Fórum dos Leitores

'ESTADÃO', 138 ANOS

O Estado de S.Paulo

04 Janeiro 2013 | 02h06

Cumprimento o Estadão pelos seus 138 anos de história. Como leitor assíduo, cumprimento todos os jornalistas e demais funcionários que fazem o melhor jornal do País.

 

Pedro Sergio Ronco sergioronco@uol.com.br

Ribeirão Bonito

*

PARABÉNS, 'ESTADÃO'

Cumprimento o maior e mais importante jornal deste país. Independente, o Estadão vai a fundo e não poupa ninguém. É disso que o leitor precisa, da divulgação de notícias e fatos doa a quem doer. Fazer 138 anos é para poucos. Um jornal que tantas vezes sofreu censura amarga 1.253 dias de mordaça por nada poder publicar nada sobre a Operação Boi Barrica. Um retrocesso, se considerarmos os avanços do País em tantos episódios. Nota zero para o Tribunal de Justiça de Brasília, que caminha a passos de tartaruga e parece compactuar com a família Sarney. Faz falta lá um Joaquim Barbosa.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

A FILA ANDA

Cumprimentos ao glorioso, íntegro e independente 'Estadão' pelos primeiros 138 anos de existência.  Quem lhe censura não durará o mesmo período, nem o julgamento pelo Tribunal de Justiça de Brasília demorará igualmente. A fila está andando.

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

Santos

*

LUTA PELA DEMOCRACIA

O 'Estadão' comemorou ontem 138 anos de existência. E, sem entrar no mérito sobre a linha política que adotou neste longo período, é preciso citar que em muitas ocasiões surgiram os enfrentamentos com vários segmentos sociais, alguns deles representando os governos do momento. Mas muitas manifestações dos componentes de sua direção e redação tomavam como referência principal o respeito às normas democráticas. E que as decisões de quem está no comando de um município, de um Estado ou do governo federal não fossem impositivas, mas respeitassem os dispositivos constitucionais. E este tem de ser o posicionamento constante. E isso deve ser levado em consideração no momento em que toma posse o deputado José Genoino, que foi condenado no processo do "mensalão". Mas a sentença ainda não transitou em julgado, cabendo recursos. Logo, ele pode efetivamente tomar posse do cargo. Neste momento não cabe a contestação pura e simples ou que o fato seja usado para desgastar o segmento que atualmente dirige os destinos do País.  É o que se deve esperar de quem luta pela permanência da democracia, que é essencial para um país como o nosso.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

FANTASMAS DEMOCRÁTICOS DO PT

 

Observando os atos da posse de José Genoino na Câmara dos Deputados, nota-se que o respeito às instituições democráticas, entre elas o Poder Judiciário, por parte de determinados integrantes do PT, é somente vocal e bucal, porque, na realidade, todas as falas são colocadas para trás, quando se trata de prestigiar os interesses da agremiação e de seus integrantes. Assim, a imprensa precisa ser controlada, via intervenção do conteúdo das matérias desinteressantes para o partido, da mesma forma que uma campanha de desmoralização do Judiciário precisa ir avante, porque a Justiça não serviu aos interesses da entidade partidária. Porém, de uma vez por todas, fica-se conhecendo, definitivamente, qual o tipo de democracia que o PT gosta, e que, na realidade, contradiz, profunda e inevitavelmente, tudo quanto pregou antes, inclusive na época da ditadura. Em resumo, estamos diante do seguinte quadro filosófico: quem está de acordo com as pretensões hegemônicas do PT é do bem, mas quem não adere às pregações da agremiação é do mal!

 

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

QUESTÃO ÉTICA E MORAL

O réu assume. A pena? Não, o assento na Câmara. É legal? É legítimo? Talvez. Mas, se o condenado tivesse vergonha na cara e soubesse o que é ética, se ele e seus amigos e correligionários tivessem respeito pela Nação, esperariam o término do julgamento, evitando posse tão torpe e vergonhosa que enxovalha as instituições. O problema não é legal, é moral, é ético. Moral e ética não são para toda a gente.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br

Campinas

*

GENOINO NA CÂMARA

Até onde vai o cinismo da quadrilha do Lula? Até quando vai durar a paciência do povo brasileiro? Povo patético!

