Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

10 Janeiro 2013 | 02h06

Apagões

É isso que dá colocar gente como o político Edison Lobão num ministério de suma importância como o de Minas e Energia. Agora é um corre-corre para a difícil missão de tentar convencer o mercado e o povo brasileiro de que está tudo sob controle e não haverá apagões em 2013. Dilma Rousseff precisa rezar para que São Pedro mande muita chuva para encher os reservatórios, e evitar esses prováveis apagões, pois não poderá pôr a culpa da sua ocorrência na crise internacional nem dizer que é herança maldita do governo anterior.

RONALDO GOMES FERRAZ

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

Vícios históricos

Do meu ponto de vista, a falta de energia elétrica é consequência dos vícios que herdamos de alguns séculos: os vícios do poder, da compra de votos, do toma lá, dá cá, dos impostos embutidos em todos os produtos, dos cabides de empregos, das soluções de curto prazo, da destruição do meio ambiente, da favelização crescendo em progressão geométrica, da falta de educação e de zelo com a cultura, com a História. E, sobretudo, da falta de visão de longo prazo. A presidente Dilma é uma vítima da História. Vamos ver se ela tem competência para descascar esse abacaxi.

MÁRIO NEGRÃO BORGONOVI

marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

Poste

O primeiro poste do Lula começou a apagar, vejamos quanto tempo ainda resta de luz. Acende, Brasil!

MARCOS RODRIGUES DA CUNHA

marcosrcunha@uol.com.br

São Paulo

Desperdício

Alguém do governo federal poderia esclarecer à Nação por que motivo o óleo diesel que neste momento é descarregado no Porto de Santos vai alimentar as termoelétricas de Porto Velho (RO), que estão a uma distância de 3.067 km, ao custo de R$ 15 mil o frete de caminhão-tanque? Se somos tão parceiros da Venezuela, não seria muito mais econômico e justo para o Brasil comprarmos do querido e idolatrado companheiro Hugo Chávez? Afinal, a Venezuela é Mercosul?

ATALIBA M. DE MORAES FILHO

ataliba@outlook.com

Marília

CORRUPÇÃO

Lula será investigado?

Com ou sem desmentido, desejo que o Ministério Público Federal investigue as irregularidades no governo Lula apontadas por Marcos Valério. Quem sabe, durante a investigação, Valério não se lembre de mais coisas que o ajudem a diminuir sua pena? Os fatos denunciados são graves e precisam ser apurados com seriedade e a verdade deve prevalecer, para que as gerações futuras, ao estudarem a História do Brasil, saibam o que realmente aconteceu de 2003 a 2010.

MARIA CARMEN DEL BEL TUNES

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

Que Lula seja investigado, sim, milhão por milhão.

ROBERTO TWIASCHOR

rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

Transparência

Todo indivíduo que ocupa cargo público está sujeito à exposição e seus atos, principalmente quanto ao erário, devem ter a mais lúcida transparência - ainda mais quando usa e abusa do cartão corporativo. O ex-presidente, agora cidadão comum, longe do poder e sem o risco de comprometer a "segurança nacional", pelo fato de sua mudança de Brasília para São Paulo envolver 11 caminhões-baú, carece de explicação ao Ministério Público. E o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, tem o dever de rastrear e divulgar todos os gastos com o ilimitado cartão corporativo de 2003 a 2010, pois a denúncia de Marcos Valério poderá ser fichinha diante do que encontrar.

HUMBERTO SCHUWARTZ SOARES

hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

CONGRESSO NACIONAL

Iniquidade

O excelente artigo A reforma do Poder Legislativo (7/1, B2), de lavra de Everardo Maciel, mostra-nos a triste realidade de um Congresso Nacional ineficiente, improdutivo e inescrupuloso. Ulysses Guimarães, ao ser questionado sobre a qualidade do Congresso, teria respondido: "Vocês não viram o próximo!". O dr. Ulysses estava certo: transformou-se na casa de Irene, um bordel institucional, sem a menor correspondência com os anseios e as necessidades da Nação. Uma simples casa de favores, de troca de favores, sempre com benefícios pessoais e/ou partidários. Correta a assertiva do dr. Everardo: durante o regime militar o Congresso era muito mais atuante, bastou a redemocratização para que perdesse qualidade a cada eleição. Piora a cada legislatura. Não cumpre suas funções constitucionais, nem sequer respeita a Constituição, custa comparativamente muito caro aos contribuintes e, de fato, proclama diariamente a sua iniquidade, abrindo enorme espaço para os que defendem a sua extinção.

MARCO A. SPROVIERI RODRIGUES

msprovieri@sincoeletrico.com.br

São Paulo

AEROPORTO DE CUMBICA

Esclarecimento

Sobre a carta 'Privaestatização' (8/1), gostaríamos de esclarecer que a concessionária do Aeroporto Internacional de Guarulhos assumiu sua gestão em 15/11/2012, ainda sob assistência da Infraero. A gestão total, só a partir de 15/2/2013. Apesar do pouco tempo no controle administrativo, conseguimos realizar uma série de melhorias, que têm sido elogiadas pelos passageiros e visitantes. Nestes poucos meses de operação reformamos e triplicamos a área dos banheiros, criamos 740 vagas de estacionamento, implantamos novo sistema de sinalização, com a troca de mais de 900 placas, fizemos a manutenção de toda a iluminação do aeroporto, além de aumentar o efetivo na área de segurança. E estão em andamento obras de grande magnitude para a Copa de 2014, como o novo terminal de passageiros, com capacidade para 12 milhões/ano, e o edifício-garagem, que vai adicionar 2.400 vagas de estacionamento. Até a Copa vamos investir R$ 3 bilhões. Todos esses investimentos visam a ampliar a sensação de conforto e segurança de quem passa pelo GRU Airport. A administração do aeroporto também está trabalhando em conjunto com as companhias aéreas e autoridades aeroportuárias para melhorar os processos sob a responsabilidade desses agentes, como check-in, imigração/emigração e recuperação de bagagem. Em janeiro, o Aeroporto de Guarulhos vai completar 28 anos. Muito ainda precisa ser feito para alcançarmos o reconhecimento de todos os que utilizam o terminal - passageiros, visitantes ou funcionários. Mas não temos dúvidas de que nos próximos cinco anos o GRU Airport será uma referência internacional em serviços aeroportuários.

