Fórum dos Leitores

CONGRESSO NACIONAL

O Estado de S.Paulo

27 Janeiro 2013 | 02h07

Acorda, PMDB!

E o coronelzinho Renan Calheiros segue mais forte que nunca, sua eleição para a presidência do Senado é praticamente certa. Por covardia renunciou ao mesmo posto e agora volta para suceder ao "ilustríssimo" José Sarney. Isso sem falar do outro ficha-suja, Henrique Eduardo Alves, que será "eleito" para a presidência da Câmara. Que país é este? Quem somos nós, o povo, que aceitamos essas manobras como cordeiros na fila do abate? Enquanto puder, vou utilizar a voz dos jornais para manifestar o meu repúdio. Tenho vergonha disso tudo! Mais ainda, tenho medo do caminho traçado pelo PT para o Brasil. O projeto de poder idealizado pelo partido - sob o comando de José Dirceu - está se consolidando com uma rapidez inimaginável. Quando o PMDB se der conta, terá sido engolido e nada mais restará. Apenas um caudilho no comando do Brasil: o Lulla. Esse é o plano. E está a caminho de se concretizar, mais rápido do que se imagina. Brasileiros, dêem-se conta do que está acontecendo!

GERALDO ROBERTO BANASKIWITZ

geraldo.banas@gmail.com

São Bento do Sapucaí

Surreal

É inacreditável e inadmissível que esteja praticamente sacramentada a eleição do srs. Renan Calheiros e Henrique Alves, comprometidíssimos com improbidades, para presidirem o Senado e a Câmara. No mínimo, surreal.

JOSÉ MARQUES

seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

Tudo a ver

Um Congresso que tem "mensaleiros" só poderia mesmo ter na presidência do Senado e da Câmara os candidatos "alvessaleiros"...

SÉRGIO D'AVILA

samvilar@uol.com.br

São Paulo

Calheiros e Alves

Como votante há mais de 60 anos, quero declarar, alto e firmemente, que não reconheço esses dois senhores como meus representantes para a presidência da Câmara e do Senado. Estão sob investigação e devem ser considerados fichas-sujas. Espero que todos os brasileiros que desejam o bem do País e de seus descendentes escrevam também condenando essa absurda nova maracutaia. O tempo é curto, mas ainda dá.

RUTH PENNA MOREIRA

ruthmoreira@uol.com.br

São Paulo

Os donos do Brasil

São os políticos do PT e do PMDB, e não os brasileiros. Exemplo: quem vai mandar nas duas Casas do Congresso e os lamentáveis critérios de escolha.

SINCLAIR ROCHA

sinclairmalu@uol.com.br

São Paulo

O circo

Em 14/1 o Estado (página A6) publicou o início de uns versos rabiscados num guardanapo de papel pelo exmo. sr. vice-presidente da República, Michel Temer, com o título Circo: "Somos todos palhaços"... E não é que ele tinha razão? Dez dias depois, na mesma página, o Estado estampou a foto desse ilustre senhor saindo de uma reunião com Sarney, na qual durante "longos" 40 minutos discutiram o futuro. Temer afirmou crer numa "belíssima" gestão de Renan Calheiros à frente do Senado e que não acredita que a eleição do senador para a presidência afetará a credibilidade da Casa. Que credibilidade é essa, se o Congresso está inadimplente perante a população? Basta, portanto, fazer uma boa administração no retorno à presidência do Senado e estamos conversados? Do passado nebuloso, da falta de ética e de decoro parlamentar não se fala mais, as denúncias do presente com certeza serão relevadas. Que triste fim! O futuro é discutido em minutos, então, em vez de nos alegrarmos, com o que estava rabiscado naquele guardanapo, só nos resta chorar.

SÉRGIO DAFRÉ

sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

País dos ingênuos

O ex-presidente fala apenas o que quer, nunca sabe de nada, vive sendo apunhalado e traído e se nega a ser entrevistado. Agora o atual vice-presidente acredita que Renan Calheiros, se eleito para presidir o Senado, poderá fazer uma "belíssima gestão"... Belíssima gestão para ele, seus protegidos e colaboradores, não tenho a menor dúvida.

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

GOVERNO DILMA

Competição do ócio

Caixa terá nova estrutura de comando para abrigar PSD e aliados de Kassab (25/1, A4). Em detalhe, lemos que "vai criar duas novas vice-presidências e dez diretorias, com distribuição de cargos para a sigla (...); banco diz que alterações vão tornar a gestão mais competitiva". A competição será sobre quem consegue ficar mais tempo sem fazer nada.

HOOVER AMERICO SAMPAIO

hoover@mkteam.com.br

São Paulo

Mais inchaço

O Palácio do Planalto anuncia novas despesas para garantir o PSD de Gilberto Kassab na base do governo. São duas novas vice-presidências; dez diretorias, o Ministério da Micro e Pequena Empresa e, obviamente, mais dezenas de funcionários bem remunerados e obras. "Não é um redesenho político, nega a Caixa".