Eneas Zamboni eneas.zamboni@uol.com.br

São Paulo

*

GENUÍNA INDIGNAÇÃO

O PT é um covil que nos governa a reboque da ignorância e do equívoco seculares de nosso povo, da intelectuália de esquerda e outros apaniguados. E o Sr. Joaquim Barbosa, que posou de cavaleiro patriota a resgatar o Brasil da barbárie, foi outra decepção.

Monica Abate Guglielmi nicabate@yahoo.com.br

São Paulo

*

A GOTA D'ÁGUA

Alguém sabe informar se é possível renunciar à cidadania brasileira ou, pelo menos, ao meu "direito" de votar? A posse do condenado Genoino na Câmara foi a gota d'água. Prefiro ser apátrida!

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

CAMBALACHO NACIONAL

 

Certa vez me perguntaram, e eu nem respondi, por que uso o apelido "Cambalacho Nacional" em referência àquelas ridículas meias esferas existentes em Brasília. Com a posse do Genoino, quem perguntou soube agora o motivo, mas esse episódio obriga-me usar também o apelido "Esculacho Nacional". Os dois justificam o uso.

 

Laércio Zanini arsene@uol.com.br

Garça

*

INOCÊNCIA

A expressão de inocência, manifestada pelo suplente petista ao assumir cargo de deputado federal, é idêntica ao do religioso fanático, quando questionado por que dessa matança toda em nome da religião, se todas elas condenam essa prática? Resposta simples e singela: matar infiéis não é crime. Para petista e petismo, basta achar inocente e tudo está resolvido, não importa a opinião dos outros. Essa teoria deve responder à pergunta feita pelo homem a Deus: O Brasil é um paraíso? É, mas não imagina o tipo de gente que vou colocar junto.

 

Massatoshi Sakurada masak@uol.com.br

Guarulhos

*

A INDECOROSA POSSE DE GENOINO

Lamentavelmente, o Brasil virou notícia em todo o mundo e nas redes sociais, pela indecorosa posse como deputado federal de José Genoino, já que pelo Supremo Tribunal Federal (STF) ele foi condenado a 6 anos e 11 meses por corrupção ativa e formação de quadrilha. Será que para os donos da Câmara federal isso não é falta de decoro? Iniciamos mal o ano legislativo, e pode ficar pior. Isso é o Brasil hoje, o resto é o resto.

Jose Pedro Naisser @Globalecologist

Curitiba

*

A PRESIDÊNCIA DA CASA

Tem lógica ou não Ricardo Berzoini ser o principal candidato a presidência da Câmara dos Deputados? Depois da posse do mensaleiro Genoino condenado a seis anos e meio de prisão, ninguém melhor do que outro petralha para presidir aquela Casa, envolvido até a alma nos desvios no caso Bancoop que deixou mais de 3 mil mutuários sem sua casa própria. Nada como um futuro companheiro para ajudar o inocente "Genoino" a fazer de sua estadia na Câmara o mais confortável possível! Necessitamos urgente de maior abrangência na Lei da Ficha Limpa, antes que bandidos façam daquela Casa seu lugar de encontro!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

AS CHUVAS NO RIO DE JANEIRO

O Rio sofre de novo com as chuvas, e os políticos de novo vêm com desculpas esfarrapadas sobre tragédias mais que anunciadas. Até quando? Aliás, já que as autoridades não se comovem com os dramas alheios que se repetem ano após ano, por que a sociedade fluminense não se organiza e une forças para cobrar soluções definitivas para os graves problemas de moradia e de coleta de lixo que assolam o Estado há tanto tempo? Os moradores devem se mobilizar e demandar com vigor uma resposta imediata de prefeitos e do governador. Afinal de contas, consciência cívica não é algo que se exerce apenas em época de eleições, mas exigindo, diariamente, que o poder público cumpra com suas obrigações básicas.

