Fórum dos Leitores

PREFEITURA PAULISTANA

O Estado de S.Paulo

19 Janeiro 2013 | 02h08

Paulo Maluf

Mesmo não morando em São Paulo, fico bastante feliz por seus habitantes, pela devolução (determinada pela Corte da Ilha de Jersey) dos US$ 28 milhões desviados por Paulo Maluf quando foi prefeito da cidade. Como brasileiro, porém, continuo bastante infeliz, pois, apesar de tudo isso, Maluf permanece deputado federal.

RONALDO GOMES FERRAZ

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

Saque

Quem se iludiu com Fernando Haddad (PT) como um candidato novo, com ideias novas, está vendo agora o resultado. Paulo Maluf vai tomar conta da Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo (Cohab), com orçamento de R$ 143 milhões. Emplacou sete das oito diretorias da Cohab com pessoal que já passou pela Prefeitura nas gestões Maluf e Pitta. Trata-se de pessoal da pesada. Esse filme nós já vimos e conhecemos o final. Pobre São Paulo, vai ser saqueada novamente.

CELSO BATTESINI RAMALHO

leticialivros@hotmail.com

São Paulo

Toma lá dá cá

Aliado incômodo na campanha de Haddad à Prefeitura, o deputado federal Paulo Maluf (PP) emplacou afilhados políticos em sete das oito diretorias da Cohab paulistana. Durante a campanha, e mesmo depois da eleição, Haddad evitou expor o pepista aliado e repetiu que seu compromisso, no PP, era com o ministro das Cidades, Agnaldo Ribeiro. Mas, empossada há dez dias, a nova diretoria da Cohab é composta por antigos colaboradores de Maluf e Celso Pitta. É o famoso toma lá da cá, que o PT enquanto oposição criticava, pedia CPIs, fazia passeatas. E hoje tudo é legal? Nada melhor que um dia de corrupção atrás do outro. Viva o PT, aquele que liberou geral a falcatrua!

MUSTAFA BARUKI

mustafa-baruki@bol.com.br

São Paulo

Ainda a reunião Lula-Haddad

Como é de amplo conhecimento, no brasão da cidade de São Paulo está escrito: "Non ducor duco". Isto é, "não sou conduzido, conduzo". Infelizmente, essa frase terá de ser alterada durante a gestão do atual prefeito para "sou conduzido, não conduzo".

FABIO ANDERAOS DE ARAUJO

fanderaos@gmail.com

São Paulo

'Non ducor duco'

Prefeito Haddad, peço que leia atentamente o que está escrito na parte inferior do brasão de São Paulo, a cidade que o senhor governa. Assuma a direção da cidade sem ser conduzido por quem quer que seja. É isso o que os paulistanos esperam do prefeito da maior cidade da América Latina.

MAURÍCIO RODRIGUES DE SOUZA

mauriciorodsouza@globo.com

São Paulo

PDL

Ao ver a foto na edição de quarta-feira e ler o editorial de ontem do Estadão (Credor e conselheiro, A3), concluí que o moribundo PT deve mudar a sigla para PDL - Partido do Lula.

FLAVIO RIVERO RODRIGUES

flaviorivero@estadao.com.br

Pindamonhangaba

Constrangimento

Há menos de um mês no cargo e o prefeito Fernando Haddad já envergonhou os seus próprios eleitores, ao se mostrar submisso a seu padrinho. A cidade de São Paulo não merecia passar por esse constrangimento. Justamente aqui, onde o patrono do PT não conseguiu ganhar nas suas duas vitórias presidenciais. Submisso ou incompetente? Ficou uma dúvida no ar.

DOMINGOS CESAR TUCCI

d.ctucci@globo.com

São Paulo

Serviços precários

Sendo de conhecimento público a precariedade dos serviços médicos prestados pela Municipalidade, em que existem exames agendados para até 360 dias, é intrigante não haver sido o tema abordado pelo "coach" do sr. Haddad, na preleção recentemente feita pelo "don Juan do ABC", ao definir para o seu pupilo as prioridades do projeto de construção de um Reich de mil anos, embora com o sinal invertido...

CAIO AUGUSTO BASTOS LUCCHESI

cblucchesi@yahoo.com.br

São Paulo

MENSALÃO

Jantar da 'vaquinha'

O governador de Sergipe, Marcelo Déda, disse que não participaria do jantar do PT em Brasília (para pagar as multas do mensaleiros), pois teria de viajar para São Paulo para tratamento médico. Não seria melhor ele também promover um jantar a fim de arrecadar dinheiro para melhorar a saúde em Sergipe? Assim não precisaria tratar-se em outro Estado.