NICOLAU MARANINI, gerente de Comunicação do GRU Airport

Marcelo.Andrade.t@gru.com.br

Guarulhos

 

JULGAMENTO TENDENCIOSO

O Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela decidiu que não é necessária uma nova tomada de posse do presidente Hugo Chávez, apesar de a Constituição daquele país dizer que, caso o presidente eleito não se apresente para a sua posse no dia 10 de janeiro, o presidente da Assembleia Nacional assume em seu lugar e deve marcar uma nova eleição presidencial num prazo de 90 dias. Uma decisão vergonhosa de um tribunal que é chavista em sua essência e que julga sob a orientação do Executivo venezuelano. Esse é um risco que corremos no Brasil, por termos os ministros do Supremo Tribunal Federal indicados pela Presidência da República, pois poderão julgar levando em conta a imensa gratidão que nutrem por quem os indicou para tão cobiçado cargo.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

DIPLOMACIA COMPANHEIRA

Neste 10 de janeiro, por encontrar-se enfermo em Cuba, o caudilho venezuelano Hugo Chávez não tomará posse para novo mandato presidencial. Sem a formalidade, haverá óbvio vácuo de poder e a Constituição venezuelana seguirá pisoteada pelo totalitarismo chavista, que já fez seu plano para manter-se no mando – mesmo sem Chávez –, com as bênçãos de Dilma Rousseff, a mesma que, há meses, suspendeu o Paraguai do Mercosul no caso do impeachment constitucional de Fernando Lugo. O ato de Dilma, na questão paraguaia, teve inspiração em Lulla, seu mentor, que, em seu tempo, não teve pudor em dar “pitaco” na Constituição hondurenha, quando da deposição do “companheiro” Manuel Zelaya. Indulgência com os bons amigos do Foro de São Paulo e pulso forte com os adversários da “direita”. A diplomacia companheira segue seu curso nas mãos dos nossos vermelhinhos do PT, usando descaradamente de dois pesos e duas medidas e envergonhando cada vez mais o Brasil.

Silvio Natal silvionatal49@yahoo.com.br

São Paulo

*

TUMOR VENEZUELANO

Três fatores alimentam a metástase nas terras de Hugo Chávez: a ignorância do povo, o populismo imediatista e, principalmente, a corrupção dos poderosos. E, quando a Justiça é contaminada, não há quimioterapia que proteja a sociedade.

Helena Rodarte Costa Valente helenacv@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

TRISTES TRÓPICOS

Ao que parece, Chávez vai “morrer” no dia 11 de janeiro, dia seguinte à posse virtual que está sendo armada. Evidentemente, o vice irá assumir logo que a notícia for divulgada e será imediatamente legitimado pela esquerda “progressista” sul-americana e pelos que vivem dos favores dele (Cuba e Argentina). Tristes trópicos, já disse um filósofo.

Luiz Henrique Penchiari luiz_penchiari@hotmail.com

Vinhedo

*

INTROMISSÃO

O sr. Marco Aurélio “top top” foi a Havana, por ordem da presidente Dilma Rousseff, para reforçar com a alta cúpula cubana e venezuelana que, seja o que for que decidam sobre a “sucessão” venezuelana, o governo petista, está com eles e não abre. Aliás, se não me engano, o mesmo senhor já esteve presente, em várias situações críticas em países da região, inclusive na própria Venezuela, para “prestar assistência”. Para mim, essa interferência em assuntos internos de outros países denota uma tendência imperialista. É preocupante. Por falar nisso: o governo petista ainda está “de mal” com Honduras?

Alberto Futuro carlos_futuro@viscondeitaborai.com.br

São Paulo

*

DIPLOMACIA NA ERA PT

Infelizmente a nossa diplomacia, nessa era petralha, com o assessor Marco Aurélio “top top” Garcia, tem se comportado sempre na contramão do bom senso. Agora é só aguardar o parecer quanto à aberração que está ocorrendo na Venezuela.

Luiz Fernando de Camargo Kastrup Duasancoras@uol.com.br

São Paulo

*

RAPIDINHAS

1)Racionamento de energia? Gargalhem! 2) Cadê o “cara” (de pau)? Depois da Operação Porto Seguro/Rose, ele sumiu. 3) Quem pagou a viagem de Marco Aurélio “top top” Garcia a Cuba, para a importante missão de saber o estado de saúde do cumpanheiro Chávez, a pedido da presidente Dilma? 4) Peço gentileza ao Estadão de corrigir a manchete de 8/1: Brasil aprova prorrogar o mandato de Chávez.

Sergio Luis dos Santos sersan@netpoint.com.br

São Paulo

*

INCORRIGÍVEL

Só podia ser o Marco Aurélio Garcia, aquele do “top top”, assessor especial para assuntos internacionais desde o (des)governo Lula e agora do (des)governo Dilma, cargo pomposo para justificar o alto salário que recebe para dar “palpites” onde nem deveria “meter o bico”, já que nada lhe foi questionado. Enquanto o presidente eleito da Venezuela está hospitalizado em Cuba, em coma induzido (mais pra lá do que pra cá), o assessor “especial” apoia a ideia de prorrogar por 180 (cento e oitenta) dias a posse de Hugo Chávez, até citou o Art. 234 da Constituição da Venezuela, sabe tudo de lá, mas a nossa Carta Magna não cumpre. Será que está preocupado em cobrar os empréstimos feitos pelo Brasil àquele país, ou foi a “fundo perdido”? Chegou, inclusive, a ir a Cuba para visitar os seus muy amigos Fidel e Chávez, como sempre tudo pago por nós, brasileiros. Será que falou em nome da nossa presidente? Seria melhor que ficasse calado, é mesmo intrometido e incorrigível.

