Fórum dos Leitores

Atualizado às 5h46

O Estado de S.Paulo

08 Fevereiro 2013 | 02h06

PODER LEGISLATIVO

Mudança de tom

"Entrada de leão, saída de sendeiro" - esse ditado português se aplica como uma luva à atitude do novo presidente da Câmara dos Deputados, o ficha-suja Henrique Eduardo Alves. Um dia depois da bravata de posse, quando declarou que a última palavra sobre cassar ou não os quatro deputados do mensalão condenados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) seria dos parlamentares, foi de mansinho visitar o presidente da Suprema Corte (ministro Joaquim Barbosa) e voltou dizendo que "a possibilidade de a Casa não cumprir determinação do STF sobre a perda de mandato dos condenados do mensalão é zero". Ainda bem que ele voltou atrás e pôs de lado a ideia de confronto. Mas deixou à mostra a "firmeza" de suas decisões!

A. FERNANDES DE AZEVEDO

az3.azevedo@terra.com.br

São Paulo

O recuo do bravateiro

Pois é, depois das bravatas ditas para se eleger (embora tida como certa a eleição), o deputado Henrique Eduardo Alves mudou o tom. Agora, já titular da presidência da Câmara, fez a afirmação que devia ter feito antes: decisão do STF, o órgão a que compete salvaguardar a Constituição, tem de ser cumprida. Assim seja. E que seja rápido, claro!

PEDRO LUÍS DE C. VERGUEIRO

pedrover@matrix.com.br

São Paulo

Palavra final

De fato, desde o início da sua campanha para a presidência da Casa, o deputado Henrique Alves insistia em que a palavra final sobre a cassação do mandato dos quatro deputados mensaleiros condenados pelo STF seria da Câmara. Na quarta-feira, em reunião com o presidente do STF, Alves deixou claro que a palavra final será: "Sim, sr. ministro Joaquim Barbosa".

VICTOR GERMANO PEREIRA

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

Anarquia

Ao presidente da Câmara dos Deputados: no dia em que uma decisão do STF não for respeitada e acatada como palavra final, o País estará vivendo o regime de anarquia. Quando o STF decide e emite sentença, resta apenas e tão somente cumpri-la. Ponto final. Está claro?

J. S. DECOL

decoljs@globo.com

São Paulo

Olho vivo!

Das duas, uma: ou a conversa com Joaquim Barbosa acertou em cheio algum dos calos de Henrique Eduardo Alves, ou ele tem planos para postergar as decisões do Judiciário. De graça é que ele não iria desdizer-se com aquela maciota toda, na cara larga. Melhor ficarmos espertos.

DOCA RAMOS MELLO

ddramosmello@uol.com.br

São Sebastião

Continuidade

Consumada a eleição do presidente da Câmara, constatou-se continuidade: saiu um arrogante (Marco Maia) e entrou outro arrogante. Afirmou o eleito: "É o Legislativo que representa o povo". Mentirinha: o Legislativo a que ele se refere representa a si próprio e a seus interesses.

MARIO HELVIO MIOTTO

mhmiotto@ig.com.br

Piracicaba

Alvo certo, motivo errado

Marco Maia acertou o alvo, mas errou no motivo. O Judiciário realmente prejudica o Congresso. Motivo: permite que bandidos continuem em liberdade circulando pela Câmara.

FABIO FIGUEIREDO

fafig3@terra.com.br

São Paulo

Coronelismo

Apregoam que a democracia se faz pelo voto obrigatório. Mas de que adianta, se os nossos representantes no Parlamento representam, na verdade, sempre os mesmos ideários do coronelismo impregnado de retrocesso?

CARLOS HENRIQUE ABRÃO

abraoc@uol.com.br

São Paulo

Tal pai, tal filho

Não consigo entender mais nada. Primeiro, Renan (o pai) é eleito presidente do Senado, apesar de toda a sua conhecida folha corrida (ficha suja de primeira); agora, Renanzinho (o filho) desviando dinheiro para pagar os advogados dos dois... Isso é o Brasil? Será que continuaremos a aguentar esses coronéis por muito tempo? Que povo é esse que vota em tais delinquentes?

CARLOS E. BARROS RODRIGUES

ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

A mesma inércia

Renan Calheiros e Henrique Eduardo Alves: agora é que ninguém fará nada para mudar o nosso Código Penal. Qualquer tentativa será em vão.

ELAINE NAVARRO

elainenavarro.pa@hotmail.com

São Paulo

O PMDB do dr. Ulysses

Eleitor do PMDB, pense no seu voto, como peemedebista, para as próximas eleições de senador e deputado federal. Procure saber dos parlamentares do PMDB que elegeram Renan Calheiros e Henrique Alves para a presidência das duas Casas do Congresso, ambos denunciados criminalmente, contrariando a enorme mobilização popular contra essa vergonha, após a aprovação da Lei da Ficha Limpa. Pense no grande líder do PMDB, o dr. Ulysses Guimarães, comandante de grandes trajetórias do partido para a redemocratização do nosso querido Brasil, que jamais permitiria o aval para a eleição desses nomes para a condução do Senado e da Câmara dos Deputados.

