Fórum dos Leitores

2012

O Estado de S.Paulo

24 Dezembro 2012 | 04h34

Ano lastimoso

Que ano lastimoso para o Brasil o de 2012. Quantos problemas sociais agravados, quanta roupa suja foi para debaixo do tapete... Mensalão e mensaleiros fazendo sua festa particular, parlamentares tentando aprovar 14.º e 15.º salários, (quando o funcionário comum recebe apenas um 13.º e ainda parcelado...). No exterior, para a presidente e o ex, tudo uma maravilha: declarações de ética, progresso, paz! Negam-se de peito aberto os desmandos governamentais, a corrupção, que se alastra de maneira vertiginosa, fatos degradantes que não são apurados (como a morte de Celso Daniel), recursos na mãos de auxiliares inescrupulosos, violência incontrolável, etc., etc. Contudo o povo brasileiro ainda procura manter o bom humor, festejar o Natal com a família e se descobrir, de alguma forma, feliz! E, sobretudo, deseja que o novo ano que se avizinha seja, realmente, o Ano da Graça!

RUTH DE SOUZA L. HELLMEISTER

rutellme@terra.com.br

São Paulo

Politicamente falando

Acredito que sejamos o único país no mundo onde Papai Noel passa o ano todo sem esvaziar o saco.

VIRGÍLIO MELHADO PASSONI

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

MENSALÃO

Ceia

Quem espera sempre alcança! Com certeza teremos pizza meia mensalão meia cachoeira para o Natal. O chef pizzaiolo, Joaquim Barbosa, já as colocou no forno do Supremo, para o regalo dos condenados em questão. Enquanto isso, o incauto eleitor continua comendo pão de farinha misturada com bromato de potássio e mortadela estragada. Feliz Natal, ministro Barbosa! Bom Natal a todos!

ROBERTO STAVALE

bobstal@dglnet.com.br

São Paulo

Sob pressão

O ministro Joaquim Barbosa amarelou, decerto sob pressão de petralhas. O Supremo Tribunal Federal (STF) já deve estar preparando o forno para assar as pizzas dos mensaleiros.

FRANCISCO TEIXEIRA

francisco44teixeira@gmail.com

São Paulo

Banho de água fria

Foi, sem dúvida, decepcionante o presidente do STF não ter decretado a prisão dos mensaleiros de imediato. Fica a impressão de que, para haver justiça, é obrigatório percorrer uma imensa burocracia jurídica, sobretudo sabendo que os condenados farão inúmeras tentativas protelatórias e vão consegui-las. Se depois de anos de análise e meses de discussões, durante o julgamento, eles foram condenados, qual seria a firula jurídica a modificar a situação? A decisão fez balançar, novamente, a crença de que desta vez a justiça "vai" ser feita - ou, melhor, "ia". Sim, foi um banho de água fria na esperança dos brasileiros de que a justiça venceria o crime. Agora, resta esperar para ver se desenrolar, como sempre, a "burrocracia" brasileira.

FABIO FIGUEIREDO

fafig3@terra.com.br

São Paulo

Julgamento isento

A decisão do ministro Barbosa, ainda que muitos desejassem que os larápios do mensalão passassem as festas de fim de ano na cadeia, mostrou sensatez, equilíbrio e, principalmente, total isenção quanto a um julgamento político. Esperamos que os srs. Rui Falcão, Gilberto Carvalho e, principalmente, o sr. Marco Maia recolham-se às respectivas insignificâncias, pois não conseguirão transformar nosso país numa Cuba, desmoralizando a maior instância de nosso Judiciário.

ROBERTO L. PINTO E SILVA

robertolpsilva@hotmail.com

São Paulo

Lei é lei

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, tentou usar Joaquim Barbosa para prender sem delonga os condenados do mensalão. O sr. Gurgel precisa se alimentar de ética.