Henrique Brigatte hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

*

COMEÇOU MAL 2013

Infelizmente, 2013 começou mal para o Brasil. Condenados pela justiça tomam posse como deputados, numa "cara de pau" terrível deles que deveriam ter vergonha na cara e não assumir, embora a legislação vigente lhes dê esse direito. Nem sempre o legal é moral. Nova desgraça anunciada no Rio de Janeiro com as chuvas de verão.Absoluto descaso com o ser humano. Milhões de reais em verbas para contenção de encostas e outros trabalhos não aplicados ou aplicados politicamente e se escoam pelos meandros da corrupção. Favelas que ocupam as várzeas dos rios, lixo que entulham as ruas, tudo sob o olhar complacente das "autoridades" que não tomam medidas por que são impopulares e não trazem votos. O sujeito toma posse na manhã do dia 1º. e na tarde do mesmo dia já está "conchavando" para ser re-eleito. E o povo mal informado e por ignorância continua votando nessas "coisas" políticas. Vão montar um gabinete de crise, prá quê? Se a competência, a corrupção, o descaso e a politicagem é tanta que até dói. Lamentavelmente voltaremos ao assunto no próximo verão.

Luiz Francisco A. Salgado direg@sp.senac.br

São Paulo

*

DA DESGRAÇA AO CARNAVAL

Mais uma vez o povo brasileiro assiste atônito a inundações sabidamente conhecidas e previstas, mas vê claramente o descaso das autoridades, principalmente deste Estado, seus governantes sempre na mídia com carnavais deixam de cuidar na época oportuna, durante estiagem, e querem colocar a culpa na natureza. A culpa é de quem tem de aplicar um montante nestas causas, como o governo federal, que aplicou apenas 14% do projetado, e o estadual aplica mal ou não cumpre as promessas das casas desde o ano de 2010, ou seja, mais uma demonstração do descaso desta autoridades que brevemente estarão nas manchetes e holofotes com lindas mulheres nos bailes e desfiles de carnaval ou brindando caríssimas bebidas pagas por nós, como se tudo estivesse magnificamente certo. Caras de pau e sem vergonhas, que se dane o povo, pensam eles.

Julio Jose de Melo julinho1952@hotmail.com

Sete Lagoas (MG)

*

AUTORIDADES OMISSAS

As repetidas tragédias das chuvas ano após ano no Rio, sem que quase nada seja feito para minorar preventivamente tais duras realidades, são emblemáticas. Governos de todos os escalões competem em ver quem mais se omite em suas obrigações de zelar pela segurança e bem-estar da sofrida população fluminense. Urge que nós, opinião pública, pressionemos as autoridades do Ministério Público e do Judiciário no sentido de responsabilizar judicialmente esses abúlicos governantes, que assistem passivamente a essas contínuas catástrofes, que já estão se tornando lamentavelmente históricas.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

DE NOVO

Parabéns aos governantes cariocas pelo programa de segurança em implantação nas favelas cariocas - as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). Mas o que foi feito para prevenir as crônicas inundações e enxurradas provocadas pelas chuvas de verão?

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

A CATÁSTROFE SE REPETE

Passadas as festividades, a monotonia do cotidiano esbeira-se por entre as capas da felicidade e ergue-se. Pontualmente, as catástrofes cariocas já despontam no horizonte da calamidade e incompetência. O palco da vez será Xerém, ou Teresópolis, ou Morro dos Prazeres, ou qualquer encosta que circunde a cidade. Querido prefeito, ser autocrítico necessita de pronto reflexão uma ação. Como de costume, o bode expiatório do momento, mesmo que já esteja acabando a fama momentânea, é o médico que faltou ao expediente por birra. Resultado foi a falência de uma menina que nada tinha que ver com a história. Será que a culpa deve recair apenas ao abestado que se recusou a trabalhar? Por enquanto, a melhor notícia deste ano é o retorno de Luís Veríssimo.

