Fórum dos Leitores

Atualizado às 8h27.

O Estado de S.Paulo

16 Fevereiro 2013 | 02h06

ENCHENTES EM SÃO PAULO

Selva de pedra

Mais uma vez, São Paulo à beira do caos. Quando é que as autoridades competentes vão tomar providências? Além de terra da garoa, São Paulo agora é terra do solo impermeável. Há prédios e concreto por todo lado, a água não tem mais curso. Resultado: a cidade parada, alagada, congestionada, em estado de atenção e emergência. Fora isso, as famílias desesperadas tentando salvar seus pertences e a vida de suas crianças. Terra de ninguém...

LUIZ FELIPE DIAS FARAH

felipefarah@gmail.com

São Paulo

Caos

Quinta-feira tive de ir a uma consulta médica na Avenida Paulista. Apesar de ser emenda de carnaval, o trânsito já está de volta à cidade. O pior é que choveu torrencialmente nesse mesmo horário. Bom, minha aventura durou cerca de uma hora e meia para voltar para casa, porque peguei meus atalhos e desviei de caminho várias vezes. É impressionante como entra ano, sai ano e nos deparamos com as mesmas situações absurdas: semáforos que não funcionam, ruas alagadas, a 23 de Maio simplesmente interditada no sentido centro, pessoas estressadas, agressivas e apelando para o vale-tudo, entre outras "delícias". Para que pagarmos todos aqueles "is", tal como IPTU, IPVA, além da não extinta Controlar, etc., se não há nenhum retorno para os cidadãos?!

RENATO AMARAL CAMARGO

natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

Arregaçar as mangas

A cidade de São Paulo começou o ano com muita chuva e, como não poderia deixar de ser, enchentes. O novo prefeito precisa rapidamente mobilizar forças para reduzir os percalços, não apenas dos alagamentos, mas do trânsito caótico, com medidas de impacto, dentre as quais o rodízio diário dos veículos, um novo código de urbanização, redução gradual das construções e adaptação dos seus padrões, piscinões em áreas inóspitas, com serviços frequentes de limpeza de bueiros, poda e corte de árvores. O carnaval já acabou, agora é hora de arregaçar as mangas e fazer o serviço que o eleitor lhe confiou.

CARLOS HENRIQUE ABRÃO

abraoc@uol.com.br

São Paulo

Bocas de lobo

Há necessidade de um estudo para aumentar o número de bocas de lobo, pois a distância atual entre elas era para quando tínhamos mais áreas permeáveis. Na rua onde moro, no bairro do Sumaré, o problema foi resolvido com a instalação de mais duas.

ANTONIO CARLOS F. RAINHO

aipiramoderno@ibest.com.br

São Paulo

PETROBRÁS

Confiança traída

Cada vez mais longe da autossuficiência em combustíveis, a Petrobrás traiu a confiança de centenas de milhares de trabalhadores brasileiros que usaram o FGTS para comprar suas ações.

SERGIO S. DE OLIVEIRA

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

Nomeações políticas

A pressão que sofre a administração da ANP para que políticos - muitos deles despreparados até mesmo para a prática da própria política - ocupem cargos na diretoria dessa agência reguladora é uma lástima. Deve-se, em parte, ao fato de a Petrobrás ter sido um verdadeiro cabide de empregos na desastrosa administração de Sergio Gabrielli a complicada situação vivida nos dias de hoje pela empresa.