JOSÉ ÁVILA ROCHA

peseguranca @yahoo.com.br

São Paulo

HUMBERTO WERNECK

Crônica

Excelente a crônica Um tapinha na fachada (25/1), como todas do autor, porém faço uma pergunta: a feiura está no objeto ou nos olhos do observador? Concordo que quem quiser ver feiura em São Paulo, sob diversos aspectos, encontrará prato cheio. Porém, se quiser focar somente o que há de belo ou magnífico nesta megalópole, encontrará prato e meio. Sou mineiro de nascimento, conheço e adoro Belo Horizonte, que o autor insinua ser mais bela que a capital paulista. Mas quantas Belôs cabem em Sampa? No mínimo, cinco, o que pode, num olhar menos crítico sobre esta terra de Piratininga, fazê-la também cinco vezes mais bela. Quanto ao fato de essa feiosa ser excelente cozinheira, nas palavras do cronista, contraponho que se o padrão for Fasano ou assemelhados, para cima ou para baixo, o.k. Mas, e se for o self-service de "coma à vontade por cinco reais"?

JOÃO RAIMUNDO COUTINHO

joraicoutinho@yahoo.com.br

São Paulo

Assinante do Estado, tive um ímpeto futebolístico depois de ler o texto de Humberto Werneck no suplemento dedicado a São Paulo: fui tentado a ir até a banca e comprar outro exemplar. E dizem que a crônica está morta... Pode ser que esteja, mas como respira bem!

RAUL DREWNICK

rdrewnick@gmail.com

São Paulo

 

NÓS PAGAMOS O NOSSO DESCONTO

O Tesouro Nacional vai subsidiar R$ 8,5 bilhões do corte nas contas de luz. Resumindo: nós vamos pagar o desconto que nós vamos ter...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

GOLPE NO NOSSO BOLSO

É obvio que não será o "Tesouro Nacional" que arcará com os R$ 8,5 bilhões para garantir a redução da conta de luz, que está sendo usada por Dilma Rousseff como palanque eleitoral para sua reeleição em 2014. Indiscutivelmente, esse valor será pago com dinheiro saindo do nosso bolso, de uma forma ou de outra.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

MEIA-BOCA

Essa de arcar com R$ 8,5 bilhões para a redução da conta de luz entendo assim: 1) o povo fica feliz; 2) a gasolina aumenta e o povo diz: não tenho carro; 3) o povo não tem conhecimento de que tudo fica na mesma; Ou melhor, o povo pagará a conta, consequentemente, aumentam os produtos - que são transportados por caminhões - e a inflação sobe; Aí, o governo cria cargos na Caixa Econômica para satisfazer ao PSD - da base aliada. My God! O que fazer? Que equipe econômica meia-boca.

Tanay Jim Bacellar tanay.jim@gmail.com

São Caetano do Sul

*

A VERDADE

Na quarta-feira, em horário nobre, a presidente mais uma vez falta com a verdade, próprio dos petistas, ao informar que a redução nas contas de luz, 18% para as pessoas e até 32% para as empresas, como se estivesse oferecendo uma enorme vantagem para os brasileiros. Ledo engano, apenas estará devolvendo, atenção devolvendo, por decisão judicial do que se apropriaram de todos nós durante a malfadada (indi)gestão do PT durante anos. Apropriar-se é o mesmo que surrupiar, subtrair, furtar, tirar, roubar sem o uso de força, foi o que fizeram. Portanto, o que chama de reduzir o correto é devolver o que é direito de todo cidadão e empresas brasileiras. Sobre apagões e falta de energia a culpa não foi só do (des)governo, foi também da estiagem, como aconteceu no governo anterior, que tanto acusam. Quem gosta de ser enganado, ludibriado, entenda como quiser, mas a verdade precisa ser escrita, dita e explicada. Entenderam agora?

Maria Teresa Amaral mteresa0409@2me.com.br

São Paulo

*

CONFERINDO A CONTA DE LUZ

Acabo de receber a minha conta de energia elétrica do mês de janeiro e estou ansioso por receber a conta do mês de fevereiro para conferir se a redução virá da forma e no porcentual alardeado pela nossa "presidenta" na TV. Àqueles menos avisados, informo as tarifas do kWh do mês de janeiro/2013 sacadas da minha conta do mês de janeiro. Os valores destacados a seguir não incluem os impostos. Consumo ativo TUSD: R$ 0,14293/kWh; Consumo ativo TE: R$ 0,14821/kWh; Energia reativa excedente: R$ 0,14821/kWh. E então, vamos todos conferir a conta do mês de fevereiro?

Rubens S. Valneiros rvalneir@gmail.com

Barueri

*

CONTA OUTRA!

Uma coisa que o povão não está sabendo é que a Justiça determinou que o governo devolvesse aos consumidores os bilhões de reais que foram cobrados indevidamente durante anos nas contas de luz. Portanto, quando Dilma, em pronunciamento em rede nacional, decide reduzir a cobrança na taxa de energia elétrica, realçando que o Tesouro arcará com R$ 8,5 bilhões para garantir corte na conta de luz, entenda-se, por favor, que nós, consumidores - que no ano de 2012 abarrotamos os cofres da nação com mais R$ 1 trilhão cobrados em impostos -, seremos achacados de novo pelo governo petista, que nos obrigará a pagar pela segunda vez o valor indevido que o governo já nos tirou antes. Assim é fácil governar!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

PAPEL VERGONHOSO

Não é preciso ser nenhum cientista político para chegar à conclusão de que o discurso de Dilma Rousseff em rede nacional para anunciar esse desconto no custo da energia oferecido à população não passou de uma atitude deslavadamente eleitoreira. Todos nós sabemos que o Brasil, pela sua riqueza no campo da energia, hidrelétrica, eólica, solar e das marés, seria capaz de oferecer ao povo brasileiro energia elétrica totalmente gratuita. É vergonhoso a presidenta se prestar a esse papel, só para dizer o mínimo!

