Fórum dos Leitores

CENTRAIS SINDICAIS

O Estado de S.Paulo

04 Dezembro 2012 | 02h08

Papai Noel existe

O governo federal libera R$ 160 milhões para as centrais sindicais, que não têm a obrigação de prestar contas nem sequer sofrem fiscalização sobre o destino de tais verbas.

VICTOR GERMANO PEREIRA

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

Mensalão sindical

Quando nem mesmo o escritório da Presidência da República em São Paulo escapa da corrupção, e enquanto o presidente de uma central sindical está com os seus bens bloqueados pela Justiça Federal, que lhe cobra a devolução de R$ 64 milhões, sob a acusação de desvio de recursos públicos, o governo distribui este ano mais R$ 160 milhões, subtraídos dos trabalhadores, para gáudio das cinco centrais sindicais. Desde 2008, quando Lula inaugurou esses repasses, a festa já soma R$ 530 milhões, sobre os quais os companheiros - por ordem do "Mufti" - estão livres de fiscalização e dispensados de prestar contas! Trata-se de um legítimo mensalão sindical.

CELSO L. P. MENDES

socelta@uol.com.br

São Paulo

Imoralidade

Toda organização que recebe dinheiro público precisa prestar contas. A dispensa concedida a partir de 2008 pelo ex-presidente Lula é uma imoralidade. O Ministério Público deveria entrar com uma ação exigindo o cumprimento da lei. A imoralidade ocorre nos sindicatos e nas organizações patronais e dos empregados. Todas recebem arrecadação imposta por lei.

HELIO MAZZOLLI, economista

mazzolli@terra.com.br

Criciúma (SC)

A farra dos sindicalistas

Além da fábula de dinheiro rastelado para os sindicatos via imposto sindical, ainda há as verbas de governo, todas sem controle ou quase nenhum. Ainda por cima os dirigentes se valem do peleguismo para rechear mais ainda seus bolsos e os da própria corporação. Essa é, de fato, a cara "sem barba" dos sindicatos, um antro de empreguismo e roubalheira, que, como os "partidos de trabalhadores", não são feitos nem de trabalhadores nem para os trabalhadores. E hoje somos uma "República sindicalista coronelista do pudê". Nem a URSS precisou de tanta velhacaria para falir.

ARIOVALDO BATISTA

arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

ECONOMIA

Crescimento, 1%!

Deve ser praxe da República sindicalista não ler jornal, porque ver o ministro da Fazenda, Guido Mantega, dizer que nenhum economista previu a queda do produto interno bruto (PIB) foi demais. Durante todo este ano lemos as previsões de queda e o ministro tachando-as de alarmistas. Nem seria problema o pífio PIB de 2012 terminar em 1% se o governo federal não tivesse gasto os 4% previstos pelo ministro. De onde tiraram os 3% que faltaram no Orçamento da União é que são elas. A segurança pública nacional que o diga.

BEATRIZ CAMPOS

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

Confiabilidade

Sr. ministro Mantega, sugiro-lhe que passe a acreditar nas instituições estrangeiras, por serem mais confiáveis e precisas, pois desde maio já indicavam o nosso PIB na casa de 1,5 %. As informações delas são bem mais confiáveis do que as suas.

CARLOS ANGELO FERRO

carlosangelo@uol.com.br

Mogi-Mirim

PIB de Mantega derreteu...

"O consumo do governo foi fraco. Ainda não sabemos o que aconteceu." Esse foi o comentário do responsável pelo vergonhoso desempenho da economia nacional - outro que não sabe de nada, um bom aluno. É fácil saber, sr. ministro, pergunte a qualquer cidadão minimamente informado e obterá a resposta: incompetência + roubalheira = pibinho.

HUMBERTO DE L. FREIRE FILHO

hlffilho@gmail.com

São Paulo

Contraste

"O consumo do governo foi fraco. Ainda não sabemos o que aconteceu." Já o consumo dos governistas foi estrondoso e vergonhoso e há uns dez anos sabemos exatamente o que aconteceu.

FLAVIO MARCUS JULIANO

opegapulhas@terra.com.br

Santos

O técnico falhou

Quando o time de futebol perde o campeonato o técnico é despedido de imediato. E com o desempenho terrível de nosso pibinho o técnico Mantega fica?

JOÃO GILBERTO FOGACA

jg.fogaca@uol.com.br

Ribeirão Preto

No campo experimental

Se José Maria Marin, presidente da CBF, mandou o técnico da seleção Mano Menezes embora porque não era hora de ficar experimentando, por que a dona Dilma não despacha o Mantega?