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

SILÊNCIO

Hugo Chávez, durante o seu reinado, foi o maior crítico do governo dos EUA. George Bush foi xingado por todos os adjetivos impróprios possíveis e não revidou ou mencionou uma vez sequer o nome de Chávez. Obama também nunca mencionou ou revidou alguma crítica venezuelana. Resumindo: Hugo Chávez, travestido de representante do Terceiro Mundo com o apoio de toda a América do Sul, do Irã (inclusive do Brasil na era Lula, por seus ministros), chutou o leão, puxou sua juba, pisou no seu rabo e o leão não esboçou nenhuma reação. Seria medo, receio que algo de pior pudesse acontecer? Não, foi só desprezo, uma forma de mostrar a Chávez toda a sua importância para o resto do mundo. Neste momento, com Chávez vivo ou morto, o que preocupa os países da América do Sul é o destino da revolução bolivariana. Será preciso continuar a luta com outro Dom Quixote de la Mancha. Pode ser a saída de Lula do ostracismo!

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

A SAÚDE DO PRESIDENTE ELEITO

Chávez, por que te callas?

Suely Jung sjungborges@yahoo.com.br

São Paulo

*

AMADORES

Não é o Brasil que apoia a prorrogação de mandato de Chaves (8/1, A8), e, sim, o governo, que hoje é do PT. Eu sou brasileiro e não apoio, acho que a Constituição de todos os países deve ser respeitada e não haver ingerência externa. O que fizeram com o Paraguai já foi um erro. O que Marco Aurélio Garcia, por ordem de Dilma, foi xeretar em Cuba, numa viagem inútil, gastando o dinheiro do povo? Para esses casos existem os embaixadores. O Itamaraty e seus especialistas são as melhores pessoas para analisar as situações e orientar a Presidencia. Sejamos profissionais, e não amadores.

Alvaro Salvi alvarosalvi@yahoo.com

Santo André

*

QUANDO A IDEOLOGIA FALA MAIS ALTO

Os que hoje detêm o poder no Brasil passaram a vida inteira, e ainda passam, criticando o “império americano”, que se metia na política interna das nações, blá, blá, blá. O Brasil intrometeu-se em Honduras por Zelaya, puniu o Paraguai por Lugo e agora diz que é favorável à extensão de mandato para Chávez. Que péssimo hábito de estar sempre ao lado de pseudodemocratas.

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

NÃO MERECEMOS ISSO

Dona Dilma e periféricos: comecem a governar o Brasil. Esqueçam o falastrão Manuel Zelaya, o falso bispo Fernando Lugo, o cocaleiro Evo Morales, o picareta Rafael Correa, a destrambelhada Cristina Kirchner, a múmia Fidel Castro, o cadáver Hugo Chávez. Não envergonhe ainda mais o cidadão brasileiro, não desmoralize nosso país, não merecemos isso.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

HUGO CHÁVEZ

Por favor, alguém me explica? Qual a importância deste sr. para nosso país? Tirando o calote na refinaria, para a qual nunca veremos um tostão venezuelano, precisamos enviar um “aspone” a Cuba, para averiguar o estado de saúde dele?

Nelson Piffer Junior pifferjr86@gmail.com

São Paulo

*

DOIS PESOS

Quando o Congresso paraguaio destituiu o ex-presidente Fernando Lugo, cumprindo rigorosamente a Constituição e dando posse ao vice-presidente, foi taxado de golpe de Estado e o país foi suspenso do Mercosul. Agora a Venezuela joga no lixo sua Constituição, num verdadeiro golpe de Estado, dando a Chávez o direito de se recuperar da doença para tomar posse, é ovacionada pelo governo brasileiro com uma democracia plena. A que ponto chegamos com isto que está aí...

Ruy Colamarino 1945.ruy@gmail.com

São Paulo

*

DEMOCRACIA SUL-AMERICANA

Quando será que a democracia verdadeira irá operar no nosso continente?

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

CAUDILHOS E ASSEMELHADOS

Interessante notar como o culto à personalidade e o caudilhismo, tão comuns na América Latina, têm o poder de eliminar a vida inteligente dos países. Exemplo gritante é Cuba, que foi transformada numa grande favela pela inoperância e vagabundagem de alguns desses líderes. A Venezuela, com seu presidente espelhando-se em Fidel, está conseguindo resultado idêntico, com o país paralisado e a vida intelectual estagnada. Ainda bem que, no Brasil, apesar de todos os truques e safadezas visando a calá-la, a imprensa vem conseguindo mostrar a verdadeira face do nosso “bolivariano”.

Nestor Rodrigues Pereira Filho rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

*

ENERGIA ELÉTRICA

É, o castigo nem vem mais a cavalo, agora é a jato. Quando, no segundo governo FHC, houve o racionamento de energia, o PT disse, naquela ocasião, que jamais aconteceria isso no governo deles. Bem, assumiram, a atual presidenta no primeiro governo Lula era a ministra de Minas e Energia, que não deve saber nem o que é ampère, sucederam-se recentemente alguns apagões, que eles dizem ter sido interrupção temporária de fornecimento de energia elétrica, e agora se veem com o fantasma do racionamento. A meta de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) já está prejudicada. O ministro de Minas e Energia não sabe nem o que é disjuntor, e está à frente de um ministério. Na iniciativa privada, talvez fosse mensageiro. Falam demais e não fazem nada. Tem é muita garganta. Enganaram e continuam enganando o povo.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

INCOERÊNCIA

No (des)governo da presidente Dilma, pelo visto, ninguém se entende, nem ela, tanto é que ela vê a possibilidade de racionamento de energia. Enquanto o ministro de Minas e Energia não vê nenhuma possibilidade de racionamento de luz, apenas a necessidade de um reajuste ou um aumento provisório no preço da energia, só falta água, foi o ministro que disse, é o próprio “amigo da onça”, entenderam? Como justificar o injustificável, em quem vão “jogar” a culpa? Seria o prenúncio para não conceder a redução estrutural, o que é isso? Não é redução, é devolução judicial no preço da luz/energia em 20% conforme informado pela própria presidente no final de 2012 em cadeia de rádio e TV. Que incoerência... Ou é mesmo incompetência?

