Fórum dos Leitores

MUDANÇA DE ANO

O Estado de S.Paulo

31 Dezembro 2012 | 02h04

Balanço e perspectivas

Passamos uma semana de calmaria nas atividades econômicas, decorrente da mudança do ano. Época de festa em família, que se reúne em confraternização pelo ano decorrido e projetando esperanças para o novo ano que se inicia. Na retrospectiva econômica brasileira, não temos o que comemorar, temos mais o que lamentar. A produtividade da economia deve ser avaliada entre 0% e 1%, acumulando mais um ano de chances perdidas. O crescimento da economia ficou também em torno de 1%. Os investimentos anunciados para a casa dos 23% não devem ter ultrapassado os 18,5%. Os ajustes das leis tributárias ficaram para o futuro. Continuaram sendo impostas improvisações na legislação do ICMS, pela ampliação da substituição tributária sem o justo e ético ajuste do prazo para o recolhimento do adicional. Na tributação parafiscal, criou-se provisoriamente (até 2014) a substituição da contribuição patronal de 20% sobre a folha de salários por um porcentual sobre o faturamento. Mas ficou intocável a absurda tributação para os terceiros (5,8%). Compreensível para que o governo continue a receber o apoio das "classes" produtoras. Para quem estuda a ciência das finanças públicas, esse quadro determina a qualidade do conhecimento aplicado. Uma novidade deve ser reconhecida: a instalação da previdência complementar pública dos servidores. Mesmo assim, interesses políticos, corporativos e individuais obrigaram à criação de três fundos: um para o Congresso, outro para o Judiciário e outro para o Executivo. Quem tem experiência de Brasil desconfia que a fórmula permita acobertar possíveis manobras obscuras no futuro. Que sirvam de exemplo os salários "independentes" dos três Poderes. A única certeza do futuro é a incerteza. Espero que tenhamos mais juízo e menos emoção.

HELIO MAZZOLLI, economista

mazzolli@terra.com.br

Criciúma (SC)

Novos tempos

Como fizemos em 2012, começamos a apostar nossas fichas em 2013 e rogamos que 2013 seja muito melhor, principalmente na política. Em 2012 as páginas de todos os jornais brasileiros não passaram um dia sequer sem que nelas estivessem estampados escândalos políticos em nível nacional. Oxalá em 2013 o cenário político seja diferente, porque a sociedade brasileira não suporta mais conviver com os escândalos que vêm assolando a Nação.

VIRGÍLIO MELHADO PASSONI

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

Não dá para piorar

Fechamos 2012 com mais um fracasso de crescimento, exibição de incompetência nos mais diversos níveis, malfeitos idem, infraestrutura capengando, etc. E também, como sempre, a culpa é dos outros, arrogância incontida. O que salvou o ano, para mim, foi o STF, em especial o ministro Joaquim Barbosa. O novo ano só será melhor porque não dá para piorar. Feliz 2013 para todos!

ANDRÉ C. FROHNKNECHT

anchar.fro@hotmail.com

São Paulo

DESARMAMENTO

Povo derrotado

Com tamanha integração de políticos e crime organizado, não é de duvidar que haja nessa campanha do desarmamento um acordo secreto para facilitar a investida contra o cidadão, uma vez que interessa muito aos bandidos que a sociedade esteja desarmada para facilitar-lhes o "trabalho". Ora, essa campanha está contra a segurança dos brasileiros. Por que não desarmam os bandidos? Povo desarmado é povo derrotado.

ALBERTO NUNES

albertonunes77@hotmail.com

Itapevi

Benefícios para presos

De desarmamento de bandidos ninguém fala, só do pobre cidadão de bem que procura viver dentro da lei. Os governos, além de não garantirem a segurança da vida e do patrimônio da população, vêm com essa nova campanha de desarmar? Aí, no Natal, mais bandidos nas ruas, esse é o presente da legislação e dos governantes, que não atualizam nossas leis. Que país é este que premia criminosos julgados e condenados com "saidinhas" em datas comemorativas? Será que o Natal apaga a maldade, a violência e os crimes? O que será concedido às vítimas desses criminosos e suas famílias? Chorar sobre um túmulo? Serão devolvidos aos cidadãos de bem seus filhos assassinados? Não seria mais justo proporcionar-lhes, pelo menos no Natal, um pouco de tranquilidade, com menos sobressaltos e com a certeza de que há menos criminosos nas ruas e a justiça foi feita? Enquanto o País depender de dirigentes, como os nossos, assinando leis que soltam indiscriminadamente criminosos e bandidos de todas as espécies (leia-se Lei 12.403) para solucionar a superlotação do sistema carcerário, e que não pensam em separar o joio do trigo, a Justiça continua dormindo em berço esplêndido. Não somos e não seremos capazes de nos sentirmos seguros em nossa Pátria enquanto houver gente ganhando dinheiro manchado de sangue, das vítimas, derramado nas ruas de nossas cidades. Parabéns ao Estadão pelo editorial sobre nova tentativa de desarmar honestos (27/12, A3). Os bandidos, de fato, agradecem.