SERGIO S. DE OLIVEIRA

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

Pibinho

Está mais que provado que tanto a chefa como o ministro da Fazenda são economistas de parcos recursos e impregnados de ideologia em suas decisões econômicas. Para consertar as coisas tanto o ministro como o presidente do Banco Central deveriam ser substituídos. Seria também necessário que a chefa deixasse de interferir em assuntos que não domina. Ou se adotam medidas corretas na economia ou este governo vai deixar herança mais que maldita a seus sucessores e ao País.

MÁRIO RUBENS COSTA

costamar31@terra.com.br

Campinas

Imprudência

Com o corte de IPI, que diminuiu a arrecadação, comprometendo o superávit primário sem influenciar o crescimento do PIB; com a desvalorização cambial, que aumentou a inflação sem aumentar a atividade industrial; e com a quebra das regras do setor de energia, que destruiu o valor das companhias do setor, afugentando os futuros investimentos privados e pondo em risco a matriz energética, Dilma Rousseff e Mantega inauguraram de vez a era das medidas macroimprudenciais.

JULIO GUERRA

jfguerra@yahoo.com

São Paulo

Crédito e juros

Como esperam os analistas econômicos projetar uma alta do PIB com juros anuais escorchantes de cartões de crédito e financiamento girando em torno de 150% a 180% ao ano? Diariamente os bancos telefonam oferecendo crédito. Mas que louco vai cair nessa armadilha, mesmo que seja para comprar um jazigo no cemitério?

VALDY CALLADO

valdypinto@hotmail.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadão.com.br

LIMPEZA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

O governo pretende editar um decreto "ficha limpa" para a administração pública. No decreto serão definidos critérios de impedimento para os cargos comissionados. Antes de se preocupar com a entrada de "fichas limpas" para a administração pública, o governo tem de acabar com os "fichas sujas" que infestam e corrompem a administração pública.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

SERVIDORES FICHA-LIMPA

De extrema importância é um decreto que estabeleça a condição de ter ficha limpa o candidato ou indicado a cargos de confiança na administração pública deste país. As operações de investigação da Polícia Federal demonstraram que dezenas de servidores públicos federais usam e abusam de seus cargos, realizando negócios e negociatas por sobre os interesses maiores da coisa pública. A exigência de dignidade e decência para o exercício de cargos públicos é condição fundamental para que os órgãos e entidades públicas possam desenvolver seus trabalhos de forma isenta, e não contaminada por ingerências antiéticas e imorais. Aliás, a experiência com os candidatos a cargos eletivos demonstrou que a Lei da Ficha Limpa foi de excepcional importância para a realização de uma verdadeira faxina nacional, deslocando da cena pública todos os candidatos portadores de currículos manchados.

José Carlos de C. Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

FICHA ESCOLAR

Ficha Limpa para servidores? De que adianta, se a contaminação ocorre dentro do governo? O problema não começa nos servidores, mas nos eleitos e nomeados. O que necessitamos é de ficha escolar... Enquanto um ignorante confesso como o Lula puder presidir o País, não adianta ficha limpa para os demais.

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

O FIM DO CABIDÃO?

Ficha limpa na administração pública? Só pode ser bravata, porque, se isso for verdadeiro, onde irão alojar a "cumpanherada", que além da ficha suja são ineptos para os cargos que ocupam, com raríssimas exceções? Só acredito vendo.

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

REQUISITOS

A presidente Dilma disse que vai exigir ficha limpa para ser servidor federal, então, o primeiro requisito deve ser: não ser amigo de Lula nem ter ligação de qualquer ordem com o ex-presidente. Quem já está no governo, como ela, não será investigado.

Toshio Icizuca toshioiciuzca@terra.com.br

Piracicaba

*

DESCULPA ESFARRAPADA

O ministro Gilberto Carvalho, questionado sobre mais um escândalo como o desvendado pela Operação Porto Seguro, da Polícia Federal (PF), que atinge o coração do governo Dilma, afirmou sem ruborizar: "Nunca os órgãos de fiscalização e controle do governo federal tiveram tanta autonomia e liberdade até mesmo quando 'cortam na própria carne'". É uma piada! Só faltou ao ex-seminarista e super amigo de Lula dizer com todas as letras (pelo menos daria uma demonstração mínima de ética pública) que também o PT permitiu esta mesma liberdade incondicional para que os camaradas da cúpula do partido e aqueles indicados para cargos mais importantes do Executivo federal pudessem desviar recursos do erário... Aliás, nem Fernando Henrique Cardoso aguentou mais esta farsa de um membro do Planalto e disse "estar cansado de ouvir leviandades de quem está no governo". E eu acrescento: é muita cara de pau do petismo, que não tem onde cair morto de tanta bandalheira e falta de ética com a coisa pública, ainda querer criticar governos passados.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

ESTATÍSTICAS

Como bem observou o ministro Gilberto Carvalho, a corrupção não aumentou, o que aumentou foram os casos de corrupção sob investigação pela PF. Da mesma forma a violência em São Paulo não aumentou, o que aumentou foram os criminosos que cometem mais crimes. Ops? Eu só queria entender!

