Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

09 Dezembro 2012 | 02h06

Novo pacote

É extremamente importante investir, mas todo pacote de investimentos deveria basear-se num plano de desenvolvimento claro e objetivo. O governo mais uma vez libera R$ 100 bilhões sem um plano definido. Apenas um montante para causar impacto. Se nosso estimado Joelmir Beting ainda estivesse conosco, poderia dizer: "É como liberar R$ 100 para comprar as tintas sem saber o tamanho da casa que precisamos pintar". Infelizmente, está comprovado que o governo não tem planos robustos para infraestrutura, saúde, segurança, educação... mas tem a máquina de fazer dinheiro. Explora politicamente o fato e esquece ter a responsabilidade pelos resultados. Corta o IPI dos automóveis e esquece o caos gerado pela falta de infraestrutura para as cidades e rodovias. Falta compromisso com o futuro do País. Com um produto interno bruto (PIB) pífio de 1% e tantos gargalos estruturais, o que será feito para atender ao crescente mercado interno? Se não tivéssemos os eventos esportivos de 2014 e 2016, o que seria construído para a população viver dignamente? Com a carga tributária em 35,5%, trabalha-se quatro meses e meio ao ano para sustentar a máquina pública, que, sabidamente, gasta muito mal os nossos recursos. O PT está há dez anos no poder e agora chega de "marolinha". Sr. ministro da Fazenda, Guido Mantega, precisamos desses esclarecimentos, mas sem enrolação!

VICENTE FERRAZ PACHECO NETO

vfpn@estadao.com.br

Indaiatuba

Tapa-buracos

Quatro anos depois de editar decreto que dificultou ainda mais a já complicada entrada de empresas no setor portuário, o governo, no sufoco, abre os portos aos empresários, estabelecendo a competição para explorar terminais privativos. Isso quer dizer que não existe macroplanejamento estratégico para nada. Vai tudo na base da improvisação. Aliás, o que a economia brasileira e o ministro Mantega têm em comum? Não saem do lugar.

SERGIO S. DE OLIVEIRA

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

Maquiagem nos números

O ministro Mantega pensa que pode tudo. Agora quer que o IBGE reveja seus dados sobre o PIB e mude suas informações, de preferência, segundo os interesses do governo. O ministro se esqueceu de que estamos numa democracia? Tem de aceitar as coisas como elas são e trabalhar mais e melhor para modificá-las, caso não sejam satisfatórias.

ALVARO SALVI

alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

Economia 'moribunda'

Se não integrasse os quadros partidários do PT, certamente Mantega não seria ministro da Fazenda, porque sua atuação há muito tempo vem sendo notada como deficiente e aquém das necessidades de um grande país em pleno desenvolvimento. Aliás, nosso governo nem precisaria ter aguardado o puxão de orelha da revista britânica The Economist sugerindo sua demissão por causa do nosso medíocre e inaceitável PIB de 1%, doravante denominado pibinho, como bem salienta o Estadão. Parecendo a argentina Cristina Kirchner, que sempre desova culpas nos outros, o sr. Mantega deseja empurrar a fraqueza de nosso PIB para o IBGE, como se esse responsável instituto pudesse realizar o milagre da multiplicação dos pães. Para ele, então, não devem integrar a formação do PIB o desenvolvimento, o crescimento e demais itens que focam e sedimentam o progresso trimestral de um país. Na verdade, se ele sair, não fará falta. Há outros muito, muito melhores.

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

Pibinho

Mantega errou mais uma vez. Velhas desculpas... Saudade de Pedro Malan, sério e competente ministro da Fazenda.

ARTUR BERNARDES JUNIOR

arturbernardesjr@gmail.com

São Paulo

Perdidos na tempestade

Como era de esperar, a presidente Dilma contestou o artigo da revista The Economist que sugere a demissão do ministro Mantega, por ser o responsável pelo baixo rendimento da economia brasileira. "Não vamos nos influenciar por notícias de jornais e revistas", rebateu Dilma. E foi além: "Só quero me manifestar que em hipótese alguma o governo brasileiro, eleito pelo voto direto e secreto (sic) do povo brasileiro, vai ser influenciado pela opinião de uma revista que não seja brasileira". A presidente esqueceu-se de dizer que o atual governo foi eleito pelas bolsas-esmola e que Mantega só é mantido - desde os governos Lula - porque o PT não tem outro nome para substituí-lo. E assim, como num barco perdido na tempestade, vamos soçobrando na corrupção, na inflação e na pior enganação feita até hoje aos incautos eleitores.

ROBERTO STAVALE

bobstal@dglnet.com.br

São Paulo

Na TV francesa

Não é só a The Economist. Eis a manchete do respeitado Le Journal de l'Économie (TV5Monde) de 5/12: Crescimento decepcionante para o Brasil. Diz mais: que a decolagem se revelou bem mais lenta que o esperado e que o País está na rabeira do pelotão dos países emergentes. O fabuloso crescimento do PIB não foi nem de 1%, como divulgado pelo governo do PT, mas apenas de 0,6%.

MARLY N. PERES

lexis@uol.com.br

São Paulo

Mudança já

A equipe econômica, tal como nos times que só perdem, deve ser trocada urgentemente. O ministro Guido Mantega já esgotou todas as suas justificativas e não tem mais credibilidade.

