Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

08 Janeiro 2013 | 02h07

A Grécia de amanhã

De manobra em manobra, o (des)governo petista vai levando o Brasil para o buraco. Com gastos sempre crescentes - não para investimentos necessários -, a dívida pública atinge a estratosfera dos R$ 2 trilhões! Manobra no apagar das luzes de 2012 deixa explícita a deterioração fiscal que vem ocorrendo no Brasil nos últimos anos. Essa manobra de R$ 16 bilhões envolveu o Fundo Soberano, o BNDES, a Petrobrás e a Caixa Econômica Federal, mas é importante mesmo é que, em última análise, é bancada pelo Tesouro, via endividamento público. A desordem financeira continua. Pelos jornais de sábado ficamos sabendo que, por outra manobra fiscal, a Caixa (de quem é mesmo?) virou sócia de frigorífico, de fabricante de autopeças e de processadores de minérios. Até quando vai o descontrole fiscal do governo federal? Aparelhou os órgãos e empresas públicas com os "cumpanheiros". Não sobrando mais "boquinhas", aumenta o número de ministérios. Cria mais empresas estatais desnecessárias (cinco só nos últimos anos) para emplacar os "cumpanheiros" e amigos derrotados nas urnas. Aumenta as "bondades" com o dinheiro público. Desonera algumas atividades do peso dos tributos. No que isso vai dar? De um lado, no pé da pirâmide, garante votos para se perpetuar no poder (até quando?); de outro, no topo, garante ganhos cada vez maiores para os grandes empresários, banqueiros e amigos da corte. Já a classe intermediária continua a sustentar tudo e todos. Será que não temos exemplos suficientes na América Latina e na Europa para saber para onde estamos caminhando? Endividamento cada vez maior, tanto interno quanto externo, emissão de papel-moeda e de títulos públicos, inflação crescente, aumento de gastos públicos, manobras contábeis (mágicas e/ou fraudes, como na Grécia) - já dá para imaginar o futuro. E o ministro Guido Mantega continua sorrindo. Com suas eternas previsões, acha que está enganando quem? E o Brasil caminha para um futuro grego. Deus nos livre!

ÉLLIS A. OLIVEIRA

elliscnh@hotmail.com

Cunha

Há planejamento fiscal?

Quando uma empresa começa a mascarar a contabilidade é sinal de que logo vai à falência, e os prejudicados são seus acionistas e empregados. Se o governo faz o mesmo, como se verifica agora, por incompetência ou má gestão, a conta acaba sendo paga por todos nós. Gostaríamos de saber dos economistas Dilma e Mantega como será coberta, nas contas de 2013, essa antecipação de dividendos da Caixa para 2012, no montante de R$ 4,7 bilhões, para cumprir a meta fiscal. Vão repetir o mesmo procedimento? Isso é planejamento fiscal?

ANIBAL FILLIP

aniverofil@uol.com.br

Santos

Esse filme eu já vi

Inflação aumentando, interferência em preços de estatais e no câmbio e contas "maquiadas" no fim do ano. Imaginem o que vai acontecer até 2014. Esse filme eu já vi e o final não é coisa boa para a maioria dos brasileiros.

MILTON L. GORZONI

gorzoni@uol.com.br

São Paulo

Não existem coincidências

Durante o governo Lula, a economia no Brasil era de invejar. Todos elogiavam a ilustre equipe econômica e também o presidente, pela excelente administração. Mas o governo não aceitava a ideia de que a boa fase se devia às condições dos EUA e dos países da Europa. Assim, pelo pensamento do PT, a boa situação por que passávamos era fruto de um governo competente. Nos dias de hoje, países da Europa estão pedindo socorro, os EUA lutam para equilibrar as finanças e o Brasil revê com certo cuidado os investimentos, a inflação cresce, o produto interno bruto (PIB) desejado não é atingido - e isso preocupa. Esses dados vêm comprovar, como causa e consequência, a relação entre a economia mundial e a economia do Brasil. Ou os dados refletem mera coincidência? Claro que não. Na História, o que existem são causas e consequências, e não coincidências.

JOÃO BATISTA CHAMADOIRA

jobachama@uol.com.br

Bauru

Mais mentiras

O Ministério de Minas e Energia convocou reunião de emergência com o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico?! Ué, mas a presidente, em entrevista recente, praticamente afastou qualquer problema mais grave de energia para o curto prazo! Nunca antes na História deste país um governo foi tão mentiroso...