FAUSTO FERRAZ FILHO

faustofefi@ig.com.br

São Paulo

A tragédia de Dirceu

José Dirceu declarou que, para ele, é "uma tragédia ser preso aos 66 anos". A verdadeira tragédia é, aos 66 anos, ter sido condenado por trair a confiança de um povo trabalhador e pagador de impostos. Isso para beneficiar não só a si mesmo, como o grupo que se apossou do governo brasileiro. Tragédia será se a Justiça falhar e ficarmos convencidos de que neste país o que vale são a safadeza e a desonestidade. Aos 66 anos, muitos brasileiros continuam trabalhando para tentar sobreviver com os seus parcos salários. Enquanto isso, o dinheiro que lhes foi usurpado (teria outra expressão melhor?) não chegou a eles em forma de bons serviços de saúde, segurança e educação. Será que agora Dirceu terá remorso do feito? Ou será que alguma força maior poderá lhe beneficiar a ponto de, em liberdade, continuar com o seu sorriso irônico dando declarações agressivas e sem moral?

ALBERTO CARUSO

albertocaruso@uol.com.br

São Paulo

BOAS-FESTAS

O Estado agradece e retribui os votos de feliz Natal e próspero ano-novo de Alcides Lopes Tápias - Aggrego Consultores; Aloisio A. de Lucca; Antonio Bias Bueno Guillon - Fundação Conrado Wessel; Antonio Carlos Gomes da Silva; Assessoria de Imprensa e Comunicação Secretaria Municipal de Segurança Urbana; Associação Brasil Parkinson - Samuel Grossmann, presidente; Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa (Abep); Celita Procopio de Carvalho - Fundação Armando Alvares Penteado; Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil/UNIC Rio; Climatempo; Comgás; Equipe da Associação Terapêutica de Estimulação Auditiva e Linguagem (Ateal); Equipe do Instituto de Estudos Avançados da USP; Felipe Farah, Renata e Pedro; Fialdini, Guillon Advogados; Flávio Cesar Pigari; Fundación Konrad Adenauer - Programa Medios de Comunicación y Democracia en Latinoamérica; Gerência de Imprensa da Petrobrás; Giselle Oliveira - Ibmec Belo Horizonte; Isabela, Bernardo, Cristine e Eduardo Paes, prefeito; Ives Gandra da Silva Martins - Advocacia Gandra Martins; João Mellão Neto; Jô Ristow - CDN Comunicação Corporativa; José Eduardo Victor e Lucas Fiorelli Victor; Lody Brais; Luis Henrique Carvalho; Luiz Carlos Zacari; Luiz Fernando Dias da Silva; Luiz Flávio Borges D'Urso; Mailson da Nóbrega; Marcelo de Paiva Abreu; Marcos Hoff; Marcos Wilson - Odebrecht; Maria Aparecida R. Carmineti; Mauro Miaguti (vereador) Câmara Municipal de São Bernardo do Campo; Natura; Noriteru Fukushima - cônsul-geral do Japão em São Paulo; Ógui Public Relations; Osmar Maeda; Patrícia Boudakian e Gustavo De Gaspari; Rede Globo; Ricardo Viveiros & Associados - Oficina de Comunicação; Rubens Barbosa; Valéria Rossi - ExxonMobil; e World Bike Tour.

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

NATAL

Cristo na manjedoura. Vê o estábulo. Sente o cheiro do suor dos burros. Ouve conversas. Uma mulher meiga o afaga. Sabe que vai se separar dela. Ouve a voz de um homem bom. Falam em anjos, numa estrela e em reis que a seguem para visitá-lo. Sente o odor da terra e do feno. Começa a compreender seu destino. Sabe que um dia será um dos três entre os madeiros. Capta o medo dos que fugirão com ele, para não serem degolados. Sente as primeiras necessidades do homem. Aquela mulher o limpa suavemente. Compreende que no planeta aonde veio reina o bem e o mal e que lhe caberá dar lições sobre eles. Alguns justos o acompanharão. Não passarão de 12. Um será o traidor e confessará. Outro o negará três vezes, mas fundará sua igreja. É judeu e seu povo o entregará aos romanos. Essa a missão que veio cumprir. Não terá família, não terá filhos. Nesse dia começou sua missão. Esse dia será comemorado no mundo. Os justos e os injustos trocarão presentes. Em outro dia carregará uma coronha de espinhos. Na cruz pensará em uma mulher que não foi sua. E ao cair da noite sucumbirá por todos. Mas naquele momento chora, como todos

ao ver a vida. Percebe que os habitantes desse mundo são muito estranhos.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

