Fórum dos Leitores

STF

O Estado de S.Paulo

23 Novembro 2012 | 02h18

Posse do novo presidente

Ao assistir à posse do ministro Joaquim Barbosa na presidência do Supremo Tribunal Federal (STF), e em face do desempenho desse órgão máximo da nossa Justiça no julgamento da Ação Penal 470, tenho a satisfação de ver renascer em mim o orgulho de ser brasileiro.

JOSÉ E. BARBOSA GONÇALVES

etuley@uol.com.br

Ribeirão Preto

Por um Judiciário melhor

Joaquim Barbosa é uma das melhores figuras públicas que surgiram no Brasil nos últimos tempos. Juiz íntegro, ético, progressista, humanista, informal, antenado com a realidade social que o cerca e com os anseios da sociedade, o novo presidente do STF é o melhor exemplo de como deve ser um bom magistrado. Em vez de juízes encastelados em torres de marfim, elitistas e corporativistas, o Judiciário brasileiro precisa de renovação, modernidade, agilidade, eficiência, informalidade. E Joaquim Barbosa - agindo como um verdadeiro arquiteto social - certamente dará importante contribuição nesse sentido, para que tenhamos um Judiciário melhor, mais humano e próximo do povo.

RENATO KHAIR

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

Exemplo de probidade

Ministro Joaquim Barbosa, cumprimento-o pela posse na mais alta Corte de Justiça do nosso país. Que o senhor continue sendo um exemplo de probidade para todos, principalmente para a nossa juventude, tão carente de boas referências. Seja muito feliz, mas se cuide, em todos os sentidos.

TANIA TAVARES

taniatma@hotmail.com

São Paulo

Pulso firme e serenidade

Que o novo presidente do STF mantenha pulso firme e serenidade para conduzir a mais alta Corte nos próximos dois anos. Que muitos outros paradigmas sejam quebrados, como no julgamento e condenação dos mensaleiros, para que se tenha respeito e reverência pelas decisões da Justiça. Dura lex, sed lex vale para todos, sem distinção. Muito boa ventura, ministro Joaquim Barbosa!

J. S. DECOL

decoljs@globo.com

São Paulo

Vitórias da democracia

Espero que o vento que bate lá bata aqui, em Sampa. Que o procedimento do novo presidente do STF se espalhe como uma onda devastadora da corrupção pelo País. E também sobre a violência desenfreada e descontrolada que, sem dúvida, está ligada à corrupção que nos assola e prejudica a todos, indistintamente. Que esses dois anos sejam de vitórias da verdadeira democracia, e não do PT, e os políticos mudem, assim como mudou o STF, apesar de alguns lá ainda estarem com seus laços umbilicais ligados a outros que já deveriam estar presos.

ALICE BARUK

alicebaruk@bol.com.br

São Paulo

CORRUPÇÃO

Culpa da lei eleitoral...

O ministro Gilberto Carvalho já tem a solução para acabar com os malfeitos dos políticos: mudar a legislação eleitoral, "que é a mãe da corrupção". Essa mãe, que gerou tantos filhos já condenados pelo STF, será contida com reforma política? E os corruptos do mensalão e do governo vão continuar órfãos de pai?

EVARISTO RIBEIRO FILHO

evaldib@uol.com.br

Barueri

Se a lei eleitoral é a "mãe da corrupção", como afirma o ministro Gilberto Carvalho, o pai é certamente o PT...

PAULO CESAR S. DE TOLEDO

pctoledo@interair.com.br

Santana de Parnaíba

Quando o ministro diz que a lei eleitoral é a "mãe da corrupção", disso temos certeza que ele, José Dirceu e outros "cumpanheiros" entendem profundamente, desde o caso da "arrecadação" em Santo André, que culminou com a morte do prefeito Celso Daniel.

HELEO POHLMANN BRAGA

heleo.braga@hotmail.com

Ribeirão Preto

EDUCAÇÃO

Rede paulistana

A matéria Rede municipal de SP cresce menos no Ideb que média do Brasil e capitais (16/11) parte de pressupostos equivocados para criticar a educação pública da cidade. Baseia-se na comparação entre as médias obtidas em capitais e cidades da região metropolitana, o que pode servir à produção de manchetes de jornal, mas nada significa para avaliar a evolução do aprendizado. Esse alerta, feito por escrito ao repórter, foi erroneamente tratado como "a secretaria não concorda em comparar a cidade com a região metropolitana". Não se trata de concordar ou discordar. Qualquer especialista sabe que "salto de qualidade" não significa melhorar as médias em relação a outras cidades, mas evoluir no aprendizado dentro da própria rede, assegurando que os alunos apresentem melhores resultados ano a ano. E é isso que vem ocorrendo, como demonstram os dados. Não é "a pasta que afirma" que, em 2005, 46,7% das escolas da rede tinham Ideb menor que 4 e hoje apenas 5,4% ficaram com essa média. São dados do Inep/MEC, expressos numa tabela que a reportagem recebeu e preferiu desconhecer. Ocultou também que 32,4% das escolas da rede municipal obtiveram médias acima de 5 nos anos iniciais - em 2005 só 2,6% alcançaram tal marca. A escolha cirúrgica para expor apenas os dados negativos se deu também na montagem das artes. Curiosamente, o quadro Ganho de aprendizagem (que, embora não informe ao leitor, traz só as notas de Matemática) é o único a omitir a nota de 2005 (172,8), que elevaria a variação positiva de aprendizagem dos alunos da rede municipal de 53,5 para 67,3. Preferiu ainda não apresentar o mesmo quadro para Língua Portuguesa, em que a rede pula de 166,4 nos anos iniciais em 2005 para 238,6 nos anos finais em 2011, variação positiva de 72,2. Ainda que haja outros, esses pontos já bastam para demonstrar a opção por depreciar o trabalho feito nos últimos oito anos. A Secretaria Municipal de Educação tem consciência de que há muito para avançar. Mas não se pode calar diante da injustiça ao empenho de centenas de profissionais da educação que dia após dia recuperaram uma rede deteriorada, que em 2005 apresentava problemas físicos-estruturais, como escolas e salas de lata, turno da fome e turmas superlotadas, salários baixos e nem tinha currículo. Tudo isso é passado. A rede municipal ficou 0,1 aquém da meta estabelecida para o Ideb, mas em todos os biênios mostrou evolução consistente e homogênea. Um salto de qualidade que permite que ela continue avançando.

