Fórum dos Leitores

INSEGURANÇA PÚBLICA

O Estado de S.Paulo

17 Novembro 2012 | 02h04

Ondas de violência

Faz tempo que a população vem sofrendo as consequências da inoperância da Segurança Pública. Mas agora a frequência e a extensão de atentados e assassínios chegaram a tais extremos - espalhando-se pelo interior deste e de outros Estados - que medidas eficazes e concretas devem ser tomadas com urgência para que essas infaustas circunstâncias em São Paulo, já comentadas até pela mídia internacional, sejam revertidas. Essas medidas, governamentais e/ou legislativas, deverão significar risco de condenação muito maior do que hoje para quem praticar atos criminosos. Policiamento - organizar um policiamento mais ostensivo e extenso, principalmente com patrulhamento motorizado, aleatoriamente planeado por computação e ativo durante 24 horas, e melhorar a capacidade investigatória para chegar a uma condenação. Do Legislativo - prever no novo Código Penal, em estudo: 1) a imputabilidade de menores de 16 anos. 2) Sequestros e tomadas de reféns serem considerados crimes hediondos, sem concessão de progressão da pena nem liberdade condicional e saídas em datas especiais. 3) Para reincidentes em crimes ou foragidos, proporcional aumento da penalidade. 4) Estabelecer o piso salarial do policial, considerando sua responsabilidade e o risco da função; entretanto, sua eventual condenação penal deve ser mais severa que a do civil e sem o benefício da progressão penal nem liberdade condicional e saída em feriados. 5) Instituição da prisão perpétua. Falta aos governadores e prefeitos pressionar o governo federal e os congressistas para que tomem essas ou semelhantes medidas, para acabar com esta intolerável situação e podermos ficar um pouco mais perto de um país de "Ordem e Progresso"!

PABLO L. MAINZER

plmainzer@hotmail.com

São Paulo

Policiamento ostensivo

Segurança pública se faz com policiamento ostensivo. Na França vemos gendarmes por todos os lados. Nos EUA as polícias municipais fazem rondas intermináveis. Em São Paulo alguém vê sinais da GCM e da PM em locais públicos e nas ruas da cidade? Raramente! Em vez de cantar louvor inócuo às Polícias Militar e Civil, temos é de pagar-lhes em níveis decentes, assegurando seus vencimentos acima a de qualquer outro Estado brasileiro, aumentar seus efetivos e equipamentos, treinando-os e organizando-os para que estejam sempre nas ruas e sejam vistos. Contrariamente ao bom senso, os governos estadual e municipal retiram cinemas, teatros, lojas, os habitantes - e até as polícias - das ruas! E mais: a fiscalização urbanística inepta afugenta os moradores de inúmeros locais, o que explica que a bandidagem e similares assumam os espaços vazios. Quando teremos policiamento ostensivo, bem pago, equipado e eficiente na cidade de São Paulo? Dinheiro disponível há, sim, basta auditar as consultorias e feiras kassabistas e o nada-faz estadual. Segurança é obrigação do Estado.

SUELY MANDELBAUM, urbanista

suely.m@terra.com.br

São Paulo

Guerrilha urbana

A prisão dos matadores de policiais que confessam ter cometido os crimes em pagamento de dívidas com o PCC confirma o que todos já sabiam e o governo fazia questão de ignorar: o crime organizado, além de dominar as prisões, impõe o medo e o terror à sociedade. Anos atrás foram os ataques, hoje é a execução de policiais, como um recado claro de que, se matam homens e mulheres treinados para reagir e prender, não será difícil fazer o mesmo com outros servidores cujo poder está na autoridade de seus cargos, e não na força direta de atuação. Essas ações com que o crime organizado se vinga de medidas do Estado e da polícia contra seus interesses caracterizam verdadeira guerrilha urbana, com o objetivo de desestabilizar a autoridade e a ordem. A serpente tem crescido continuamente e os governos pouco ou nada fazem para conter seu avanço. Chegamos ao ponto crítico de a morte de agentes públicos se tornar instrumento de vingança e confronto com o Estado! A presidenta, o ministro da Justiça e os governadores não podem tardar com medidas concretas e fortes ante o desafio que a cada dia é mais agudo e cruel. O Estado brasileiro não pode continuar convivendo com esse tipo de contestação criminosa. Seu poder tem de ser mantido indivisível e resguardado pelas instituições. Sem isso a sociedade não terá paz para viver nem alcançará o futuro que almeja.

TENENTE DIRCEU CARDOSO GONÇALVES, dirigente da Associação de Assistência Social dos Policiais Militares de São Paulo

aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

A quem interessa?

A situação em São Paulo já configura um certo estado de guerrilha. E quem neste país mais entende disso? Não estariam já com os olhos em 2014? Haja reflexões!

DEOCÍLIO MEIRA

deociliomeira@hotmail.com

São Paulo

Seria isso possível?