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

ENERGIA BARATA

Embora á "presidenta" Dilma Rousseff tenha se esforçado para baixar os custos da energia elétrica, presumo que, se, ao invés de tirar dinheiro do Tesouro Nacional que poderia ser utilizado na saúde e educação, ela cortasse 70% dos impostos que são cobrados na conta de luz, seria bem melhor, até porque o setor elétrico foi o que mais faturou nas ultimas décadas.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

POMPA E CIRCUNSTÂNCIA

Com pompa e circunstancia a presidente Dilma anunciou a redução das tarifas de energia elétrica no Brasil. Essa bondade custará ao Tesouro Nacional o valor de R$ 8,46 bilhões. Considerando o que o governo conseguiu tirar do bolso dos brasileiros, mais de R$ 1 trilhão, somente em 2012, esse valor nem ao menos será notado. Certamente haverá dinheiro de sobra para todas as farras governamentais. Nunca se gastou tanto e tão mal como nesses dez anos sob a gestão dos petistas. Brasil, um país de tolos!

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

JUSTIÇA E TRANSPARÊNCIA JÁ!

Gostaria de ver a presidente Dilma vir a público e mostrar claramente quanto das verbas que o governo libera para a educação, saúde, segurança, infraestrutura, PAC 1 e PAC 2; são desviados ou mal utilizados e o que realmente são investidos de fato, gerando o devido bem estar para a população.

Basta de corrupção! Justiça e Transparência já!

José Carlos Costa policaio@gmail.com

São Paulo

*

O JEITO É GARGALHAR?

Dilma foi fotografada gargalhando à solta ao lado de Antonio Patriota. Há pouco tempo a ordem foi: "gargalhem" quando disserem que os apagões são por causa de raios ou falta de investimento. Para ela o que tem deixado diferentes Estados às escuras por horas são resultado de "falha humana". Estamos combinados? Diz que previsões sobre energia elétrica "fracassaram" mesmo tendo ocorrido vários apagões em várias cidades do Brasil, uma delas enquanto lá estava a fazer discursos em palanques à moda de seu antecessor. Então, de que afinal tanto ri nossa presidenta? Seria da nossa cara, que ela imagina serem todas de idiotas?

Eliana França Leme efleme@terra.com.br

São Paulo

*

SÓ AGORA?

Se, realmente o governo federal vai diminuir o valor do consumo da energia elétrica, porque não pensou nisso antes?

Fioravante Fabri Filho fff@dglnet.com.br

Americana

*

DEMAGOGIA

Em qualquer nação civilizada, custos fazem preços, e custos são "preços dos insumos" inclusive o trabalho do próprio homem como trabalhador. No Brasil, como qualquer republiqueta comunista, preços são demagogias de governos. Os custos são onerados politicamente por impostos idiotas e imbecis alimentados pela demagógica autocrática de governos iguais, além de corruptos, isto é, o roubo se torna "oficial e legal". Quem paga a conta é o próprio contribuinte, que economias na conta e paga nos impostos, a lambança do economês que tem a única finalidade de garantir "eleições de caciques", que antes se alimentava da mentira "religiosa" de que o rei é era "deus" e seus filhos 'filhos de deus', a velha hereditariedade principesca, que hoje se garante na forma de votos da curralama política do cabresto. Parabéns a dona Dilma, que está à altura de seu chefe, o maior demagogo dos últimos tempos no Brasil. Vamos ter contas de luz elétricas mais baratas, com os custos dessa energia continuando altos da mesma forma, e é claro que quem vai pagar é o próprio contribuinte.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

APAGÃO

A presidente Dilma foi recepcionada, há alguns dias, com um apagão no Piauí. Quando prometeu que nunca mais haveria apagão ainda não tinha noção de como seria queimar a língua que, hoje, deve estar torrada. Governo aparelhado por incompetentes dá nisso. É um PAC que contradiz o nome; são 800 aeroportos; um país crescendo a 1% e por aí caminhamos. E dá-lhe promessas! De agora em diante teremos dois angustiantes anos de agenda política, vendo o aeroDilma pra baixo e pra cima tentando sustentar uma boa avaliação para reeleição. Enquanto isso, sem reformas estruturais, forma-se o caldo de cultura para deterioração da economia, Infelizmente não temos política de Estado, só de poder.

José Roberto Cicolim jrobcicolim@uol.com.br

Cordeirópolis

*

DISCURSO DE OPOSIÇÃO

Apesar da nossa oposição (eu disse oposição?) não falar quando devia alardear, nós não tivemos racionamento de energia nessa última seca, graças às usinas termo elétricas cuja implementação foi iniciada no governo FHC! Os petralhas provavelmente vão dizer que foram eles que as fizeram! Com essa politicalha PSDB+DEM+PPS não é à toa que a maioria do povo se considera apolítico, aliás, foi o que levou a Venezuela ao estado atual! Onde andam os Aécios, Alckmins, Serras, Freires, Agripinos, etc.?

