Fórum dos Leitores

ENERGIA ELÉTRICA

O Estado de S.Paulo

07 Dezembro 2012 | 03h51

Erros e acertos

Acertou a presidente Dilma Rousseff ao propor um plano de redução das tarifas de energia para 2013 (hoje das mais caras do mundo). Bandeira defendida pela Fiesp de Paulo Skaf, o elevado preço da energia compromete a competitividade internacional da indústria brasileira, configurando enorme desvantagem. Errou o PSDB dos três Estados (MG, PR e SP) ao resistir ao plano, principalmente quando, ao mesmo tempo, lança o nome do senador Aécio Neves à Presidência em 2014. Um tiro no pé. A presidente errou apenas na formatação do plano, que deveria ser mais planejado do que improvisado, garantindo o envolvimento de todos os agentes do setor elétrico (geração, transmissão e distribuição) - inferindo a importância (estratégica) para o Brasil de reduzir de forma acentuada o custo da energia para as indústrias do País.

JOSÉ EDUARDO VICTOR

je.victor@estadao.com.br

Jaú

Culpar o adversário

Fazer promessas que dependam de outros, como fez Dilma quando prometeu reduzir o preço da energia, é, no mínimo, arriscado. Jogar a culpa só no adversário político pelo fracasso do prometido é preparar terreno para a próxima eleição. Enquanto isso, nenhum investimento é feito nessa área. Nem com energia mais cara nem com energia mais barata

M. DO CARMO Z. LEME CARDOSO

mdokrmo@hotmail.com

Bauru

Os novos vilões

Que legal! Como o governo federal não pode mais jogar nas costas de Fernando Henrique Cardoso todos os erros e mazelas, resolveu jogar nas costas dos Estados onde o PSDB governa. E achou por bem divulgar que o custo da energia elétrica cairia 22% em 2013, antes mesmo de consultar as centrais elétricas sobre a viabilidade de tais descontos. Agora, como a Cesp (SP) e a Cemig (MG) puseram os números na ponta do lápis e a conta não fecha, Dillma subiu nas tamancas e culpou os governadores. Ou seja, resolveu fazer propaganda antecipada com chapéu alheio. E como nesses Estados os altos investimentos em melhorias nas redes de retransmissão tornaram tal desconto inviável, Dillma optou por sair pelo lado mais fácil: achar novos vilões para esconder a bagunça que é o governo petralha. Nessa ela matou dois coelhos com apenas uma cajadada: encobre a ineficiência dos ministros que não sabem fazer contas e desconstrói seu principal adversário em 2014, Aécio Neves! Faz sentido. A sucessão presidencial já começou.

BEATRIZ CAMPOS

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

Tesouro dilapidado

Dilma, num rompante de populismo barato e não admitindo contestações, a la petismo, afirma que utilizará dinheiro do Tesouro para bancar os 20% de redução da conta de energia. Não quer dialogar com ninguém, apenas impor sua vontade, passando por cima de acionistas, inclusive internacionais, que acreditaram que aqui não se rasgam contratos, como ela mesmo disse tempos atrás. Será que desta vez rasga?

RUY COLAMARINO

1945.ruy@gmail.com

São Paulo

Mais apagões à vista...

Com tantos apagões ocorrendo no País e vem a presidente Dilma propor corte de 20,2% na tarifa de energia elétrica. A medida, a princípio mais do que justa, tem um sério problema: segundo especialistas, tal medida vai provocar uma grande queda no faturamento, piorando a manutenção de equipamentos e diminuindo a capacidade de novos investimentos no médio e no longo prazos. Já não bastam as dificuldades na Petrobrás, presidente Dilma?

MAURÍCIO RODRIGUES DE SOUZA

mauriciorodsouza@globo.com

São Paulo

Populismo

Parabéns ao Estadão pelo belo editorial Choque de incompetência (6/12, A3), no qual bem analisou a questão Dilma, que, por motivos populistas (leia-se "controle manipulado da inflação"), quer fazer com as elétricas o mesmo que está fazendo com a Petrobrás, isto é, matando a galinha dos ovos de ouro. A sorte é que ainda restam alguns governadores tucanos, não capachos do governo, que resistem à deterioração das empresas de seus Estados. Insensibilidade, não, responsabilidade!

JOÃO PEDRO DA V. PACHECO JR.

pacheco-jr@uol.com.br

Campinas

De incompetência(s)

O editorial Choque de incompetência é certeiro ao afirmar que "investir em estatais controladas pela União é assumir riscos muito sérios de perda de patrimônio". Vou mais longe: é igualmente loucura investir nas demais estatais e também em empresas privadas cujas receitas dependem menos da boa gestão e mais do relacionamento que têm com os dirigentes de agências reguladoras. A Operação Porto Seguro deixou com muita clareza esse alerta ao mercado. E o que o PSDB, do senador Aécio Neves, propõe para tornar tais instituições imunes à corrupção e distantes dos interesses políticos? Por que não buscar para o setor elétrico brasileiro modelos federativos, como o americano, em que decisões sobre concessões e tarifas no plano regional não são da alçada exclusiva do poder central? Se quiserem conquistar o apoio da população, os partidos de oposição devem juntar às críticas suas ideias e propostas. Afinal, nessa questão das tarifas e renovação das concessões, o consumidor - que também é eleitor - está sem saber quem, de fato, está do seu lado.