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br

São Vicente

*

MUDAM AS MOSCAS

As agências reguladoras, antes criadas para proteger o cidadão, foram loteadas com pessoas do partido dos trabalhadores (que ironia), da pior espécie e para proveito próprio, como se viu com a deflagração da Operação Porto Seguro. O porto em que elas se achavam seguras veio abaixo, mas infelizmente essa gente não será levada pelas águas turvas do porto fétido, vamos aturá-las aí por um bom tempo. O jogo é o de sempre: mudam-se as moscas somente de lugar. Enquanto isso, o cidadão pagante da farra sofre com os péssimos serviços prestados pelas agências Anac, Aneel, Anatel, ANS, ANA, Anvisa, etc. Dona Dilma, cargo de confiança, como o próprio nome já diz, requer pessoas com ficha limpa. Quando a senhora vai fazer uma faxina sem medo de descontentar aliados? O Brasil é de todos os brasileiros, e não somente do PT, e a senhora é a comandante do barco, tem o poder e a caneta. Demonstre-o aos seus eleitores que a senhora tem independência para governar. Ainda está em tempo.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

QUANTO MAIS BLINDAM, MAIS APARECE

Pelas declarações de Ruy Falcão, presidente do PT, no Rio de Janeiro, tentando explicar suas relações como eventuais com a ex-chefe de escritório do gabinete da Presidência Rosemary Nóvoa de Noronha, fica claro que todos os petistas questionados se esquivam de conhecê-la, tentando mostrar uma insignificância que não é real. Essa personagem era tão próxima de Lula que não só o acompanhava nas viagens ao exterior, como foi funcionária do PT, trabalhou muitos anos para Dirceu e, depois, ligou-se ao chefão dos petralhas. Era tão importante que conseguia falar sempre com seu chefe, mesmo depois de ele ter deixado a Presidência e exigido que Dilma a deixasse no cargo. Quanto mais querem blindar Lula, mais aparece seu envolvimento com mais esta maracutaia. Outra coisa que aparece muitas vezes nas falas dos petistas é que esse escritório de São Paulo, mantido pelo governo com verbas públicas, é a casa da "mãe Joana".

Leila E. Leitão

São Paulo

*

RESSARCIMENTO

Como cidadão e contribuinte da Receita Federal, sinto-me profundamente lesado por esta quadrilha que se apossou do Estado brasileiro. Quero reivindicar o reembolso do que me cabe, por ter financiado, com meu suado salário, os gastos dessa senhora suposta amante de nosso atual presidente (terceiro mandato) em vinte e tantas viagens aos exterior. Com passaporte diplomático e tudo o mais... Inacreditável!

Nelson Penteado de Castro pentecas@uol.com.br

São Paulo

*

O USO E ABUSO DO PODER

O serviço público brasileiro está repleto de outras tantas Roses que se valem da proximidade e intimidade com os PRs da vez para traficar favores e mercadejar interesses escusos. Ainda anônimas, estão por aí agendando encontros, indicando nomes para cargos de confiança, conseguindo bolsas de estudo e empregos para familiares e amigos em troca sabe-se lá de quê. É fundamental para a faxina que se pretende fazer no País pegar no flagra e denunciar estes tipos e seus padrinhos políticos, gentalha que age nos bastidores do poder como se o Brasil fosse a casa da mãe Joana. Merecem, além da exoneração imediata, o banimento da vida pública para sempre. Fora!

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS

Não vejo nenhuma diferença entre Erenice Guerra, Rosemary Noronha e Dilma Rousseff. As três foram destacadas para ocupar cargos infinitamente acima de suas capacidades técnicas, as três foram criadas pelo mesmo mentor, o ex-presidente Lula, e as três atendem, antes de mais nada, aos interesses do PT. Semelhanças entre Dilma, Rose e Erenice existem muitas; se existe alguma diferença, ainda não vi.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

PULADAS DE CERCA

O escândalo político protagonizado por Rosemary Nóvoa de Noronha, que autointitulava-se "namorada de Lula" e que acompanhou o então presidente, na surdina, em dezenas de viagens oficiais e internacionais nas quais estava ausente a primeira-dama, Marisa Letícia, causa-me nítida impressão de que eu e outros milhões de contribuintes brasileiros custeamos - com nosso suado trabalho - "puladas de cerca" do maior mandatário da Nação. Que o Ministério Público Federal não seja leniente e averigue essa mistura de improbidade administrativa com infidelidade recreativa.