CLIMA DE FESTA

Por mais pragmáticos e realistas que sejamos, não há como fugir do clima festivo de final de ano, que a todos envolve. Tal realidade remonta ao início das civilizações, é uma necessidade inexorável, para que possamos sobreviver, com um mínimo de higidez emocional, às angústias e tensões da vida humana, de ontem, de hoje e de sempre. Quanto a nós, neste canto de mundo que é o Brasil, esperemos de nossas verdadeiras lideranças saibam conduzir com sabedoria os destinos desta grande nação e sua imensa população. Oremos.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

ESPÍRITO NATALINO

Está difícil partilhar destes Natais em que as pessoas sentem-se forçadas a gastar o que não podem. Natal dos presentes obrigatórios, Natal dos amigos (nem sempre amigos) secretos. Sinto-me pressionado a montar uma árvore de Natal até hoje não comprada, de enfeitar minha casa com luzes artificiais. Já vieram me perguntar o que eu gostaria de ganhar, o que havia comprado de presentes, onde vou passar a noite de Natal. Estou cansado dos Natais em que o aniversariante nunca é lembrado, de ter que olhar para Papais Noéis, invenção do comércio. Não sou contra o comércio, pelo contrário, o comércio gera trabalho, dignidade e segurança. O que entristece é saber que o Natal está reduzido apenas ao consumismo, nos afastando do verdadeiro espírito natalino. Feliz Natal!

Carlos Iunes carlosiunes@bol.com.br

Bauru

*

PAPAI NOEL

O Papai Noel deste ano não é branco, não usa barba nem roupas vermelhas. Feliz Natal, mensaleiros!

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

PEGADINHA

O ministro presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) conseguiu fazer a melhor pegadinha do ano. O "fim do mundo", segundo o calendário Maia (nada que ver com o Marco), teria sido na sexta-feira (21/12), mas quase foi o "fim do mundo" para os condenados da ação penal 470 (mensalulão), caso tivessem que passar o Natal e a passagem de ano na prisão, merecidamente. Ministro Joaquim Barbosa, valeu o susto!

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

DECEPÇÃO

Excelentíssimo presidente STF, Sr. Joaquim Benedito Barbosa Gomes. Com a devida vênia, o Sr: só não me decepcionou, como decepcionou grande parte da população brasileira...

Benedito Raimundo Moreira br_moreira@terra.com.br

Guarulhos

*

TODOS SALVOS

Depois de nervosas expectativas os dias 21 e 22 de dezembro não passaram de um falso temor protagonizado no primeiro dia por um calendário maia onde a Terra seria reduzida a um monte de poeira espacial por desejo e ordem de uma trindade formada pelos deuses Tepeu, Cucumatz e Huracán. O dia seguinte ou dia "D" dos mensaleiros era aguardado pela atuação do presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, que, favas contadas, mandaria para o lado de dentro das grades os mensaleiros condenados. Nada disso aconteceu. A Terra continua rodando no mesmo sentido. Os mensaleiros, com todas as suas maldades, passarão o Natal em suas casas, com suas famílias. Joaquim Barbosa agiu com a sabedoria de um Salomão etíope. Para os bons e para os maus, um feliz Natal e próspero ano novo; e para os pré-colombianos maias, obrigado pelas piadas inspiradas.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

COMOVENTE

É interessante como os vilões ficam sensíveis na época do Natal. Os réus do mensalão, que foram anistiados, posto que seriam mandados para a prisão ainda antes do fim desse mês, aparecem agora na mídia emocionados pois irão passar as festas de fim de ano junto de seus familiares. Ah tá, muito comovente! Agradeçam ao Joaquim.

