Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

19 Dezembro 2012 | 02h06

Marco Maia critica o STF

O presidente da Câmara, do PT (qualquer semelhança não é mera coincidência), está inconformado com a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre os "colegas" mensaleiros perderem os direitos políticos. O que o levou a dizer: "Não acho que nenhum ministro do STF teria a pretensão de ameaçar o presidente da Câmara dos Deputados". Pode isso?!

EVELIN DA CUNHA CURY

evelincury@terra.com.br

Ribeirão Preto

Da arte de falar absurdos

O presidente da Câmara dos Deputados faz um papel lamentável ao dizer que os ministros do STF usurparam funções ao determinarem a perda de mandato dos deputados condenados por inúmeros malfeitos, como diria nossa presidente. Aparentemente, alega conhecer mais a Constituição do que os juízes a quem cabe a interpretação da Carta Magna nos casos em que persiste alguma dúvida ou mais de um entendimento. Sua bravata de não cumprir o determinado pelo STF demonstra seu desprezo pela democracia, pois significa subverter a ordem existente no País. É inaceitável que nosso país possa ser governado pelo deputado, já que no cargo que ocupa poderá substituir a presidente da República e o vice no caso de impedimento de ambos. Independentemente dessa discussão absurda, o que mais nos revolta é o fato de ele, presidente, não se importar que colegas seus condenados pela mais Alta Corte de Justiça continuem a fazer parte do Legislativo federal.

GILBERTO PACINI

benetazzos@bol.com.br

São Paulo

Constituição

Marco Maia tem conhecimento, mesmo que ínfimo, sobre a Constituição brasileira? Talvez tenha perdido essa aula...

LEILA ELSTON

São Paulo

Grito de guerra

O STF se impôs e os corruptos perderam seus mandatos. Aos congressistas só restam duas opções: aceitar ou fazer uma revolução... O presidente da Câmara poderá conclamar o povo brasileiro com o seguinte grito de guerra: quem for corrupto que me siga!

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

eugeniojosealati@yahoo.com.br

Campinas

Sugestão

Aqui vai uma sugestão ao presidente da Câmara quanto à perda de mandato dos deputados: cerque a Casa com grades bem altas e os mantenha confinados, com mais alguns quadrilheiros ocultos. E para passar o tempo indique-os para o Conselho de Ética.

OLAVO FORTES C. RODRIGUES

olavo_terceiro@hotmail.com

São Paulo

Conclusão

Os políticos julgados e condenados por corrupção e outros crimes pelo STF, a mais alta Corte do Brasil, devem serem expulsos imediatamente da vida pública, sem ser preciso pedir autorização a nenhum outro Poder, além de serem presos e devolverem o dinheiro desviado.

ANTONIO DE SOUZA D'AGRELLA

antoniodagrella@yahoo.com.br

São Paulo

'Apropriação indevida'

Parabéns à sra. Dora Kramer pelo texto em epígrafe. Esses PeTralhas precisam sujeitar-se às leis e normas, como todos. É graças a gente com sua clareza de raciocínio e coragem que o Brasil se vai livrando aos poucos dessa corja.

ANTONIO MOLINA

antonio_molina@itelefonica.com.br

Santa Fé do Sul

Nervosismo no Planalto

Dá para ver que sem muita convicção o pessoal do Planalto defende "automaticamente" seus companheiros que diariamente despontam nas páginas dos jornais com acusações de corrupção, como, nesta semana, a ministra Izabella Teixeira, do Meio Ambiente. Dilma diz ver "má-fé" na acusação. Gilberto Carvalho diz que "não dá para dar credibilidade a essas denúncias". José Eduardo Cardozo, demonstrando conhecer as investigações, diz que "o processo na PF não cita a ministra". Nenhum demonstrou confiança na ministra acusada, apenas tentam descredenciar o acusador. Não convencem, cumprem apenas a formalidade de proteger um membro da equipe, sem se comprometerem.

FABIO FIGUEIREDO

fafig3@terra.com.br

São Paulo

O bicho vai pegar?

O sr. ministro Gilberto Carvalho está certo. Vão acabar soltando o Leão da Receita Federal para pegar os corruptos do PT.

SERGIO S. DE OLIVEIRA

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

INSEGURANÇA PÚBLICA

Violência em São Paulo

Interessante como a Polícia Militar está preocupada com o assalto na casa do deputado João Antonio, do PT, e despreocupada com o uso e venda de drogas na periferia, com os assaltos a cidadãos trabalhadores e honestos e com o descaso dos atendentes do 190. No sábado, por volta das 16 horas, liguei para o 190 denunciando um homem que quebrava vidros de carros e ameaçava motoristas em frente ao Hospital do Tatuapé, o maior da América Latina. Para minha surpresa, o policial que atendeu disse que não sabia onde era, apesar de haver três viaturas da PM dentro do hospital, e que eu voltasse a ligar quando tivesse o endereço. Pois o bandido continuou sua empreitada e nada aconteceu, afinal, não há esforços para atender o contribuinte, apenas deputados ou colegas de trabalho. Como combater a violência se o povo não é ouvido?

