Fórum dos Leitores

ANO-NOVO

O Estado de S.Paulo

01 Janeiro 2013 | 02h05

Este promete

Apesar das nossas tradicionais vulnerabilidades, em que a educação e a saúde públicas são os dois expoentes negativos de fragilidades, terminamos o ano de 2012 com alguns pontos positivos. Os juros mais baixos da nossa História recente e o pleno emprego são vetores que nos dão esperanças de que 2013 será um ano de grandes avanços rumo a um processo de desenvolvimento que permita uma melhor qualidade de vida para a grande maioria da população brasileira.

JOSÉ DE ANCHIETA N. ALMEIDA

josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

Será bem melhor

Os milhões de paulistanos já começam 2013 bem melhor do que começaram de 2007 a 2012. A partir de hoje estão livres de Gilberto Kassab, graças a Deus!

MOYSES CHEID JUNIOR

jr.cheid@gmail.com

São Paulo

Feliz 2013?

O ano já começa com IPTU, IPVA, Big Brother Brasil, posse dos novos prefeitos e vereadores (mudam as moscas, mas a sensação de que tem uma mão dentro do meu bolso aumenta a cada ano). O trânsito estará a cada dia pior e a economia do País, na UTI, vivendo de carros 1.0, geladeiras e fogões. E nenhum condenado no caso mensalão foi para a cadeia! Cadê as boas-novas? Sou apenas um brasileiro e tenho de trabalhar muito para sustentar os políticos. Vamos lá, a vida continua. Feliz 2013 para todos os brasileiros que contribuem para o pagamento das Roses, dos Delúbios e Dirceus da vida...

LUIZ RESS ERDEI

gzero@zipmail.com.br

Osasco

Esperanças renovadas

Em 2012 atravessamos um ano complicado, de graves problemas na economia, pífio crescimento e o escandaloso julgamento do mensalão. Patinamos em vários quesitos, mas as esperanças se renovam para 2013 e o governo conta com melhores níveis de desenvolvimento, ao lado da criação de empregos. As turbulências americana e europeia nos desestabilizaram e precisamos incutir no discurso do governo que o fundamental não é o consumo, mas a poupança, se houver melhor distribuição de renda. Enxergando degraus e atalhos insondáveis, fica de prontidão o BNDES, que poderá irrigar a economia e fazer jorrar recursos para vários setores, porém o discurso monotemático do governo está exaurido. É tempo de, em pleno ano de 2013, trazer novas fórmulas e aparar as arestas, principalmente as disputas político-partidárias. E encorajar as reformas, notadamente a tributária, que é vital. O cardápio é vasto e promissor. Mas o mais urgente e peculiar é enfrentar o quesito segurança pública, pois a população se tornou refém da macrocriminalidade espalhada por todos os rincões da Terra brasilis.

CARLOS HENRIQUE ABRÃO

abraoc@terra.com.br

São Paulo

Heróis e mensaleiros

Neste começo de ano, quero lembrar aos brasileiros que as primeiras páginas da História desta nação não foram escritas por corruptos ou ditadores, mas por homens que tinham a honra e a dignidade como seus principais valores. Dom João VI, dom Pedro I, os irmãos Andrada, dom Pedro II, Caxias, general Osório e tantos outros que nos marcaram com gestos heroicos, como os dos Voluntários da Pátria e a travessia do Arroio de Itororó! Assim, sugiro que seja pensando neles que entremos em 2013, exemplos para a Nação, radicalmente opostos dos que foram condenados no mensalão.

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

eugeniojosealati@yahoo.com.br

Campinas

Ação Penal 470

Eu espero, sinceramente, que os réus do mensalão condenados vão para a cadeia neste início de 2013. Se não forem, como se pode ter moral para colocar outras pessoas por crimes na cadeia? Os valores da República estão em jogo. Isso é fundamental. A sociedade clama por justiça.