NILSON OTÁVIO DE OLIVEIRA

noo@uol.com.br

São Paulo

Custo Brasil

O governo de São Paulo não colabora quanto à redução das tarifas sobre energia elétrica quando a Eletropaulo indica para o ICMS de 34,8% (R$ 35,87 para consumo de R$ 103,35). O governo federal, visando a reduzir o custo Brasil, propõe um corte de 20%. São Paulo, que deu sangue pela Constituição do País, pode participar dessa meritória campanha.

JOSÉ ERLICHMAN

joserlichman@gmail.com

São Paulo

Mágica

Acho que entendi uma coisa: o PT, antigo Partido dos Trabalhadores, atolado até o talo, como se diz no interior, na lama da corrupção, precisava encontrar um bode expiatório para desviar o foco dos acontecimentos. E a mágica aconteceu: de um lado, nossa presidenta fada madrinha quer diminuir as contas de luz, mas, de outro, eis que surgem os Estados governados pelo PSDB, que não aceitam ajudar o povo, e, de quebra, a Fiesp, que está querendo ajudar o povo, mas o PSDB não deixa. Meu Deus, quanta hipocrisia! Acredito que o Goebbels, mentor da propaganda nazista, deve estar se revirando no túmulo de inveja por não ter tido essa ideia antes. Como o povo pode ser tão enganado? É carma ou burrice mesmo? E cadê o Lula, que sumiu? Ninguém sabe, ninguém viu!

JOSÉ MILTON GALINDO

galindo52@hotmail.com

Eldorado

VOCÊ NO ESTADÃO.COM.BR

TOTAL DE COMENTÁRIOS NO PORTAL: 2.653

TEMA DO DIA: Multidão vai a velório de Oscar Niemeyer. Ícone brasileiro da arquitetura morreu aos 104 anos; ele estava internado no Rio de Janeiro

"Um filho da elite – seu pai era fazendeiro – que se revolta contra as injustiças sociais merece nossa homenagem."

EDSON DANTAS

"Merece homenagens, menos daqueles que têm a infelicidade de habitar suas obras. Cá entre nós, funcionalidade zero."

HAROLDO SILVA GRANDE

"Ele deixou muitos admiradores e, com certeza, sua arte e criatividade vão guiar muitos arquitetos brasileiros."

ERILANDIA SALLES

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

OSCAR NIEMEYER

Foi-se uma das poucas pessoas que nos dão orgulho de ser brasileiros!

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

LIBERTADOR

Há uns 30 anos, em Argel, Oscar voltava do encontro com algum ministro, pegava o lápis, esboçava um anteprojeto e precipitadamente ordenava: Tem de liberar o concreto! Era a estratégia para que o concreto da fundação de um novo pavilhão fosse lançado e que não se pudesse voltar atrás? Sim, era. Só há poucos anos entendi que havia naquela ordem mais que cimento, pedra e aço. Liberar o concreto era também - ou mais ainda - sair do abstrato! Obrigado, mestre Oscar, por nos ter ensinado como nos liberarmos de só imaginar para, sobretudo, fazer. Hoje, que este Deus em quem ele não acreditava exista para ordenar: Tem de liberar o abstrato! Uma alma grande está chegando!

Ricardo Caruana, arquiteto caruana@caruana.com.br

São Paulo

*

O BRASIL DE LUTO

Apesar de um dia ter de acontecer, a morte de Oscar Niemeyer deixou o País inteiro triste e muitos profundamente emocionados. É uma perda de tamanho inigualável. Arquiteto de grande expressão em todo o mundo, trabalhou até seus 104 anos de idade e foi motivo de orgulho para nós, brasileiros. Além do talento espetacular para a arquitetura, seu caráter humanitário também foi magistral. Seu posicionamento político foi sempre fiel aos princípios da igualdade que considerava presente no partido comunista. O Brasil realmente está de luto.

Habib Saguiah Neto saguiah@mtznet.com.br

Marataízes (ES)

*

GÊNIO

A despeito de suas escolhas políticas controversas - Niemeyer era um entusiasmado comunista -, nada é capaz de chafurdar a brilhante obra arquitetônica que um de nossos maiores gênios deixa como legado. Que ele descanse em paz!

Henrique Brigatte hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

*

LASTIMÁVEL PERDA

Perde o Brasil, perdemos nós o grande arquiteto que revolucionou a forma de edificações no Brasil. Talentoso, arrojado, nunca se prendeu a regras para mostrar toda sua arte. Deixando de lado as divergências ideológicas, que são coisas terrenas, portanto, passageiras, consternados, deixamos o nosso enorme apreço ao Dr. Oscar Niemeyer, um arauto da arquitetura moderna, reconhecido mundialmente por sua belíssima obra.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

BOSSA NOVA

Além de tudo, a obra de Niemeyer é a mais perfeita ilustração da Bossa Nova e do que ela representa.