RAIMUNDO M. B. FONTENELLE

contato@marrocosfontenelle.com.br

São Paulo

JUSTIÇA DO TRABALHO

Anamatra contesta

Sobre a reportagem TCU descobre 'farra dos benefícios' em tribunais trabalhistas e barra repasses (9/2), como presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), esclareço: 1) Os pagamentos feitos aos juízes do Trabalho são decorrentes de uma dívida do período de 1994 a 1997, expressamente reconhecida pelo Supremo Tribunal Federal, pelo Conselho Nacional de Justiça e pela Advocacia-Geral da União. A dívida referida na matéria jornalística foi recebida integralmente pelo Ministério Público da União, por muitos Tribunais de Justiça e por todos os Tribunais Superiores - inclusive o próprio Tribunal de Contas da União (TCU). Apenas os juízes do Trabalho de primeiro e segundo graus estão recebendo a dívida de forma parcelada em quatro pagamento anuais, tendo sido já pagas três parcelas. 2) A forma parcelada de recebimento e a mudança no critério de atualização levaram a pequenas variações nos cálculos, todos já refeitos e regulares, sempre em respeito às fiscalizações ordinárias que o TCU e o Conselho Superior da Justiça do Trabalho fazem nos Tribunais Regionais (TRTs). 3) Assim, os juízes do Trabalho rejeitam qualquer irregularidade geral no recebimento da dívida, que, repita-se, é dos anos 90 e nem sequer foi completamente quitada pela União.

RENATO HENRY SANT'ANNA,

juiz do Trabalho, presidente

da Anamatra

santanna@anamatra.org.br

Brasília

N. da R. - A reportagem baseou-se nas conclusões de relatório do TCU que reitera as irregularidades no cálculo do passivo trabalhista de magistrados e servidores. A legitimidade da dívida não foi objeto das auditorias, tampouco o valor do seu principal. As falhas apontadas são relacionadas à aplicação de porcentuais de correção monetária e juros sobre o principal (conforme o tipo de benefício, foi usado índice de atualização 100% superior). O TCU aguarda o envio de informações pelo Conselho Superior da Justiça do Trabalho, o que permitirá apurar, especificamente em cada TRT, eventuais irregularidades e o montante pago a mais.

IN MEMORIAM

Fernando Lyra

O Brasil deve um minuto de respeitoso silêncio pelo falecimento, na quinta-feira, do ex-deputado pernambucano Fernando Lyra, o primeiro ministro da Justiça após o fim da ditadura militar, responsável direto que foi pelo fim da censura oficial no Brasil, em 1988. Às vésperas de completar inacreditáveis 1.300 (!) dias de censura ao Estadão nosso de cada dia, convém ressaltar que, mais do que nunca, é de brasileiros desse calibre e quilate que o País precisa cada vez mais para enfrentar a corja bandida que dele se apoderou.

J. S. DECOL

decoljs@globo.com

São Paulo

Um dos fundadores do grupo dos Autênticos do MDB, o ex-deputado e ex-ministro Fernando Lyra foi muito perseguido pela ditadura militar e lutou pela democracia de verdade, e não como alguns políticos em evidência atualmente. Foi o autor da frase muito famosa sobre José Sarney, que é válida até os dias atuais: "Sarney é a vanguarda do atraso".

EDGARD GOBBI

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

ESTADOS UNIDOS DA EUROPA

A criação dos Estados Unidos da Europa (EUE), resultado do anunciado acordo de livre comércio entre os EUA e a União Europeia, pode significar o prenúncio de um novo tempo no conturbado cenário econômico mundial. Ao estabelecer a maior zona comercial do planeta, as duas regiões em crise podem se fortalecer num “abraço de afogados” e fazer frente à emergência da China. Já que assistimos a tantas fusões nos últimos anos de grandes empresas em dificuldades, é chegada a hora de uma espetacular “fusão” entre continentes, resultando num gigantesco bloco de países que comungam valores e interesses semelhantes. No salve-se quem puder destes últimos anos de quebras e insegurança financeira, a notícia é das mais auspiciosas, enchendo de novas esperanças milhões de trabalhadores aflitos, jovens desempregados, idosos desassistidos, ministros da economia e chefes de Estado à beira de um ataque de nervos. Boa!