AGOSTINHO A. DE LIMA COSTA

agostinhoantonio@bol.com.br

Campinas

Congresso

"Luiz Inácio articulou, Luiz Inácio confirmou/ são trezentos picaretas que o PT cooptou..."

TÚLLIO MARCO S. CARVALHO

tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

ESCLARECIMENTO

Seguro Jirau

É improcedente a informação, publicada no editorial do Estado O sucesso da arbitragem (6/2, A3), de que a Construtora Camargo Corrêa, contratada para execução das obras civis da Usina de Jirau, cogita de recorrer à arbitragem para discutir indenização de prejuízos. A Camargo Corrêa obteve decisão favorável do Tribunal de Justiça de São Paulo para que a questão seja analisada e deliberada pelo Judiciário brasileiro. É importante também ressaltar que laudo de conclusão do inquérito policial apontou que o tumulto ocorrido em março de 2011 em Jirau foi decorrente de atos de vandalismo, e não em razão de protestos de trabalhadores na obra.

MARCELLO D'ANGELO, diretor

de Comunicação do Grupo

Camargo Corrêa

marcello.dangelo@camargocorrea.com.br

São Paulo

A NOVA CÂMARA E O STF

O recém-eleito presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Alves (PMDB), deu-nos a esperança de que as prerrogativas constitucionais de independência e harmonia entre os Poderes da República – Executivo, Legislativo e Judiciário – serão por ele respeitadas, notadamente no caso de respeitar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que, à vista da decisão proferida na Ação Penal 470 (mensalão), que condenou vários deputados a diversas penalidades e cujos nomes são do conhecimento público, e, por consequência, terão seus mandatos cassados (art. 55 – itens II, IV e VI da Constituição). Essa decisão do presidente Alves está comprovada pela visita protocolar que ele fez ao presidente do STF, ministro Joaquim Barbosa, que foi o relator da aludida ação penal condenatória, visita elogiável em todos os sentidos e que contrariou sua retumbante declaração ao tomar posse no cargo, de que a cassação dos deputados condenados só poderia ser decretada pela Câmara e que não atenderia à decisão do Supremo. Ainda bem que o presidente Alves atendeu ao brocardo jurídico que diz que “o direito e a obrigação são correlatos”.

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

*

EU TAMBÉM NÃO ACEITO!

O articulista Roberto DaMatta foi lapidar (Eu não aceito!, 6/2, D8): disse tudo o que temos vontade de dizer, e não sabemos como... Todos nós não aceitamos! Não houve o movimento “Diretas já”? Agora deveríamos pintar as caras novamente e gritar: “Não aceitamos fichas sujas no Congresso”! “Fora Renan!” “Queremos as cassações logo após condenações pelo STF!” Sr. Roberto DaMatta, parabéns pela coragem e indignação!

Isabel Carneiro de Francischi isabelfrancischi@uol.com.br

São Paulo

*

MANIFESTO

Quero me solidarizar com o colunista Roberto DaMatta. Eu também não aceito este país do “tudo pode em nome da causa”, da ética de ocasião, do compadrio. Proponho que seja bandeira de um manifesto dos brasileiros decentes e sérios para corrigirmos nossa rota, rumo àquilo que o Brasil pode ser.

Eduardo Toporcov etp02@bol.com.br

São Paulo

*

PELO FIM DA HUMILHAÇÃO

Assino embaixo e concordo em gênero, número e grau com as palavras do Roberto DaMatta (6/2, D8), Eu também não aceito os tapas que venho recebendo na cara, desferidos por aqueles que nós, brasileiros, elegemos para nos representar no Congresso Nacional. Sinto na boca o amargor da humilhação e repulsa-me ouvir um discurso sobre ética proferido por quem comprovadamente não a possui. Mas, e daí? Além de mim, quem mais concorda com o DaMatta? Como pensam os brasileiros? Como pensam, em especial, os bravos alagoanos, norte rio-grandenses e paulistas que elegeram os Renans, Henrique Alves e Malufs da vida? Neste momento só nos resta apelar para que o STF – hoje nosso único refúgio – faça avançar os procedimentos contra esses indivíduos para que possamos, um dia, vê-los na prisão ou, no mínimo, fora da vida pública.

Augusto M. Dias Netto diasnetto@terra.com.br

São Paulo

*

BANDEIRA

O artigo de Roberto DaMatta de quarta-feira faz bem à alma de quem deseja o melhor e açoda a raiva de quem não se conforma com o cinismo, a imoralidade, a hipocrisia dos que, por ignorância, preguiça ou cumplicidade, elegemos para nos governarem. O título do artigo deveria transformar-se em bandeira de todos os inconformados deste país. Cada um, vestido de indignação, deveria ir à rua, ao trabalho, ao lazer, e voltar para casa gritando como DaMatta: Eu não aceito! DaMatta tem por arma a escrita. Que cada um procure a sua. Diante do que está aí, tudo valerá.