ALVAREZ AGUIAR

alvarez.atib@hotmail.com

São Paulo

SAÚDE PÚBLICA

Falta de material hospitalar

Li na reportagem Cirurgião reclama de falta de fio para fechar paciente (18/1, A16). Interessa-me muito, pois sou médico e algumas vezes passei por situações semelhantes nos meus 45 anos de profissão. A minha questão não é se a falta de material foi pontual, mas, sim, a seguinte: houve aumento para os deputados do Rio Grande do Norte ou para os funcionários públicos ligados aos Poderes estaduais? Será que numa emergência como essa um funcionário ou um parlamentar ficariam satisfeitos?!

FIORAVANTE FABRI FILHO

fff@dglnet.com.br

Americana

Estádios x hospitais

Os estádios de futebol para a Copa do Mundo já estão ficando prontos e os políticos vão posar para as fotos, sorridentes. E os hospitais e escolas para a população, para os brasileiros terem um mínimo de atendimento à saúde e à educação, com pagamento digno aos médicos e aos professores do nosso país, quando teremos? Pobre Brasil!

FRANCISCO JOSÉ CARDIA

fra.cardia@hotmail.com

Bragança Paulista

Alto custo humano

Querem ajudar o povo? Zerem os impostos sobre protetores solares, pois são - e serão cada vez mais, dada a alarmante escalada da incidência solar negativa - um importante gasto na cesta básica nacional. Ou direcionem os laboratórios do governo a produzi-los em larga escala para barateá-los, fazendo frente de oposição direta aos altíssimos lucros das farmacêuticas com esse produto. Gasta-se mais com esse item que com remédios contra a aids e outros não produzidos no País, cujo fornecimento a Justiça obriga. Carteiros, leituristas, sanitaristas, pesquisadores de campo, policiais, membros das Forças Armadas, aposentados e, principalmente, o Sistema Único de Saúde (SUS), com gastos cada vez maiores em tratamentos de câncer de pele, agradecem penhoradamente.

KLAUS REIDER

vemakla@hotmail.com

Guarujá

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

O JANTAR DO MENSALÃO

A juventude do PT de Brasília faz jantar beneficente para angariar dinheiro para pagar multas aplicadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) aos petistas condenados pelo mensalão. Não vejo a menor necessidade do jantar, pois, com o know-how que têm os mensaleiros, já comprovado, basta elaborar e pôr em prática um novo "mensalinho".

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

SORDIDEZ

O diretório petista organizou o jantar do mensalão para angariar fundos e, assim, pagar as multas daqueles que foram injustamente condenados pelo Supremo Tribunal Federal, julgamento cujo resultado final ainda depende de pendenga jurídica, que se arrastará na tentativa da liberação geral dos mensaleiros, talvez com o sacrifício de um ou dois bois de piranha. Imagino que, na entrada do evento, não faltou um guichê para troca de moedas estrangeiras, acondicionadas em cuecas e calcinhas, bem como um balcão com camisetas vermelhas com a estampa: PT, partido que não rouba e não deixa roubar! As camisetas seriam autografadas pelos injustiçados do PT e as que fossem autografadas por Lula, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli custariam o dobro. A parte principal da arrecadação desse jantar-engodo, em que os principais pratos devem ter sido "robalos" e "furtos do mar", seria representada pelo Fundo do Produto do Roubo no Mensalão (FPRM), criado nos idos de 2002. Nunca antes na história deste país aconteceu algo tão sórdido!

 

Alberto Bastos C. de Carvalho albcc@ig.com.br

São Paulo

 

*

FACÇÃO CRIMINOSA

O jantar organizado por militantes do PT em Brasília, para arrecadar dinheiro para pagar as multas dos condenados pelo STF no caso mensalão, é o primeiro passo para a formação de uma nova facção política criminosa, que fará concorrência ao PCC. Trata-se do Primeiro Comando Trambiqueiro (PcT), liderado por José Dirceu.

 

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

 

*

NÃO, MUITO OBRIGADO

Prefeito Fernando Haddad, se, na reunião de quarta-feira com o ex-presidente Lula, na Prefeitura de São Paulo, lhe foram oferecidos alguns "cumpanheiros" para suas secretarias, lembre-se do que ele fez com nossos ministérios e diga não, muito obrigado. Se veio oferecer o know-how administrativo, lembre-se do PAC, da transposição do Rio São Francisco, da infraestrutura dos transportes, da segurança, da saúde, dos portos e aeroportos e diga não, muito obrigado. Se veio oferecer experiência política, lembre-se do mensalão e diga não, muito obrigado. Agora, caro Fernando, se ele veio lhe ensinar a mentir e enrolar o povão, aí não tem prá ninguém, aceite logo e seja reeleito em 2016.

