Fórum dos Leitores

Atualizado às 5h46

O Estado de S.Paulo

24 Janeiro 2013 | 02h10

GOVERNO DILMA

Demissões na GM

Não causam surpresa as demissões na General Motors (GM) em São José dos Campos. E ocorrerão em todos os setores que tiveram redução de IPI. Não adianta pedir à presidente que proíba as demissões, ela não tem poder para tanto. Mesmo que os produtos modernos não tenham tanta durabilidade quanto os mais antigos, duram uns dez anos, mais ou menos, e como quem tinha de comprar já comprou, as vendas de carros e produtos da linha branca ficarão estagnadas, provocando demissões em massa. Isso porque o governo insiste numa política econômica sem sustentabilidade e completamente fora da realidade: o aumento do salário mínimo acima da capacidade de pagamento das prefeituras e das pequenas empresas propicia um ambiente para desemprego generalizado, caos e miséria para a maioria do povo brasileiro.

JOSÉ MENDES

josemendesca@ig.com.br

Votorantim

Desemprego chegando

A economia brasileira está em pleno declínio. Apesar de toda a maquiagem usada pelo governo, a inflação, em alta, está fora de controle; o PIB, em baixa; e, para completar, o desemprego começa a bater à porta dos brasileiros. Os metalúrgicos da GM, em protesto contra as demissões anunciadas, entraram em greve e estenderam faixas com os dizeres: "Dilma, proíba as demissões da GM". Nossa presidente vai acatar o pleito dos grevistas e passar a interferir na iniciativa privada? É só o que falta para acabar com o País. O Brasil não é Cuba ou Venezuela... ainda. O que Dilma Rousseff deveria fazer, e os grevistas cobrar, é melhorar a gestão das contas e dos recursos públicos, pois o que está levando o Brasil à falência é a má gerência desse governo populista. Essa é a verdadeira herança maldita deixada por Lula e seu partido, que está no comando há dez anos, destruindo tudo o que foi feito de bom no governo anterior. Os grevistas que pensem bem antes de votar na próxima eleição, pois a situação ainda pode piorar muito mais e nos tornarmos a Grécia da vez. Agora, se eles votaram em Lula e Dilma, não reclamem, estão a colher o que plantaram.

MARIA CARMEN DEL BEL TUNES

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

Governinho

O voluntarismo não substitui a competência, só agrava as dificuldades, que vão envolvendo o governo e afundando a Nação. De retrocesso em retrocesso vamos acabar andando de tanga e cocar - isso deve agradar aos nacionalistas da vanguarda do atraso. Pobre Brasil, tão maltratado e tão "desgovernado"! Sem saúde, sem educação, sem saneamento básico, sem energia elétrica, com a Petrobrás enfraquecida, a inflação em alta, a Fazenda e o Banco Central (BC) mal orientados pela incompetência presidencial e tantas outras mazelas, onde vamos parar?

MÁRIO RUBENS COSTA

costamar31@terra.com.br

Campinas

Destruição

Gostaríamos de saber como uma presidenta conseguiu destruir toda a arquitetura econômica elaborada por sábios economistas da era Fernando Henrique Cardoso.

VALDIR SAYEG

valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

Adeus, felicidade

Saudades de Palocci (Fazenda) e Meirelles (BC)... A gente era feliz e não sabia.

JOSÉ PIACSEK NETO

bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

Vacas magras

Governo vivenciando tempos de baixo crescimento econômico, arrecadação fraca, aperto na fiscalização (extraindo R$ 115,8 bilhões dos grandes contribuintes) e aumento do cerco às pequenas e médias empresas (22/1, B1). Enquanto isso, continuamos sustentando 39 ministérios e dezenas de assessores em cada Mesa Diretora das Câmaras Municipais, das Assembleias Legislativas, da Câmara dos Deputados e do Senado, com média de salários de R$ 12.800, esbanjando fortunas com cartões corporativos, gastos com mordomia de reforma de apartamentos funcionais (R$ 280 milhões), desperdícios de dinheiro em obras faraônicas inacabadas para satisfazer o ego de um ex-presidente (transposição do Rio São Francisco), corrupção na distribuição de emendas financeiras, etc... Que falta está fazendo o deputado Clodovil Hernandes no Congresso Nacional!