HENRIQUE BRIGATTE

hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

Risos e...

1) Acho que, além de gargalhar com os raios, vou ter de rir (chorar?) com o racionamento da energia! Tem língua queimando... 2) Será que todos os caras fora do governo Dilma devolveram os cartões corporativos? Ou é sigiloso?

TANIA TAVARES

taniatma@hotmail.com

São Paulo

Cartão corporativo

Governantes que deixam desabrigados à míngua deveriam ter vergonha de usar cartão corporativo, que, aliás, é mais um instrumento usado pelos políticos para assaltarem o erário.

EDVALDO ANGELO MILANO

e_milano@msn.com

Limeira

AEROPORTO DE CUMBICA

'Privaestatização'

Chegando de um voo internacional ao aeroporto de Guarulhos, mais uma vez pude experimentar os péssimos serviços oferecidos pela Infraero, agora associada à GRU Airport, que nada mais é que outra empresa estatal, por ter praticamente 70% de seu capital sob controle de fundos de pensão estatais. Na saída do Brasil passei 50 minutos na fila de passaportes, num local apertado, quente e visivelmente improvisado. No regresso da viagem, mais 35 minutos na fila de passaportes - isso porque fui um dos 20 primeiros a chegar lá. Enquanto isso, nos EUA e na Europa policiais de fronteira ou militares bem treinados recebem seus concidadãos e visitantes mostrando que se está entrando num país, e não num edifício com serviço de portaria terceirizado, como aqui. Depois daquela fila, outro calvário: mais 45 minutos para conseguir reaver minhas malas na esteira de bagagens, em meio ao caos de pessoas e carrinhos compartimentados naqueles espaços mínimos entre as esteiras. Enquanto isso, na Alemanha e na Suíça aparece nas telas dos displays da esteira relativa ao seu voo em quantos minutos as malas vão chegar. A falta de respeito ao viajante, seja ele brasileiro ou estrangeiro, é o símbolo do terceiro-mundismo e de empresas estatais ineficientes e despreocupadas com o serviço que prestam, justamente por não existir nenhum competidor que consiga ameaçar sua supremacia, graças ao método brasileiro de "privaestatização". Vamos ver no ano que vem, na Copa, o filme de terror que serão os nossos aeroportos.

FREDERICO D'AVILA

fredericobdavila@hotmail.com

São Paulo

 

BLECAUTES

Dez dias depois de dizer que é “ridículo” falar em racionamento de energia, a presidente Dilma Rousseff convocou reunião de emergência com o ministro Edison Lobão, amanhã, em Brasília, para falar sobre os baixos níveis dos reservatórios. A reunião foi acertada entre Dilma, durante suas férias no Nordeste, e o ministro das Minas e Energia. Balanço e propostas serão levados diretamente à presidente. Alô, Dilma, assuma que o seu governo, apesar da sua origem neste mesmo ministério, é incompetente e mentiroso. E, por favor, pare de falar em passado. Quem gosta de passado é museu.

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

O PREÇO DA INCOMPETÊNCIA

O Brasil começa a pagar o preço da ocupação política de cargos técnicos. Diante do iminente risco de apagão, a presidente Dilma convoca reunião de emergência para tratar do setor elétrico. A presidente terá de se reunir com o terceiro ou o quarto escalões do setor, se quiser falar com alguém que saiba alguma coisa sobre energia, uma vez que os primeiros escalões do ministério e das estatais do setor estão dominados por nomeações políticas. Duvido que o atual ministro de Minas e Energia saiba o que é um volt.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

VOO DE GALINHA, DE NOVO?

O Brasil não pode mais esperar Dilma aprender a governar. A atuação medíocre de nossa administração está nos levando a “perder” um bom futuro. Por que não optar por um choque de modernidade no País e assegurar crescimento contínuo como Chile, Colômbia e Peru, por exemplo? Esses países seguem os mesmos caminhos sugeridos por nossos analistas. Estamos deixando escapar o que arduamente conquistamos com o Plano Real. Enquanto isso, a presidente Dilma “experimenta” capitalismo de Estado e uma pobre política econômica. Os efeitos do PAC de dez anos atrás não aparecem, mantemos nossa educação como as piores do mundo e temos serviços públicos de péssima qualidade, enquanto o governo faz intervenções pontuais na economia, sabendo-se que elas darão maus resultados no médio e no longo prazos. Tudo o que conseguimos com essas políticas foi ganhar a falta de confiança do investidor, reduzindo investimentos, ausência de reformas essenciais e muito baixa segurança institucional. O Brasil encontra-se em seu momento demográfico mais favorável, em virtude da grande massa de população economicamente ativa, que nos permitiria caminhar na direção do grande país que almejamos. Um governo corajoso e modernizador poderia nos levar até lá. Se deixarmos passar o momento, adeus grande nação.