 

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

 

*

LULA, CONSELHEIRO DE HADDAD

Segundo matéria publicada na edição de 17/1/2013, depois das "férias" - o "cara" está em férias desde que virou sindicalista - o ex-presidente teria ido dar conselhos ao atual prefeito da capital de São Paulo. Segundo a matéria, o exemplo a ser seguido seria a administração do Rio de Janeiro. Pelo que se tem visto, o Rio de Janeiro - Estado e capital -, apesar de reeleitos o governador e o prefeito da capital carioca, não vão lá muito bem. Mas, como são da base aliada... Como alguém que, durante 1.201 dias de Presidência, ficou 984 dias fora de seu local de trabalho, qual seja, o Palácio do Planalto, pode aconselhar alguém sobre como trabalhar? Como disse o saudoso Joemir Beting, em artigo de onde retirei os dados numéricos: "Jamais poderá mourejar no gabinete, dez horas por dia, um simpático mandatário que tem na biografia nunca ter sentado à mesa nem para estudar, que dirá para trabalhar". Ou será que foi aconselhar o atual prefeito de São Paulo a dizer que nunca sabe de nada?

Ana Lúcia Amaral anamaral@uol.com.br

São Paulo

 

*

OLHO VIVO

Agora que o ex-presidente Lula assumiu o comando da Prefeitura de São Paulo, sugiro que se acompanhe atentamente o papel que caberá ao filho dele, o conhecido gênio dos negócios, aquele que do nada se tornou multimilionário sem jamais, em momento algum, se beneficiar da influência do cargo do papai.

 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

O PODEROSO CHEFÃO

Se alguém ainda tinha qualquer dúvida de quem é que manda no governo, basta dar uma boa olhada na foto de Lula que ilustrou as capas dos principais jornais da quinta-feira. Nessa foto, com ares de "chefão" do pedaço, como se diz, preside uma reunião onde um desenxabido Haddad e seu secretariado, submissos e atentamente, ouvem suas ordens. Aliás, pessoalmente, acho que um dos grandes sonhos do ex-presidente seria o de governar São Paulo. Hoje o sonho se realiza.

 

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

 

*

O POSTE DE LULA

A foto de primeira página estampada no Estado de 17/1, com um Lula sentado entre o prefeito, Fernando Haddad, e a vice, Nádia Campeão, dedo em riste, cara séria, dando suas "orientações" e "diretrizes" ao governo municipal, não deixa dúvida sobre quem será o prefeito de fato da capital paulista nos próximos anos. O próprio Haddad, o novo "poste de Lula", indicado no dedazo, contrariando setores do próprio partido, antes mesmo de ser eleito, já havia deixado claro que teria o ex-presidente como seu mentor ao afirmar que "ele (Lula) é a maior liderança política do Brasil e seu governo foi um laboratório de políticas públicas bem-sucedidas". Dada a justificativa para a intromissão do ex-presidente no governo municipal, resta esperar sua volta oficial ao poder, provavelmente como governador paulista em 2014. Que Deus nos proteja de tamanho infortúnio!

Silvio Natal silvionatal49@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

UMA FOTO IMORAL

 

A primeira página do jornal O Estado de S. Paulo (17/1/2013) mostra, no quadrante superior direito, uma foto no mínimo imoral.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

 

*

FICOU CLARO

A foto sob a manchete Lula recomenda parcerias a Haddad, na primeira página da edição de 17 do corrente, ilustra bem quem é na verdade o prefeito de São Paulo.

 

Fabio Anderaos de Araujo fanderaos@gmail.com

São Paulo

 

*

DESÂNIMO

Vendo a foto de capa do Estadão de quinta-feira, tive de rir da cara de desânimo do Haddad. Francamente, em que beco sem saída vossa excelência se enfiou. Aliás, o único entusiasmado era "elle", porque os demais...

Celia Henriques Guercio Rodrigues celitar@hotmail.com

Avaré

 

*

‘LULA RECOMENDA PARCERIA A HADDAD’

Afinal, quem governa a Prefeitura de São Paulo? O poste sem iluminação ou o apedeuta de caetés (PE)?

