partir de 1.º de janeiro de 2013, Kassab é a "herança maldita"...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

A ESTRATÉGIA KASSAB

Pois é, acalmados os ânimos, candidatos derrotados e vencedores, começa a descortinar quem foi quem nesta disputa pela Prefeitura de São Paulo. Nem bem esquentou a vitória de Haddad e esfriaram os ânimos do Serra, Gilberto Kassab já se bandeou para o lado oposto. Está botando o partido dele à disposição do PT na esfera municipal e federal. E é aí que as fichas começam a cair. Com a maior rejeição possível para um prefeito que deixa o cargo, dá para entender por que Kassab apoiou Serra. Pura armação, porque apoiando o perdedor estava, na realidade, apoiando o vencedor. Ele sabia que levaria sua "herança maldita" a quem viesse apoiar. Bem que dizem que Kassab é dado a fazer pacto com o diabo! Se não é diabo, o que seria então? Ainda bem que Kassab, para São Paulo, nunca mais.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

FEITO

A maior contribuição de Kassab: mais um petralha na Prefeitura. Que Deus nos ajude!

Guto Pacheco daniguto@uol.com.br

São Paulo

*

NÃO ESQUEÇA

Adoraria ver o primeiro encontro Kassab Haddad, para ver a cara de pau do Haddad pedindo apoio ao Kassab depois do que falou nos programas eleitorais. E, por favor, sem essa de que depois das eleições tudo se esquece. Se o PT não esquece, por que os outros partidos devem esquecer? Até o coitado do vice do Serra foi crucificado em nome do Kassab. Por essas e por outras o Kassab, se tivesse um pouco de pudor e vergonha na cara, nem deveria atender ao Haddad, e, sim, seus acéfalos secretários, afinal de contas, se o cara foi tão ruim para São Paulo, como apregoado na mentirosa campanha de baixo nível do PT, para que encontrar o gênio Haddad o mágico que vai virar o Mr. H? Suma Kassab, e tome vergonha na cara.

Jani Baruki janibaruki@bol.com.br

Belo Horizonte

*

CORRETOR DE CIDADES

Haddad é o novo prefeito de São Paulo, em derrota pessoal de Kassab. Espera-se que Haddad faça uma administração para os cidadãos paulistanos, em lugar dos agentes imobiliários beneficiários atuais. Gilberto Kassab, nosso Corretor de Cidades, digo, de imóveis, usará seus 73 dias restantes para tentar terminar a sua tarefa de transferir a cidade à especulação imobiliária? Observemos!

Suely Mandelbaum, urbanista suely.m@terra.com.br

São Paulo

*

VERMELHO / AZUL

Será que o paulistano nato está começando a gostar do vermelho, o que será do azul? Fernando Haddad venceu as eleições em São Paulo, se não houve nenhuma maracutaia, tudo bem. As pesquisas encomendadas erraram de novo, mas com certeza ajudaram a eleger o candidato que as contratou, na véspera das eleições do 2º turno apontavam uma diferença de quase 20% e a diferença foi de pouco mais de 11%. O azul foi derrotado pelo Kassab que deve ganhar um ministério da Dona Dilma, que além de muitos defeitos também é "traíra", e do próprio paulistano que proporcionou a maior abstenção de todos os tempos 19,99", que vai sentir na pele novamente o "inferno" da imoralidade e desonestidade política, exemplo o "mensalulão" que será trocado pelo mensaladdad... Deu vermelho, perigo!

Maria Teresa Amaral mteresa0409@2me.com.br

São Paulo

*

DERRUBANDO MURALHAS

O novo prefeito, emocionado, disse que pretende derrubar a muralha que separa a São Paulo (rica, ma non troppo) da São Paulo pobre. Ninguém poderá estar contra tão louvável propósito. Mas é bom lembrar que São Paulo não produziu a parte pobre. Ela já veio e continua vindo pronta de todos os cantos do Brasil, em busca de alívio, que de alguma forma deve ocorrer, já que poucos querem voltar ao lugar de origem. Trata-se de um problema de âmbito nacional. Então, para levar a cabo sua solidária missão, o novel prefeito deve usar seu prestígio junto ao governo federal para que parte dos generosos recursos financeiros daqui retirados, para cá retornem, com vistas ao cumprimento de suas promessas. Escorchar mais ainda os cidadãos contribuintes é inaceitável, tanto quanto afrouxar o controle do comércio ilegal, liberar a bandalheira publicitária, não recuperar os mananciais e permitir a devastação do que resta de área verde.