JOSÉ ÁVILA DA ROCHA

peseguranca@yahoo.com.br

São Paulo

Compromissos éticos

A astronômica soma de R$ 116 bilhões em autuações da Receita Federal durante o ano de 2012 ressalta, com evidência, o desequilíbrio existente nas relações do governo federal com algumas empresas. Estas, geralmente, são vitimadas por impostos altíssimos e, às vezes, por dificuldades financeiras ou outros motivos deixam de cumprir seus compromissos com o Fisco. Seria ideal que o relacionamento entre governo e empresas fosse mais harmônico. O dever de cada cidadão e das empresas é honrar seus compromissos com o erário. Todavia é plausível a expectativa de que o governo administre bem os recursos arrecadados, o que, infelizmente, não se verifica. Todos somos sabedores de que a burocracia estatal brasileira é caríssima e muitas vezes ineficiente. Não é despropósito supor que essa má administração dos recursos oriundos dos impostos gere uma situação que procrastine o compromisso de pagar tantos impostos, como ocorre no País.

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

Figuração

No Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, o Brasil senta-se na cadeira do fundo na sala dos Brics, tendo o pior desempenho econômico. É o único que não tem muito a apresentar para atrair investidores e novos empreendimentos. Em comum com alguns deles temos um alto grau de corrupção e com a Rússia em particular, a falta de reformas e de modernização do País, que se mantém muito atrasado em serviços públicos, tributação e leis trabalhistas. Passaremos por lá como se não tivéssemos ido.

FABIO FIGUEIREDO

fafig3@terra.com.br

São Paulo

Quimeras

Oh, ilusões que me embalaram! Economia mundial no zero, Petrobrás falida, manipulação das contas públicas... Não se iludam: é mais uma década perdida.

EDGARD BELLOTTI

edbellotti@gmail.com

São Paulo

Novos tempos?

Xi, invadiram o Instituto de Lula, em São Paulo. Será que é o começo do fim da lua de mel entre Lula e o povo? O tempo nos dirá.

TANAY JIM BACELLAR

tanay.jim@gmail.com

São Caetano do Sul

LULA EM 2014?

O ex-presidente Lula descarta disputa em 2014, dizem seus assessores. Se não dá para acreditar no que Lula diz, imagina no que dizem seus assessores...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

SINUCA

Como sair desta: Lula candidato ou reeleição de Dilma?

Ulysses Fernandes Nunes Junior twitter: @Ulyssesfn

São Paulo

*

PÁSSARO GORDO OU EMPALHADO?

Curioso o quadro político atual: o jogo sucessório não assume a forma de um confronto entre situação e oposição; é jogado exclusivamente nas mesas do governo.” Por esta bem posta colocação do editorial do Estadão na edição de 23/1 (página A3), desconfio do real interesse da oposição em exercer tal papel. Talvez suas necessidades estejam bem saciadas e não saibamos.