JORGE DAMUS FILHO, pai do Rodrigo, assassinado em latrocínio na Giovani Gronchi em 27/9/1999

escuta@atequando.com.br

São Paulo  

QUE VENHA 2013!

O ano de 2012, como todos os outros, trouxe suas decepções, tragédias, atos covardes e inumanos, porém trouxe coisas boas igualmente. E claro que aqui não podemos deixar de fora o julgamento do mensalão, que devolveu aos brasileiros um pouco da fé perdida através de anos de delinquências por parte de nossos políticos e criminosa impunidade. É muito reconfortante a expectativa de ver a cara de um Brasil mais limpo, que acredita que "ordem e progresso" podem acontecer, que a justiça pode prevalecer e que a ética e a honra em forma de "vergonha na cara" podem renascer. Não adianta reclamar se cada um de nós não praticar cada um dos melhores valores e cobrar duramente aqueles que assim não o fazem. Melhorar o País, fazê-lo mais justo, mais seguro, mais limpo, mais digno e mais feliz vai necessariamente passar por atitudes de todos nós. Isso não é lição de moral nem blá-blá-blá. É cidadania. E também o único caminho! Uma amiga de Fórum, uma vez, escreveu-me: "... Continuemos, pois, você, eu e tantos mais no nosso pequeno exército de pessoas cidadãs que, por amor ao país, ainda têm a capacidade de se indignar". Venha 2013 e reúna o maior número possível de pessoas com tal capacidade. Pessoas que esperneiem, reclamem, cobrem e levantem o dedo contra os que nos fazem andar para trás e nos tiram maiores oportunidades. Um exército que marche com altivez num mesmo ritmo na busca de um Brasil realmente de todos.

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*

FELIZ ANO-NOVO...

Chegamos ao fim de 2012 e só temos a desejar para o futuro que o Brasil recupere sua história de progresso e dignidade. Estagnamos nos últimos anos não só na economia, como na saúde e na educação, entre outras necessidades prioritárias para os cidadãos que se esfalfaram para pagar impostos sem obter o retorno justo. Cansamos de muitos blá-blá-blás, de promessas não cumpridas, de avaliações falaciosas de nossos governantes, como também nos esgotamos de ver a incompetência de nossos ministros e nosso dinheiro escoar na corrupção em todos os setores do País. Ganhamos índices medíocres em nossas avaliações em relações a outros países. Mas se quisermos recuperar a nossa história de progresso e dignidade só resta a muito de nós aprendermos e ensinarmos aos que não sabem que toda essa triste realidade é fruto da displicência na escolha de nossos governantes. Saber escolher e eleger políticos, competentes e de ficha limpa é o grande mote. Feliz 2013 a todos!

Leila E. Leitão

Itanhaém

 

*

VOTOS DE FIM DE ANO

Para dona Dilma: adeus ano do mensalão. Feliz ano das gargalhadas!

Vidal dos Santos vidal.santos@yahoo.com.br

Guarujá

*

SEGUIR IGUAL

Nenhum brasileiro teve medo do fim do mundo em 2012, mas todos entram em pânico só de pensar em o Brasil seguir igual, como nos últimos dez anos do (des)governo PeTista. Não melhorou em nada, a única inovação foi a experiência de uma mulher na Presidência, que ainda não mostrou a que veio. Feliz ano-novo a todos os que vivem em nosso país e, principalmente, aos brasileiros.

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

MEIO CAMINHO ANDADO

O ano de 2012 termina e, com a metade do caminho do seu governo percorrido, obriga a presidente Dilma a fazer uma profunda reflexão sobre os seus erros e acertos no comando do País. Se o combate ao desemprego e à miséria foram áreas em que o governo apresentou resultados positivos, em outras de fundamental importância deixou bastante a desejar, como na infraestrutura e na condução da nossa economia, ambas com resultados pífios. Chega de jogar para a plateia propagando coisas que não fez e prometendo o que não vai conseguir fazer, se não for feita uma reforma política radical, e que não seja uma mera dança das cadeiras, como sempre é feito. Chegou a hora de colocar gente competente nos ministérios, sem indicações políticas nem comprometimentos partidários.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

POLÍTICA ECONÔMICA

Dilma vê País mais inclusivo após governos petistas e Dilma volta a pedir investimentos e confiança no País. As chamadas do assunto e os parágrafos abaixo foram copiados das matérias de política econômica do Estadão na última semana.

