Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

09 Fevereiro 2013 | 02h05

Inflação, o retorno

Aproveitando o carnaval, vamos convocar o Neguinho da Beija-Flor para que, com aquele vozeirão conhecido de norte a sul do Brasil, venha em nosso socorro dar o seu tradicional grito de guerra: "Olha a inflação aí, gente!".

RONALDO GOMES FERRAZ

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

Legado de FHC em risco

A maior conquista da sociedade brasileira nos últimos 20 anos foi a queda da inflação. Não foram as várias bolsas nem os aumentos do salário mínimo que distribuíram renda no País, mas sim o Plano Real. O trabalhador recebia o seu salário, que perdia poder de compra já no dia do pagamento. Pois bem, o governo do PT, na sua atroz incompetência administrativa e ideológica, parece não se preocupar com o aumento dos preços e só toma medidas demagógicas e paliativas no combate à inflação. Falam em Pibão, que somos a quinta economia do mundo, autossuficientes em petróleo, uma nação maravilhosa, um povo gentil, mas reverberam um discurso falso e de um ufanismo que chega a ser pueril. Está mais do que na hora de a "gerentona" iniciar, realmente, o seu mandato. Sem um plano de governo, redução da carga tributária e contenção dos gastos públicos os brasileiros perderão o grande legado de Fernando Henrique Cardoso.

LEÃO MACHADO NETO

lneto@uol.com.br

São Paulo

O culpado de sempre

O governo do PT está assustado com o 1 x 0 da inflação, e isso é só o começo. A economia é um animal complicado e a inflação fica eriçada com o comando inexperiente. O PT, que foi o maior opositor do Plano Real, não sabe o que fazer. Só falta culpar o FHC...

GILBERTO DIB

gilberto@dib.com.br

São Paulo

Fantasma assustador

O Plano Real não poderia ter deixado de ser complementado por reformas estruturais - em especial, para suas finalidades, pelas reformas administrativa e fiscal - capazes de reduzir o preço de custo dos investimentos e produtos. Decorridos dez anos de governo lulopetista, nada importante foi feito nesse sentido, ressalvadas medidas ligeiras e superficiais, a exemplo de incentivos fiscais setoriais e desonerações, como a atual, sobre os produtos da cesta básica. O mercado e a moeda são implacáveis e o fantasma assustador da inflação volta a amedrontar o povo brasileiro.

AMADEU R. GARRIDO DE PAULA

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

A revista estava certa

A julgar pelo andar da carruagem, o governo da "gerentona" e "mãe do PAC" está fazendo recrudescer a inflação, derrotada há quase duas décadas. O índice de aumento dos preços só não foi maior por causa do artifício da redução das tarifas de energia elétrica e do congelamento parcial de preços imposto à Petrobrás. Como se vê, a revista The Economist não estava errada ao dizer que a presidente deveria demitir o seu ministro da Fazenda.

LUIZ M. LEITÃO DA CUNHA

luizmleitao@gmail.com

São Paulo

Verdadeira vocação

Inflação em alta, Petrobrás no vermelho, falta generalizada de investimentos na produção e de profissionalismo na condução da economia, política externa baseada em ideologia, enfim, o PT deixa muito a desejar como situação. Sugestão: por que esse partido não volta a fazer o que mais sabe, como oposição, e entrega o poder a quem entende do assunto?

PETER CAZALE

pcazale@uol.com.br

São Paulo

BANCOOP

Vaccari Neto

Ufa! Finalmente a mídia (Estadão, 8/2, A7) noticiou alguma coisa sobre esse escândalo pavoroso que foi o golpe nos mutuários da Cooperativa Habitacional dos Bancários (Bancoop). Até hoje todos os petistas envolvidos têm sido poupados das páginas policiais dos principais jornais do País, ainda que tenham destruído a vida de milhares de famílias, lesando-as de tal forma que muitas ficaram na miséria, já que colocaram suas parcas economias no sonho da casa própria. Infelizmente, puseram esse sonho em mãos erradas, corruptas contumazes, como essas do PT - João Vaccari Neto, Ricardo Berzoini e outros. Depois de tanto tempo, parece que eles estão começando a ser enredados nas malhas da Justiça. Que assim seja. Revolta ver essa gente cometer crimes tão perversos e permanecer impune.