Carlos Alves carlosavalves@uol.com.br

São Paulo

*

NÃO DESISTIREI

Concordo com tudo o que DaMatta disse no seu artigo. Só “não aceito” quando diz desistir, pois estaria entrando no jogo sujo deles, que é desmoralizar tudo para continuarem no comando junto com os seus sanguessugas. Muitas vezes já pensei em desistir do Brasil, mas como sei que é isso o que eles querem de nós, não desistirei, e peço ao autor que continue apontando as falcatruas deles, ele que é tão respeitado.

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

NÃO ACEITAMOS

Excelente a coluna do Roberto DaMatta de quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013! Sou leitor assíduo do jornal e sempre me chamam atenção algumas colunas da Dora Kramer o do Arnaldo Jabor quando estão dispostos a bater de frente contra a corrupção que se instalou “como nunca antes neste país”. O texto me impressionou muito, pois disse o que muitos de nós pensamos e poucas vezes temos a coragem de dizer, a não ser em pequeno circulo de amigos. Tenho notado, porém, que o número de pessoas que pensam da mesma forma (contra a corrupção, contra o desgoverno, contra a mentira e falsidade das afirmações dos políticos, principalmente depois que se instalou o lulopetismo, tem aumentado significativamente. Quase todos os dias tenho encontrado opiniões similares em todos os lugares: nas filas de banco, em supermercados, na loja da esquina, e, ontem, me surpreendeu uma caixa de banco que me disse que quando a figura aparece, ela muda de canal na TV, vira a página do jornal ou revista, ou ainda muda de estação quando ouve a voz característica... Não entendo como é possível que as pesquisas de opinião apresentem números tão elevados a essa quadrilha que se apossou dos órgãos públicos de nosso país. De que adiantou o resultado condenatório do STF, se os condenados a cada dia aparecem na mídia tripudiando da Justiça e se dizendo perseguidos? Para colocar um pouco de ordem na casa, seria necessário que essas penas fossem aplicadas o mais urgente possível. Nestes últimos dias, tivemos ainda a eleição de dois fichas sujas para o Senado e a Câmara. Meu pai viveu até 85 anos e me dizia que o Brasil seria o país do futuro, o que eu passei a dizer aos meus filhos. Hoje não sei o que dizer a meus netos pois parece que tenho vergonha em falar em honradez e honestidade, me fazendo lembrar Rui Barbosa quando dizia que “de tanto ver triunfar a nulidade, a incompetência e a desonestidade, chega-se a ter vergonha de ser honesto!”. Eu também não aceito essa vergonhosa desfaçatez com que os políticos fazem tudo em causa própria: verbas de gabinete ou representação cinco vezes maiores que os seus salários (pelo que sabemos...) veículos e outras benesses distribuídas à larga, salários extra a cada fim de ano, “recessos” remunerados duas vezes por ano, e agora, às vésperas do carnaval, parte desses políticos terão 9 dias de folga, recebemos a notícia de que a Petrobrás aPTrelhada está em situação muito difícil. E a cruzada desmanteladora continua, com dinheiro saindo pelo ladrão, ou seja, malas, meias, cuecas, e todos ficam impunes. Obras superfaturadas e que só existem no papel, ou no gogó. Esta semana, o palhaço Tiririca se disse cansado (enojado?) do circo da política e que pretende voltar ao circo de onde saiu. Cumprimento o excelente Roberto DaMatta e quero registrar que eu também tenho o direito de dizer: eu também não aceito! Que bom seria se ao menos uma vez tivéssemos eleições sérias, com candidatos sérios e competentes (doce utopia) e que muitos pudessem dizer também “não aceito” e fosse possível mudar o nosso querido Brasil para as gerações futuras.

Silvio de Oliveira T. C. victory@victorydesign.com.br

São Paulo

*

FORASTEIRO VENEZUELANO

Maximilien Sánchez Averláiz, embaixador da Venezuela no Brasil, participou de evento em apoio a José Dirceu, no qual foram feitas críticas ao Supremo Tribunal Federal (STF) por ter condenado o subchefe da quadrilha que promoveu o maior escândalo político da história do país. Muito acertadamente recebeu críticas de parte da oposição, aquela minoria não comprometida com a bandalheira petista planaltina, e, em tom de desafio, o pau mandado de Hugo Chávez respondeu: “Faz parte das atribuições de um embaixador conhecer os acontecimentos políticos do país no qual está alocado”, e mais, disse que continuará aceitando qualquer convite que lhe façam os partidos signatários. Senhor Averláiz, não precisa fazer discurso, conhecemos as funções de um embaixador. Acontece que o evento do qual você participou não é político, é policial; envolve um bandido condenado pela justiça de um país soberano que obedeceu a sua Constituição. Todos sabemos que, há dez anos, o Executivo e o Legislativo brasileiros estão nas mãos de uma megaquadrilha que tem raízes além das nossas fronteiras, inclusive com as Farc e a múmia caribenha. O nosso país infelizmente virou casa de mão Joana, cheia de ladrões e gente de mau caráter, mas, mesmo assim, ainda existe uma suprema corte independente e pelo menos 23% de cidadãos brasileiros, que não estão dispostos a aceitar esse tipo de afronta, principalmente de forasteiro. Vá deitar proselitismo sobre sua democracia bolivariana longe daqui. Leve toda a bandidagem tupiniquim para jogar no seu time, lá na Venezuela. Os cidadãos de bem do nosso país agradecem.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

NA MORAL!