Maria Teresa Amaral mteresa0409@2me.com.br

São Paulo

*

AS ‘VERDADES’ DO GOVERNO PT

Deem gargalhadas quando ouvirem falar de “apagões” de energia por problemas de raios ou técnicos; nunca mais teremos racionamentos de energia; não teremos crise energética; somos autossuficientes em petróleo; a Petrobras é uma empresa muito bem administrada; o PAC é uma realidade de desenvolvimento em infraestrutura; a transposição do Rio São Francisco é uma obra fundamental para o desenvolvimento do Nordeste e estará concluída em 2013; construiremos 800 aeroportos no País; não admitimos corrupção neste governo; o mensalão não existe; respeitamos a Constituição do País e suas instituições; o crescimento do PIB do País em 2012 será próximo a 5%; o crescimento do PIB do Brasil em 2013 será de 4,5%; a revista econômica inglesa não sabe o que diz; de forma nenhuma o crescimento do PIB em 2012 será de 1,5%; a Venezuela respeita a democracia e suas instituições por isso se credencia ao Mercosul; a lei da Ficha Limpa é uma realidade a ser respeitada; o Lula esta acima de qualquer suspeita; e tantas outras “verdades”; nosso projeto de governo é o que se poderia ter de melhor para o povo....

Marco Aurélio Rehder marcoarehder@yahoo.com.br

São Paulo

*

CÓCEGAS

Sob ameaça de racionamento, a ex-ministra de Minas e Energia deve estar gargalhando...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

RISCO DE NOVO RACIONAMENTO

2001/2002 ficará marcado como o período em que o Brasil mergulhou no racionamento de energia devido ao desabastecimento ocorrido. Regiões do país não puderam ser atendidas nas suas necessidades de energia elétrica, pela “barbeiragem” do governo federal da época, que não planejou bem, não fez os investimentos necessários, além de implantar um modelo mercantil no setor elétrico, que contribuiu de maneira decisiva ao colapso energético. Quem afinal “pagou o pato”, digo a conta de energia mais cara, foi o consumidor final. 2011/2012 ficará marcado com os anos das tarifas astronômicas (mesmo a geração sendo mais de 70% de hidrelétricas), e dos “apagões”, denominação das interrupções temporárias no fornecimento de energia elétrica, resultando na baixa qualidade do serviço oferecido. Responsabilidade do governo federal, cujos gestores do setor elétrico aprofundaram o modelo mercantil, e cometeram erros crassos na política energética, optando por ofertar energia, com a construção de usinas termelétricas a combustíveis fósseis, usinas nucleares e mega hidrelétricas na região Amazônica. E não priorizaram a diversificação da matriz energética com as novas fontes renováveis, e nem a eficientização no uso da energia. 2013 inicia-se diante de declarações e ameaças sobre a possibilidade de um risco iminente de um novo desabastecimento de energia elétrica, principalmente pela situação de estiagem prolongada, resultando no baixo nível dos reservatórios, e com chuvas previstas insuficientes para recompor os estoques. É necessário que se diga, alto e em bom som, que a curto prazo não existe possibilidade de risco de faltar energia para atender a demanda atual. O pífio desempenho da economia nacional, medida pelo Produto Interno Bruto (PIB), favoreceu a que o país não sofresse uma nova crise energética nos moldes da ocorrida em 2001/2002. Se o PIB tivesse sido de 4,5%, como previsto inicialmente para o ano de 2012, o consumo da indústria estaria bem maior, e ai sim haveria risco iminente de faltar energia. E em 2013, as previsões do crescimento econômico já estão abaixo das previsões sempre otimistas e super dimensionadas do governo federal. E são nestes previsões governamentais que se baseia o planejamento energético na oferta de energia. O que ocorrerá sem dúvida será um aumento nas tarifas devido ao repasse dos custos da energia elétrica bem mais cara das usinas termelétricas, que estão funcionando desde o final do ano passado a todo vapor (literalmente). Logo, os aumentos que ocorrerão nos próximos anos vão absorver toda a redução da tarifa obtida com a medida provisória – MP 579. Dá-se ao consumidor com uma mão, e retira com a outra. Já a médio prazo, a situação não é tranqüila para o setor elétrico, desde que continuem os erros serem cometidos. E a situação somente mudará se houver uma guinada de 180º na política energética em nosso país. O que se pode extrair da conjuntura atual, com declarações e ameaças de um novo racionamento de energia, é que a sucessão presidencial começou. Não se deve politizar uma coisa tão séria para o país, como a questão da energia. Com risco de criar o descrédito da população em um setor estratégico, que vai além dos governos de plantão, e mesmo levar o pânico com a possibilidade de faltar energia. A irresponsabilidade é tanta, que pouco importa o país. O principal é a desconstrução de quem esta no poder. E ai vale tudo. Já vimos esta estória em anos recentes. Por sua vez o “deus mercado” começa a responder ao jogo político. As bolsas de valores começam a impor o sobe e desce dos papeis das companhias elétricas. Onde vai parar esta histeria provocada? É hora da sociedade civil se apropriar deste setor até então “monocraticamente” dominado por alguns “especialistas” iluminados, e apadrinhados políticos ungidos a cargos decisórios; e fazer valer sua força quando organizada. Já que tanto o governo, como setores da oposição não têm mais credibilidade junto à sociedade, vale o que disse o poeta “Quem sabe faz a hora. Não espera acontecer”.

Heitor Scalambrini Costa heitorscalambrini@gmail.com

Recife

*

O DESCONTO E O RACIONAMENTO

De nada adiantará resolver o problema do custo parcial da produção industrial, se o desconto nas tarifas das elétricas, no curto prazo, provocará racionamento, porque seria trocar seis por meia dúzia, o que, então, se pode traduzir em perfeito ato de demagogia. Aliás, os constantes apagões demonstram que algo não vai bem no reino da Dinamarca e que providências precisam ser tomadas para se evitar transtornos desse tipo. Mas se ocorrerem descontos, a situação não poderá piorar? Ou estamos diante de atos maquinados para imprimir medo e receio na população? Na verdade, dona Dilma precisa realizar um balanço dos resultados medíocres na economia, ou seja: pibinho de 1%, Orçamento bagunçado, omissão de gastos para o público nos cartões de uso de servidores categorizados, apagões constantes e descobertas diuturnas de atos de corrupção em dezenas de ações de integrantes do governo federal. O saneamento da coisa pública e o andamento satisfatório da economia é que vão determinar os resultados de 2014!