Fabio Figueiredo rsfig@dialdata.com.br

São Paulo

*

SEM PALAVRAS

Reunião de emergência do setor elétrico, lua de mel de Cachoeira, festa de Duda Mendonça, trambique na contabilidade do Brasil, posse de Genoino... Falando sério, o Brasil está uma b...!

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

O VERÃO DE CACHOEIRA

As fotos de Carlinhos Cachoeira na praia, curtindo o verão, mostram bem o tipo de pessoa que se dá bem no Brasil de hoje. Só faltaram as fotos de Zé Dirceu, Collor e Maluf para ficar completo. Cachoeira foi condenado a cumprir pena de 40 anos de prisão pela prática de diversos crimes, mas o Judiciário, gentilmente, lhe concedeu um habeas corpus e permitiu-lhe recorrer em liberdade e assim poder desfrutar dos milhões de reais que roubou do povo brasileiro. O Brasil é mesmo um país sensacional, onde o crime compensa para os ricos e poderosos, na maior impunidade e desfaçatez.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

TIRANDO SARRO DA JUSTIÇA

Só no Brasil mesmo um condenado a 39 anos de prisão como Cachoeira, aproveita “lua de mel” em plena praia, falando ostensivamente ao celular, provavelmente a prova de grampo! E tem mais: as fotos veiculadas foram postadas nas redes sociais pelo próprio. É ou não para tirar sarro da justiça brasileira?

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

O CRIME COMPENSA

Beneficiado por habeas corpus após ser condenado a quase 40 anos de prisão, o recém-casado Carlos Cachoeira reapareceu sexta-feira (4/1) hospedado no resort Kiaroa, em Taipús de Fora, praia da Península de Maraú (BA), com a mulher, Andressa Mendonça. Nunca antes neste país a corrupção foi tão beneficiada, é só ser amigo de alguém do PT ou pertencer a ele. Vejam o caso Genoino, o genuíno corrupto deputado. Falar o quê?

Asdrubal Gobenati asdrubal.gobenati@bol.com.br

Rio de Janeiro

*

ESTE É O BRASIL

O contraventor Carlinhos Cachoeira passou a lua de mel num resort no Sul da Bahia. Que dureza, hein? Dolce vita. E na comissão especial da Câmara dos Deputados foi aprovado dispositivo constitucional que tira do Ministério Público poder para investigar. É tudo o que os corruptos, mensaleiros e marginais querem. O Ministério Público atrapalha muito o PT, PMDB e outros inexpressivos que não estão a serviço do povo. Vejamos se o plenário rejeita este dispositivo.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

O ANO PROMETE!

Ao saber que Cachoeira está gozando lua de mel com sua amada em plena praia, não pude deixar de pensar que o casal está curtindo um feliz ano-novo. Hebe diria: que gracinhas! Eu já digo que estas são coisas típicas de Banânia. Quanto à família da Silva, ninguém sabe onde está, certamente enrustida em alguma propriedade de muy amigos para passar o ano-novo bem distante da imprensa, já que esta é muito maldosa e insensível. Para piorar os ânimos familiares, a dona Rose continua sendo fonte dadivosa de novas matérias nos jornais. Este ano promete!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

MENSALÃO MINEIRO

A matéria Protagonista do mensalão mineiro constrange PSDB mostra bem o quanto os políticos, independentemente de qual partido ou corrente ideológica forem, são idênticos na safadeza. Assim como Lula, Eduardo Azeredo também “não sabia de nada”. O PSDB mineiro tem muito que explicar, inclusive a nomeação, pelo senador e candidato à sucessão presidencial Aécio Neves, de Mônica Beatriz Silva Vieira, sobrinha do contraventor Carlinhos Cachoeira, conforme denunciado pela imprensa há pouco menos de um ano. Detalhe: ela continua trabalhando ou, no mínimo, recebendo.