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

O STF SOU EU

"L'Ètat c'est moi", Luiz XIV de França proferiu essa pérola ("O Estado sou eu") no apogeu do absolutismo na França e em toda a Europa. O ministro Joaquim Barbosa cometeu também uma pérola, ao falar da Constituição nacional, querendo calar a boca daqueles que sabem da inconstitucionalidade das punições recentes aplicadas pelo STF na Ação Penal 470: "A Constituição é aquilo que o Supremo Tribunal Federal diz que é" (Carta Capital, edição 728, página 19). Mais não disse. O absolutismo do ministro beira à senilidade. O Supremo, segundo me consta, existe para defender a Constituição e não fazer dela o que ele bem entender. Lamentável. Joaquim Barbosa fala seis línguas, tem doutorado, etc., uma sumidade. Não podemos nos esquecer de que Fernando Henrique Cardoso, também tido como intelectual, fala línguas e foi até professor na Sorbonne, famosa universidade francesa. No entanto, "vendeu-se" e "vendeu" o Brasil. Não gostaria de acreditar que o Supremo também esteja "vendido". Seria a derradeira tragédia a nos assolar. Depois dela o golpe. Lamentável. Apenas faltou ao ministro, tal qual o rei francês, dizer: "O STF sou eu".

Jeferson Malaguti Soares cmbh1434@hotmail.com

Ribeirão das Neves (MG)

*

EXEMPLO

Com a surpreendente decisão de Joaquim Barbosa, em deixar esse bando de ladrões do PT livre para passar o Natal e o carnaval, daqui para a frente, vou passar a roubar, porque ser honesto neste nosso país é sinônimo de burrice.

Paulo Francisco Siqueira dos Santos paulof.santos@hotmail.com.br

Santa Rita do Passa Quatro

*

PRISÃO NEGADA

Claro que adoraria ver os condenados do mensalão serem presos. Seria o melhor presente de Natal que eu ganharia este ano. Mas entendo perfeitamente a decisão do ministro Joaquim Barbosa, que mais uma vez provou ser o homem certo para presidir o STF.

O mais importante já foi feito: a condenação dos mensaleiros. Quanto ao cumprimento das penas, ela ocorrerá no momento certo. Quem tem pressa come cru. Vamos aguardar com calma. Boas festas a todos os brasileiros!

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

RECORRENDO A QUEM?

Excelentíssimo senhor ministro Barbosa, pelo amor do que ou de quem lhe for mais precioso, não me faça pensar que lhe falta inteligência. Prefiro pensar me falta inteligência. Para que eu não me sinta extremamente burro, no sentido mais chulo da expressão, me explique duas questões. Primeira, pelo que entendo o STF está acima de qualquer outra instância, correto? A decisão de não mandar os condenados do processo conhecido como mensalão para a prisão é porque eles podem recorrer a outras instâncias, correto? Estas instâncias são inferiores ao STF, correto? Se o STF é a instância máxima, porque a necessidade de deixar espaço para os condenados buscar todas as instâncias inferiores? Ministro, explique-me mais uma coisa, se existia a possibilidade ou o correto seria os indiciados no processo passarem por instâncias inferiores, por que nenhum ministro do STF levantou esta questão logo no inicio do processo? Ministro, fico com a impressão de que todo este julgamento foi uma grande peça de teatro, com começo, meio e fim, com um final trágico para os espectadores e um final feliz para parte do elenco. Excelentíssimo ministro Barbosa, sou obrigado a ficar com a impressão que o STF está exercitando as receitas de pizzas de uma das casas vizinhas, e que o senhor acha que somos verdadeiros idiotas.

Clézio D. Goulart clezio_goulart@yahoo.com.br

São Paulo

*

LIVRES E SOLTOS

Para aqueles que acreditavam que José Dirceu, João Paulo Cunha e companhia limitada fossem passar o réveillon atrás da grades, podem tirar o cavalinho da chuva... Lá em Brasília (DF), o forno para essa pizza estava aquecido faz tempo.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

CÉU AZUL, SEM TEMPESTADES

Quem sou eu para discordar dos luminares ministros do STF? E até creio que o ministro Barbosa, negando prisões agora para os mensaleiros, está certo por não dar chances à matilha de criticar e entrar com mil recursos. O problema é que agora só em fevereiro ou março (ainda?) que será discutida outra etapa que mais uma vez abrirá chances para os variados recursos advocatícios dos réus. Daí, de etapa em etapa, permeada de recurso em recurso, o horizonte para os réus tem cara de céu azul sem tempestades, porque eles sabem que aqui tudo termina assim, em "merda" pura mesmo. Troquei o adjetivo, porque esse costume de misturar a palavra pizza com a safadeza dos políticos é uma ofensa a este delicioso alimento cultuado por nós, paulistas com descendência italiana.