o Dois anos de fiasco econômico

o A inflação alta contrasta com o baixo ritmo de atividade

o As contas públicas consolidadas apresentaram, em novembro, o pior resultado desde que Banco Central (BC) iniciou a série histórica, em 2001. Motivo: o excesso de gastos do governo central - ou seja, do Tesouro - em relação às receitas.

o O reflexo do aumento da inadimplência e do maior comprometimento da renda das famílias com dívidas foi além do balanço dos bancos e respingou em setores da economia real. Depois do avanço de 7,5% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2010, o País patinou e cresceu 2,7% em 2011 e deve avançar apenas 1% este ano. Para os especialistas, o impacto pode persistir até 2014.

Caiu outra vez um raio por aqui, no Brasil? KKKKKK! Ops, mas o raio não cai duas vezes no mesmo lugar! Será? Deve ser falha humana! Confissão: "Iniciativa privada, volte a investir no Brasil antes que os petistas parem o País".

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

*

FRACASSO EM TOM TRIUNFAL

Dois anos de fiasco econômico, título de editorial do Estadão de 30/12 (A3), mostra bem com que soberba e descaso este governo petista se comunica com a sociedade, pois mesmo apresentando números ruins na economia quer dar a entender que administra bem o País! Aliás, a presidente Dilma neste mês de dezembro, em seu pronunciamento em cadeia de rádio e TV, pelo seu entusiasmo de pseudoavanços realizados na sua gestão, mais parecia estar falando da China! Ou seja, escondeu a realidade dos fatos, como se todos brasileiros fossem idiotas... Mesmo porque o Brasil que muito bem conhecemos há dois anos perdeu o rumo do crescimento e desenvolvimento! Como prova, em 2012 teve um PIB raquítico de 1%, que só para o PT é uma maravilha... Nível de investimento baixíssimo, criação de empregos despencando, como em outubro e novembro. Presença de déficit fiscal, que há muito não ocorria. Superávit primário, cujo prometido era de 3,1% do PIB, está abaixo de 2%. Inflação estúpida de quase 6%. E até o saldo da balança comercial despencou neste ano em mais de 30% com relação a 2011. Mesmo assim, a presidente, em meio a dezenas de apagões de energia elétrica por completa incompetência de seu governo, fala num "pibão" para 2013, que provavelmente não passará de 3%... Isso sem falar que mais quadrilhas foram descobertas e denunciadas em 2012 pela Polícia Federal por práticas de corrupção, sob a liderança de gente do alto escalão lotado no Palácio do Planalto! Espero que esses "dois anos de fiasco econômico" parem por aí...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

FIASCO ECONÔMICO?!

Estão loucos? Nunca os políticos e os bancos encheram tantos os bolsos de dinheiro. Vejam os relatórios da equipe econômica: estamos em "céu de brigadeiro", os pobres estão comprando celulares, TV, óculos de sol, etc., tudo vindo da China a preços de banana, como nunca antes neste país. Nunca exportamos tanto produto agrícola e minério, até de contrabando pelo próprio governo, não se precisa mais de "lavagem de dinheiro", etc., etc. E ficam só falando do pibinho?

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

A UTOPIA DA PRESIDENTE

É importante traçar um paralelo entre o principal editorial de o Estado de 30/12, que aborda a seriedade de nossos atuais problemas econômicos, e a matéria de autoria da Presidente Dilma Rousseff publicada na Folha de S.Paulo do mesmo dia. Resta meridianamente claro de um cotejo entre as respectivas razões que a presidente caminha pelo terreno temerário do idealismo. Fala em prioridades, proposições, planos, que, invariavelmente, se frustram. Escorrega e se precipita na rua da utopia. Em respeito a seu passado heroico, desde a juventude, evitamos o uso de um termo politicamente mais apropriado. Resta evidente, porém, que, se os problemas apresentados pelo Estado, que se acumularam e agravaram em dois anos de governo, não forem enfrentados com realismo e coragem, o Brasil voltará à estagnação perversa em que persevera desde o descobrimento. E a decolagem não passou de um sonho de noite de verão.

Amadeu Roberto Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

GHOST WRITER PARA VITUPÉRIO

Li e reli para aquilatar as propostas dos Dez Anos de Avanços (Folha de S.Paulo, 30/12), artigo dito escrito por Dilma Rousseff. Data venia, dadas as fantasias dele constantes e a fantasiosa argumentação (embora lacônica, talvez pelo espaço usável), a autoria deve ser certamente de um ghost writer imaginativo. Ademais, sabe-se que elogio em boca própria é vitupério.