ELIANA FRANÇA LEME

efleme@terra.com.br

São Paulo

Revel

Quer dizer que o sr. João Vaccari Neto, homi da grana do PT (ex-tesoureiro), vaga por quase dois anos sem ser localizado pela Justiça? Mas quando da aplicação da tunga a nós que adquirimos imóveis da Bancoop, o cara estava firme e forte, de bolsos bem abertos para receber o indevido ou desviado! É nas mãos de iguais a esse sumido que o Brasil afunda, deitado em berço esplêndido.

EDIVELTON TADEU MENDES

etm_mblm@ig.com.br

São Paulo

Estelionato

Ainda bem que apesar da demora João Vaccari Neto, ex-tesoureiro do PT e um dos principais responsáveis pelo rombo na Bancoop, está sendo citado por edital. Esse caso sem precedentes deveria encher de culpa os eleitores de Lula no primeiro mandato, cujo financiamento de campanha (mais de R$ 100 milhões) foi feito com desvios dos mutuários. Por causa desses desvios mais de 3 mil pessoas ficaram sem suas casas, compradas com tanto sacrifício. É comum bandidos não serem encontrados para receberem citações, atrasando os processos em anos, já que não se podem defender da roubalheira. Ganham tempo descaradamente e, enquanto isso, os lesados estão vivendo de favor na casa de amigos e parentes porque jamais receberam seus imóveis, totalmente pagos! Esse é apenas mais um dos estelionatos do PT para subir ao poder. E muito ainda virá se o povo não acordar.

BEATRIZ CAMPOS

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

ANS

Esclarecimento

Sobre a questão da disponibilidade obstétrica, tema de artigo publicado em 6/2 (A2), a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) esclarece que os contratos de plano de saúde com cobertura obstétrica vigentes contemplam a realização do parto e de todos os procedimentos a ele relacionados. Assim, qualquer cobrança adicional exigida da consumidora para esse fim constitui quebra do instrumento firmado entre as partes. Para que possa haver essa cobrança é necessária uma mudança nas cláusulas contratuais, que devem ter seus termos devidamente acordados entre as partes.

ISABELLA ECKSTEIN, Assessoria de Imprensa

isabella.eckstein@ans.gov.br

Rio de Janeiro

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

A EFICIÊNCIA DO CONGRESSO

O Congresso Nacional acabou adiando para o dia 19 a votação do Orçamento Nacional para 2013, para que os parlamentares possam curtir os folguedos de carnaval (7/2, A3). Se for considerado que os parlamentares trabalham três dias por semana, têm férias em julho, dezembro (15 dias), janeiro e, agora, alguns dias no carnaval, como encontrarão tempo para analisar e votar os 3.060 vetos presidenciais, a nova Lei do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e a Lei de Greve dos Funcionários Públicos que está à espera por mais de 24 anos? Em suma, a regra geral dos parlamentares é primeiramente cuidar dos próprios interesses e, se sobrar algum tempo, irão "pensar" no que fazer para o povo brasileiro, e que se dane o País! Que lástima!

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

TRABALHO ÁRDUO

Durante o recesso parlamentar, desfrutaram de longas férias. Mal começam a trabalhar, chega o carnaval e lá se vão mais 13 dias de descanso. Além do mais, nada de desconto em seus polpudos vencimentos. Assim são os parlamentares do Brasil, que, por suas pífias jornadas de trabalho, não justificam de forma alguma os astronômicos ganhos que percebem. Tantos problemas nacionais que requerem trabalho do Legislativo e esta letargia revoltante desses políticos que usufruem de tantas benesses com dinheiro publico, sem compromisso de retribuição desejada.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

DESCRÉDITO TOTAL

Orçamento da União para 2013, só depois do carnaval. Isso tudo está dentro do script e a população já está acostumada a ver seus interesses postergados, sempre, para depois da "festa". No caso, os acordos feitos para atender aos seus próprios desejos. As famosas negociações. Ninguém acredita mais em trancamento de pauta, apreciação de vetos, decisões de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), falta de quórum e falta de consenso. A verdade é que, para atender o governo, dando-lhe os recursos necessários, a oposição quer ser "acariciada" e a base aliada quer a redistribuição dos royalties do petróleo. Aí tudo caminhará normalmente, com a maioria do Congresso Nacional mantendo o casuísmo, o corporativismo, a falação desatinada e o atendimento às suas emendas e demais demandas.

João Direnna joao_direnna@hotmail.com

Quissamã (RJ)

*

CONGRESSO NACIONAL

Composição e organograma do Congresso Nacional: 271 picaretas, 165 azulejistas, 81 decoradores de ambientes, 19 fantasmas...