SERGIO BRESCIANI

sergio.bresciani1@gmail.com

São Paulo

Demagogia crescente

O que impede o crescimento do País, a meu ver, além da incapacidade e da corrupção, é a falta de planejamento de médio e longo prazos. Tome-se como exemplo a medida provisória (MP) que sacode o setor elétrico, sem prévias reuniões com os responsáveis por ele, sem ouvir a sociedade. A perda de confiança dos investidores (de outros setores também) será inevitável. Como justificar o custo da comunicação, dos portos, aeroportos, etc.? Não é óbvio que uma renúncia fiscal parcial, hoje, resulta em multiplicador de receita e arrecadação adiante? Só a demagogia cresce em índices contínuos e aceitáveis.

ANDRÉ C. FROHNKNECHT

anchar.fro@hotmail.com

São Paulo

MP do setor elétrico

Com as idas e vindas e "erros de cálculo", com as consequentes correções, a MP 579 está mais para medida precipitada do que para medida provisória.

ALEXANDRU SOLOMON

alex101243@gmail.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

ELE SABIA

 

O ex-presidente Lula, entrevistado numa conferência internacional do sindicato dos metalúrgicos da Alemanha, declarou que não se surpreendeu com a Operação Porto Seguro, que indiciou a ex-chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo, sua amante desde 1993 - Rosemary Noronha. Creio que não foi surpresa mesmo, e talvez agora eu entenda o porquê de Lula, tão empolgado com a campanha eleitoral, nem ter participado da festa da vitória de Fernando Haddad. O clima deveria estar fervendo no seio da família da Silva. Detalhes da relação entre os dois são o que menos nos interessa saber, mas as consequências desta relação é que são elas. De algumas soubemos, mas, com dona Rose devidamente blindada pelos governistas para que não seja obrigada a dar depoimento, periga deste escândalo ter sua investigação fracionada e a justiça ser feita pela metade, o que é extremamente injusto com os demais envolvidos e com o povo, que merece respeito! Mas há um porém de que me lembrei: não adiantaria nada dona Rose ir prestar depoimento e alegar o direito de se manter calada para não implicar-se mais, daí é palhaçada. Como será que na China comunista a polícia consegue os depoimentos dos réus acusados?

 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

 

*

SEM MAIS MÁSCARAS

O ex-presidente Lula, em viagem à Alemanha, negou ter dito que ficou surpreso com a Operação Porto Seguro. "Não fiquei surpreso", disse aos jornalistas que o questionaram sobre a investigação da Polícia Federal. Nada mais surpreende o ex-presidente, pois a máscara já caiu há muito tempo. Tenho pena de quem ainda acredita nele.

 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

O RETORNO DO SAFO

 

Assim que se desincumbir das tarefas importantes que está realizando lá fora do País, elle volta. Primeiro, vai ajudar a Europa a afastar a crise econômica e, depois, vai resolver a questão do conflito na Síria. Vai ficar só nisso desta vez, porque elle ainda não está com a saúde 100% e não pode se esforçar muito; afinal,trata-se de um indivíduo que acabou de levar uma facada nas costas, o que, além de dolorido, debilita muito. Assim, por conselho do seu médico, aquele que liga do aeroporto, elle vai guardar um pouco de energia para explicar, na volta, que não sabia de nada e que, mais uma vez, foi traído. E mais, vai exigir que tirem aquele cartaz indecente e as almofadas personalizadas que "enfeitam" o finado escritório da Presidência em São Paulo. Como sujeito ponderado que é, elle entende que indecência e almofadas são mais recomendadas para um motel mesmo, apesar de concordar que a maioria dos companheiros não sabe diferenciar muito bem um prostíbulo de uma repartição pública.

 

José Benedito Napoleone Silveira nenosilveira@aim.com

Campinas

 

*

FLAGRANTES DA VIDA REAL

 

Na vida de Lula há um Rosegate.

 

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

 

*

O SUMIÇO DE LULA E ROSEMARY

 

Quem pode explicar o sumiço do ex-presidente Lula e da sua amiga Rosemary? Será que não estariam em viagem a Portugal, aproveitando para namorar e acertar as contas no Banco Espírito Santo?

 

Cláudio Grozinski claudio@linterconstrutora.com.br

São Paulo

 

*

DINHEIRO MISTERIOSO

A investigada pela Polícia Federal na Operação Porto Seguro Rosemary Nóvoa Noronha passou pela alfândega de Portugal com uma maleta com soma vultosa em euros. Até agora, a imprensa, inclusive o Estadão, noticiou que o montante foi depositado no Banco Espírito Santo, em Lisboa. Mas a população brasileira continua sem saber em nome de quem o dinheiro foi depositado, já que não se acredita que o vulto do depósito possa pertencer à ex-chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo. Então, não basta dizer que ela era "mula", porque os brasileiros querem saber para quem transportou o dinheiro e em conta de quem foi depositado. De outro lado, uma CPI, em que a referida senhora fosse ouvida, seria bastante interessante para o País, já que a causa dos problemas está sendo trocada pelos efeitos, confundindo-se a clareza que deve existir na sistemática de apuração de corrupção encontrada.

 

José Carlos de C. Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

 

*

A MALETA DE EUROS

 

Será que agora vai? Desde que o escritor e jornalista Gilberto de Mello Kujawski publicou no Espaço Aberto do Estadão, em 30 de agosto de 2007, que "a fortuna pessoal de Lula foi estimada pela revista Forbes em US$ 2 bilhões", nada mais suspeito (seria comprometedor e definitivo?) que esta afirmação do deputado Anthony Garotinho da mala de Rosemary Noronha, entrando em Portugal com 25 milhões de euros.