Pedro Luís de Campos Vergueiro pedrover@matrix.com.br

São Paulo

*

FÉRIAS EM SALVADOR!

Dilma está gozando suas merecidas férias na Base Naval de Aratu, em Salvador, e, segundo algumas fontes, ela pretende ficar reclusa, lendo e descansando. Sugiro-lhe que leia muito sobre economia e política, que leia todos os artigos que estão sendo publicados sobre a sua gestão e de como anda a economia brasileira, e aproveite para fazer um estudo comparativo sobre as economias da Alemanha e da Argentina, países também governados por mulheres, e que na volta a Brasília salve o Brasil, não jogando no lixo toda a bendita herança nos deixada por FHC. Feliz 2013 a todos os brasileiros de bem, que como eu trabalham e lutam por um Brasil mais justo.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

EFEITO ORLOFF

Don't lie for me, Brazil! Muito em breve na The Economist'

Klaus Reider vemakla@hotmail.com

Guarujá

*

BRASIL 2012

Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come, se reagir o bicho vomita - em você!

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

EXPLICAÇÕES SIMPLES PARA 'COMPLEXOS' TEMAS ECONÔMICOS

A queda de atividade da indústria brasileira é inevitável, já ocorre há algum tempo como consequência da importação de produtos mais baratos, sobretudo da China. O governo brasileiro aproveita-as para manter baixa a inflação e alta sua popularidade pelo falso "enriquecimento" da chamada nova classe média . Mas ao mesmo tempo entrou numa camisa de força: as importações vão avançando sobre novos setores produtivos cada vez mais sofisticados, pois como a indústria é uma cadeia, elos vão se partindo no País e exigindo mais importações.

As privatizações em curso não terão sucesso, pois ser sócio do governo brasileiro, que tem 49 % do capital social e uma chefe nacionalista, significa que, ao menor sinal de contrariedade, o governo se torna majoritário pela via de um Congresso inoperante, e quando isso ocorrer o capital já estará desvalorizado em pelo menos 50%. Assim ocorreu com hidrelétricas politicamente fracas, rodovias estatoprivatizadas e se tentou com a Vale. Alguém de bom juízo irá se expor a estas condições? Só oportunistas...

Gilberto Linhares Alves gjlinharesalves@hotmail.com

Mogi das Cruzes

*

RETROVISOR

O ano de 2012 está se encerrando. Se olharmos pelo retrovisor do tempo, podemos observar que foi um ano de muitas turbulências, principalmente no âmbito da política nacional. Perdemos as contas de quantas CPIs foram instaladas, de quantos escândalos foram estampados nas páginas dos jornais de todo o País. 2012 foi um ano atípico, talvez nunca antes na História deste país tantos políticos foram julgados e condenados, porém até o momento nenhum dos condenados foi preso. Pelas amostras que tivemos em 2012, o ano de 2013 promete. Há indícios que para o próximo ano haverá nobres deputados que foram julgados e condenados e continuarão exercendo suas atividades normalmente na Câmara. Para aqueles que observam detalhes, presumo que tal situação não lhes deva ter causado muito espanto, até porque, no início desse ciclo político, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não se cansava de dizer que o Brasil é um país de todos... Feliz ano-novo.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

MENSALÃO

O fim de um ano leva a que se façam muitas reflexões. Entre as quais o levantamento das coisas positivas mais importantes. Uma delas, por certo, vai estar em evidência, ou seja, o julgamento do denominado mensalão. Que leva a pensamentos de que nunca o Judiciário agiu com tanta firmeza. O que não corresponde à verdade. E mais, não são colocados aspectos relevantes, como o tempo de tramitação do processo, sete anos. A época de sua pautação, que coincidiu com a realização das eleições municipais. Que serviu inclusive para fundamentar um argumento, mostrando que o julgamento não despertou a atenção da grande maioria de brasileiros. Por fim, que a forma de agir do STF não caia no campo político-partidário nem sofra influências de nenhum segmento social, principalmente o econômico.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

GILBERTO GIL

O "cálice de vinho tinto de sngue" que o artista Gilberto Gil tem cantado na Globo News tem que ver com a conclusão do julgamento do mensalão?

Paulo de Souza Cavalcanti paulo_souza_cavalcanti@ig.com.br

Ribeirão Preto

*

OPERAÇÃO PORTO SEGURO

Ser Presidente da Republica por oito anos: R$ 26.723,13/mês, fora as mordomias. Ser o principal beneficiário e ficar fora do mensalão: R$ 141 milhões. Ver a "amiga íntima" ser denunciada por formação de quadrilha, corrupção, tráfico de influência e falsidade ideológica: NÃO TEM PREÇO!