José Carlos de C. Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

ENTENDER COMO?

Hidrelétricas: barragens e equipamentos de geração praticamente amortizados, água grátis. Termoelétricas: equipamentos de geração mais recentes, diesel, óleo ou gás caros.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

TANTA CHUVA, E AINDA FALTA ÁGUA

É muito estranho ver na TV tanta chuva caindo e tantos alagamentos e, ouvir falar em racionamento por falta d’água. Sei que em muitas vezes não chove onde deveria, mas, não ter qualquer política de reaproveitamento das águas da chuva, que vem a nós sem qualquer custo é o “fim do mundo”. Em São Paulo pelo menos, toda água que cai é perdida pois acaba chegando aos Rios Tietê e Pinheiros, um lixo a céu aberto que a cada só piora. Lamentável.

Marcelo de Moura mdemoura@globo.com

São Paulo

*

ERRATA

Na carta José Starosta, publicada em 9/1/2013, o e-mail do presidente da Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Conservação de Energia (Abesco) é o jstarosta@acaoenge.com.br.

*

REFORMA MINISTERIAL

Consequência direta ou não dos desdobramentos do mensalão, das ações da Polícia Federal ou dos demais escândalos que pipocam quase que diariamente na administração do PT, avizinha-se a inevitável retomada da inconclusa faxina ministerial. Izabella Teixeira, lembrada no Rosegate, é a primeira candidata. Bem faria Dilma se não se limitasse a defenestrar o aliado, trocando-o simplesmente por outro tão defenestrável quanto. Presidente Dilma, aproveite a oportunidade e faça um bem a si própria, ao seu governo e, principalmente, à Nação: elimine de vez os ministérios inúteis ou os de utilidade duvidosa. Isto, sim, seria uma nova etapa no combate à corrupção, bem diferente daquela atribuída a Lula.

Lazar Krym lkrym@terra.com.br

São Paulo

*

ATÉ QUANDO?

Num processo de dano ao erário, em andamento na Justiça Federal, é solicitado o bloqueio dos bens do ex-presidente Lula, no valor de R$ 9,5 milhões. Outro processo, o do mensalão condenou os mais chegados companheiros de Lula, Dirceu, Genoíno e Delúbio, a vários anos de prisão cada um, por formação de quadrilha e corrupção ativa. A Polícia Federal ainda, numa operação denominada Porto Seguro (decerto porque descobriu que uma amiga íntima do ex-presidente, achou um “porto seguro” em São Paulo ao ser nomeada por ele para chefe de Gabinete da Presidência da República aqui, na capital) descobriu que a suposta amante do presidente, Rosemary Noronha, aproveitou-se da situação de prestadora de favores a sua excelência, para influenciar a sucessão no comando do Banco do Brasil e da Previ, além de ter sido denunciada na mesma operação por formação de quadrilha, em crimes de tráfico de influência nessas e outras instituições. Outras denúncias ainda envolveram a família Silva e são do conhecimento da Nação, tais como pagamento de elevada quantia por empresa estatal ao filho de Lula, sem motivo aparente, o caso dos passaportes diplomáticos distribuídos para toda a família Silva indiscriminadamente, o requerimento de cidadania italiana pela ex-primeira dama e outras vergonhas mais, em que o ator principal, Lula, nunca foi envolvido, porque em todos os casos o ex-presidente nunca assumiu nada e sempre afirmou que não sabia, ou que havia sido traído, ou outra desculpa deslavada e infantil qualquer, digna dos frequentadores do boteco da esquina, mas nunca de alguém que ocupasse o cargo maior da administração do País. Será que, se um dia descobrirem que o esforço desumano empreendido pelo estadista de Garanhuns, para eleger como presidenta da República a ex-ministra da Casa Civil Dilma Rousseff, foi um acordo com a ex-guerrilheira para que não publicasse o livro As memórias do gabinete ao lado, aí, sim, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, se sentirá satisfeito para dar início a um processo que revelará ao País o profundo envolvimento de Lula com toda essa rocambolesca aventura que tem sido o projeto petista de poder e deixará claro que não existe milagre nem passe de mágica e o desenvolvimento e a credibilidade de uma nação só pode vir com estudo, dedicação e trabalho sério, e nunca com populismo, mentira, e ignorância?

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

POLÍTICA E ECOLOGIA

Mario Cesar Flores foi muito feliz com seu artigo Política e ecologia – Mujica na Rio +20 (O Estado de S. Paulo, 7/1, A2). Mujica tem a coragem e moral para nos alertar para rever nosso consumismo que não se sustenta. Parabéns para ambos.

Pedro Luiz Teixeira de Moura pltm@ig.com.br

São Paulo

*

O FUTURO DO PLANETA

Excelente o artigo do almirante Mario Cesar Flores sobre a participação do presidente do Uruguai, José Mujica, na Rio +20: homem de hábitos simples, mas de visão ampla. A fala do presidente uruguaio tocou o fundo do coração de todos os que se preocupam com o futuro do planeta.