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

São Paulo

*

PRÓXIMOS CAPÍTULOS

Parece ter acabado o encanto da fúria moralista que havia tomado conta do presidente do STF, ministro Joaquim Barbosa, a qual todo o povo aplaudiu. A ilustre figura resolveu refrescar a vida da quadrilha petista e asseclas, já condenada, com a postergação das prisões. Lamentável. Terá sido pressão ou o nosso querido ministro enganou a todos e tudo irá ficar como antes no quartel de Abrantes? Com o relaxamento das detenções, a tal quadrilha vai ficar impune pois a nossa justiça é mais lerda do que uma tartaruga sem as pernas dianteiras e, com isso, as coisas cairão no esquecimento natural. Vamos esperar os próximos capítulos.

Fernando Faruk Hamza botafogorio@bol.com.br

Rio de Janeiro

*

LULA TRABALHADOR

Lula diz que "quem quiser superá-lo terá de trabalhar mais que ele" (20/12, A8). Ora, o Lula nasceu em 1945; foi operário entre 1963 e 1975, ano em que passou a ser presidente do sindicato dos metalúrgicos, com 30 anos, negociando greves com a categoria até 1986, quando foi eleito deputado federal. Entre 1990 e 2002 recebia como presidente do PT. Passou oito anos na presidência arguindo o que mais sabe fazer: negociar. Hoje dá palestras por R$ 200 mil. Aqui, cabe André Guide: "Crê nos que buscam a verdade, duvide dos que a encontraram".

Rodolfo Jesus Fuciji fucijirepresentacao@ig.com.br

São Paulo

*

LOTE PERDIDO

A geração de nascentes em fins dos anos 90 para 2000 é basicamente um lote perdido de seres humanos. Desencadeamento de ações históricas ou fato do destino com a ajuda do PT, os jovens brasileiros estão se desenvolvendo em um ambiente educacional muito confortável, e isso não é bom. As leis no Brasil são duras, mas controladas por mãos frouxas. Ainda temos uma minoria com privilégios, o que acarreta animosidades junto às classes mais educadas, combinada com uma classe política errática, questionável, sem credibilidade, que por sua vez passou a tratar o povo no velho método paternalista. Hoje, os professores se defrontam com jovens preguiçosos em época e Google e Facebook. Para mostrar falsos índices à ONU o Brasil criou uma política de que se deve salvar o jovem de qualquer forma, mesmo este não sendo minimamente capaz, e se for necessário realizando adulterações em documentos para forjar aprovações. Nos corredores isso já virou zombaria entre os alunos indisciplinados, e consequentemente, mais desleixo. Homens e mulheres de verdade devem ser talhados na base do machado. Porém, força de expressão ou não, não é assim que funciona por aqui, porque se vê que ficou confortável ser vagabundo no Brasil. Já temos muitos políticos dessa estirpe, e eles estão contaminando a sociedade com seus mesmos defeitos e vícios. O farto pacote de benesses assistencialistas está apodrecendo nossas estruturas virtuosas, se é que um dia a tivemos. No salve-se quem puder, estamos destruindo o nosso futuro. E para mudar esta situação o socialismo internacionalista deve sair da pauta política em um futuro breve, para o bem da nação, e da razão. Vivemos uma mentira deslavada e não há oposição. Por isso que temos um lote perdido. Seria mais honroso se tivéssemos perdido em uma guerra. Aliás, muitos tombam, mas é devido à violência sem nexo que nossos políticos só fazem crescer, pois se preocupam em cuidar dos sintomas, e não tratam das causas. Causas que começam por eles mesmos.

Luiz Fabiano Alves Rosa fabiano_agt@hotmail.com

Antonina (PR)

*

VAGABUNDO

O vagabundo de hoje, na época do mensalão, não era, atendia a todos com a maior presteza. O tempo passa e quando não serve mais, vira traste. Há um provérbio que diz: "Quem usa cuida", assim como, existe outro que diz: "Em boca fechada, não entra mosca". Não é melhor ficar quieto?