Walter A. Pinheiro aeromedico@aeromedico.com.br

São Paulo

*

EQUÍVOCO SOBRE OS VETOS

A apreciação dos vetos presidenciais se insere no âmbito da atividade legiferante regular do Legislativo e não pode estar sujeita a uma ordem cronológica imposta pelo STF. Aos parlamentares cabe soberanamente dizer se a apreciação de um veto impõe mais ou menos urgência. É possível que um diploma legal tenha sido objeto parcial de um dispositivo eventualmente redundante ou sem importância. Um projeto de lei posterior importante para a nação e que tenha sido objeto de vetos importantes deve ter prioridade em sua apreciação final pela Casa Parlamentar, em conformidade com o prudente arbítrio dos encarregados de elaborar as leis. Logo, a decisão monocrática proferida pelo ministro Luiz Fux, engessando temporalmente a atividade parlamentar, merece ser revista pelo plenário, para que vetos como os referentes ao orçamento de 2013 não permaneçam à espera patológica d e uma ordem cronológica cerebrina e que não decorre do sistema da carta constitucional brasileira.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

DE MAL A PIOR

Concordo, assim como tantos outros leitores, com Roberto DaMatta (Eu não aceito!, 6/2, D8) e também não aceito o Congresso, tal como se tornou, isto é, uma casa de homens com ficha suja e negócios escusos. E também estou de pleno acordo com o artigo de Roberto Macedo, sob o título "O Congresso Nacional, de mal a pior" (7/2, A2), no qual evita chamar o Congresso de "lixão político" para não ofender os coitados que no lixo trabalham, em condições abjetas. A foto que ilustra a manchete do Estado sobre a visita ao Supremo de Henrique Alves (7/2, A1) mostra o seu "desconforto" por desdizer o que disse em sua posse sobre a perda do mandato dos deputados condenados. Um outro fato que chamou a atenção e motivou críticas, foi a participação do embaixador venezuelano em ato de apoio do PT a José Dirceu (7/2, A4). Pior foi o venezuelano dizer que "faz parte das atribuições do representante de outro país conhecer os acontecimentos políticos do país onde está". Infelizmente ele não deve entender muito de diplomacia. Maximilien Sánches Averláiz, o embaixador, nem sequer percebeu que o ato do qual participou era de apoio a um condenado pelo nosso STF. Não foi mesmo "interferência em assuntos internos", deu mais a impressão de "simpatia ideológica".

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

É SÓ ESPERAR

Senhor Roberto DaMatta, o senhor não aceita, nós não aceitamos. O problema está no fato de que os brasileiros que teriam força para acabar com esta situação vexatória e indigna aceitam. Aceitam em troca de dinheiro! Onde estão os formadores de opinião de antigamente, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a imprensa consciente e séria, que antes eram motores das mudanças na sociedade? Estão lá, elogiando políticas carcomidas, fadadas ao fracasso, cantando as glórias de um futuro repleto de projetos fantasiosos, fazendo vistas grossas aos corruptos de todos os naipes, condescendendo com o crime, escondido atrás de bandeiras ideológicas. O fazem muitos por que doutrinados desde a escola, outros por verbas publicitárias e patrocínio, outros por grandes contratos, outros mais por medo da patrulha partidária que vigia e tenta intimidar a todos. O nosso consolo, dos que não aceitam, é sabermos que um país cuja elite pensante dobra-se a quadrilhas e gangues abrigadas sob siglas de partidos, jamais terá futuro algum. É podermos olhar para estes "formadores de opinião" bem do alto da nossa dignidade intacta, enxergando-os finalmente minúsculos e medíocres que são, sabendo o que eles parecem não saber: a História, senhor DaMatta, tem mania de se repetir. Mais dia, menos dia, esta pretensa elite pensante, que hoje se refestela com o dinheiro público, pagará o preço - muito alto, esperamos - pela sua covarde, calhorda e venal omissão.

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

FUTURO SOMBRIO

Vergonha nacional. Lutar ou desistir? As eleições para a Câmara e para o Senado colocam a pá de cal sobre as esperanças. Os arroubos de contestação ao Supremo Tribunal ("supremo" diz tudo, ou dizia?) já são um indicio de que a safadeza chegou ao extremo. E o Supremo fica quieto diante da provocação? E quando os condenados vão finalmente ser presos? Ou não vão? Pobre de nosso povo, tão pacífico, que nem mais consegue se indignar e revoltar. Caminhamos a passos largos para uma ditadura do PT e da malandragem. E a oposição, onde fica? Que oposição? Existe? Não vai demorar e estaremos sendo submetidos às prisões, como acontece aos opositores em Cuba. Triste destino de um país tão abençoado pela natureza.

