Fórum dos Leitores

ECONOMIA

O Estado de S.Paulo

30 Dezembro 2012 | 02h05

PIB 2013

Considerando as previsões do ministro da Fazenda, Guido Mantega, ao final de 2011 sobre o crescimento do produto interno bruto (PIB) em 2012, não percamos as contas, ele deveria ter crescido, no mínimo, 2,8%, com tudo o que aconteceu no cenário macroeconômico. Entretanto o resultado final vai ficar apenas em torno de 1,25%. E os agentes do mercado é que pagam essa conta. Mantega agora prevê 4,5% para 2013. Podem anotar: não vai passar de 0,7%. Quem viver verá!

FRANCISCO JOSÉ SIDOTI

fransidoti@gmail.com

São Paulo

Previsões furadas

Após tantos erros e inversões nas previsões feitas por Mantega nos últimos anos, duas alternativas para não mais frustrar a população brasileira: 1) Não permitir novas previsões do ministro da Fazenda; e 2) só aceitar previsões ruins para os próximos anos.

JOSÉ CARLOS ALVES

jcalves@jcalves.net

São Paulo

Rudimentar

Se a economia brasileira (PIB) não cresce, é porque a política econômica do governo federal é rudimentar. Aliás, uma ministra da Casa Civil do governo Lula estigmatizou a política econômica como ru.di.men.tar! Mas não me lembro do nome da tal ministra...

NEY JOSÉ PEREIRA

neyjosepereira@yahoo.com.br

São Paulo

O caminho

Abraçada aos grandes empresários e aos beneficiários dos programas assistencialistas, a presidente Dilma Rousseff não conseguirá fazer o Brasil crescer. O caminho é a desoneração tributária e trabalhista das pequenas e microempresas, que são as que realmente empregam e geram renda. A Alemanha escapou da crise protegendo esse setor e a Itália agora lhe segue os passos. Ficar acreditando nos palpites de Mantega, sem base alguma, será suicídio econômico e político. Há um ditado que diz: "Quando não sabemos a que porto queremos chegar, nenhum vento é favorável". Por isso estamos à deriva.

SERGIO VILLAÇA

svillaca@terra.com.br

Recife

Samba de uma nota só

A única coisa que Mantega sabe fazer, para estimular a economia e o consumo, é reduzir o IPI de alguns produtos e forçar a redução dos juros de empréstimos, usando os bancos sob o controle do governo. Até aí, tudo bem, se tais medidas fossem tomadas em conjunto com outras extremamente necessárias para fomentar investimentos e o consequente crescimento do País. Esse samba de uma nota só não é a solução para a atual situação da economia brasileira, pois logo vai chegar o momento em que ele não terá mais o que oferecer como incentivo e, aí, o Brasil já estará no fundo do poço. A presidente Dilma tem de acatar o pedido, que até já extrapolou as nossas fronteiras, para substituir o ministro, que se mostrou desqualificado para o cargo.

RONALDO GOMES FERRAZ

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

O dilema da presidente

Sabe-se que a economia, em que muitos são doutores e poucos são verdadeiros conhecedores, é implacável com correções tardias, que se revelam inócuas. É inegável que estamos ingressando no curral das vacas magras. E é provável que tenhamos necessidade de substituição imediata da equipe econômica e da respectiva filosofia. Essa ideia teve origem, no plano internacional, na análise da revista britânica The Economist e se espraia a cada dia no exterior. A presidente, que sofre os respingos do mundo ético e político, não se sente em condições de intervir com força e medidas profundas no plano econômico. Amanhã poderá ser tarde.

AMADEU R. GARRIDO DE PAULA

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

Apostas

Depois da matéria da The Economist, as casas de apostas londrinas abriram um canal para arriscar quanto tempo Mantega vai durar no cargo. Por enquanto estão fortes as apostas de que, se o PIB do primeiro trimestre vier fraco, ele será forçado a RENAnciar.

LUIZ HENRIQUE PENCHIARI

luiz_penchiari@hotmail.com

Vinhedo

Piadas e chacotas

Poderia ser cômico, se não fosse trágico, a economia brasileira servir de piadas e chacotas internacionais. É uma vergonha a presidente ser comparada a uma rena com o sexto maior chifre do mundo e Mantega, a um duende adivinhão. A que nível de respeitabilidade chegamos, é o fundo do poço! Mas a teimosia da presidente em não demitir ministros que de alguma forma falham na competência, e até na honradez, na verdade, lembra outro animal, que é famoso por sua teimosia...