 

José Antonio Duarte Pereira jaduartepereira@hotmail.com

São Paulo

 

*

ANTISSIMETRIA

Patética a notícia dando conta que Lula se reuniu com o seu poste mais valioso, Haddad, e respectivo secretariado, para apresentar diretrizes sobre questões consideradas por ele, Lula, como prioritárias para a cidade de São Paulo. Será que, além de poste, o jovem alcaide se revelará também um eficiente marionete eleito, controlado de perto por um ex-presidente vivo-morto, suspeito de estar envolvido com corrupções e favorecimentos enquanto esteve no poder? Aqui perto, Maduro não foi eleito e é manipulado de longe por um morto-vivo escolhido presidente em eleições até hoje suspeitas. Antissimetria.

 

Paulo Roberto Gotaçprgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

 

*

INTROMISSÃO

Quando menos se espera, ele aparece acendendo a luz de um dos seus postes.

 

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

 

*

FEZ-SE LUZ

Quarta-feira, dia 16 de janeiro, o poste foi acesso. Agora vai!

Jose Roberto Marforio bobmarforio@gmail.com

São Paulo

 

*

VIVÍSSIMO

Lula dá diretrizes à equipe de Haddad! Chico Buarque, que conhece bem a tchurma e seu capo, recomendava "chamar o ladrão". É o fim da picada! Chávez é um morto fingindo-se de vivo. Lula é um vivo que até agora fingia-se de morto.

 

Alexandre de Macedo Marques ammarques@uol.com.br

São Paulo

 

*

ESPERANÇA

Se já não bastassem as atitudes debochadas com as quais os políticos de nosso país nos agridem dia após dia, tais como a manutenção de candidaturas dos favoritos às presidências da Câmara e Senado (sob suspeita de malversação do dinheiro público) e a licitação dirigida para troca da frota de veículos dos deputados estaduais, somos obrigados a constatar (provavelmente por uma jogada sem-vergonha de marketing) que um ex-presidente da República, envolvido com o mensalão, quer por denúncia explícita quer pela análise crítica de brasileiros isentos e bem informados, comanda a Prefeitura de São Paulo. A fotografia de primeira página do Estadão de quinta-feira escancarou a posição submissa do prefeito recém-empossado. Razão já tinha Ruy Barbosa, em 1914, embora ainda nos reste a esperança de não desanimarmos de propugnar pela supremacia da virtude e da honra, raízes da honestidade.

Antonio Carlos Gomes da Silva acarlosgs@uol.com.br

São Paulo

 

*

GESTÃO OU INDIGESTÃO?

Parece que Fernando Haddad foi escalado pelo governo para rebater as críticas do jornal Financial Times à nossa política econômica ("política do jeitinho"), sem que tenha qualificação ou argumentos para isso. Ao dizer que o governo faz uma política de gestão, pois a coisa mais natural do mundo é descasar reajustes ao longo do ano para que não haja impacto forte da inflação em determinado mês, Haddad confirma o jeitinho que está sendo dado para evitar uma concentração de aumentos que acontecerão de qualquer forma, acabando por impactar mais na frente a inflação do ano. O que o governo está fazendo neste caso dos aumentos das tarifas de ônibus, dourando a pílula, não pode ser chamado de política de gestão. Nem no que foi feito para maquiar o superávit e tampouco na alteração da sistemática de cálculos de índices oficiais para mostrar melhores resultados. Melhor seria o Financial Times dizer que é uma política de indigestão de jeitinhos.

 

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

 

*

GESTÃO DO FAZ DE CONTA

Que a Petrobrás, por culpa do governo petista está sem recursos para tocar investimentos em prospecção de petróleo, todo mundo sabe! Mas, poucos brasileiros sabem que boa parte dessa inoperância veio da necessidade de importação de gasolina no biênio 2011/2012, em que a estatal outrora orgulho tupiniquim, gastou US$ 4,5 bilhões, ou, pouco mais que R$ 9 bilhões, prejudicando mais ainda o saldo da balança comercial. Poderia ter sido evitado esta sangria aos cofres da Petrobrás?! Lógico que sim! E a explicação está mais do que detalhada no artigo de André Nassar e Marcelo Moreira, Ah, se fosse verdade!, publicado pelo Estadão de 16/1/2013 (página A2) - que demonstra com números oficiais, que se o governo Dilma, não tivesse reduzido a mistura de etanol anidro na gasolina de 25% para 20%, já que a produção de cana neste período era suficiente para atender a demanda, a Petrobrás não somente teria evitado a importação de gasolina, como também teria exportado o excedente deste produto. Deixando claro que o governo federal continua míope quando o assunto é macro economia... E fica mais do que necessário que a presidente Dilma venha à público para explicar esta barbeiragem administrativa que no mínimo custou ao País US$ 4,5 bilhões. E que somados aos ridículos 10 anos sem reajustar o preço da gasolina, marca de um populismo desprezível, não a toa que a imagem da estatal está cada vez mais depreciada. É só verificar quanto que a Petrobrás perdeu do seu valor patrimonial na bolsa de valores, entre 2011 e 2012. Além do mais, se a mistura do etanol na gasolina permanecesse nestes últimos dois anos, nos 25%, mais empregos seriam criados, tanto no setor sucroalcooleiro, como pela Petrobrás, porque o nível de investimento seria maior, beneficiando assim também toda uma cadeia importante de fornecedores. Ou seja, a sociedade como um todo ganharia, o que só os surdos e mudos do Planalto, infelizmente não percebem...