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

Santos

*

ELEIÇÃO 2014

A eleição de 2014 para a Presidência contará com vários pretendentes ao posto. De um lado, o PT, com Dilma a pleitear a reeleição e, para tanto, já se encontra em campanha. Quem está no poder pode tudo. Mas há também o Lula, caso Dilma “não queira ser candidata” ou, no tempo que lhe resta, sua popularidade cair a níveis que inviabilizem sua candidatura. É aí que Lula entra. Todos sabemos que ele não pode ficar longe do poder depois de ter provado o seu gosto, e fará tudo que for necessário para satisfazer o seu desejo de voltar ao Palácio do Planalto. Dilma que se cuide, porque alguma armação poderá jogá-la no limbo. Do outro lado está o PSDB, uma oposição atual quieta e calma, com Aécio Neves já lançado. Mas existem também outros que podem desejar uma prévia, como José Serra e Geraldo Alckmin. Ambos dizem que é cedo para falar sobre o assunto, só que outros candidatos não perdem tempo e se colocam, como dizem, a serviço de seu partido e da Nação. Surge, ainda, um terceiro partido, o PSB, com Eduardo Campos, que acha que também tem condições como candidato e já vem divulgando sua pretensão futura. E não nos esqueçamos de Marina Silva, sem partido ainda, mas com bom potencial. Ela tem um crédito de cerca de 20 milhões de votos na eleição passada, além de ser apreciada por suas ideias, tanto aqui, no Brasil, como no exterior. Prova disso foi o convite para participar do encerramento da última Olimpíada, em Londres. Sua imagem ao lado de outras personalidades, carregando a bandeira olímpica, deixou-nos orgulhosos. O PMDB não tem um nome para concorrer, poderia ser Michel Temer, que já é vice de Dilma, caso surja alguém mais, poderá lançá-lo. Se não o fizer, será porque optou por continuar a reboque do PT. Poderão surgir outros nomes pertencentes a outros partidos. Porém o fato é que nenhum candidato sozinho ganha a eleição. A polarização somente beneficia o PT, que certamente irá para o segundo turno. A escolha de um vice é importante, deve ser alguém que agregue votos e tenha competência para assumir o posto, caso seja necessário. Seja lá quem for o candidato eleito, é preciso que tenhamos seriedade no governo para que possamos ser reconhecidos e apreciados, tanto interna como externamente. Ora, os brasileiros são um povo trabalhador e sério, não o são alguns políticos que praticam ilegalidades. A escolha certa vai depender de nós, eleitores, e nós queremos um grande país, desde já e sempre. O ditado diz “a união faz a força”. É preciso, portanto, que haja um amplo acordo em benefício da Nação.

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

O SACRIFÍCIO VALE A PENA

Aécio Neves, virtual candidato à Presidência da República, precisa apressar os preparativos para dar início à campanha presidencial de 2014. A presidente Dilma já começou. Desembarcou em São Julião, Piauí, vestiu gibão e chapéu de couro, beijou, com certeza, criancinhas, tirou fotos com populares e enfatizou o social, área que lhe garante, em troca de migalhas, milhões de votos. O “ex-presidente” Lula, como todos sabem, o mandachuva do País, também fará um tour pela região, em busca da recuperação do prestígio político do PT, depois da “sujeirada” em que ele e dirigentes do partido se meteram. Não custa lembrar: mensalão e o escabroso caso Rosemary, secretária da Presidência da República em São Paulo. Portanto, candidato da oposição, que tal, embora adepto do pão de queijo, entrar no jogo e programar uma “viagenzinha” ao Nordeste e, de início, saborear uma buchada de bode? ”Não deixe para o amanhã o que podes fazer hoje.” Tudo para o nosso bem e de nossa querida terra.

Sérgio Dafré Sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

*

SAIAM DO TRANSE!

Que conversa é essa de “eleições 2014”? Mal saímos da disputa municipal e o assunto em pauta em todos os veículos de comunicação é eleições! Enquanto isso o País afunda. Ninguém se iluda. Quando as rachaduras na máscara do Brasil começam a dar na vista até para a imprensa estrangeira especializada (The Economist, Financial Times, etc.), é aviso de que ou se começa a governar o País ou o dinheiro vai todo embora. Não existe conversa bonita que consiga acobertar tantas mazelas. Este governo é tão absurdamente limitado que só enxerga a próxima eleição. Temos problemas de sobra e novos problemas gravíssimos surgindo. Todavia, são tratados como assunto de fundo, de menor importância. O que importa é quem será o dono do trono em... 2014! Se restar país até lá, é claro. Esta histeria coletiva é tão poderosa que arrasta todo mundo para o assunto, que na verdade é irrelevante diante da situação do País. Senhores da imprensa, por favor, não entrem nesta onda, se têm alguma responsabilidade e compromisso com o País. Consertar a economia é prioridade agora. Alguém tem de sair deste transe e fazer alguma coisa!