AVELINO ALVES, Assessoria de Comunicação e Imprensa

avelinoaparecidoalves@yahoo.com.br

São Paulo

N. da R. - O Ideb permite comparar cidades, escolas e Estados. A reportagem fez as ressalvas das dificuldades de São Paulo. No quadro Ganho de aprendizagem não foi omitido o dado de 2005. A análise compara o resultado de 2007 na 4.ª série com a avaliação da 8.ª série em 2011, ou seja, o mesmo grupo de alunos.

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

JOAQUIM BARBOSA, PRESIDENTE DO STF

A posse de Joaquim Barbosa como presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) já se inclui entre os momentos históricos que o Brasil vive na sua democracia recente. Barbosa é símbolo por sua origem, cor, história de vida e postura firme, confirmada ao longo dos anos como ministro do mesmo STF. O menino de família humilde que se destacava pelo empenho nos estudos e que traz a experiência de um povo lutador e que vence as maiores barreiras é também vislumbre de esperança e certeza de que as atuais políticas de cotas que reparam distorções históricas podem nos legar brasileiros, das origens mais simples, que podem fazer a diferença em nosso dia a dia democrático.

Aldo Moraes composermoraes@hotmail.com

Londrina (PR)

*

RECADO MUITO BEM DADO

Assistindo à posse do ministro Joaquim Barbosa como o novo presidente do STF, vários recados bem claros foram dados pelo oradores presentes na cerimônia pelos ministro Luiz Fux, em nome do STF; o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, que foi incisivo ao defender o Ministério Público; o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Ophir Cavalcante, que elogiou a atitude dos julgadores perante o processo do mensalão; e, por último, o presidente empossado do STF, Joaquim Barbosa, que disse que quem quer seguir carreira pública deve ter em mente que a independência é fundamental. Para bom entendedor, nem é preciso desenhar. Dois ministros do STF presentes tiveram de engolir e digerir, além da presidenta Dilma, mesmo com aquela cara de chata e entediada. Assim, o Poder Judiciário deu uma demonstração de que está unido contra quadrilhas, e qualquer Zé Mane entendeu que malandros travestidos de políticos que se cuidem, porque a lei lhes será implacável. Assim esperemos!

Agnes Eckermann agneseck@yahoo.com.br

Porto Ferreira

*

COISA FEIA

Se Dona Dilma não tivesse ido à posse do ministro Joaquim Barbosa na presidência do STF, não ficaria tão desagradável quanto ir e fazer toda aquela cara feia.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

JUSTIÇA SEM FIRULAS E RAPAPÉS

Que a simplicidade da fala do presidente do STF, ministro Joaquim Barbosa, seja inspiração para todos os magistrados: justiça sem firulas e rapapés. A independência do magistrado exige mudanças urgentes no procedimento de progressão na carreira. Fica o desafio proposto pelo ministro Joaquim Barbosa. Como brasileira, sinto-me honrada em ter um compatriota como ele. Saúde e paz, Sr. presidente do STF!

Ana Lúcia Amaral anamaral@uol.com.br

São Paulo

*

A POSSE

Ver a fisionomia chocha dos petistas após os discursos eloquentes que tiveram que ouvir, da presidenta aos seus ministros, passando pelo presidente da Câmara, desafetos do ministro Joaquim Barbosa, na sua posse, não tem preço!

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

QUE VENHAM OS JOAQUINS!

A Pátria haverá de agradecer ao ex-presidente Lula a criação das cotas raciais, no momento em que outros Joaquins Barbosa venham a proteger-nos da sanha dos "aloprados", coniventes com a escória do biodigestor da política...

Caio Augusto Bastos Lucchesi cblucchesi@yahoo.com.br

São Paulo

*

CURRÍCULO

Joaquim Barbosa não chegou ao Supremo Tribunal por ser negro, mas por ter um currículo invejável, infinitamente superior ao de certos companheiros. Toda vez que os jornais enfatizam a cor do indivíduo antes de qualquer outra coisa, como "o primeiro presidente negro...", está sendo absurdamente preconceituoso. Qualquer um que tome em primeiro lugar a cor, para depois falar da pessoa, confessa seu racismo disfarçado pelo politicamente correto. É lamentável que, em pleno século 21 ainda existam pessoas e, pior, dizendo-se "formadores de opinião", com esta mentalidade.

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

FESTA NO STF

Está correto a posse do presidente com uma festa para 2 mil pessoas?