Decio Fischetti etcmkt@terra.com.br

São Paulo

*

UM VERDADEIRO ARTISTA

A arquitetura mundial perde um ícone. O passamento do verdadeiro artista que foi Oscar Niemayer causa uma grande emoção mundial. Ele foi criativo, deu asas à sua imaginação e inclusive soube superar algumas questões. O fato de ser ateu não o impediu de projetar lindas igrejas. E, sendo comunista, são suas algumas obras de destaque em países capitalistas. As homenagens que ele está recebendo são por demais merecidas. Ele é um dos orgulhos do Brasil.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

ONDAS

As ondas subatômicas que não morrem com as partículas, com enuncia a física quântica e os cientistas que identificaram os bózons, do arquiteto que deu vida estética ao Brasil e ao mundo, neste momento deve estar ornamentando uma das curvas do universo previsto por Einstein e concebido como arte por Niemeyer.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

PÊSAMES

Aos 104 anos de vida e décadas mudando a arquitetura do mundo, o gênio Oscar Niemeyer transferiu-se para outras dimensões. Aos seus familiares, meus pêsames.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

OSCAR

O tributo do Oscar deveria ser entregue ao imortal arquiteto cujas formas divisaram um país moderno e sua capital, um esteio de beleza. Ficam suas obras que prestigiam a capacidade do profissional intensamente lúcido, apesar do centenário.

Yvette Kfouri Abrao abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

NIEMEYER, O ÚNICO

Aos quase 105 anos de idade, Oscar Niemeyer, se cala, se despede, mas sua obra é eterna e presente para gerações futuras! Como coerente comunista, e enfrentando até os anos de chumbo, era o mais democrático dos brasileiros. Como se comprova na sua genialidade como arquiteto, que além da sensualidade seus traços expressavam irrestritamente a liberdade! Assim apreciamos e reverenciamos cada projeto, e convivemos bem dentro delas! O nome de Oscar Niemeyer ecoa pelo mundo, assim como o dos grandes artistas, esportistas, cientistas, escritores e homens públicos que deixaram grande legado para a humanidade! Seus projetos uma verdadeira sinfonia! E no lugar da partitura, sua prancheta transbordava inspiração, e eternamente será aplaudida! Vá com Deus, Oscar Niemeyer, porque sua obra não cessa...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

PENA

Que pena! Até mesmo os gênios morrem...

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com

Bauru

*

A LEMBRANÇA FICA

Morre o homem, fica a fama, diz o verso de uma canção popular, é o que melhor define o humanista Oscar Niemeyer. Poucos brasileiros serão lembrados daqui a séculos futuros, não só pela magnitude de sua obra, mas também pela coerência ideológica - concordemos ou não com ela -, o que faz dele um homem singular na história não só do Brasil, como de toda a humanidade, de todos os tempos.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

TRAÇO SINGELO E ARROJADO

Dizer a um gênio que "descanse em paz" é não respeitar-lhe a inerente inquietude, sem a qual não seria gênio. Segue, pois, mestre, com teu traço singelo e arrojado, a ocupar outros espaços, que os encontrarás muitos.

Joaquim Quintino Filho jqf@terra.com.br

Pirassununga

*

NIEMEYER - VIDA, CULTURA E ARTE

Oscar Niemeyer não morreu! Centenário na idade, partiu deste mundo, mas ficou eterno na cultura humanística e na arte! Arquiteto do mundo, fez de seu patriotismo a base de seu idealismo social, que jamais deixou de ter um ideário no socialismo de Marx, assumindo um comunismo puro e suprapolítico, mesmo que seguidor dos ideais políticos de Prestes e seus seguidores verde-amarelos. Comunista, por acreditar na igualdade e no amor entre os seres humanos. Seu ativismo, contudo, jamais foi político, pois sempre foi cultural, pelo grande arquiteto que sempre esteve à frente de suas atitudes, pelas grandes obras que deixou espargidas pelo Brasil e pelo mundo: Pampulha, Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, onde suas obras se somam, pela grandeza, no número e na qualidade de todas. Sem contar aquelas que deixou pelo resto do mundo. Concluo, portanto, que o corajoso Oscar jamais morreu, pois, a cada dia, suas obras o manterão eterno para toda a humanidade. Descanse em paz, exemplo de caráter, de coragem e, acima de tudo, de patriotismo alicerçado na cultura, na arte e no trabalho!

Sagrado Lamir David david@powerline.com.br

Juiz de Fora (MG)

*

ARQUITETO NO CÉU

O Brasil perde Oscar Niemeyer, o céu ganha um maravilhoso arquiteto.

Cícero Sonsim c-sonsim@bol.com.br

Nova Londrina (PR)

*

ORGULHOSOS

Niemayer foi o melhor exemplo de que as religiões não se misturam. O cara era ateu, mas para nossa honra nunca foi à toa. Apesar de ser um gênio como ninguém, e perfeito, tinha como ídolo Fidel Castro, mas errar é a vida e a vida sem erros não tem a menor graça. Só aprendemos com os erros e Niemayer era um visionário que o Brasil vai ter de lembrar e agradecer para o resto da vida. Brasília é um museu a céu aberto, mesmo com tanta corrupção, não se consegue apagar isso. O Brasil ficou mais pobre de ideias luminosas e um arquiteto mundial. Só temos de agradecer a Deus por nos ter dado tamanha competência e capacidade que desbravaram o cerrado e transferiram a capital para o lugar que merece e deve ser o centro do País. Quem vive mais de 100 anos lúcido só pode ter sido um privilegiado de Deus e um enviado dEle também. Ficamos tristes, porém orgulhosos, de um candango gênio acima da nossa época.