As mais recentes e constantes reuniões do PT (Partido dos Trabalhadores), amplamente divulgadas pela mídia, no sentido de desqualificar a Justiça brasileira, em razão das condenações dos companheiros pelo STF, são parecidas com reuniões de quadrilhas que vemos no cinema planejando algum ato delituoso, atos iguais a esses à que estamos assistindo no Estado de Santa Catarina. A diferença é que os terroristas sempre agem na clandestinidade.

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

CONTRA

E exagerada a cobertura dada pela imprensa a qualquer manifestação dos condenados do PT. Estou disposto participar de manifestações que exijam a imediata cassação e prisão dos mensaleiros. É só me convocar!

Ricardo Mntoro ricardomontoro@montoro.org.br

São Paulo

*

ANOS DUROS

Se a tal da mídia golpista e conservadora fosse regulamentada e, eventualmente calada, como gostaria José Dirceu, nós seríamos poupados de ler as absurdas declarações e manifestações de um criminoso condenado à prisão, e que continua a ter seus artigos e seus pensamentos publicados em jornais, enquanto em liberdade. Felizmente, a esmagadora maioria do povo brasileiro entende que nem esse lixo que sai da cabeça do chefe da quadrilha do mensalão deve ser objeto de censura. Lê quem quer, concorda quem é conivente. Dirceu tem insistido que o PT terá anos duros pela frente. Com o eleitorado de cabresto dos programas assistencialistas do governo petista, não creio que isso irá acontecer. Dirceu, porém, com certeza, terá anos duros pela frente: exatamente dez anos e dez meses.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

A FÓRMULA DE MERCADANTE

Incrível como o governo acha saídas estapafúrdias para contrabalançar os efeitos da criminalidade endêmica no País. Aloizio Mercadante, ministro da Educação, achou sua fórmula. Para minimizar os efeitos da mortalidade dos policiais mortos a serviço da “comunidade”, a população brasileira deverá custear a educação dos filhos dos mesmos até a faculdade, inclusive em escolas particulares. E os filhos do cidadão comum, que sofrem dos mesmos efeitos, nada? Pelo contrário, esses deverão pagar para os filhos dos policiais? São milhares de pais de família mortos anualmente pela bandidagem. Senhor ministro, não seria mais fácil e econômico que tenhamos leis mais severas para bandidos, assassinos de policiais ou não? Se ouvisse a voz da população, 90% são a favor da prisão perpétua. Retirar da sociedade seria o caminho ideal para o indivíduo que não respeita quem trabalha e sustenta o País. Tratar bandido como bandido e população de bem como população de bem. Simples e econômico assim!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

MEDIDA ELEITOREIRA

Que medida eleitoreira do ministro da Educação, Aloísio Mercadante, própria de quem está visando a se apossar do governo de São Paulo em 2014: resolveu que a educação dos filhos dos policiais mortos em serviço contra a bandidagem será custeada pelo estado, inclusive em escolas particulares, até o ensino superior. Que medida populista e própria de um governo de quinta categoria: como não tem competência nem vontade de resolver o problema da violência no Brasil, resolve cooptar toda uma classe que sofre as consequências deste desgoverno visando garantir seus votos na urna. Gostaria muito que os policiais pensassem mais nas vidas perdidas de seus colegas de farda, será que a moeda de troca pela morte de milhares de policiais se resume em estudo para os seus filhos órfãos? Será que não deveriam batalhar, em conjunto com a população civil, que também sofre nas mãos dos bandidos, por uma mudança nas leis que impeça que esta corja assassina fique em liberdade enquanto correm os processos criminais contra eles? Ao invés de serem cooptados por essa benesse, não deveriam batalhar para fazer cair a lei 12.403/2011, sancionada por Dilma Rousseff e o ministro da Justiça, Eduardo Cardozo, em 5/5/2011, que garantiu aos criminosos que a prisão em flagrante e a prisão preventiva só ocorrerão em casos raríssimos, tudo para esvaziar as cadeias, visto que a superlotação das mesmas depõe contra o governo de Dilma Rousseff segundo o Conselho de Segurança da ONU? E a população que conviva com os facínoras em liberdade!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

INCOMPETÊNCIA PREMIADA

Este é o nosso país! Além de elegermos o partido o qual teve toda sua cúpula condenada pelo STF para governar a maior e mais rica cidade do Brasil, agora colocamos na liderança de nossa Seleção Brasileira um técnico ultrapassado, com performance pífia durante os últimos anos e principal responsável pelo rebaixamento para a série B de um dos principais clube do futebol brasileiro. Prevalece a injustiça em nosso país e a incompetência é sempre premiada!