Antonio Fernando Moya afmoya@sp.sebrae.com.br

São Paulo

*

GUERRA, LEI E POLÍTICA

Assume a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo o ex-promotor público Fernando Grella Vieira, em substituição a Antônio Ferreira Pinto. Em nova fase de combate ao crime organizado, as forças estatais precisam respeitar a lei vigente, mas devem os agentes de segurança lembrar-se de que estamos em guerra declarada e em curso e de que precisam tomar a iniciativa do combate, como ocorreu no Rio. Politicagem de lado, qualquer auxílio ou colaboração do governo federal precisam ser aceitos, porque em guerra faz-se sempre a aglutinação de forças colaboradoras. Entretanto, o que não pode ocorrer é o maior e mais poderoso estado da federação ser objeto até de risos de outros brasileiros, porque, até agora, o crime organizado está vencendo a guerra, com mais de cem mortes a desfilarem no currículo sangrento da bandidagem. Na verdade, não importa o nome do secretário da Segurança Pública, mas o que interessa, na atualidade, aos paulistas e paulistanos é a demonstração de resultados, e a sinalização de que a ordem pública será mantida a todo e qualquer custo. Assim se espera.

José Carlos de C. Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

SAI FERREIRA PINTO, VENCEU A PRESSÃO

Ainda que o ex-secretário da Segurança Pública Antonio Ferreira Pinto viesse desenvolvendo um excelente trabalho comprovado pelos menores índices de violência no Brasil, Geraldo Alckmin capitulou, não teve como aguentar por mais tempo a pressão que se iniciou em agosto do ano passado na Assembléia Legislativa de São Paulo (quando PTB e o PT se uniram para tentar aprovar a PDL 65/2009 de Campos Machado para retirar a Corregedoria da Polícia Civil do comando da Secretaria de Segurança Pública) e se completou hoje, mais de um ano depois. O que não foi conseguido pelas vias "legais" foi conseguido pelo tsunami de violência nunca vista por aqui, pela pressão dos ministros da presidente Dilma, pela pressão de parte da mídia aliada e conivente do governo e, principalmente, pelo mar de sangue de paulistas e paulistanos que foi derramado. Agora, São Paulo provavelmente voltará à ordem, caiu Ferreira Pinto. Em seu lugar, Alckmin colocou o ex-procurador geral de Justiça do Estado de São Paulo Fernando Grella. "Nós reconhecemos as dificuldades que estamos passando e vamos nos empenhar de forma redobrada neste trabalho", disse Alckmin. Mas a banda podre da polícia, tão combatida por Ferreira Pinto, voltará?

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

PULSO FIRME

Dr. Ferreira Pinto sucumbiu e largou a pasta da Segurança Pública em São Paulo. Troca de secretário não adianta, enquanto não houver um digno salário às Polícias Militar e Civil e também pulso firme com relação à bandidagem. Pergunto, quantos membros da comissão de direitos humanos procuraram os familiares dos policiais mortos?

Luiz Felipe Dias Farah felipefarah@gmail.com

São Paulo

*

PARA NOSSO DESESPERO

Depois de sete anos de trabalho do secretário de Segurança e de reduzir a criminalidade do Estado de São Paulo, militarizando a polícia, para uma das menores criminalidades do País e em grau de Primeiro Mundo; após um terrorismo explícito, tendo um governador frouxo, que está entregando o Estado para os inimigos; venceram o crime e os políticos criminosos outra vez, apoiados por uma parte da imprensa irresponsável. Começam também a destruir o Estado de São Paulo, para que a bandidagem tome conta, agora do País inteiro, para desespero da população.

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

*

MEDO

Estou há dias indignado com a omissão de nossa imprensa e nossas autoridades, inclusive o Ministério Público, por não interferirem nessa matança indiscriminada nas noites de São Paulo. Não é a primeira vez que as autoridades deixam a situação chegar a pontos críticos e depois começam a resolver por intermédio de grupos radicais, as famosas chacinas. Será que ninguém pensa que nesta onda de vinganças poderá perder um ente querido por estar passando na hora e no lugar errados? Hoje tenho medo se preciso sair para qualquer lugar durante a noite. Será que, se essas mortes que estão acontecendo fossem em bairros nobres, a repercussão não seria outra? Poucas vezes que ouvi o recente demitido secretário de Segurança, só ouvi bobagens. Pessoas ligadas ao Estado que deveriam nos proteger estão fazendo justiça com as próprias mãos, e isso passa a ser uma situação de risco para a população, tão igual ao risco dos bandidos, e o nosso governador, com sua fala mansa, nada resolve.

Rogério Rodrigues de Souza rogerio.tao@hotmail.com

São Paulo

*

'PALESTINA'

Pelas palavras bombásticas dos ministros José Eduardo Cardozo e Gilberto Carvalho, 2014 é o ano que já começou. Cardozo ocupou as manchetes dizendo que "prefere morrer a cumprir pena numa cadeia", repetindo o nhem-nhem-nhem do advogado de defesa do José Dirceu, doutor Dias Toffoli. Carvalho, supostamente enroladíssimo nas teias do mistério do assassinato de Celso Daniel, vem com essa de o Estado de São Paulo (capital e interior) ser "a Palestina". Eles e seu partido, o notório PT, estão no poder há mais de 11 anos e nunca mexeram uma palha em benefício de São Paulo, das obras do metrô à área de segurança. Vem do Planalto a tentativa de desconstruir Alckmin, da mesma maneira como a inveja doentia do Lula tentou inutilmente desconstruir FHC. A Criatura pavimenta o caminho da sua reeleição, como fez seu Criador: ilegalmente fora do prazo e ilegalmente usando a máquina governamental, paga por nós todos, petistas e não petistas.