Depois de tantos acontecimentos estranhos, como mortes misteriosas de prefeitos, dólares em cuecas, compras de dossiês falsos e mensalão, tenho me perguntado se já não estaria em curso um perverso plano de desestabilização do governo Geraldo Alckmin. O interesse de eleger novo "poste" em São Paulo é enorme! E transformar a segurança num "ponto fraco" do governo estadual pode ser um caminho para isso...

JOÃO NATALE NETTO

natale@natale.com.br

São Paulo

Criminalidade em SP

Será que os ataques a civis e à PM cessarão em 1.º de janeiro? O MST ficou mais manso depois que Lula assumiu, em 2003...

SÉRGIO ECKERMANN PASSOS

sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

Explicações do governador

Lamentável o pronunciamento do governador Geraldo Alckmin tentando explicar esta onda de violência: o Estado é maior que a Argentina, a taxa de assassinatos por 100 mil habitantes é baixa, a Grande São Paulo tem mais de 20 milhões de habitantes, então, não existe nenhum problema, a situação está ótima e a imprensa não deve espalhar pânico. Não são declarações à altura do governador de um Estado tão importante. O que ele deveria explicar é como um grupo de presos em penitenciárias do Estado consegue acionar um exército de bandidos durante meses sem que o sistema de segurança o impeça. Por enquanto, os bandidos estão dando um baile nas forças de segurança.

CELSO BATTESINI RAMALHO

leticialivros@hotmail.com

São Paulo

Mobilização geral

Vamos esperar uma nova "Guerra do Paraguai" para agirmos pra valer? A ação da bandidagem, nosso inimigo interno, é tão grave quanto qualquer guerra. O governo tem de mobilizar toda a sua força, competência logística e até bélica, além da união política, para salvar nossa população. Os bandidos são absolutamente cruéis.

ANTONIO P. SERRA

apserra@uol.com.br

São Paulo

 

 

NÃO É HORA DE CHORAMINGAR

 

Está chegando ao fim, depois de quase quatro meses no Supremo Tribunal Federal (STF), o julgamento da Ação Penal 470, o mensalão. Assistimos a sessões abertas, claras e com um didatismo impecável do ministro relator Joaquim Barbosa, esmiuçando as entranhas do caso com a participação de magistrados competentes em sua maioria. Conheceu-se a maior bandalheira na arte da corrupção de uma quadrilha impudica que se infiltrou no poder da República para roubar e comprar um dos Poderes da União, o Legislativo, e encher o bolso de políticos, banqueiros e publicitários. Muito dinheiro foi desviado com a complacência e participação do PT governista durante longos e tenebrosos anos. Ampla defesa foi dada, como manda a Constituição, a todos os acusados. Assistimos aos ministros considerarem cada fala dos advogados de defesa que foram escolhidos pelos réus entre a nata da advocacia brasileira. Todo o processo foi acompanhado por outros juristas, imprensa e pelos cidadãos interessados num Brasil justo e republicano. Portanto, não dá para aturar um autêntico choramingar de alguns inconformados do PT, liderados por Rui Falcão, com a verdade irrefutável das condenações e das penas atribuídas aos que delinquiram com total liberdade e conhecimento de causa. O STF deu em seu julgamento o verdadeiro presente que os cidadãos de bem estavam precisando para voltar a acreditar que crimes de bandido do “colarinho branco” não terão mais a condescendência neste país. Não é hora de tentar desclassificar o Supremo Tribunal Federal, é hora de baixar as cabeças e se penitenciarem por seus irrefragáveis delitos.

 

Leila E. Leitão

São Paulo

 

*

JULGAMENTO DESRESPEITADO

 

O PT, acuado e sem argumento, apela – e como apela – feio. Agora divulga um manifesto comparando a corte constitucional brasileira ao nazismo? Só podem estar delirando ou beberam algo muito forte. Deveriam fazer justamente o contrário e apoiar o julgamento. Apelar é o recurso dos mentirosos e dos fracos. Onde está a ética do PT de outrora? Por favor, sem essa baixaria ridícula de manifesto em favor dos réus, prezem pelo menos a fundação do partido e expulsem os companheiros que mancharam o partido, e não o contrário. Isso é lamentável.

 

Alice Baruk alicebaruk@bol.com.br

São Paulo

 

*

O PT E O SUPREMO

 

Isso é um absurdo! Essa é a frase mais ouvida nas rodas sociais, quanto ao último manifesto do PT contra o julgamento do mensalão. Toda a sociedade brasileira está de alma lavada com as penas impostas aos articuladores dos desmandos praticados e o partido ainda ousa atacar o STF dizendo da insegurança jurídica provocada com a dosimetria. O erário sofreu um dos maiores rombos da historia e a população foi usurpada nos seus direitos aos serviços públicos com este desvio. Crimes de colarinho branco semelhantes a este são muito mais graves do que os praticados pelo chamado crime organizado nos presídios e nas favelas. Além de já terem total conhecimento do erro cometido, quantas famílias pobres ficaram sem o apoio do Estado com este desvio de verbas para seus próprios bolsos? Ainda mais levando em conta que são os impostos pagos pelo povo e que deveriam ser revertidos em bons serviços para a população socialmente carente.