Pedro Beja Aguiar pedrobejaaguiar@gmail.com

Rio de Janeiro

*

SENTINDO NA PELE

Zeca Pagodinho, que tem um sítio em Xerém, agora atingido pelas tragédias causadas pelas chuvas todo ano, sentiu na pele e reagiu com nojo dos políticos. Realmente, os políticos e principalmente o governador do Rio causam nojo mesmo. Este governador que dias atrás chorou pelos royalties do pré-sal em nenhum momento mencionou que utilizaria os recursos para obras de contensão de encostas. Sua preocupação era com Copa do Mundo e a Olimpíada. É, seu Zeca Pagodinho, é comum ver artistas do seu nível, fazedores de opinião, apoiando políticos em campanhas eleitorais por dinheiro, nem sempre se importando com o caráter do candidato e com a situação do povo.

Jose Mendes josemendesca@ig.com.br

Votorantim 

*

ATO EXEMPLAR

Na catástrofe resultante do temporal que se abateu sobre Xerém, distrito do município de Duque de Caxias, na região metropolitana do Rio, não importa agora buscar os culpados, se fruto da ocupação desordenada das encostas e das margens dos rios, do lixo jogado em qualquer canto, da falta de planejamento habitacional, da carência de limpeza urbana ou se a culpa foi da negligência de alguns políticos que não cumpriram a contento o seu dever constitucional de reduzir os riscos das tragédias, muito prováveis nessa época do ano. Na lamentável e evitável catástrofe de Xerém a rara atitude de uma celebridade, o cantor Zeca Pagodinho chamou a atenção, ao liderar uma campanha de recolhimento de donativos, inclusive nas redes sociais e ainda abrigando e alimentando desabrigados em seu sítio naquela localidade. Zeca emocionou a todos -confesso que cheguei às lágrimas - ao ser entrevistado declarando que "o mais importante é salvar as pessoas, o resto agente arruma". De fato, no momento da angústia e da adversidade na vida é que atitudes como a de Zeca pesam muito mais. Zeca foi às ruas, junto com a filha - que grande exemplo de um pai - tentando fazer o que fosse possível para ajudar seres humanos que perderam tudo, menos a vida. Como celebridade, sem ter mandato político ou cargo público pertinente, poderia ter permanecido, indiferente e insensível, no conforto do interior de seu sítio, que graças a Deus não foi muito afetado pela tragédia. Não, o famoso cantor e compositor foi às ruas para ver, in loco, em caminhos intransitáveis, as consequências de um tragédia sempre anunciada. Não conseguiu sequer, tomado de grande emoção, já com a voz embargada, terminar a entrevista a um repórter de televisão. Disse ao final da entrevista: "é triste", e com a filha na garupa do quadriciclo seguiu a sua peregrinação procurando oferecer, de alguma forma, ajuda ao próximo. Que gesto exemplar! Permita-me, Grande Zeca, você que também veio de origem humilde, como grande parte de nós brasileiros, cumprimentá-lo pelo raro gesto de grandeza e compaixão humana. Que o seu gesto humanístico e filantrópico mostre a muitos o exemplo maior de que na dor e na tristeza é que se conhece de fato os humanos de primeira grandeza. Acabas de deixar demonstrado, mais do que o raro talento, na carreira dos inesquecíveis e inesgotáveis sucessos musicais, a sua riqueza interior. Seu ato de grandeza humana fica agora registrado, para sempre, como exemplo de compaixão e solidariedade, de um ídolo cujo sucesso não subiu à cabeça. Você fez a diferença, Zeca, num momento de adversidade, de dor e de tristeza. A sociedade agora se curva ao raro gesto e lhe aplaude no palco maior, o da grandiosidade humana.