JOSÉ MENDES

josemendesca@ig.com.br

Votorantim

APAGÕES

País sério?

Um apagão na Ilha do Governador deixou o Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio, sem energia elétrica, portanto, sem iluminação, ar-condicionado, elevadores, escadas rolantes, por várias horas. Os geradores não funcionaram. Um aeroporto da importância do Galeão devia contar com um sistema de geradores, com manutenção adequada e capacidade de prover os serviços essenciais, que entrasse automaticamente em funcionamento logo após a queda da energia da rede. Fôssemos um país sério, o responsável pelo Galeão, possivelmente um funcionário da Infraero, seria demitido liminarmente.

JOSÉ SEBASTIÃO DE PAIVA

j-paiva2@hotmail.com

São Paulo

Multa da Anac

A Anac multou a Infraero pelos problemas nos aeroportos do Rio. Dá para acreditar? Essa multa é como as aplicadas aos sindicatos quando desrespeitam a Justiça trabalhista nas greves, porque nunca é comprovado o pagamento à população. É só blá-blá-blá.

EDGARD GOBBI

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

Extremo rigor

É impressionante o rigor da autoridade brasileira. A Anac multou a Infraero em R$ 50 mil por dia que o ar-condicionado não funcionou no aeroporto do Rio. Ou seja, o contribuinte paga a multa... Nada muda e o diretor da Infraero deve estar morrendo de dar risada. Ainda mais que, como dona Dilma confessou e os dados demonstram, nossa rede de energia está um "lixo", não tem manutenção nem treinamento adequados. Até outubro haviam sido gastos apenas 50% do investimento previsto nas redes e dada a má qualidade perdemos 20% da energia gerada. E a presidente ainda recomenda que se gargalhe quando disserem que caiu um raio!

FABIO FIGUEIREDO

fafig3@terra.com.br

São Paulo

CONTAS PÚBLICAS NO VERMELHO

Pejo jeito, não está mais sendo possível maquiar os números da economia brasileira e a verdade está vindo à tona. Há dez anos o PT assumiu o governo e está fazendo farra com o dinheiro público (mais ministérios, mais estatais, mais cargos de confiança, obras para a Copa superfaturadas, etc.) e a arrecadação está caindo, por causa dos incentivos fiscais concedidos à alguns setores industriais, na tentativa de ajudar o crescimento do País. O fim do PT no governo vai deixar a maior herança maldita aos brasileiros, nunca antes vista na História do Brasil. (Espero não ter plagiado o Lula, Deus me livre.)

MARIA CARMEN DEL BEL TUNES carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

 

*

BRASILEIRO É BONZINHO

 

O povo brasileiro é muito bonzinho, ninguém questiona o absurdo custo dos estádios de futebol de R$ 1 bilhão. Quem ousa se indignar é malvisto, é contra a Copa. Afinal, está gerando empregos e ajuda no pibinho de 1%. Mas R$ 1 bilhão para construir ou reformar um estádio de futebol é demais, não dá pra ser tão bonzinho, alienado. Alguns ministros do STF devem estar decepcionados, pois os mensaleiros não deveriam ter sido condenados, e sim receber condecoração por mérito de esperteza, porque é disso que a maioria do povo gosta. Ninguém está preocupado com corrupção, inflação, desemprego, PIB, pibinho, pibão, o povo quer saber se a Bolsa-Família vai aumentar e se o Corinthians vai ser campeão.

 

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br

São Vicente

 

*

ENEM

 

De novo, problemas no Enem, ratificando de vez que a única coisa irrevogável é a incompetência do ministro.