Luiz César Pannain luizcesar48@hotmail.com

São Paulo

*

CORRUPÇÃO

É necessária a legalização ou regulamentação do crime de corrupção. A quem a oferecer e a quem a aceitar, pena máxima de prisão. Sem direito a impugnação ou a protelação da ação. Sem exceção, para o jovem, para o adulto ou para o ancião. Para o bem da administração da Nação. E também para o bem das futuras gerações. Pois a presente geração já se acostumou com essa aberração. E as futuras gerações poderá achar que a corrupção é uma tradição, mas, na realidade, é uma maldição e uma desconsideração à população, que já é apenada pelo excesso de tributação e pela ínfima redistribuição e pela diminuta democratização, além da exacerbada lulação. Portanto, abaixo a corrupção, pois, com ela não salvação. Mesmo com tanta lulação. Lulação. Lulação! E também com tanta dilmartirização. Dilmartirização. Dilmartirização!

Ney José Pereira neyjosepereira@yahoo.com.br

São Paulo

*

POLÍTICA

Política barata e inapropriada, nos últimos 16 anos, foi o que se viu. Tanto tucanos quanto petistas levaram pelo lado do persuadir (levar na conversa) todos os eleitores brasileiros, e o que se viu? Corrupção o tempo todo! Ah, mas agora é um novo tempo, pode ser, é uma mulher no poder, só isso. E a corda arrebentou pro lado dos tucanos, igualmente sequiosos de poder, igual a seus adversários petistas. O poder é tão bão? Façam bom proveito, só que o povo está de olho!

Edson Rodrigues e.rodrigues1953@uol.com.br

Santo André

*

APOSENTADORIA DE IDELI

Vergonhoso o Senado Federal decidir aposentar voluntariamente a ex-senadora do PT Ideli Salvatti com R$ 6,1 mil mensais após ter trabalhado somente oito anos. Tal fato demonstra desrespeito à população brasileira, que precisa contribuir por 35 anos para obter uma aposentadoria de um salário mínimo e insuficiente para comprar os remédios básicos da velhice, que dirá aproveitar o merecido descanso após tantos anos de trabalho duro. Certamente a péssima educação e a desinformação do brasileiro contribuem para que vejamos e nos calemos diante desses descalabros que nos envergonham de nossos representantes políticos.

 

Daniel Marques danielmarquesvgp@gmail.com

Virginópolis (MG)

*

O CUSTO DA CASTA PRIVILEGIADA.

Estima-se que a Previdência dos Servidores Federais (RPPS), aquela que possui apenas 935 mil beneficiários, produzirá em 2012 o déficit recorde de R$ 60 mil por ex-servidor/ano, pouco mais de R$ 56 bilhões. Absolutamente, não há nada que se iguale a isso no mundo. Isto corresponde a mais de 2,5 vezes a renda per capita somente em déficit para manter benesse sem igual no planeta para cada cidadão de primeira classe; enquanto que a soma do estelionato total ao erário corresponderá a mais de 2/3 do que foi empregado em saúde pelo governo federal, durante o ano, com os demais 195 milhões de cidadãos brasileiros. A carga fiscal não é o nosso maior problema, a questão é onde ela é gasta pela incontinente incompetência; e pelo corrupto clientelismo e corporativismo que dirige o País disfarçado de partidos e embutidos em todos os órgãos e repartições deste país.

Oswaldo Colombo Filho colomboconsult@gmail.com

São Paulo

*

VIDA ATIVA

Prepare-se: você vai trabalhar além dos 65 anos (Economia, 30/12). Trabalhar onde?

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

A BANANA

Hoje, 31 de dezembro, é o último dia do ano. Para nós, ex-trabalhadores da Varig e aposentados Aerus, é só mais um dia, quer dizer, é o dia da véspera do sétimo ano. Sim, vai fazer sete anos que os ex-trabalhadores da Varig não veem a cor dos seus direitos: não receberam os salários atrasados (quando a empresa fechou havia quatro meses que não recebiam os seus salários), não puderam sacar o FGTS, não puderam receber as suas poupanças no Instituto Aerus de Seguridade Social... Enfim, foi-lhes mostrada uma grande banana. Quanto aos já aposentados e pensionistas do Aerus, tiveram os seus benefícios reduzidos em até 92%! De 1993 a 2006, a então Secretaria de Previdência Complementar, atualmente deguisée em Previc (órgão governamental responsável pela fiscalização das entidades de previdência privada), assistiu, de camarote, à degringolada da situação econômico-financeira do instituto e ia "aprovando" as teimosas renegociações entre a maior patrocinadora e o instituto. Foram 21vezes que se sentaram à mesa para - para empurrar com a barriga a catástrofe que se avizinhava. Quando o samba descambou de vez, em abril de 2006, a Previc se mandou e está até hoje fazendo cara de paisagem. Os "donos" da Previc (governo federal), mesmo condenados pela 14.ª Vara Federal do Tribunal Regional Federal da 1.ª Região, em 13 de julho de 2012, não só fazem ouvidos de mercador como chicaneiam acintosamente. E a nós, todos nós só nos tem restado olhar para a banana.