 

João Coelho Vítola jvitola@globo.com

Brasília

 

*

DUAS CONDUTAS

 

O PT aplaude e festeja os seus quadrilheiros, líderes do mensalão, acolhendo-os heróis e preocupando-se com as acomodações onde deverão cumprir pena. O PT, por seu ministro da justiça (com minúscula) e seu ministro no STF, chamam as prisões que seu ministério e seu governo administram de medievais, para jogar a opinião pública contra o Supremo Tribunal Federal e qualificar os réus de vítimas. O PSDB abandona o candidato a prefeito de São Paulo vencido pelo patrocínio do governo federal e traído por trânsfuga, ao mais negro abandono. De um lado, as mais cruéis tergiversações para defender companheiros quadrilheiros, do outro lado, solidariedade zero ao homem de bem, administrador probo e eficiente, que serviu o partido para servir São Paulo.

 

Vinicius Ferreira Paulino viniciusfpaulino@hotmail.com

São Paulo

 

*

A MULTA DE GENOINO

 

O irmão de José Genoíno (PT) informou que ele não tem dinheiro para pagar a pena de multa que lhe foi imposta na condenação pelo STF. Mesmo que vendesse o sobrado em que vive no bairro do Butantã, Genoíno não teria dinheiro suficiente para pagar os R$ 468 mil de multa. Tal fato apenas confirma a honestidade e boa fé de Genoíno, um homem de bem, íntegro, professor de história, ex-guerrilheiro, que sempre lutou pelo bem do Brasil, contra as injustiças sociais e a favor dos mais pobres. Para políticos corruptos, que vivem de saquear os cofres públicos, uma multa de R$ 500 mil é “peanuts, dinheiro de pinga”. Já para pessoas de bem, da classe média, honradas, que sempre viveram de seu trabalho e que nunca desviaram dinheiro público em benefício pessoal – como é o caso de José Genoíno – essa alta multa significará sua ruína financeira. É preciso separar o joio do trigo no julgamento do “mensalão”. Trata-se de uma grave injustiça que precisa ser revista e corrigida.

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

 

*

EM BUSCA DO DINHEIRO

 

José Guimarães, diz que o irmão José Genoíno, não tem dinheiro para pagar a multa prevista na pena determinada pelo STF. Mas Guimarães, se quiser, pode arrecadar com facilidade a quantia devida pelo mano, nas cuecas recheadas de dólares de seus assessores...

 

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

 

*

DÓLARES DA CUECA

Irmão diz que Genoíno não tem dinheiro para pagar multa prevista na pena determinada pelo STF. Ora, esse não é o irmão que carregava os dólares na cueca? Muito bem. Basta sacar o dinheiro da peça íntima e pagar a multa. É tão simples.

Gilberto Martins Costa Filho marcophil@uol.com.br

Santos

 

*

FILIAIS

 

Confirmada a citação, o irmão do Genoino poderá abrir uma franquia de cuecas...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

 

*

PAGARÃO ESSE ALTO PREÇO?

 

A Câmara dos Deputados entende que, pela Constituição, cabe a eles a palavra final sobre a cassação dos mandatos dos deputados condenados pelo STF, indo de encontro à decisão dos ministros. Com isto, poderão abrigar em seu seio até 2015, data que coincide com o final de suas gestões, João Paulo Cunha, Pedro Henry, Valdemar Costa Neto e José Genoíno. Jilmar Tatto, líder do PT na Câmara, defende a todos dizendo que foram eleitos pelo voto sagrado do povo. Acontece, deputado, que é a Suprema Corte que os está condenando, e eles são comprovadamente criminosos que atentaram contra o Estado, surrupiando desse mesmo povo – que o senhor tenta fazer parecer que defende e usa como escudo – a representação de suas vontades, afinal, parlamentares venderam seus votos a favor do governo. O provável presidente da Casa a partir de 2013, Henrique Eduardo Alves, parece já ter com petistas acordo tácito de protelação máxima da votação pela cassação, na Câmara e no Senado, votação confortavelmente secreta, como todos sabemos. Por tramarem contra o STF, por se posicionarem contra a lei, por planejarem defender criminosos, por não representarem o povo e por fazerem, impunemente, mais do mesmo, penso que mais do que nunca podemos apropriar a expressão covil de bandidos à Câmara dos deputados. Claro que não me dirijo aos deputados que não participarão desta desqualificada e imunda empreitada.