 

A. Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

 

*

 

E PENSAR QUE TEMÍAMOS AS SAÚVAS

 

Enquanto a presidente se ufana de que o País está no caminho correto, a realidade teima em demonstrar que nem tanto, digamos assim. O governo vai fazendo água por inúmeras frestas, a começar pela a infraestrutura do País. A obra do megalomaníaco que a antecedeu no governo, ou seja, a transposição do Rio São Francisco, depois de anos de construção não tem nem previsão de sua conclusão, mas já demonstra o desperdício que têm sido as verbas ali empregadas, num arremedo da teia de Penélope, onde a desconstrução vem substituindo o que já foi construído. Os apagões da energia elétrica, muito criticados pelos petistas antes de se tornarem governo, agora ocorrem com frequência cada vez maior, muitas vezes em decorrência de funcionários despreparados para exercerem suas funções, ainda que simples. Ainda estes dias o Aeroporto Tom Jobim, no Rio de Janeiro, sofreu um apagão de duas horas, deixando os passageiros que ali estavam mais perdidos que papagaio em tiroteio. Os que desembarcavam pela primeira vez naquele aeroporto só não sofreram maiores percalços porque foram auxiliados pelos mais experientes no caos nosso de cada dia. O PIB vai se transformando em pibinho. Os congressistas deixaram para fevereiro a aprovação do Orçamento de 2013, por terem sido contrariados em seus interesses mesquinhos, prejudicando os investimentos federais. E que se dane a Copa das Confederações no ano vindouro e, pior, a 18 meses da Copa do Mundo de Futebol. Concomitantemente, o prefeito Kassab, que já se prepara para desembarcar de mala e cuia para os braços do governo federal, dando a maior banana para seus antigos correligionários, declara que deixa a cidade de São Paulo bem melhor do que encontrou. E pior, diz com a maior simplicidade que cumpriu 55,1% das metas que se propôs a realizar, mas a eficácia do seu governo foi de 81% (??). E para tanto contou os projetos que deixou para serem executados na próxima gestão. Conclui-se com isso que está completamente preparado para trabalhar com o governo federal. E acreditávamos antigamente que as saúvas poderiam acabar com Brasil. Esquecemo-nos dos nossos políticos.

 

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

 

*

FALTA DE LUZ

Gostaria de parabenizar o sr. Ignácio de Loyola Brandão por sua crônica em que narra sua ceia de Natal frustrada pela falta de energia elétrica. Nesse texto ele contou exatamente o que aconteceu conosco, não em Pinheiros, mas no Tatuapé, onde passamos pelo mesmo problema com falta de energia elétrica das 19h30 à meia-noite e 40 do dia 24 para 25 de dezembro. Realmente não há culpados, nem a Eletropaulo, nem o governador, nem a presidente. E, principalmente, não há com quem reclamar, pois só se fala com máquinas. Pobre Brasil. Quando até a presidente duvida do sistema e nada faz além de reclamar, é porque estamos à beira do abismo. Em tempo, no dia de hoje (sábado) ficamos novamente sem energia nesta região da cidade das 17h30 às 22h30. Será que o governador e a presidente sabem o que acontece ou estão aproveitando o "justo e merecido recesso de final de ano"?

Alexandre O. Almeida alex.cardio@ajato.com.br

São Paulo

 

*

O RAIO 'DA' REDE ELÉTRICA

 

Dona Dilma disse para rirmos se um apagão for justificado com queda de raio na rede elétrica. No primeiro apagão, foi esclarecido que um raio caiu na rede. No segundo, foi defeito no contato tatão. No terceiro, foi defeito na rebimboca da parafuseta. No quarto, ou foi o Zé ou foi o Mané que não desligou a chave que estava ligada e o sincronizador "funciona não". Esta sequência ridícula de apagões mostra a absoluta falta de conhecimento técnico da presidente, que já foi ministra na área, o aparelhamento das empresas estatais, a falta de treinamento do pessoal técnico e, claramente, incompetência de gestão no Sistema. Só para esclarecer, dona Dilma, raio desliga a rede, sim. O surto de corrente faz a tensão atingir milhares de vezes a voltagem nominal da rede num intervalo curtíssimo de tempo e, se não houver proteção contra tal fenômeno, poderia ocorrer a destruição em subestações. A rede atingida pode, sim, se desligar automaticamente, mas, se o anel, a redundância das linhas de transmissão estiver correta, o consumidor nada sentirá. É muito pouco provável que dois raios atinjam duas linhas de transmissão no mesmo exato momento, desligando ambas. Quando os erros forem admitidos para a população com as palavras certas, sem eufemismos e com conhecimento de causa, é possível que uma solução correta e duradoura seja tomada. Mas seria esperar muito do PT. Enquanto isto, tome malfeitos, povo brasileiro.