Carlos Tullio Schibuola cts50@terra.com.br

São Paulo

*

O APAGÃO É GERAL

A falta de fio de aço numa cirurgia no Rio Grande do Norte foi noticiada porque o paciente foi operado novamente para corrigir a improvisação. O Estado lastimável dos serviços públicos é geral e está sendo noticiado todos os dias: a recente morte da Adrielly (RJ) e Laíde (DF) por falta de atendimento médico; o apagão que deixou 15 Estados sem energia, e por aí vai. Ou seja, pagam-se impostos escorchantes em troca de serviços de péssima qualidade: IPTU (lixo e enchentes), IPVA (pedágios), INSS (seguro privado de saúde), altas contas de luz, telefone, internet (apagões, ligações interrompidas e lentas). Enquanto isso, o governo está preocupado com o trem-bala, os estádios de futebol, as manobras financeiras para "inventar" superávit primário, e a eliminação da miséria via a "bolsa tudo" sem aumento real da economia e produtividade.

Omar El Seoud elseoud@iq.usp.br

São Paulo

*

CRISE? ONDE?

O Brasil tem PIB em baixa, inflação em alta e desemprego chegando. Mas para a presidente Dilma, a economia brasileira vai muito bem e tem muito dinheiro em caixa sobrando. Como a saúde, segurança e educação já se encontram totalmente resolvidas, ela decidiu aplicar a sobra do dinheiro em projetos que trarão grandes benefícios à população do país: vai criar mais um ministério e alguns cargos na Caixa Econômica Federal (CEF), para satisfazer os "cumpanheiros" e garantir sua reeleição. E após a redução na conta de energia elétrica, alguém está preocupado com as demissões que estão acontecendo na GM em São José dos Campos ou com a ameaça da empresa em encerrar suas atividades na cidade? Quem quiser ver o Brasil no fundo do poço, continue apoiando o PT e seus aliados.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

BRASIL COMPETENTE MESMO É O AGRÍCOLA

Enquanto o governo federal faz suas lamentáveis traquinagens contábeis para conseguir os míseros 3,1% do superávit primário, porque não corta gastos improdutivos, e tampouco respeita os recursos dos contribuintes, os agricultores deste País, dão um show de eficiência, batem recordes na produção de alimentos, exportam em qualidade e quantidade a dar inveja até a qualquer país desenvolvido! E é bom que se diga, que os empresários do campo com todas as adversidades climáticas, e outras, conseguem resultados extraordinários sem choramingar benesses em Brasília, muito comum concedidas aos amigos ineficientes do governo. Para que o leitor tenha uma idéia desta continuada façanha dos bravos agricultores tupiniquins, tanto a Conab, como o IBGE, calculam que a safra de 2012/2013 deverá bater na casa dos 180 milhões de toneladas de grãos, ou 9% sobre 2011/2012, que ainda não tem os números finais apurados, mas que deverá ficar em torno de 165 milhões de toneladas. E além de suprir todo mercado interno, as exportações atingiram a marca espetacular de US$ 95,8 bilhões, em 2012, e um saldo positivo na balança comercial de US$ 79,4 bilhões. Oras, se sabemos que o superávit da balança comercial, do ano passado foi da ordem de US$ 19,4 bilhões, significa que somente o saldo alcançado pelo setor agrícola foi quatro vezes maior. Não é fantástico! Os produtos mais exportados foram o da soja em primeiro lugar, depois a carne, açúcar, álcool, e café, respectivamente. E é bom lembrar que a tal da agricultura familiar, que concentra a maioria dos mais de 5 milhões de produtores no campo, hoje está se modernizando, e participando de cooperativas bem organizadas, não somente produz muito abastecendo com preços acessíveis a mesa do brasileiro, como também têm uma significativa participação nas exportações. Apesar de toda esta competência do setor agrícola que mobiliza positivamente toda uma economia, infelizmente o governo como se desse as costas para o setor, não consegue viabilizar a melhoria da nossa infraestrutura, porque não temos estradas, portos, ferrovias e até aeroportos, com qualidade para escoar com custos mais baixos e celeridade toda a produção. E devido a esta carência de mobilidade logística citada, o prejuízo é muito grande, principalmente nas regiões do País, aonde a infraestrutura é caótica, como no norte/nordeste, e parte do centro oeste. E desta forma, infelizmente se impede que os investimentos nestas regiões sejam mais expressivos, se ofertem mais empregos, e consequente melhora na qualidade de vida de milhões de brasileiros. E como muito bem diz o técnico de futebol, Muricy Ramalho, batendo em suas mãos, "aqui tem trabalho", assim também vive orgulhosamente o empresário do campo, trabalhando e fiscalizando seu negócio 24 horas por dia! Diferentemente dos que dirigem esta Nação, e eleitos que são pelo povo, que mesmo em meio a problemas econômicos ou sociais, dormem o sono dos anjos, são insensíveis e despreocupados com as prioridades clamadas por todos os setores da sociedade! Ou melhor, somente se preocupam com o poder e suas infindáveis facilidades que eles mesmos criam, delas gozam e se protegem... Mas, certamente a luta e a vontade de vencer com dignidade é a que sempre prevalece! E não por outra razão que esses milhões de agricultores brasileiros serão merecedores das nossas reverências!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

CUSTE O QUE CUSTAR...