Túllio Marco Soares Carvalho tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

*

NOVELA DA MEIA NOITE

A dona Rosemary, a filha e o marido perderam o emprego. Culpa da Polícia Federal (PF). Coitados! E agora? Vão morar com Lula? Eu acho que não. Então sugiro que a mais nova estrela da constelação petista comece já a escrever sobre suas noites calientes, vividas na suíte presidencial do Aerolula, a 12 mil metros de altitude, cruzando o Atlântico, em noites de lua cheia. A ideia é rentável, o povo brasileiro adora essas baixarias, dá Ibope. Não tem muito tempo que uma brasileira cruzou os céus do Pacífico e faturou R$ 1,5 milhão. Tenho certeza de que um intelectual da Universidade de São Paulo (USP), ligado ao PT, fará sem nenhum custo a adaptação do roteiro para que a Rede Globo o transforme na novela da meia noite. Gostaria que o título do folhetim fosse Rosa e o Tio, que a estrela do PT estivesse presente na abertura de cada capítulo e que a música de fundo fosse Lulalá.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

'O BEBUM DE ROSEMARY'

Sugestão aos cineastas brasileiros: aproveitando a deixa do nome do célebre filme de Roman Polanski, filmar o Bebum de Rosemary. Tem tudo para ser um enorme sucesso com seu enredo recheado de ingredientes que o público costuma adorar, como sexo, traição, comédia e crime.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

HOLLYWOOD É AQUI

Estava faltando este item no figurino do bandido: uma amante! Como nos filmes B de Hollywood, tem ladrão, mafioso, chantagista, assassinato, falsificação, mentira, fuga, desaparecimento de documentos, cirurgia plástica, exílio, juiz comprado, etc. Agora só falta o duelo final numa praça.

Luiz Felipe de Camargo Kastrup lfckastrup@gmail.com

São Paulo

*

O GRANDE CORNO POLÍTICO

"Tio e Rose", assim se tratavam delicadamente e lealmente a ex-responsável pelo Gabinete Institucional da Presidência da República em São Paulo e o ex-presidente da fundada em 2003 Republiqueta da Salafrarice e do Mau Caráter dos Cumpanheiros de patranha e aleivosia contra as instituições deste país. "Sobrinha Rose", do maior "corno político" que já houve na história deste país, poderá ter destino mais trágico - afinal é necessária uma nova "bola da vez", talvez um novo Marcos Valério, que fez o que fez, a mando de Dirceu, e contraiu quatro vezes maior pena do que ele no julgamento do mensalão. Vale citar, que por sua vez Dirceu apenas se tornou o "capo", pois o verdadeiro escafedeu-se alegando ter sido traído, ou corneado, como prefiram, pois de nada sabia, como é a justificativa de todo corno. Lula que nos poupe de mais uma embromação, de uma maxambeta e que tire das suas muitas e redundantes lorotas e, acima de tudo, de seu arsenal impávido em crivar a expressão hipócrita "de que nada sabia", pois é evidente que a ex-chefe de Gabinete - ora rebaixada a uma mera secretária exonerada, estava na envergadura das operações escusas do Porto e Santos, e por onde começou a PF a desenvolver a Operação Porto Seguro, e que por ali os vagabundos petralhas, nomeados por Dilma ou Lula estavam a desviar nada menos que R$ 2 bilhões. A segunda dama do Brasil, como era chamada em Brasília, não era chefe de nenhuma filial mequetrefe, e sim intimamente ligada à cúpula maior da bandidagem que despoja o erário do País. É a mesma mequetrefe que conseguiu indicar dois nomes para as agências reguladoras ANA e Anac. Um deles foi rejeitado duas vezes pelo Senado, mas os senadores amigos conseguiram aprová-lo em terceira votação. É fantástico o número de marginais e burros que definem as coisas neste país.

Oswaldo Colombo Filho colomboconsult@gmail.com

São Paulo

*

ROSEMARY

Apareceu a Monica Levinsky tupiniquim?

Jose Roberto Palma almapai@ig.com.br

São Paulo

*

IMPENSÁVEL

Seria cômico pensar que as supostas namoradas dos presidentes Roosevelt, Eisenhower e Clinton, tivessem influência na escolha dos diretores das respeitadas e independentes agências reguladoras norte americanas como o FAA, FDA, NTSB e outras.

Jose Sebastião de Paiva j-paiva2@hotmail.com

São Paulo

*

NOSSO CÉU TEM MAIS ESTRELAS

A se confirmarem as recentes e estarrecedoras revelações da mídia dando conta de que os montrengos bebês de Rosemary foram gerados em imaginativas aventuras aéreas, com direito a desavergonhada mordomia de alcova patrocinada pelo erário, fato que assusta e envergonha o País, não resta outro papel ao cidadão comum senão protestar com veemência e exigir a atenção dos competentes órgãos públicos para coibir, com o máximo rigor, esse indecoroso abuso de atirar no mesmo balaio, de cambulhada, tanto as imposições republicanas do cargo público quanto as mais íntimas impulsões pessoais.