Vitório F. Massoni suporte@eam.com.br

Catanduva

 

*

FALHA HUMANA NOS APAGÕES

 

Faltou explicar que as falhas são dos "inumanos" que estão na cabeça desse governinho petista.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.co

São Bernardo do Campo

 

*

APAGÕES DA DILMA

 

Ela está reconhecendo que a origem dos apagões é falha humana, desempenho típico dos colocados pelos/as mandantes no Alvorada, na Aneel, no ONS, no Sinistério da (falta) de Energia. Preparemo-nos, porque haverá muitos apagões no futuro, pois são empossados nos cargos os sem-competência, mas por QI ( quem indica). Enquanto a China inaugura um trem-bala com 3,2 mil km, o nosso trem-balela, com menos de 10%, fica só na propaganda. Na próxima eleição vamos eleger um chinês para presidente (que tenha dez dedos nas mãos).

 

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

 

*

VALE A PENA, PRESIDENTE?

 

Ó dona Dilma, deixemos dos "entretanto" e vamos aos "finarmente": a senhora vem de informar ao respeitável público ser "ridículo dizer que o Brasil pode racionar luz". Corretíssimo! A senhora tem razão. Sabedora das coisas, o verbo poder na terceira pessoa do singular do presente do indicativo na frase acima, em sua análise, não passa de um eufemismo, só aplicável na gestão de "outros" governantes. Cuidado, presidente! Ajoelhe e reze, porque desta vez vai faltar energia messsmo! Principalmente no Nordeste. Note bem: eu não disse que vai fartar energia; eu disse faltar, precisamente. No caso de seu governo, senhora, a falta d'água, no mais das vezes não tem sido o motivo principal dos apagões que este país tem alternadamente presenciado. Aliás, por coincidência, as informações das "suas" respectivas agências reguladoras têm sido no sentido de que a causa dos blecautes foram os famigerados... raios. Agora veja só, presidente, a incongruência: está nos jornais de sexta-feira, entre aspas, a sua esdrúxula declaração de que "no dia em que falarem que caiu um raio, gargalhem". Com essa frase a senhora acabou desautorizando o pessoal do ONS, do Ministério des Minas e Energia e, por tabela, do ministro Lobão. Mas é incrível: nisso a senhora acertou em cheio. Até onde eu saiba, sra. presidente, ninguém ainda morreu de tanto gargalhar. Pode ser que alguém morra de tanto chorar, ou de raiva. Porque somente mesmo uma pessoa exageradamente insensível pode brincar com coisas sérias como as que estão acontecendo por todo o País; e vão continuar. É que os problemas maiores, senhora, estão na qualificação dos sindicalistas banazolas do PT, com os quais a senhora e o seu ex-presidente aparelharam o Brasil! Confirmam as minhas assertivas os dois pequenos gênios do Nordeste, os irmãos Vieira, que fizeram da Antaq da ANA e da Anac verdadeiras casas da mãe Joana, da Irene ou da sogra. E pensar que Lula (a pedido da sra. Rose) solicitou a permanência dos dois no seu governo e a senhora os manteve. Substitua os apaniguados de Lula por técnicos eficazes e por pessoas íntegras: agindo assim, quase todos os seus problemas estarão resolvidos. Afinal, a senhora governa um país que era, até o início de seu governo, a sétima economia do mundo. Era! Hoje somos o último dos Brics e, quiçá, a nona ou décima economia do mundo. E olhe lá... Será que a senhora percebe, agora, o que é uma verdadeira e autêntica herança maldita? Ou será que a presidente já sabia de tudo e partiu para o sacrifício? Vale a pena, presidente?

João Guilherme Ortolan guiortolan@gmail.com

Bauru

 

*

PURA INCOMPETÊNCIA

 

Então, todos os apagões que se têm repetido são por falha humana? Acreditando nessa premissa, Dilma conhece esse problema bem de perto, pois foi ministra de Minas e Energia e presidente do Conselho da Petrobrás no governo petista anterior. Fala com conhecimento de causa. O mais grave é que ainda não tomou nenhuma providência para trocar os "humanos" incompetentes que lá estão há mais de dez anos.