Jim Pereira, ex-comissário de voo na Varig, aposentado Aerus jimpereira@gmail.com

Queluz (Portugal)

*

SERRA DO CAFEZAL

Até que enfim houve licença ambiental para a duplicação do pior trecho da Rodovia Régis Bittencourt (BR-116), que já matou centenas de pessoas. Por que o poder central não dita novas regras ao Ibama, cujo atraso de certas decisões só emperra o desenvolvimento do País? Por exemplo: a Régis Bittencourt, considerada, a principal rodovia brasileira, já era para estar inteiramente duplicada há anos, pois por ali o movimento de caminhões cargueiros é intenso, diariamente, pela interligação com países do sul. O que é mais importante: a preservação da vida do ser humano ou dos animaizinhos que vivem em matas nas imediações e podem mudar de endereço, se forem molestados? Em países desenvolvidos, de Primeiro Mundo, como Estados Unidos e outros, fato como esse não acontece: a prioridade é a vida humana. Estes são o Brasil e o governo em que a maioria acredita e confia.

João Rochael jrochael@ibest.com.br

São Paulo

*

SÃO SILVESTRE ESCULHAMBADA

A mais tradicional corrida para fundistas em São Paulo sempre foi a São Silvestre, idealizada pelo saudoso jornalista Cásper Líbero. E se tornou famosa, até internacionalmente porque era realizada na última noite do ano, saindo defronte ao prédio da Gazeta, na avenida que hoje leva o nome do seu idealizador, e terminando no mesmo lugar, depois de percorrer diversas vias da capital paulista, sempre com o mesmo percurso. Era incrementada ainda pela característica de os primeiros colocados cruzarem a linha de chegada à meia-noite, ou zero hora do novo ano, ao som das sirenes do prédio da Gazeta. Só mudou seu percurso quando a Gazeta mudou para a Avenida Paulista. Lembro-me de que a população assistia à corrida por todo o seu percurso e, depois do advento da televisão, também em suas residências, e, ao mesmo tempo que se abria a champanhe e desejávamos felicidades a todos os presentes e aos habitantes do planeta, ficávamos de olho na telinha para assistir ao final da corrida. Então a carioca TV Globo passou a comandar a corrida e foi esvaziando-a pouco a pouco, cumprindo metas pré-determinadas, objetivando o seu esvaziamento total. Este ano aparentemente deu o golpe final, transferindo a corrida para as 8h40 e 9 horas, inclusive complicando mais ainda o nosso trânsito, já que até ao meio-dia é dia normal de trabalho em inúmeras empresas e órgãos públicos. E o Estadão de ontem, 30/12, contém duas notícias que esclarecem como processo em tela já vai chegando ao seu objetivo. Na primeira, no caderno de Esportes, a própria manchete já é suficiente São Silvestre vai perdendo prestígio - informando que ela atrai cada vez menos a elite internacional e nacional de fundistas e cada vez os amadores anônimos. Provavelmente no ano que vem começará às 6 horas e o percurso se limitará a ficar dando voltas em torno da Ponte Estaiada. Já no caderno Metrópole temos a matéria sobre o executivo egípcio de nacionalidade espanhola, corintiano desde pequeno, que criou o réveillon na Paulista, defenestrando dali a nossa quase centenária corrida. A festa do réveillon, sem dúvida, é importante para a cidade, mas deveria ser realizada no marco zero de São Paulo, que fica na Praça da Sé. Afinal, ali é o centro da cidade, e não na Avenida Paulista, como os locutores da Globo teimam em denominar. O governo paulista tem de intervir nessa avacalhação.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

CAPITAL SEM RÉVEILLON

Curitiba é uma das poucas, se não for a única capital onde não há festa pública de réveillon. Enquanto em todo o País as prefeituras movem todas as forças públicas e os organismos de turismo e cultura para que esse evento de celebração mundial aconteça com muito entusiasmo, alegria e confraternização, aqui, na capital do Paraná, a população, infelizmente, não é contemplada com um acontecimento solidário e que une as pessoas.