 

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

 

*

QUANDO A TOGA CAI MAL

 

O ministrinho do STF Dias Toffoli, na quarta-feira, encheu-se de coragem e, como deve ter decorado o texto que lhe foi enviado pelo advogado do capo di tutti i capi, encorajou-se e desandou a gritar no plenário do STF, defendendo o aumento das multas, mas não o encarceramento dos réus do mensalão, justamente para beneficiar seus antigos patrões e agora cumpanheros. Indecente e vergonhosa sua postura, e com essa atitude não merece usar a toga que lhe foi outorgada.

 

Agnes Eckermann agneseck@yahoo.com.br

Porto Feliz

 

*

O QUE É PEDAGÓGICO?

 

Segundo o ministro Toffoli, a prisão não é pedagógica, mas esperem como ele não votou pela prisão de Dirceu e Genoino, então podemos deduzir que ele acredita que a impunidade é pedagógica então. Também se eles (mensaleiros) são inocentes (segundo Toffoli), o que eles necessitam aprender? Mais ainda então quando o PT por décadas pedia cadeia para os hoje aliados Collor e Maluf ela (cadeia) era pedagógica. Realmente eterno advogado do PT Toffoli, parece envergonhado e não consegue convencer que ele acredita mesmo no que diz e suas declarações deixam claro o equívoco que foi sua nomeação para o Supremo.

 

Márcio M. Carvalho mmcoak@hotmail.com

São Paulo

 

*

PTOFFOLI

 

Realmente, tortura medieval é o cidadão brasileiro ser obrigado a ter, na Suprema Corte, um advogado do PT de nível tão baixo que até para defender o seu Chefe mostra ímpar incompetência. Se possível, pior que o outro colega de ParTido, o Lulandowski. Oremos!

 

Nelson Carvalho nscarv@gmail.com

São Paulo

 

*

ESTAGIÁRIO

 

Parece que surgiu um candidato a estagiário de pizzaiolo.

 

Guto Pacheco daniguto@uol.com.br

São Paulo

 

*

SÓ INCOERÊNCIAS E ABSURDOS

 

Se esse é o princípio do ministro do Supremo Tribunal Federal José António Dias Toffoli, ex-assessor do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, o qual alega que as penas sujeitas aos réus do mensalão são as mesmas aplicadas no período da “inquisição” e, portanto, não cabem serem aqui impostas. Pois ele afirmou que os crimes cometidos não afetaram contra a “democracia” ou contra o Estado “democrático de direito”. Ou seja, o intuito dos crimes dos mesmos era tão somente e apenas vil metal, portanto ainda enfatizou que cabe sim, pena financeira, pois a pena prisional é “medieval”. Portanto, a partir de hoje, os assaltantes a bancos, instituições financeiras, caixas eletrônicos, arrastões em geral, por terem a mesma finalidade, deverão ser colocados em liberdade e lhes serem imputadas multas a serem pagas como penalizações.

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

EDUCAÇÃO X PRISÃO

 

Lamentável, em nosso país, a fala do então ministro da Justiça sobre as medievais prisões brasileiras. Tempo para ter feito algo para a melhoria da situação, seu partido teve e, de sobra. Uma coisa é a verborragia dos discursos demagógicos, e outra, é a verdade das ações que se configuram com o passar do tempo. Se embora competente, pelas atribuições do cargo que ocupa, se se considera incapaz de efetuar ações que redundem no aprimoramento, deveria ter tido a hombridade de pedir demissão em caráter irrevogável do cargo, e devolvesse os salários até então recebidos pelo pagamento de sua inação, ineficiência, ineficácia e da não efetividade. Prisão caro ministro, não deve ser algo como um motel com tal conforto que, instigue as pessoas a morar nela, eternamente, sob o patrocínio de um povo sofrido, que paga com suor, sangue e lágrimas as contas desta nação. Deve sim, ser um lugar em que se reflita sobre a mudança necessária de um comportamento social, de reenquadramento para a missão do ser humano, em relação a si próprio e à sua família. Se um ser humano não consegue ser útil a si próprio, nem em relação aos seus entes mais caros, o que dele esperar no campo social? Em relação ao seu país, seu povo, sua nação? Portanto, o que realmente deve estar em foco, é o que espera a sociedade dos efeitos da retirada da liberdade de um cidadão, por um tempo necessário apenas, para que o mesmo seja reeducado, para nela se inserir socialmente com qualidade total ambiental e, seja readaptado de forma a ser um cidadão digno de nela ser reinserido positivamente. Porém, o que esperar de gestores para os quais a Educação não é valorizada, gestores que se locupletam com os desfalques dados ao próprio tesouro da nação, que se orgulham de suas falcatruas, devido à oportunidade dos cargos que ocupam, burlando a confiança neles depositada pelo voto, ou pela indicação de quem em neles confiava cegamente, dando rasteiras no restante dos concidadãos, que praticam a normalidade sugerida pela legislação? Tão ou mais qualificados como reles bandidos eles são. Merecem, portanto, ministro, a mesma prática do Estado, a ultima ratio, dado que traíram a todos e, principalmente aos princípios que apregoavam durante toda uma existência. Vossa Senhoria já leu o “Sermão do Bom Ladrão” de Padre Antônio Vieira? Ou mesmo “Dos Delitos e das Penas”, de Cesare Beccaria? Tivesse ocorrido no Japão, e creio que os mesmos teriam que cometer o haraquiri, porém aqui, ficam choramingando, pelo uso democrático da palavra. E ainda têm o apoio solidário da autoridade máxima, que utiliza da logorréia em seu discurso. Vossa senhoria, e não Excelência deveria dar adeus ao seu cargo, se despedindo tristemente, por ter sido incapaz de efetuar algo de positivo para auxiliar os seus próprios pares a cumprir o que mandam as leis, em um local que se cumpra simplesmente a finalidade a que se destina. Poderia ter ido além, já que possuímos uma Lei e um Decreto de Mobilização Nacional e colocar os detentos, contribuindo para o desenvolvimento do país em tempo de paz, e produzindo algo digno de efeito para a Defesa Nacional, se um dia houver uma hipótese de emprego, beneficiando assim toda uma nação que ocupa este território. Finalizando, deixo aqui uma mensagem de Bacon: “Em todas as coisas, e especialmente nas mais difíceis, não devemos esperar semear e colher ao mesmo tempo, mas é necessária uma lenta preparação, para que elas amadureçam gradativamente”. Resumindo senhor ministro, sois apenas e tão somente mais um despreparado, infelizmente, para ocupar um cargo de gestor para o futuro que se espera do Brasil.