LUIZ CLAUDIO ZABATIERO

zabasim@ig.com.br

São Paulo

NOVOS APAGÕES

Atitude

Presidenta Dilma, vai continuar culpando o governo FHC pelos apagões ou já vestiu a carapuça?

ROBERT HALLER

robelisa1@terra.com.br

São Paulo

BOAS-FESTAS

O Estado agradece e retribui os votos de feliz Natal e próspero ano-novo de Álida Bertoncini - Jornal da Mulher, André de Carvalho Ramos e Paulo Thadeu Gomes da Silva - Procuradoria Regional Eleitoral em São Paulo, Associação Terapêutica de Estimulação Auditiva e Linguagem (Ateal), Beatriz Campos, Carlos Benedito Pereira da Silva, Elenita Fogaça Comunicação, Equilibrius - Centro de Cultura Oriental, Fernando Colacioppo - Rede Colmeia, Garrido Marketing, Grupo Transmar, Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP), Instituto Ideal e equipe, Instituto Mais, Instituto de Pesos e Medidas do Estado de São Paulo (Ipem-SP), Malheiros Filho, Rahal e Meggiolaro Advogados, Mozarteum Brasileiro, Nice e Eduardo Zago, Opportunity, Portal ZNnaLinha, Porteira Velha Restaurante, Revista CityPenha, Rosa Chock - Moda Plus Size e Volkswagen.

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

CÂMARA X STF

O deputado presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, disse que vai recorrer da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de cassar os deputados condenados no mensalão. Acho mesmo que ele deve fazer isso, mas recorrendo a Jesus Cristo. Quem sabe Ele dá a mão, pela segunda vez, ao ladrão.

Gilberto Lima Junqueira glima@keynet.com.br

Ribeirão Preto

*

PERDA DE MANDATO

Seria de uma total incoerência a permanência de réus já condenados exercendo seus mandatos eletivos, após traírem seus eleitores, usurpando o dinheiro público. O Sr. Marco Maia, que nunca exerceu seu mandato de presidente da Câmara com isenção, e sim com total corporativismo, sempre voltado ao interesse de seu partido (PT), agora contesta a decisão do STF dizendo que este "usurpou" a função do Congresso e que vai recorrer. Sr. Marco Maia, decisão judicial se cumpre e não se discute, especialmente quando esta decorre da maior instância do Judiciário do País. Ou o Sr. vai recorrer ao papa, à OEA, à ONU ou à OIT? Não esqueça que não caberá ao Sr. executar a decisão do STF, e, sim, ao seu sucessor. Portanto, saia com dignidade e deixe de fazer política partidária.

Roberto L. Pinto e Silva rlpsadv@terra.com.br

São Paulo

*

INGERÊNCIA

Se o doutor Márcio Thomaz Bastos fosse presidente da Câmara, até que eu entenderia, mas o deputado Marco Maia... defendendo, gratuitamente, colegas condenados por corrupção?

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

PRECISA DESENHAR?

O ministro Celso de Mello, do STF, mandou o recado: "Reações ou susceptibilidades partidárias não podem justificar afirmações politicamente irresponsáveis e juridicamente inaceitáveis, segundo as quais não cumprirão uma decisão do STF". Sr. presidente da Câmara, entendeu, ou quer que desenhe? O senhor vai insistir em desafiar uma decisão democrática, devidamente amparada na Constituição e no Código Penal, sem falar do código de ética - que tentaremos fazer prevalecer daqui para a frente - sob aplausos dos brasileiros que cobram ferrenhamente moralidade com a coisa pública? Sei não, seu jogo me parece perigoso! Sr. Marco Maia, melhor pensar, lembrando do peso da responsabilidade de seu cargo, e não como um militante petista.

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*

MARCO MAIA

O atual presidente da Câmara Federal, o metalúrgico Marco Maia, disse que não irá acatar a decisão do STF sobre a cassação dos três deputados federais: João Paulo Cunha, Pedro Henry e Valdemar Costa Neto. Talvez o Sr. Marco Maia não consiga entender o que disse o eminente ministro Celso de Mello, e precise que se desenhe. Nunca antes neste país, como sempre disse o chefão dele, tivemos uma pessoa tão insignificante presidindo a Câmara Federal.