Joaquim Quintino Filho jqf@terra.com.br

Pirassununga

*

RENAN FEZ ESCOLA

É muito simples, o Lula arrumou um jeitinho de a Federação pagar as contas da namorada dele, caso semelhante ao do Renan Calheiros.

Ivan Bertazzo bertazzo@nusa.com.br

São Paulo

*

VIAGENS

Agora estão explicados os constantes passeios dele, internacionais, de longa duração...

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

A ROSE SOMOS NÓS

Sedução do poder ou poder de sedução, não julguemos. Antes, imitemos o Cristo: que lance a primeira pedra sobre Rose de Lula aquele que nunca pecou. Sim, porque a Rose somos nós - todos feitos da mesma massa genética reinante em Pindorama desde 1500, ou muito antes. Que a apedreje, pois, quem nunca lançou lixo às ruas, nem detritos da janela do apartamento, não avançou um sinal, não dirigiu após beber, não estacionou em local proibido; quem nunca comprou produtos-pirata, nem sonegou um imposto, nem escondeu do caixa da loja a cobrança a menor de alguma compra; nunca colou em prova, nem traiu o(a) companheiro(a); jamais votou para eleger quem lhe garantisse uma sinecura, nunca ofereceu uma "cervejinha" ao guarda da esquina, nem tentou um "pistolão" para si ou para outrem, ou se esforçou para integrar uma "patota" e participar de um "panamá"; quem nunca se jactou de ser "esperto" e de "levar vantagem em tudo", como no comercial de cigarros de triste memória. Que condenem Rose, pois, apenas aqueles que execram tais práticas e estão dispostos a exigir, dos servidores públicos eleitos, concursados e nomeados, que passem o Brasil a limpo já, com radicais reformas política, tributária, organizacional, jurídica, trabalhista, educacional e, principalmente, moral. Usando como mantra, ao votar, a proposta de Samuel Beckett: "Tenta. Fracassa. Não importa. Tenta outra vez. Fracassa de novo. Fracassa melhor".

Gil Cordeiro Dias Ferreira gil.ferreira@globo.com

Rio de Janeiro

*

CONSOLO

À Marisa Letícia resta o consolo: Lula fez muito pior com o Brasil...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

TRAIÇÃO

Quem recebeu "uma punhalada pelas costas" foi o povo brasileiro, que acreditou em suas palavras e o elegeu.

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@ig.com.br

São Paulo

*

MOMENTOS DE FAMA

A ex-chefe do gabinete da Presidência da República em São Paulo, está vivendo os seus momentos de fama, e para um PeTista é a "glória", pouco intere$$ando o motivo. Até já divulgaram que a moça é ligada ao Zé Dirceu há mais de 12 anos e fez parte da comitiva do ex-presidente em mais de 30 viagens ao exterior, até já comentam que mantinha um "affair" com o mesmo, será verdade? Com todos esses "predicados" e com o milagre do Photoshop (não confundir com foto chopp), só lhe resta aguardar um convite da revista especializada para tirar algumas fotos, esse trabalho será um ganho honesto que prolongará os seus momentos de fama. É por isso que dizem: "PinTou PT, PinTou sujeira", não há como negar!

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

O BEBÊ DE ROSEMARY

Quando acabar de nascer, desconfio que o bebê de Rose já virá barbudo.

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

*

SÓ O POVO NÃO SABIA

O porta-voz do Instituto Lula afirmou que o ex-presidente não faria comentários sobre assuntos particulares. Não é bem assim, Sr. Lula! Uma vez que Rosemary Noronha ocupava um cargo dentro do governo, é aí que a gente entra e o assunto deixa de ser particular. Principalmente esta senhora "fazendo e acontecendo" com a máxima desenvoltura, tudo com seu assentimento, afinal, usava o nome do "PR" para suas práticas, digamos, pouco ortodoxas, não é? Também, particular esse assunto já não é faz tempo pelo que temos lido, assim, a esposa traída, neste caso, foi somente o povo brasileiro, literalmente o último a saber.

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*

RECADO

Lula, quando você chegar de viagem, liga prá nóis? Assinado, o povo brasileiro

Ary Nisenbaum aryn@uol.com.br

São Paulo

*

A HISTÓRIA E LULA

A História é implacável. O povo brasileiro que hoje não está dando muita importância às asneiras do ex-presidente Lula, futuramente não deixará de ter conhecimentos mais detalhados deste político que foi um dos mais corruptos e cafajestes que o Brasil teve.

Gilberto Lima Junqueira glima@keynet.com.br

Ribeirão Preto

*

SLOGAN

O slogan de Lula para a eleição de 2016 já está pronto, segundo seu marqueteiro: "Apoie-me e roube quanto for capaz".