Eu quebro o Brasil, mas serei reeleita. Este provavelmente seja o pensamento fixo da presidente Dilma Rousseff. E isso não está muito longe de se tornar realidade. "Rapou" o Fundo Soberano do Brasil, US$ 12.4 bilhões, para fechar as contas de 2012 e, para isso não faltaram mutretas contábeis e vai gastar do Tesouro Nacional, R$ 8,5 bilhões, somente em 2013, para reduzir a conta de luz, para cumprir mais uma promessa populista. Acrescente-se: inflação não "banguela", ninguém segura; investimento público à míngua, o privado com paura de investir, dada às incertezas que cercam a já combalida economia. São tantas as antecipações orçamentárias que, subitamente, não vai ter mais de onde tirar. Mas, não tem problema, os cargos são passageiros, quatro anos, talvez oito e não importa, se o País está à deriva ou não, pega-se o "boné" e bye-bye, povão. "Quem administra e gasta mal, não reclame se um dia chegar à penúria" (ditado popular).

Sérgio Dafré Sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

*

INFLAÇÃO

A inflação vai entrar em cena e para isso é preciso uma maquiagem para o qual são exigidas a perícia do prefeito da cidade e do governador do Estado. Ambos firmaram um acordo e o governador vai escalonar as tarifas dos transportes públicos para aliviar o governo Dilma da escalada da inflação. Invertendo-se a situação Fernando Haddad concordaria com Geraldo Alckmin em protelar o aumento para contar os índices de inflação? O governador não terá ganho político algum com essa decisão, ao contrário do poste paulistano que está a serviço do poste paulistano no projeto "Dilma 2014". Qualquer decisão, protelação ou escalonamento só beneficiará o PT. Para a população, esse benefício, mesmo temporário será creditado ao prefeito. Vamos ver quando algum movimento organizado pela militância petista estiver perturbando o governador, se o prefeito retribuirá essa gentileza. Duvido. É mais provável que o conde Vlad doe sangue.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

ALCKADDAD

Represar aumento de tarifas justificadas diminui a inflação? Ou estes aumentos de tarifas não eram justificáveis?

Ulysses Fernandes Nunes Junior twitter: @Ulyssesfn

São Paulo

*

A MAQUIAGEM DA INFLAÇÃO

Não é só o governo federal que está empenhado em maquiar a inflação. Uma série de empresas trilha o mesmo caminho, de ludibriar o consumidor, reduzindo continuamente o volume dos produtos para, aparentemente, sempre terem o mesmo preço.

Como exemplos, cito os iogurtes, cereais matinais, chocolate, etc. Tomando como base o chocolate, na minha lembrança o tablete padrão de chocolate pesava 200g. Os preços foram subindo, subindo. Parece-me que, quando chegou ao equivalente a US$ 2,00, os fabricantes acharam que dava na vista então, para manter o preço mais ou menos neste patamar um dos fabricantes decidiu reduzir o peso do tablete para 190g, seguido logo pelos outros. Desde então o peso vem sendo reduzido para 180g, 170g 160g e atualmente já se encontram tabletes de 130g. O mesmo aconteceu com os iogurtes, que também pesavam 200g e hoje quase todos pesam menos. Uma das mudanças mais recentes foi a aveia em flocos finos, que pesava 250g e agora está sendo vendida com 200g. É surpreendente, que ainda não foram reduzidos os pesos dos pacotes de arroz, de 5kg para 4,8kg, 4,6kg ou do feijão de 1kg para 900g, 800g, 700g... Como não disponho dos dados necessários das respectivas reduções dos pesos, desafio os estatísticos, a projetarem, p.ex., quando pagaremos US$ 2,00 por 0 (zero) g de chocolate.

Gerhard Berke gberke@terra.com.br

São Paulo

*

ENGANAÇÃO

Há pouco foi o jornal Financial Times, agora é a revista The Economist que critica a que eles chamam de "contabilidade criativa" de Da. Dilma, indicando que teria sido melhor mudar a meta de superávit primário do que tentar ludibriar os eleitores incautos com falsas e contabilizações. A quem a presidente tenta enganar se o "mercado" sabe bem o que é o "jeitinho" que o governo está fazendo? Será que outras áreas também estão fazendo "jeitinhos"? O grande receio é que nossa governante imite sua colega argentina Cristina, que declara uma inflação anual de 10% quando os institutos apuraram 25%. A ideia dela é segurar aumentos de salários e outros itens calculados sobre a inflação. O ridículo é que a população não se deixa enganar, como ocorreu também no Brasil . Órgãos como o Fundo Monetário Internacional (FMI) não aceitam mais os dados fornecidos pelo governo de nosso visinho e muito menos credores e a imprensa internacional. Talvez os contemplados com bolsas famílias daqui não percebam o embuste.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

A ECONOMIA, A INFLAÇÃO E A DEMOCRACIA

Desde que a crise se instalou nos principais mercados internacionais, o Brasil vem combatendo-a através do incremento ao mercado interno. Não corrige o preço da gasolina, concede isenção de IPI para automóveis, eletrodomésticos, móveis e materiais de construção e, agora, posterga reajustes do metrô (Estado, 18/1). Mesmo assim, fechou 2012 com fraco desempenho na economia e terá de lutar muito para aquecer a produção e o mercado em 2013. E precisa fazer isso sem abrir brechas para a volta da inflação, medianamente contida desde o Plano Real, em 1994. A grande pergunta é até quando o Tesouro terá condições de agüentar as desonerações concedidas. Essa situação não pode perdurar por muito tempo, pois esvaziará os cofres, obrigando o governo a emitir moeda e, com isso, readmitir a inflação. É importante lembrar que, com as protelações de reajustes (gasolina, ônibus, metrô e outros) não se resolve o problema, pois quando o consumidor ou o usuário do produto ou serviço não paga o preço certo, quem paga a diferença da conta é a sociedade, através dos impostos. Hoje ainda não somos capazes de prever qual será o custo dessa aventura para o lastro nacional. Melhor seria que, em vez de medidas de impacto e populistas, tivéssemos uma reforma tributária ampla, desmontando cartórios encravados na estrutura governamental e devolvendo aos estados e municípios o poder de arrecadar deles retirado nos governos autoritários. Abrir mão da receita centralizada na União também é uma forma de democracia e esta, por todo o que temos, o Brasil ainda não conhece...