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

UNIÃO DE MERCADOS

Este megamercado que vai se formando com a União Europeia e Estados Unidos, e em cuja esteira entrarão o México e o Canadá, forçosamente fará com que a presidente Dilma Rousseff tome a decisão definitiva de nomear o Sr. Marco Antônio Top Top Garcia a empreender esforços para definitivamente abrir os mercados da Bolívia, Equador e Venezuela e, quiçá, o Paraguai, dado seu potencial de compras em virtude do alto poder aquisitivo de suas respectivas populações. Ora, se a política comercial internacional brasileira foi até agora quase que ideologizada, nada melhor que o referido ministro dar conta desse problema que começa a surgir com essa que será a maior união econômica do planeta. Mais uma vez o Brasil começa lenta e gradualmente a andar não de lado, mas sim para trás. Um verdadeiro desastre... Criamos tantos problemas restritivos ao comércio internacional que em muito breve os problemas decorrentes dessas más decisões estarão batendo às nossa portas.

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

PERDEMOS O BONDE

Enquanto os Estados Unidos e Europa preparam a maior área de “comércio justo e livre pelo Atlântico”, o Brasil continua participando da farsa Mercosul-Celac.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

O PIBÃO CADA VEZ MAIS LONGE

Se sair mesmo esse acordo de livre comércio entre os Estados Unidos e a União Europeia, a economia de ambos será impulsionada, gerando riqueza e empregos para eles. Nesse jogo do comércio mundial, quando alguém ganha, outros saem perdendo e o Brasil será um dos perdedores. Cada vez fica mais difícil acreditar que veremos a recuperação da nossa economia e o tal PIBão prometido por Dilma, especialmente com o despreparado Guido Mantega dando as cartas.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

NA CONTRAMÃO DO BRASIL

Em sã consciência dá para desprezar um acordo de livre comércio com a zona do euro e os EUA, que juntos têm um PIB colossal de US$ 28,4 trilhões, ou 46% do mundial?! Até uma criança ou adolescente não cometeria tamanha atitude retrógrada que o PT de Lula insiste em não firmar por cauda de uma ideologia que ficou bem nos destroços do Muro de Berlin... Mas, como o mundo não é para os nada inteligentes, os EUA e os 17 países da zona do euro já estudam a formação de um megabloco comercial, com ampla possibilidade de sucesso, e que também fará frente certamente ao avanço da China ao mercado mundial, principalmente porque este país asiático ainda é governado na base da foice e do martelo. Mas, voltando à terra tupiniquim, é bom lembrar aos petistas que os nossos vizinhos do continente, Peru, Colômbia e Chile, fazem parte deste bloco, e seus PIBs, em 2012, cresceram 5 vezes mais do que o do Brasil. E esses governos também não perdem tempo para reclamar dos EUA, ou dos europeus, sobre tsunami de dólares no mercado, e tampouco da crise que atravessam! Simplesmente não embromam suas sociedades e trabalham com seriedade, porque com essa expectativa seus eleitores lhes auferiram seus mandatos. A nós, brasileiros, só resta chupar os dedos de inveja, ou, em 2014, dar uma boa resposta nas urnas, colocando o fim do sonho do PT de se perpetuar no poder.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

O BRASIL E OS RUMOS DE OBAMA

O caminho para os EUA e demais nações europeias ainda é o retorno à “doutrina Monroe”. As necessidades do povo americano não são as mesmas dos povos europeus, nem asiáticos, nem latinos e nem africanos, o “economês” está colocando tudo no mesmo saco, formando o balaio de gatos de que dinheiro resolve tudo, e não resolve os próprios problemas do dinheiro. A terceira grande crise está aí para estourar, e com ela a terceira grande guerra, como nas duas primeiras. Só politiqueiro economês burro não vê o óbvio. No caso do Brasil petista, continua uma republiqueta de segunda categoria, e o interesse das grandes nações está mais voltado para os interesses das multinacionais aqui instaladas do que pelas burrices petistas.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