Daniel Dayan dayan@danieldayan.com.br

São Paulo

*

REVELAÇÕES DEGRADANTES

Quem de Lula aproximou, se já não era, com certeza corrupto ficou.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

AS ROSAS NÃO FALAM

Tomara, para felicidade geral dos petralhas e moluscos, que Cartola esteja certo. Nem tudo, porém, pode seguir o roteiro previamente traçado e desejado. A Rosa pode se tornar radioativa, estúpida e inválida. A rosa com cirrose, a antirrosa atômica, como diria Vinicius de Moraes. Isso acontecendo, ficará claro que a Cidade do Porto, em Portugal, não seria um porto tão seguro como o esperado. Sempre pode haver um acidente de percurso.

José Carlos Vendramini Fleury zkfleury@uol.com.br

São Paulo

*

'MELANCOLIA E REVOLTA'

Fernando Henrique Cardoso, em seu último artigo (Melancolia e revolta, 2/12, A2), conseguiu demonstrar os sentimentos de muitos brasileiros, mas não em número suficiente para no voto, conseguir mudar o rumo do país. Os petralhas continuam firme e forte no poder, mesmo com todos os escândalos já publicados, o mensalão julgado e a quadrilha condenada, novos escândalos surgindo, nada abala o Lula, seu partido e seus aliados. FHC elogia a mídia, que cumpre seu papel, mas até quando esta será livre? Ele também pede mais atuação da minoria oposicionista, para que bradem e mostrem indignação e revolta. Aí eu pergunto: Que oposição? Será que vamos mudar essa situação calamitosa, tendo Aécio Neves como candidato à Presidência da República nas próximas eleições pelo PSDB? O cara que nunca vestiu a camisa do partido em prol do povo, mas apenas pensou em si próprio, agindo pior que Judas ao não aceitar o cargo de vice na chapa do Serra nas últimas eleições presidenciais? Onde está a ideologia? Assistimos a políticos como Gilberto Kassab, Kátia Abreu e Gustavo Fruet, que cresceram politicamente fazendo oposição ao governo e de repente, mudam de partido e começam a puxar o saco da presidente Dilma. Novas ilusões? Eduardo Campos e seu partido são aliados do atual governo, portanto, farinha do mesmo saco. Só nos resta torcer para que o PPS se fortaleça e faça a diferença.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

REALISMO

Sempre reconheci o papel e o legado do governo FHC. No entanto, sempre observei uma certa soberba nos seus pronunciamentos. Quando observei o título "Melancolia e revolta" e o li, observei ser uns das mais realistas artigos publicados. Nada como "no Brasil afora, há espaços para novas pregações e novas ilusões". Parabéns.

Roberto Anania de Paula roberana@terra.com.br

Vinhedo

*

A LUTA CONTINUA

Perfeito o artigo escrito por FHC neste domingo. Escreve exatamente a situação político-econômica do País. Não é à toa que este sociólogo é tão renomado pelo mundo todo. Parabéns, FHC!

Ricardo Sanazaro Marin s1estudio@ig.com.br

Osasco

*

PREGANDO NO DESERTO

Irretocáveis os artigos publicados na edição de domingo (2/12, A2, Espaço Aberto). Pena que FHC e Gaudêncio Torquato estejam pregando no deserto. O brasileiro só se interessa por futebol, novela, baladas e carnaval. E não lê jornais...

José Maria Botura zezobotura@yahoo.com.br

Itirapina

*

CORDA EM CASA DE ENFORCADO

Talvez falte "recato e humildade" ao ex-presidente Fernando e Henrique Cardoso, eu não concordo, mas o que falta para o Sr José Dirceu? Acho que o Sr. JD, após ser condenado a dez anos e dez meses de prisão pelo STF, poderia parar de tratar nós, brasileiros, como idiotas. Vai cumprir sua pena, Zé!

Guilherme P. de Oliveira guilpol@uol.com.br

São Paulo

*

A PALESTINA NA ONU

A Palestina é uma região caracterizada por uma grave escassez de água, alta densidade demográfica, poucas possibilidades de crescimento e desenvolvimento. Mais da metade da população vive abaixo do nível de pobreza e sobrevive com as ajudas alimentares de vários países. O produto interno bruto pro capita é de US$ 1.500 na Cisjordânia e de US$ 660 na Faixa de Gaza. A aceitação do país como Estado observador na ONU é um reconhecimento importante e justifica as manifestações de alegria dos palestinos, mas o país poderá sobreviver somente numa atmosfera livre do terrorismo e da instigação contra Israel e voltada para a melhora das condições econômicas, lembrando que a verdadeira ameaça à paz vem dos Estados extremista que sustentam o terrorismo. Para obter a paz, é necessário fazer concessões para a construção da confiança num clima que reconheça os recíprocos direitos. Está na hora que a paz entre destes dois povos sofridos aconteça.