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

‘AH, SE FOSSE VERDADE!’

Reportando-me ao artigo de Nassar e Moreira (O Estado de S. Paulo, 15/1/2013), a minha pergunta sobre energia, economia, democracia e ciência é: por que a minha percepção sinaliza importação de gasolina, gás, derivados, apagões, hiperinflação, assédio, tráfego de influência, mentiras e carências de dados e pesquisas? Ah, se minha percepção fosse mentira e o resto fosse verdade!

Aluisio de Souza Moreira aluisiosmoreira@hotmail.com

Santos

 

*

AS PERDAS DA PETROBRÁS

O desmantelamento de estatais foi iniciado por Lula lotando a Petrobrás de "cumpanheiros" e amigos, incluindo fornecedores que ajudam a sustentar o partido e seus membros. Posteriormente, inventou projetos para a empresa, a maioria cancelada e o único em andamento, a Refinaria de Pernambuco custará três vezes mais e levará mais quatro anos para ser concluída. Com prejuízos financeiros muito grandes a Petrobrás parou a manutenção do campo de Campos, levando-nos a perder a autossuficiência em petróleo acarretando o aumento da importação. Lula inventou que a Petrobrás teria que participar com 30% no pré-sal (o nosso pré-sal super dimensionado) e, dada a incapacidade financeira da empresa, o pré-sal praticamente não saiu do chão e, há 5 anos, não se faz uma rodada de concessão de novas áreas de exploração para empresas privadas. Assim, quando o pré-sal começar a produzir comercialmente em boa escala (programado para 2020 transferido agora para 2030), os Estados Unidos e Canadá estarão autossuficientes em energia (previsto para 2017-2020) superando a Rússia em gás e a Arábia Saudita em óleo. Então, o petróleo não valerá tanto, pois os dois grandes mercados deixarão de importar do Oriente Médio. Por tudo isso a expressiva perda de valor da Petrobrás, que ainda deverá aumentar. E o Brasil continuará fazendo sacrifícios ao seu desenvolvimento por falta de recursos, como no passado.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

 

*

LUCRO

Tenho lido na imprensa e na declaração de alguns políticos várias críticas à administração petista relativa à Petrobrás. Por exemplo: "O PT vem trazendo seguidos prejuízos à Petrobrás". Gostaria de contribuir, apresentando alguns fatos, que talvez as pessoas desconheçam: lucro médio da Petrobrás na gestão tucana (1995 a 2002): R$ 4,23 bilhões/ano. Lucro médio da Petrobrás na gestão petista (2003 a 2012): R$ 25,59 bilhões/ano (seis vezes maior!). Acredito que, de posse desses dados, o leitor poderá fazer um julgamento melhor.

 

Mauricio Nardi Junior mauricionardi@hotmail.com

São Paulo

 