Neil Ferreira neil.ferreira1804@gmail.com

São Paulo

*

PREVENÇÃO É TAMBÉM NOSSA RESPONSABILIDADE

Como prevenir chacinas executadas por criminosos armados que chegam de surpresa num bar para assassinar covardemente pessoas inocentes, distraídas, festejando com amigos? O trabalho da polícia é corretivo, a prevenção é de responsabilidade de toda a sociedade. Com certeza não é noticiando que a polícia está despreparada e que o secretário de segurança pública foi exonerado, que as penitenciárias são medievais, estas notícias devem ser informadas com muito cuidado para não promover os criminosos. Qualquer crime já é uma violência e deve ser combatido sem parcimônia em conformidade com a lei vigente, a o jornalismo sério independente pode ajudar muito em parceria com as entidades de segurança pública. A prevenção imediata é preparar os bares considerados de alto risco com sistemas de segurança, câmeras, vigilantes com o objetivo de identificação e detenção destes criminosos. A prevenção em longo prazo é cuidar das crianças de hoje com educação e saúde com qualidade para que não tenhamos mais criminosos nos próximos anos. Nos últimos 10 anos a população carcerária aumentou de 100 mil para meio milhão, isso demonstra que os programas sociais e educacionais não estão atendendo o povo brasileiro.

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br

São Vicente

*

FALTA CORAGEM

Queiram ou não, mas os comentários mais exacerbados feitos neste "Fórum dos Leitores" contra as enormes mazelas cometidas pelo PT, de forma geral, pouco ou nada comentam contra a desastrada (in) Segurança Pública no Estado de São Paulo. Será que entendem que está tudo bem ou será que lhes faltam argumentos após tantos e tantos anos de governo do PSDB em São Paulo? Isso ninguém comenta, não dizem nada e, assim, "me engana que eu gosto". Já entendi!

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

UM RELATÓRIO ABSURDO

Enquanto predominar a maioria em favor do governo no Congresso Nacional, qualquer movimento no sentido de criar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) deve ser abortado para que os políticos do governo (PT) não envergonhem ainda mais esse envergonhado Legislativo. A CPI do Cachoeira nasceu sob os auspícios de Lula, que nos seus devaneios julgava que a CPI instalada poderia desmentir o mensalão. Tratou-se, então, de formatar a CPI, que sem novidade teve como presidente e como relator os deputados petistas Vital do Rego e Odair Cunha, respectivamente, ambos do PT. Nitidamente, o relator seguiu orientação do PT e produziu, até aqui, um amontoado de baboseiras e sandices. Seu relatório demonstra a perseguição sistemática à oposição, a tentativa de amordaçar a imprensa e, pior ainda, de não aceitar as decisões da Justiça brasileira. Odair Cunha propõe o indiciamento de Policarpo Júnior, jornalista da revista Veja; Elmano Silva, da revista Época; e Renato Alves, do Correio Brasiliense; entre outros veículos da imprensa. Para carimbar o jeito petista de lidar com a democracia, o relator sugere que o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) avalie a atuação do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, por ocasião das investigações da Operação Vegas. O senador Pedro Taques (PDT-MT) afirmou que o relatório de Cunha "é um instrumento de perseguição político-partidária". A pizza está pronta. Sirvam-se.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

JOGAM EM TODAS AS FRENTES

De um lado, o pau mandado Odair Cunha e sua persecutória análise da CPI do Cachoeira, que manteve na linha de fogo, ao final, os alvos iniciais, conforme desejo de vingança do PT, envolvendo o Judiciário, a oposição e a imprensa: Roberto Gurgel, Marconi Perillo, Demóstenes Torres e o jornalista Policarpo Júnior. De outro lado, de dentro do Judiciário, os ministros Lewandowski e Dias Toffoli tentando amenizar para a banda dos mensaleiros. Gilberto Carvalho e José Eduardo Cardozo, ministros do governo, numa feita, tentando desconstruir a imagem de Geraldo Alckmin; noutra, em sintonia com Toffoli, tentando arremeter a ideia de que prisões medievais não são lugares para seus amigos de partido. A presidente Dilma, junto de uma horda de petistas, pondo sob suspeita o bom trabalho do Supremo Tribunal Federal (STF). E todos, juntos, defendendo seus companheiros e aliados, que, de Norte a Sul, não saem da mídia no noticiário da criminalidade. E, acima de tudo, todos, ao mesmo tempo, tentando proteger o ultimamente silente Lula, que, mesmo silente, não sai da mídia pelas contas que tem a pagar. Querem aprender sobre como funciona uma partido unido que permanece unido em qualquer circunstância? Mirem-se no PT. Se eles vão conseguir o que pretendem - na base de mentiras e ardis, usando de meios desonestos e execráveis -, é outra história.