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

QUEM SERÁ?

Por acaso o vagabundo que vive no ar-condicionado será o mesmo coleguinha da famosa Rosemary?

José Luiz Tedesco wpalha@terra.com.br

Presidente Epitácio

*

POSITIVO, COM DONA MARISA

Que bela foto à pagina J7 (Estadão, caderno Aliás de domingo, 23/12). Todos tão felizes, sorridentes, impávidos. Senti falta dos fiéis companheiros: Zé Dirceu, Genoino, Delúbio, João Paulo e tantos outros menos famosos, sem esquecer da dileta Rosemary. Por onde andarão tão ilustres personagens? Certamente, continuam em seu sagrado direito de ir e vir. Nada impediria suas simpáticas presenças ao alegre e animado evento.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br

Campinas

*

MARCO MAIA NA TV

A entrada em rede nacional do presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, no dia 20/12, causou-nos estranha sensação. Por ser desusada tal prática daquela instituição, de imediato sugeriu-se que o deputado Marco Maia entraria no ar para atacar o Supremo Tribunal Federal, uma vez que nesses dias criou grande celeuma ao anunciar que não acataria a decisão do STF em cassar os mandatos dos três deputados envolvidos no esquema do mensalão. Ao dizer para a mídia que compete a Câmara dos Deputados cassar ou não os deputados, Marco Maia deixou explícito sua ignorância em relação à Constituição federal do Brasil, que prevê no artigo 55 inciso VI que "o parlamentar condenado transitado em julgado perderá o mandato". Por ser presidente da Câmara deveria conhecer profundamente a Constituição para não cometer tamanha asneira. Mas ao aparecer ontem na telinha dos brasileiros nada comentou sobre sua ira contra as leis brasileiras e principalmente contra o resultado do julgamento do mensalão que condenou esses parlamentares por estarem cometendo ilicitudes contra o erário brasileiro. Não tocou no assunto. Abaixou o tom... Saiu pela tangente... Apenas discorreu sobre as votações que puseram em dia. Votações segundo ele a favor do povo brasileiro, etc. Que espetáculo deprimente! Venceu o bom senso é claro que ele jamais poderia peitar o STF, as leis, a Constituição do Brasil! Contudo, no que discorreu nada lembrou, nem de longe, o mais importante e que até agora nenhum deputado o fez em dizer ao povo brasileiro por qual motivo a Câmara dos Deputados não cassou (repito) a deputada Jacqueline Roriz que num filme todos os brasileiros viram a mesma colocar na bolsa um pacotaço de dinheiro. Por qual razão o deputado Marco Maia não explicou aos brasileiros o porquê de não terem cassado essa deputada? Por isso de nada adiantou sua aparição em nossos lares, todos nós sabemos que não nos disse nada importante. A verdade continua camuflada na Casa que representa o povo brasileiro. Não é de inteira verdade que representem o povo brasileiro. O povo quer corruptos cassados e não exercendo mandato. O erário brasileiro deve ser respeitado, e isso não acontece, uma vez que a Câmara protegeu a deputada, não a cassando. E se assim é, pouco adianta entrar em rede nacional para nos dar satisfações encobrindo a realidade da verdade. Sabemos que há proteção para indivíduos do crime organizado, porque a CPI do Carlinhos Cachoeira não deu em nada, justamente quando o mesmo anunciou que seria o "Garganta Profunda". Isso quer dizer que, se ele falasse, muita gente rodaria e acabaria com metade ou mais dos parlamentares daquela Casa. Lula já havia dito que haviam 300 picaretas. Esqueceu-se de dizer que seriam 301 picaretas por que ele não contou com ele mesmo. Nossa Casa Legislativa esconde muita coisa do povo brasileiro e se um dia vier a lume poderá acontecer algo muito grave neste País. Não se saiu bem o presidente da Câmara dos Deputados, justamente por esconder a verdade. Por que não explicou o motivo do voto secreto? Não serve para esconder esse tipo de votação? Se absolveram a deputada é porque são iguais a ela e não querem que o povo saiba quem são os que a apoiam, por isso o voto secreto. Isto é lamentável neste País. Portanto, Sr. Marco Maia, não venha outra vez invadir nossa telinha para dizer asneiras, afinal ninguém é babaca para não saber que a verdade fora escamoteada.