 

Leila E. Leitão

São Paulo

 

*

APAGÕES, DILMA E RAIOS

 

Tudo vai sendo "explicado", mas poucos entendem a realidade. Vale a pena considerar o editorial do Estadão de 29/12 (A3) sobre os possíveis efeitos da MP 579. Sem planejamento e recursos não podemos esperar progressos apenas editando leis. Dilma aconselhou gargalhar diante de um raio. Só que, como aconteceu na sexta-feira, nem sempre dá tempo de fazer isso, porque o raio é rápido e não avisa. Vamos esperar mais cuidado da parte dos governantes. Uma coisa já aprenderam: os antigos apagões não eram responsabilidade única do então presidente FHC. Bom ano-novo para todos e que nossa economia melhore, já que em 2012 foi muito aquém do necessário.

 

Plínio Zabeu pzabeu@uol.com.br

Americana

 

*

APAGÕES E GARGALOS

 

Alguém precisa dizer à nossa presidente que o nó da questão está nela. Mais exatamente na visão do Brasil que ela levou para Planalto. É a visão ultrapassada da luta de classes. Ela vê nos empresários os inimigos, os exploradores, os aproveitadores. E vê num hipotético "povo", que não existe, os "coitadinhos" que precisam de sua proteção materna. Um país sem gente empreendedora, sem empresários, é um país morto, fracassado. Um país onde o empresário é malvisto por princípio é um país doente. Há um câncer a ser extirpado. Esse câncer, no caso do Brasil, está na cabeça da nossa presidente: a sua visão míope deste Brasil que é um continente. E deste planeta Terra, onde países liderados por pessoas com visões mais abertas e menos ideológicas - até a China poderia servir de exemplo - tratam de levar vantagem sobre os países mal conduzidos. Por favor, prezada presidente, mostre a grandeza que há em seu coração, supere seus preconceitos, faça o Brasil crescer mesmo que muitos lucrem com isso! O lucro não é um mal em si. Pode até ser indício de boa administração. Mas sem infraestrutura, sem energia e com tanta insegurança na manutenção dos planos e das obras, todos perdemos, e perdemos muito. E lá fora alguém está ganhando com isso. Ganhando muito. A senhora quis ser presidente, deve agora arcar com a responsabilidade inerente ao cargo.

 

Luiz Roberto de Barros Santos, engenheiro luizroberto.santos@gmail.com

São Paulo

 

*

RELAXADOS E INCOMPETENTES

 

Impressionam nossos governos relaxados e incompetentes. Não há dúvida de que o elevado custo da energia elétrica no Brasil não tem sentido, aparentemente, já que a geração é hidráulica. Ledo engano. Há anos reclama-se do alto custo desse importantíssimo insumo sem que o assunto receba o cuidado que merece, o governo não busca soluções adequadas. Sabe-se que a perda de energia no sistema do Brasil é uma dos maiores do mundo. Segundo a Aneel, o ONS e o Banco Mundial, nossa perda é da 20% da energia gerada, enquanto a média mundial é 9%, sendo 11% na Colômbia, 6% no Chile e 4% na Alemanha, por exemplo. Isso dá ideia da falta de modernização e manutenção de nosso sistema, que tem 35% das linhas com idade acima de 30 anos. Agora o governo usa esse assunto para transformá-lo em propaganda eleitoral, numa desastrada ação que objetiva desonerar a sociedade transferindo o ônus de uns, os eleitores, para outros, as empresas e estatais, ou seja, de contribuinte que elege para os que não elegem. E criou, com a MP 579 um alto grau de insegurança, dado que o setor precisa investir muito. E assim, com uma presidente com experiência no setor, o governo se excede em gastos, ultrapassando as metas e não sobrando recursos para as melhorias em nosso sistema elétrico.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

 

*

ACOMODAÇÃO

 

A presidente Dilma está pensando o quê? Agora veio com essa de que quando cair um raio e der apagão, é para gargalhar? Só se nós rirmos da incompetência dela e de seu ministro Guido Mantega (derretida). Que é isso? Irresponsabilidade e acomodação, já só nos dois primeiros anos. Mas dois anos passam rápido, presidente Dilma Rousseff, humor negro, não!

 

Edson Rodrigues e.rodrigues1953@uol.com.br

Santo André

 

*

NAU SEM RUMO

 

Dilma tem um Lulinha na cabeça que às vezes aparece... Agora, ao dizer que os apagões são "falha humana" e que não haverá racionamento, foi o Lulinha que apareceu ainda querendo transferir culpas para o FHC e comparar os dois governos. O fato é que Lula, Dilma e o PT não têm planos nem sabem o que fazer com o Brasil. Só vai melhorar quando o eleitor perceber que está numa nau sem rumo cujo capitão não entende nada de navegação...