Leonardo Giannini leogann930@terra.com.br

São Paulo

*

ATENTOS

Mais do que nunca permaneço atento, firme e forte, aos eleitos. Respeitem-se as urnas, bobagem chorar o leite derramado. Permaneço no meu dever de cobrar, alertar, colaborar, criticar e, também aplaudir quando for preciso. Não importa se o candidato A ou B não foi eleito ou reeleito. O importante são os interesses da população. Quem mereceu o aval do eleitor sabe que precisa trabalhar com vontade, determinação e competência. Prefeitos e governadores precisam trabalhar juntos pela coletividade. Não importa se são de partidos diferentes. Os pleitos do povo não podem nem devem ficar a mercê de intrigalhadas e mágoas pessoais e partidárias. Chegou a hora do cidadão finalmente acreditar que os altos impostos que paga serão realmente utilizados em beneficio da cidade onde ele mora.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

SÍNDROME DE ESTOCOLMO

Creio que os eleitores que permitiram ao Partido dos Trabalhadores (PT) conquistar 636 prefeituras em todo o Brasil - excetuando-se os seus militantes - estão padecendo da "síndrome de Estocolmo". Não há outra explicação para que tantos brasileiros nutram simpatia e votem em um partido que "sequestrou" a esperança do eleitorado nacional, exigindo como "resgate" a chave dos cofres públicos, para abastecer o maior esquema criminoso da história da República, o mensalão. O maquiavélico e mefistofélico PT, pelo visto, tem o controle psicológico de milhões de suas vítimas, e isso é motivo de medo e preocupação para os que, como eu, permanecem lúcidos.

Túllio Marco Soares Carvalho tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

*

ESPERANÇA

Em recente edição do jornal O Estado de S. Paulo, o cientista político Demétrio Magnoli fez alusão à forma inadequada de os cidadãos se colocarem em relação ao Partido dos Trabalhadores. Não votei no candidato do PT, mas creio importante também que as críticas ao Partido sejam separadas das críticas a determinados integrantes do referido Partido. A boa crítica deve muito bem separar o joio do trigo. Li na edição de segunda-feira, dia 29/10, a matéria sobre alguns pensamentos de Fernando Haddad. Isso trouxe-me, embora seja ainda muito cedo, alguma esperança de que faça um bom governo. Estou torcendo para isso. Suas ideias de que vai escolher pessoas adequadas com conhecimento intelectual e com experiência para a s secretarias de governo nos dão algum otimismo. Aproveito também para alertar as pessoas preconceituosas em relação ao PT que outros partidos, inclusive o PSDB, também têm em seus quadros políticos com pouca confiabilidade.

João Batista Chamadoira jobachama@uol.com.br

Bauru

*

ELEIÇÕES E A MENTIRA

Pena que parte expressiva dos eleitores não leiam jornais, como o ex-presidente da República gostava de alardear. No caderno Sabático deste jornal, edição de 27/10, há primoroso artigo de Sérgio Teles sobre a mentira na política. Tomando pensadores importantes, como Hanna Arendt entre outros, o articulista considerava que a mentira só vale para o futuro, pois o passado é imutável. Ocorre que no caso brasileiro, a mentira vale para o passado: o mensalão não existiu. Quanto a mentira para o futuro, também o PT é pródigo: Haddad venceu porque é o novo. A tal rejeição a Serra é uma mentira inventada pelo PT: se o eleitor fosse contra Serra por ter deixado a Prefeitura, para candidatar-se a governador de São Paulo, não teria tido a votação que teve à época. A mentira repetida, como já dizia um certo nazista, reiteradamente, pode ser tomada como verdade. Ao que tudo indica, parte expressiva da população gosta de ser enganada. Não podemos esquecer certas lições da História: o povo pediu a Pilatos que soltasse Barrabás... Só quero ver quando o Boneco de Olinda, na divertida imagem de José Simão, descobrir que administrar uma cidade como São Paulo é muito mais complicado do que fazer resenhas de livros.