Gustavo Eigenheer gustavo.eigenheer@hotmail.com

Vinhedo

*

ZEBRA

A nossa seleção começa mal. O problema não é jogador, devem ser os atuais técnicos, ex-campeões mundiais, só dois... É pouco! Mas vai melhorar, nem pensar na série B. Perdemos de pouco – Inglaterra 2 x 1 Brasil, a culpa só pode ser atribuída à baixa temperatura local ou do Mano. Os “craques” Ronaldinho, Luiz Fabiano, Neymar e Lucas participaram do jogo, mas não jogaram, pior o Ronaldinho que perdeu o pênalti inexistente marcado pelo árbitro. Que estréia, Felipão e Parreira! O hexa é HEXAgero. Vamos continuar torcendo. Que remédio? Brasil na Copa 2014 é zebra.

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

AMARELOS

Vamos preparar o espírito da torcida brasileira de futebol de que o melhor é ser um bom anfitrião, que este negócio de ganhar a Copa do Mundo é secundário. Como já disseram uma vez, se você não sabe fazer nada pelo menos participe, o importante não é ganhar, o importante é atrapalhar quem sabe fazer. Os jogadores da Seleção Brasileira já estão com a vida ganha. Brasil sem miséria seria se todos ganhassem igual a jogador famoso.

Manoel José Rodrigues manoel.poeta@hotmail.com

Alvorada do Sul (PR)

*

VANGUARDA DO ATRASO NA SELEÇÃO

Quarta-feira, durante o jogo, as câmeras mostraram Felipão, Parreira e Murtosa, que confabulavam. Não pude deixar de me lembrar da famosa expressão cunhada pelo falecido senador Roberto Campos. Aí está a nossa vanguarda do atraso também no futebol.

Luiz Henrique Penchiari luiz_penchiari@hotmail.com

Vinhedo

*

O SONHO DO CANECO

A desorganização interna da Seleção Brasileira e a troca constante dos convocados somente retratam nossa fragilidade diante da derrota para a seleção inglesa. Estamos há menos de 500 dias da Copa no Brasil e, com o escrete que vemos jogar, será quase impossível conquistar o caneco. O fiasco será maior do que imaginamos.

Carlos Henrique Abrao abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

A PETROBRÁS DESVALORIZADA

Os lulopetralhas estão conseguindo. O patrimônio da Petrobrás foi reduzido em 65% e o seu lucro de 2012, em 35%. Aos poucos, estão sucateando uma empresa que já foi um orgulho brasileiro, e está-se chegando ao “point of no return”. Deveria ter sido privatizada por FHC mesmo, como a Vale e a Embraer.

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

ACIONISTA INFELIZ

Infeliz o brasileiro acionista da Petrobrás (o que inclui o Tesouro Nacional) que em 2007 tinha R$ 50 mil em ações, e hoje restam menos de R$ 19 mil de patrimônio. Esse grande prejuízo se deve à operação política da empresa usada por Lula e Dilma para suas necessidades eleitorais. Ganharam eleições mas o cidadão acionista e o País perderam a empresa que vale menos do que a estatal colombiana, três vezes menor. Essa grave situação reconhecida em pronunciamento da presidente da estatal, Sra. Graça Foster, é muito pior do que se imagina pois atrasa a principal atividade atual, a extração da camada pré-sal. Sem recursos, não há como a Petrobrás realizá-la, o que levará nossa produção comercial a ocorrer após 2020, quando é prevista a autossuficiência nos principais centros consumidores acarretando a baixa da cotação do produto. Pobre país dominado pela política, mas sem uma correta política econômica.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

CARVÃO

No churrasco do Lula, Gabrielli comeu filé. No churrasco da Dilma, Graça rói o osso...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

MARIA OU MARIONETE

Maria ou Marionete das Graças Foster?

João Henrique Rieder rieder@uol.com.br

São Paulo

*

A PETROBRÁS E A CERVEJA

O valor de mercado da Petrobrás caiu 65,5% e está no mesmo valor que em 1999 quando o governo federal era do FHC o culpado titular de todas as mazelas nacionais. Hoje a Petrobrás vale menos que a Ambev por culpa da falta de investimentos no setor dos governos de FHC. Alguns governistas petistas já pensam em estatizar a Ambev e privatizar a Petrobrás.

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br

São Vicente

*

CONSELHEIROS

Pela curiosidade vai aí uma perguntinha: A sra. Dilma Rousseff e o sr. Guido Mantega ainda são conselheiros da Petrobrás? Caso positivo, por ambos serem muito “competentes”, poderiam achar uma solução para ajudar a Dona Graça a sair do atoleiro. Só receber honorários não vale.