VICENTE PLANTULLO

vplentini@uol.com.br

São Paulo

Aos políticos do Brasil

Que 2013 seja um ano em que haja muito, mas muito trabalho, para justificar os salários que recebem. Que as regalias votadas e aprovadas em causa própria também sejam estendidas a todos os brasileiros. Que os corruptos sejam identificados, denunciados, julgados e execrados da vida pública. Que os projetos e as leis a serem aprovadas sejam de interesse da coletividade, e não apenas para beneficiar uns poucos privilegiados. Que as decisões tomadas nas votações o sejam em benefício dos cidadãos, e não como pau-mandado dos partidos. Que o caráter, a honestidade e o patriotismo sejam o ponto de partida da sua conduta. Se assim for, então, eu lhes desejo um feliz ano-novo.

ANTONIO BOER

toboer@uol.com.br

Americana

Previsões

As previsões para este ano, divulgadas por videntes, intuitivos, pais de santo, cartomantes não fugirão à regra: mais uma vez serão furadas, salvo as óbvias de acerto, como enchentes em São Paulo, desabamentos no Rio de Janeiro, etc. Agora temos mais um furão, o ministro da Fazenda, Guido (futurólogo) Mantega. Errou todas as previsões para o ano que findou e quer que acreditemos em sua bola de cristal para o que começa? Crescimento do PIB de 4% para 2013 será mais uma piada, que provocará, aqui e no exterior, muitos risos. Não é preciso ser "bruxo" para adivinhar o que 2013 nos reserva: a inflação continuará em ascensão, o vai e volta do IPI, os raios vão continuar a nos deixar na penumbra, o trem-bala não sairá da plataforma, as obras para a Copa do Mundo e a Olimpíada consumirão mais dinheiro que o "imaginado", a transposição das águas do Rio São Francisco terá uma nova data para ser concluída, talvez 2018... Previsões "difíceis", mas vou dar um banho de acertos.

SÉRGIO DAFRÉ

sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

BOAS-FESTAS

O Estado agradece e retribui os votos de boas-festas e feliz e próspero ano-novo de GPA&A - Gustavo Penna Arquiteto e Associados, PubliMidia-Com - Vivo Desejo, Regina e Imre Deutsch Junior, Ritah Oliveira, Roberto Massarente, Roberto e Jürgen Detlev Vageler, Rodney Vergili - Digital Assessoria-Comunicação Integrada, Rodrigues Barbosa, Mac Dowell de Figueiredo, Gasparian Advogados, Rogério Silva, Rubens Teixeira da Silva - Transpetro, Sagrado Lamir David, Samuel Campos Ferreira, Sid Marwann Habib Kuttab, Shenzhen Brisk Logistics, Top Tenis Moda Esportiva, Tonico Senra Assessoria de Imprensa, Urbano Representações, Valdeci Verdelho - Verdelho Associados, Vera Helena Soares de Camargo Cappellano e João Capellano, Voluntários do Grupo Além do Som - Associação Arte da Vida, VonBest Art Gallery e WN Brazil Communication e equipe.

ANO-NOVO

Que o novo ano traga aos brasileiros a capacidade de melhorar, de acreditar e de exigir. Melhorar as nossas escolhas na hora de votar, acreditar na política como uma arte que muito poucos exercem para muitos e exigir das instituições e dos administradores, a verdadeira ordem e o verdadeiro progresso. Só assim vamos poder acabar com o populismo barato, a inexperiência mentirosa e a incompetência corrupta.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

O QUE ESPERAR?

Com o passar dos anos vamos adquirindo uma visão mais apurada do mundo, nosso olhar filtra muitas coisas que antigamente passavam despercebidas. O ano de 2012 foi de frustração, principalmente na atuação de nossas autoridades. Quem acompanha os fatos logo percebe que as irregularidades cometidas na maioria das vezes ficam sem uma apuração mais detalhada e profunda, pois quando isso é feito os culpados se escondem nas brechas da lei, porque o jogo político impede que a apuração seja concluída conforme o clamor público. Assim as denúncias se sucedem, como cartas marcadas, com um final já esperado, o esquecimento da população, que está mais preocupada com a novela, com a disputa do campeonato de futebol. O que muda um país são as futuras gerações, que muitas vezes ficam à margem da sociedade. O Brasil é um país sem identidade, somos um conglomerado de pessoas, uma reunião de todas as raças do mundo. Temos o melhor e o pior de muitos povos. Dessa maneira, vamos empurrando com a barriga a vida que segue igual e apenas diferente no calendário. Feliz 2013 (que na linguagem maia numerológica quer dizer “vinte trezer” sorte).  Acredite.