Ana Lúcia Amaral anamaral@uol.com.br

São Paulo

*

TELEFONEMA

No sábado às 22h, recebi por telefone uma mensagem gravada do chefe do bando, pedindo voto para o Haddad. Em primeiro lugar não sei se isso é permitido pela legislação eleitoral. Além disso, trata-se de uma invasão de privacidade brutal. É triste que um ex (graças a Deus) presidente da República preste-se a esse papel lamentável. De qualquer forma ouvi a mensagem com a esperança de que em algum momento ele fosse pedir desculpas pelo mensalão e por todas as mentiras que contou sobre esse caso e outros tão escabrosos quanto. Seria um gesto digno, mas depois dos 8 anos que esse senhor passou na presidência, dignidade e ética viraram coisa rara neste país.

Antonio Carlos Ribeiro da Silva tuca@coem.com.br

São Paulo

*

PROMESSAS E REALIDADE

Lulla e seus mensaleiros vermelhos desembarcam na capital de São Paulo. A partir de 1º de janeiro de 2013 os mais ignorantes poderão andar de ônibus com ar-condicionado, música a bordo e sentados. Poderão marcar consultas médicas com hora marcada para a mesma semana solicitada. Poderão seus filhos ir à escola entrando às 7 horas da manhã e saindo às 5 horas da tarde, além de outras centenas de benefícios. Os menos ignorantes (que não votaram nos petralhas) sofrerão as consequências dos desmandos dos mensaleiros vermelhos. Viva a democracia brasileira!

Cesar Romero Galardo crgalardo@terra.com.br

São Paulo

*

A VEZ DE SÃO PAULO

Vem aí o mensalão paulistano. "Enem" o Lullalá ficará sabendo...

Milton Bulach mbulach@gmail.com

Campinas

*

CHACOTA

Depois dessa eleição para prefeito criamos mais um motivo para sermos chacota para os cariocas.

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@ig.com.br

São Paulo

*

VIOLÊNCIA

O PT acabou de eleger seu prefeito Fernando Haddad e já São Paulo tem seu primeiro caso de violência de eleitores petistas chutando uma imagem de papelão do tamanho normal representando a figura do Serra! Um menino de mais ou menos 5 a 6 anos de idade incentivado pelo apresentador da TV a dar chutes na barriga do Serra, também um senhor pisoteando a figura do Serra, dizendo que ele tem mais é que sumir do mapa. O canal de televisão que apresentava essas cenas é o canal 2. Paulistanos, Haddad nem assumiu a Prefeitura, imagine o que virá pela frente.

Ana Maria Gmachl amaeleitora@hotmail.com

Jundiaí

*

A LIÇÃO DE CASA

O PSDB deve ter apreendido que eleição se ganha com astúcia, determinação, foco, ordem, agressividade, inteligência, utilizar-se da ética convenientemente e comando único. Todos os demais partidos políticos, influentes, mesmos os menores, tem um líder, que é quem decide os rumos da campanha política, quem serão os candidatos, quais as propostas, que resultados espera obter, define a estratégia política, decide quando a ética é conveniente ou não e assume o comando. O PSDB é uma verdadeira colcha de retalhos. Não tem líder, todos os "caciques" mandam, não tem estratégia política, não tem foco, não é organizado, não tem determinação, tem muita ética mal definida e avaliada, ninguém define os rumos da política e das suas ideias, ninguém sabe qual é a sua ideologia política, suas propostas são ultrapassadas, não é agressivo quando precisa, seus candidatos estão desgastados e tantas outras mazelas. Assim não dá. Assim não se ganha nenhuma eleição, principalmente, tendo como adversário, um algoz, o Partido Trambiquero, que é antiético, só faz trambiques, grosseiro, abriga criminosos, é liderado por um mandante, incentivador e idealizador da prática do mensalão, crimes de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, peculato, desvio de verbas públicas, formação de quadrilha e muitos outros. O STF que o diga... O PSDB precisa com urgência, como disse FHC, mudar, renovar e se reinventar. Caso em contrário vai desaparecer ou fundir-se ao PMDB, do qual originou-se. Talvez essa seja essa a solução, pelo menos lá tem quem manda...