Rogério Messenberg rogberg@terra.com.br

Piracicaba

*

PENSÕES VITALÍCIAS NA ASSEMBLEIA

A notícia veiculada no Estadão no final de dezembro a respeito das pensões vitalícias da Assembleia Legislativa de São Paulo revela o quão mesquinho e oportunista é o político brasileiro (Ex-ministros e até presidente da CBF recebem pensão vitalícia da Assembleia, 26/12). A lei não é apenas imoral, ela mostra o lado mais perverso da classe política brasileira que não tem vergonha na cara! E a desculpa para sempre usufruir dessas imoralidades é sempre a mesma: se há a lei (imoral!) então não tenho o porquê recusar o benefício. Vejam quantos anos já se passaram desde que a tal lei foi votada pela assembleia e promulgada pelo governador de plantão (sim de plantão pois naquela época eles eram indicados pelo general, também de plantão). O que mudou na classe política desde 1976 quando a lei foi instituída? Absolutamente nada! Muitos continuam sendo as mesmas ratazanas de outrora que não se importam com o povo, e sim com os seus próprios bolsos. Do ponto de vista atuarial, nem é preciso fazer muitos cálculos para concluir que a contribuição dos nobilíssimos atuais fruidores dessa excrescência legislativa, durante o período que exerceram mandato legislativo, nem de longe paga os “benefícios” que continuam a ser concedidos e pagos. Em 1991, quando se eliminou essa barbárie, os valores pagos por quem efetivamente contribuiu, deveriam ter sidos devolvidos, claro que devidamente corrigidos monetariamente, e fim da história! Mas quem foi que decidiu? Os nobres favorecidos pela pouca vergonha que era e é essa tal “aposentadoria” legislativa. E nós, contribuintes, é que pagamos a conta via os aviltantes 33% de ICMS sobre a conta de energia elétrica, telefones e por aí vai. Ainda é tempo de se apurar o quanto cada um contribuiu e devolver o que foi pago. Quem não contribuiu, óbvio, nada deveria nada ter recebido durante todos esses anos e agora, nada terá a receber. E ponto final nessa história malcheirosa. Que tal o Ministério Público agir e propor o que sugiro?

Rubens Salvador Valneiros rvalneir@gmail.com

Barueri

*

PRAÇA ROOSEVELT

Degradante e ridículo episódio recente na Praça Roosevelt, envolvendo guardas truculentos da Guarda Civil Metropolitana (GCM), revela nitidamente o despreparo da corporação ao lidar com situações de conflito, ainda que pequenas. Confusão por bagatela é o que se pode dizer do confronto da GCM com jovens skatistas, que usavam, como lazer, espaço para prática do esporte.

Marcelo de Lima Araújo marcelodelimaaraujo@yahoo.com.br

Mogi das Cruzes

*

VANDALISMO

Vendo a notícia escabrosa da agressão na Praça Roosevelt, não posso me calar dos fatos que presencio todos os fins de semana, com dúzias de turistas, e entre eles alguns vândalos, escalando e depredando o nosso maravilhoso Monumento às Bandeiras, de Victor Brecheret. Não faz muito tempo, alguém pintou as unhas de um dos personagens dessa magnífica escultura. Tenho certeza de que já temos inúmeras mutilações, no padrão “fulano ama fulana”, corações e datas. Vendo a missão da GCM, vejo espantado que um dos principais objetivos é proteger o nosso patrimônio cultural, estátuas e monumentos. Passando pelo Ibirapuera, já vi jovens praticando esportes radicais em cima desse monumento, com um cara de bicicleta na cabeça do primeiro personagem. Quero protestar contra o mau gerenciamento dos recursos dessa corporação, designando guardas para lugares não prioritários e, além do mais, com evidente despreparo como se viu nesse episódio dos skatistas. Além de protestar, como cidadão e munícipe, pagador de impostos, exijo que se cuide ininterruptamente daquele que é o maior dos símbolos dessa cidade, o Monumento das Bandeiras.

Sergio Alcantara Madeira sergio.madeira@consult-bi.com.br

São Paulo

*

ÀS MARGENS DO TIETÊ

Não é de admirar a imensa incompetência resultante na quantidade de árvores mortas e danificadas, além de roubadas, nas Marginais do Rio Tietê, diante da péssima qualidade técnica dos pretensos serviços de reposição florestal nos locais, aliás, não apenas naquela região. Da forma como foi feita, parece pretender rasgar dinheiro a toa.

Pieter W. Prange pieterwp@terra.com.br

Cotia

*

TRAVESSIA DE PEDESTRES

Em primeiro lugar, quero agradecer a oportunidade de expor minhas ideias a respeito do assunto: travessia segura de pedestres nas ruas das cidades. Queiram me desculpar os ideólogos do sistema em São Paulo, mas sua implantação não tem nada que ver com o que se fez nas grandes cidades da Europa, Ásia e Américas, muito bem planejado e que vai diminuir consideravelmente o número de atropelamentos. Nosso sistema é totalmente confuso; não se sabe se, onde tem semáforo, os pedestres podem avançar o sinal verde para os automóveis. Inventou-se a mãozinha, coisa ridícula para quem pretende dar aula de urbanismo na USP. Críticas de lado, vamos às sugestões: 1) nas esquinas, as faixas de pedestres devem ficar pelo menos a 6 metros de distância, dando tempo ao motorista que faz a conversão à direita de visualizar o pedestre que está atravessando e parar sem ficar com a traseira do carro exposta a batidas por trás. 2) Para os pedestres desobedientes, para que não insistam em atravessar junto à esquina, seriam colocadas grades de proteção que os conduziriam até a faixa de travessia. 3) Nada de confusão, esta regra serve somente para os carros que estão fazendo a conversão à direita. Quando os carros veem atravessando a rua, com o sinal aberto para eles, o pedestre não poderá ocupar a faixa, deixando o caminho livre para os motoristas. 4) Nas ruas secundárias, seriam colocadas duas faixas de travessia de pedestres, sem semáforos. Para melhor entender, a rua seria dividida em três partes uma faixa seria no final do primeiro terço e a outra no final do segundo. Nestas faixas os pedestres teriam prioridade absoluta, como foi feito em Tel Aviv (Israel). Por falar em Israel, este país conseguiu diminuir os atropelamentos a níveis bem próximos de zero, ao passo que aqui em São Paulo, como ninguém consegue decifrar o que é certo ou errado para motoristas e pedestres, duvido que apesar de toda campanha tenhamos redução significativa nos atropelamentos.