 

Manoel José Rodrigues manoel.poeta@hotmail.com

Alvorada do Sul (PR)

*

CERTEZA

Com base nos dez anos de governo do PT, a única promessa certa do lulopetismo para 2013 é que será um ano ímpar!

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

DESEMPENHO ESTE ANO

Medidas para melhorar o desempenho do governo para 2013: taxa de natalidade zero para aumentar o PIB per capita; taxa de mortalidade de aposentados e pensionistas do INSS em 100%, para eliminar o déficit da Previdência Social.

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br

São Vicente

*

ADEUS, 2013

 

Últimas notícias: impostômetro atingiu R$ 1,5 trilhão, o governo revê  previsões  e  espera 16%  de  desemprego  em 2013;

sem Orçamento para 2013 Dilma vai usar MP para garantir gastos, mercado eleva projeções para inflação e reduz PIB

de 2013. Feliz 2014!

 

CLÁUDIO MOSCHELLA

arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

PURA INCOMPETÊNCIA

Será que existe alguém que acredite que 2013 será o ano da criação de empregos? Só se for na China!Acho que nem esse pessoal que recebe bolsas assistenciais acredita, nem quer emprego. Particularmente, não creio num disparate desses, pois essa turba que governa o Brasil já cuidou para que isso não seja mais possível. Impostos na casa de R$ 1,5 trilhão na virada do ano, aumento do salário mínimo de forma irresponsável, não sei onde arranjaram um índice de 9%, que com certeza fechará milhares de postos de trabalho nas pequenas empresas. O PIB será negativo, as vendas de Natal mostraram um quadro assustador com a presença de 90% dos produtos comercializados de procedência chinesa, quinquilharias de todos os tipos, feitas com materiais de péssima qualidade, verdadeiro lixo, mas que, em sua fabricação criam muitos empregos, na China. Realmente não dá para acreditar em delírios e promessas vazias, todo ano é a mesma coisa e nada acontece de melhor. 2013 já começa mal, pois nem Orçamento tem, e tudo por incompetência dos bem mais de 300 picaretas dos três Poderes.

José Mendes josemendesca@ig.com.br

Votorantim

*

‘IXPERTEZA’

Pode-se não saber ao certo se De Gaulle  disse mesmo que o Brasil não é um país sério, mas com certeza não é. Enquanto Obama negociava com o Congresso, lutando desesperadamente contra o relógio para evitar o engessamento do orçamento, aqui, em situação bastante parecida Dilma lança uma MP, ignora a Constituição e pronto. É trágico, mas estamos mais para Venezuela do que para Primeiro Mundo.

Mario Silvio Nusbaum mario_silvio@hotmail.com

São Paulo

*

APAGÃO ORÇAMENTÁRIO.

O governo federal não conseguiu aprovação do Congresso Nacional para o Orçamento do ano que vem, o que ficou para ser discutido e aprovado só no fim do recesso parlamentar. Isso de deve à negligência dos senhores legisladores, ou por represália ao veto oposto à lei dos royalties, ou outro fato de qualquer natureza política. A verdade é que tal manobra causará um verdadeiro apagão orçamentário na administração pública, que não terá como evitar uma paralisia perigosa das obrigações assumidas pelo governo, nos primeiros meses de 2013, em projetos de desenvolvimento, como liberação de recursos para modernização de portos e aeroportos, etc., etc., etc. Por tudo isso é que, a presidente Dilma, entendendo, como bem entendeu, que se trata de caso relevância e urgência, e com fundamento no artigo 62 da Constituição federal, houve por bem editar uma medida provisória liberando, na peça de 2012, recursos que ultrapassam um terço do investimento previsto para 2013, abrindo um crédito extraordinário de R$ 42,5 bilhões, para poder enfrentar aludidas obrigações. Com tudo isso, numa atitude irresponsável, a oposição governamental clama que vai recorrer ao STF para declarar inconstitucional a MP em tela, não levando em consideração que foi ela, oposição, que deu motivo para tal situação. Este apagão não é só "falha humana", como caracteriza a presidente Dilma os outros apagões, é também uma vergonhosa falha de patriotismo, de cooperação política para o bem do Brasil!