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

É GRAVE

A Petobráis (sic) foi usada e abusada por Lula em toda sua trajetória em busca do poder. Plataformas e fornecedores nacionais, autossuficiência, etanol, democratização do capital com o FGTS, pré-sal e finalmente a política de preços baixos, são exemplos das bandeiras demagógicas que Lula soube tão bem hastear. Conseguiu a façanha de quebrar esse símbolo da pujança nacional criado nos idos do “o petróleo é nosso”. Se observarmos o País como um todo veremos a queda do crescimento econômico, o sucateamento da indústria, o endividamento e a inadimplência crescentes, a paralisação criminosa de obras do PAC, os riscos reais de apagão, a corrupção endêmica, a criminalidade epidêmica e os conflitos doutrinários entre os poderes da República mas, ao mesmo tempo, a exagerada popularidade e aprovação do governo apesar de toda a incompetência... A Petrobrás é apenas um sintoma da inépcia previsível de um governo despreparado. São sinais de um futuro perigosamente semelhante ao que está ocorrendo em muitos países que teimam em praticar a mesma ideologia ainda viva na cabeça dos incompetentes. É grave!

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

DE VENTO EM POPA

Muitos apontam uma série de críticas à gestão da estatal pelo atual governo (e anterior, de Lula). Eu gosto de números e certos números raramente são publicados quando se trata da Petrobrás. Vejamos: 1) lucro médio da Petrobrás entre 1995 e 2002 (gestão FHC): R$ 4,2 bilhões/ano; e 2) lucro médio da Petrobrás entre 2003 e 2012 (gestões Lula e Dilma): R$ 25,7 bilhões/ano. Seis vezes maior! Vamos, agora, atualizar pela inflação. Teríamos: 1) 1995 a 2002 = R$ 7,6 bilhões/ano; e 2) 2003 a 2012: R$ 28,3 bilhões/ano. Ou seja: o atual governo (2003 a 2012) praticamente quadruplicou, em termos reais, o lucro da nossa querida estatal! São dados e, por serem dados, perfeitamente verificáveis.

Mauricio Nardi Junior mauricionardi@hotmail.com

São Paulo

*

PROBLEMA MAIOR: A QUEDA NA PRODUÇÃO

A confirmação de 36,4% de queda no lucro da Petrobrás, ante 2011, é muito preocupante, sem dúvida, porém o mais grave, é que na Bacia de Campos a produção de petróleo no ano passado chegou a cair 40%, e há 4 anos não acontece um só leilão de licitação de novas áreas do pré-sal para exploração de petróleo. Por outro lado, a Petrobrás além de estar endividada, não tem como participar como operadora, e detentora de 30% nas licitações de campos de petróleo na área do pré-sal. Se houver uma próxima rodada de licitação neste ano, normalmente levará 4 ou 5 anos até começar a extração do petróleo pelas empresas vencedoras. Diante deste quadro desfavorável, as importações de gasolina e diesel aumentarão nos próximos anos, e assim poderá elevar a inflação às alturas. Em suma, o grande problema da Petrobrás é a intervenção do governo federal com suas decisões discutíveis, infelizmente.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

OS RESPONSÁVEIS

Por vezes ficamos com a impressão de que vivemos sob um regime monárquico. Nele vige a irresponsabilidade. O rei é irresponsável por seus atos. Ao relatar o declínio da Petrobrás, o editorial de O Estado aponta decréscimo de 36% do lucro em relação ao ano anterior; principalmente porque a empresa se tornou um braço econômico do Planalto. A produção de petróleo e gás tem minguado. As previsões para o ano incluem poços secos. A importação não será reduzida, o que põe de manifesto a dependência e não a gloriosa libertação anunciada na campanha eleitoral com o pré-sal. E os nomes dos responsáveis, será possível saber?

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

ESTATAIS

A estatal possui exclusividade nas atividades de exploração, produção, refino e exportação de petróleo, bem como a exploração e produção de gás natural no país. Desde sua fundação, com a nacionalização da indústria petrolífera, a empresa dominou a indústria de petróleo do país cuja reserva, descobriu-se, é uma das maiores do mundo. O governo atual a trata como uma vaca leiteira e só contrata partidários políticos do presidente para sua administração. Nos últimos anos a empresa contribuiu com bilhões de dólares para projetos de desenvolvimento social do governo e a incompetência na sua administração acarretou graves ineficiências alcançando a situação atual de estagnação, diminuição da capacidade produtiva e enorme desvalorização de seu valor patrimonial. O texto refere-se à estatal venezuelana Petróleos de Venezuela SA (PDVSA), mas encaixa-se perfeitamente à nossa Petrobrás. Quando se trata de destruir o patrimônio, de um país, petistas e bolivarianos agem de forma idêntica.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

TÁ FEIO

Dona Dilma, entre o prejuízo monstro da Petrobrás nas mãos deles, inflação, a dívida federal astronômica, o ralo imenso das obras do PAC, taí o exemplo do desvio (de verbas) do Rio São Francisco, Renan no senado (minúsculas, por favor), Alves na câmara, a possibilidade de continuidade no cargo, vencimentos e influência dos Condenados (esse sim, maiúsculo) por corrupção, enfim, o cenário está tão feio que a Sra. terá que disponibilizar muito tempo no horário nobre. Bom carnaval a todos.