 

Santelmo Xavier Filho santelmoxf@yahoo.com.br

Belo Horizonte

 

*

A VIOLÊNCIA SE ALASTRA

 

Leis, para que tê-las, só para assistir ao que está ocorrendo? Ninguém, absolutamente, tem medo das leis do nosso frouxo e acovardado país do faz-de-conta que temos autoridades. Dois homens em uma moto incendiaram um ônibus lotado em uma área residencial de Itajaí (100 km de Florianópolis), na manhã de quinta-feira. Para evitar que as chamas atingissem a casa da família, um morador entrou no ônibus em chamas e dirigiu até um terreno baldio. Com este caso, aumentou para 12 os ataques de criminosos contra bases da polícia, ônibus e outros alvos registrados pela Polícia Militar de Santa Catarina desde as 20h de quarta-feira. Mudem as leis já, Srs. políticos, antes que a casa de vocês seja atacada.

 

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

São Paulo

 

*

TERRORISMO

 

A União Federal está adotando a política do avestruz, ao enterrar a cabeça sob a areia para não admitir que estamos submetidos a uma ação terrorista nacional do crime organizado. As ações violentas de atemorização popular perpetradas no outrora pacífico Estado de Santa Catarina têm o sentido inequívoco de demonstrar que todo o território da nação, rota terrestre do tráfego de importância fundamental, pode ser comandado pela comunidade transnacional de drogas e armas. Do absurdo número de 17 milhões de armas em circulação no Brasil, em grande parte dispositivos pesados como fuzis de fabricação soviética e metralhadoras antiaéreas, 4 milhões estão sob a posse das articulações do delito. É um truísmo dizer que quem almeja a paz deve fazer a guerra. O que vemos, por ora, são apena s demonstrações periféricas de força dos inimigos da sociedade.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

 

*

CRIMINALIDADE EM SÃO PAULO

 

Senhores, devido aos altos índices de violência que assolam o Brasil e principalmente o estado de São Paulo, seria interessante que o Ministério da Fazenda e os estados firmassem um acordo para a redução ou isenção do IPI, ICMS e outros tributos que incidem sobre câmeras e aparelhos de segurança residencial, de modo a permitir que nós cidadãos possamos instalá-los. Aproveitando que existem vários produtos com redução de impostos para incentivar o consumo, por que não mais estes? Mesmo que temporariamente. Claro que existem outras medidas a serem tomadas no que diz respeito a segurança pública; porém teríamos uma maior sensação de segurança e uma consequente diminuição da violência, uma vez que com mais equipamentos registraríamos de várias maneiras os crimes praticados. Essa medida se justificaria pelo simples fato que os últimos e lamentáveis acontecimentos estão tendo seus responsáveis identificados devido as filmagens e registros realizados por esses aparelhos em condomínios, residências e até pequenos comércios. (vide reportagens recentes). Peço a gentileza de que meu e-mail seja discutido com a equipe de jornalismo e se possível que este veículo de comunicação ajude ao povo paulista.

 

Marco Antonio Marzochi marzochim@yahoo.com

Ribeirão Preto

 

*

O GABINETE DE FERNANDO HADDAD

 

Estamos acompanhando as indicações de Fernando Haddad para a formação de seu gabinete na Prefeitura de São Paulo, e ele não tem feito nada de novo, repetindo boa parte dos secretários de Marta Suplicy. Pelo andar da carruagem, como já era esperado, o PT deve fazer um governo às antigas, afundado o município como nas vezes anteriores.