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*

A REVANCHE

O PT quer tirar revanche no assunto mensalão. Agora o relator da CPI do Cachoeira, Odair Cunha, que encerrou os trabalhos antes do tempo para proteger companheiros do PT e aliados envolvidos nas falcatruas, pediu a investigação do procurador Gurgel só porque ele teve êxito em seu trabalho na acusação do processo 470. Política de "baixaria" desse PT.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

OS AMIGOS DO REI

Odair Cunha (PT-MG), relator da CPI do Cachoeira, que foi condenado e, imediatamente após, solto pela mesma juíza que o havia condenado, arma o circo indiciando até o procurador-geral da República e membros do PSDB num puro ato de revanchismo gerado por "lulla" (em minúscula mesmo) por conta da condenação de seus camaradas Dirceu, Genoino (cara de pau que ainda deseja voltar a ocupar uma cadeira na Câmara dos Deputados!), Delúbio e outros tantos envolvidos no mensalão de "lulla" e seus asseclas. Este partideco não se cansa em afrontar a democracia e suas regras básicas, sempre gerando, com seus aliados, situações surreais que somente nos causam nojo deste pessoal todo. São a ruína de nossa tão frágil democracia, são o que há de pior em nosso país. Agora também temos nossos "digníssimos" senadores se autoisentando de pagar o Imposto de Renda sobre seus 14.º e 15.º salários, gerando enorme buraco em nossas contas somente para satisfazerem seus próprios interesses capitaneados pelo "lorde" Sarney. Por causa dessas imagens é que a violência nunca antes vista está ceifando vidas em todo o Brasil, pois os exemplos vêm de cima, então o PCC e outros tantos se acham no direito de fazer o que querem. Ainda no caso da CPI do Cachoeira, como Sérgio Cabral e Agnelo Queiroz não foram indiciados também, sendo que há provas contundentes do envolvimento de ambos nesta tramoia? Ser amigo do "rei" tem lá suas vantagens, não é? Este é o País do PT, corrupção à solta, revanchismo a toda hora, Congresso falido e com descrédito total, assistencialismo barato, voto de cabresto, mensalões, políticos ridículos, oposição inexistente, falta de uma real liderança para fazer frente a esta pouca vergonha, endividamento cada vez maior da população por indução do próprio desgoverno, PIB ridículo, inflação mascarada e em alta, crescimento pífio, enganação do povo, Toffolis e Lewandowskis aos montes, etc.

Boris Becker borisbecker@uol.com.br

São Paulo

*

A CACHOEIRA SECOU

A CPI do Cachoeira acabou em pizza, é claro. No apagar das luzes, os governistas envolveram Marconi Perillo, do PSDB, mas o gaiato governador do Distrito Federal, do PT, ficou fora? Claro, uso político e nada mais. Carlinhos Cachoeira já está livre, leve e solto, e o advogado dele em alto e bom som declara que ele já cumpriu parte da pena. Até aí, tudo bem, mas e os milhões da Delta dados graciosamente a todos, inclusive o grande volume ao Sergio Cabral, do PMDB, partido parasita do PT? Aliás, Sergio Cabral recebeu um SMS de Cândido Vaccarezza, outro metido a gente fina, garantindo que nunca o PT iria abandoná-lo. Ou seja, no Brasil, em matéria de corrupção, nada está tão ruim que não possa piorar.

Asdrubal Gobenati asdrubal.gobenati@bol.com.br

Rio de Janeiro

*

DE VOLTA À REALIDADE

Cachoeira deixa a prisão! Que bela lição de cidadania! Que sirva de exemplo para Marcos Valério. Continue quietinho, pois as coisas se ajeitam rapidinho. Só um pouquinho de calma, alguns dias na cela e em breve você também se livrará da prisão. Assim como todos os políticos condenados no processo do mensalão nem saberão o que é ser preso e, em breve, ninguém mais vai comentar sobre as péssimas condições do sistema carcerário nacional. Afinal, isto é aqui é Brasil, e nós, que estávamos comemorando, acreditando no STF e na Justiça, podemos parar de sonhar e voltar à realidade.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

CPI

Comissão Parlamentar de Inquérito: CPIzzaria Brasil...

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

GRUPOS CONTRA GRUPOS

CPI na Câmara dos Deputados ou no Senado ou Mista é sempre tendenciosa, nunca é ética, honesta, transparente, bem intencionada, objetiva, idônea, etc., etc.,etc. Afinal de contas, é feita por políticos, que são pessoas imunes de ter caráter, bom senso, serem honestos, transparentes, patriotas, etc., etc., etc. Portanto, é sempre um ato de vingança de grupos contra grupos, onde buscam com a maior cara de pau deslavada livrar seus pares de qualquer envolvimento. Alguém discorda?

Humberto Afonso Freitas humberto_freitas@uol.com.br

São Sebastião

*

BRIGA DE FOICE NO ESCURO

Ficou pior que briga de foice no escuro o blá blá blá entre deputados e senadores para o impedir o início da leitura dos cinco volumes com mais de 5 mil páginas da CPI mista que investiga práticas criminosas de Carlinhos Cachoeira e de agentes públicos e privados. Provocou-me vômito. Gente, o Carlinhos já foi solto. Chega de enganar e gastar o dinheiro do povo com as Comissões Parlamentares de Inquéritos, que já sabemos, com a ajuda dos deputados e senadores que dela participam, sempre acabam em pizza.

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

*

A PIZZA MAIOR QUE O FORNO

A feliz adjetivação que "a pizza ficou maior que o forno" em relação ao relatório da CPI do Cachoeira é perfeita. A tentativa de "blindar" certas notórias figuras políticas, envolvidas num dos mais escandalosos casos de corrupção entre gestores públicos mancomunados com setores da iniciativa privada, cremos que não vai mais funcionar. A exemplar postura do STF no julgamento do mensalão mostrou à Nação que os tempos de impunidade dos poderosos se esgotou.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

POVO INOCENTE

Como a maioria do povo brasileiro é inocente, tem gente que não acredita no coelhinho da Páscoa, outros não acreditam em duendes e fadas e até mesmo os que não acreditam em Papai Noel, que todos veem nas ruas e nas lojas. Porém, a maior das inocências é acreditar que as investigações do Cachoeira dariam em alguma coisa. Como são idiotas, cadeia no Brasil é só para Zé Gotinha.