Flávio Cesar Pigari flavio.pigari@gmail.com

Jales

*

NO GRITO

A queda na produção e lucros da Petrobras é a prova real que é impossível governar um país no grito...

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

BANCARROTA

Motivos que estão levando a maior empresa do Brasil – Petrobrás – à bancarrota: incompetência administrativa e corrupção.

Benedito Raimundo Moreira br_moreira@terra.com.br

Guarulhos

*

O PESSIMISMO ATRAPALHA

As críticas dos eternos pessimistas à Petrobrás, uma forma indireta de atingir o governo federal, levam em consideração o fato de que a estatal teve o menor lucro dos últimos oito anos. O valor alcançado foi de apenas R$ 21 bilhões e oitocentos milhões. Que entre outras razões foi motivado pela defasagem dos preços de combustíveis cobrados na venda a granel. E o pequeno aumento aplicado recentemente também é criticado. O recuo na produção da empresa foi da ordem de 2%. A questão que se coloca é muito simples, ou seja, como um empresário de qualquer ramo encara a situação? Qual seria sua reação se a sua empresa tivesse um lucro desse porte? Estaria configurada uma situação preocupante? Por que se faz tanto alarde do fato quando o correto é a discussão de alto nível e com argumentos lógicos? Até onde esse pessimismo ajuda nosso desenvolvimento?

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

A DÉCADA PERDIDA

Lamentável! O atraso de uma década inteira perdida em nosso País já estamos sentindo muito antes de Dilma terminar seu mandato. Estragos deixados como herança maldita de Lula sua sucessora nunca serão claramente assumidos pelos petralhas , pois até mesmo a Presidente ainda culpa FHC pelas mazelas que tem de enfrentar sem poder reclamar. É imperdoável observar o que está acontecendo com nossa maior riqueza, a Petrobrás, mas os estragos pela má administração se evidenciam também nas agências reguladoras e até mesmo no Itamarati cujo poder de decidir nas relações internacionais estão sendo administrada de forma tendenciosas pelo Sr. Garcia; além dos demais desastres na economia, educação, segurança, transportes, entre outros que estamos cansados de conhecer. Mas não podemos deixar de apontar o que está a acontecer com o Congresso Nacional e sua má reputação apoiado e dominado pelo Executivo que o submete a seus interesse políticos e ambos tentando enfrentar as decisões do STF de modo deslavado e inconstitucional. E as promessa de Lula e Dilma para um Brasil “bem melhor” não duraram o tempo de uma bolha de sabão.

Leila E. Leitão

Itanhaém

*

NADA A ELOGIAR

O resultado das contas públicas federais de 2012 saiu: decepção mas o resultado já era previsto, devido à incompetência deste desgoverno planaltino/petralha. Déficit total, mais de R$ 2 bilhões, 55% do PIB. Juros no total de mais de 200 milhões; custo da máquina pública cada vez maior em relação à arrecadação. Petrobrás em marcha a ré e as outras estatais com resultados pobres, mas a massiva propaganda do Planalto esconde isso e vem com sonhos irrealizáveis. Por que gastar dinheiro fazendo publicidade do Correio, se é um monopólio? Carga tributária altíssima e serviços baixíssimos. Nada a elogiar, tudo a criticar.

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

*

VIOLÊNCIA EM SANTA CATARINA

Os ataques dos “sindicatos do crime” parecem estar coordenados para acontecerem nos estados com menor índice de criminalidade e homicídios por 100 mil habitantes. Não deve ser apenas o acaso que fez de São Paulo e Santa Catarina os alvos dos “Salve” emitidos de dentro dos presídios. Isto nos leva a imaginar que existam outras razões além das alegadas pelos bandidos, por trás dos surtos de violência ocorridos nos dois estados. É preciso investigar a fundo e descobrir quem são os elementos por trás dos “comandos”. A alegada tortura de presos não é justificativa. Presos rebelados não esperam receber carinho dos policiais, por certo. Ademais, se alguém tem que fazer reivindicações, somos nós, os cidadãos fora das cadeias, que estamos vivendo atrás das nossas próprias grades, torcendo para não nos tornarmos uma das 50 mil vítimas destes elementos. Direitos? Primeiro os nossos!

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

UM EXÉRCITO CONTRA A INCOMPETÊNCIA

A atual onda de violência em Santa Catarina revela, mais uma vez, dois fatos lamentáveis: 1) O impressionante exército que o crime organizado tem a sua disposição; e 2) a incompetência dos órgãos de segurança em reprimir essa violência. São problemas não só de Santa Catarina mas de todo o Brasil. Por enquanto não há nenhum sinal de mudança dessa situação.