Martino Thomaz Metzler tmetzler@uol.com.br

Botucatu

*

PODER LEGISLATIVO

É impressionante como nós, o povo brasileiro, nos anestesiamos ao ponto de aceitarmos que dois bandidos sucedam a dois bandidos na presidência tanto do Senado quanto da Câmara federal. Talvez pela característica de não protestar por saber que é inútil, talvez por sabermos no íntimo que somos impotentes quando estamos submetidos a uma maioria que elege esse tipo de gente ou ainda por nutrimos por ambas as casas um desprezo tão grande que fazemos de conta que elas não nos afetam. A verdade é que, quando o PT e seus aliados destruírem nossa economia e voltarmos ao tempo das remarcações imediatas nos supermercados ou quando os apagões nos impedirem de assistir aos jogos da Copa ou quando as bolsas isso e aquilo não forem suficientes para atender às necessidades básicas, talvez haja um sopro de esperança para mudar o status quo. Até lá, vamos levando a nossa vida, nos enojando com esse governo, repassando e-mails de protesto e torcendo para que, de uma forma ou outra isso tenha um fim. E credito à "oposição", também afeita aos conchavos, farinha do mesmo saco, a inércia em nos defender das velhas raposas.

Rosangela de Lima Gatti rosedelimagatti@yahoo.com.br

São Paulo

*

FALTA DE VERGONHA

Os nossos deputados federais vão tirar apenas 9 dias de férias remuneradas agora, no carnaval. E alguns, como Renan Filho, usam verbas de gabinete para pagar serviços de terceiros (advogados)... Mas também não devemos estranhar, afinal de contas, qualquer pessoa normal sabe que filho de peixe, neste caso, peixão é. Uma vergonha é Dilma Rousseff andar de vaqueira compactuando com esta matilha de chacais ou hienas que só querem mamar na enorme teta do Estado. Mas para a saúde, a educação e a segurança sempre faltam verbas. Que país é este? Ou será que é mesmo um país ou um conchavo de interesseiros? PT, que vergonha, quem te viu e quem está te vendo.

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

MANDATOS NO LEGISLATIVO

Ficha suja, ficha imunda, ficha sórdida, seja qual for o adjetivo para o caso, o deputado eleito para presidir a Câmara nos próximos dois anos, Henrique Eduardo Alves, está no exercício do décimo primeiro mandato consecutivo - foi eleito pela primeira vez em 1970. É muito tempo e, certamente existem muitos outros casos iguais - senão a maioria - no Congresso. Não é bom para qualquer país ter a (e fazer da) política uma profissão e, para acabar com esta farra, basta mudar a lei seguindo a mesma regra para os cargos de prefeito, governador e presidente, podendo os senadores, deputados (federal e estadual) e vereadores serem candidatos à reeleição só mais uma vez. Isso provocaria (sempre) uma renovação, o que é bom para a prática da boa - e saudável - política no País, encetando uma predestinação - no sentido de propensão - para novos membros no Parlamento brasileiro. Isso acontecendo, fica uma certeza: o eleitorado em geral irá valorizar mais o seu voto para candidatos para as Câmaras de todas as esferas o que não ocorre hoje, haja vista a eleição de personagens midiáticos que nada tem a ver com a vocação parlamentar, principalmente porque são candidatos os mesmos de sempre.

José Eduardo Victor je.victor@estadao.com.br

Jaú

*

A NOVA PRESIDÊNCIA DO CONGRESSO

Assim como os motoqueiros frequente e impunemente afrontam a lei, acho justo que pessoas muito especiais, como os senadores e deputados, também possam fazê-lo.