Luciano Nogueira Marmontel automat_br@ig.com.br

Pouso Alegre (MG)

*

GOLAÇO DA CORRUPÇÃO’

O “golaço da corrupção” (Estadão de 7/1, A2) bateu nas traves. A bola voltou para o meio campo: a página C3 fala sobre oito anos gastos para a Justiça decidir sobre R$ 20 falsos, caso em vias de encerramento porque o juiz federal Ali Mazloum rejeitou nova denúncia do Ministério Público. A atuação desta instituição e Polícia Civil é uma constante em inquéritos policiais, haja vista o doloroso caso da menor Isabella Nardoni, onde brilhou a competência do ilustre procurador de justiça Francisco Cembranelli e de todos os policiais participantes. E mais, a questão controvertida sobre os poderes investigativos pretendidos pelo Ministério Público é carente de amparo constitucional. O inciso VIII, do artigo 129, da Lei Maior, diz ser da sua função institucional requisitar diligências investigatórias e a instauração de inquérito policial [...]. Tais requisições são irrecusáveis. São tantas as atribuições a ele impostas que seus ilustres integrantes são levados ao descuido de omitirem providências legais junto ao legitimado para propor ação específica sobre inconstitucionalidades presentes em emendas constitucionais.

Aroldo Costa aroldocos@superig.com.br

Santos

*

JOSÉ GENOINO NA CÂMARA

Mesmo com a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de que os condenados no mensalão não devem assumir mandatos, José Genoino vai ocupar na Câmara dos Deputados gabinete “classe A”, pode embolsar, além de salário, R$ 26,7 mil para se instalar em Brasília e R$ 78 mil para contratar funcionário. Abuso? Não, tudo dentro da lei e, melhor ainda, custeado com o nosso dinheiro!

Omar El Seoud elseoud@iq.usp.br

São Paulo

*

E AINDA EXIGEM

Posse de um condenado pela Justiça, José Genoino, na Câmara dos Deputados: inacreditável. E ainda exigem que eu vote!

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

OS DONOS DO BRASIL

É impressionante a cara de pau do Sr. José Genoino assumindo a vaga de deputado federal. O PT não se toca mesmo. Eles acham que são os donos do Brasil. Vão cantar em outra freguesia!

Maria José da Fonseca fonsecamj@ig.com.br

São Paulo

*

SEM MEDO DE SER FELIZ

Sua excelência o deputado José Genoino pode ficar sossegado. Antes que sejam julgados todos os recursos a que tem direito, para escapar da cadeia, já terão passado muitos e muitos anos, estará idoso e certamente gozando sua polpuda aposentadoria. Não sem antes cumprir esse e muitos outros mandatos como deputado, senador, ministro de Estado ou até, quem sabe, de presidente da República. Nessa carreira aqui, no Brasil, tudo é possível!

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

CREDIBILIDADE

Se os condenados não cumprirem as penas proclamadas por Joaquim Barbosa, o Ação Penal 470 não terá passado de mera baboseira.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

NÓS PAGAMOS

Condenado a quase 7 (sete) anos de reclusão e multa de R$ 488 mil por corrupção, Genoino sente-se confortável. Até que se esgotem os recursos e se publique o trânsito em julgado, do qual não pode mais recorrer, nós, contribuintes, é que estaremos pagando um condenado por corrupção para legislar. É o fim do mundo! Legislar o quê? Se não for muito gastão, ele mesmo com nosso dinheiro poderá pagar a multa, e os companheiros do PT não precisarão mais fazer vaquinha. Acho que eles agradecem e nós, cada vez mais p... Este é o Brasil que estamos vivendo.

Rubens Stock rsstock@uol.com.br

São Paulo

*

604.103 IRRESPONSÁVEIS

Essa situação que muito nos vergonha de termos na Câmara João Paulo Cunha, José Genoino, Valdemar Costa Neto e Pedro Henry, deputados condenados por crimes diversos como formação de quadrilha, corrupção ativa e passiva, peculato e lavagem de dinheiro, no processo do mensalão, além do indesejável desgaste que provoca entre o Judiciário, que corretamente os condenou, e o Legislativo, que por corporativismo os defende, não teria ocorrido se os 604.103 eleitores irresponsáveis que lhes deram os seus votos, mesmo sabendo do envolvimento de cada um como réus desse processo, tivessem colocado acima de qualquer outra coisa o interesse do País do qual são cidadãos.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