Alberto Nunes albertonunes77@hotmail.com

Itapevi

*

É UMA VERGONHA!

O presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT), mostra de forma clara e explícita que os parlamentares condenados por corrupção, sejam eles quem forem, têm na Constituição e no Congresso Nacional o abrigo e a defesa necessários para evitar a cassação de seus mandatos. Deixa claro para a Nação que, na política, o crime compensa e tem imunidade. É uma vergonha!

José Carlos Costa policaio@gmail.com

São Paulo

*

ROSEMARY BRUNET

Agora que ficou escancarada a promiscuidade reinante no Planalto, com a publicação de que dona Rose era conhecida pelos seguranças e membros do segundo escalão como Luiza Brunet, fico a imaginar a indignação da verdadeira Luiza com tal revelação. Sob todos os aspectos.

José Carlos Vendramini Fleury zkfleury@uol.com.br

São Paulo

*

DESPERDÍCIO NO CONGRESSO

Na sessão que iam votar em bloco os mais de 3 mil vetos que estavam em aberto, e que acabou não sendo realizada, foram distribuídos para cada parlamentar um calhamaço de 463 páginas. Imprimiram mais de 230 mil páginas para... nada. Dinheiro pelo ralo. Claro. Ninguém pagou do seu bolso estas cópias. Desrespeito com o dinheiro público. Mas o eleitor liga para isso? Não. Eleitor rico é outra coisa.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

MOEDA DE R$ 0,50

Quando a Casa da Moeda do Brasil, faz uma de suas especialidades, com erro de cunhagem, qual é o primeiro pensamento que nos vem a mente? Acho que grande parte da população observadora, quer encontrar uma das moedas de 5 (sic) 50 centavos, recém lançada, e guardá-la. Talvez, porque ela possa a vir ser objeto de colecionador. Talvez por mera curiosidade, de ver essa moeda e guardá-la de lembrança. O seu valor não vai causar grandes malefícios a economia de uma pessoa. Mas ela nem tem valor! Imagine uma Casa da Moeda, com todo o rigor na segurança, que tal atividade lhe impõe, explicar o inexplicável. É inconcebível esse fato. Como ele ocorreu? Erro no preparo dos moldes (ou da forma), uma ordem de um funcionário menos diligente, ou não haverá explicação, justamente pelo cuidado, e sigilo que tal caso se reveste? O custo dessa mazela. Quem pagará? O funcionário responsável, o "sistema", ou a população? Senhores, esta não é a primeira vez que isso ocorre. Erro de cunhagem pode ser o primeiro, por se tratar de moeda. Mas quem se lembra da nota de plástico, impressa no ano 2000, alusiva, aos 500 anos do descobrimento do Brasil? Aquela nota com a efígie de Pedro Alvares Cabral, que foi lançada em duas versões. Numa delas o nome de Pedro Alvares Cabral era abreviado. No verso dessa nota de plástico, entre os inúmeros feitos a que ela homenageava, havia um retângulo, na sua parte superior, com as siglas de todos os Estados do Brasil da época (Unidades Federativas). O Estado de Tocantins, talvez por ter sido recém criado, está designado nessa coletânea de letras, com a sigla TT. Sabemos que Tocantins se identifica com TO. (Quem quiser conferir deve ter uma lupa à mão). Este passa tempo, mostra bem como os nossos bens culturais são tratados.

Francisco Elias Pacheco e Silva francisco@construtorapacheco.com.br

São Paulo

*

REAPROVEITAMENTO

O Banco Central poderia continuar a imprimir a moeda de R$ 0,05: logo, logo ela vai servir para pagar o salário do aposentados.

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

RECALL DE MOEDAS

Afinal, quantos foram demitidos da Casa da Moeda?

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte santo de Minas (MG)

*

VERGONHOSO

Existem erros que são inadmissíveis que aconteçam, como foi o da Casa da Moeda ter feito a cunhagem de moedas de R$ 0,50 sem o "zero". Vergonhoso!