*

O PREÇO DA GASOLINA

Referente ao reajuste de preço da gasolina, conforme matéria de 15/1 (página B1), pergunto ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, e à presidente da Petrobras, Sra. Graça Foster, se o preço de R$ 5,00/litro resolve o problema dessa empresa. A resposta negativa me parece óbvia. Trata-se de uma empresa pessimamente administrada no últimos 8/9 anos pelo Sr. Gabrielli e ingerência política direta e nefasta do ex presidente deste triste pais, rico de recursos naturais e pobre de políticos e dirigentes honestos. Como é possível administrar uma empresa que tem 600 projetos em andamento (Gabrielli, 15/8/2012, página B14), ou 980 (Graça, 18/11/2012, página B6)? Em quatro meses 380 projetos foram cancelados ou acrescidos. Dona Graça ainda afirma que acompanha, todos os meses, mais de 400 projetos. Será isso possível? É claro que não, mas isso explica porque a produção, extração e eficiência da empresa vêm caindo desde 2008, havendo campo sem manutenção por mais de 5 anos e parada de 2 campos ao mesmo tempo para manutenção corretiva. A empresa perdeu o foco e já faz tempo. É muito claro o enorme vácuo existente no Gerenciamento dessa empresa, administrativo e operacional. A capacidade de refino está comprometida desde muitos anos, entretanto, 2 projetos são para são para "exportar" derivados (MA e CE).O mais adiantado não chegou a 35% da obra (Comperj, RJ) e já teve contas contestadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) por causa de sobrepreço (18/11/2012, B6). Deveria estar operando em 2011; ficou para 2015. Querem agora transferir todo o ônus desta insanidade para o nosso bolso, aumentando o preço em nome de uma tal "paridade com preços internacionais". Só falam em preços, mas tem de falar de "paridade de custos" também, senão vejamos: nos EUA a gasolina varia de R$ 2,06/l a R$ 2,46/l conforme varia o óleo no mercado spot, e importam 60% do que consomem. Considerando preço médio de R$ 2,80/l, já pagamos de 13% a 35% mais caro que lá, onde a renda per capita é 4 vezes maior que a nossa. Importamos cerca de 20% do olho que consumimos, fazendo um custo real ponderado com extração própria não mais do que US$ 31,00/barril, ou seja o custo da BR é quase metade do de suas "irmãs". Aqui tem outro vácuo: a margem de lucro da BR é muito boa, maior do que todas suas "irmãs". Onde vai parar essa dinheirama? Boa parte é desperdiçada com o péssimo gerenciamento da empresa (chegaram a gastar R$ 26 milhões com treinamento de pessoal através de um sindicato de fora do ramo, sem prestação de contas), baixa eficiência, etc. A outra parte, grande parte, como sempre é o Estado, que abocanha de 53% a 57% sob a forma de impostos (nos EUA o imposto maior é de 9%). Fica claro, portanto onde se deve mexer para dar um "voto de confiança e gás" à presidente Graca Foster. Que o governo reduza os impostos sobre os derivados como fez com a Cide, como fez com o IPI para carros, linha branca, etc., e não mexa no nosso bolso, causando mais inflação. Quanto ao álcool, que as usinas produtoras sejam estimuladas a vender diretamente aos consumidores, com bandeira própria.

Jorge Carletti Copelli jcopelli@arktur.com.br

Jundiaí

 

*

‘NUNCA ANTES...’

Exonerado pela presidente Dilma Rousseff no fim de 2011 após denúncias de irregularidades, o ex-ministro do Trabalho Carlos Lupi permanece como conselheiro do BNDES na vaga destinada ao representante do ministério. No cargo, ele recebe cerca de R$ 6 mil por mês, pagos trimestralmente. A nomeação foi feita pela própria presidente, quando ele ainda era ministro do Trabalho. A assessoria do atual ministro, Brizola Neto, informou esta semana que pediu à Presidência, em junho de 2012, a substituição de Lupi. A Presidência ainda não se manifestou sobre o pedido. Nunca antes neste país um governo foi tão corrupto e torneira da corrupção que nos assola. Isso nem tem qualificação.

 

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

São Paulo

 

*

CONSELHEIRO DO BNDES?!

Quanto mais a gente cavuca, mais sai lobisomem! Carlos Lupi, demitido do Ministério do Trabalho por suspeita de irregularidades, continua recebendo salário como conselheiro do BNDES. Isso mesmo - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, banco que é alimentado pelo dinheiro do contribuinte e cuja diretoria distribui as empresas que na maioria das vezes os políticos determinam, e o cargo de "conselheiro" normalmente são pessoas de alto gabarito administrativo que aprovam ou não as diretrizes tomadas, neste caso, pelo "BNDES"! Por isso que grande parte dos empréstimos no BNDES estão sob sigilo cujo Ministério Público não tem acesso e os empréstimos a empresas privadas são trancados em cofre cujos talvez "conselheiros" tenham acesso. Dá para acreditar neste governo?