O CRIME COMPENSA II

Após o julgamento do mensalão, o povo teve a sensação de que a justiça seria feita, mas não foi o que aconteceu. Ter de ver um criminoso como José Genoino assumir um mandado de deputado federal causa uma terrível sensação de impunidade em todo o povo. Passamos a crer que o crime compensa, passamos a achar que a criminalidade nas cidades não é nada perto do que os políticos fazem com 200 milhões de pessoas e nada acontece. Ter um criminoso no poder representando o povo honesto e trabalhador é um absurdo. O PT irá marcar esta década por criar o maior esquema de corrupção do mundo e pelo corporativismo que impera na Câmara e no Congresso Nacional!

Luiz Claudio Zabatiero zabasim@ig.com.br

São Paulo

*

GENOINO NO SEU PIOR PAPEL’

O editorial do Estadão de 5/1, Genoino no seu pior papel, é uma obra-prima. E, justamente, pelo seu comedimento, totalmente arrasador. Imagino que, se ainda resta ao Sr. Genoino algum resquício de dignidade, depois de lê-lo, ele deve ter chorado de arrependimento.

Maria Emília X. Silveira mexs@uol.com.br

Sao Paulo

*

O PROJETO JOSÉ GENOINO

O deputado José Genoino (PT-SP), julgado e condenado no processo do mensalão, por crimes como corrupção ativa e formação de quadrilha, ao tomar assento na Câmara dos Deputados, terá os mesmos privilégios de um deputado ilibado, de bons princípios e boas-vindas não lhe faltarão de “cumpanheiros” de partido e de hipócritas da oposição. Do corredor da cadeia para um corredor de gabinetes suntuosos, ocupará um classe “A”, e ainda ser tratado de excelência é um acinte a todos os brasileiros que aguardaram sete longos anos pela sua condenação e dos demais quadrilheiros. E mais doloroso ainda é não saber até quando esse “camarada” vai mamar nas tetas do governo, pois os advogados, petralhas, farão de tudo para que termine o mandato, afinal, faltam “apenas” dois anos para que isso aconteça. Assim, fará uma boa “poupancinha”, com nosso suado dinheiro, evitará a “vaquinha” sugerida pela direção do PT e quitará a multa imposta pelo STF de, R$ 468 mil. Meu Deus, quantos votos e quanto dinheiro atirados ao lixo. Socorro, ministro Joaquim Barbosa!

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

*

A FICHA DO DEPUTADO

Quem é e quem não é “ficha limpa”? Vamos sair do marasmo!

Antonio Carniato Filho antoniocarniato@gmail.com

Santa Rita do Passa Quatro

*

EM CADEIA NACIONAL

Genoino tomou a atitude correta. Não falar mais com nós, cidadãos honestos e sem condenação, e com essa “imprensazinha” provocadora. Deve, sim, só falar em cadeia nacional.

João Francisco Pacheco Alves jpachecoadv@yahoo.com.br

São Paulo

*

CREDENCIAIS

Finalmente entende-se o nome: Genoino é um petista genuíno.

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

SERENIDADE

O condenado José Genoino pode continuar “sereno” lá no Congresso Nacional. Estará muito bem acompanhado por outros condenados que também se consideraram “serenos” após a sentença: os generais alemães condenados em Nuremberg, o famoso cabo Bruno, autor de vários assassinatos, e todos quantos foram presos por crimes hediondos e/ou roubalheiras gigantes. Todos se declararam inocentes, e receberam serenamente a pena condenatória. São uns insensíveis, incapazes de reconhecer as monstruosidades que cometeram. A única diferença entre os demais e o Genoino é que os de Nuremberg foram enforcados; outros pegaram “cadeia” direto, enquanto que o homem-símbolo do PT está gozando a vida no Congresso Nacional. Está sendo bajulado por seus amigos/comparsas/deputados/senadores, vai nomear assessores, receber um belo salário. É por coisas como essa que Dirceu, Lula e camarilha lutaram para chegar ao “poder”, donde, segundo eles, “jamais serão removidos”. E tem gente que ainda vota neles...