INFLAÇÃO

Além das bazófias, bravatas, fanfarrice e gargarejos dos donos do pudê, das invectivas contra a mídia golpista e de “patriotadas” sem muito sentido, existe algo razoavelmente forte, isto é, as estatísticas do IBGE. Como dizia Jô Soares, num quadro no qual personificava o professor Sardinha (alusão nada sutil ao ministro Delfim): “Meu negócio são números”. Para o IPCA isso funciona assim. Saem os valores mensais de 2012 e entram os de 2013. Estamos em 6,1543% no acumulado de 12 meses terminando em janeiro. Vejamos o resto da série dos cinco meses restantes do primeiro semestre de 2012: Fev (0,45); Mar (0,21); Abr (0,64); Mai (0,36); Jun (0,08). São os índices a serem batidos – no caso, bater significa ficar aquém. Tirando abril de 2012 com inflação mais “gorda”, não é impossível que os demais índices sejam ultrapassados este ano (tomara que não). Isso não é tsunami, é Aritmética, gente. Claro que é possível dourar a pílula com séries temporais do preço do tomate, com alisamento de curvas, médias móveis do preço cobrado pelos barbeiros, importar motoqueiros argentinos (aumentar tarifas de transporte coletivo nem pensar), rezar para que a diminuição das tarifas de eletricidade impacte além do previsto (impactarão um mês, e depois?), mas, ao fim e ao cabo, tudo se resumirá num entra-sai de índices. Próxima parada: o teto furado em junho?

Alexandru Solomon alex101243@gmail.com

São Paulo

*

EM ALTA

Índice da inflação em janeiro é a maior em 8 anos. E o índice de aprovação do governo Dilma também continua subindo?

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

O DEDO E O BRASIL

A presidenta Dilma quebrou o dedo do pé nas escadas de onde estava hospedada no carnaval, o que motivou a sua não ida a Pernambuco, certamente pata tentar demover Eduardo Campos, governador (PSB), de ser candidato à Presidência da República. Boa oportunidade para pensamentos e reflexões, especialmente agora quando a inflação está subindo e o descontrole das contas públicas é grande. Também é uma boa oportunidade para estudar o que colocará no lugar do tripé (câmbio flutuante, superávit primário e metas de inflação), porque fez questão de desnaturá-lo e de menosprezar a sua importância. E que fique sempre a lembrança de que o dedo do Brasil é muito grande e nunca deverá ser quebrado!

José Carlos de C. Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

O ENGODO

Será que agora a população vai começar a entender que foi vítima de um engodo? Inflação em alta descontrolada, produção industrial em queda, quebra da Petrobrás, e por aí vai. São tantas as mentiras contadas pelo sujeito que ocupou a presidência durante 8 anos – e agora pelo poste que o sucedeu – que nem ao menos sabemos por onde começar a relação. A proclamada autossuficiência brasileira em termos de petróleo nunca esteve tão longe. E cada vez se distancia mais. Mas o pusilânime – apoiado pela propaganda petista – fez festa com as mãos sujas de óleo. Mentiu, como sempre o fez. Desde os tempos de trabalhador (?) até os dias de hoje. Lula, ao invés de contar suas estórias, por que não faz parte da história e abre o jogo contando tudo o que de podre sua camarilha executou no poder? Vamos lá. Seja homem ao menos uma vez na vida!

Geraldo Roberto Banaskiwitz geraldo.banas@gmail.com

São Bento do Sapucaí

*

E QUANTO AOS JUROS...

O estrago está feito. Segundo comentários de agentes econômicos, está abatida a credibilidade do nosso Banco Central (BC), aqui e no exterior. É uma péssima noticia. O fato prejudica políticas de controle de inflação e poderia ter sido evitado pela presidente Dilma e o ministro Mantega. A questão é grave, tendo em vista que este ano é pré-eleitoral, haverá crescimento da inflação e mais grave ainda, a correção via aumento de juros, a mais eficaz, provavelmente não será autorizada. Assim como por motivos eleitorais não autorizou aumentos dos combustíveis levando a Petrobrás ao nocaute financeiro, a presidente deverá ter a mesma postura “no que se refere” ao aumento de juros. Não autorizará, e como o BC não tem autonomia poderá advir um período de desastres para a economia, como aqueles que assistimos no governo Sarney. Quem manda na economia é uma economista que não chegou ao mestrado, embora tenha tentado e mentiu que havia realizado. É assistida por um ministro cuja melhor qualificação foi de não mexer no Plano Real, do qual era contra, mas em obediência à ordem de Lula. Nossa esperança é de que o presidente do Banco Central, que já deu um sinal de inconformismo à presidente e ao ministro, consiga convencê-los.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