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

COMÉDIA BUFA

Como seria possível imaginar que um ex-presidente da República tivesse de fugir dos jornalistas pela lavanderia de um hotel para não ter que comentar as acusações contra sua protegida Rosemary Noronha? Será que ele se fantasiou de faxineiro? Este episódio lembrou um filme norte-americano em que um senador teve de se vestir como um travesti para ludibriar a imprensa que o descobrira numa boate gay! E aqueles que o prestigiam, em especial Marilena Chauí, presente na última reunião do Instituto Lula, perderam o senso do ridículo! Lula está consagrando o que pode haver de mais debochado num país! Está transformando a política brasileira num teatro burlesco onde seus protagonistas se comportam com um cinismo nunca visto, convertendo o Brasil numa comédia bufa, aqui significando uma ventosidade que escapa sem ruído...

Eugênio José Alati eugeniojosealati@yahoo.com.br

Campinas

*

LULA QUER SER EX-PRESIDENTE

Mentira que Lula não será candidato em 2014? Mas por que ele continua em campanha eleitoral? Lula, suma de vez do cenário e vá curtir a aposentadoria pescando no Riacho Grande lambaris de 20 gramas e depois arrotar papo que eram tilápias de 2 kg. Já causou prejuízos demais ao País.

Laércio Zanini arsene@uol.com.br

Garça

*

AULA

FHC poderia dar algumas aulas ao Lula, de como ser um ex- presidente descente!

Gustavo Guimarães da Veiga gjgveiga@hotmail.com

São Paulo

*

PACTO

O Exmo. ex-presidente Lula disse que (sic) “fez um pacto” consigo mesmo de não se meter nos governos de seus pares. Ora, pacto pressupõe duas pessoas, está no Aurélio. É por isso que ele não deve ter conseguido. Ele tem é de ir se tratar em Cuba, para ficar mais parecido com o Chávez, no resto...

Arlindo Carneiro Neto arcane@ig.com.br

São Paulo

*

O EX-PRESIDENTE PREFEITO

Um verdadeiro teatro do absurdo tomou conta da Prefeitura de São Paulo. Com fantoches e marionetes assistindo às pirotecnias do engolidor de fogo que, de dedo em riste, dá ordens a uma plateia atônita, cujo lema é a obediência cega ao rei nu destronado. Tem boneco de ventríloquo mostrando que nunca teve competência para assumir a gerência do Grande Circo Paulistano. É nisso que dá colocarem urnas eleitorais nos presídios e nas Fundações Casa. É a semana do seu aniversário, boa sorte, São Paulo!

Leon Diniz leondinizdiniz@gmail.com

São Paulo

*

NOVO BRASÃO DE SÃO PAULO

Non duco ducor. O PT nos conduz.

Geraldo Roberto Banaskiwitz geraldo.banas@gmail.com

São Bento do Sapucaí

*

CUSTOS DO MAU PLANEJAMENTO’

Sob o título de Custos do mau planejamento, o editorial do Estadão de 21/1/2013 nos demonstra com a uma clareza ímpar como o loteamento dos cargos públicos por companheiras e companheiros, desde o primeiro escalão até os escalões inferiores, os prejuízos que esses trapalhões causam ao País em detrimento da infraestrutura e das demais áreas corriqueiramente carentes de dotações orçamentárias, jamais capazes de atender ao mínimo necessário para a população. Casos notórios e tristes são as áreas da saúde e da educação. Na década de 60 já aprendíamos nas faculdades de engenharia como projetar corretamente as demandas para qualquer organização, de maneira que suas diversas etapas se harmonizassem de maneira que todas culminassem no devido tempo para a realização final. E assim tudo deveria ser calculado para que não houvesse desperdício de tempo e de materiais, já que ambos implicam aumento desnecessário de custos, além em alguns casos “do por fora”. Mas infelizmente, como tem sido amplamente divulgado, a estupidez ocorre em todas as áreas desse governo. Chega ser escandalosa as sandices cometidas na transposição do Rio São Francisco, obra prima da estupidez humana. Sem ter sido projetada como um todo, fato que qualquer engenheiro recém-formado dominaria, tem causado prejuízos homéricos ao Tesouro Nacional. Além de ser uma obra extemporânea, já que da época de Dom Pedro II até os dias atuais, o rio sofreu a devastação da vegetação de suas margens e a construção de hidroelétricas que diminuíram sobremaneira à sua jusante, a ponto do oceano já ter avançado em mais de 100 km da sua foz, prejudicando a s habitantes da área que viviam da pesca. Hoje seria muito mais viável socorrer a região da seca do Nordeste através do Rio Tocantins. Mas como ocorre sempre, toda decisão política em desacordo com as melhores técnicas é estultice.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