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

JEITINHO

Está faltando seriedade ao Ministério da Fazenda e Banco Central, jamais poderiam usar e abusar do conhecido "jeitinho" brasileiro, Guido Mantega e Alexandre Tombini estão se transformando em "profissionais" nisso, quem afirma é o Financial Times. Que até precisam explicar ao público estrangeiro o que significa o termo "jeitinho", segundo eles, é o hábito de desviar regras ou convenções por táticas altamente criativas que beiram a ilegalidade. Acertaram no alvo como exemplo o da maquiagem dos índices de inflação, do PIB e fechamento das contas do governo de 2012, deixando claros os malabarismos ou "jeitinhos" utilizados para enganar o povo brasileiro e, a quem mais? Atingindo o absurdo de pedir aos prefeitos de São Paulo e do Rio de Janeiro para não elevarem as tarifas do transporte público, devido a previsão do reajuste dos combustíveis, será que é na esperança de algum "milagre"? Mais parece que a política econômica está sendo feita no "joelho"... A questão está esquentando, podem se queimar.

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

O CACHÊ DE IVETE

O governo do Ceará pagou R$ 650 mil por um show da cantora Ivete Sangalo na inauguração de um hospital em Sobral, berço político do governador Cid Gomes (PSB) e de seu irmão Ciro Gomes. Com o valor do cachê da cantora, vem à tona a curiosidade irresistível de saber se os músicos acompanhantes da artista estariam com seus honorários em valores proporcionais aos da solista. Num momento que se questiona o trabalho escravo, parece que um valor desproporcional aos músicos que fazem o suporte para o show, poderá suscitar este questionamento. Quase sempre observamos músicos profissionais trabalharem em condições indignas com atrasos em seus honorários, falta de compreensão pelo seu trabalho, geralmente confundido-o com divertimento ou necessidade de promoção. Os equipamentos de som, geralmente operados por técnicos sem estudo de música, já perderam parte da audição pelo valor extremamente alto de decibéis. O público, por sua vez, com pouca ou quase nenhuma exigência de qualidade do espetáculo não ajuda muito. A produção de mega shows mascara os detalhes e o brilho da música. Mais vale o visual e o divertimento carnavalesco que a apreciação da arte da música. Lamentável!

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

FESTA INDECENTE

Tão condenável quanto o Estado do Ceará desperdiçar R$ 650 mil para inaugurar um hospital público, ao invés de usar essa monumental verba para equipar outros hospitais é, no meu entender, Ivete Sangalo ter aceito esse trabalho. Convenhamos, com a situação financeira bem resolvida, creio que faltou sensibilidade a Ivete Sangalo em aceitar participar dessa indecência.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

CARNAVAL

O carnaval começou mais cedo no Nordeste, precisamente no Ceará, na cidade de Sobral, inauguração de um hospital, houve folia com o dinheiro público, pagando-se à artista Ivete Sangalo mais de R$ 600 mil, soma que daria para pagar todos os médicos ao longo do ano. Mais uma vez o espírito público foi cooptado pelo espetáculo do ganho fácil na promoção pessoal de agentes políticos.

Carlos Henrique Abrao abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

PARTILHA DE RECURSOS

O presidente em exercício do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, mandou perguntar ao Legislativo por que o Congresso não havia fixado novas normas para o repasse do fundo de Participação dos Estados (FPE), já que a recomendação de criação da nova fórmula foi feita pelo STF em fevereiro de 2010 e fixado o prazo de 31 de dezembro de 2012. O presidente do Senado, José Sarney reagiu acusando o Judiciário de intervenção no Legislativo e, em ofício encaminhado à Corte, argumentou que o assunto é complexo e que o prazo foi exíguo. Reconheço que a pergunta do ministro é extremamente pertinente, uma vez que partilha de recursos é uma das especialidades do Congresso Nacional, principalmente no que tange aos recursos da União. Por outro lado, não são poucos recursos, nos primeiros dez dias de 2013 foram distribuídos R$ 968,5 milhões pelo critério antigo que desde 1898 tem taxas fixas para essa distribuição, baseadas na proporcionalidade da renda per capita e da população de cada Estado. O governo federal transfere aos Estados, 21,5% da arrecadação de Imposto de Renda e do IPI geralmente nos dias 10,20 e 30 de cada mês de acordo com índices calculados pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Pelo acima exposto, desta vez quem vai ter de esperar é o ministro Lewandowski. Criar uma regra para a partilha dessa quantidade de recursos, com essa quantidade de interessados, vai demorar com absoluta certeza, muito mais tempo do que revisar todo o processo do mensalão.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