 

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@ig.com.br

São Paulo

 

*

MAIS DO MESMO PETISMO

 

E, eis que Haddad nomeia quadros da Martaxa, aplica o golpe baixo petista, a ver quantas barbaridades repetidas da ex serão impostas aos paulistanos, belezuras, aventuras subterrâneas deficientes, corredores malditos, embonecamentos e devassas nas contas píblicas. O teatrinho da ex era só compra de ministério, a vertente é igual o fracasso é certeiro e a cidade vai amargar mais obras ridículas, malfeitas e demais “gozações” ao modo dos Suplicys...

 

Ronaldo Parisi rparisi@uol.com.br

São Paulo

*

A RENOVAÇÃO É ESTA

 

Na propaganda eleitoral o PT bateu na tecla do novo, da renovação para levar Haddad até a Prefeitura. Mas que novo é esse que faz Haddad nomear o vereador eleito Netinho de Paula (PCdoB) para a Secretaria da Igualdade Social, abrindo assim uma vaga na Câmara dos Vereadores para Orlando Silva, que não conseguiu votos suficientes para eleger-se... o mesmo Orlando Silva que saiu do ministério do Esporte jurando inocência mas deixando um rastro de lama fétida atrás de si. E tanto é verdade que procediam as denúncias de corrupção contra ele como ministro que, nesta semana, surgiram mais denúncias vindas do dono da JJ Logística Empresarial Ltda., uma microempresa do município de Tanguá, Rio de Janeiro, subcontratada para fornecer alimentos para crianças atendidas por um programa de esportes do governo federal, e que afirmou que 90% dos R$ 4,65 milhões que recebeu dos cofres públicos entre 2009 e 2010 foram desviados para políticos de Brasília, Santa Catarina e Rio de Janeiro. Portanto, o PT, ao abrir vaga de vereador para Orlando Silva busca protegê-lo com o manto da imunidade parlamentar. E essa é a renovação do PT em São Paulo. Vai arrumar cargos para blindar seus políticos e aliados com suspeitas de malversação do erário e a megalópole paulistana será esfolada até os ossos para dar abrigo e sustentar tanta gente!

 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

 

*

O TERROR DEU CERTO

 

Haddad escolheu um Tatto como secretário dos Transportes no município de São Paulo e deu o “salve”: Salve-se quem puder!

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

 

*

SUPERSALÁRIOS

 

Essa liberação que a “justiça” acaba de conceder, retornando os supersalários aos funcionários da Câmara Municipal de São Paulo para R$ 38 mil, R$ 36 mil, R$ 32 mil e R$ 27 mil é uma indignidade! Não vai demorar muito, entraremos numa crise violenta, semelhante à que está vivendo a Espanha e a Grécia. Quem as levou à falência não foi a indústria nem o comércio. Foi a roubalheira pública.

Paulo Ferraz Costa Negraes paulonegraes@trident.com.br

Itapui

 

*

A FARRA CONTINUA

 

A farra de salários e aposentadorias da Câmara Municipal de São Paulo vai continuar. Agora com autorização judicial. E os valores não podem mais ser publicados. Não é a primeira vez que o Judiciário paulista autoriza irregularidades desse tipo. Talvez para justificar sua própria farra. Deveríamos aprender com os argentinos e fazer um panelaço. É revoltante pagar salários e aposentadorias milionários num Estado que tem ainda carências enormes na saúde, educação e segurança, entre outras.

Celso Battesini Ramalho leticialivros@hotmail.com

São Paulo

 

*

DOAÇÃO

 

Conforme o Estadão de 10/11, os vereadores paulistanos foram brindados com doações de assessores do próprio gabinete para a campanha eleitoral. Os assessores do gabinete do vereador Netinho de Paula (PC do B) bem que poderiam ampliar essa generosidade e repor os R$ 790 mil extraviados da ONG do nobre vereador. Por que não?

 

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

 

*

ACINTE

 

Segundo noticia o Estado (10/11), alguns digníssimos vereadores de São Paulo usam o nosso dinheiro para financiar suas campanhas eleitorais. Contratam funcionários em seus gabinetes e estes, generosamente “contribuem” para as campanhas eleitorais de seus contratantes. Alegar que essas contribuições são espontâneas é um descaramento acintoso ao contribuinte paulistano. Essa manobra espúria fere o mais elementar princípio da moral, um indecoroso abuso que agride frontalmente o cidadão da capital, onerado que está por um IPTU escorchante que nos foi imposto pela administração Kassab. A Câmara Municipal de São Paulo faz história por ser uma entidade caríssima, prestadora de pífios serviços à comunidade paulistana.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

 

*

ATÉ CHOREI

 

Que ato carinhoso esse dos assessores dos vereadores da cidade de São Paulo, não, como existe pessoas gentis neste país, principalmente em gabinetes, quanta solidariedade, me emociona, que lindo, não? Chego até a chorar, do que é que não sei.