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

RESPEITO

Meu respeito acerca do falecimento do arquiteto Sr. Oscar Niemeyer. Ressalto aqui o seu posicionamento filosófico e político: ateu e comunista. Parabéns. Sobre esse seu posicionamento, tudo o que se pode acrescentar e supérfluo.

Carlos Laué Junior bibalaue@volny.cz

São Paulo

*

VIVA!

Niemeyer, sobrenome curvilíneo, gênio da "artitetura" tropical, fez surgir de sua prancheta obras primas revolucionárias feitas de sonho, fantasia, ousadia e liberdade de formas. Inspirado nas curvas do universo, do Rio de Janeiro e das mulheres, enfrentou as retas do formalismo acadêmico e suavizou os contornos de uma arquitetura feita de desenhos e esboços quase infantis. Fez do simples seu marcante traço original e seminal, tornando-se lenda viva e referência mundial. Foi mentor e marco inaugural de uma nova perspectiva de realizações artísticas que fizeram do concreto e do vidro parceiros inseparáveis. Seu talento era tamanho, que bem poderia ter sido assistente do criador do morro do Pão de Açúcar, do Corcovado e da Baía de Guanabara, entre outras maravilhas da natureza. Felizmente,viveu anos sem fim. Viva Niemeyer!

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

UM HOMEM DE BEM

Oscar Niemeyer foi um gigante e motivo de orgulho para o Brasil. Mais do que um grande arquiteto, foi um homem de bem, digno, corajoso, ético, simples e humilde. Lutou sempre o bom combate, na defesa do povo, contra as injustiças sociais e sempre foi fiel aos seus ideais.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

ESTÉTICA, APENAS

Oscar Niemeyer concebeu uma arquitetura curvilínea meramente estética e abraçou uma ideologia totalitária - o comunismo - calcada no poder pelo poder. Uma e outra sempre consideraram gente um simples detalhe.

Túllio Marco Soares Carvalho tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

*

O ATEU

Morreu Oscar Niemeyer, o último stalinista brasileiro! Aleluia! Ops, aleluia, não, pois Niemeyer era ateu!

Ney José Pereira neyjosepereira@yahoo.com.br

São Paulo

*

SOCIALISTA

Oscar Niemeyer foi um gênio que o Brasil deu ao mundo. Uma celebridade nacional que está no mesmo nível de Santos Dumont, Pelé e Ayrton Senna. Porém, como ser humano falível que era, tinha o "defeito" de ser socialista. Seus traços de prancheta eram perfeitos, mas seus traços na política foram meio tortos. Como diz o povão: "Perfeito só, Deus", e Ele não é socialista.

Lincoln Scorsoni lincoln-scorsoni@bol.com.br

Bragança Paulista

*

RECEPÇÃO

A despeito do alarido na mídia, custa-me a crer que o Brasil das favelas vá sentir a ausência do arquiteto de grandiosos monumentos e comunista amigo, independentemente de ideologia, de todos os poderosos de plantão. Que seja bem recebido no lugar reservado a comunistas e ateus, como eu.

Antonio Cavalcanti da Matta Ribeiro antoniodamatta@ig.com.br

São José dos Campos

*

PERDEMOS UM GÊNIO

Oscar Niemeyer, expoente internacional da arquitetura moderna, morre aos 104, mestre da arquitetura poética. Gostava de desenhar, e o desenho levou-me à arquitetura. "Lembro-me que ficava com o dedo no ar desenhando. Minha mãe perguntava: "O que está fazendo menino?". "Desenhando", respondia com a maior naturalidade". "A arquitetura não interessa, o que interessa é a vida". "Projetar Brasília para os políticos que vocês colocaram lá, foi como criar um lindo vaso de flores prá vocês usarem como pinico. Brasília nunca deveria ter sido projetada em forma de avião e sim de camburão." (Oscar Niemeyer). E Niemeyer pediu samba, pastel e café. Antes de morrer, arquiteto que estava internado há um mês no Rio disse à mulher e a seu enfermeiro que precisava receber alta para realizar pequenos desejos e colocar seus projetos em dia. Oscar Niemeyer imaginou e desenhou grandes marcos da arquitetura mundial seguindo os passos de sua poesia própria, as curvas tropicais do Rio de Janeiro e a ideologia comunista. Lúcido até os últimos dias com 104 anos, planejava levar adiante seus projetos, depois de deixar um legado de centenas de obras pelo mundo. Os traços leves e certeiros traduziram sua maneira moderna, inovadora e ousada de enxergar o mundo em mais de 70 anos debruçados sobre sua arte. Nem mesmo o centenário o afastou das pranchetas. O complexo arquitetônico Caminho de Niemeyer, em Niterói, projetado e assinado por ele, ainda está em construção. Em sua mais conhecida construção de palavras, ele revelou sua base de inspiração ao descrever que "não é o ângulo reto que me atrai, nem a linha reta, dura, inflexível, criada pelo homem. O que me atrai é a curva livre e sensual, a curva que encontro nas montanhas do meu país, no curso sinuoso dos seus rios, nas ondas do mar, no corpo da mulher preferida". Niemeyer foi um dos principais expoentes da arquitetura moderna e projetou o Brasil internacionalmente.