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

*

LOBOS

Saiba o significado de lupino é relativo a lobo ou próprio de lobo, sinônimo: lobal. Talvez nem o ex-ministro do Trabalho Carlos Lupi sabia e muito menos a presidente que o exonerou e, por incrível que possa parecer o nomeou à conselheiro do BNDES, na vaga destinada ao representante do ministério, recebendo R$ 6 mil mensais pagos trimestralmente, sempre teve mais de um cargo público remunerado com dinheiro público, e são 40 (quarenta) ministérios, que desperdício. É por isso que a carga tributária paga por nós brasileiros extrapola todos os limites do razoável. O cabide de empregos de apadrinhados, filiados, militantes, sindicalistas e pessoas ligadas ao PT e aliados é tão grande que reduziu o desemprego do país, assim qualquer leviano consegue reduzir o desemprego e nós os reais trabalhadores pagamos por tudo. Incalculável o número de "lobos" no (des)governo PeTista que se locupletam com o que é devido ao povo brasileiro, o que explica a deficiência na educação, saúde, moradia, saneamento, segurança e todos os investimentos de infraestrutura durante 10 (dez) anos, muito piores que antes. Fomos enganados, ludibriados e espoliados em tudo, até nos índices do PIB, Inflação, inclusive nos números do fechamento contábil das contas do (des)governo e muito mais, acreditar em quem? Basta investigar que serão encontrados desvios de toda espécie, falcatruas, maracutaias, mazelas e todo tipo de ilicitude. Que tristeza, só nos resta uma única solução de contarmos de novo com os "caras-pintadas" para voltarmos ao verdadeiro Estado de direito, senão...

Maria Teresa Amaral mteresa0409@2me.com.br

São Paulo

 

*

‘UM ATOLEIRO NO NORTE DA ÁFRICA’

Mais uma vez assistimos a França acender a estrela de sua corte de políticos idiotas, que ao invés das luzes da vitória, vai colher a 'forca' da derrota. Será que alguém pensa que os EUA vão de fato deixar o controle militar do O. Médio como faz supor Obama, que como cacique, mente para governar? É claro que não, as Forças Armadas sabem que o Oriente Médio é estratégico militar, nenhuma guerra se ganha sem o petróleo, e Israel foi "plantado" militarmente armado ali não foi por outro motivo. Os maritacas dos Bushes não entenderam bulhufas, e Obama está tendo que corrigir o erro que um Kennedy jamais teria cometido. Os EUA estão pouco se lixando com o Oriente Médio, a África do Norte e seus respectivos povos, que se danem, mas se mexerem com os interesses americanos ali, vão ver o que acontece. O Oriente Médio tem o seu valor no petróleo que jorra de suas terras, sustentando ditaduras do tempo dos Faraós. A França como sempre, tem seus governantes muito mais preocupados com as luzes de uma "corte luminosa" do que de fato com a própria França ou outro povo qualquer, Hollande não é exceção, é apenas a regra. A França ainda tem "colônias" que merecem ser tratadas como tais, garantem as luzes das cortes parisienses, cada vez mais apagadas.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

 

*

VALEU A PENA?

O editorial O atoleiro no Norte da África (18/1, A3), talvez por receio da patrulha do politicamente-correto, passou bem longe da raiz do problema que foi o fim do período colonial dos países europeus civilizados em relação aos povos da África historicamente sempre reféns do tribalismo e hoje do islamismo radical e que naquele tempo não obstante a relação de dependência das colônias para com suas metrópoles ao menos possuíam lei, ordem, educação e saúde dispensada aos seus cidadãos (com exceção de Angola e Moçambique vitimas da ocupação colonial meramente de exploração) e que a tudo isto acabaram por perder devido a mentira bem contada da necessidade de independência pela via das revoluções guerrilheiras que grassaram no continente nos anos 60 até o final dos anos 70 insufladas pelos movimentos de esquerda locais que por sua vez, só desejavam trocar um senhor por outro, leia-se, a antiga União Soviética. Após a tal 'independência" das colônias e por tabela da estabilidade social que as metrópoles propiciavam, por toda a África ocorre um período de três décadas de lutas internas pelo poder entre facções de esquerda de todos os matizes sem falar em um monte de governículos corruptos repleto de ditadores sanguinários e folclóricos e agora, governos religiosos igualmente ditatoriais! Hoje ali, a verdade real, gostemos ou não, é uma só, pois sem as mãos do homem cristão-europeu, vige apenas o retrocesso do tribalismo ancestral que infelizmente é algo atávico aos africanos, a fome, a violência e a miséria, fazendo daquela gente presa fácil para o discurso antidemocrático e repleto de ódio, antiocidental, antieuropeu e anticristão dos mulás africanos... Com todo respeito penso que antes era mais vantajoso a um individuo africano ser um "europeu de segunda' do que um continental "independente"... será mesmo que valeu a pena?