 

Alessandro Lucchesi timtim.lucchesi@hotmail.com

Casa Branca

 

*

O DISCURSO DA OPOSIÇÃO

 

A propósito da notícia Oposição ensaia resgatar discurso da privatização, vale destacar que não é a simples retórica que faz as coisas acontecerem. Tratando-se de política, é fundamental o engajamento da militância às ideias que precisam ser explicadas à sociedade antes de serem implementadas. Nesse sentido, é frustrante observar que o PSDB, a principal força de oposição, não promove encontros regulares de seus militantes, o que favorece o caciquismo, que é incompatível com a democracia. Estou filiado ao partido há alguns meses e, nesse período, houve apenas uma reunião durante a campanha para a prefeitura, mais para referendar as candidaturas do que para debater pautas, programas, o que deveria acontecer sistematicamente. O próprio legado de FHC, ao invés de ser defendido como uma outra via para a sociedade, é escondido; isso fortalece os que vociferam as virtudes da expansão do serviço público em detrimento do empreendedorismo, o que no fundo todos sabem só contribui para uma gestão letárgica dos projetos de infraestrutura e favorece a corrupção. Os partidos políticos só se justificam se debatem, sustentam e revisam em fóruns programáticos legítimos, ou seja, as reuniões de militância, que são responsáveis pela multiplicação e defesa dos programas debatidos. Os candidatos deveriam ser porta-vozes e executores nesse processo, mas não é o que tem acontecido.

Airton Reis Júnior areisjr@uol.com.br

São Paulo

 

*

A FIFA E A PREFEITURA

 

Pelo teor do editorial Prefeitura se curva à Fifa (Estadão, 12/12, A3), teria sido mais fácil um “contrato” que previsse o afastamento do Prefeito no período da Copa do Mundo, assumindo um interventor da Fifa com plenos poderes. As leis ficariam suspensas nesse período e o interventor legislaria por meio de portarias, que teriam validade mesmo que contrariassem as Constituições estadual e federal e, bem assim, a Lei Orgânica do Município. Como o “modelo” da avença assinada parece ter sido padrão para as cidades que sediarão a Copa 2014, sob as bênçãos do Governo Federal, o tal “contrato” intervencionista poderia se estender aos três níveis de governo, entregando-se o País nas mãos da toda poderosa Fifa. Vencido o período necessário, que poderia se alongar alguns meses após a declaração do campeão mundial de futebol, para fechar as contas, o poder seria devolvido àqueles que foram legitimamente eleitos pelo povo brasileiro e o País retornaria à sua normalidade democrática.

 

Carlos Roberto Barretto crbarretto@uol.com.br

São Paulo

 

*

UM BOM EXEMPLO PARA O BRASIL

 

A China tem aproximadamente 120 milhões de habitantes ou aproximadamente 10% da população abaixo da linha da pobreza. É um bom exemplo para o Brasil pois implantou um intenso programa de educação de base para melhorar o padrão de vida da população, em vez de conceder uma mesada, como faz o Brasil com cerca de 13 milhões de famílias, algo como 25% da população. Aqui os beneficiados diretos pelo esquema não tem estímulos para melhorarem de vida através de escolas, ensino técnico e até, para procurarem emprego. É compra de voto, mesmo.

 

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

 

*

LULALÁ

Nos ótimos artigos do ex-governador Alberto Goldman de 14/11 (Governo retrógrado: ser ou não ser?) e do professor Roberto Macedo de 15/11 (Hu aqui e Lula lá, na China), entendemos perfeitamente o que ocorreu no Brasil nos últimos dez anos, sobretudo a respeito da razão de continuamos patinando no quesito crescimento do PIB. A política retrógrada do PT ao manter as estatais, principalmente como cabides de emprego, que o diga a Petrobrás, como também ministérios ocupados por incapazes nas suas respectivas áreas, isto é , o país é no âmbito governamental um paraíso de “sinecuras”. Na destinação de recursos temos (?) os 18% do PIB “aplicados” anualmente em infraestrutura, perante os 40% realmente aplicados pela China , e por essas razões, a China cresce muito e o Brasil cresce pouco. Dessa forma, como o Brasil está importando mão de obra qualificada do exterior, concordo na contratação do presidente da China , Hu Jintau, tão logo ele se retire do cargo, e em contrapartida, enviaremos o nosso dr. honoris causa própria Lula da Silva, pós-graduado em gastar o dinheiro público em programas sociais para benefício próprio.

 

Albert Henry Hornett hornettalbert@hotmail.com

São Paulo

 

*

PLANTAS EXÓTICAS

 

Exóticas e Invasoras (Estado, 13/11, A2). Parabéns ao Estadão e ao Xico Graziano pelo excelente artigo, lúcido, claro e com informações muito esclarecedoras. Sou ecologista e concordo totalmente com o articulista. Informações como as do Xico, nos traz à realidade muitas vezes esquecidas.