Antônio Dias Neme antonio.neme@superig.com.br

São Paulo

*

NIEMEYER

Era coerente nos seus ideais. Para ele, numa entrevista na televisão, o maior dos brasileiros era João Paulo Stédile.

Luna Carneiro lunacarneiro@bol.com.br

Alfenas (MG)

*

CONSTRUTOR DE CAIXOTES

Não estou em absoluto entre os unânimes de sempre que consideram Niemayer um gênio ou um "deus" da arquitetura, ao contrário! Para lá do fato que o arquiteto falecido ter sido um contumaz aproveitador de verba pública para a construção de suas inabitáveis pirâmides ao fazer do Brasil o seu cartório particular edificante com o dinheiro do contribuinte, suas obras relevavam a destinação, o clima e o uso dos que ali iriam viver e trabalhar em detrimento da forma, pois só assim (entre outras) para se construir uma biblioteca sem iluminação (a do Memorial da América Latina), bem como o Palácio do Planalto, onde toda a sua egolatria pôde ser vista ao colocar em prédios janelões em plena área do Cerrado, de frente para o sol no verão e com pouca ventilação, fazendo com que no inverno as pessoas congelem e no verão, cozinhem. Copiador de outro construtor de caixotões, Le Corbusier, Niemayer foi, enquanto militante comunista, fiel a sua ideologia também na arquitetura ao desprezar arrogantemente a simplicidade popular, pois se fosse mais humilde veria nas casas dos caboclos a genialidade funcional que suas criptas de concreto armado nunca tiveram. Morreu o único "alfaiate" do mundo que, sempre errando a medida do terno a ser sempre pago pelos cidadãos, era sempre sagaz o bastante para mandar ele, o cliente, sempre se adaptar à vestimenta.

Paulo Boccato pofboccato@yahoo.com.br

São Carlos

*

NIEMEYER, O GÊNIO INCOMPREENDIDO

Conheci Oscar Niemeyer nos meus tempos de estudante de arquitetura da UFMG (59/60), portanto há 53 anos, desde então o vejo definir assim a sua criação arquitetônica: "O belo é eterno e a função é passageira" podendo ser evoluída, modificada, ou adaptada em função da evolução de uma nova realidade tecnológica." Não é o angulo reto que me atrai, nem a linha reta, dura, inflexível, criada pelo homem, o que me atrai é a curva livre e sensual". Ao morrer 104 anos de existência profícua a véspera de completar 105 anos em 15 de dezembro, com centenas de projetos arquitetônicos das mais variados funções e regiões o arquiteto Oscar Niemayer, por ser conhecido no mundo inteiro contribuiu para dignificar e exaltar a tecnologia nacional através de suas geniais criações. Todo ser humano que se sobressai, que fica em evidência na mídia por muito tempo, ficando famoso acaba sofrendo toda espécie de contestação, talvez por inveja, incompreensão, ou desinformação. Alguns ainda acham que o arquiteto Oscar Niemeyer não se preocupa com função da obra, mas somente com o aspecto estético, com a forma plástica, sendo mais escultor do que arquiteto. Quanto ao Niemeyer, basta conhecer seu escritório de arquitetura numa cobertura da Avenida Atlântica, com vista para Baia de Guanabara, para compreender sua maneira de trabalhar, o processo criativo deste genial arquiteto reconhecido em todo o mundo. Depois de estudar exaustivamente com sua equipe todo o programa - objeto traça ele próprio um rabisco com as linhas básicas do projeto arquitetônico e como sequência, sua equipe de colaboradores desenvolve a forma estrutural em função dos objetivos do programa proposto e através de maquetes ele corrige as possíveis distorções do projeto. Inicialmente, ele trabalhou com seu parceiro e amigo Joaquim Cardoso, eminente engenheiro calculista, que era também poeta, historiador, escritor, um humanista que falava seis idiomas, entre os quais grego, latim, sânscrito, etc. Depois veio seu atual calculista, engenheiro José Carlos Sussekind, com quem desenvolve as atuais formas da estrutura dos projetos inicialmente concebidos para depois realizar com maquete a definição da forma final do projeto, desenvolvendo os detalhes finais com sua equipe de arquitetos colaboradores. Assim foi concebida também a recém inaugurada Cidade Administrativa Tancredo Neves, em Belo Horizonte (BH) obra do governador Aécio Neves. O projeto Catedral Cristo Rei em BH foi localizada no chamado vetor norte, em frente à estação metrorodoviária do Vilarinho em Venda Nova, definido no governo Aécio Neves e Antonio Anastasia. Recentemente, um dos maiores críticos de arte deste país disse-me pessoalmente que Oscar Niemeyer é mais escultor do que arquiteto, pois nos seus projetos predominam a estética, a forma escultural, sem jamais pensar na função. Ele se referiu ao projeto do Centro Administrativo Tancredo Neves, citando os corredores dos dois edifícios dos funcionários que têm cerca de 300 metros para percorrer e eu o retruquei, dizendo-lhe que há cinco saídas e entradas de elevadores e escadas. Surpreso, ele me perguntou como sabia, e eu o expliquei que trabalho lá. Ninguém elogiou até agora que, em apenas dois prédios (Minas e Gerais), Oscar Niemeyer colocou todas as secretarias e repartições estaduais (17 mil funcionários), em vez de inúmeros edifícios espalhados, dando maior entrosamento à maquina administrativa estadual e maior economia. É o que acontece com o arquiteto Oscar Niemeyer, que, por mais de 70 anos, desde que recém-formado projetou o Conjunto Arquitetônico da Pampulha, encomendado pelo prefeito Juscelino Kubistchek (no inicio da década de 40), esteve sempre entre os grandes da arquitetura mundial. Na época da construção de Brasília (plano-piloto do urbanista Lucio Costa), o sonho do presidente JK, que foi realizado em tempo recorde em apenas 42 meses pelo grande engenheiro civil Israel Pinheiro, como superintendente da Novacap e que Niemeyer participou ativamente como arquiteto dos edifícios oficiais. Semanas antes da inauguração de Brasília, fomos convidados pelo Israel Pinheiro (presidente da Novacap), como estudantes da Escola de Arquitetura da UFMG, para conhecermos a implantação do Plano Piloto de Brasília, idealizado pelo urbanista Lucio Costa (que venceu o concurso nacional de anteprojetos). Os projetos arquitetônicos dos edifícios oficiais da Nova Capital foram elaborado pelo Oscar Niemeyer e sua equipe, sendo que ele mesmo nos mostrou o desenvolvimento da implantação dos mesmos in loco. Nos traços simples do plano-piloto de Brasília, o urbanista Lucio Costa definiu "um gesto primário de quem assinala um lugar ou dele toma posse: dois eixos cruzando-se em ângulo reto, ou seja, o próprio sinal da cruz". Com relação à construção da nova capital federal, teve repercussão internacional, vieram autoridades de o mundo inteiro conhecer esta grandiosa e monumental obra do presidente JK, interiorizando o desenvolvimento do Brasil para o distante Planalto Central, a caminhada rumo ao oeste, confirmando a profecia de D. Bosco que antevia que surgiria uma nova civilização no paralelo 20 no Brasil Central. O pai da arquitetura moderna Le Corbusier definia que "arquitetura é invenção", este pensamento influenciou Oscar Niemeyer durante toda a sua trajetória de genial criador de novas formas em várias partes do mundo. Comentando ele mesmo sobre a sua longevidade, disse certa vez: "Não tenho tempo de morrer, pois estou cheio de projetos". E continuou trabalhando intensamente. Gostaria, finalmente, de citar o antropólogo mineiro professor Darcy Ribeiro (meu paraninfo de arquitetura em 1963), que disse sobre ele: "No final do século 21 um dos poucos brasileiros que permanecerão na memória da humanidade será Oscar Niemeyer, por causa da sua genial obra arquitetônica".