Manoel José Rodrigues manoel.poeta@hotmail.com

Alvorada do Sul (PR)

*

JUSTIÇA DEU A LUZ

Durante meses a Justiça fingia que prendia Cachoeira e esse fingia que estava preso. A gestação durou exatos 9 meses. Não deu mais para segurar e teve de Perillo, quero dizer, pari-lo. Agora é esperar para saber quantos Cachoeirinhas vão jorrar dessa "ninhada".

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

VACCAREZZA NÃO DEIXARIA

Mais uma CPI termina em nada. Qual será o fim das CPIS com esses políticos nepotistas e corporativistas? Para que perderem tanto tempo, tantas viagens, tantos gastos e, no fim, o dinheiro foi para os bolsos de muita gente, menos os meus, e quem será ou quem serão os responsáveis? Qual será o fim de tanta vergonha e nada, absolutamente nada, só fachada e também colocar no fogo a oposição? Por que não verificar as contas do Sr. Cabral, o parasita do Lula, e dos seus descendentes ate a 20.ª geração? Aí a coisa pega e o Vaccarezza, cara de azarão, não vai deixar. Que vergonha para São Paulo eleger gente tão baixa e sem nenhum compromisso com a verba pública e com os descamisados. Sr. Vaccarezza por favor ande pela rua augusta de madrugada ou nas manhãs, ao invés de ficar tomando aperitivo no Hotel Five Stars Renaiscensse em São Paulo parecendo um milionário. Aliás, deve ser.

Alice Baruk alicebaruk@bol.com.br

São Paulo

*

VAPT VUPT

Depois de nove meses preso, Carlos Augusto Ramos conhecido por Carlinhos Cachoeira, foi condenado por cinco anos no dia 20/11 e, a esta altura, já está em liberdade para cumprir a pena em regime aberto. Que rápido! De quem foi o "dedinho" para tanta celeridade? Será indicativo de "pizza" patrocinada por tantos envolvidos, principalmente PeTistas e dizem, até da presidente, é possível?

Maria Teresa Amaral mteresa0409@2me.com.br

São Paulo

*

VÊ SE PODE!

Dois pesos, duas medidas. Carlinhos Cachoeira foi condenado a cinco anos de prisão em regime semiaberto e ficou retido no presídio da Papuda de 29 de fevereiro até 20 de outubro, enquanto os quadrilheiros do mensalão apenados pelo STF ainda não pegaram um dia sequer de cadeia, continuam serelepes e soltos por ai. Pode?

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

COMEMORAÇÃO

O relatório da CPI foi tão contundente que até libertaram o Cachoeira prá comemorar...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

CACHOEIRA SOLTO

É inacreditável como bandido do colarinho branco no Brasil não amarga cadeia. Nem bem Cachoeira foi preso, em poucos meses foi a julgamento, recebeu cinco anos de cadeia sendo que cumprirá pena em liberdade? O sujeito montou uma verdadeira organização criminosa com tentáculos nos Três Poderes. Uma empreiteira administrada por laranja que executa obras publicas por todo o país. Por mais que o STF no julgamento do mensalão tente dar um tom mais ético a política brasileira, existe resistência para que a corrupção continue. Podemos matar 38 ratos, que logo aparecerão centenas para ocupar o lugar. O que será que dizem os juristas que articulam a "reforma do nosso Código Penal"? Estamos cheios de pagar altíssimos impostos e presenciar corruptos e sonegadores driblando essa nossa justiça ultrapassada, sem pagar pelo ilícito. Chega de impunidade!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

POEMA PARA O FIM DO ANO

"Vejam como as coisas funcionam / vou escrever sem vaidade / o bicheiro Cachoeira / foi posto em liberdade.

Tempo perdido em investigações/ escuta telefônica e sigilo quebrado / milhões de reais gastos / só pra pagar advogados.

Pobre Brasil, pobre povo / que trabalha noite e dia / pagando tantos impostos / e vivendo na agonia.

Cachoeira em liberdade / sociedade indignada / nas festas de fim de ano / ele deve por o pé na estrada.

Paris ou Ilhas Canárias / deve passar suas férias / enquanto milhões de brasileiros / trabalha e fica na miséria.

Não sou poeta nem escritor / aliás nem escrever sei direito / mas a indignação é tanta / que as frases brotam em meu peito.

Carlinhos em liberdade / o povão indignado / como queremos justiça / se o principal responsável pelo esquema / nem sequer foi questionado.

Para terminar meu poema / um fato vou relatar / aviso aos navegantes / nosso povo vai se cansar."