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

*

ACORDO ORTOGRÁFICO

E agora como é que fica? Será que vamos ter outra presidenta só depois de 2016?

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

A CRUZ DE HADDAD

Para cumprir promessas de campanha, o novo prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, vai colocar seu time de 26 secretários numa missão de  que se compara à dos obreiros das igrejas evangélicas quando são encarregados de passar as sacolinhas e recolher a contribuição dos seguidores. O plano de governo de Haddad ultrapassa R$ 20 bilhões e para cumpri-lo terá de contar com a ajuda do Estado, da União e da iniciativa privada. Com o segundo, Haddad sabe que pode contar, porque a presidente Dilma Rousseff tudo fará para que os dois primeiros anos do prefeito sirvam de cimentação para a campanha  de 2014, em que o Partido dos Trabalhadores, depois de conquistar a jóia da coroa, tudo fará entre o legal e o ilegal, o moral e amoral, o ético e o aético, para tornar realidade o sonho da conquista da “locomotiva do Brasil”. O novo prefeito espera obter o apoio da iniciativa privada e para isso conta com seu secretário de Finanças, Marcos Cruz, experiente e que se desenvolve muito bem no meio empresarial. Pelo visto, o governo paulistano carregará uma "cruz" sem constrangimento. "In hoc signo vinces" (com esse sinal vencerás).

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

PROMESSAS

Duas informações sobre a inspeção veicular, criada na gestão Gilberto Kassab e com sua extinção prometida por Fernando Haddad. Primeiro a ruim: a taxa foi reajustada em 6,9%, passando para R$47,44 em 2013. A segunda, também ruim: será solicitada à Câmara Municipal a sua extinção para veículos com até quatro anos, com a conseqüente devolução do valor, se tiver sido pago, mas os veículos com mais de quatro anos continuarão pagando! Gostaram? Ficaram felizes? Deduz-se que o PT continua o de sempre, promete muito, mas cumpre pouco ou quase nada. Nem adianta comemorar, é possível que tudo fique como está, e estamos conversados. O bilhete único mensal, que não depende da aprovação da Câmara, deverá ser implementado só no segundo semestre de 2013, já que depende do "validador", portanto, é melhor esperar sentado. Os eleitores ainda não aprenderam que não podemos acreditar em nenhum candidato, todos são "farinha do mesmo saco"? E haja saco!

 

Maria Teresa Amaral mteresa0409@2me.com.br

São Paulo

*

PROFÉTICA

O Arco do Futuro, ambicioso conjunto de projetos de Haddad prometido durante a campanha para a prefeito de  São Paulo

em 2012 , segundo Soninha Francine, está fadado ao fracasso. E diz ela que se  as tais obras tiverem começado daqui a quatro anos, fará uma tatuagem de Lula  com boné do Corinthians no seu corpo. Soninha pode ficar sossegada, seu corpo sairá ileso dessa agressão.

 

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

POUPATEMPO MUNICIPAL

O futuro secretário municipal de Desenvolvimento Econômico poderia atentar que a Prefeitura de São Paulo não necessita de “Poupatempo” como tem o Estado, pois possui agências –“subprefeituras” - em vários bairros da capital, muito bem organizadas e funcionando magnificamente bem, como pude verificar no atendimento recebido de uma flor de funcionária na agência Anhangabaú. Os pequenos e médios comerciantes – bem como os outros -  poderão resolver as pendências burocráticas, sem onerar os cofres da Prefeitura com um cabide de empregos.  