Franco Magrini framagr@ig.com.br

Cachoeira Paulista

*

JUSTIÇA E MORAL

138 nações votaram a favor dos palestinos e mostraram que a justiça e a moral devem vencer. Isso é evidente, contra o racismo, apartheid, usurpação de terras árabes, matança, limpeza étnica, Muro de Berlim na Cisjordânia, 5 mil presos palestinos, violação dos direitos humanos e mais...

Jorge Mema Bernaba jorgebernaba@gmail.com

Araçatuba

*

BOMBAS

Os palestinos jogam bombas sobre Israel, objetivamente bombas que impressionam pela destruição do mundo objetivo e de pessoas. São bombas menos cultas, afrontadoras, reais. Os israelenses respondem com bombas: não repassam impostos aos palestinos, constroem novos assentamentos... Os Estados Unidos jogam bombas no conflito: apoiam um lado, em vez de apoiarem a paz. Estas são bombas sutis, de povos educados e desenvolvidos, mas a sutileza e as bombas reais são tão mortíferas, destruidoras e agressivas umas quanto as outras.

Valdir Pricoli cambuci@yahoo.com

São Paulo

*

PALESTINA

Não fugindo a regra de seus artigos, o professor Denis Rosenfield, mais uma vez apresenta um texto claro, elucidativo e verdadeiro (Narrativas, 3/12, A2). Além da desproporção nos destaques da mídia (mundial) e da proposital inversão narrativa que a mídia faz, transformando o que deveria ser uma informação isenta de fatos em novas narrativas impregnadas de juÍzo de valor, pré-conceitos e preconceitos. Há ainda que se indagar: 1) Como a comunidade internacional pretende lidar com a questão do futuro reconhecimento de um Estado Palestino, a quem nega reconhecer a existência do Estado de Israel (reconhecido desde 1947), ou seja, como é possível um Estado que "não existe" reconhecer a pretensa existência de outro? 2) Quem em nome da religião promove o massacre de seres humanos (homens, mulheres e crianças)? 3) Quem é o interlocutor para a negociação da paz no lado palestino? O Hamas, a Irmandade Muçulmana, o Hezbollah, o Fatah? São estas lideranças político-partidárias ou milícias e grupos terroristas? A unanimidade do interlocutor não é reconhecida entre os próprios palestinos, quem afinal tem a legitimidade para negociar a paz e responder efetivamente por ela?

Peggy Beçak peggy@informemercosul.com.br

São Paulo

*

'NARRATIVAS'

Lastimável o texto Narrativas, publicado pelo Estadão de 3/12/2012, do qual, diga-se de passagem, sou assinante há mais de 30 anos e, consequentemente, tenho lido as colaborações de Denis Lerrer Rosenfield. Não havia necessidade dessa repetição, que me soou até esquisita, dos argumentos da propaganda israelita: eles, realmente, não carecem disso... A tão desejada paz, o que precisa, é de uma visão humanista, partilhada por tantos judeus mundo afora e, o que é mais ainda admirável, vivendo em minoria política em seu próprio país. Há que se colocar um fim ao sofrimento permanente infligido a um povo desde que foi criado o Estado de Israel. Israel tem toda a força, por isso tem toda a responsabilidade pelo que lá acontece. Infelizmente, para a humanidade, não lhe interessa a paz, como tem demonstrado sistematicamente. Para terminar, transcrevo as palavras de Adam Shatz no Aliás de domingo, que Rosenfield deve ter lido: "O pária da região é Israel, não o Hamas. Israel se apega ao 'muro de ferro' de Vladimir Jabotinsky, patrono da direita israelense, e se aferra aos territórios ocupados, explodindo em espasmos de violência high tech que não escondem a falta de uma estratégia política para pôr fim ao conflito...".