Domingos Perocco Netto dperocco@ig.com.br

Itatiba

*

CONSTRANGEDOR

Todo povo brasileiro está constrangido com a posse do deputado José Genoino. Não era pra ele estar preso? O povo está assim, não entendendo absolutamente nada, além de decepcionado! Muitos dizem que teria de haver outro derramamento de sangue nacional, através da luta armada, igual ao que o PT fazia na época da ditadura militar. Incitar mais violência, dentro deste quadro negro, caótico e sanguinário que é a segurança pública no Brasil, não pode ser o ideal, mas que dá vontade, dá, sim!

Edson Rodrigues e.rodrigues1953@uol.com.br

Santo André

*

FALSA VERSÃO DA HISTÓRIA

Não é verdade que a motivação que levou os grupos armados dos quais participaram José Dirceu, José Genoino e Dilma Rousseff, dentre outros, a lutar contra a ditadura militar fosse a busca pelo restabelecimento da democracia. Como bem reconheceu Fernando Gabeira (O ano novo dentro de você, 4/1, A2), nesta época ativo participante destes movimentos, o que estes grupos buscavam era a implantação da ditadura do proletariado, nos moldes praticados pelos regimes comunistas da URSS e Cuba. Assim é importante desmascarar esta versão que por conveniência política tenta associar a imagem destes ex-guerrilheiros à luta pela democracia, alterando suas biografias.

Ana Maria Carmelini anacarmelini@yahoo.com.br

São Paulo

*

FALTA LIDERANÇA

Onde estão nossos líderes, os caras-pintadas, os partidos contra a sem-vergonhice, a corrupção, a caradura, a extorsão? Alguém leu ou ouviu notícia de algum político convocando seu partido e o povo para ir às ruas, contra a genuína cara de pau de um genuíno salafrário, cínico e abjeto sujeito que vai participar de uma bancada para defender o povo? Nem eu, por isso quero dizer, meus amigos, que estamos num barco não sem comandante, mas sim, sob um comando que nos quer levar ao naufrágio iminente. Ou nos rebelamos e tentamos nos salvar ou nos despedimos de um Brasil que já nos deu orgulho de sermos brasileiros. Muita inveja sinto do povo argentino, que por muito menos vai às ruas com suas panelas, mostrar para o mundo que ainda tem brio. Que apareça um líder e eu, do alto dos meus 72 anos, seguirei com panelas, cornetas, cara pintada, garra e força (e tenho muita) para brigar pelo que é meu.