 

Gilberto Dib www.dib.com.br

São Paulo

 

*

DILMA E A INFRAESTRUTURA

 

Dilma ou Lula, quando fazem um raríssimo mea-culpa, sempre incluem na medição do tempo o governo de FHC... tem sempre de sobrar para o grande ex-presidente. Ao se referir aos apagões, Dilma disse: "Ninguém faz infraestrutura em um ano... paramos 20 anos. Agora tem que virar uma obsessão do País investir em infraestrutura". Só agora? Será que a presidente se recorda de que foi ministra de Minas e Energia durante a gestão de Lula? E o atual ministro, Edison Lobão, chupou o dedo até agora por quê? Será que ela lembra que durante o governo de Lula seu guru mexeu todos os pauzinhos para que o Brasil fosse indicado como sede da Copa e da Olimpíada, mas não tomou nenhuma providência para iniciar os trabalhos recuperando estradas, portos, ferrovias e aeroportos para preparar o País para esses eventos? Então, por favor, respeite nossos neurônios e assuma esta verdade: o governo do PT é absolutamente incapaz de gerir planos e programas complexos Os resultados são sempre lamentáveis! Não por acaso está agora apelando para as "concessões", palavra que substitui a outra que foi demonizada pelo PT, privatização, mas cujo sentido é o mesmo.

 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

 

*

PIOR É A TRANSMISSÃO

 

Certo, a falta de investimentos estatais na transmissão de energia elétrica tem causado vários apagões. Com menos investimentos os apagões tendem a aumentar. Mas não é só nas transmissões a longas distâncias que o problema tem surgido cada vez com maior frequência. Na distribuição o problema é ainda pior. Na cidade de São Paulo, por exemplo, em vários bairros basta dar uma chuva para transformadores explodirem, cabos se partirem e largos trechos ou vários quarteirões ficarem muitas horas às escuras. A AES Eletropaulo demora muito para sanar os problemas. Em Interlagos e na Cidade Dutra os moradores são muito prejudicados com essas frequentes interrupções, para as quais nenhuma explicação convincente é sequer oferecida pela concessionária.

 

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo

 

*

ENERGIA

 

Dilma nitidamente desconhece o problema energético brasileiro quando afirma que os apagões são resultado de falha humana: a matriz energética brasileira é dependente de hidrelétricas e se não chove nas bacias de acumulação das usinas diminui a capacidade de geração. O problema está fundamentado na incapacidade do governo de equilibrar a matriz energética com fontes alternativas. Isso é o que dá um governo populista que não investe em infraestrutura.

 

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

 

*

NOVA MP

 

Dona Dilma, solte logo uma MP 580 congelando as tarifas, digamos, por um ou dois anos, mas não venha com essa redução de forma autoritária que o preço que o consumidor vai pagar certamente será muito, mas muito maior do que os benefícios (?) que vai obter. Essa redução na conta não vai funcionar, penso que os contribuintes preferem pagar o preço e ter energia a ter um preço mais baixo e não ter energia nenhuma.

 

Jair Freire assim.soja@gmail.com

São Paulo

 

*

APAGÃO GERAL

 

Está mais do que na hora de a revista The Economist sugerir à presidente a substituição do "apagado" ministro Edison Lobão, antes que o Brasil fique completamente às escuras, no breu. É preciso reparar com urgência a "falha humana" do responsável pela área, assim como se troca uma lâmpada queimada. Às vésperas dos dois mais importantes eventos esportivos internacionais - Copa do Mundo de 2014 e Olimpíada de 2106 - o País não pode ficar sujeito a sucessivos apagões provocados por previsíveis e frequentes temporais com raios, sem contar com a cobertura e a segurança que investimentos em infraestrutura deveriam garantir. Chega de incomPeTência! Fiat lux!

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

 

*

É ISSO MESMO, PRESIDENTE!