José Erlichman  joserlichman@gmail.com 

São Paulo

*

COMUNICAÇÃO PRÉVIA

Sei perfeitamente que ninguém vai levar a sério, mas de qualquer maneira que fique registrado antecipadamente. Vimos no início de dezembro matéria sobre as creches conveniadas com a Prefeitura de São Paulo. É certo que a prefeitura tem de fiscalizar e cobrar, por isso paga para que as crianças tenham um bom atendimento. Acontece que por trás de tudo isso está um grupo econômico com um plano mirabolante, que é a construção de creches sem licitação e a formalização de uma parceria público-privada (PPP). Essa gente tem até conseguido ludibriar membros do Ministério Público e do Judiciário, que imaginando estar prestando serviço à população, mas, na realidade, estão trabalhando de graça para o bando. Atualmente a Prefeitura tem um custo com locação de imóveis que varia entre R$ 30 a R$ 60 por vaga/mês, o que corresponde a aproximadamente R$12 milhões para um grupo de 300 mil vagas. Esse grupo, já previamente acordado com futuros indicados, pretende construir e fornecer à Prefeitura imóveis para atender a uma demanda de 300 mil vagas ao custo aproximado de R$ 350 por vaga/mês, o que corresponde um custo de R$105 milhões por mês, ou seja, mais de R$ 90 milhões todo mês a ser sangrado do Fundeb, desviar indevidamente mais de R$1 bilhão por ano.

A justificativa para isso é que precisa encontrar uma maneira de gastar o dinheiro destinado ao Fundeb. Espero que, no mínimo, esta sirva de comunicação prévia, para logo no primeiro semestre de 2013, quando se iniciarem as tratativas para formalização desse fato...

J. Lira jlira.lira@ig.com.br

São Paulo

*

POLÍTICO DE FUTURO

Gilberto Kassab não é pavão, tampouco político populista. Conforme matéria do Estadão na semana anterior ao Natal, números de recente pesquisa apontam que a sua segunda gestão foi reprovada pela maioria da população, mas em 22 de suas ações das mais relevantes recebe notas altíssimas! Compreende-se, entretanto, a decepção dos munícipes com relação, principalmente, ao trânsito caótico e às dificuldades com transporte coletivo, questões de certa forma interligadas e que dependem mais das novas linhas em construção dos metrôs e monotrilhos, dos corredores de ônibus, até da finalização das obras do Rodoanel e dos prometidos trens intermunicipais. Uma tarefa árdua para o prefeito e o governador do Estado, também dispendiosa para os cofres públicos, mas que, felizmente, grande parte já está em andamento.  Agora se o novo prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, a quem desejamos sucesso, almeja conquistar uma boa imagem perante os munícipes, que não siga as orientações retrógradas de seu partido (PT), que tem demonstrado nula vocação para parcerias com seus opositores, como o governador Alckmin, do PSDB.  E Gilberto Kassab, no meio de tantos políticos picaretas, não deixa de ser boa surpresa e opção aos eleitores para futuras eleições. 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

PURA ENGANAÇÃO

A melancólica despedida do prefeito Gilberto Kassab da Prefeitura de São Paulo mostrou que 50% das metas prometidas não foram cumpridas, sendo que 25% delas nem sequer saíram do papel. Pura enganação. Kassab repetiu Celso Pitta como um dos piores prefeitos da história recente da cidade. Lamentável que a maior e mais rica cidade do Brasil e da América do Sul esteja abandonada e tão mal cuidada nos últimos anos. Oxalá as coisas comecem a melhorar com a entrada do novo prefeito, em parceria com o governo federal. Os paulistanos não merecem tanto descaso e abandono. Sampa ficou para trás e agora precisa retomar o seu caminho de crescimento, inovação e pujança.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

SEM PERSPECTIVAS

Gilberto Kassab disse que deixaria a cidade de São Paulo melhor. Concordamos plenamente, pois ele a deixou mesmo, ontem, quando terminou seu mandato de prefeito. Portanto, livramo-nos de sua péssima administração, embora o que nos espera não seja nada animador!