O CRESCIMENTO NÃO ERA SÉRIO?

Dona Dilma Rousseff parece gostar de brincar de casinha. Depois de mais da metade de seu governo vendo que a economia teve um crescimento desprezível, agora Dilma acena para um crescimento “sério, sustentável e sistemático”. Isso significa dizer que até agora o crescimento não era sério? E o que será que o pequeno eleitor entende por sustentável e sistemático? Vamos muito mal mesmo quando não se consegue dizer em palavras simples por que o PIB não cresceu. A maquiagem tem sido a maior responsável por essas reviravoltas e trapalhadas da equipe econômica, que, não podendo conter a inflação, pede aos prefeitos de São Paulo e do Rio de Janeiro para adiarem o reajuste das passagens de ônibus. De que adianta, se daqui a alguns meses a conta vai chegar? O governo deveria ter um plano bastante elástico, com muita reserva para não precisar ficar refém de nenhum Estado. A conferir no que vai dar toda essa magia.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

SERIEDADE

Em 2013, teremos crescimento sério, sustentável e sistemático”, disse Dilma. Com essa declaração bombástica, como sempre, ela visitou a cidade de São Julião, no Piauí, e, durante sua estada, ocorreu um apagão de uma hora. Agora, eu me pergunto: o que ela quis dizer com “crescimento sério”?!

Eduardo Augusto de Campos Pires eacpires@terra.com.br

São Paulo

*

SUSTENTÁVEL

Dilma disse que 2013 terá “crescimento sustentável”, só se for crescimento da conta de quem sustentamos, melhor dizendo.

Alessandro Lucchesi timtim.lucchesi@hotmail.com

Casa Branca

*

NA LÍNGUA DO S

Em discurso no Piauí, precedido por mais um vergonhoso apagão, Dilma disse, “na língua do S”: “Em 2013, teremos crescimento sério, sustentável e sistemático”. Será?

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

DISCURSO VAZIO

Dilma declarou que, em 2012, o Brasil se preparou para crescer em 2013, como se não tivesse existido um 2011, que foi também um ano perdido, nem que o seu governo fosse nada mais, nada menos, que a continuação do governo Lula. É um discurso vazio que não nos permite acreditar que teremos este crescimento econômico do Brasil, apenas com a conversa que “a gente sabe qual é o caminho”, estando os postos-chave do governo nas mãos das mesmas pessoas que já nos provaram ser incompetentes. Por isso, tirando os programas sociais, nada mais pode ser destacado.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

SEM VERGONHA

Realmente, assim não dá. Saiu um analfabeto demagogo e entra uma “brincalhona” demagoga. Então, a busca do crescimento não era séria, estava-se somente brincando com a paciência e com a cara do povo. Agora, sim, esse crescimento vai ser “sério, sustentável e sistemático”. Olha, minha senhora, lamentável sair por aí gastando nosso dinheiro em viagens para falar uma asneira desta natureza, e, sem ficar vermelha pela falta de vergonha na cara, em dizê-lo, assuma suas responsabilidades.

Luiz Carlo Cunha luiz.cunha@terra.com.br

São Paulo

*

ADIVINHEM QUEM ESTÁ CHEGANDO!