Milton Corrêa da Costa milton.correa@globomail.com

São Paulo

*

O MESMO DISCURSO

Uma das causas das enchentes nas chuvas de verão no Rio de Janeiro é a não dragagem dos rios, que deveriam estar dragados. Quando ocorreu a tragédia em Nova Friburgo, em 2011, o governador Sérgio Cabral apareceu dizendo que entre outras providências estaria a dragagem dos rios. Em 2012, outra tragédia, e nada tinha sido feito, mas repetiu o discurso. Agora, em 2013, com os estragos em Angra dos Reis, Xerém e outras cidades do Estado, disse que vai se reunir com o ministro do Interior para estabelecer um programa, ou seja, repetição do discurso. Zeca Pagodinho está certo, sim, no que disse sobre os políticos. Dá para dizer o contrário? O pior é que o eleitor reelegeu um incompetente desse.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

UMA VERGONHA

É triste a gente assistir mais uma vez à tragédia provocada pela chuva e o transbordamento de rios na já castigada Xerém, no município de Duque de Caxias. A falta de humanidade com a qual foi tratada aquela população pelo ex-prefeito Zico causa uma enorme revolta em todos nós. Acumulou dívidas e, por causa disso, a empresa contratada deixou de fazer a coleta do lixo, transformando a cidade num verdadeiro caos, pondo em risco a saúde de todos e deixando de tomar as providências necessárias para amenizar o desespero e sofrimento das pessoas diante das enchentes que de pela declaração de um morador são constantes. Tendo um único pensamento politicamente incorreto, preocupando-se apenas com eleições e de acordos com aliados bandidos. E assim, infelizmente, funciona nosso sistema político: os governantes somente pensam em conquistar aliados que passam o tempo disputando cargos públicos onde possam manipular muitos recursos financeiros e promover sua imagem. Isso é uma vergonha!

Odiléa Mignon cardosomignon@gmail.com

São Paulo

*

PROMESSAS VÃS

Em reportagem levada ao ar no Jornal Nacional, ficamos sabendo que em janeiro de 2011 o governo federal prometeu a construção de 5 mil casas para os desabrigados das cidades serranas do Rio de Janeiro. Passados dois anos, nenhuma foi entregue. Ao mesmo tempo somos bombardeados diariamente com propagandas nos informando que o Minha Casa, Minha Vida já entregou 1 milhão de moradias ao povo brasileiro. Se realmente tal fato ocorreu, significa que, mesmo diante da tragédia ocorrida naquelas cidades, o governo federal não foi capaz de destinar 0,5% (meio por cento) das casas construídas à população desabrigada. É a ex-gerentona do PAC e atual presidente mostrando a que veio.

Maurício Rodrigues de Souza mauriciorodsouza@globo.com

São Paulo

*

DÍVIDA DE SÃO PAULO

Fácil é dizer que a dívida da Prefeitura de São Paulo é impagável. Impossível será Fernando Haddad admitir que a culpada desta aberração é a ex-prefeita Marta Suplicy. Marta preferiu dar um calote na União no valor de R$ 3 bilhões, elevados rapidamente à R$ 17 bilhões pelo indexador da época. Agora, o peixinho de Lula certamente será agraciado pelo governo federal com algum plano salvador que não veio antes porque nem Lula nem Dilma prezam muito São Paulo. Mas se for para ajudar seu afilhado, aí, sim, a ajuda vem! Quando será que o povo terá senso crítico para perceber essas "nuances"?