Antonio Carlos Gomes da Silva acarlosgs@uol.com.br

São Paulo

 

*

PORTO SEGURO

A Polícia Federal tem por hábito denominar as operações que realiza. Tenho andado ensimesmada quanto à Porto Seguro... no meu delírio, até pensei que fosse uma homenagem a Portugal, neste ano em que se comemora o Ano de Portugal no Brasil, e vice-versa, afinal, ao largo do que é hoje Porto Seguro, na Bahia, navegou a frota do nosso alegado descobridor Pedro Álvares Cabral. Mas li algures que "Porto Seguro" estaria relacionada à cidade portuguesa do Porto, a Invicta, para onde teriam sido levados 25 milhões de euros, operação na qual a participação de Rosemary Noronha teria sido a de requisitar o carro forte para transporte dessa quantia até a agência central do Banco Espírito Santo daquela cidade. Se me puderem esclarecer, agradeço.

Eulalia Moreno eulaliamoreno@uol.com.br

São Paulo

 

*

FARRA COM DINHEIRO PÚBLICO

 

Está acabando o julgamento do mensalão e já se inicia outro escândalo de corrupção envolvendo, diretamente, o ex-presidente Lula. O gabinetão. Fala-se à boca pequena e nos bastidores noticiosos que uma certa ex-chefe de gabinete, também, cumpanheira/amante dele, teria desembarcado em Lisboa, há algum tempo, portando uma mala recheada com alguns milhões de euros. Que teria requisitado um carro-forte para transportar toda essa dinheirama para um determinado grande banco português, que é abençoado pelo Espírito Santo. Com a palavra, a Polícia Federal, o Supremo Tribunal Federal e o Ministério Público Federal. E também a presidenta Dilma. E agora, o que fazer? Não perguntem ao ex-padre Gilberto Carvalho. Ele sempre vai dizer que o Lula nada tem que ver com isso...

 

Carlos Alberto Ramos Soares de Queiroz soares.queiroz@terra.com.br

São Paulo

 

*

CONEXÃO PORTUGAL

 

Não é qualquer tapete que consegue cobrir 25 milhões de euros, é, Sr. Gilberto Carvalho?

 

Ricardo Sanazaro Marin s1estudio@ig.com.br

Osasco

 

*

MENTIRA MINISTERIAL

 

O ministro Gilberto de Carvalho não deveria tentar enganar a plateia como fez esta semana, tentando dizer que seu governo, do PT, está tirando a corrupção de baixo do tapete. Soa ridículo. Todo o mundo sabe que quem trouxe a público todos os muitos casos de corrupção no governo do PT foram a imprensa e a Polícia Federal. Sabe-se, também, a quem estão tentando defender com essa afirmação, o suspeito de ter arquitetado todos os casos. O que a opinião pública precisa saber, no entanto, é relativamente aos assassinatos dos prefeitos de Santo André e de Campinas, atribuídos ao PT ao qual o ministro pertence e esteve muito próximo, segundo relatos, daqueles dois tristes episódios.

 

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

 

*

PETISMO INVESTIGADO

 

Diz Gilberto Carvalho que a Polícia Federal, atualmente, passou a ser independente e a ter uma atuação firme. Ótimo. Mas ela sempre foi assim, dada a sua natureza de órgão policial. Que continue assim, é claro, e os brasileiros de bem agradecem. O que se esperava é que essa polícia não precisasse estar trabalhando tanto: tem ela tido muito, muito trabalho nos últimos quase dez anos, durante os quais não se fala outra coisa senão em corrupção. E corrupção desenfreada. Parece que o Sr. Gilberto Carvalho não percebeu ainda que o discurso da tomada do poder pelo petismo petista era o da ética, da moral, e da retidão de intenções: tudo seria feito em prol do povo e dos menos favorecidos. Todavia, o problema é que, nos últimos quase dez anos, o que se viu paulatinamente foi virem a lume os maus comportamentos dos titulares do poder, especialmente daqueles que ocupam cargos em comissão e cargos eletivos. E esse trabalho de aclareamento das coisas se deve, primordialmente, ao jornalismo investigativo, razão pela qual vem se falando em calar a imprensa. E, no petismo governamental, por aí se vai...

 

Pedro Luís de Campos Vergueiro pedrover@matrix.com.br

São Paulo

 

*

O FAXINEIRO DO PT

Gilberto Carvalho, o fiel escudeiro do Sergio Sombra Gomes, com a sua usual empáfia, afirma que as patifarias do Partido dos Trabalhadores só aparecem porque a Polícia Federal dos sindicalistas investiga na base do "doa a quem doer". Caríssimo senhor, sem as delações de Roberto Jefferson e Cyonil da Cunha Borges, a bandidagem, aquela que desafia o STF, estaria se locupletando na santa paz do senhor.