COMPARAÇÕES’

Sob o título “Comparações” (Fórum dos Leitores, 15/2, A2), o leitor Sr. Maurício Nardi Jr. faz um paralelo nada representativo, na forma como foi feito. A comparação do lucro médio da Petrobrás, nos governos FHC e Lula/Dilma não diz nada. Tanto é que o valor “de mercado” da Petrobrás cai pela metade, em 2012. Compara a inflação média nos dois períodos, em cenários totalmente diferentes, também nada significa. Interessa, sim, saber qual o nível de inflação no início de cada governo e qual o do final de cada governo. Dar em valores absolutos e relativos. O leitor Mauricio Nardi Jr. fez algumas comparações, escolhidas a dedo, para concluir dando parabéns à presidente Dilma. Maurício parece dispor de muitos dados estatísticos, que ele usa de maneira seletiva, e apresenta resultados que não significam nada. Comparar lucro da Petrobrás em valores absolutos, quando o capital da mesma cresceu enormemente, em parte à custa do FGTS dos trabalhadores ardilosamente induzidos a investir – com segurança (?) – na maior empresa do Brasil, e outra parte, graças ao capital do BNDES formado à custa do enorme endividamento interno, não diz nada. Compare os valores de lucro em termos de percentual do capita da empresa. Outra comparação despropositada é a da inflação média no governo FHC e no governo Lula/Dilma. Deve o sr. Maurício saber que FHC encontrou um cenário de inflação de quase três dígitos por mês, e entregou ao seu sucessor inflação de coisa de 10% ao ano. A comparação honesta seria de quanto cada governo reduziu a inflação. Maurício, pessoa bem informada, passou ao largo do montante das dívidas externa, sobre a qual FHC foi muito criticado pelo PT, vale dizer, por Lula e Dilma, e nada diz também sobre onde está nossa divida externa, hoje, e a dívida interna, que já atinge R$ 2 trilhões, como se comparam, nos dois governos. Apreciaria, e penso que muitos outros cidadãos também, que Maurício fizesse as comparações reclamadas.

Mario Helvio Miotto mhmiotto@ig.com.br

Piracicaba

*

BOM PARA ELES

Meu caro leitor Mauricio Nardi Jr., saiba que o ex-presidente, antecessor da criatura (dele) que aí está, passou uma lábia nos trabalhadores motivando-os a investir o FGTS em ações da nossa Petrobrás vendendo, para todos, uma ficção artificiosa do tal pré-sal (Era para estar preso o desgraçado!). Sabe o que aconteceu? Quem caiu na sua verbosidade já perdeu 38% – podendo perder ainda mais este ano – do suado e abençoado dinheiro do FGTS, ou seja, quase a metade do que foi investido nessas ações já foi para o espaço. Como você disse, a Petrobrás vai bem, sim, bem para os petralhas (acomodados com salários estratosféricos) que destruíram a empresa por uma incompetência jamais vista na outrora considerada uma das maiores petrolíferas do planeta.

José Eduardo Victor victorjoseeduardo@gmail.com

Jaú

*

OPOSIÇÃO, PELO AMOR DE DEUS!

Pior que o descalabro moral e ético dessa caterva que, por hora, se mantém no poder é o silêncio de uma oposição que pelo visto não tem nada de inocente. Se não é covarde, é cúmplice. Basta um mínimo de bom senso para ver o desmantelamento do Brasil: volta da inflação, malandragens contábeis, estatais “quebradas”, megaobras superfaturadas nem sequer concluídas, e os inaceitáveis fichas sujas na presidência das casas de nosso Congresso Nacional. Nosso? Há muito deixou de ser! Representatividade zero aos anseios do povo! Cínicos, os corruptos da vez se acham ungidos pelo voto do desavisado! Não fosse a mídia, a mobilização via internet, as poucas e cada vez mais raras vozes de homens decentes que clamam por dignidade e ética no trato da coisa pública, estaríamos muito mais sós. Motivos não faltam para uma sólida reação. Mas nada, silêncio!