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

IMPAGÁVEL

Impagável não é apenas a dívida de São Paulo, nem a dos muitos municípios e Estados brasileiros, completamente endividados ao longo dos anos com o governo federal. Impagável, no sentido de muito engraçado, mesmo, é a cara dos nossos políticos dizendo isso aos seus eleitores.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro  

*

PEDIDO DE ISONOMIA

Essa do secretário Estadual da Fazenda, Andrea Calabi, foi ótima: se o prefeito, Fernando Haddad, quer dívida negociada, eu também quero.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

VACA LOUCA

Já são 11 os países que proíbem compra de carne brasileira por suspeita da contaminação pela doença da "vaca louca", porém, até o presente momento, nenhuma providência foi tomada pelo governo brasileiro e pelo Ministério da Agricultura, que alegam que tais países não têm representatividade expressiva no volume das exportações do produto. Portanto, vamos deixar que depreciem e condenem nossa carne, até o momento em que um dos grandes fizer o mesmo, ou seja, vamos deixar arrombar a casa para depois providenciar a tranca. 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

A MAQUIAGEM DAS CONTAS PÚBLICAS

E depois o governo não sabe por que os empresários não investem mais no Brasil. Um dos motivos, obviamente, é que um governo que falsifica números para simular um superávit fiscal não merece confiança. Essas manobras fazem até desconfiar de índices de inflação fajutos, como na Argentina. Confiança quebrada dificilmente se reconstitui. Só se espera que não tente influenciar as medidas do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) também. Esse vale-tudo bota tudo a perder, de uma vez.

Paulo Serodio pserodio@uol.com.br

São Paulo

*

O PROJETO DE CRISTINA KIRCHNER

As declarações de Cristina Kirchner sobre as Ilhas Malvinas no The Guardian, publicadas na matéria da página A12 do Estadão de ontem, mostram que o clima de caos institucional já está batendo as portas do governo argentino. Diante da calamitosa situação política e econômica vivida atualmente naquele país, Cristina se utiliza do velho método de "desvio da atenção da população", norteado por temas patrióticos que costumam unir o povo em torno de um mesmo ideal, mesmo quando há boa parte da opinião pública contrária aos métodos e políticas do governo central. Quem usou essa técnica com maestria foi Adolf Hitler, ao transformar os judeus no grande bode expiatório de todas as mazelas sofridas pela Europa desde a idade média. Ele na verdade fez um 3 em 1, onde: 1) provocou a eclosão um forte sentimento antissemita já existente no povo europeu havia séculos; 2) escolheu um povo disperso geograficamente e portanto sem nenhum estado nacional para defendê-lo e logicamente por último, a parte financeira da história; 3) que foi a expropriação de todos os bens, valores e propriedades dos judeus ricos de Viena, Munique, Berlim e Frankfurt, para financiar o início da expansão do seu III Reich. Depois foi Joseph Stalin, que acusava de "inimigos da mãe Rússia", todos aqueles que fizessem a menor objeção sobre seu modo de governar. Até em fotos oficiais, seus desafetos eram removidos com presteza. Seguido destes dois grandes "mestres" na arte de unir o povo contra si próprio, vieram Mao Tsé-Tung, Kim Il-Sung, Pol Pot, Muamar Kadafi, Saddam Hussein e Fidel Castro, sendo que este último foi o maior multiplicador de discípulos na América Latina, dentre os quais: Cristina Kirchner, Hugo Chávez, Evo Morales e Rafael Correa. Em suma, Cristina Kirchner reza dia e noite para conseguir uma outra guerra com a Inglaterra em disputa pelas Malvinas, para assim poder unir a opinião pública em torno do sentimento patriótico e dispersar a atenção do povo em relação ao caos político e econômico que ela e seu pupilo, Guillermo Moreno, conduziram a nação. Como todo bom latino, ela conseguirá dramatizar bem a situação e mesmo perdendo a guerra (é tudo o que ela quer), vai posar de vítima e propalará aos quatro cantos do mundo: "que apenas quis defender a soberania de seu país, mas mais uma vez o Império Britânico, apoiado pelos EUA, impôs sua posição colonialista através de seu grande poderio bélico e econômico, não permitindo que nações em desenvolvimento como a Argentina tenham a chance de ter oportunidades no cenário mundial". Quem viver verá.