Celso Battesini Ramalho leticialivros@hotmail.com

São Paulo

*

INCOMPETÊNCIA DE ‘A’ A ‘Z’

Esta onda de ataques a alvos civis e policiais que vêm ocorrendo em Santa Catarina revela que: presos estão mal acondicionados e maltratados nos presídios; que os agentes penitenciários são totalmente desqualificados para a função, parte são coniventes com os presos e parte os maltratam; que as direções de presídios são incompetentes; que criminosos comandam seus bandos de dentro dos presídios; que advogados continuam a levar celulares e são portadores de recados de dentro para fora e vice-versa; que a justiça no País é ineficaz; enfim, que nada funciona no sistema prisional, jurídico e policial neste País, que o legislativo e o judiciário são meras figurações e o executivo um ocupante de um cargo que desconhece a plenitude do seu exercício.

Nei Silveira de Almeida neizao1@yahoo.com.br

Belo Horizonte

*

SOCORRO INEVITÁVEL

A poucas horas da abertura oficial do carnaval, Santa Catarina está sob a real, preocupante e desafiadora ameaça do terrorismo urbano. A última foi há três meses. Já chega agora a 69, em apenas oito dias, o número de atentados, com ônibus e veículos particulares incendiados, ataques a tiros a prédios públicos, à bases da polícia, além de atentados a agentes da lei e as suas residências. Os ataques narcoterroristas, segundo a s autoridades catarinenses – vejam o tamanho da ousadia – têm por causa o endurecimento das ações com corte de regalias dentro dos presídios do estado. Note-se que, no Rio de Janeiro, 27 presos fugiram do Complexo de Gericinó, no último final de semana, por uma tubulação de esgoto como se ratos fossem. Não há notícia de que nenhum deles, durante o período carnavalesco, pense em isolar-se em algum retiro espiritual. O mais provável, na busca do lucro através do crime, é que prossigam ameaçando a vida do próximo. Mais trabalho para a polícia na recaptura dos perigosos fugitivos. Vida que segue e as perguntas são: Cadê o projeto de lei que iria tipificar o crime de terrorismo no Brasil? Vai permanecer encruado no Congresso Nacional aguardando a pauta? Até quando a guerrilha urbana em Santa Catarina prosseguirá? Antes, durante e depois do carnaval? Até quando perigosos marginais da lei prosseguirão afrontando e desafiando o poder público? Até onde o carnaval dos catarinenses e de turistas que para lá se deslocam está sob ameaça? Até quando os “tribunais de execução”, em vias públicas, continuarão implantando o medo a e ameaça do terror? As indagações prosseguem. Até quando as autoridades catarinenses abrirão mão do disposto na Lei Complementar 97/99. com a emenda da Lei 117/04, que trata do emprego das Forças Armadas para por termo a grave comprometimento da ordem pública? Quando autoridades de Santa Catarina se declararão insuficientes – no limite da capacidade operativa do aparelho policial – para controlar o incontrolável? Quando o governo federal cumprirá sua missão constitucional para por termo ao grave comprometimento da ordem naquele estado, antes que cidadãos ordeiros e o próprio carnaval fiquem sob ameaça? São perguntas que as autoridades terão que responder urgentemente, antes que a folia de momo se desenvolva pelo toque forçado de recolher. O emprego das Forças Armadas e da Força Nacional de Segurança parecem-me inevitáveis, o quanto antes.

Milton Corrêa da Costa milton.correa@globomail.com

Rio de Janeiro

*

INVASÃO DA USP

Os baderneiros criminosos que cometeram diversos crimes na invasão da Universidade de São Paulo (USP), agora veem aonde se meteram. São réus, sim, no referido processo criminal. Será que essas pessoas, adultas e maiores de idade, pensam que a vida e esses fatos são “brincadeirinha de crianças”? As punições devem ser severas, e parabéns ao promotor do caso. Se servidores e professores forem condenados, tem de ser demitidos a bem do serviço público. Qualquer coisa em contrario é contribuir para institucionalizar a baderna e até se invadir tribunais e gabinetes de Procuradorias de Justiça, a título de protesto.

Heitor Vianna P. Filho bob@intnet.com.br

Araruama (RJ)

*

ALÍVIO

É com alívio que leio que o Ministério Público denuncia estudantes da USP por formação de quadrilha, posse de explosivos(!), dano ao patrimônio público, desobediência e pichação. Em novembro de 2011, 72 pessoas ocuparam a reitoria da USP em protesto contra a presença da polícia no campus. Estamos cansados do vandalismo dos estudantes da USP e carentes de au-to-ri-da-de. Entretanto o Dr. Martim de Almeida Sampaio, coordenador da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil acha que faltou sensibilidade ao Ministério Público! “Não se pode tirar o diálogo da mesa e levar esses jovens para os tribunais”. Felizmente temos também o parecer do professor Bruno Zilberman Vainer, mestre em Direito Constitucional. O que os alunos da USP queriam ao invadir a reitoria era que aquele local não estivesse sujeito às mesmas leis do País.

Cleo Aidar cleoaidar@hotmail.com

São Paulo

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.