José Carlos Laender Castro jclaender@terra.com.br

Belo Horizonte

*

BRAÇOS ABERTOS

Tenho o maior respeito e admiração pela obra de Niemeyer. O mesmo não ocorre com relação à sua pessoa, que sempre se declarou comunista e ateu. Desta forma arrogante desconsiderava a obra do Criador e arquiteto do universo. Mas, como Deus é Pai, com certeza recebeu Niemeyer de braços abertos e o fez corar de vergonha por sua petulância.

João Paulo Garcia jotapege88@yahoo.com.br

São Paulo

*

A RETA DA ETERNIDADE

Niemeyer, o poeta da curva, vai se surpreender na reta da eternidade? Mas, segundo os reencarnacionistas, a eternidade é feita de curvas em espiral, sabe-se lá... Nunca ninguém voltou para nos dizer a verdade.

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

CAMINHOS RETOS

Um dos mais famosos arquitetos do mundo, Oscar Niemeyer morreu aos 104 anos. Falar de suas obras dispensa comentários! Lembrando que o projeto-piloto de Brasília foi de Lucio Costa, onde seu sócio e ex-aluno Niemeyer projetou os edifícios mais ousados e chamativos. Ele abusava com inteligência das curvas. Nas opções de sua longa vida, deixou o País porque não gostava dos militares, porém era amigo e fã do comunista Fidel Castro (50 anos no poder em Cuba, pela força das armas) e era ateu convicto. Portanto, o céu não estará em festa. Conclusão: o arquiteto usou a liberdade e se inspirava na natureza, copiando a obra do Criador! Reflexão: a inteligência, em muitos casos, nos afasta dos caminhos retos!