 

Presidente, não aprovo o seu modo de governar, mas gostei da sua declaração quanto aos motivos dos apagões, dizendo que gargalhem quando disserem que a causa pode ser raio. Realmente, quando um técnico do governo veio à televisão e declarou que a causa do apagão no Nordeste pode ter sido o raio, eu já gargalhei naquela ocasião. Conheço relativamente o assunto, mas não posso admitir que um especialista venha a público dizer uma asneira dessas. Presidente, demita esse pseudotécnico!

 

Toshio Icizuca toshioicizuca@terra.com.br

Piracicaba

 

*

TEM PT-RAZÃO

 

A presidenta diz que falha humana é culpada por apagões. Tem muita pt-razão. Então, vê se pt-acaba com pt-eles.

 

Wilson Scarpelli wiscar@estadao.com.br

Cotia

 

*

SUPRESSÃO

 

No artigo Futuro e presente das concessões (28/12, B2) foi suprimida a palavra "competente" na frase: "Para viabilizar esses investimentos, foi criada uma empresa de planejamento e logística (EPL) e nomeado um (competente) administrador, que busca montar uma equipe técnica e econômica que possa cuidar de todos os aspectos, como fazia o saudoso Geipot". O adjetivo, neste caso, assume relevância em relação ao contexto da mensagem de seu autor, Moacyr Servilha Duarte, presidente da Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR).

 

Raul Viana website: www.cl-a.com

São Paulo

 

*

INTERNET

 

Saudações politécnicas ao engenheiro Demi Getschko por seu excelente artigo O Espírito da Rede, por ocasião dos 30 anos do nascimento dos protocolos de comunicação TCP/IP, que possibilitaram o surgimento da internet nos anos posteriores. Sua apresentação sobre o histórico e os fundamentos da internet traz a sua marca de "eterno professor", por sua didática impecável e clareza de exposição. Como antigo colaborador do Grupo Estado, Demi continua contribuindo com seriedade para a consolidação dos princípios que tornaram a internet a mais extraordinária ferramenta da expressão livre e com responsabilidade do mundo moderno.

 

Marcelo Leite Silveira marcelo.leite.silveira@gmail.com

São Paulo

 

*

CORRIDA DE SÃO SILVESTRE

 

A corrida de São Silvestre, nos velhos e bons tempos, era realizada na noite do dia 31 de dezembro e fazia parte das antigas festas da passagem de ano. Lamentavelmente, ela caiu nas mãos da Rede Globo, que passou a utilizá-la de acordo com suas conveniências e seus horários, liquidando toda a tradição e o charme da tradicional prova; mudaram-se os horários, os percursos e, finalmente, este ano ela será realizada na manhã (ou madrugada!) do dia 31 de dezembro; tudo para não atrapalhar a programação da influente emissora. Provavelmente, o próximo passo será sua transferência para a cidade do Rio de Janeiro.

 

Luiz Antonio Alves de Souza zam@uol.com.br

São Paulo

 

*

PRAIAS IMPRÓPRIAS

 

Simplesmente vergonhoso estarmos no século 21 e termos dois municípios pertencentes ao Estado de São Paulo, como Santos e São Vicente, com todas as praias impróprias para banho, por serem utilizadas como despejo de esgotos a céu aberto. Considerando que a cidade de São Paulo é a quarta maior do mundo e a maioria de seus habitantes, por ocasião de férias e fins de semana prolongados, tem como destino as praias da região do litoral paulista, como pode a Baixada Santista, que engloba toda a orla de Santos e São Vicente, estar sob bandeira vermelha, infectada de coliformes fecais?! Parte das praias do litoral norte também está imprópria para banho pelo mesmo problema, como Ilhabela, que tem cinco, São Sebastião seis e Caraguatatuba duas, somente Ubatuba e a Ilha Anchieta estão próprias para banho.

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

CULPA DO GOVERNO ESTADUAL

 

É vergonhoso o fato de todas as praias de Santos (SP) estarem impróprias para banho de mar. Quase 20 anos de governo do PSDB em São Paulo e o resultado é esse: praias com a água do mar suja, impróprias e sem balneabilidade. Claramente se vê que não há uma política pública de preservação ambiental, de preservação da natureza e do ecossistema e nem de saneamento básico adequado nas praias paulistas, onde o esgoto é jogado direto no mar. O que faz a Sabesp a respeito ? Fica a pergunta que não quer calar: até quando os paulistas vão sofrer com tamanho descaso e incompetência do governo estadual?

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.