Nelson Penteado de Castro pentecas@uol.com.br

São Paulo

*

CASO BANCOOP

O Caso Bancoop começou em 2007, depois que se evidenciaram crimes cometidos na Cooperativa Habitacional dos Bancários (Bancoop) durante a presidência do bancário petista João Vaccari Neto. Cooperados lesados deram o sinal de alerta de que a Bancoop havia sofrido um rombo de mais de R$ 100 milhões, acabando com o sonho da casa própria de pelo menos 3 mil famílias. Até onde levaram as investigações, o dinheiro foi desviado através de triangulação de recursos para empresas de ex-dirigentes da própria Bancoop para financiar campanhas eleitorais do PT desde 2002. Segundo o jornal O Globo de 11/3/2010, foi apurado um pagamento de R$ 1,5 milhão para a empresa Caso Segurança, de propriedade de Freud Godoy, envolvido não só no caso dos "aloprados", como também denunciado recentemente por Marcos Valério como tendo recebido dinheiro do mensalão para pagar despesas pessoais de Lula da Silva. Ontem, o Estadão nos deu conta de que Vaccari Neto, sumido há dois anos, é intimado à revelia através do Diário de Justiça Eletrônico, para que se manifeste na ação em que é réu por formação de quadrilha, estelionato, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro, crimes praticados durante sua gestão na Bancoop. Interessante é notar que, apesar de tudo isso, nada abalou a confiança do PT em sua pessoa, visto que ele foi o tesoureiro da campanha presidencial de Dilma Rousseff e secretário de Finanças do PT. Afinal, cadê o Vaccari Neto? Os cooperados merecem, mais do que uma resposta, uma solução efetiva pelo PT.

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

ONDE ESTÁ O WALLY DO PT?

Donde estará escondido João Vaccari Neto, um dos petistas salafrários que desviaram à cara dura R$100 milhões, dinheiro de cidadãos honesto, muitos dos quais colocaram todas as suas economias no sonho da casa própria? A essa altura deve estar bem longe protegido pelos petralhas de plantão. O roubo aos mutuários da Bancoop está ha seis anos em investigação e enlaçou nessa maracutaia dinheiro para campanha do Lula, o velho conhecido embromador de confiança do ex-presidente Freud Godoy, o ex-presidente do PT Berzoini, entre outros. Vaccari, sempre muito prestigiado pelo seu partido, foge dos oficiais da Justiça que o procuram há dois anos, pois o mesmo é réu nos crimes por estelionato, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e formação de quadrilha. Talvez esse crime, que pouco espaço ocupou na mídia, seja um dos mais graves crimes executado por políticos e seu partido, muito mais grave do que o "mensalão", já julgado.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

COMEMORAÇÃO

O Partido dos Trabalhadores (PT) faz evento em São Paulo para comemorar 60 anos de militância do ex-deputado Ricardo Zarattini. Estranho, se o partido fará 33 anos em 10/2/2013. O ato transformou-se em desagravo aos petistas condenados pelo mensalulão - para João Paulo Cunha, mensalão deveria se chamar "mentirão". Estavam presentes na "festa" Delúbio Soares, José Genoíno, Zé Dirceu e Cunha. É de admirar que, mesmo condenados, circulam livremente por aí, sem nenhum constrangimento e sem nenhuma humildade, o que, aliás, nunca tiveram. Depois do que fizeram ainda querem se transformar em vítimas. Seria melhor que se mantivessem recolhidos em seus cantos e calados. O desplante de dizerem que "querem arrebentar as cinco pontas da estrela do PT", pelo visto querem encontrar um culpado, será que não se olham no espelho? Como a quinta ponta confessaram ser o ex-presidente Lula, então não falta mais nada... Que evento?

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

'MENTIRÃO'

João Paulo Cunha, o ainda deputado condenado por crimes diversos no processo do mensalão, tem total razão quando diz que esse processo deveria se chamar "mentirão". Foram tantas mentiras contadas com a maior desfaçatez pelos protagonistas daquele golpe contra a democracia, a começar pela dele que disse que a sua mulher, que foi flagrada num Banco recebendo a propina que ele embolsou, estava lá para apenas pagar uma conta de cartão de crédito, passando pela desculpa do uso de caixa dois para justificar a dinheirama que comprava congressistas, seguindo com o conto da carochinha que Lula não tinha conhecimento da tramoia, com o Dirceu que não comandou a quadrilha, com o Genoino que assinou contratos sem saber, e com muitas outras mais que, para expressar a quantidade de mentiras envolvidas no mensalão, o termo mentirão deveria passar a ser utilizado.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

CORRUPTOS

Só um partido como o PT pode se permitir à desfaçatez, ao absurdo e desrespeito perante a população brasileira e ao próprio homenageado em aclamar efusivamente José Dirceu, José Genoíno e Delúbio Soares, todos condenados pelo mensalão durante a comemoração dos 60 anos de militância do ex-deputado Ricardo Zarattini.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