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré

*

TRIBUTO AO MESTRE NIEMEYER

O Brasil está de luto. Morreu dia 5/12, aos 104 anos (1907-2012), um dos maiores expoentes da arquitetura mundial, o arquiteto, o gênio, Oscar Ribeiro de Almeida Niemeyer Soares Filho, vulgo Oscar Niemeyer. Ele revolucionou com seus traços e formas os cenários dos homens. Dentre as mais de 500 obras, espalhadas por o todo o mundo, escolas, museus, pontes, palácios, igrejas, cassinos, etc., está a nossa querida Capital da República, Brasília (DF), à qual compus uma canção intitulada Brasília, Capital da Bossa Nova, Um Tributo aos 52 anos de Brasília, meu amor: "Quem me dera ter o lirismo do Vinícius/ A batuta do maestro Tom Jobim/ A batida do meu mestre João Gilberto/ Pra compor e cantar/ As Belezas da minha Brasília/ Ela é a Capital do meu país/ Detentora de uma singularidade/ É a Capital da Esperança/ Patrimônio Cultural da Humanidade/ Quando aqui cheguei/ De cara me apaixonei/ Pela sua arquitetura esplenderosa/ Projetada por Niemayer e Lúcio Costa/ Tem uma beleza rara/ Que nasceu/ Do Sonho de D. Bosco/ Construída pelo Nossa JK, e hoje todos querem te amar/ 8ª Maravilha do Mundo / Santuário de Mulheres Nota 10 (...) Como eu te adoro Brasília/ Pela sua natureza exuberante/ Seus ipês e suas flores do cerrado/ Que me deixa ainda mais apaixonado/Como eu te quero também/ Celeiro de poetas e cantores/ Terra prometida e generosa/ É também a Capital a Bossa Nova". Portanto, ele é merecedor da mais alta comenda do governo brasileiro. Brasília é toda sua, Niemayer, e orgulho para todos nós, brasileiros.

Vasco Vasconcelos vasco.vasconcelos@brturbo.com.br

Brasília

*

O ADEUS A OSCAR

Que desfrute o sono dos justos, dos artistas irretocáveis, dos visionários incontestáveis, dos poetas natos e dos humanistas generosos! Hoje o céu ganha o seu traçado, sua genialidade e, sobretudo, generosidade!

Ricardo Braga Neves Leonel Vieira ricardo.leonel.vieira@hotmail.com

São Paulo

*

A PARTIDA DOS GÊNIOS

Neste final de ano, o universo inverso, do Brasil, retalhado, fragmentado, perdeu sua beleza e cor. Três grandes patriotas se foram: Joelmir Betting, Decio Pignatari e Oscar Niemeyer. Joelmir Betting, através da vidraça de seus olhos cristalinos, via a derrocada deste país e suspiroso lamentava. Decio Pignatari, o poeta, metamorfose ambulante, grande professor, semeador de suas idéias, extraídas do côncavo, convexo, via o mundo de rebite, revés. Oscar Niemeyer, o artista nacionalista, portador dos pincéis que curvaram nosso país, na grandeza de sua genialidade. Seu traço esparso ganhava força e redesenhava o mapa do Brasil. E a humanidade, carente de gênios de olhares profundos, de "pensares" num mundo melhor, ficou debilitada, e fraca, fraca, perdeu seu rumo e prumo...

Cacilda Amaral Melo cacilda09@uol.com.br

São Paulo

*

AS TARIFAS DE ENERGIA ELÉTRICA

Para manter a redução das tarifas de energia elétrica em 20,6%, na média, como dissera, a presidenta Dilma vai recorrer ao Tesouro para cobrir a parte das geradoras que não aceitaram a indenização do governo. Pronto, está resolvido. O contribuinte paga seu próprio benefício. Sim, porque qual a origem dos recursos do Tesouro? Ele não produz nada, não vende nada. A origem são os tributos pagos pelo contribuintes. E isso não é inflacionário? Estes recursos vão requerer uma captação de moeda. E como se capta? Uma delas é a emissão de títulos com juros atrativos. Aí pressiona a taxa de juros. Pronto, taí a inflação. Bela solução. Esta equipe econômica do governo é formada em Ciências Econômicas? Ainda nesta questão, por que o governo está indenizando com bilhões de reais as concessionárias que não conseguiram o retorno do seu investimento? Que concessão é essa? Se der retorno é da concessionária, se não der o governo paga. Legal. O empresário nunca está com o dele no risco. Assim até eu quero uma concessão.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

FAZENDO MÉDIA

Dilma Rousseff, mais uma vez para fazer média com a população, ataca os tucanos acusando-os de "insensibilidade" para reduzir o preço da energia elétrica para garantir que o País cresça de forma sustentável. Por que não se empenha em reduzir a carga tributária, considerada uma das maiores do mundo que incide sobre o empresariado e a população em geral ? Será por que, caso venha a fazer isso, não haverá como alimentar essa máquina governamental corrupta nos roubando, desviando e superfaturando?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

IMENSA INSENSIBILIDADE

Dilma Rousseff, diariamente, agradeça a oposição que Deus lhe deu. Seu partido foi contra o Plano Real, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Criticou os projetos sociais, as esmolas, lembra? No século passado, seu companheiro de armas gritava "Fora FHC" e ameaçava: "E nós vamos dar a eles esta resposta: mais e mais mobilização, mais e mais greves, mais e mais movimento de rua, e vamos derrotar eles (sic) nas urnas também porque eles têm de apanhar nas ruas e nas urnas". Senhora presidenta, um conselho: na fase atual, a pergunta "Para onde vão os recursos públicos?" não é uma boa opção.