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

REVOLTANTE

É revoltante a libertação do criminoso Carlinhos Cachoeira pela Justiça, que cumprirá pena de cinco anos em regime semiaberto. É mais um exemplo de como a Justiça brasileira é uma verdadeira 'mãe' para os criminosos ricos e poderosos, sobretudo para os corruptos, incentivando assim a impunidade. No Brasil, se um miserável furtar um pacote de biscoitos num supermercado, certamente será tratado pela Justiça com muito mais rigor do que alguém como Cachoeira, chefe de uma quadrilha perigosa e responsável por um mega esquema de corrupção, com desvio de centenas de milhões de reais. São dois pesos e duas medidas. No Brasil, a lei claramente vale mais para uns do que para outros. Num país sério e desenvolvido, Cachoeira perderia todo o seu patrimônio ganho ilicitamente e ficaria preso por décadas. No Brasil, ao contrário, ele pode sair da prisão "feliz e tranquilo", certo de que o crime compensa e de que nada lhe acontecerá.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

DESMORALIZAÇÃO

Por força de um regime jurídico de cumprimento de pena absurdo e arcaico (regime semi-aberto), a cachoeira do Carlinhos secou. Suas águas foram desviadas e voltaram ao leito antigo, com festas, comilanças, comemorações, etc. E a CPI do mesmo nome foi desmoralizada. É o fim da picada!

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

*

FAZENDO ÁGUA

Agora ninguém segura! Abriram a Cachoeira e vai "vazar" água para todos os lados. Quem acredita, agora, que os mensaleiros serão presos? E já arranjaram uma moeda de troca: o mensalão do PSDB. Se me exigem prender os nossos, abro o processo contra os deles. E assim vamos vivendo, como palhaços, e na próxima eleição lá estarão os brasileiros votando mais uma vez para eleger este tipo de gente que faz as leis para beneficiar os próprios. A última lambança: isentar de Imposto de Renda o 14º e 15º dos senadores. Já o 13º do trabalhador não escapa da tributação. Na minha próxima encarnação, já tenho 64 e nem me aposentei ainda, não quero mais ser trabalhador e honesto. Vou ser político e me dar bem.

Odair Picciolli odairpicciolli@moradadoscolibris.com.br

Extrema (MG)

*

QUEM ENTENDEU LEVANTA O DEDO

Cachoeira foi solto e condenado ou foi condenado e solto?

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

COMPAIXÃO DE NATAL

E repugnante receber a notícia de soltura do Sr. Cachoeira! Vai passar o Natal com a família... Que atitude de compaixão que tiveram com ele!

Cecilia M. Dale cecilia54dale@gmail.com

São Paulo

*

SENADORES PASSARAM DOS LIMITES

Os senadores brasileiros, além de receberem os imorais 14º e 15º salários, perderam totalmente a vergonha (se é que tinham alguma). A Receita Federal tem a determinação e o direito de receber o Imposto de Renda relativo a tais valores, assim como faz com os demais brasileiros. A diretoria do Senado, porém, determinou que aquela Casa é que pagará os impostos atrasados, isto é, caberá a todos nós pagarmos uma dívida que não é nossa. Depois dessa, é como se nenhum dos seus componentes mostrasse qualquer pudor com tal medida. Passaram dos limites, e melhor será fechar aquele antro de folgados, que só sabem legislar em causa própria. A bem da verdade, fechando o Cambalacho Nacional, medida que já se faz tarde, o País só teria a ganhar.

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

São Paulo

*

UM NOVO MENSALÃO?

Mais uma vez o Senado brasileiro afronta o povo, aproveitando-se e transformando-se em mais uma nova vergonha nacional. Como conviver num país onde os nossos representantes no Senado da República nos enganam ao afirmar que o Imposto de Renda (IR) dos valores recebidos a título de 14.º e 15.º salários, entre 2007 e 2011, não foi pago por terem entendido que o provento era uma "ajuda de custo"? Que ingenuidade! Por essa razão, quem deve pagar é o cidadão brasileiro? Todos nós somos iguais perante a lei, os impostos devidos devem ser pagos pelos favorecidos, com os acréscimos legais. Afinal, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a Procuradoria, o Ministério Público e o Judiciário, que providência tomarão para não onerar ainda mais a elevada carga tributária paga por nós, contribuintes? Se o Senado assumir o pagamento, estará criando um outro tipo de mensalão.

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

CULPA DA TABELA

14.º e 15.º salários de senador não paga IR porque a tabela só incide até o 13.º.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

VÃO TRABALHAR!

Parece incrível, que caras de pau! Querem nos repassar a cobrança do Imposto de Renda do 14.º e 15.º salários recebidos pelos nobres senadores dos últimos 5 anos! Nós vamos pagar esta conta? tenha santa paciência, já é demais! Chega de palhaçada! Vão trabalhar e pagar o que vocês devem!

Maria José da Fonseca fonsecamj@ig.com.br

São Paulo

*

SENADO IMORAL

Senadores se livram de pagar IR sobre salários extras, 14.° e 15.°, entre 2007 e 2011. O montante seria de R$ 64 mil por parlamentar, excluídos juros e correção monetária. Não podemos esperar outra coisa dessa lixeira que, na sequência, já foi dirigida por Jader Barbalho, Renan Calheiros e atualmente pelo dono do Maranhão - nego-me a escrever seu nome. A decisão foi tomada em plenário e não houve manifestação de nenhum senador durante a votação que durou cerca de sessenta segundos. Agora espero que não apareça na TV nenhum mau caráter da casa dizendo-se indignado com o fato. Verba do orçamento da lixeira será usada para pagar a divida dos nobres com o fisco, ou seja dinheiro público saldando dívida com órgão público para não mexer na conta corrente de um punhado de bandidos. Com a palavra a Procuradoria-Geral da República e a OAB. Minha parte como cidadão estou fazendo, protestando nos espaços ainda livres do domínio dessa megaquadrilha que há dez anos tomou conta e sufoca o País.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

INCOMUNS

Senadores legislam em causa própria e realmente não aceitam ser comuns cidadãos brasileiros!