Agnes Eckermann agneseck@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

PRINCÍPIO DA MORALIDADE

Mais do que a norma prevista na Constituição federal de que caberia à Câmara Federal, em votação secreta, cassar o mandato de deputados condenados pelo vergonhoso escândalo do mensalão, prevaleceu o princípio maior da moralidade pública e por decisão, aos olhos de todo cidadão, dos ministros do Supremo Tribunal Federal que, por cinco votos a quatro, decidiram, em nome do bem público, nesta segunda-feira, 17 de dezembro, pela suspensão dos direitos políticos de todos os réus e, por consequência, pela perda imediata dos mandatos dos deputados federais João Paulo Cunha (PT-SP), Pedro Henry (PP-MT) e Valdemar Costa Neto (PR-SP). Um grande exemplo para as novas gerações. Não se poderia esperar outra decisão. "Não se pode vislumbrar o exercício do mandato parlamentar por aquele cujos direitos políticos estejam suspensos. Não faria sentido que alguém privado da cidadania pudesse exercer o mandato parlamentar", afirmou o ministro Celso de Mello, último a votar. De fato, em nome da decência na política e da moralidade, não havia lógica de que criminosos dos cofres públicos, envoltos em falcatruas e na obtenção de vantagens ilícitas, portanto traidores do voto popular, pudessem, condenados em processo legal, com restrições de direitos civis e na iminência de cumprirem sentenças condenatórias, exercer mandato parlamentar concedido pelo povo. Seria simplesmente imoral. Falta agora o início imediato do cumprimento das penas dos condenados. O mais importante, porém, é que, ao fim do julgamento da quadrilha do mensalão, o maior e mais ousado crime da política brasileira no período republicano, saiu vitoriosa a democracia com o exemplo positivo deixado pelo Supremo Tribunal Federal, honrando as tradições do Poder Judiciário, no descortinar de novos tempos, onde a ética e a correção de atitudes sejam o azimute e o referencial de uma nova classe política, que se almeja confiável, que não traia os anseios da nação brasileira. A moralidade e a ética na política devem ser, doravante, os princípios basilares do parlamento brasileiro. Cumpra-se. O STF deixou claro que a tolerância com a corrupção é coisa do passado. Ainda bem.

Milton Corrêa da Costa milton.correa@globomail.com

São Paulo

*

LÓGICO

Nada mais lógico que se casse mandatos de deputados condenados. Afinal, em qualquer emprego público é exigido atestado de bons antecedentes. Por que seria diferente com eles?

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com

Bauru

*

UMA LIÇÃO

O voto do ministro Celso de Mello é simplesmente uma lição de democracia, de respeito à ordem pública e à Constituição. Exatamente ao contrário do que anda pregando o deputado Marco Maia (PT), insinuando que o Poder Legislativo terá a sua autonomia ferida pelo Poder Judiciário, caso o STF declare a perda do mandato dos parlamentares condenados no processo do mensalão. O STF tem, sim, de se manifestar e exigir o cumprimento das penas que a Constituição determina, pois, se for deixar para que os deputados a façam isto não irá acontecer, porque lá é a casa que não serve para dar exemplos e muito menos punir deputados condenados e procurados pela justiça. Para o deputado Marco Maia serve o seguinte ditado "manda quem pode e obedece quem tem juízo", pois, ele deixa transparecer que juízo ele não tem nem um pouquinho.

Darci Trabachin de Barros darci.trabachin@gmail.com

Limeira

*

CELSO DE MELLO CALOU O LEGISLATIVO

Depois de 53 sessões, eis que chega ao fim o julgamento do mensalão no STF, com a perda de mandato dos deputados condenados. O STF condenou 25 réus com penas que atingem 282 anos e multas de R$ 22,7 milhões. Se formos levar em conta o prejuízo que o país sofreu nesses anos todos em que a corrupção correu solta, o montante referente às multas é pouco e ficou aquém do que foi surrupiado do povo. Para quem nunca tinha visto nada igual, o STF deu demonstração de ser um poder independente e que tem o dever de tratar a todos com o mesmo rigor da lei. Parabéns ministro Celso de Mello, o senhor deu uma verdadeira aula de civilidade colocando as pessoas no seu devido lugar. O STF detém o monopólio da última palavra disse o ministro decano. Suas palavras ficarão registradas para sempre nos anais da nossa história: "A insubordinação legislativa ou executiva revela-se comportamento intolerável, inaceitável ou incompreensível".

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

ALMA LAVADA

Que pena! Já estávamos acostumados a acompanhar o processo do mensalão. Foram quatro meses de aprendizagem para grande parte da população. Verificou-se a complexidade, a dificuldade e a responsabilidade de um julgamento deste nível. O STF concluiu com louvor seu árduo trabalho. Aguardaremos as consequências das decisões e, principalmente, o cumprimento das penas. Quanto à perda dos mandatos dos condenados, o ministro Celso de Mello definiu com palavra firme: "Insubordinação legislativa ou executiva diante de decisão judicial revela-se comportamento intolerável, inaceitável e incompreensível". Lavou a alma dos brasileiros.

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

BOM SENSO

Parabéns aos ministros Joaquim Barbosa, Luiz Fux, Gilmar Mendes, Marco Aurélio Mello e Celso de Mello pela demonstração de inteligência, sabedoria e principalmente bom senso na votação da perda de mandato dos mensaleiros condenados.