Dá raiva, dá pena. E por falar em pena, lembrei-me de certa oposição que infelizmente não passa de um bando inútil de bípedes implumes, todos bicudos que não se beijam. Uma oposição que se foi, sem nunca ter sido. Pena, muita pena!

Gloria de Moraes Fernandes glorinhafernandes@uol.com.br

São Paulo

*

POLÍTICOS E PROSTITUTAS

Permitam-me a transcrição literal de um trecho de Fernando Gabeira, que pode se diluir “no bojo” (Estado, 15/2, A2): “(...) Não estou comparando os políticos às prostitutas. Seria injusto para com certos políticos e prostitutas. Digo apenas que ambos estão expostos, elas física, eles virtualmente. Com a bunda de fora, muitos ainda não se deram conta de que estão na vitrine. Não pensam no futuro, na rejeição popular, nos problemas que trazem para suas próprias famílias. Alguns deles, em breve, não poderão frequentar lugares públicos nas metrópoles brasileiras. Terão de viver uma realidade separada. Seus jatinhos decolam e aterrissam discretamente, seus percursos urbanos serão feitos de helicópteros. Tornaram-se pássaros e vão flutuar na atmosfera por algum tempo, até que uma tempestade os jogue no chão enlameado”.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

MARINA SILVA, CHEIA DE MORAL

Marina Silva, toda cheia de moral dentro do seu novo partido e pré-candidata à Presidência em 2014, diz que não aceitará financiamento de campanha de indústrias de bebidas e cigarro, provavelmente já de olho nos eleitores evangélicos. Grande coisa! Queria vê-la mesmo seria abrir mão das empreiteiras, tradicionais responsáveis pelo caixa dois dos partidos! Aí, sim, ela mostraria estar disposta a não entrar no jogo sujo da política, inaugurando quem sabe uma nova era mais limpa e justa para com o povo brasileiro. Marina Silva já começou dando nó em pingo d’água!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

MAIS UM

Marina Silva irá lançar um novo partido político... No Brasil, partido político é igual pardal, tem em todos os lugares!

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

PARA QUE PRESTAM OS PARTIDOS

Lembro-me do tempo de faculdade quando um amigo, na ocasião, militante de um importante partido político, dizia: “Se partido fosse bom, meu caro, não seria partido, mas inteiro”. Com essas breves palavras ele conseguia resumir, há 20 anos, o que hoje parece ter chegado ao fundo do poço. Ou seja, o objetivo dos partidos já não serve mais ao conjunto da sociedade. Eles têm donos e servem aos amigos do dono. São todos farinha do mesmo saco, não há exceções, e precisam de uma faxina, de cabo a rabo. Isso por que são eles os responsáveis por quem entra e por que permanece na política, é pela porta da frente deles que os políticos nascem, fracassam, ou prosperam. Os que têm vocação, são idealistas e honestos, mas também os que têm dinheiro e motivações escusas, por vezes questionáveis. A democracia permite a qualquer um, o que não deveria ser para “qualquer um”... Portanto, são eles que definem o futuro do País e não podem ser fisiológicos nem tampouco trampolim para oportunistas chegarem ao poder. Devem ter identidade, ideologia e precisam ter consciência das suas responsabilidades. Precisam estar perto do povo sempre, e não apenas às vésperas das eleições de 2 em 2 anos. Precisam urgentemente passar por uma reforma.