Neusa Carmen neusacarmen@yahoo.com.br

São Paulo

*

A OBSERVAÇÃO DE GENOINO

José Genoino ­– PT, do qual foi presidente, recentemente condenado pelo STF por corrupção ativa e formação de quadrilha, assumiu, como suplente, lugar na Câmara Federal dos Deputados. Não teve pejo nenhum em declarar – nem poderia ser diferente – que o fazia “com a consciência serena dos inocentes”. Em verdade, na Câmara, quem não se calará ou não lhe dará aquiescência, qualquer que seja o assim chamado partido político em que chafurde, em que se ceve? Não apenas na Câmara, fique claro, como declarou cientista político, professor de Administração Pública da FGV, em entrevista. À pergunta do jornalista – “É legítimo assumir o mandato após a condenação pelo Supremo?” – respondeu “sim” o professor, cientista político Cláudio Gonçalves Couto (Estado, 4/1, A4). Que é o “enfrentar”, que lembra o subtítulo entre parênteses, de que agora cogito? Transcrevo, a respeito do ex-guerrilheiro, condenado não por tal pelo STF, página minha, inicialmente publicada na imprensa local (Jornal de Piracicaba, 25/11/1999), posteriormente como parte de livro (Segunda Parte – VI Os governos e como desmoralizar as forças da ordem): Da Universidade de São Paulo (USP), com o Jornal do Campus, ano 15, n.º 182, 23/4-6/5/1997, mas separada dele, veio edição especial de apenas quatro páginas, com data de 23/4/1997, informativa da marcha então realizada pelo MST sobre Brasília. Com artigo intitulado Marcha vitoriosa, página 2, o ex-guerrilheiro José Genoino, deputado federal pelo PT, declarou: “Já observei (...) que existe diferença entre força e violência. Ao invadir fazendas, os sem-terra usam a força. Estariam praticando violência se agredissem os fazendeiros ou empregados. A reação armada dos fazendeiros ou da polícia são exemplos do uso da violência”. Assim definiu o ex-guerrilheiro as bases teóricas com que o governo federal e os estaduais devem entender o MST em suas relações com o Poder Executivo, e de como naturalmente se comportarem para que a “implantação de um novo sistema econômico, o socialismo”, se faça sem outros sobressaltos que os “legítimos”, os de “justiça”, os inerentes à própria ação subversiva. Não só os governos, como ainda, muito importante, esse relacionamento e a ação subversiva (contra a qual “causa repugnância... tenta(r) utilizar o Código Penal”) tenham a aprovação da Nação em geral, e em particular dos meios intelectuais, os meios pensantes – a universidade, a CNBB, os meios de comunicação, setores da OAB e os ideólogos e mentores dos partidos ditos progressistas (PT, PSB, PPS e PC do B). Igualmente importante, se não talvez mais, os meios pensantes do exterior, de onde vem parte do financiamento para o movimento, que assim fica sabendo como se emprega o capital que aqui investe. (Claudio M. Chaves, Reforma Agrária?: Subversão compartilhada. S.Paulo, Factash Ed, 2006, p.139). Veja-se, nos dois textos acima transcritos (pergunta de 4/1 pelo jornal Estado; referência minha em comentário ao texto de José Genoino), o uso obrigatório da palavra “legítimo”, sem a qual o PT e suas grandes extensões (universidade e imprensa) não conseguem argumentar, não conseguem doutrinar, não conseguem se impor. Não me lembro se textualmente foi assim que declarou muitos anos atrás o Grande Mulo: “Prefiro o legítimo ao legal”. Infelizmente vamos ter de suportar talvez por décadas, a bendita palavra chave, pedra angular de sustentação teórica e prática do partido e de todos que o temem ou lhe prestam reverência, ou lhe dão apoio. Até que sejamos autorizados a dispensá-la... e então seus atuais usuários acreditem estar raciocinando de outra forma, com melhores bases! Mas minha pergunta agora é esta: Diante da indiscutível realidade que vivemos, em que obrigatoriamente os padrões do PT são as referências, as fontes de partida e destino de nossa vida atual, principalmente quando oficial, em que a todos é defeso objetar, contrariar a suas determinações, legais ou não, quem ou que instituição ousará enfrentar a inqualificável diplomação de um condenado pelo STF como deputado federal? É lembrar que no próprio STF temos as figuras inqualificáveis de um Letícia/Lewandowski e do moleque Dias Toffoli, ex-advogado do próprio PT, e que Luiz Fux, outro atual ocupante seu, relatou haver procurado, como um dos pistolões, João Pedro Stedile – da cúpula diretora da organização criminosa e subversiva MST, quando postulava o lugar que ganhou e ora ocupa! Basta? Não. Procurou também José Dirceu, já então indiciado no mensalão, mas de cujo passado recente pelo visto não tinha conhecimento (!), e o remoto nada há de lhe ter pesado! Isto é, valeu-se para ganhar o STF do que há de pior na escória do País! Entende-se assim o porquê do comportamento “irrepreensível” de Genoino há décadas?

Claudio M. Chaves claudiochaves@brasilereformaagraria.com

Piracicaba

*

POLÍTICA E ECOLOGIA

Concordo com o almirante Mario Flores, em sua reflexão sobre o pronunciamento do presidente do Uruguai, o Sr. Mujica, na Rio +20 (Política e ecologia – Mujica na Rio +20, Estadão de 7/1/2013, A2), e gostaria de parabenizá-lo e agradecê-lo pelo apresentado. Precisaríamos de que muitos prestassem mais atenção no pronunciamento do Sr. Mujica, e que a imprensa destacasse mais colocações como esta.

Celso Fioravanti celso.fioramaq@uol.com.br

Itu

*

ANÁLISE CERTEIRA

Estimado Mario Cesar Flores, obrigado por nos lembrar do discurso de Jose Mujica, presidente da Republica Oriental do Uruguai, na Rio +20 e ter colocado o dedo na ferida. Foi preciso um almirante de esquadra para arrancar a casca da ferida! Nenhuma ONG sequer fez uma análise próxima disso. Claro, com o “rabo preso” em governos e multinacionais nenhuma delas se atreve a dizer o que o Sr. escreveu no artigo. Parabéns e obrigado por trazer essas propostas a público.