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

O RIGOR DA LEI

Os maus representantes do povo na Câmara federal continuam dando péssimos exemplos ao cidadão brasileiro, fazendo do Legislativo a casa do corporativismo e confirmando a existência do "mensalão" até os dias de hoje. O seu presidente, Marco Maia (PT-RS), afirma que não respeitará a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) quanto à cassação dos deputados condenados na ação penal 470 (mensalão), cuja providência deveria ter se antecipado, com o objetivo de melhorar a imagem do Congresso. O mínimo que qualquer cidadão brasileiro tem o dever e a obrigação de cumprir é a Constituição e as decisões judiciais, mesmo que não esteja de acordo com a sentença. A atitude tomada demonstra a prepotência, arrogância, petulância, desobediência e desacato à nossa Carta Magna. Afinal os condenados passaram a ter "ficha suja", mesmo que as sentenças não tenham transitado em julgado. O País está subjugado a pessoas que jamais poderiam ocupar um cargo de tamanha relevância. Se a intenção era confrontar o Judiciário e o povo brasileiro está conseguindo, não se sabe por quanto tempo, mas certamente arcará com os rigores da Lei.

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

CONFIANÇA

A sensação que fica para a maioria da população, creio, é de que o Supremo agiu certo ao cassar o mandato dos deputados condenados pelo julgamento do mensalão. A razão principal é que a Câmara e a maioria de seus integrantes não são confiáveis. Iriam provavelmente livrar os criminosos de perderem seus mandatos, em voto secreto. O corporativismo cego e a equivocada defesa de colegas iriam criar uma situação ainda pior que a atual: deputados condenados pela última instância da Justiça, exercendo o que resta de seus mandatos, como se nada tivesse acontecido.

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo

*

QUEM USURPOU O QUÊ?

O "cândido" deputado Marco Maia faz parte da tropa de choque petista. Afirmar que o STF, numa lição cível, jurídica e democrática, condena a quadrilha que orquestrou e executou o "in"existente mensalão, usurpou o direito da Câmara de julgar, lembremos que através de voto secreto, os seus pares e portanto com decisões totalmente corporativas, demonstra uma tremenda falta de vários coisas, que vai de encontro as palavras correntes do chefe-mor do esquema. O desprezo pelas instituições é enorme, especialmente se for o Judiciário, já que o Executivo perdoa. Aproveito o ensejo para demonstrar o verdadeiro sentido da palavra usurpar ao nobre "para"lamentar. Usurpar: 1. Apoderar-se violentamente ou fraudulentamente do que pertence a outrem, 2. Chegar a possuir sem direito, 3. Obter (alguma coisa) por fraude, à viva força. Deputado Maia, quem usurpou e tem usurpado o que pertence aos brasileiros nos últimos dez anos, como nunca antes na história deste país?!

Renato Camargo natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

*

ÚLTIMA PALAVRA

Por favor, alguém avise o Sr. presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, de que o Supremo Tribunal Federal é o guardião da Constituição federal e, portanto, sobre ela dá a última palavra. Que decisões judiciais se cumprem não se discute e, finalmente, que descumprir decisões da Justiça constitui crime.

Adelina Bitelli Dias Campos adelinabitelli@uol.com.br

São Paulo

*

O REFORÇO DE DIRCEU

Sobre a decisão de cassação dos mandatos dos deputados condenados pelo mensalão, o presidente da Câmara, Marco Maia, declarou que a decisão tomada pelo Supremo Tribunal Federal não encerra o assunto, pois a decisão contraria a Constituição. Afinal de contas, a quem ele entende que cabe fazer a correta interpretação da Constituição? Ao Judiciário ou ao Legislativo? Será que Marco Maia acha mesmo que o STF tomou uma decisão inconstitucional, ou está apenas embarcando numa canoa furada, fomentado por José Dirceu, que ontem disse a seus seguidores que "agora é reforçar o Marco Maia"?

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

INGERÊNCIA NA QUADRILHA

O presidente da Câmara, Marco Maia, do PT, claro, está certo. De fato o STF está cometendo uma ingerência na quadrilha criminosa que atua naquela Casa. Quem convive tranquilamente com uma quadrilha criminosa que rouba dinheiro público não vê nada de errado no que os criminosos condenados fizeram, só pode ser farinha do mesmo saco que os tais criminosos. Um cidadão de bem, honrado, não dá a mão a bandido, não toma cafezinho com criminoso, não dá tapinha nas costas de quadrilheiro.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

INVERSÃO DE VALORES - PRECARIEDADE

Só é possível entender as afirmações do presidente da Câmara, Marco Maia, porque aqueles condenados são pessoas que sustentaram a trama (mensalão) de seu partido (PT). E cairia muito bem um processo de prevaricação para esse presidente do (este, sim, precário) Legislativo, pois ninguém quer ficar pagando alto salário para deputado condenado por desvio de dinheiro, mesmo que sejam seus amigos, Sr. presidente da Câmara! Parabéns, STF!