A VOLTA DE RENAN

Em julho de 2007, quando estourou o escândalo que levou Renan Calheiros a renunciar a presidência do Senado para não ter o seu mandato cassado, com a divulgação de que um seu relacionamento extraconjugal estava sendo bancado com recursos públicos, a ex-primeira-dama Marisa Letícia disse à sua amiga Letícia Calheiros para que não se desesperasse, pois no Brasil, com o tempo tudo fica resolvido, as pessoas esquecem. Será que a sábia Marisa Letícia tinha razão? Nem seis anos se passaram, e o abominável Renan caminha celeremente para voltar ao antigo posto, sem que ninguém saia às ruas para protestar contra esse crime de lesa-pátria.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

O COMANDO DO SENADO

Michel Temer (PMDB-SP), após reunião com José Sarney (PMDB-AP) em defesa de seu "capanga" Renan Calheiros (PMDB-AL) à Presidência do Senado para o próximo biênio, disse que: "Não acredito que o retorno do líder do PMDB ao comando do Senado afete a credibilidade da casa". Eu afirmaria ao vice-presidente que a credibilidade da casa está afetada há muito tempo, ainda mais com José Sarney no seu comando. Agora tal atitude afetará e desestabilizará totalmente a pouca credibilidade que resta ao péssimo governo. Se é que resta alguma coisa ainda, né?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

MICHEL TEMER

Era uma vez um professor de Direito Constitucional, tímido, sério, compenetrado, verdadeiro almofadinha do século passado. Depois de velho fez plástica, implantou cabelos, casou com um brotinho (para usar termos do tempo dele), virou político, vice-presidente e hoje coroa toda essa desfaçatez pelos brasileiros tolos, como certamente ele considera todo mundo, e como é moda atualmente, coroa tudo, dizia, com a afirmação de que Renan Calheiros fará uma gestão belíssima como presidente do Senado Federal. Podia ter ficado calado. Embora, não dispute mais cargos eletivos desde que quase ficou fora da política, mesmo assim devia ter mais dignidade e respeito pelos que pagam seu salário.

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo

*

‘BELÍSSIMA GESTÃO’

Tem que chamar de belíssima gestão mesmo, pois, como o vice-presidente do Brasil irá dizer que a nova gestão do Sr. Renan será ou terminará melhor que a primeira? É prá acabar!

Flávio Cesar Pigari flavio.pigari@gmail.com

Jales

*

RENAN E SUAS REINAÇÕES!

"Uma engenharia financeira peculiar do programa Minha Casa, Minha Vida valoriza os atributos do candidato à Presidência do Senado e abre espaço para a ingerência política. As contratações - sem processo de licitação - são feitas diretamente pela Caixa, área de influência de Renan e do PMDB no Estado e com ramificações em Brasília, a partir de propostas apresentadas por prefeitos e empreiteiras ao banco" (Estadão, 23/1/2013). Maravilha! Não seria a "Caixa da mãe Joana"? É o que está parecendo.

José Jorge Ribeiro da Silva jjribeiros@yahoo.com.br

Campinas

*

SÓ O PODER IMPORTA

Henrique Alves, na presidência da Câmara dos Deputados, Renan Calheiros, na do Senado da República, ambos do PMDB e ambos com sérios problemas de ordem ética e jurídica, inclusive enquadramento na Lei da Ficha Limpa. Mas nada disso importa ao partido político, porque interessa à agremiação, só e simplesmente, amealhar poderes para, quando necessário, pressionar o governo ou, para 2014, encontrar a sua satisfação fisiológica. Nada mais importa. Nem o povo e nem regras de moralidade política. E assim os partidos e os políticos vão caminhando e enfraquecendo, cada vez mais, a nossa democracia. Precisamos de uma renovação ética de valores, no dizer de Bertrand Russel, e ela só virá com uma profunda alteração na programação partidária e no currículo ético de seus participantes. Caso contrário, o abismo da imoralidade e do caos ético absorverá a nossa política como um todo.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

DEUS SALVE O BRASIL!

Chega a dar asco, nojo, medo, etc. as prováveis eleições de Renan Calheiros e Henrique Alves, para presidirem as duas casas de "leis" da República das Bananas. Os "nadas cleros" (antigamente existiam o baixo e o alto clero, hoje...), capitaneados pelo PMDB do vice-presidente Temer, com toda certeza elegerão e por maioria absoluta, os dois monstros políticos candidatos. Entenda-se por "nadas cleros" todos os demais senadores e deputados federais que compõem, por nossa exclusiva culpa, o malfadado Congresso Nacional. Situação, oposição e outros piores, 81 senadores e 513 deputados, compõem galhardamente a picaretagem que está instalada nas duas casas de leis. Deus salve o nosso amado Brasil!