Helena Rodarte Costa Valente helenacv@uol.com.br

Rio de Janeiro

 

*

O HISTÓRICO SE REPETE

 

Os petralhas não se cansam de afirmar que nunca antes dos governos do PT se combateu tanto a corrupção. Porém, somente depois que a mídia põe as barbaridades no ar é que Dilma toma providências; se ela quisesse mesmo combatê-la, reveria em seu mandato todos os cargos de confiança e, principalmente, de confiança do Lula, pois aí é que mora o perigo. Porém o que fica claro para nós, os mais prejudicados com as bandalheiras, pois somos os idiotas pagantes, é que, quando o fulano inconveniente é pego, imediatamente os "agentes de segurança petista" montam um esquema de blindagem sobre ele e não há como se tomar providência, pois se não há cadáver não há assassino. Rose teria muito que dizer, mas foi tirada de cena, pois é uma verdadeira bomba de nitrogênio com os dados que tem na manga, até seu "Tiozinho" fugiu do País. Se ela não tem nada a esconder, por que não deixar que a mesma compareça a uma comissão do Senado para mostrar como conseguiu tantas benesses? A história do PT continua na mesma trilha: malfeitos, perda de cargos, descoberta de poços de petróleo ou medidas populistas, ataque à oposição e a mídia e, depois, é só esperar pelo próximo escândalo. Ninguém é preso ou devolve o que roubou. O julgamento do mensalão pelo STF é a grande exceção na condenação dos bandidos que se alojam no poder.

 

Leila E. Leitão

São Paulo

 

*

A MADAME

 

"...não existe situação ruim que uma mulher não consiga piorar..." ( A Grande Arte - Rubem Fonseca - Cia das Letras)

 

Guto Pacheco daniguto@uol.com.br

São Paulo

 

*

COMO DE PRAXE

 

Gilberto Carvalho tem tentado desviar, como é de praxe, o debate sobre o affaire Rosemary para comparações entre governos. Ele está falando sobre o que não tem conhecimento e se cala sobre o que tem. A sociedade brasileira ficaria grata se ele falasse sobre o que sabe: o outro affaire "o caso Celso Daniel" e seu próprio protagonismo. Por que buscou varrer para baixo do tapete o episódio depois de Lula ter até acionado Danielle Mitterrand para sua apuração?

Carlos Jorge Fernandes carlosjorge1968@yahoo.com.br

Santa Catarina

 

*

VIDA LONGA A FHC

 

É isso aí, Lula! Tudo o que der errado, joguem a culpa no FHC, e Deus permita que ele viva mais de cem anos. Porque, olha, faz tempo que o seu PT faz isso. E põe tempo nisso.

Isael Coleone isael.coleone@itelefonica.com.br

Indaiatuba

 

*

GC

O PT é aquele menino que apronta todas e mais algumas e, quando é pego, não assume e joga a culpa nos outros. Defeitos de caráter? O Sr. Gilberto Carvalho devia ficar quieto. Mas, como o menino PT, em vez de assumir a corrupção do seu governo, novamente vem comparar com o governo de dez anos atrás. O que se espera é que cada governo que sucede o outro melhore cada vez mais os serviços. Só falta o Sr. GC acusar Fernando Henrique Cardoso de ter apresentado a Sra. Rose ao Sr. Lula para que ela o prejudicasse no futuro.

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

 

*

CRIANÇA BIRRENTA

 

Gilberto Carvalho não pode ficar criticando governos passados, para tirar o foco de seu partido. Se ele acha que alguma coisa estava errada, eles já tiveram dez anos de governo petista para consertar (5/12, A12). Ao invés disso, se dedicaram a promover malfeitos, como foi o caso do mensalão, além de muitos outros, como o agora caso escabroso de "madame Rose". No governo, deve-se agir como adulto responsável, e não como criança birrenta. Estamos cansados de "papo furado".

 

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

 

*

PITO DE AVÔ

 

Será que o Sr. Fernando Henrique Cardoso não tem nada melhor pra dizer sobre o Sr. Gilberto (mala preta, Celso Daniel, etc.) Carvalho? O governo Dilma vai continuar navegando em mar de Almirante enquanto a dita oposição se contentar em, de vez em quando, passar um pito de avô, como FHC passou em Gilberto Carvalho. Se continuar assim, é melhor o Sr. Aécio Neves pedir logo um carguinho no próximo governo Dilma.

 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

AVANÇOS DO PT

 

Vou completar a declaração do presidente do PT, Rui Falcão, que disse "não dá para avançar sem reforma com mídia monopolizada e Judiciário conservador", com as palavras que ele no fundo da sua consciência pensa e deseja, mas não diz para ninguém: não dá para avançar no dinheiro público sem reforma com mídia monopolizada e Judiciário conservador.

 

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

 

*

RUI FALCÃO E O AMOR

 

Os petralhas, hipócritas da ética, mais uma vez mostram da incapacidade na interação com a sociedade, e até na descrença dos poderes do amor. Desesperados diante dos desmandos da ex-chefe de gabinete em São Paulo a voluptuosa e protegida Rosemary Noronha, adicionado ao "affaire" com o chefe Lula, vem o escravo do ressentimento e presidente do PT, Sr. Rui Falcão, insurgir-se novamente contra a mídia e o Judiciário, como se fossem os responsáveis pela esbórnia produzida pelos companheiros, só faltando em seus delírios de esquerdismo decadente, indicar o Estadão por suposta apresentação dos apaixonados. Apesar de tudo, reconheça, Sr. Rui Falcão: o amor é lindo, e também arruma cargos e negócios.

Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

 

*

MEA CULPA

 

Esse Rui Falcão é um cara sem discurso, além de teimosíssimo. Quando será que ele vai se convencer de que os escândalos não são produzidos pelo Judiciário e menos ainda pela imprensa? Ele que tenha um pouco de altivez, pelo menos uma vez na vida, e reconheça que o seu partido é uma autêntica quadrilha. "Mea culpa" não mata ninguém.