Flávio Cesar Pigari flavio.pigari@gmail.com

Jales

*

JUSTIÇA SEJA FEITA

O presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), declarou de deve recorrer da decisão dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) pela perda dos mandatos dos deputados João Paulo Cunha (PT-SP), Valdemar Costa Neto (PR-SP) e Pedro Henry (PP-MT). É lamentável que o presidente da Câmara queira afrontar o Supremo Tribunal Federal (STF) para defender deputados corruptos que já foram condenados. Presumo que a decisão do Supremo veio ao encontro da maioria dos brasileiros que clama por justiça nesta Pátria amada chamada Brasil.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

INVASÃO E USURPAÇÃO PELO ST

O presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT- RS), declarou à grande imprensa que o STF invadiu competência e usurpou funções do Poder Legislativo, a que pertence a Câmara dos Deputados, ao cassar os mandatos de três deputados federais. Na realidade, a Suprema Corte nem invadiu nem usurpou funções da Câmara dos Deputados, exceto na visão corporativista e despreparada do presidente da Câmara dos Deputados, que se esquece de que o STF é Corte constitucional, a ele cabendo interpretar as divergências constitucionais. Os deputados condenados sofreram, também, pena de perda de seus mandatos, operando-se, pleno jure, o decisório maior da Corte, cabendo à Câmara dos Deputados, só e simplesmente, aplicar a decisão e afastar os deputados, mesmo porque, se presos, não poderiam legislar da cadeia. E, relembre-se, caso o presidente Marco Maia não queira cumprir o decisório, cometerá crime de desobediência e mais outros, cujo julgamento, também, ocorrerá na Suprema Corte. A oposição concorda com o STF. Mas o PT não quer. Pensem bem se a agremiação partidária obtiver a hegemonia neste país?

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

UMA PIADA

O presidente da Câmara dos Deputados não quer que os três deputados cassados pelo STF percam seus mandatos, isso quer dizer que, se eles um dia forem presos de verdade, teriam de trabalhar dentro de um presídio o que não é muito diferente do local onde trabalham. Ou a segunda opção é que o STF quer dizer "Supremo Tribunal Faz de conta". O Brasil é mesmo uma piada que faz piadas com portugueses.

Manoel José Rodrigues manoel.poeta@hotmail.com

Alvorada do Sul (PR)

*

OS PRECÁRIOS

Entendo perfeitamente que o presidente da Câmara, Marco Maia, cujas únicas preocupações são levar a família para ver jogos de futebol no exterior e ser dirigente do Grêmio, afirme que a decisão do STF de cassar o mandato dos deputados envolvidos no escândalo do mensalão seja precária. Mas ouvir o mesmo de Ricardo Lewandowski é absolutamente inverossímil. Se para cada decisão que o STF tomar o plenário devesse contar com 11 ministros, então o douto Lewandowski poderia sugerir o recesso da Suprema Corte até a nomeação dos ministros faltantes.

Leão Machado Neto lneto@uol.com.br

São Paulo

*

IMPUNIDADE, NÃO MAIS!

Ao final e ao cabo o STF deixou um claro recado ao Congresso. É o guardião da Constituição, é quem deve interpretar o que ela diz e como deve ser cumprida. Isso não cabe aos "aspones" do Congresso nem aos parlamentares. Portanto, se Marco Maia quiser proteger seus companheiros, acostumados a impunidades e "jeitinhos" (odiosa palavra) terá de mudar de país. Aqui não. Não mais!

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

RECURSO

Agora eu quero ver se de fato o Sr. Marco "Fala Grosso" Maia peitará a decisão do STF ou colocará o rabinho por entre as pernas. Afinal, como se diz aqui no interior, macaco que muito pula quer chumbo.

Alexandre Funck afunck1@gmail.com

Bragança Paulista

*

MELHOR TOMAR CUIDADO

Estou pagando para ver o gaúcho macho Marco Maia bater de frente com o STF. Aliás, o PT deve mais é ficar quieto no seu canto, pois o Barbosão está louco para enquadrar o Lula, o santo do pau oco no esquema da Rose.

Mustafa Baruki mustafa-baruki@bol.com.br

São Paulo

*

FALTA UM

Finalmente podemos nos orgulhar da Justiça brasileira. Terminou o julgamento da ação do mensalão com uma vitoria de 5 a 4 em favor dos ministros do STF que votaram junto com o relator, pela cassação automática dos direitos políticos dos deputados condenados. Foi uma verdadeira aula de jurisprudência que o ministro Celso de Mello proferiu quando justificou o seu voto pela cassação automática dos políticos já condenados. Agora, queremos ver se o Legislativo vai deixar de cumprir está decisão como declarou o presidente da camara dos deputados o petista, Marco Maia. Para mais uma alegria do povo brasileiro, além da vitoria do Corinthians, resta enquadrar e condenar o grande chefão, Luiz Inácio Lula da Silva. O cerco já começou, o excelente ministro e presidente do STF, Joaquim Barbosa, como um toureiro, já está aguardando com sua capa preta (não vermelha) o grande julgamento do século. Pedimos ao Marcos Valério, não se acovardar, mesmo diante das ameaças, e continuar fazendo as denúncias prometidas. Isso poderá reduzir sua pena de mais de 40 anos de reclusão.