Helena Rodarte Costa Valente helenacv@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

ASSUSTADORA

Preocupante e assustadora a foto da presidente Dilma estampada ontem (6/12) à página B2 do caderno Economia. Não é preciso ser um psiquiatra para perceber que algo não vai bem com o equilíbrio emocional da foto - grafada e, provavelmente, com seu comportamento. O País que se cuide!

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br

Campinas

*

A 'NAMORADA' DE LULA

O editorial principal do O Estado de S. Paulo (6/12, A3) faz referência à "namorada" do Lula. Enquanto nos EUA, a descoberta da amante de David Petraeus, diretor da CIA, foi suficiente para o encerramento de sua carreira, aqui, no Brasil, certamente o Sr. Luiz Inácio irá gabar-se de suas qualidades amorosas, nunca antes na história deste país esmiuçadas, e quiçá não passem elas a constar do seu "currículo" para a próxima disputa.

Newton Carlos Araujo Kamuchena n.kamuchena@gmail.com

São Paulo

*

VOLTE A FALAR, 'PR'!

Vamos lá, Lula! Faça como seu novo aliado, o Maluf, e prometa doar à Santa Casa todo o valor que encontrarem em conta bancária sua no exterior. E como bom aluno não se esqueça de negar o caso com a Rose. Dona Marisa também pode ter umas aulas com Dona Sylvia Maluf, para saber como se portar com o adereço que você colocou na cabeça dela.

Julius Boros

Buenos Aires

*

CORRUPÇÃO NO PLANALTO

Como leitor antigo e assíduo deste jornal, não posso deixar passar esta dica: senhores cineastas, o brasileiro quer assistir ao longa metragem sobre a podridão em Brasília, com tantos detalhes ricos, mirabolantes e um final apoteótico, onde o chefe da quadrilha seja desmascarado e vá para o xilindró...

Clesio Silveira clesio_dante@yahoo.com.br

Franca

*

OS TRÊS MACACOS

Minha convicção de estar muito aquém daqueles que dispõem da capacidade de externar de forma literária o pensamento foi suplantada ao ler Conto da Carochinha (6/12, A3). Por fim, faço inescrupulosamente a adoção do sintetismo: "Nunca os três macacos estiveram tão inseridos na vida nacional quanto agora".

Jolino Loureiro jloureiroj@yahoo.com.br

São Paulo

*

O BRASIL DE LULA

Parabéns aos petralhas, aos corrompidos por "bolsas cachaça" (não exige contrapartida), à "zelite" que aplaude o mentecapto em troca de benesses, aos "intelectuais" colaboracionistas e a todos os demais que compõem a grande massa de infelizes idiotas que cumpre a vergonhosa missão de destruir o Brasil. Parabéns aos criminosos de todas a matizes, que são recompensados e estimulados por impunidade, blindagens, leis protecionistas, empregos públicos de altos escalões e advogados de ponta (caso a bandidagem ganhe as manchetes). Parabéns a toda a corja que brinda a sociedade ordeira, trabalhadora e pagadora da pesada carga tributária com promiscuidade, cinismo, desesperança e insalutar indignação. Parabéns, governos estrangeiros, que, assistindo a todo este descalabro, ainda assim elogiam e condecoram o nosso mentecapto, certamente com algum proveito. Pobre Brasil!

Carlos Eduardo Stamato dadostamato@hotmail.com

Bebedouro

*

TRAIÇÃO

A julgar pelas notícias referentes à Operação Porto Seguro, da Polícia Federal, escancarando as bandalhices da ex-chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo Rosemary Noronha, e pela declaração "não original" do ex-presidente Lula, de que foi "apunhalado nas costas". Apostaria que a única pessoa que, realmente, foi apunhalada nas costas foi a Sra. Marisa Letícia.

Mauricio Ferraz de Paiva mauricio.paiva@target.com.br

São Paulo

*

SETE VIDAS

Pelo numero de punhaladas pela costas que o Lula já levou, e continua "vivinho" da silva, acho que o cara tem mais vidas que o gato. Ou será que é mais que um gato, ou um rato?

Carlos Roberto Gomes Fernandes crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

*

DO CARNAVAL ÀS CINZAS

Mais um escândalo envolvendo o Lula e sua petralha como este, de agora, apelidado popularmente "Bebê de Rosemary", deixa uma dúvida: haverá punições? A pergunta é válida, porque escândalos, em geral investigados pela Polícia Federal (PF), apontam-na de uma perícia ímpar em montar operações para a mídia noticiar, mas na hora de a "onça beber água", que é a montagem dos processos, revelam uma ignorância absurda em termos de direitos, não conseguindo amarrar as pontas juridicamente e, assim, este escândalo pode terminar como outros, ou alguém aponte-me quem dos envolvidos nos anteriores está em definitivo na cadeia. Por isso não creio nessas operações da PF que começam com um alarde de sábado de carnaval para terminar como quarta-feira de cinzas, triste, silenciosa. Mas por que terminam assim? Porque somos um povo banana que aceita tudo, porque a maioria de nossa população não sabe ou não está nem aí para os escândalos envolvendo demagogos populares como Lula, que aposto será eleito para o que quiser ou elegerá qualquer pica-fumo que desejar, em qualquer cargo público desta Lulândia em que ele transformou o País.

Laércio Zanini arsene@uol.com.br

Garça

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.