Célio Borba celioborba@ovi.com

Curitiba

*

AVALIAÇÃO DE KASSAB POR ELE MESMO

O quase ex-prefeito Gilberto Kassab fez sua autoavaliação e a nota foi um 10. Na prática a gestão deste prefeito não foi boa, uma vez que praticamente Kassab se preocupou em melhorar as condições apenas em bairros da elite paulistana e praticamente abandonou a periferia da cidade. Eu, particularmente, esperava muito mais desse prefeito, pois ele tem uma boa formação (é engenheiro) e como administrador ele tinha como sua obrigação planejar de forma exemplar suas ações, uma vez que conseguiu cumprir apenas 50% de suas metas. Com esse resultado, numa instituição privada, o engenheiro Kassab seria simplesmente demitido. O ainda prefeito fala com orgulho que está deixando em caixa para a próxima administração R$ 4,5 bilhões, o que ele não fala é que, em sua administração de seis anos, a dívida da Prefeitura aumentou em média R$ 6 bilhões por ano, pois quando assumiu a dívida da Prefeitura era de uns R$ 33,3 bilhões e hoje se fala em mais de R$ 60 bilhões. Bem, o engenheiro Gilberto Kassab pode ser um bom administrador apenas em seus próprios negócios, pois sua gestão pública não deixará saudadas, ao menos para mim.

Paulo Rodrigues de Moura paulorodriguesmoura@hotmail.com

São Paulo

*

PIOR AVALIAÇÃO.

É isso aí, Kassab, conseguiu ter a pior avaliação como prefeito de São Paulo, ficou atrás até do Pitta, aquele tão recomendado pelo Maluf, lembra-se? Mas conseguiu eleger um "patrício" do PT. O que está faltando para receber o prometido ministério no (des)governo federal? Fique longe dos paulistanos, vá se juntar com a sua nova turma.

Maria Teresa Amaral mteresa0409@2me.com.br

São Paulo

*

A SAÚDE DE KASSAB VAI MAL

Em 27/12 estive hoje em várias UBS (os postos de saúde da Prefeitura de São Paulo) para retirar meus medicamentos. Faltavam os remédios em todos elas e, segundo informações obtidas, somente a partir de 10 de janeiro, talvez, os postos podem ser reabastecidos. Enquanto isso, os funcionários não têm o que fazer e os pacientes que se lasquem. Bom ano-novo, sr. Gilberto Kassab, mas, por favor, não se candidate a mais nada. O senhor é péssimo. Nota zero.

Paulo Magalhães magalha1960@bol.com.br

São Paulo

*

Parabéns pelo editoral O destino da saúde municipal (26/12, A3). Permito-me pedir a atenção do futuro prefeito Fernando Haddad e do seu secretário municipal de Saúde para a situação precária dos prontos-socorros, em especial do Pronto-Socorro do Hospital do Servidor Público Municipal (HSPM), sito à Rua Castro Alves, 62, na Liberdade. Criado para atender os servidores públicos municipais e seus familiares, passou a atender a população em geral, em especial a mais carente, como moradores de rua e presos feridos em confronto com a polícia. Entendemos que para fazer frente à demanda crescente pelos serviços de urgência, em especial os decorrentes de acidentes de trânsito na área central da cidade, na maior parte envolvendo atropelamentos de pedestres e acidentes com motos, que são atendidos por aquele PS, faz-se necessária e urgente a construção de novo prontos-socorros em área próxima à Av. 23 de Maio, visando o atendimento dessas ocorrências e da futura demanda com a realização de jogos da Copa do Mundo de 2014, quando grande numero de turistas virá a São Paulo e necessitará de atendimento de emergência e urgência. Esperamos as providências da nova administração municipal, fazendo votos de uma gestão marcada pela melhoria na qualidade dos serviços, em especial na área da saúde pública.

Idérito Miguel Caldeira iderito@gmail.com

São Paulo

*

COERÊNCIA

A Prefeitura de São Paulo está cobrando uma dívida do ano de 1985 de uma creche situada na região da Vila Prudente. Esta não tem condições de pagar e vai fechar, 400 crianças vão ficar sem a creche e inúmeros funcionários vão perder o emprego. Essa mesma Prefeitura recentemente beneficiou o Corinthians com isenção de tributo em torno de R$ 500 mil. Pergunto: onde está a coerência disso tudo?