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

 

*

OPOSIÇÃO

 

Rui Falcão, presidente do PT disse que "a mídia é a oposição que realmente existe no Brasil", numa conotação pejorativa! Engraçado o presidente do partido governista fazer tal comentário, se isso faz parte do plano petralha de perpetuação no poder iniciado no governo Lula. Não seria caso, então, de ele encabeçar mudança nessa situação? Bastaria um projeto de lei aprovado pela Câmara e no Senado dando autonomia econômica aos Estados e municípios. Hoje o governo federal arrecada tudo e faz "uni duni tê, salamê minguê, um sorvete colorido feito pra você" e aponta quem só vota a favor deles. Distribui para quem diz amém a tudo o que determinam, e, como nossa classe política é movida a dinheiro, não existe mais oposição, coisa fundamental numa democracia sadia. Alguns parcos deputados e senadores ousam ser oposição, mas a maioria fica de canequinha nas mãos pedindo dinheiro para suas bases "no toma lá dá cá"!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

*

‘DO MEL ÀS CINZAS’

 

Li, e que todos lessem, o artigo de Fernando Gabeira "Do mel às cinzas", ontem, no Estadão. O objetivo desenvolvido nem é sobre o "mel" em si, mas pelo que representa; nem sobre cinzas, que é onde tudo acaba. O tema tratado estende-se sobre como se querem reembolsar os senhores senadores e deputados: donos e prepotentes senhores de ilhas. Aliás, a aspiração de possuir ilhas como paga de trabalhos é antiga. Don Quixote de la Mancha, para saldar os débitos trabalhistas com Sancho Pança, promete-lhe uma ilha, e, mais, ser governador dessa ilha. E, conta a história que Sancho ganhou a ilha de nome: "ilha da Barataria", da qual foi governador por dez dias... A nossa história também registra a gula dos "representantes do povo" por ilhas, como paga, diga-se en passant, de nenhum trabalho. Fechando o parêntesis, voltemos ao Sr. Gabeira que assinala quando Paulo Vieira diz que as coisas seriam facilitadas (quanto a embolsar ilhas), "desde que colocasse mel na chupeta". Logo, o tamanho da ilha está em relação direta com o da propina, que é o dito mel na chupeta! Eis quais os propósitos das coalizões de partidos; dá cá, toma lá etc., etc.! Urgente, pois, "é preciso salvar as ilhas dos piratas". A esperança vem de que tamanhos desmandos vorazes, um dia, encontrem pela proa juízes destemidos, independentes, sem lastros de compadrio, da estirpe dum Joaquim Barbosa, "e de novo todos ficarão angustiados com a palavra dosimetria "...9 anos; 15; 20"; "pensando no remédio amargo depois de anos de mel na chupeta"; e que os Sanchos voltem a escudeiros, e as ilhas ao território brasileiro.

 

Antonio Bonival Camargo bonival@camargoecamargo.adv.br

São Paulo

 

*

CARGOS EM COMISSÃO

Conhecer, admitir, e combater as causas costuma ser mais trabalhoso e custoso, mas é a maneira correra e eficaz de resolver ou pelo menos minimizar os problemas particularmente no serviço público. Escândalos como mensalão, Carlinhos Cachoeira, Rosemary de Noronha têm como causa primeira o mau servidor público e o mau político. Há 40 anos, quando entrei no serviço público por concurso, já se iniciava o relaxamento para que passassem a existir mais cargos em comissão. O argumento mais utilizado era que para contratar um profissional competente, melhor seria que fosse um conhecido, um amigo ou um parente, ao invés de um desconhecido. Mentira! O que os malandros queriam era encaixar os apaniguados em busca da falsa sustentação política e da possibilidade da corrupção com relativa segurança. Atualmente, a grave doença contagiosa está espalhada em todos os níveis e em todos os âmbitos. Agora só mesmo usando profilaxia radical!

Luiz Antônio da Silva lastucchi@yahoo.com.br

Ribeirão Preto

 

 

*

NOSSOS REPRESENTANTES NO PODER

 

Após o exemplo dado pelo STF, de onde deveremos retirar dois funestos personagens que insistem em tripudiar a opinião da esmagadora maioria de seus colegas legisladores e a insignificante opinião pública, temos de testemunhar a perda de tempo proporcionada por um dos personagens (faça-se justiça à sua fidelidade aos que impulsionaram sua carreira nada brilhante) quanto à redução das penas já impostas e à manutenção dos mandatos dos que ainda o têm... Como podemos ser representados por tais pessoas? Será que não temos esta consciência? E sobre os salários que recebem, quando vamos saber sobre isso? A grande maioria tem diversas fontes de renda, principalmente régios salários e/ou aposentadorias aos quais os pobres mortais pagantes e que proporcionam tais regalias não verão nem têm nem de longe ideia dos acontecimentos. Pessoal, temos de passar à ação para não nos frustrarmos e, infelizmente, nos conformarmos à apatia, mal que atinge a grande maioria dos brasileiros. Temos de cobrar as soluções: 1) O que aconteceu com o chefe da gangue dos fiscais da Prefeitura de São Paulo? Por que não se fala mais nele? 2) E, sobre o Sr. Gilberto Miranda, que hoje está em seu helicóptero, como faz toda semana, indo usufruir do "nosso" paraíso na ilha paradisíaca e, mais uma vez, paga por nós e com dinheiro da corrupção? Este senhor continua incólume e à margem da lei, apesar das inúmeras denúncias sobre seus "malfeitos", para utilizar a palavra lançada por nossa presidente. E onde anda o Sr. Lula? Até quando continuará blindado? Que o diga nossa "atuante" oposição... Aliás, onde anda ela? Não é de surpreender a derrota do José Serra... Só aparecem na época das eleições? Fernando Henrique, não nos faça perder as esperanças. E as explicações sobre a Porto Seguro e sobre Cachoeira (foi preso, se recusou a falar e solto?)? Não devem ser dadas satisfações aos eleitores e ao povo brasileiro, que entregou seus sonhos e futuro a várias destas pessoas envolvidas nestes escândalos que vieram à tona? E sobre os milhares de outros sobre os quais não temos conhecimento? Acho que chegou a hora de darmos mais consistência e, principalmente, chegarmos ao fim das denúncias e processos com a punição efetiva dos culpados e a sua erradicação definitiva da vida pública de nosso imenso e rico Brasil!