Frederico d'Avila fredericobdavila@hotmail.com

São Paulo

*

A SUCESSORA DE CHÁVEZ

Hugo Chávez ainda nem morreu e já temos uma sucessora à altura, com sérios traços de megalomania endêmica. Cristina Kirchner escreveu aos ingleses requerendo - uma vez mais - a posse sobre as Ilhas Falkland. Sob domínio britânico, o arquipélago viu a prosperidade e vive com conforto e total apoio financeiro e logístico. Coisas que jamais teria, sob domínio argentino. Os próprios kelpers (cidadãos das Falkland) já decidiram que querem permanecer britânicos. Portanto, parafraseando o rei Juan Carlos, da Espanha: Cristina, "por qué no te callas"?

 

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

SOCIALISMO DE MENTIRAS

O Socialismo do século 21 de Chávez vai terminando nas mesmas mentiras do socialismo dos séculos anteriores. Eles chegam ao poder mentindo, governam mentindo e morrem mentindo.

Luiz Henrique Penchiari luiz_penchiari@hotmail.com

Vinhedo

*

VENEZUELA - SAZONAL

Sem Chávez, o bolivarianismo não aguentará Maduro.

 

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

A REDAÇÃO DO ENEM

A maneira como tem sido abordada a polêmica sobre a redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) mostra que somos de fato um país de incapazes. Os "alunos" esperavam que o tema fosse a Copa ou a novela Avenida Brasil? O adestramento dos cursinhos preparatórios não prepara ninguém e essa constatação deve ter chocado os "alunos", que estudaram a fundo aquelas apostilas "recorta e cola" oferecidas. Desde quando o tema de uma redação deve ser fácil ou o tema esperado pela maioria? O tema foi objeto de matéria de capa recente da Folha ou do Estado e, apesar de a cola não estar no textos motivadores da prova, uma analogia indireta com a Europa seria bastante apropriada para enriquecer a argumentação. O tratamento recebido por imigrantes brasileiros na Espanha recentemente ilustra um pouco se devemos tratar o imigrante como agregador de conhecimento, como bem faz os EUA, ou simplesmente tachá-los de ilegais deportáveis. O segredo está em absorver aquilo que é interessante para o Brasil e tratar humanamente aqueles que apenas nos buscam atrás de abrigo ou de alguma oportunidade não encontrada em seus países de origem. Ou seja, o fato é amplo e cheio de argumentos para aqueles que vão além dos cursinhos e das redes sociais. O avaliador certamente esperava propostas de intervenção sobre como lidar com esse fato em estrita observância com os direitos humanos. Provavelmente, muitos deixaram escapar seu lado preconceituoso ancorado no paternalismo que normalmente os cidadãos brasileiros esperam do país. Coitados dos "alunos". Num país que graduados não sabem interpretar textos satisfatoriamente, creio que o único jeito é torcer para que este ano o tema seja a Copa do Mundo que se aproxima. Espera-se de um aluno de graduação a capacidade de apresentar soluções para problemas apresentados e capacidade de lidar com o novo, tendo em vista a inovação. Do contrário, universidades viram gráfica de diploma.

Leonardo de J. M. Silveira leonardojmsilveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CORINTHIANS CONTRATA PATO

O Corinthians desembolsou, pela contratação do atacante Pato, ao Milan, a estratosférica quantia de R$ 40,5 milhões, a maior até hoje no futebol brasileiro. Pergunta-se: quem vai pagar realmente o "pato"?

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

*

TÁ ERRADO!

O Santos Futebol Clube compra Pinga para 2013, já o Corinthians Futebol Clube é quem pagará o Pato! 

 

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

O POVO PAGANDO O PATO

Por que é que um time que deve fortuna para o INSS e outros órgãos públicos gasta R$ 40.000.000,00 na compra de um jogador, se tem de receber dinheiro público para a construção de seu estádio, mas não temos verba para saúde, educação, segurança? É o povo literalmente pagando o pato.

Angelo Antonio Maglio  angelo@rancholarimoveis.com.br

Cotia

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.