Agostinho Locci legustan@gmail.com

São Paulo

*

PARA ENTENDER

Por que o presidente de uma entidade de futebol, no caso, a CBF, recebe um salário absurdo de R$. 160 mil por mês, conforme divulgado por este jornal em 26 do corrente, e pagos, suponho, pelos clubes filiados a ela? Enquanto isso, a maioria dos clubes de futebol, principalmente os das divisões secundárias, vivem em penúria financeira, a ponto de não terem dinheiro sequer para pagar seus jogadores carentes, que vivem mais da esperança de um dia poderem melhorar a vida através do futebol. E pensar que os governos federal e estaduais estão investindo bilhões para bancar a Copa de 2014. Dinheiro que poderia servir para melhorar a saúde, a educação, a segurança e a infraestrutura do País, que juntas iriam gerar muito mais benefícios permanentes para a população do que esse efêmero e ufanista evento esportivo de cunho privado. Lembro ainda que recentemente soube que o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, sr. Nusmann, não recebe nenhuma remuneração para exercer esse cargo. Tudo isso só me faz lembrar um antigo bordão humorístico da TV que dizia: "Ah, só queria entender!".

Rubens Muniz Ferraz rferraz4@uol.com.br

São Paulo

*

SAUDADES DE DANIEL PIZA

Um ano atrás, o susto e o desalento pela morte de Daniel Piza. Nos seus livros acompanho ainda a linha de seu pensamento brilhante, autêntico, inspirado. Mas minha leitura dominical está sem o encanto de suas crônicas... sempre a curiosidade, talvez egoísta, de pensar: o que diria ele desse assunto, dessa situação, desses fatos? Faz muita falta. A imagem que tive dele e sua obra foi a de um farol a iluminar os porões dos fatos, instigar o pensamento crítico, estimular a cidadania consciente, descobrir os bons autores. Enfim, contribuindo para o crescimento como ser humano. Sempre que essa lembrança ocorre, tenho um profundo agradecimento - de uma partícula da Inteligência Universal que aqui está, para outra - em outros planos, após cumprir tão digna e brilhantemente uma missão. Se o pensamento tem endereço certo, esse sentimento há de encontrar eco. Saudades.

Edna B. Munhoz edna.ebm@gmail.com

Jundiaí

*

DONA CANÔ

José Nêumane e Tom Zé deixaram registrado no Caderno2 (29/12) a essência do que foi dona Canô. Eu mesmo escrevi, por estes lados meus, sobre ela, dos contatos que tivemos, do quanto representou para mim, estudante, depois, profissional e, agora, na madura idade, quando me ocupo de escrever. Não soube, no entanto, e não pude, escrever como eles. Nêumane diz sem rodeios o quanto dona Canô, também ela, uma menina baiana, era única entre todas, e Tom Zé relata o universo contido na alma dessa grande mulher.

José Antonio Carlos David Chagas davidchagas@terra.com.br

Rio Claro

BOAS-FESTAS

O Estado agradece e retribui os votos de boas-festas e feliz e próspero ano-novo de André Sales/Curado & Associados Consultores, Atelier de Idéia, Bruno Ganem, Caiena Multimídia, Centro Empresarial Brasil-Paraguai, Cesar Cardoso - Patavina's, Cláudio de Melo, Cleverson Alvarenga - chefe de gabinete do deputado Zeca Dirceu, Consulado-Geral dos Estados Unidos da América em São Paulo, Cristina Costa/Paula Seabra - Link Comunicação Empresarial, Denise Hammerschmidt, DM Notícias, Edgard Gobbi, Edson Rodrigues, Engegrav, Equipe da Apoio Viagens, Equipe CDI/Pearson, Equipe da Companhia da Informação, Equipe da Editora Bei, Equipe Portal Dia de Campo, Erreacom, Fabio Arruda Mortara - Associação Brasileira da Indústria Gráfica (Abigraf ), Fecomércio, Francisco de Godoy Bueno - Bueno, Mesquita e Advogados, Fonte Leone Bar, Gilson de Carvalho Queiroz Filho - Funasa, Habib Saguiah Neto, Helena Ribeiro - Razão Humana Consultoria e Assessoria, Herôni Antônio de Menezes, Imobiliária Fábio Liporoni, Instituto Eckart, Ipanema Tower Residence, Jasminor Mariano e família, Jatiacy.com Network, Lea e Luiz Alberto de Paula Souza, Lucia Faria - Inteligência em Comunicação, Luiz Carlos Ballock - Instituto Aliança Livre, Luiz Dias e Maria Teresa Amaral, Mara Montezuma Assaf, Marcos de la Penha Chiacchio, Marcus Lima Arquitetura e Urbanismo, Maria Celia Furtado - Aner, Michel Cutait, Michelle Barreto - Conteúdo Comunicação Empresarial, Milton Seligman e Alexandre Loures - Ambev, Movimento Viva Brasil, Neil Ferreira e família, Nelson A. Pereira, Nelson Zeglio, Noites do Cupido, Norma Kherlakian Assessoria Imobiliária, Olímpia Escola de Futebol, Palácio das Ferramentas, Portal de Economia de José Roberto Afonso, Projeto Luz e Vida: Missão Amazônia e Rua Judaica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.