Valdy Callado valdypinto@hotmail.com

São Paulo

*

USO DAS AGÊNCIAS

Os governos do PT são os verdadeiros responsáveis pelo escândalo de tráfico de influência envolvendo diversas agências reguladoras, ao oporem-se a conceder a autonomia necessária para seu funcionamento e gestão técnica. Uma pena termos que assistir a isto que, logicamente, mais cedo ou mais tarde, era certo que aconteceria.

Flavio Langer diretoria@spaal.com.br

São Paulo

*

OPOSIÇÃO VEGETARIANA

Diante dos últimos acontecimentos,fico a imaginar o que teria acontecido a Fernando Henrique se houvesse cometido uma parte ínfima dos crimes perpetrados pelo seu indigitado sucessor e seus quarenta petralhas. Por muito menos,certamente teria seu mandato cassado,pois àquela época havia oposição. Certo que exagerada, mas valente, atuante, carnívora, até mesmo antropófaga. Bem diferente da atual. Frouxa,medrosa,vegetariana, refém de seus próprios malfeitos e temores. A inação é tamanha que seria melhor fazer o que fez a oposição na Venezuela, que saiu de cena,entregando o governo definitivamente para a situação. Seria menos frustrante para nós que neles votaram esperando alguma reação contra os desmandos do PT e do ex-presidente. Cansamos de tanta pusilanimidade. Da primeira vez não fizeram nada.Deixariam sangrar até morrer. Agora, é mera repetição. Que Lula e Dilma sejam felizes para sempre!

José Carlos Vendramini zkfleury@uol.com.br

São Paulo

*

AMEAÇAS DE GILBERTO CARVALHO

O ministro Gilberto Carvalho em vez de ficar ameaçando a ordem pública afirmando com o mesmo DNA do MST que em "2013 o bicho vai pegar", usando inclusive dependências públicas para se manifestar (vide parte da faixa presidencial no quadro na parede), deveria estar se preparando para responder junto a Justiça brasileira seu envolvimento na morte de Celso Daniel. Além do que, usar dependências públicas para manifesto de desordem pública é caso de demissão sumaria. Mas já que o ministro coloca todo o PT na mesa em apoio irrestrito as maçãs podres, que tal o Ministério Público cobrar do partido a conta do que roubaram? Os cofres públicos ainda precisam ser ressarcidos dos R$ 150 milhões roubados.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

BRINCANDO COM FOGO

Para o fundamentalismo xiita dos petistas eles não apenas assumiram a administração do governo, mas tem a convicção de que ao ganhar a eleição ganharam também uma capitania partidária de 4,5 milhões de km2. Os direitos constitucionais, o acatamento às decisões judiciais, o estado de direito, a cidadania, o acatamento aos poderes constituídos, tudo isso está sendo transformado em fragmentos de papel higiênico usado. Observem a petulância de algumas cabeças coroadas, militantes do Partido dos Trabalhadores: Gilberto Carvalho é ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, desce ao seu vocabulário oficial e prevê que "2013 será um ano "brabo", "em que o bicho vai pegar". José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil de Lula, julgado e condenado pelo STF a ver o sol nascer quadrado, ataca a Suprema Corte e a imprensa por não consentirem a legalização da corrupção e roubo de dinheiro público. José Dirceu diz que vai conclamar o povo a sair às ruas em defesa de Lula e deve contar como certa a participação de todas as entidades que vivem abocanhados nas opulentas tetas do governo. Isso é incitação à baderna, é uma ameaça à paz social. Alguma providência precisa ser tomada. O Brasil não é uma ilhota do Pacífico habitada por aborígenes.Parece que o programa preferido na TV, pelos petistas é Vale a Pena Ver de Novo. Deu para entender?

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

OS VETOS EM VOTO

Os parlamentares decidiram votar todos os vetos não votados até agora em uma única sessão. Vejam só. Em uma única sessão vão apreciar em bloco 3.059 vetos, para que o veto sobre os royalties possa ser apreciado. Vai ser na base do quem aprova fica sentado e quem não aprova fique em pé. Nem sabem o que vão votar. Nem sabem qual foi o veto. Bagunça e zorra generalizada. É este o nosso Congresso. E o povo assisti a isso passivamente. Paga para estes caras fazerem isso. Em 2014 serão reeleitos a maioria deles. Parece que o povo gosta. Deve ser masoquismo.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