Paulo Boccato pofboccato@yahoo.com.br

São Carlos

 

*

SILÊNCIO ANTISSEMITA

Foi destaque no The New York Times de terça-feira e quarta-feira a declaração voluntária, oficial e gravada em vídeo de antissemitismo imundo de Mursi em 2010. A notícia rodou o mundo e foi muito mais divulgada em inúmeros veículos, mal servindo, no entanto, de nota de rodapé para a maioria da imprensa brasileira. Fora o fato de Mursi ser não mais um ativista político, mas o líder eleito e porta-voz de seu povo (Egito) bem como membro de destaque da Irmandade Muçulmana. Agora é de se fazer pensar. Não importa quantas atrocidades sejam perpetradas por árabes e muçulmanos ao redor do globo trucidando pessoas dos EUA ao Mali, sempre aparecem os deturpadores com amplo espaço em jornais. Como Magnoli, para minimizar os crimes de "poucos" e que a primavera árabe está rumo à franca democracia. Ou Gustavo Chacra, para dizer que apenas 0,001% dos cidadãos da região são terroristas. Ou pior, Arlene Clemesha chegou ao cúmulo num Jornal da Cultura de negar o caráter criminoso do Hezbollah, que seria apenas um partido político popular. Até concordo parcialmente (sem os exageros de diminuição dos problemas) com os dois primeiros, mas o terceiro exemplo é de uma clara crítica tão comum anti-israelense que encontra espaço fácil na mídia sem devida contrapartida. Ou seja, quando um grupo de um povo do Oriente Médio comete crimes contra inocentes, sobretudo judeus, são absolvidos pelo discurso que culpa o suposto desconhecimento geral sobre a realidade árabe e muçulmana limitando seus agentes; quando os judeus cometem um erro mesmo que de menor grau (tal qual no caso do barco abordado próxima a Gaza em 2010) são massacrados pela mídia. Assim como as mesmas ressalvas feitas sobre a minoria da população ser extremista não serem lembradas quando se fala das falhas israelenses (como se todo e qualquer judeu fosse um louco ortodoxo). É evidente que existem também inúmeros extremistas israelenses capazes do mesmo desnível de humanidade de Mursi, e Shimon Peres não faz a paz avançar. O problema é a tendenciosa balança sempre pendendo para a redenção da minoria de 1,6 bilhões de muçulmanos frente a maioria de 6 milhões de judeus israelenses. E agora, quando um líder diz deliberadamente que judeus são macacos e porcos o silêncio impera. O próprio NYT põe Mursi como colaboracionista ocidental, mas ele está isento de críticas? Não cabe o questionamento se ele mudou tanto de possível genocida a eficaz diplomata no espaço de apenas dois anos? Por que os mesmos especialistas nada dizem? Desta maneira se constituirá o almejado fim dos conflitos na região? O antissemitismo, senhoras e senhores da imprensa nacional, não ocorre somente através de palavras como as de Mursi, mas também pela omissão.

 

Thiago Oliveira Santos thiagoos@yahoo.com

Goiânia

 

*

‘ORVIL’

Cumprimento o tradicional e admirável jornal O Estado de S. Paulo pelo brilho e isenção de seus jornalistas, como o respeitado José Maria Mayrink, e, também, por dar voz àqueles que sempre buscaram a pacificação, que não foi alcançada até o momento, inclusive com a Lei da Anistia - ampla, geral e irrestrita -, porque a esquerda revanchista não admite o contraditório. Parabéns pela sensata e oportuna matéria publicada em 17 de janeiro de 2013, na página A7, Militares põem em livro versão sobre repressão, que divulga a obra Tentativas de Tomada do Poder, o nosso Orvil, cujo principal escopo é responder as balelas dos comunistas no que ousaram chamar de "comissão da verdade".

Danilo Marcelo Nery da Silva danmarcelo@hotmail.com

Rio de Janeiro

 

*

CARNAVAL 2013

Ao que parece, o circo está novamente armado e a tragédia verificada na apuração do Carnaval Paulistano do ano passado tem tudo para se repetir (Jurados do Carnaval de SP terão professor). Sou jurado concursado na Liga e a exemplo de dezenas de colegas na mesma situação, estamos desde o ano retrasado sem saber sequer as notas de desempenho nas provas do curso. Agora, "selecionaram" outros 50 para fazer um curso ministrados pelos próprios alunos. Perguntas: Quem irá nos ressarcir? Pior, "Quem irá restabelecer a idoneidade e transparência do Carnaval Paulistano?" Com a palavra, os dirigentes da Liga.

 

Mauro Sergio Santos titonig@ig.com.br

São Vicente

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.