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

CARADURA

Se fosse uma pessoa razoável, Gilberto Kassab sairia da política e deixaria a vez para gente mais competente e menos mentirosa. Vai dirigir seu partido, mas sem se candidatar a nada. Nunca se viu na história política do País ninguém tão caradura, dizendo que seu governo na Prefeitura mereceu nota dez com louvor. Infelizmente, os que morreram e continuam morrendo, porque ele não construiu os hospitais prometidos, não concordam.

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo

*

ADEUS, KASSAB

Não me admira que o ex-prefeito Gilberto Kassab tenha recebido a pior avaliação de seu governo desde a administração de Celso Pitta: deixou a cidade suja, malcheirosa e às escuras,  as calçadas esburacadas, o asfalto irregular, etc. Ainda de quebra, removeu os lampiões característicos da metrópole do café, especialmente desenhados pela Light - sem que se saiba para onde foram -, substituídos por luminárias de extremo mau gosto, em forma de muletas.  A pergunta que não quer calar: ele estava a favor ou contra José Serra, ou muito pelo contrário? 

Maria Cecília Naclério Homem mcecilianh@gmail.com

São Paulo

*

TRISTE FIM

Felizmente, chegou ao fim o mandato do

pior prefeito de São Paulo depois do insuperável Celso Pitta. E o que é o absurdo dos absurdos, em entrevista ao Estado (23/12), chegou a afirmar que não se importa com a sua popularidade, mas seria uma honra ser o governador do Estado de São Paulo. Fico imaginando de que maneira pretende ele concorrer ao cargo de governador do nosso Estado, com os índices tão baixos de avaliação de sua administração e não dando bola para a aceitação da população. Eleito na esteira da popularidade do ex-prefeito e ex-governador José Serra, deu o chamado chapéu no seu antigo partido, o DEM, no próprio PSDB, e ainda ficou bem na fita com o então prefeito eleito, Fernando Haddad, e com a presidente Dilma Rousseff.  Cuidou muito bem da sua carreira política, sob sua ótica, claro, e José Serra, que fez a sua campanha pregando a continuidade de sua ridícula administração, ficou a ver navios. Que a divina providência  nos livre de tê-lo como governador do Estado mais rico do País.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

AS CIDADES, OS ELEITOS E AS ESCOLHAS

O crescimento desordenado das nossas cidades provocou a multiplicação dos problemas de moradia, educação, saúde, saneamento, lazer, segurança e transportes. Paralelamente a isso, no entanto, as posições políticas, a gestão pública e as avaliações das necessidades não tiveram o necessário desenvolvimento para acompanhar esse urbano crescimento. Num cenário global em que se fala em sociedade e economia do conhecimento, o bom uso da técnica e as boas práticas da administração eficiente foram para o portal do esquecimento. Existe muita inútil locução para pouca e eficiente ação. Assim, inovar é preciso através de uma correta aplicação da tecnologia. Para o processo de transformação numa cidade eficiente é preciso um planejamento competente. Abandonar as abordagens catastróficas, negativistas e inconsequentes, que não levam a lugar algum. As nossas cidades não são inviáveis.  Com boas práticas de gestão e o bom uso da técnica surgem os bons caminhos, as eficientes e eficazes soluções e as estratégias de longo prazo, duradoras e sustentáveis. Vale começar do básico e persistir até as raias do que às vezes é considerado impossível. Não exagerar no otimismo, mas ter um comportamento criativo e positivo. Não existem barreiras intransponíveis para um bom planejamento e capacidade de gestão. Posto isto, torna-se imprescindível e urgente um processo de aplicação de um desenvolvimento sustentável no lugar de um crescimento discutível e sofrível. Sustentabilidade não significa imobilidade, ao contrário, representa as múltiplas atividades para uma verdadeira prosperidade. Os eleitos ganham o direito e o dever da escolha. Vale utilizar com lógica a pegada tecnológica. Colocar a ciência, a tecnologia e a inovação na prática e a serviço do cidadão. Valorizar os sábios e esquecer os sabidos. Não precisa ser utopia ou fantasia, basta escolher os profissionais experientes, e não os oportunistas subservientes. Urge, portanto, uma transformação nos métodos e processos administrativos e políticos para a garantia de uma melhor qualidade de vida. As cidades precisam deixar de ser um local só para morar, devem ser, também, um bom lugar para bem viver.