ROYALTIES DO PETRÓLEO

Acho que o veto do ministro Fux (STF) impedindo a votação do veto da Presidência sobre a decisão dos royalties do petróleo em caráter de urgência pelo Congresso, faz todo sentido. Tem lógica, pois a fila de apreciação de todos vetos deve ter data e sentido recorrente a que se aprecie os que antes chegaram ao Legislativo; afinal o Congresso está lá para atender os interesses da nação como um todo e não de parte dela que se arvora em direitos a obter caráter de urgência pelo que entende ser importante ao que lhe aflige. A marginalia que aquela Casa sustenta, possui interesses outros ligados a um clientelismo explícito. São 3 mil vetos largados em algum canto; simplesmente, deixando-os ao "Deus dará". Um dia responderão a Ele pelo ato de tamanha mesquinhez. São amorais, que sequer cumprem com suas obrigações a que são regiamente pagos. Estarão a guisa de que interesses ou vantagens omitindo-se de suas obrigações em deliberar sobre os vetos como o aumento dos aposentados, ou o fim do fator previdenciário? Vimos de maneira clara e límpida pelo julgamento do mensalão a que migalhas se sujeita um parlamentar para usurpar o direito de milhões de pessoas. Evidentemente, tal processo é apenas a ponta de um iceberg da moral torta deste país, e que lamentavelmente, ainda parece contar com a crendice de parte significativa da população brasileira .

Oswaldo Colombo Filho colomboconsult@gmail.com

São Paulo

*

'INGERÊNCIA POLÍTICA'

A resposta do Sr. Lucio Mena Pimentel (Ingerência política, 18/12, A2), gerente de imprensa da Petrobrás, ao Sr. Silvio Sinedino, "aproveitando o amplo conhecimento , a experiência e competência de seus membros" é ridícula, e a realidade o nega. A Petrobrás vem patinando e perdendo valor exclusivamente pela ingerência política. Basta mencionar a presença do Sr. Mantega na presidência do Conselho, as tolices do Sr. Lula, a subserviência do ex-presidente da empresa, e espero que não da atual presidente. Uma lástima.

André C. Frohnknecht anchar.fro@hotmail.com

São Paulo

*

O GRANDE NEGÓCIO DA PETROBRÁS

A revista Veja publicou uma reportagem sobre a escandalosa aquisição feita pela Petrobrás sob a gestão do Sr. Sergio Gabrielli. Trata-se da compra de uma refinaria nos EUA chamada Pasadena Refining System Inc que era de uma empresa belga, Astra Oil, adquirida em 2005 por US$ 42,5 milhões. A Petrobras pagou no ano seguinte irrisórios US$ 360 milhões por 50% dela sendo que depois pagou mais US$ 839 milhões pelo resto. Só lendo a reportagem para saber que fizemos um grande milagre: pagamos tudo isso por uma refinaria que não consegue refinar o nosso petróleo. Em tempo: agora a Petrobrás tenta se livrar do abacaxi e só conseguiu UMA oferta: US$ 180 milhões... Realmente um negócio da China para os belgas. Quem teria sido o gênio das finanças? Nota: a Sra. Dilma Rousseff era conselheira da Petrobrás na época da compra, ralhou com o então presidente da empresa e depois nunca mais tocou no assunto.

Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo

*

ESTAMOS SENDO SANGRADOS?

Uma revista nos conta que a Petrobrás está perdendo um bilhão de dólares na compra de uma refinaria falida nos Estados Unidos. Um jornal nos conta que a Caixa Econômica Federal pode ter que assumir o Grupo Rede que deve cerca de R$ 700 milhões e que está em dificuldades e do qual se tornou sócia em 2010. A mesma Caixa comprou o Banco Panamericano para descobrir - oh que surpresa! - que havia fraudes que a "due diligence" não percebeu e que o FGC cobriu mais do que depressa. Digamos que nada disso foi corrupção - que compete ao TCU investigar - mas se o retorno do "Estado Empresário" demonstra essa competência, é recomendável comprarmos uma participação em um banco de sangue porque, em breve, teremos perdido uma boa parte do nosso.

Aldo Bertolucci accpbertolucci@terra.com.br

São Paulo

*

INEXPLICÁVEL, INCONCEBÍVEL

Alguém consegue explicar como a Petrobras conseguiu pagar mais de US$ 1 bilhão para ficar com uma refinaria em Pasadena, no Texas, que não consegue vender nem por US$ 200 milhões, uma vez que não deve valer a metade disso? Alguém imagina que tenha sido apenas mais um negócio mal feito como tantos que a empresa fez sobre a gestão petista? Será que ninguém desconfia que parte dessa quantia fabulosa tenha ido parar nos bolsos de companheiros sortudos ou até nos cofres do partido? E os crápulas ainda têm o desplante de falar em financiamento público de campanha. Querem mais financiamento público além desse roubo descarado de recursos da estatal? E os biltres ainda falam em defender um suposto legado. Será que o cinismo desses facínoras não tem limites?