Antonio Manoel Gonzales Sotello tomsotello@uol.com.br

São José do Rio Preto

*

LEMBRETE AO STF

O STF com seus 11 ministros dispensou aproximadamente 4 meses julgando cerca de 40 maus brasileiros com o mensalão, na Ação Penal 470, penalizando levemente somente 25 deles em desgastante e cansativo julgamento. Quero lembrar à Suprema Corte que outra pendência de importância nacional e que requer prioridade pelo tempo já decorrido é a restituição das diferenças das poupanças do Plano Verão de 1989 e não pagas pelos bancos, que se utilizam de todos os recursos protelatórios. Lembramos que essas diferenças tiveram origem quando aquele malfadado presidente e sua ministra determinaram o bloqueio das poupanças, prejudicando até hoje milhões de brasileiros, na sua maioria pequenos investidores, como se criminosos fossem. Muitos dos prejudicados deixaram de fazer cirurgias importantes, perdendo em algumas até a visão, como presenciei. Estes fatos marcaram uma vergonhosa ação contra a população indefesa e trabalhadora. Não bastasse esse período negro, os bancos foram efetuando restituições aos poupadores, deixando de aplicar os índices corretos e devidos aos valores, iniciando-se uma penosa e angustiante enxurrada de ações por parte dos poupadores prejudicados. Muitos, de forma individual conseguiram, ganhá-las nos tribunais de primeira e segunda instâncias, mas milhares, em ações civil públicas, continuam aguardando decisão final dos recursos dos bancos, cuja decisão está represada no STF. Lembro ao STF que muito bem conhecem, trata-se de fatos ocorridos em 1989, isto é 24 anos atrás. Considerando que já houve jurisprudência assentada nos tribunais de primeira e segunda instâncias, pode o STF tomar decisão análoga e liberar milhões de processos injustamente represados, favorecendo estes brasileiros que esperam ansiosamente, e já com um pé na cova, receber as diferenças não pagas pelos bancos após 24 anos de agonia vergonhosa. Esperamos pela importância do assunto e o tempo decorrido, que o STF encaixe em sua ordem de prioridades esta solicitação, que sem dúvida constituirá um marco histórico e cívico, tão digno e importante quanto o julgamento do mensalão, que puniu e poderá punir dezenas de novos indiciados. Estes fatos com riqueza de detalhes já foram exaustivamente explorados e discutidos pela mídia, portanto, a bola da vez está com o STF.

Francisco Luiz Villano flvillano@uol.com.br

São Paulo

*

JOVEM BARRADA NOS ESTADOS UNIDOS

Até parece que nossos jornalistas desconhecem as regras impostas pelos EUA para visitação aquele país. Quantos de nós há décadas temos tido sistematicamente rígidas regras para retirada de visto? Recentemente um familiar de apenas dezessete anos precisou comparecer à Embaixada Americana no Brasil, devidamente acompanhado pelos pais (médicos), inclusive com holerites para demonstrar que estariam apenas como turistas. Casos de conhecidos que viajam constantemente aos EUA a serviço de empresa multinacional americana, que já viajaram dezenas de vezes, foram barrados pela aduana e durante horas submetidos a uma verdadeira sabatina? Ninguém saiu na mídia reclamando, porque conhecem e aceitam normalmente este procedimento. Está claro que como a jovem de dezesseis anos que foi barrada na aduana americana, que viajou sozinha, deve ter passado despercebida pela Embaixada americana no Brasil, porque há décadas o rito é este. Jovens, principalmente adolescentes são chamados a Embaixada para se certificarem que não pretendem fixar residência por lá. Portanto senhores jornalistas que estão fazendo esta verdadeira tempestade em cima deste caso, ou desconhecem as regras ou nunca retiraram visto para viajar aos EUA.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

INDIGNAÇÃO

Uma menina brasileira, Verônica, menor de idade, viajou sozinha para os Estados Unidos, sem qualquer documento legal de autorização de seus pais ou responsáveis. Ao lá chegar, foi detida, proibida de entrar no país e encaminhada para um abrigo para crianças e adolescentes que tentam entrar ilegalmente no país, onde ficou cerca de 45 dias. Como ela é menor de idade, não podia ser deportada sem decisão judicial. Bem, a menina já foi liberada e voltou para casa, para alívio da família. O que me espanta nessa história é o clima de indignação da população brasileira, achando um absurdo a detenção da garota e a dificuldade para sua liberação. Os próprios repórteres que noticiaram o fato, o fizeram em ar de suposta recriminação ao país estrangeiro. Ei! Acordem! Lá existem leis, regras e normas rígidas. E, por mais incrível que lhes possa parecer, lá as leis, regras e normas são cumpridas.

Nei Silveira de Almeida neizao1@yahoo.com.br

Belo Horizonte

*

A VERDADEIRA DEFESA DO MENOR PELO ESTADO

A meu ver, absolutamente correta e irretocável a atitude das autoridades do serviço de imigração norte-americano ao assumir a tutela legal temporária da menor brasileira Verônica Letícia da Silva. Após o devido procedimento legal, qual seja audiência perante Juiz do próprio serviço de imigração, foi determinada a devolução da menor à mãe no Brasil, atendendo inclusive ao desejo da própria Verônica. Ficou determinado que a menor tinha realmente a intenção de permanecer por mais de 6 meses no país e não possuía autorização transferindo sua tutela legal para a tia, residente nos EUA. Trocando em miúdos, seguindo a interpretação lógica do Serviço de imigração, o que uma adolescente de 16 anos teria para fazer, perambulando sozinha nos EUA, sem tutela legal nem roteiro definido, por mais de seis meses? Caso algo grave acontecesse a esta menor, aí, sim, a autoridade seria justificadamente responsabilizada por permitir a entrada de uma menor nestas condições. Cabe à mãe brasileira toda a culpa e responsabilidade pela situação que a menor enfrentou. O governo americano levou à sério sua imensa responsabilidade e abrigou a menor, mantendo-a segura para seu próprio benefício.

Luiz Ernesto R. Gozzoli gozzolil@bellsouth.net

Santos

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.