Carlos Alberto Ramos Soares de Queiroz soares.queiroz@terra.com.br

São Paulo

*

REVIGORADO?!

Como é que pode um homem como Serra declarar que sai "revigorado" da disputa da Prefeitura de São Paulo. Sai, não revigorado, mas acabado, sem carisma, teimoso em querer sair como candidato, ao invés de dar lugar aos mais novos. Não percebeu que o Kassab estava fazendo o jogo do PT. Só falta ele querer ser candidato a presidente na próxima eleição.

Antonio di Stasi antoniodistasi@yahoo.com.br

São Paulo

*

ACABOU

Em homenagem ao Serra, um minuto de silêncio por São Paulo. Xô, Serra, xô!

Luiz Francisco A. Salgado lfa.salgado@gmail.com

São Paulo

*

RENOVAÇÃO

Li no caderno Eleições 2012, página H20, de 29/10, o artigo de Carlos Melo, intitulado O novo, o moço e a renovação. Aliás, sempre,acompanho seus artigos no Estadão. Destaco um parágrafo da leitura: "José Serra tinha muito a dizer, mas apostar nisso foi seu maior erro. E não foi um erro novo. Em 2006, Alckmin já o cometera e, em 2010, Serra também. A política é feita para superar impasses, olhar para o futuro, trazer o progresso. Não para enfiar o dedo nas feridas dos estropiados. Condenados pagam por seus crimes; a Justiça decide. Não se tripudia sobre suas desgraças, nem se sapateia sobre seus caixões. Crueldade dá pouco voto". E recomendo.

Olympio F. A. Cintra Netto ofacnt@yahoo.com.br

São Paulo

*

OBVIEDADES

Políticos de partidos da oposição e uma grande parte da mídia pró-oposição estão agora dizendo o óbvio, ou seja, é necessário a renovação em seus quadros. Ou achavam ainda que haveria alguma grande virada nesse segundo turno? É bom que acordem, antes que sejam mais uma vez surpreendidos. 2014 está aí.

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

SEM VONTADE

Se o Serra não tinha vontade, pois foi isso o que demonstrou no último debate, deveria ter pedido para desistir da candidatura à Prefeitura de São Paulo.

Wagner Monteiro wagnermon@ig.com.br

São Paulo

*

O FATOR ALCKMIN

Estranhei os comentaristas políticos não se aterem ao maior fator de rejeição a José Serra. Todos sabem da legião de admiradores e eleitores em São Paulo tem Geraldo Alckmin. No entanto, na última eleição para a Prefeitura, José Serra apoiou Kassab, em detrimento da candidatura de Alckmin, que era de seu partido. Isso fez com que inúmeros eleitores prometessem não mais votar em Serra, o que aumentou muito sua rejeição, apesar de Alckmin ter apoiado José Serra explicitamente. Serra pagou por seus próprios erros políticos.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

A MENSAGEM É CLARA

A derrota de Serra na disputa por São Paulo envia uma clara mensagem ao PSDB: Hora de renovar o time! Quanto aos paulistanos, só resta lamentar a escolha nebulosa de Haddad, um candidato cujo partido é sinônimo de corrupção.

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

A TAREFA DOS PAULISTANOS

Gostaria de parabenizar o Estadão pela ampla cobertura nas eleições municipais, mesmo não sendo da capital conseguimos acompanhar perfeitamente; Haddad parece ser um bom menino, poderá desenvolver um ótimo trabalho na Prefeitura, resta a população paulistana sugerir, cobrar, fiscalizar e apoiar o novo governo, bem como o Legislativo.

Rogério Proença Ribeiro roger_fani@hotmail.com

Araras

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.