Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

05 Janeiro 2013 | 14h40

Só no Brasil...

Um condenado à prisão por vários delitos toma posse como deputado federal e a Nação se cala!

JOSÉ ROBERTO MARFORIO

bobmarforio@gmail.com

São Paulo

A posse de Genoino

Se é uma afronta moral à Nação - ainda que seu direito provisório -, dar-lhe-á oportunidade de reunir os famosos 300 picaretas (ou mais?) e a base (ética?) e propor, em regime de urgência, projeto de lei adequado à inocência da quadrilha? Ou apenas deseja embolsar mais dinheiro nosso, sem nada poder produzir? Em resumo, os políticos não nos respeitam merecidamente, pois continuamos a aprovar malfeitos.

ANDRÉ C. FROHNKNECHT

anchar.fro@hotmail.com

São Paulo

No lugar certo

Quem faz as leis é o Poder Legislativo. José Genoino foi condenado por corrupção pelo Poder Judiciário em função das leis criadas pelo Legislativo. Repentinamente, o Poder Legislativo decide "absolver" o suplente de deputado condenado por corrupção pelo STF. É absolutamente compreensível que o Congresso Nacional tenha a reputação de covil de bandoleiros que a imensa maioria das pesquisas aponta. Genoino está exatamente onde deveria estar.

LEÃO MACHADO NETO

lneto@uol.com.br

São Paulo

Cadeia

José Genoino irá da Câmara direto para a prisão? Não precisa. Como alguém já disse, basta construir um muro em volta da "Casa" e colocar seguranças.

ALCEU GANDINI

alceu.gandini@gmail.com

São Paulo

'Quadrilha'

Ditado chinês: uma imagem vale mais que mil palavras. Foto de primeira página do Estado, ontem, da "posse" do suplente: Genoino, condenado à prisão; José Mentor, mensalão; Ricardo Berzoini, Bancoop; José Guimarães (irmão do condenado), dólares na cueca do assessor. Todos do PT!

CARLOS ALBERTO ROXO

roxo_7@terra.com.br

São Paulo

Consciência serena?

Gostaria que me explicassem a razão da cara de bravo dos petistas "papagaios de pirata" que se postam atrás de José Genoino como guardiões da moral e da justiça na foto. O cidadão Genoino foi condenado pela mais alta Corte de forma isenta e democrática. Assim sendo, eis a minha pergunta: os três petistas estão bravos com Genoino, que cometeu delitos e foi condenado, ou estão bravos com a mídia, o STF e o povo, que também o condenaram?

FERNANDO PASTORE JUNIOR

fernandopastorejr@gmail.com

São Paulo

De vítima a ré

A estapafúrdia história protagonizada por Ana Maria Branco de Holleben - vereadora petista de Ponta Grossa (PR) que forjou o próprio sequestro por motivos políticos e por isso deixou de ser vítima para se tornar ré - é também a história simbólica de seu partido. O PT se faz de vítima do Poder Judiciário e da imprensa tão somente para tentar transmutar a sua imagem de agremiação política que se jogou com ímpeto nos braços da corrupção.

TÚLLIO MARCO S. CARVALHO

tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

'Negativa insana'

Arnaldo Jabor foi a primeira pessoa a diagnosticar, com perfeição, um comportamento, que se tornou habitual, dos políticos brasileiros envolvidos em denúncias de corrupção. Ele classificou como "negativa insana" o fato de a pessoa reagir indignada às acusações, mesmo quando os fatos atestam categoricamente tal conduta. Afora indignar-se e negar todas as acusações, a pessoa, sem argumentos, diz-se perseguida, ofendida na sua honra, enfim, tudo o que todos nós já estamos cansados de ver nos noticiários. Essa tal "negativa insana", tão bem definida por Arnaldo Jabor, na verdade, é a esquizofrenia política: o sujeito nega fatos, nega denúncias, nega provas e agora, mais recentemente, nega decisão judicial. O que dizer sobre isso? Lamentável.

JOÃO PACHECO AMARAL FILHO

imobiliaria.projeto@terra.com.br

Jaú

Revivendo

O Brasil vive hoje, rigorosamente, o editorial de Julio de Mesquita Filho, em 13 de dezembro de 1968, Instituições em frangalhos.

ROSALVO LOPES DA SILVA

rosalvo.lopes@terra.com.br

São Paulo

ANIVERSÁRIO DO 'ESTADO'

Parabéns

Sinceros parabéns pelo 138.º aniversário. São anos de vida a serviço da verdade, da orientação e da opinião corajosa, contribuindo para a formação de cidadãos cada vez melhores. São anos de história que, inegavelmente, influenciaram nossa História, a qual se retrata e se transforma a cada edição desse grande periódico. E que assim continue. O Brasil agradece.

ROMEU CHAP CHAP, coordenador do Núcleo de Altos Temas (NAT) do Secovi-SP

São Paulo

Parabéns por mais um ano de bom jornalismo a serviço da sociedade brasileira. Uma organização como o Grupo Estado, tendo o Estadão como carro-chefe, é sinônimo de luta em prol dos ideais democráticos que hoje são uma realidade no País. Ao longo de seus 138 anos de vida, a organização tem sido peça importante na construção de uma sociedade mais justa, através da discussão de ideias, criação de entidades como a USP e, principalmente, um trabalho jornalístico bem feito, pautado na ética e em princípios sólidos. É uma honra fazer parte da equipe do jornal e da rádio há mais de 23 anos.

ANTONIO PENTEADO MENDONÇA, presidente da Academia Paulista de Letras

São Paulo

Cumprimentamos O Estado de S. Paulo pelo transcurso de seus 138 anos de jornalismo de alto nível e prestação de inestimáveis serviços à sociedade e ao País. Nesse longo período o jornal consolidou sólida posição como um dos mais importantes e confiáveis do Brasil e do mundo. O Estadão é uma instituição nacional! Como representantes da indústria gráfica brasileira, nossas entidades de classe têm imenso orgulho de participar com o Estado da cadeia produtiva da comunicação impressa. Esse é um jornal que dignifica, agrega valor e confere legitimidade aos conteúdos impressos. Parabéns a todos os seus diretores, jornalistas e colaboradores.

FABIO ARRUDA MORTARA, presidente da Associação Brasileira da Indústria Gráfica (Abigraf Nacional) e do Sindicato das Indústrias Gráficas no Estado de São Paulo (Sindigraf-SP), REINALDO ESPINOSA, presidente da Associação Brasileira de Tecnologia Gráfica (ABTG), e LEVI CEREGATO, presidente da Abigraf Regional SP

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.