Archimedes Buzaite Mallio amallio@uol.com.br

São Paulo

*

GERAÇÃO MAL EDUCADA

Nada está tão ruim que não possa piorar. A cada avaliação do Ministério da Educação (MEC), essa frase se torna mais verdadeira, principalmente em se tratando da educação no Brasil. Chegamos ao fundo do poço quando constatamos a Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo e de Campinas e a Mackenzie, que sempre estiveram no pódio das melhores instituições educacionais do País, tiveram vários cursos reprovados pelo Conceito Preliminar de Curso (CPC). Ao todo foram 38 cursos de 21 instituições. Esses cursos serão punidos com a suspensão de abertura de novas vagas. Terão 60 dias para se ajustarem às exigências do MEC quanto ao corpo docente e 180 dias quanto aos problemas de infraestrutura, tais como biblioteca, salas e equipamentos tecnológicos. Não é novidade que a educação no Brasil é uma carpintaria nas mãos de açougueiros. Quando se falava do ensino fundamental e médio, o mal era menor, mas agora essa má qualidade atinge o ensino superior comprometendo o futuro de uma geração. O fracasso dos alunos pode ser em grande parte creditado às malfadadas cotas inventadas pelo governo petista, que escancarou as portas das universidades para alunos despreparados em que muitos nem passam pelo ensino médio. Meritocracia já!

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

FALTA DE VONTADE COM A EDUCAÇÃO

Se o desempenho em Matemática dos alunos das escolas municipais de São Paulo revelou uma terceira piora, podemos imaginar o que acontece com os alunos das escolas estaduais. É verdade que nenhuma criança vai à escola para mudar seu país ou ter uma profissão. Quando cresce o aluno percebe a chatice da escola e vai se frustrando porque não tem bons professores, aqueles que libertam os alunos e fazem com que ele possa desenvolver suas potencialidades e seus sonhos. Há diversas instituições que podem contribuir para que a pessoa atinja seu potencial. A escola é sem sombra de dúvidas, a mais importante delas. A primeira função da escola é instrumentalizar o aluno para que ele possa navegar no mundo, para isso ele precisa dominar a escrita e as operações matemáticas. Depois a escola precisa transmitir aos alunos um vasto conhecimento que ele vai acumulando ao longo dos anos. A boa escola precisa fazer com que os alunos usem os diversos conhecimentos como ferramentas para desenvolver sua capacidade de pensar. Enquanto que uma boa educação gera multiplicidade de interpretações e de opções, um mau sistema educacional gera limites e bloqueios, conforme diz o economista Gustavo Ioschpe. Milhões de brasileiros veem seus sonhos roubados por culpa de um sistema educacional incompetente. Assim falando, fica fácil entender porque cada vez mais nossos alunos saem das escolas sem saber ler e escrever, o que é básico e deveria ser exigência em toda escola que se presta ao oficio de ensinar. Constatar em pleno século 21 que os alunos de 14 anos, do Estado mais rico da Federação, têm conhecimento equivalente a uma criança de dez anos, por si só demonstra como o ensino brasileiro é ineficiente, ineficaz e incompetente. Esperar melhora daqueles que têm nas mãos a caneta e nada fazem é desolador. Somente quem estudou e aprendeu dentro dos níveis de aprendizagens considerados satisfatórios pode compreender a falha da educação brasileira. Sinceramente, não vejo como melhorar o nível de nossos alunos se não melhorarmos o nível dos professores. Não é com salário de fome que governos atraem para as salas de aulas profissionais que se dedicam à educação. Ultimamente, o que se vê são pessoas que por não terem melhores opções, escolhem o magistério para se encostar. O aluno vira cobaia em mãos irresponsáveis, pois é tirado das crianças o sonho de aprender e com felicidade. Assim o professor finge que ensina, o aluno finge que aprende e o governo finge que paga. É nesse fingimento que o Brasil amarga as piores colocações no ranking quando o assunto é educação de qualidade. É de se perguntar, esse país tem jeito? Da forma como encara a educação não tem, mas qual será mesmo a importância que tem para nossos governantes uma população culta, consciente de seus deveres e obrigações, fazedora das pequenas coisas como: não jogar lixo na rua, respeitar o patrimônio público, a natureza, o seu semelhante, pedir por favor, dizer obrigado, dentre outros? São pequenos gestos que educam para a vida. Finalmente, causa estranheza que um economista, como Gustavo Ioschpe tenha uma visão tão clara do ensino brasileiro, enquanto milhares de encastelados da área de educação, incham o MEC e os diversos setores educacionais e nada propõem para mudar a educação brasileira. Isso tem um nome incompetência e desinteresse pelo povo brasileiro.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

ESTUPROS NA ÍNDIA

A Índia vive hoje as mazelas adquiridas com o provável desenvolvido. Os casos de estupro são apenas uma dessas mazelas. No Brasil democrático e capitalista, as mulheres, apesar de leis aprovadas como a “Maria da Penha”, uma mulher é assassinada a cada 1 hora e 57 minutos por estupro ou por companheiros enciumados. Esta é a nossa realidade. Espero que os rumos na Índia sejam diferentes dos nossos e que a revolta da sociedade seja ouvida pelos seus representantes legais, porque aqui estamos ao Deus dará. Penas brandas não seguram os instintos baixos dos seres humanos, mas prisão perpetua sim. Nossos dirigentes legislam de costas aos anseios da sociedade. Boa sorte às mulheres indianas.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