José Aparecido Ribeiro jaribeirobh@gmail.com

Belo Horizonte

*

PARTIDOS DEMAIS, ÉTICA DE MENOS

Foi mais uma decisão oportunista tomada pela ex-senadora Marina Silva, de ter deixado o Partido Verde logo após as eleições de 2010, em que concorreu obtendo quase 20 milhões de votos para a presidência da república, só ficando atrás do tucano José Serra e da eleita no segundo turno a presidente Dilma Rousseff (PT). Dizem que a ex-senadora vai fundar um novo partido para concorrer novamente em 2014. Porém, gostaria de ressaltar que já temos no Brasil 30 partidos legalizados, então para que fundar um outro? O problema é que se criam no Brasil partidos como se muda de roupa com falsas alegações de estar criando algo diferente dos atuais. O que deve prevalecer é o conceito ideológico, programático e tudo o mais que pode fortalecer as instituições caindo por terra, e acabam sendo como se trocar seis por meia dúzia. O que tem de ser criado são novas consciências, novas visões de governar deixando de lado o clientelismo, o assistencialismo populista que trata as pessoas como gado tangido para o curral. O povo não precisa de mais partidos, e sim de novas lideranças éticas, honestas e acima de tudo comprometidas com o povo e com o país. Para que o novo partido que será possa disputar as eleições em 2014, o processo tem de estar finalizado um ano antes das eleições, ou seja, até o dia 4 de outubro. Perguntar não ofende: Por que criar mais um novo partido, se já temos 30 legalizados? Querem criar um novo partido ou um partido com viés religioso? Essa é a impressão que fica.

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

O TOMA LÁ DA CÁ DA NOSSA POLÍTICA

Para qualquer cargo indicado em qualquer governo, federal, estadual ou municipal, o que menos importa é competência. Obviamente, isso se dá porque o dinheiro que paga os altos salários dos apadrinhados vem dos cofres públicos, e “não tem dono”, como pensa uma grande maioria. A única exigência para ser nomeado chama-se fidelidade, ou, o nomeado deve obedecer sem questionar, porque, quem não tem competência não questiona, apenas, obedece. Então, nada mais justo, dentro dessa política chamada “fidelidade”, que “Alckmin demite chefe de autarquia que apoiou Russomanno” (7/2, A6). O que ficou estranho foi o deputado Campos Machado afirmar que “as demissões foram uma vingança contra o PTB”, e, por esse motivo ele, deputado Campos Machado, vai “fiscalizar com lupa” a Secretaria de Justiça e Defesa da Cidadania, responsável pela escolha dos superintendentes do Ipem. A indignação por tal afirmação está na ausência de sutileza que deu lugar à transparência escancarada do “toma lá da cá”. É o Legislativo esquecendo que foi eleito para fiscalizar o Executivo; esquecendo que os eleitores querem “fiscalização com lupa” sempre, e não apenas quando apadrinhados são demitidos. Não fosse a Imprensa livre, que em suas entrelinhas traz à tona os maus políticos, os eleitores continuariam sem conseguir separar o joio do trigo.

Mirna Machado mirnamac@uol.com.br

Guarulhos

*

A RENÚNCIA DO PAPA

Luís Fernando Veríssimo foi particularmente infeliz em seu último texto (“’Drones’ e o papa”, 14/2, D10), que, além de demonstrar imenso, gigantesco desconhecimento, faz piadinha com o dogma da infalibilidade papal. Se ele não acredita no dogma, está no direito dele e não é obrigado a ser católico. Mas isso não lhe dá direito de fazer piadinha com dogma acreditado por milhões de pessoas, dentre as quais me incluo. Revela falta de maturidade do colunista e do veículo de comunicação desrespeitar e zombar da fé de seus leitores, atribuindo-se um patamar de racionalidade superior. Isso sem falar na falta de preparo e desconhecimento da articulista, pois o papa só goza de infalibilidade quando se pronuncia “ex cathedra”, com o propósito específico de definir uma questão doutrinária. Recomendo, pois, mais preparo, mais maturidade ao articulista e a esse veículo de comunicação, como também maior respeito à liberdade e ao sentimento religioso dos seus leitores e assinantes, que, certamente, não abrem as páginas do seu jornal para ser ofendidos.