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

CINCO POR CINQUENTA, NEGÓCIO BOM

Moedas de 50 centavos de real valendo 5 centavos de real terão grande valor para colecionadores de moedas e excentricidades, por outro lado, será um espertalhão quem passar adiante uma moeda de 50 centavos que tenha valor de 5 centavos, mas o que mais surpreende mesmo, é o idiota do funcionário da Casa da Moeda do Brasil que deixou passar tamanho erro. O controle de qualidade da Casa da Moeda do Brasil é igualzinho à contabilidade do Delúbio. Contabilidade não contabilizada. Moeda impressa, mas não contabilizada, dado que já estavam nas "burras" do Banco do Brasil.

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

FALOU E DISSE

O editorial do Estadão de 22/12, com o título Mantega, bem vestido e feliz, retrata muito bem o desprezo deste governo na forma de se comunicar com a sociedade! Porque mesmo decepcionando nos fundamentos básicos da economia, esta gestão petista insiste em se mostrar eficiente e ousada, como jamais em tempo algum ocorreu neste País... E é como fez nesta semana o falastrão ministro da fazenda, Guido Mantega, em reunião com jornalistas em Brasília, em que tentou convencer esses profissionais, como se fossem idiotas, que mesmo com um PIB provável de 1% neste ano, inflação em quase 6%, e investimentos em níveis dos mais baixos da nossa história, que o governo que representa, entre outras baboseiras, vem fazendo quase milagres, e conquistando façanhas na aérea econômica! Diz tudo isso sem se ruborizar! O que prova não o seu desconhecimento com a causa, porque o Mantega estudou em boas escolas e universidades, mas um descompromisso, falta de lealdade com a população, e nenhuma preocupação com o alto cargo que ocupa! Igual o seu partido, o PT, que em tempos de crises como esse que vivemos com a economia indo de mal a pior, e com muitas denuncias de corrupção nas costas, regularmente se alia ao uso de propaganda enganosa!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

CONTA DE LUZ

A badalada redução de 16% nas contas de luz que deverá ocorrer a partir de fevereiro não passa de uma grande propaganda enganosa do governo Dilma. O custo da energia da minha conta de luz foi reajustado para maior em 11,85% este mês, por autorização da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), praticamente tornando sem efeito a redução anunciada pela presidente. Ou seja, aumentaram na véspera, para dizer que estão fazendo um enorme desconto no dia seguinte. É como a "Black Friday" brasileira. É só para enganar os trouxas.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

CADASTRO POSITIVO

Volta ao noticiário, mais uma vez, assunto já comentado meses atrás. Hoje, com a maior facilidade, estelionatários têm acesso a todas as informações cadastrais de qualquer cidadão: clonagens, cópias de documentos, cadastros falsos - feitos, quem sabe, até com a ajuda de pessoal interno de bancos e financeiras. Eu mesmo fui vítima de três organizações comerciais e financeiras. Com a aprovação do Cadastro Positivo e sua fácil e irresponsável divulgação, o risco para o cidadão honesto, cumpridor de suas obrigações, será incrivelmente maior do que os benefícios que poderá receber. Além, é óbvio, dos inconvenientes acessos de telemarketing e e-mails de instituições "interessadíssimas" nos honestos.

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

Santos

*

AEROPORTOS, MAIS PROMESSAS

Em 20 de julho de 2007 a então ministra da Casa Civil e hoje presidente da República anunciou que já estava decidida a construção de um novo aeroporto na Grande São Paulo. Quando um jornalista perguntou-lhe onde seria esse aeroporto, ela disse que jamais diria onde. No dia 19 de dezembro de 2012, cumprindo sua palavra, ela ainda não disse onde será. Mas já anunciou a construção de outros 800 aeroportos. A verdade é que em reunião um pouco antes de sua viagem houve uma decisão de se fazer um plano para a construção de menos de 50 aeroportos. Como este número se transformou em 800 é uma boa pergunta. Que provavelmente não teremos resposta. Sua promessa de campanha de construir 6 mil creches continua sendo uma promessa. Está no meio de seu mandato e só entregou 7 creches. Dentre tantas promessas e afirmações estas são só dois exemplos. Mas precisa mais?

Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.