 

Antonio Amato antonio@amato.com.br

São Paulo

 

*

MENOS PERFUMARIA

O brasileiro ainda não se deu conta que em termos de marketing nossos políticos são ótimos, tanto quanto são insuperáveis em corrupção. Quem houve falar da gestão tucana de Aécio Neves em Minas Gerais imagina um Estado que deu um salto enorme em desenvolvimento. Tanto que já se articula sua candidatura à Presidência do País no próximo pleito. Mas, quando vemos Minas Gerais ostentar o 7.º lugar no ranking indicador de maior desenvolvimento social brasileiro, cuja base se fundamenta nas cinco dimensões definidas pela Fundação Getúlio Vargas: habitação, renda, trabalho, educação saúde/segurança, fica claro que a administração tucana não foi essa tão decantada beleza, que o jogo de marketing tem falado mais alto que a realidade e que Aécio Neves não passa de uma propaganda enganosa. Esse é o incorrigível PSDB, só conversa. O que este país precisa é de um líder de fato e menos perfumaria.

Nei Silveira de Almeida neizao1@yahoo.com.br

Belo Horizonte

 

*

FIRMEZA

 

Sinceramente, não vejo firmeza no dibinho do senador Aécio Neves para enfrentar Dilma em 2014.

 

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

 

*

QUALQUER UM SERVE

 

Nunca gostei do senador Aécio Neves, por diversos motivos, e um deles é que ele detesta São Paulo e os paulistas. Aliás, para ser um bom mineiro, tem de odiar São Paulo. Agora, FHC defende o senador mineiro/carioca para presidente da República em 2014. Já tem meu voto Aécio Neves. Para tirar o PT, a Dilma e o Lula do poder, votaria até no Emilio Garrastazu Médici.

José Francisco Peres França josfranciscof@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

 

*

RISCO DE NOVO TROPEÇO

 

Realmente, o PSDB, que tem tudo para ser uma oposição robusta e unificada, ao lançar prematuramente a candidatura do senador mineiro Aécio Neves para presidente do Brasil em 2014, sem um consenso absoluto do partido no âmbito nacional, é arriscar um novo tropeço, pois o PT, que ora está na berlinda devido às novas falcatruas envolvendo o seu alto escalão, conta que até lá o eleitor já esqueceu o acontecido e, como sempre, ele oferecerá pão e circo ao cidadão e ganhará mais uma eleição.

José Millei j.millei@hotmail.com

São Paulo

 

*

VASSALAGEM

 

Depois de ler as lamentáveis declarações de Eduardo Campos comparando FHC com o petralha-mór e seus "legados" ao Brasil, pergunto ao ilustre puxa-saco: Foi FHC, quem transformou esta República num verdadeiro balcão de negócios? Foi FHC quem institucionalizou a corrupção massiva nestas plagas? Foi FHC quem comandou a maior quadrilha já montada neste país? Foi FHC quem cuspiu e ainda cospe na Carta Magna, limpando seus dejetos com a mesma? Foi FHC quem, qual rolo compressor , usou e abusou da máquina para eleger um poste atrás de outro? Foi FHC quem delegou a sua "cumpanhera" Rose procuração para que, em seu nome, mais e mais negócios escusos fossem efetuados? Foi FHC quem desconstruiu este país? Foi FHC motivo de piadas internacionais por sua ignorância, prepotência e embriaguez? Diante das declarações do governador Campos, só posso compará-lo, respeitosamente (atendendo sua solicitação), ao energúmeno para o qual o senhor presta vassalagem.

 

Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com

São Paulo

 

*

"O LEGADO DE LULA", SEGUNDO CAMPOS

 

Faça-me o favor, Eduardo Campos, não seja mais um a nos tratar como idiotas. Eu que pensei que V.S. seria uma nova cabeça pensante e uma nova liderança política, com alguma alternativa séria para conduzir os rumos de nosso pobre país. Mas, por essa comparação ridícula de que devemos respeito ao Lula como ao FHC, já conclui que é outro político igual a tantos de que já estamos fartos. Todo brasileiro sério e com um mínimo de bom senso já sabe qual foi o legado deixado pelo Sr. Lula da Silva, ou seja, a cada dia aparecem novas amostras do seu "legado". Portanto, Sr. Eduardo Campos, poupe-nos!

 

João Ventura joaomv@terra.com.br

São Paulo

 

*

DETALHE

 

Governador Eduardo Campos, o negócio é que a diferença entre heranças malditas é que a do Lula foi ao pé da letra!