DIRCEU, O DESESPERADO

Depois da participação do embaixador da Venezuela no agravo patrocinado pelo quadrilheiro José Dirceu contra sua condenação pelo Supremo Tribunal Federal (STF), fica apenas uma certeza: a Venezuela seria nosso futuro, caso o mensalão não tivesse sido descoberto. Independentemente disso, o descontrole administrativo gestor do governo petralha está caminhando para o mesmo fim que o bufão Chávez levou a Venezuela. O abismo econômico é o mesmo dos países bolivarianos. A receita pode não ser a mesma, mas os fins o são. Quanto mais ignorante o povo melhor para o sonho ditatorial deles. E viva Roberto Jefferson que nos livrou "temporariamente" desta quadrilha!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

APOIO & AFRONTA

Quem diria! O "guerreiro do povo brasileiro" mendiga apoio de um bolivariano animador de velório...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

AS BATALHAS DE DIRCEU

Em reunião do PT num salão de Brasília, o "guerrilheiro" Zé Dirceu, bem à moda Fidel Castro, de punhos cerrados para o alto esbravejou: "não podemos permitir que nossa palavra sela cerceada por aqueles que têm o monopólio da comunicação". Interessante esse monopólio, pois seu brado foi publicado em dezenas de jornais do País. Ele é o mesmo que na época da ditadura se escondeu num armazém no Paraná. Quando o regime militar terminou e, após ter feito operação plástica que lhe alterou sensivelmente o rosto, saiu da toca, amarrou um lenço na testa e à "rambo de salão" se apresentou para guerrear em batalhas nunca havidas. Aliás, a expressão "não podemos permitir" é digna de um verdadeiro "democrata".

João Henrique Rieder rieder@uol.com.br

São Paulo

*

VIOLÊNCIA EM SANTA CATARINA

Até a noite de quinta-feira, às 22h48, já aconteceram 31 incêndios de ônibus em 24 cidades de Santa Catarina. Uma facção do Primeiro Comando da Capital (PCC) que se instala naquele Estado e se denomina PCG comete esses atos. Como o nosso alfabeto contém 26 letras, eles poderão usar uma letra para cada Estado brasileiro. Para o caso de Goiás (onde está Brasília), como já usaram o "G", sugiro que seja utilizada a letra "B", assim o PCB se instala em Brasília. Não cai bem?

Tanay Jim Bacellar tanay.jim@gmail

São Caetano do Sul

*

TERRORISMO

Na minha humilde opinião, as autoridades brasileiras deveriam classificar os bárbaros ataques ocorridos no Estado de Santa Catarina como "atos de terrorismo" e aplicar com urgência as medidas cabíveis, pura e simples. Estão esperando o quê?

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

VIOLÊNCIA GERAL

A violência em São Paulo foi fortemente focada pela mídia, e nem poderia ser diferente, pois tem que informar mesmo. Porem é bom deixar claro que essa "praga" não é exclusiva de nós, paulistas e paulistanos, a coisa tá muito ruim em todo o Brasil, haja vista as barbáries que Santa Catarina está vivenciando. A criminalidade está crescendo de maneira assustadora de norte a sul, e nada... absolutamente nada é feito para endurecer as punições aos criminosos. Só a "lei seca" não vai resolver a questão, é preciso que haja uma ação conjunta das autoridades constituídas, Congresso, governos, OAB, etc. para modificar o velho código penal brasileiro, ou essa anomalia vai se tornar um monstro incontrolável.

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

SANTA CATARINA

Que os santos protejam Santa Catarina do fogo assassino do crime organizado que incendeia e inferniza o dia a dia da população! Amém!

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

MOTOBOYS

?

As decisões dos governos federal, estadual e municipal estão nas mãos dos sindicatos das mais variadas categorias. Os motoboys estão discutindo o início da fiscalização de uma lei assinada em 2009, sendo que as exigências da nova lei são única e exclusivamente para proteger os próprios motoboys, como, por exemplo, antena corta-pipas, aparador de pernas e usar colete refletivo. Em breve, criarão o Sindicato dos Alcoólatras para defender aqueles que querem beber e dirigir seus carros sem serem perturbados por nenhuma blitz que os impeça de assumir o risco de matar um inocente. Os sindicatos precisam de uma lei que limite essas suas decisões impedindo, com obstrução de avenidas de grande fluxo, o direito de ir e vir do cidadão comum. Esse tipo de protesto só faz com que grande parte da sociedade fique contra a categoria, tenha ela razão ou não ("Multa para os motoboys só começa após o dia 20", Estado, 6/2, C5).