José Drummond jdrummond@uol.com.br

São Paulo

*

DIREITOS E DEVERES

Apenas complementando o almirante, Mujica nos parece Niemeyer, tem cabeça, pena que seja comunista! E ambos se gabam de ser comunistas, como o cego que acha que vê melhor sem a vista. O meio ambiente é um paradoxo da sociedade humana. Depende dele para viver, mas vive como se o ambiente é que precisasse do homem para existir. É o viés comunista de ver o mundo, o homem brucutu no centro, e o resto na sua dependência. A ONU teve origem na reconstrução da guerra e, para “evitá-la” no futuro, foi idealizada e concretizada pelas nações “aliadas”, exceto a brucutu URSS, que formou sua “própria ONU”, falida como ela própria. O final da guerra fria trouxe uma modalidade nova à humanidade, leis de direitos sem deveres, e isso tomou conta da ONU, hoje um matrona esclerosada sustenta por meia dúzia de nações, e explorada por mais de uma centena de outras. Isso resume o papel da ONU na questão ambiental, através do tal Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC). Todo mundo tem “direitos”, os deveres ficam para aqueles que de fato não têm direito algum!

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

CHÁVEZ E A DEMOCRACIA LATINO-AMERICANA

No momento em que a política admite retaliações e a interferência de fatos físicos em seus resultados, ela perde sua nobreza e descamba para a violência deplorável, pura e simples. Assim, democratas não podem e não devem torcer para que o presidente Hugo Chávez se deteriore e sucumba ante esse mal terrível, em que uma avalanche de displasias malignas é resumida sob o nome de câncer pélvico, degeneração biológica tão drástica que nem o homem praticante do mais hediondo crime a merece. No entanto, é certo que o afastamento de Hugo Chávez, como pautua Eric Farnsworth (O Estado, 5/1, A13), pode significar o princípio de um processo de retomada paulatina da democracia no continente latino-americano e o sepultamento das sandices reacionárias do populismo de esquerda que compuseram o ciclo bolivariano, o que importará num fator de distensão inclusive para o Brasil.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

O BRASIL, CHÁVEZ E O CONTINENTE

Depois de travar grande luta para reeleger-se, o polêmico presidente Hugo Chávez está impossibilitado de comparecer à solenidade de posse. Não se sabe nem se voltará vivo de Cuba, onde se submeteu a nova cirurgia. Seus correligionários disputam a definição de quem assumirá o governo – o vice-presidente ou o presidente do parlamento – e a oposição força por novas eleições. O país pode mergulhar num grave impasse institucional. Na Argentina, Cristina Kirchner, enfrenta o panelaço, que já derrubou um presidente portenho. O Paraguai sofre retaliações após afastar o presidente Lugo. A Bolívia acaba de nacionalizar empreendimentos estrangeiros. A Colômbia procura costurar a paz com as Forças Armadas Revolucionárias (Farc). Isso sem falar em problemas entre vizinhos. A América do Sul, palco de sanguinárias ditaduras nas décadas passadas e ambiente de discutíveis políticas e inspiração cubana nos últimos tempos, parece estar virando mais um ciclo. O Brasil, maior extensão territorial e economia do continente, reúne requisitos básicos para assumir uma posição de liderança regional. Mas, para isso, também precisa livrar-se das caricaturas e principalmente do regime de compadrio e de impunidade aqui vigente. Tem de seguir na trilha de austeridade agora inaugurada pelo STF, de punir os errantes, fazer a mais ampla faxina nos escaninhos do poder para deles retirar os incompetentes e, principalmente, os desonestos. E encontrar mecanismos para o cumprimento das obrigações estatais, especialmente a educação, a saúde, o trabalho e a segurança pública. Só depois disso é que poderemos reivindicar algum tipo de hegemonia continental. Do contrário, teremos de continuar aturando as esquisitices dos vizinhos que, embora nos cortejem, na maioria das vezes, querem nos apunhalar pelas costas...

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

CONTRA OS CAMINHOS DA CONSTITUIÇÃO

Caso o paciente internado em Cuba não tenha sido agraciado com alguma graça herdada do regime soviético e já se encontre morto, especulam-se os efeitos de uma posse a distância, garantindo a continuidade por meio do vice, evitando novas eleições.

Caio Augusto Bastos Lucchesi cblucchesi@yahoo.com.br

São Paulo

*

COMPLICAÇÕES COM A SAÚDE

Chávez entra em 2013 a caminho de se imortalizar como mais um dos grandes sonhadores inconsequentes que foi capaz de enganar muitos por muito tempo...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.