Paulo Cesar Bastos, engenheiro civil   paulocbastos@bol.com.br

Salvador

*

VENDETA

Será que os eleitores guardaram bem o nome dos prefeitos e de seus secretários que deixaram as cidades imundas, funcionários sem pagamento, etc., como represália por não se reelegeram? Ou ficará comprovado que o povo esquece e somos um povo sem memória? Aguardemos 2014, quando, provavelmente, alguns tentarão outros cargos.

Panayotis Poulis  ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

LIXO NAS RUAS

A televisão tem mostrado o problema da falta de recolhimento de lixo em diversas cidades brasileiras. Como se não bastassem os problemas com saúde, educação, infraestrutura... e má administração pública em geral, só faltava essa! Em suma, certas administrações municipais  são mesmo um “lixo”!

Edgard Gobbi  edgardgobbi@gmail.com    

Campinas

*

FALTA DE COLETA

País limpo é país sem lixo.

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

EM SUMARÉ

A história relata crendices ou superstições sobre o número 13. Eu acredito que tudo é fruto da imaginação popular. Exemplo: na minha amada Sumaré, o ano de 2013 será muito difícil para a nova administração - ruas esburacadas por todos os lugares, mato alto, lixo ou entulho abandonado em calçadas ou ruas, a saúde está em ruínas, etc. Lembrando que a cidade foi “administrada” por oito longos anos pelo partido que tem o número 13. Diante desses fatos, muitos moradores podem exaltar a lenda do azar sobre o 13. Conclusão: azar e ingerência são coisas distintas! Reflexão: o 13 é somente mais um número, mas em política...

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré

*

UMA CIDADE FALIDA

 

Em São Vicente, célula mater da nacionalidade, depois de 16 anos no exercício do poder, um grupo ligado ao deputado federal Márcio França, presidente do PSB paulista, foi derrotado nas eleições municipais, tendo como candidato o filho do ilustre deputado, o jovem vereador Caio França, que nas urnas teve comprovada a rejeição ao nome de seu pai, por este tentar novamente criar no Brasil uma capitania hereditária, coisa dos séculos passados. Deixam para trás um déficit orçamentário de duas vezes e meia o orçamento anual, ou seja impagável, um quadro de servidores públicos inchado por funcionários admitidos sem concurso e uma dívida com a Caixa de Previdência que inviabiliza os pagamentos a hospitais, médicos, dentistas e outros fornecedores, que certamente deixarão de atender estes segurados. Além disso, existem unidades de atendimento à população de vários setores, desde a educação à saúde, que não pagam seus aluguéis há cerca de 12 meses! Os salários dos funcionários públicos de dezembro não foram pagos e o problema está sendo repassado ao prefeito eleito, que  entra em seu gabinete na manhã desta quarta-feira - é que o prefeito Tercio Garcia, que sai, ganha como prêmio de seu padrinho político uma secretaria de administração na cidade de Limeira, onde o PSB elegeu seu candidato!

Será que será criada uma CPI na Câmara Municipal para investigar se ocorreram desmandos administrativos ou tudo ficará esquecido para daqui a quatro  anos vermos um retorno triunfal do grupo que agora sai em baixa? A memória do eleitor brasileiro sempre foi muito frágil, será que nada mudará? Bem, mas essa já é outra história, que ficará para uma outra vez!

Roberto Martins romello56@yahoo.com.br

São Vicente

*

NO RECIFE

O secretariado montado pelo novo prefeito do Recife, Geraldo Julio, é uma piada de mau gosto! Para quem dizia ser um adepto da meritocracia na escolha do secretariado, o novo prefeito do Recife mostra que é apenas mais um, igual a tantos outros, usando indicações para cargos públicos como “moedas de troca”, destinadas a agradar aos “poderosos de plantão”, como se fossem meros instrumentos da cínica política do toma lá, dá cá. Se antes mesmo de tomar posse o sujeito já descumpriu suas promessas de campanha, imaginem o que virá agora, “entronizado” no cargo.