Mirna Machado mirna.machado@hotmail.com

Guarulhos

*

DE CIMA PARA BAIXO, SEM DEMAGOGIA

Antes de pegar no pé dos "motoboys", que dão um duro danado para trabalhar nesses infernos urbanos brasileiros, os governantes têm muitas pendências, em caráter de urgência, para resolver. De uma vez por todas, eles têm que aprender a legislar sem criar mais despesas para os contribuintes. Pagar quase R$ 300,00 de Seguro DPVAT não é para qualquer um. Bem aplicado, o valor arrecadado dá e sobra para as seguradoras cobrirem todas as despesas com assistência médico hospitalar decorrente de sinistros no trânsito.

Sergio S. de Oliveira marisanatali@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

MOTOBOYS, OUTRO PONTO DE VISTA

Nós, leitores e motoristas, nem sempre temos a oportunidade de expressar nosso ponto de vista com relação à categoria profissional dos motoboys, calculado em 300 mil na cidade de São Paulo, onde morrem três destes profissionais por dia. Isto significa 0,001%. Será que é pouco? Se alguém dirigir na Avenida 23 de Maio, ou na Marginal Pinheiros, ao redor das 17 horas, irá perceber que a atitude dos motoboys é do típico suicida. Basta um cinegrafista se postar sobre um viaduto ou ponte para comprovar, em vídeo, a que me refiro. Eles trafegam, a mais de 80 km por hora, por entre os carros, em espaços inexistentes, criados em suas mentes. Cortam transversal e inesperadamente a frente dos veículos, quando, de súbito, percebem que não existe mais espaço em linha reta. Nestas manobras ousadas, desprovidas de qualquer segurança e profissionalismo, atingem, com a moto ou bagageiro da mesma, os espelhos retrovisores, as laterais do veículo, parachoques dianteiros e traseiros, e até mesmo outros motociclistas, por vezes dois ou três, de uma só vez. Se isso não for tentativa de homicídio no trânsito, não sei o que isso significa, e gostaria desta informação técnica. Todos os acidentes de moto param literalmente as principais vias da cidade, diariamente, para fins de resgate. Qual o prejuízo para o município? Algum pesquisador da Universidade de São Paulo ou de órgãos públicos ou privados tem os cálculos aproximados? Poderia informar a sociedade? Para ter uma ideia em números destes "suicidas sobre duas rodas", lembro que nos quatro anos que o Japão participou da 2.ª Guerra Mundial, ao redor de 4 mil kamikazes conseguiram seus objetivos. Uma média de mil pilotos morreram por ano em seu trabalho. Na cidade de São Paulo, tomando-se em conta o número de mortes diárias anunciado, temos perto de mil mortes anuais de motoboys. Ou seja, em números absolutos nossos kamikazes são tão bons quanto os japoneses. Viva o Brasil! Se estes fatos não sensibilizam nenhuma autoridade do Legislativo, Judiciário e Executivo, do governo municipal, estadual ou federal, se os motoboys tentam de todas as maneiras se suicidar diariamente, se a associação dos motoboys e suas famílias não têm o menor interesse com a vida de seus associados, filhos, esposos, pais, por que eu, motorista comum, deveria ter?

Paulo Martins pmartins@terra.com.br

São Paulo

*

BABÁ?

Sou a favor dos motoboys. Cada dia o Estado avança sobre nossos direitos individuais e nós aceitamos como cordeiros e ainda achamos bom. Não quero babá.

Nathan J. Churchill njchurchill@gmail.com

São Paulo

*

POLÍTICA E ENCENAÇÃO ATÉ NO TRÂNSITO?

Trabalho nas proximidades da Rua Anhaia, uma das vias selecionadas para escoar o fluxo de veículos que pretendiam atravessar o viaduto Orlando Murgel em direção ao centro da cidade, a partir de 4/2/2013. Permitir a passagem apenas de ônibus pelo viaduto "em prol do transporte coletivo" é uma decisão das autoridades municipais que espelha um total desconhecimento da dinâmica da região (bairro tradicionalmente comercial, com muito afluxo de pedestres e veículos de todos os tipos, inclusive do interior de São Paulo e de outros Estados), além de representar uma atitude demagógica e populista. Houvera o poder público se antecipado às condições de risco da favela instalada há anos abaixo do viaduto, a população que utiliza as vias públicas para chegar ao seu trabalho não estaria se deparando com um aumento de pelo menos 30 minutos nos seus trajetos, causado pela péssima solução de trânsito implantada pela CET, como ocorreu em 4/2. Se o viaduto suporta o tráfego dos ônibus com certeza haveria uma opção mais inteligente a ser adotada, sem ter que recorrer a preocupações com a segurança totalmente falaciosas e mercadológicas, agravadas e estimuladas pelo episódio de Santa Maria. Será este um sinal do que está por vir na administração Haddad?