José Benedito Napoleone Silveira nenosilveira@aim.com

Campinas

*

REAÇÃO (IN)ESPERADA

Quatro dias após o assassinato de 20 crianças em uma escola no estado americano de Michigan, o governador desse Estado quer aprovar uma lei pela qual os professores serão treinados e poderão portar armas. Será que para acabar com a violência é melhor armar o desarmado ou desarmar o armado?

Marcos Abrão m.abrao@terra.com.br

São Paulo

*

TRAGÉDIA EM NEWTOWN

Para reconhecer as causas desses massacres absurdos é preciso ter humildade (vem de húmus, verdade) e o povo americano tem sido orgulhoso neste sentido. Reconhecer as verdadeiras causas pressupõe alguns sacrifícios para assumir compromissos que aparentemente complicam uma vida que tem sido muito cômoda e confortável. As causas destas tragédias têm se manifestado particularmente nos filmes americanos, que são cheios de violência e de culto ao materialismo exacerbado e à falsa sensualidade. Estas causas têm gerado muitos filhos abandonados por famílias desestruturadas e também filhos que são tratados como objetos, cujo funcionamento dependem apenas de alguns cuidados materiais. Só o amor verdadeiro consegue preencher o buraco negro que o ser humano tem no seu enorme coração e quando isto não acontece a vingança deste pobre coração pode ser terrível. É com esta natureza humana que precisamos aprender a ser feliz.

Marisa Stucchi marisastucchi@hotmail.com

Ribeirão Preto

*

APCA

A Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA) elegeu o ator José de Abreu o melhor ator de TV de 2012. Ele é militante petista de carteirinha. E ainda premiaram a vida de Carlos Marighela como a melhor biografia do ano. Então, a APCA deveria mudar seu nome para Associação Petista dos Críticos de Arte.

Marcelo Cioti marcelo.cioti@gmail.com

Atibaia

*

JOSÉ DE ABREU, QUE BOBAGEM

A pessoa deve ter seu partido, seus amigos, seu time, sua religião, de forma livre, mas ao apoiar um político que usurpou de seu poder, roubou um país, não deve ser apoiado publicamente, ainda mais por um ator que, na minha opinião, despenca em meu conceito ao fazê-lo. Apoio público, qual é? Ainda não desencorporou o papel do "Nilo" do lixão? Pense com carinho nisso, é o tipo de forçassão de barra que o povo não precisa. Respeite as pessoas, no mínimo! Que feio.

Roberto Moreira Da Silva rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

*

O ESPORTE PARAIBANO

Meu nome é Huan Silva Lima, paraibano de Campina Grande, e venho através deste mostrar minha indignação com a forma que a jornalista Débora Bergamasco se referiu às duas maiores forças esportivas do Estado da Paraíba em sua matéria intitulada Senador dá verba a times na várzea da Paraíba (18/12/2012). Entendo que não foi a maior intenção dela retratar as equipes campinenses dessa forma, mas mostrar a forma como o dinheiro público estaria sendo aplicado no estado através do político em questão. Porém ela não teve a preocupação de conhecer os clubes, pois se o tivesse feito saberia que são clubes profissionais e que possuem as maiores torcidas do Estado, inclusive chamados de maiorais por essas bandas. Portanto a população campinense pede um mínimo de respeito a história dos nossos clubes, patrimônios desta cidade que é a segunda maior do interior do Norte-Nordeste do Brasil.

Huan S. Lima huan_maxi@hotmail.com

Campina Grande (PB)

*

UM ENIGMA COLETIVO

Luiz Zanin pauta instigantes questões sobre o fenômeno de massas Corinthians, que, diversamente de outras agremiações, cresce mesmo nos períodos áridos. Será o preto e branco, cores em que se divide nossa população? O distintivo incomparável, obra prima do artista plástico e seu ex-jogador Francisco Rebolo? A solidariedade do proletariado? Deixemos para os junguianos decifrarem esse segredo do inconsciente coletivo. Mais importante na análise está nesta vitória do coletivo sobre o individual, na derrota dos bilhões do clube saxão e de suas estrelas. Os capitalistas do futebol certamente não gostaram. Como ficarão as estonteantes transações de atletas, se o coletivo bem orquestrado tomar o lugar do individual glamouroso?

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

MUNDIAL DE CLUBES

Segundo notícias da Espanha, na pesquisa entre os jogadores do Barcelona, venceu o seguinte: no campo nós empatamos com o Timão, mas na torcida, perdemos.

Roberto Hungria cardosohungria@gmail.com

Itapetininga

*

A MARCA DOS CAMPEÕES

Alguns times campeões têm um Messi ou um Neymar, outros, um Cássio.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

CORINTHIANS!

Por que o nosso povo não se mobiliza para reivindicar seus direitos, não se mobiliza para lutar contra a corrupção que impera em nosso país como se mobiliza para festejar um simples campeonato de futebol?! Quando seremos realmente politizados?! Pobre país!

Francisco José Cardia info@grandehotelbraganca.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.