UMA BARBÁRIE SILENCIOSA

Por causa da falta de cobertura da mídia sobre o caso do estupro coletivo de duas menores cometido pelos integrantes da banda de pagode New Hit, senti a necessidade de escrever esta carta para alertar quanto à gravidade e extensão do problema àqueles que ainda não se inteiraram do assunto. Primeiramente, apresento um relato dos fatos de acordo com os meios de comunicação: Após um show da New Hit em Ruy Barbosa, interior da Bahia, realizado no final de agosto, duas menores com 15 anos e 16 anos foram estupradas por integrantes da banda dentro do banheiro do ônibus da New Hit. O exame de corpo delito conduzido pelo Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Feira da Santana confirmaram que as duas adolescentes foram estupradas pelos acusados e, de acordo com o delegado Marcelo Cavalcanti, “o laudo corrobora com as informações prestadas pelas menores”. As duas meninas apanharam e foram humilhadas e a mais nova era ainda virgem. Nove integrantes da banda e o policial militar que ficava à porta do ônibus para garantir a segurança do grupo foram indiciados por estupro e formação de quadrilha. A polícia informou que foi encontrado sêmen de pessoas diferentes e em grande quantidade nas roupas das meninas e também dos músicos. Ainda de acordo com a polícia, dois dos integrantes alegam ter feito sexo consensual com as meninas, enquanto os outros negam que o ato tenha ocorrido. Os integrantes da banda, acusados de estupro qualificado, ficaram presos por pouco mais de um mês e foram então soltos mediante um pedido de habeas corpus, apesar dos protestos da secretária estadual de Políticas para as Mulheres, Lúcia Barbosa. Ela declarou, em documento divulgado após a soltura dos indiciados, que “o caso merece atenção especial, uma vez que o ato tem características de crime hediondo, com participação de mais de um autor, contra vítimas que não puderam e nem conseguiriam esboçar qualquer reação de defesa”. Apesar de todas as provas, a banda já está fazendo shows por aí, como se nada tivesse ocorrido. Enquanto isso, as vítimas se viram obrigadas a entrar para o Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte (PPCAAM), pois recebem ameaças constantes por telefone e redes sociais, especialmente de mulheres. O que descrevi acima com certeza já seria causa para indignação da população do País inteiro, mas, para piorar essa tragédia ainda mais, os fãs da banda estão fazendo uma verdadeira campanha de solidariedade aos músicos, acreditem se quiserem. No Facebook, a banda tem mais de 20 páginas de fãs e em cada uma delas é possível ler comentários que vão desde “acredito na inocência deles” até coisas do tipo “a culpa é dessas piriguetes” ou, ainda pior, “para mim não importa o que eles fizeram eu estou do lado deles”. A pergunta que não quer calar é: quando é que deixamos de ser humanos? Então a lealdade a uma banda é mais importante do que o nosso senso do que é certo? Não é possível que a voz dos insandecidos da “seita” do New Hit (porque é somente assim que consigo tentar explicar esse comportamento) fala mais alto do que a voz da decência e da razão. Mas pelo jeito é o caso... entrei em cada uma dessas páginas de fãs e coloquei os links para os jornais que relatavam o crime, pois acreditei que certamente os fãs não sabiam de tamanha barbaridade, mas só o que consegui alcançar foi ter meus posts apagados e receber mensagens abusivas dos “donos” das páginas. Também sem sucesso foi o contato com o próprio Facebook. É possível fazer com que deletem o perfil de um artista envolvido em crime sexual, mas somente se o perfil for oficial, como estas páginas são de fãs, é provável que nada seja feito a respeito do assunto. Fui simplesmente ignorada pelo suporte do Facebook, que nem se dignou a responder às minhas reclamações. Também mandei mensagem (pelo Facebook) pedindo ajuda na divulgação dessa barbárie e pedindo que me ajudem a reportar os links para que o Facebook tenha de fechar essas páginas de fãs, que, de um jeito ou de outro, estão promovendo o estupro dentro da rede social para as páginas da ZH, Estadão, Jornalistas da Web, O Globo, Megazine O Globo, Associação dos Jornalistas de SP e Sindicato dos Jornalistas do RS. Fui ignorada por todas. Preciso deixar aqui o meu protesto, a minha indignação. Não posso ficar calada diante destes fatos terríveis e ainda por cima me deparar com gente que culpa as vítimas pelo que ocorreu. Muitos culpam as meninas por terem entrado no ônibus, outros dizem que ao certo estavam vestidas de maneira inadequada ou se mostraram “fáceis”. A meu ver, mesmo se as moças estivessem nuas andando por aí não poderiam ser estupradas. O fato de dizerem “não” (em qualquer momento), de acordo com a lei, indica que o ato não pode prosseguir. Então eu peço a vocês, leitores, que tomem uma posição diante desta tragédia, que não fiquem calados. Pensem em suas namoradas, esposas e filhas.

Fernanda Ligocky fernandaligocky@yahoo.co.uk

São Paulo

*

ESTUPRO E TORTURA, OS MAIORES CRIMES

Estupro é um crime tão bárbaro e violento que deveria ser penalizado em todo o mundo com pena de morte para o agressor. A vítima desse crime nunca mais se recupera do trauma e da agressão física e moral sofrida. O estupro praticado contra criança então não da nem para comentar. A morte da garota indiana estuprada violentamente por seis homens no fim de 2012 é algo animalesco, imperdoável. Entretanto, não podemos esquecer que essa não é uma situação específica que só acontece na índia. A violência contra a mulher é um problema endêmico em grande parte do mundo e o Brasil não fica de fora. Mesmo porque em regiões do norte e do nordeste o fato é algo corriqueiro feito com crianças e adolescentes e as vezes a própria família tem medo de denunciar o agressor. Os índices vem crescendo em números pornográficos em todos os lugares. Porém, pessoas tem denunciado e ampliando seu conceito de violência sexual, o que revela a dimensão gigantesca que chegou esse tipo de crime e nisso, falta mais reflexão sobre a raiz da questão além da impunidade. As estatísticas provam que a violência contra a mulher não é praticada por malucos, bêbados ou por maníacos de rua como se imaginam, na maioria dos casos o agressor está dentro da própria casa, pai ou familiares. Vítimas do machismo exacerbado de nossa ignorante sociedade que vem perdendo ano após ano o senso de família, da ideia tão enraizada de que a mulher é um objeto de puro prazer, propriedade do homem. Disso é que surgem argumentos absurdos dos atendentes como o tipo de roupa usada pela vitima. Ou seja: um povo machista e mal educado que somos, continuaremos a culpar as vítimas e justificar a violência que herdamos de nossos ancestrais. Ou continuaremos animais ferozes como a milhões de anos atrás?

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.