Meier Strengerowski mauro@opeco.com.br

São Paulo

*

CORREDORES DE ÔNIBUS

Corredores de ônibus são o amadorismo e governo de puxadinhos do PT chegando a São Paulo. Não resolve para ninguém e vai antecipar a parada da cidade que já não anda. Cuidado com as Avenidas 23 de Maio e Bandeirantes, pois são ligações importantes para o funcionamento da cidade. Corredores de ônibus só fazem algum sentido como ligação com outros meios de transportes como trens e metrô que realmente ajudam a população.

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

*

RACIONALIDADE

A foto no Metrópole de 5/2 fala por si só: um par de ônibus e centenas de carros lotando a Avenida 23 de Maio. O que ocorrerá quando uma pista for reservada aos ônibus? É fácil prever: um corredor vazio e o caos no trânsito. É o que ocorre hoje na Avenida Vicente Rao, com consequências muito mais drásticas. O transporte público deve ser favorecido, mas de forma racional.

Edgard Calia ecalia@terra.com.br

São Paulo

*

IMPROVISAÇÕES

Em entrevista à rádio Eldorado, Gilmar Tatto disse que o ônibus, em corredores próprios, pode ser mais rápido que o metrô. Por que outras capitais, como Tóquio, Paris e Nova York, optaram por metrô? São Paulo não merece essas "improvisações" quanto ao transporte público.

Regina Moretti Ferrari ferrari@tavola.com.br

São Paulo

*

LEI SECA ESTÚPIDA

Por que aumentaram o rigor na taxa de álcool no sangue e não na fiscalização? Por que resolveram pegar também os que bebem socialmente? Para que serve as comprovações por olhos vermelhos, fala ou andar de bêbado se, quem bebe socialmente não tem nada disso? Para que encher a cadeia de gente que bebe socialmente em vez de colocar ladrões e assassinos? Com certeza quem fez isso é um recalcado que não bebe nem socialmente.

Ricardo Nobrega cnc.eng@terra.com.br

São Paulo

*

O XISTO DE SÃO MATEUS NO PARANÁ

O Estadão de 6/2/2013) publicou a notícia sobre o estrago ambiental causado com a exploração do petróleo em São Mateus do Sul no Paraná. A informação está errada. Xisto é uma rocha metamórfica na qual óleo e gás não são explorados em nenhum lugar da Terra, porque não os contêm. A Petrobrás já produziu petróleo do folhelho betuminoso de Taubaté (SP) e continua produzindo por exploração do folhelho betuminoso Irati, em São Mateus do Sul, no Paraná, pelo processo de retortagem desenvolvido pela Petrobrás. Nos EUA e em Portugal ocorrem grandes reservas de shale gas que serão explorados onde o custo-benefício for viável, posto que a tecnologia por hydraulic fracturing method já está dominada. Shale é o folhelho betuminoso brasileiro, uma rocha sedimentar semelhante ao doce mil folhas, que em vez de recheio adocicado contém gás e petróleo entre suas camadas. No Brasil há reservas de gás natural em folhelhos da Amazônia que serão explorados futuramente. O petróleo e gás não estarão esgotados em 50 ou 100 anos como propalados por pesquisadores mal informados. Toda e qualquer mineração é uma atividade de risco e causadora de impacto ambiental com a qual a humanidade, dependente de suas matérias-primas, terá de conviver. Portanto, os combustíveis fósseis competirão com energia eólica, solar, elétrica e nuclear ainda por longo tempo.

Evaristo Ribeiro Filho evaldib@uol.com.br

Barueri

*

UM CARNAVAL DE ALEGRIA E PAZ!

Beber não rima com dirigir. No carnaval, se você for beber, alguém irá dirigir seu carro. O carnaval é uma festa da alegria. Mas temos a responsabilidade de não terminar em tristeza. Brinque com equilíbrio e moderação. Não é 8 ou 80! A virtude está no meio. Sua família quer te ver vivo e feliz! Da maneira deles, eles te amam e querem um carnaval de paz. No mais, brincar carnaval não é pecado. O erro está em perder o equilíbrio. Na quarta-feira de cinzas restarão boas lembranças dos carnavais que passaram. Um carnaval de alegria e paz para todos!

Paulo Roberto Girão Lessa paulinhogirao@uol.com.br

Fortaleza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.