Júlio Ferreira julioferreira.net@gmail.com

Recife

*

POLITICAGEM

Em pleno sertão nordestino arrasado pela seca, prefeitos de pequeninos e pobres municípios recebem salários quase de ministro de Supremo. O fato revela que o fisiologismo e o carreirismo ainda têm vez na nossa política. Antes de assumir cargo eletivo, todo político deveria ser obrigado a fazer curso de Ética.   

Marcelo de Lima Araújo marcelodelimaaraujo@yahoo.com.br

Mogi das Cruzes

*

CORRUPÇÃO NOS MUNICÍPIOS

Mais de 3 mil inquéritos da Polícia Federal apuram desvio de verba pública em prefeituras. Imaginem se as prefeituras tivessem as autonomias e liberdades que uma grande massa de “políticos” fica defendendo.

Helio Mazzolli www.hmazzolli.com.br

Criciúma (SC)

*

‘AGIL PARA COBRAR, LENTO PARA SERVIR’

O jornalista Lourival Sant’Anna, em sua excelente  reportagem especial sobre O cidadão e o serviço dos governos (30/12, C6 e 7), aponta para um dos mais sérios problemas do Brasil:  o poder público é “ágil para cobrar e lento para servir”!  (E isso tendo à disposição uma pesadíssima carga tributária, equivalente à de muitos países ricos!)  Além desta, temos muitas outras dissintonias que provocam nosso atraso econômico e social.  Os que assumem o poder público, geralmente são eficientes em arrumar cargos para parentes, militantes e cupinchas,  mas relapsos na demanda de competência dos mesmos;  são eficientes em aumentar os gastos de suas pastas e despreocupados com a boa aplicação e o retorno dos mesmos;  estão presentes em bloco quando em jogo o aumento de arrecadação, mas ausentes em todas as questões de interesse da Nação;  são fontes de todo tipo de promessa e ilusão para conquistar votos, que são prontamente esquecidas após apurado o resultado das eleições...  E por aí vamos vivendo neste país do faz de conta: o contribuinte obrigado a pagar cada vez mais impostos, na esperança de que terá um retorno correspondente; e o governo, cada vez mais inchado, se achando dono desse dinheiro para fazer, ou não fazer, o que bem entende.  Parabéns. Pois matérias como a de Sant’Anna ajudam um pouco a quebrar essa triste síndrome!

 

Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br

São Paulo

*

ALCKMIN E O PSD

 

Pelo visto, em 2014 o PT vai conseguir eleger mais um poste para governar o Estado de São Paulo, e vai vencer facilmente, se o governador Geraldo Alckmin insistir na burrice de o PSDB se aliar ou continuar aliado ao PSD, um partido fundado pelo pior prefeito que São Paulo já teve, e traidor. Há um ditado popular que diz: antes só do que mal acompanhado. Pense bem, governador Alckmin.

 

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

ALCKMIN 2014 OU LULA 2012?

Parece que o Lula fez escola, pois se uniu ao Maluf para eleger o Haddad, e agora quer fazer uma aliança com quem o traiu, Gilberto Kassab, e o Afif (este não é de se confiar muito, porque  seu nome ao contrário é Fifa). A política no Brasil é assim mesmo, uma hora inimigos viram amigos e vice-versa. Depois que o PSD - Partido Sem Direção, pois não sabe para onde vai, assumiu que em Brasília é Dilma, em São Paulo é Alckmin, na Bahia é ACM Neto, e assim por diante, quem está no governo ele apoia, então o que esperar de políticos dessa extirpe? Apenas o gozo pelo poder. Kassab, Maluf, Lula, Zé Dirceu, Azeredo, Cabral, entre outros tantos, só estão na política para angariar algo para sua vida particular, porque para o povo mesmo... O que eles querem é somente o voto nas eleições.

Walter Francisco Barros walterfbarros@yahoo.com.br

Araçatuba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.