 

Flávio Cesar Pigari flavio.pigari@gmail.com

Jales

 

*

A IMPRENSA LIVRE É A DEMOCRACIA

A queda de braços do governo argentino com o Grupo Clarín é um perigoso precedente para toda a América Latina. A presidente e seus seguidores pressionam juízes e confrontam a instituição judicial pelo cancelamento da liminar que mantém a holding de comunicações na configuração atual. As ditaduras - comuns no continente durante o século passado - amordaçaram a imprensa e perseguiram jornalistas sempre que estes as incomodavam. Hugo Chávez, na Venezuela, vem fazendo o mesmo. Agora, Cristina Kirchner, na Argentina, o faz argumentando defender a democracia. É prudente aos brasileiros não esquecer que, em 2009, quando a Argentina aprovava a lei restritiva, o governo Lula preparava um projeto parecido para o Brasil, que só não vingou graças à reação da sociedade. Precisamos ser vigilantes, pois os ávidos mordacistas continuam nas antessalas e os corredores do palácio. É através dos jornais, do rádio, TV e meios eletrônicos que a população se informa dos acontecimentos e toma suas posições. Autoridades e poderosos, quando incomodados ou ameaçados, não vacilam em insurgir contra o meio de comunicação. Fazem perseguições fiscais, boicote econômico e, sempre que podem, constrangem através do aporte de verbas públicas ou particulares que, mais do que o espaço adquirido, destinam-se a comprar a liberdade. Em vez de tolher, deveriam facilitar a atividade, já que todos os grandes avanços vividos pela sociedade são impulsionados pela imprensa livre. Há de se entender que até a atração de investimentos estrangeiros e a venda de nossos produtos ao exterior dependem da respeitabilidade e eficiência de nossos meios de comunicação. Tudo o que se fizer para atrapalhar esse trabalho, sem qualquer dúvida, será golpe contra os interesses do povo e da nação. Isso vale para o Brasil, Argentina, Venezuela e para a maior parte do mundo...

 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

 

*

CENSURA, NUNCA MAIS!

 

De um lado da fronteira, o governo de Cristina Kirchner segue determinado seu distópico e raivoso projeto de perseguição, amordaçamento e controle da mídia contrária a seus interesses; do outro lado, Dilma Rousseff proclama em alto e bom som: "É sempre preferível o ruído da imprensa livre ao silêncio tumular das ditaduras". Uma diferença da água para o vinho (argentino). Censura, nunca mais, nem lá nem cá!

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

 

*

BOCA NO TROMBONE

 

Para enfrentar a Casa Rosada contra o fechamento do jornal El Clarín, os argentinos têm de por a boca no trombone.

Vidal dos Santos vidal.santos@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

VIOLÊNCIA EM SÃO PAULO

Li a entrevista dada pelo novo secretário da Segurança de São Paulo, Fernando Grella (Número de mortos pela PM é ‘inaceitável’, 6/12, C1), e fiquei com a certeza de que ele perdeu sua primeira grande oportunidade de ficar quieto. Ele afirma que "muita gente está morrendo na mão da PM", essa afirmação não significa nada, o que esse senhor deveria esclarecer à população é quem está morrendo na mão da PM. Se quem está morrendo é gente com passagem pela policia, ficha criminal extensa, egresso ou fugitivo do sistema carcerário, podemos dizer que está morrendo pouca gente. Se um PM mata uma dessas pessoas ele deve ser condecorado, assim como aquele que mata um inocente trabalhador, que paga seus impostos e tem família, tem de ser, exemplarmente punido. O Sr. secretário tem de lembrar que bandido recuperado é bandido morto.

Celso Ribas Guaycuru de Carvalho crgc22@gmail.com

São Paulo

 

*

BLOQUEADORES DE CELULAR

 

El governador Alckmin acaba de anunciar "que já estuda dois sistemas para bloquear o sinal de celular dentro de penitenciaras e escolheu quatro lugares para fazer os testes, mas a adoção das tecnologias deve ser compatível com as especificidade dos presídios e sua localização." Não será mais simples para o condenado flagrado com a possessão de um celular cancelar a possibilidade da progressão penal como, alias, estabelecem as condições do Código Penal que exige para essa concessão o bom comportamento atestado pela direção da unidade prisional; adicionalmente essa pode impedir, temporariamente ou não, as visitas ao presidiário.

Pablo L. Mainzer plmainzer@hotmail.com

São Paulo

 