Eita” governinho fraquinho, fraquinho! E incompetentão “prá chuchu”. Vejam se não tenho razão: “Governo teme que crescimento fraco contamine o mercado de trabalho” (Estado, 21/1, B1). Como teme que contamine, se já contaminou? Agora não adianta mais temer. Corrobora esta minha assertiva uma foto estampada na mesma página B1 deste jornal em que “operários da GM protestam contra demissões na empresa” (sic legenda), com o seguinte comentário adicional, nada lacônico: “...mercado de trabalho sofre pressão do PIB fraco”. A verdade, senhores leitores, é que a coisa já chegou! S. Exia, a presidente, que é economista e não quer nem ouvir o diagnóstico real do busilis, sabe disso. Mas, se ela ainda o tem para consultas, o seu manual de Economia dos tempos de universidade ensina que a concomitância da estagnação com a inflação (meu bolso informa ser o dobro daquilo que seus bajuladores de plantão pregam por aí), principalmente após um período de três trimestres seguidos (e nós já estamos nessa lengalenga há, no mínimo, quinze meses), causa um fenômeno que tem nome: estagflação. Diga-se de passagem que nem sequer é necessário ir aos manuais para consultas. Vejam como se refere a ele o Dicionário Aulete digital: “(es.tag.fla.ção) Associação simultânea de estagnação econômica (caracterizada por crescimento zero ou quase zero e aumento do desemprego) com inflação (caracterizada por aumento de preços)”. Sim! A mesma praga que o Plano Real (leia-se FHC e sua formidável equipe) exterminou e que o ex-presidente galã, antecessor a Dilma Rousseff e agora mais a própria presidente, conseguiram fazer ruir. Mas isso não vai ficar assim, não! Como dizia Collor, o hoje amigo de nossa presidente, “o tempo é o senhor da razão”!

João Guilherme Ortolan guiortolan@gmail.com

Bauru

*

ENTRE AMIGOS

Este recorde de liberação de recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em 2012, alcançando a soma de R$ 156 bilhões, ou 12% a mais do que em 2011, poderia ser comemorado, se esse importante banco de fomento criado no governo militar não tivesse nestes dez anos de gestão petista descaracterizado a qualidade dos empréstimos. Porque muitos bilhões de reais foram alocados para empresas amigas do governo, sem que a criação de empregos fosse um dos objetivos principais. Inclusive o banco, nestes últimos anos, passou a fazer empréstimos com juros subsidiados abaixo da remuneração da taxa Selic, trazendo um enorme prejuízo para o Tesouro, porque para fazer aportes milionários ao caixa do BNDES o governo paga juro maior. E até hoje o contribuinte brasileiro não sabe o tamanho deste rombo, porque a Dilma infelizmente se nega a informar. O que é lamentável. Por outro lado, é muito estranho que desses R$ 156 bilhões liberados em 2012 R$ 34,2 bilhões ocorreram somente no último mês de dezembro, como se fosse uma liquidação de final de ano. Por quê?! Talvez aí se comprove a angústia que vive hoje o governo federal, por causa da série de equívocos estratégicos que vem cometendo, e a economia, logicamente, não deslancha. No entanto, o mínimo que a sociedade espera é que os bons resultados desses empréstimos apareçam logo. Porque os recursos do trabalhador brasileiro não são para serem utilizados numa ação particular e entre amigos.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

ADVOCACIA ILEGAL

O ex-magistrado Rocha Matos, da Justiça federal, apenado como resultante da Operação Anaconda, da Polícia Federal, há anos, também foi condenado, e, então, passou a advogar clandestinamente, com o auxílio de advogados, como ele próprio declarou à imprensa. Então, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) vai processá-lo pelo exercício ilegal da profissão, mas precisa, também, processar os advogados que o auxiliaram com assinaturas nas petições, via Tribunal de Ética. Fatos como estes merecem receber a apenação necessária, porque a OAB não pode permitir que integrantes de seus quadros comparticipem de ações criminosas e contrárias ao interesse público e da própria classe.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