 

Luiz de Gonzaga Santos lg.santos@terra.com.br

Paraibuna

 

*

OS DIREITOS DAS DOMÉSTICAS

 

Li no Estadão de 8/11/12, na página B7, caderno Economia, matéria intitulada Comissão amplia direitos de domésticas. Hoje, as domésticas já têm direito a férias mais 1/3, o 13° salário e o FGTS não obrigatório. A comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou Proposta de Emenda Constitucional estendendo aos trabalhadores domésticos os mesmos direitos garantidos aos demais empregados. Se for aprovado, além do que já é obrigatório, ou seja, 48 horas diárias de trabalho e 44 horas semanais, pagamento de horas extras, FGTS obrigatório, seguro contra acidentes de trabalho, seguro-desemprego, creches e pré-escolas para filhos e dependentes até 6 anos de idade, adicional noturno e salário família, vai haver um grande desemprego na categoria. Hoje, muitas famílias nem registram os empregados domésticos e muitos deles nem querem, por que alegam “suja a carteira”. E o FGTS poucos patrões pagam. Evidentemente que, se todas as obrigações forem aprovadas, a maioria das patroas ou patrões não poderá arcar com as despesas ou, como muitos patrões fazem, sonegando até o recolhimentos do INSS, irão ignorar as demais futuras obrigações. E o pior é que, se os patrões continuarem não pagando os direitos aos empregados domésticos, ao sair do emprego, irão à Justiça do Trabalho reclamar os seus direitos e vão, certamente, ganhar. É uma situação complicada: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come.

 

Olympio F. A. Cintra Netto ofacnt@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

O FIM DE UMA PROFISSÃO

 

O próximo passo é o sindicato das empregadas domésticas (parece que o homem não se enquadra como “empregado doméstico”, daqui a pouco, haverá cotas para as tais), com “desconto em folha”, para sustentar “neguinhos desocupados”, ocupados em fazer greves! País anda de lado, igual caranguejo.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

MAIS UMA CONTA NA SAÚDE

 

Mais uma tungada no bolso do cidadão que é obrigado a pagar pela sua saúde, obrigação que seria do governo que não aplica corretamente o dinheiro dos impostos. A Agência Nacional de Saúde (ANS) está sempre pronta a dizer amém às operadoras. Jogar nas costas dos pagadores de convênios mais uma conta é muito cômodo. A maioria dos médicos já está cobrando para fazer uma cesárea. A alegação é sempre a mesma, o valor que o convênio paga é uma afronta. O que dizer ao segurado que é obrigado a cumprir uma carência de um ano para parto se ainda assim ele será cobrado? Com a desculpa de se reduzir os números de cesáreas o Conselho Federal de Medicina, consegue passar por cima dos contratos dos segurados e usando um nome bonito “acompanhamento”, ganha o direito de cobrar do cliente. O papel da ANS é proteger o segurados ou as operadoras?

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

*

REPÚBLICA DA BANANA

 

Leio estupefato no Estadão matéria da jornalista Ligia Formenti em que os médicos agora no Brasil querem cobrar pelo acompanhamento do parto. Não me façam rir que estou com o lábio partido. Realmente o Brasil segue sendo uma “República da Banana” com seus médicos sem exceção uma corja de Piratas do Asfalto. Sou brasileiro e moro há 25 anos na Europa, onde tenho dois filhos europeus, nascidos em hospitais com H maiúsculo, e não em “leprosários medievais” como são os daqui. Sim, senhores, admitamos, “nossos” hospitais todos são leprosários medievais, temos de concordar com isso. Por uma série de motivos, principalmente este novo de cobrar pelo parto. Nem o melhor hospital do Brasil se compara a um médio hospital europeu, e agora os médicos querem cobrar por esse “acompanhamento”? Sabem quanto custa um parto na Europa para a parturiente? Absolutamente nada. Sim, absolutamente nada. Porém, para o Estado, custa, sim, a astronômica cifra de R$ 700. Sim, R$ 700, pois você recebe o informe cinco dias após chegar a sua casa, sobre o custo do parto, numa carta certificada do hospital e dirigida a parturiente, com um cheque em nome do bebê com a quantia de 200 euros para abrir sua primeira caderneta de poupança. O governo é o que banca tudo, pois você paga impostos e a Seguridade Social e os médicos são funcionários do Estado, e não Piratas do Asfalto, como aqui no Brasil. Já não está na hora de o “governo”, se é que temos governo, tomar providências e só entregar o título de médico aos médicos formados cinco anos após prestar serviços em hospitais pelo governo a eles designados? Ou avançamos como país ou seremos sempre uma República da Banana com leprosários medievais disfarçados com uma placa de hospital e de piratas apelidados de médicos.

 

Fernando Cameranesi fernandocameranesi@yahoo.com.br

Santa Cruz do Rio Pardo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.