Cássio Ruas de Moraes mmargamor@gmail.com

Ribeirão Preto

*

ESPERANÇA

Concordo com o leitor Renato Khair sobre a importância da mudança de status da Palestina, esperando que, com isso, a situação no Oriente Médio comece a normalizar. Nas palavras do próprio Mahmoud Abbas, "os árabes cometeram um grande erro ao não aceitar o Estado da Palestina decretado pela ONU, em 1948, mas os palestinos não podem continuar pagando por isso até hoje". Para quem não se lembra, apenas Israel aceitou a decisão da ONU pela criação dos dois Estados. Naquela ocasião, os árabes lançaram seus exércitos contra o pequeno país, que teve que se defender dos países vizinhos, quando ainda nem tinha um exército organizado. É bom lembrar também que as terras conquistadas posteriormente por Israel foram fruto de guerras provocadas pelos próprios árabes que não desistiam de apagar Israel do mapa, e acabaram provocando a fuga de milhares de palestinos para a Jordânia, Estados Unidos, Inglaterra etc. Infelizmente esse erro teve um efeito dominó na região. Impediu que a Palestina florescesse; fez com que os palestinos fossem usados como moeda de troca pelos seus "irmãos"; e, criou uma animosidade tão grande em Israel, que terminou por levar ao poder partidos de direita, que, em geral não são os melhores interlocutores. Torço para que os palestinos se unam em torno de um só governo, usem o dinheiro e seu potencial para construir um estado com a mesma pujança de Israel, não invistam mais sua energia em discursos de ódio. E, finalmente, torço para que o Sr. Netanyahu surja como um grande estadista! Haja esperança!

Evelina Holender eveholender@hotmail.com

São Paulo

*

'UMA NOVA PROPOSTA'

A absurda sugestão do Sr. Adib Jatene (Uma nova proposta, 3/12, A2), tornando compulsória a permanência por dois anos dos jovens formandos em medicina a serviço do Programa Saúde da Família, trabalhando em áreas remotas ou periféricas, trata-se de uma proposta demagógica, que visa isentar Municípios, Estados e Federação de suas responsabilidades estabelecidas na Constituição. Depois de uma passagem medíocre como Ministro da Saúde do governo FHC, onde seu maior feito foi estabelecer a famigerada CPMF, imposto perverso que recaiu integralmente sobre as classes menos favorecidas, pois as empresas repassaram-no integralmente para seus preços de venda, e cujos recursos jamais foram transferidos para a saúde, sugere agora que os médicos recém formados devam trabalhar com salários aviltantes, em áreas remotas e sem a menor estrutura, para "quebrar o galho" da saúde. Eu imagino um jovem médico solicitando uma Mamografia a uma paciente, sabendo que a fila no SUS é de cerca de dois anos?! A referida proposta encontra-se fora de época, digna dos tempos áureos da ditadura, onde todos os problemas eram resolvidos através de uma boa "canetada", de preferência privando o cidadão de seu livre arbítrio para escolher o que fazer e onde trabalhar. Os tempos são outros. O Brasil não precisa de "puxadinhos" ou "quebra-galhos". O Brasil precisa de uma gestão moderna, estruturada, eficiente e de programas permanentes e autossustentáveis. O Brasil precisa de pessoas combativas, independentes, capazes de cobrar das autoridades suas responsabilidades, e não daqueles que se curvam a governantes incompetentes.

Nilton Fontes nilton.fontes@yahoo.com.br

São Paulo

*

NOVO EQUÍVOCO

O professor Jatene defende a participação compulsória de médicos recém-formados no programa de Saúde da Família argumentando pela carência de profissionais que, inclusive, não aceitam o salário proposto. Infelizmente, esquece o professor que o problema está na falta de gestão da saúde. Não basta obrigar médicos recém-formados a atenderem a população. Tornar compulsório este serviço não fixará o médico no serviço público, apenas tornará este período um "mal necessário" para se realizar a residência médica. Há necessidade de gestão, dar aos médicos a opção da carreira como profissionais de saúde da família, com local adequado de trabalho, segurança jurídica para o atendimento, plano de carreira. Atualmente, a população merece mais do que boa vontade, ela merece resolutividade dos seus problemas de saúde. Isso passa por adequada gestão, incluindo médicos com boa formação de semiologia, mas não apenas!

Eduardo Vieira da Motta, médico evmotta@uol.com.br

São Paulo

*

SIMPLES E BARATO

Está de parabéns a proposta do sempre lúcido professor Adib Jatene. É preciso deixar de lado o conceito que só se faz mudança social com transferência de recursos de impostos para programas sociais assistencialistas. O Estado, se for intervir, deve promover a integração da sociedade e exigir daquele médicos que pretendem se especializar, sobretudo em universidades públicas, uma contrapartida à sociedade, é a maneira mais humana possível de promover essa integração. Como bem explicou o professor Adib, sua ideia ainda restaura o fortalecimento da relação humana entre médico e paciente que só a dificuldade de recursos pode promover, rompendo com a tendência de se formar grandes especialistas que pouco valem sem os recursos da tecnologia, verdadeiros médicos-robôs. São ideias simples, baratas e que podiam ser imediatamente adotadas, especialmente no Estado de São Paulo.

Francisco de Godoy Bueno francisco@csmg.adv.br

São Paulo

*

DECIO PIGNATARI

Na vida interessa o que não é vida / (...) Na poesia interessa o que não é poesia / (...) Na arte interessa o que não é arte / (...) Na morte interessa o que não é morte... (Décio Pignatari - Jundiaí, 1927; São Paulo, 2012).

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.