UM RETRATO DO PIOR

Com toda razão, a OAB irá processar o ex-juiz federal Rocha Matos, que afirmou ao Estadão advogar por baixo dos panos, apenas não assinando as petições. Rocha Matos confessou publicamente a prática de mais um crime e deve ser punido. Um ex-juiz corrupto e venal, condenado pela Justiça pela prática de vários crimes cometidos no exercício da magistratura, jamais deveria advogar. Causa perplexidade saber que ele conta com vários clientes, mesmo com o seu passado criminoso. Rocha Matos é um bom retrato do Brasil e do que há de pior no País.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

RACISMO

O secretário de Promoção da Igualdade Racial de São Paulo, Netinho de Paula, ao afirmar que São Paulo precisa assumir que é uma cidade “racista”, além de ter sido muito infeliz e inoportuno em tal pronunciamento, induz a tal comportamento e se mostra como sendo um deles. Faltou bom senso, sabedoria, etc. Lamentável!

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

COTAS PARA FUNCIONALISMO PÚBLICO

Recém-elevado a uma secretaria qualquer na cidade de São Paulo, Netinho propõe levar sistema de cotas raciais para o funcionalismo público. Diz isso com toda propriedade, como se os critérios de concurso públicos já não fossem suficientes. No Brasil não existe discriminação nesses concursos, nem limite de idade. O que existe é seleção por competência. Por essas e outras que os brasileiros não possuem mais um partido para chamar de seu. Todos os políticos pensando na massa votante vêm com determinada ideia faraônica e a população corre para votar no político capaz ou não, em detrimento das propostas dos partidos. Pró-comunidade gay, evangélica, católica, espírita, vale tudo onde promessas vãs têm solo fértil, mesmo que seja discriminatória no lado oposto. O que irão inventar agora? Cotas para casamento entre etnias? Só sabemos que por causa de gente com a cabeça no voto como Netinho a convivência entre todos os brasileiro s se deteriorou ainda mais nos últimos dez anos. E la nave va...

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

COTA É RACISMO

Desde quando uma pessoa da cor negra não tem capacidade intelectual para passar em um concurso público e, por isso, precisa ser ajudada senão “empurrada” por um sistema de cotas que só faz aumentar o preconceito contra quem aliás é plenamente capaz como qualquer outra pessoa, seja ela verde, azul ou cor de abóbora? Afirmo que o sistema de cotas baseado na cor da pele, além de injusto e populista-demagógico, também é principalmente racista, tendo o condão de fazer estimular este sentimento.

Paulo Boccato pofboccato@yahoo.com.br

São Carlos

*

EXAGERO

Netinho pede cotas raciais para servidores públicos municipais. Será que, pelo andar da carruagem haverá também cotas para cardeais afrodescendentes ou, de melanina aumentada, quando do conclave para escolha do próximo papa que substituirá Bento XVI?

Paulo Busko paulobusko@terra.com.br

São Paulo

*

ESTACIONAMENTOS EM SÃO PAULO

Envolvidos em assuntos de grandes interesses da capital, os senhores vereadores não sabem do que ocorre na cidade, onde os preços cobrados pelos diversos estacionamentos ultrapassam os valores dos índices usados pelo governo para tratar dos impostos, etc. Os preços variam de R$ 8 até R$ 17 a meia hora – com acréscimos que vão de R$ 3 até R$ 7 a cada hora que passar da meia-hora inicial. Há tempos, o horário empregado era de 6 em 6 horas cada período e, de repente, mudaram de 6 horas para meia-hora, como se em São Paulo pudéssemos executar nossas obrigações com facilidade. Como “eles” gozam de facilidades e regalias no uso de carros oficiais, não sabem o que acontece com a população e a cidade.

Douglas Jorge douglasjorge23@yahoo.com.br

São Paulo

*

A POSSE DE OBAMA

A festiva posse de Barack Obama tem a magnitude das grandes e similares cerimônias que ocorriam em Roma imperial, que os historiadores e o cinema posteriormente retrataram. Apesar da similitude, há uma diferença fundamental: o mundo de hoje, apesar de tudo, tem o poder global mais diversificado – leia-se mais democrático. O que esperamos agora é que o emblemático líder americano consiga ampliar seus projetos civilizatórios, para que o mundo caminhe resolutamente para uma paz universal de que todos nós necessitamos.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