Luigi Vercesi luigiapvercesi@gmail.com

Botucatu

*

13.º SEM IR

Por que não isentar também para nós, povo, o IR sobre o décimo terceiro, ao menos?

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com

Bauru

*

PRIMAVERA BRASILEIRA

Diante das lamentáveis atitudes de muitos de nossos políticos adiantam o João e todos clamarem no deserto? Não bastassem os maus políticos já criticados, condenados, agora vemos um grupo "seleto" de representantes do povo, os velhacos senadores aprovarem uma proposta vergonhosa. Conforme notícias, os absurdos senadores recebem o 14.º e o 15.º salário e, simplesmente, deixaram de recolher o imposto de renda sobre esses injustos salários. A Receita Federal, que não é boba, nem com eles, está cobrando R$ 64 mil de cada um deles. O que os velhacos decidiram num minuto, sem qualquer discussão? Claro, leitor, que o próprio senado (com letra minúscula propositadamente) deve e vai pagar a dívida. De todos. Com nosso dinheiro! Longe de mim estar desejando a tragédia ocorrida e que ocorre no Oriente Médio para fazer valer o direito de cidadãos. Mas, guardadas as devidas proporções, o Brasil está precisando também de uma "primavera brasileira". Como se sabe, a "Primavera Árabe, selou, recentemente, no Oriente Médio em países como Egito, Tunísia e Líbia - na Síria, ainda há lutas -, o fim das ditaduras que oprimiam seus cidadãos. No Brasil, houve algo parecido, claro, sem contar os anos da ditadura, os chamados movimentos "Diretas Já" e os "caras-pintadas". É evidente que não estou incitando ninguém a pegar em armas. Mas as armas que a população e a sociedade têm são as palavras, a consciência, o conhecimento de nossos direitos como cidadãos que cumprem os direitos de uma democracia e que, portanto, devem exigir honestidade, responsabilidade dos dirigentes e legisladores eleitos para o crescimento da nação. Assim, até quando vamos sujeitar-nos a esses "bandidos de colarinho branco"? Infelizmente, entretanto, muitas pessoas descrentes do poderio que o povo pode ter, perderam completamente a esperança. É o que percebemos quando falam: Que adianta, vai terminar tudo em "pizza"? Aliás, essa expressão nasceu lá entre os diretores do clube Palmeiras que brigavam pelo poder, mas tudo "terminava em pizza" ali perto do Parque Antártica. E deu no que deu. A pizza virou Série B. Agora, voltando à seriedade do problema brasileiro, é preciso sairmos às ruas para conscientizar os menos preparados para termos uma oportunidade de melhorar a confiabilidade de nossos políticos e, assim, podermos sonhar com um Brasil.

João Batista Chamadoira jobachama@uol.com.br

Bauru

*

CORPORATIVISTAS

Os senadores votaram para não pagar IR de salário extra. Só o fato de receberem 14º. e 15º. salários já é aviltante, pois ninguém recebe esse "extra". Agora, votar para não pagar, de 2007 a 2011, o Imposto de Renda sobre esse ganho aviltante pago pela sociedade brasileira, por si só, nos mostra o corporativismo dessa Casa, que deveria ser um exemplo para todo o Brasil. R$ 64 mil "per capita", para nós, que pagamos esse tributo mesmo que não o queiramos fazer (somos descontados na fonte), é bastante agressivo para todos os brasileiros. Até quando teremos de aguentar esse tipo de atitude de nossos políticos, que legislam em benefício próprio? Alegar que essa verba tinha caráter indenizatório nos mostrou, realmente, que a casa de Ruy Barbosa é hoje uma fábrica de benesses, especialmente aos seus integrantes.

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

SENADORES X IMPOSTO DE RENDA

Convenhamos, alguém tinha dúvidas de que a conta do Imposto de Renda sobre seus 14º e 15º salários - malandramente não pagos pelos nossos digníssimos senadores da República das Bananas, recairia (mais outra vez) a nós, os contribuintes otários? É nisso que dá continuarmos a votar nesses políticos espertalhões e dissimulados, que galgam carreira no Legislativo pensando somente no aumento do seu patrimônio pessoal à custa dos contribuintes.

Paulo Ribeiro de Carvalho Jr. paulorcc@uol.com.br

São Paulo

*

A MAMATA

14.º e 15.º salários de senadores da República, prestação pecuniária da União, norma premial agraciadora de nossos nobres legisladores da Câmara Alta, sem contraprestação de serviços, obviamente nada indeniza, pela razão elementar de que indenização repara um prejuízo. Destarte, a ratificação pelo Colegiado Político do corretamente adjetivado de abominável Ato n. 14 da Comissão Diretora da Casa, de setembro passado (editorial de anteontem de Estado), por cujo instrumento a Casa assumiu o pagamento do Imposto de Renda devido pelos senadores, é suscetível de ajuizamento de ação popular, que tenha como objeto a anulação do ato e o ressarcimento dos cofres públicos. O réu é o presidente do Senado Federal e os 84 beneficiários do ato impugnado. Todos devem ser citados no polo passivo, além da instituição, que, em tese, poderá adotar a tese do autor popular ou dos réus. O Ministério Público Federal tem de intervir. Ação a ser perdida de vista, mas que deve ser proposta, por qualquer cidadão brasileiro no gozo de seus direitos políticos.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.