*

INSEGURANÇA PÚBLICA

"As grandes ideias surgem da observação dos pequenos detalhes" (Augusto Cury). Quando Mário Covas foi eleito governador pelo mesmo PSDB que ainda governa o Estado de São Paulo há 19 anos, ele começou uma política de interiorização dos presídios. Com isso esparramou presos por todo interior de São Paulo. Livrou a capital e transferiram presos e familiares e amigos deles para o interior do Estado. Ao invés de promover o desenvolvimento com a instalação de polos de tecnologia e indústrias modernas, trouxe presídios e com eles um processo de transferência do medo e da insegurança. Não bastasse isso, José Serra em 2007 transformou boa parte deles em presídios de regime semiaberto, dando condições aos presos de irem e virem sem que saibamos como isso é feito e por quem é autorizado e fiscalizado internamente. O complexo penitenciário do Carandiru na capital foi demolido e havia a promessa de que naquele local o governo paulista iria construir parques, áreas de lazer em troca da desativação do presídio. Até hoje, desconheço alguma obra que tenha sido feita pelo partido no local. Enquanto havia o Carandiru não havia Primeiro Comando da Capital (PCC), não havia presos administrando de dentro do complexo tráfico de drogas e a criminalidade fora do presídio. O Carandiru era temido por qualquer marginal, ao contrário dos spas que foram feitos pelo PSDB e servem de postos avançados para toda criminalidade no interior de São Paulo. O governador insiste em dizer que a situação está sob controle, claro que está, mas do controle do PCC e não das autoridades constituídas que governam este Estado há 19 anos. Tempo mais do que suficiente para que tivessem feito algo pela Educação e implantado projetos que evitassem o crescimento da marginalidade e da criminalidade nos níveis assustadores dos dias atuais. Será que noventa e cinco policiais e mais de duzentos civis mortos não caracteriza uma guerrilha urbana e um estado de guerra nas nossas ruas? A solução da violência passa obviamente por Brasília, onde o governo federal oferece ajuda, mas também não faz nada para oferecer soluções. Mandar força militar ou tropas de inteligência são paliativos, é preciso descentralizar os presos e tirar do Estado de SP criminosos nascidos em outras regiões do Brasil. É preciso projetos claros e verbas para educação. Mas acima de tudo é preciso que PSDB e PT acordem, percebam o tamanho da criminalidade que nos apavora e comecem a trabalhar em prol da reforma do sistema penitenciário no país. Da união das forças policiais e da erradicação da miséria e da ausência do Estado nas comunidades. Temos muitas leis e nenhuma justiça. O governo federal e o estadual são culpados, não tem inocente neste meio, exceto o povo que paga impostos escorchantes e não recebe nada em troca, exceto afirmações absurdas como a pérola de Geraldo Alckmin que ilustra a situação atual em São Paulo: "O Estado de São Paulo é maior que a Argentina, logo não se pode culpar o governo paulista pela situação que vivemos na segurança pública". Ainda bem que o senhor não é governador de Minas Gerais nem de alguma província chinesa...

 

Rafael Moia Filho rmoiaf@uol.com.br

Bauru

 

 

*

AS RAÍZES DA VIOLÊNCIA

 

Andando nas ruas percebemos que não se deve confundir a cidade com o discurso que a descreve. Podemos ver uma cidade maravilhosa ou um antro de perdição e de dor. Alguns aspectos falam de prosperidade, da operosidade, do caráter pacifico do povo ma ao lado disso aparece a maldade e a violência com os trágicos episódios que bem conhecemos. Nem as luzes do Natal e a propaganda da bondade podem mudar este triste panorama. As pessoas menos afortunadas e mais despreparadas da sociedade são vitimas entre outras coisas, de entretenimento negativo da cultura de massa que frequentemente representa uma apelação aos instintos violentos e sádicos. Sabemos que a maldade não é um fator genético, nenhuma criança nasce violenta, entretanto as violências físicas e morais subidas na infância ficam gravadas no cérebro em fase de desenvolvimento. As crianças maltratadas, não podem se defender e são obrigadas a sufocar a humilhação e a raiva que matam a empatia instintiva e a dignidade a qual teriam direito. Esta raiva aparecerá mais tarde, na idade adulta e se transformará em vícios, dependência de drogas, perversão, delinquência, loucura, sempre em prejuízo de vítimas inocentes. Por isso é absolutamente necessário encontrar os meios para que as famílias sejam ajudadas a conseguir um padrão de vida digno e que os pais tenham como garantir as necessidades materiais, sem porem esquecer a educação, os conceitos morais e as exigências emocionais que formam a base do caráter das pessoas.

 

Franco Magrini framagr@ig.com.br

Cachoeira Paulista

 

*

PELA PAZ

 

"Peço a Deus para um dia morrer como mártir nesta terra." Assim se pronunciou o líder do movimento radical islâmico Hamas, Khaled Meshaal, ao desembarcar em Gaza. Que argumentos poderiam convencer este senhor a discutir um tratado de paz com Israel?

 

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

 

*

VISÃO DISTORCIDA

 

Muito me espanta a posição do editorial de 5 de dezembro do Estadão que diz que Israel desdenha do mundo (Desdém pelo mundo). Israel não desdenha do mundo, Israel não é absolutamente contra a paz. Quem desdenha do mundo, quem é contra a paz são todos aqueles que há 60 anos não reconhecem a existência do Estado de Israel, independentemente de suas fronteiras. Quem desdenha do mundo são grupos terroristas como o Hamas e o Hezbollah e os inúmeros países da região que financiam estes grupos armados e que não querem conviver lado a lado com um país democrático, um país desenvolvido e de vanguarda. Israel, com sua sociedade moderna, com seu desenvolvimento e inegável contribuição científica e tecnológica para o mundo atual, é um vizinho muito inconveniente frente às ditaduras e retrocessos sociais ainda reinantes na região... Sofrem palestinos, sofrem israelenses, ambos sempre em estado de tensão. Mas os verdadeiros responsáveis por esta situação não estão lá. Quem desdenha mesmo do mundo?

 

Michelle Fel miccfe@uol.com.br

São Paulo

 

*

‘DESDÉM PELO MUNDO’

 

Merece elogios o editorial Desdém pelo mundo, por quebrar a eterna blindagem de Israel em nome do passado. O torpor imobilizante diante dos crimes praticados por esta nação está sendo vencido, e a verdade desvenda o usufruto do poder em nome do complexo de culpa por uma história ainda manietada.

 

Ottfried Kelbert okelbert@terra.com.br

Capão Bonito

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.