OBAMA E SEUS INIMIGOS

A mídia brasileira consegue ser “obamista” ao extremo, mas desta vez vocês se superaram. “A facção mais intratável do fundamentalismo conservador americano”, o Tea Party. Que grupo abominável, não? Velhinhos que defendem o liberalismo, no bom sentido da palavra, que lutam por menos impostos, um governo reduzido, liberdades individuais e o respeito à constituição americana – verdadeiros fascistas! Vale lembrar que todas as conquistas econômicas do segundo governo democrata de Bill Clinton, um dos raros momentos de “dívida zero”, devem ser creditadas aos malvados republicanos, maioria na casa após as eleições de 94.

Mateus Leroy leroygatti@gmail.com

Belo Horizonte (MG)

*

OS FRANCESES NO MALI

Os soldados franceses já tiveram experiência, de triste memória, na Indochina Francesa, assim como os soldados russos tiveram no Afeganistão e os soldados americanos no Vietnã e na Somália. Contra determinados tipos de insurgência as respostas não devem ser convencionais. O uso de sofisticadas tecnologias militares nem sempre dão resultado. Na minha opinião, o único recurso viável, ainda disponível no momento, é o ataque de saturação, desprovido de qualquer critério, sacrificando, muitas vezes, cidadãos comuns. Infelizmente, em alguns cenários bélicos, inocentes têm de pagar pelos pecadores.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

O POPULISMO CHAVISTA E O BRASIL

A revista Veja publicou uma nota do jornalista Venezuelano Pedro Palma, onde o mesmo diz que o populismo chavista exterminou o dinamismo loca na Venezuela. No Brasil não é muito diferente; um movimento de populismo petista também já está arrasando com a classe que impulsiona o dinamismo produtivo do Brasil. Enquanto um larápio da quadrilha distrai a maioria da população que compõem a base da pirâmide social, distribuindo esmolas com conotação de benefícios sociais aos menos favorecidos, que formam a maioria dos eleitores, os demais membros engordam seus patrimônios de forma descarada e sem qualquer escrúpulo perante a nação. A estratégia dos caras é de uma ousadia tão maquiavélica e inescrupulosa que até o inferno deve estar perplexo, pois ninguém, nem sequer uma instituição pública, mista ou privada, escapa dos atos de corrupção da quadrilha. Corrupção já se tornou uma palavra vazia de sentido no meio do povo mais simples, que infelizmente é a nossa maioria, ao ponto de em pleno ato de julgamento do mensalão, onde a vergonha brasileira foi exposta para todo o mundo; a massa populacional, já contaminada pelas inescrupulosos mentiras do PT, elegeu com a maior naturalidade e tranquilidade os prefeitos das capitais mais importantes do Brasil. Assim, eles já se apoderaram de todos os níveis e poderes da hierarquia constitucional do país, e já procuram agora a invalidar até os ditames da própria Constituição brasileira. Vejo que já estamos vivendo em um país totalmente instável e inseguro sob todos os pontos de vista de incertezas e de violência, uma vez que o modelo implantado, consiste em virar a pirâmide social de cabeça para baixo, sufocando a elite que representa o dinamismo que dá sustentação e equilíbrio às demais classes da sociedade. Este processo de sufocamento do vértice da pirâmide social é constante e ocorre na medida em que o governo mantém superaquecida a grande massa de consumo que ocupa a base da pirâmide que agora está elevada em posição acima do vértice. Aqui está o “pulo do gato” da estratégia que o PT está adotando para se perpetuar no poder, onde está subentendido inclusive um ato de convulsão social do povo, onde a grande maioria poderá lhes outorgar esse direito, através de processos políticos específicos ditados pelo povo, a exemplo do que acontece na vizinha Venezuela.

José Carlos de C. Ribas jcrautomotive@yahoo.com.br

São Paulo

*

DE CARACAS A HAVANA

A mais recente alteração geográfica ocorreu em um país da América Latina: Venezuela – capital, Havana

José Rubem Bellato bellato@terra.com.br

Joinville (SC)

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.