Paul Medeiros Krause paulmedeiroskrause@gmail.com

Belo Horizonte

*

RELIGIÃO E PODER

Estamos todos cientes da íntima relação entre a religião e o poder que rola há séculos no Vaticano, e que veio agora culminar com a renúncia do papa Bento XVI. Séculos de politicagem podem explicar esse desfecho. Enquanto os homens forem homens, não importa as roupas que usem ou os títulos que ostentem, continuarão contaminando o mundo com sua ambição e sordidez.

Anita M. S. Driemeier lindyta9@gmail.com

Campo Grande

*

BATINA/FICHA LIMPA

A falta de ética e compostura profissional parecem estar arraigados nesses dias de incertezas que o ser humano de bem chega a duvidar da raça humana. Aqui, todos se incomodaram com a possibilidade do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) abarrotado de processos durante a sua carreira política, vir a ocupar a presidência da República, tudo de acordo com a Constituição. Do Planalto ao Vaticano, as coisas não estão diferentes. Um cardeal, Roger Mahony que durante 25 anos acobertou o abuso sexual de 500 meninos na região de sua arquidiocese, Los Angeles. Em 2007 a Igreja já havia gasto mais de US$ 600 milhões em acordos com as famílias das crianças. Segundo o Washington Post, o cardeal Roger Mahony tem sorte de não estar preso, pois não há dúvida de que comandou uma operação para encobrir o abuso sexual de clérigos em Los Angeles. O cardeal caiu em desgraça e muito acreditam que ele não deveria participar do conclave. do Vaticano Esse escândalo abalou os alicerces do trono de São Pedro com mais intensidade do que as 95 tese afixadas na porta da Abadia de Wittenberg, no dia 31 de Outubro de 1517, pelo monge agostiniano, Martinho Lutero. O cardeal Roger Mahony é um “batina suja”, que juntamente com os nossos “ficha suja” deveriam ser banidos do convívio dos “ficha-limpa”.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

FIM DO HORÁRIO DE VERÃO

À meia noite de hoje (16/2) terminará o horário de verão, e certamente as autoridades virão a público para afirmar que o período proporcionou economia de energia e vários milhões de reais, etc. etc. A verdade mesmo é que, se houvesse rigor no controle do dinheiro público em projetos como o da transposição do Rio São Francisco, o País construiria uma usinas hidrelétricas como a de Itaipu por ano, e não haveria necessidade dos tais cansativos horários de verão.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

FAVORECIDOS

Finalmente acaba o horário de verão. Para quem não sabe, não levanta cedo, desde a primeira semana de janeiro 6 horas da manhã é noite escura, prejudica quem trabalha, além de aumentar o consumo de energia, prova de que a tão falada economia de energia é uma balela, que só favorece setores improdutivos do Brasil. Exemplos: Congresso Nacional, funcionalismo público e juízes em geral.

Jose Mendes josemendesca@ig.com.br

Votorantim

*

ENFIM!

Adeus, horário de verão. Já vais tarde e não voltes mais, e leve junto o cabeção que te copiou e te criou.

Adeus!

Domingos de Miranda Gonçalves dmg.08@uol.com.br

Arujá

*

VIOLÊNCIA: SANTA CATARINA E SÃO PAULO

Santa Catarina e São Paulo estão sendo vitimados pelo crime organizado com ordens emanadas de seus “escritórios” localizados dentro das cadeias, inclusive das de “segurança” máxima. Por que a preferência por estes dois Estados e como estes bandidos fazem coincidir seus intentos com o do ambiente político? Isso é quase um mistério, mas só quase! Pode-se falar que justamente neles as polícias são eficientes no combate ao tráfico de armas e drogas e irritam os criminosos, mas não é esse o ponto de coincidência entre ambos. Eu, por exemplo, sei que, afora os crimes usuais que afetam os brasileiros diariamente, não veremos, por exemplo, no Rio Grande do Sul – governado por Tarso Genro, do PT – os ataques típicos de guerrilha urbana que estão sendo travados nestes dois Estados citados. Em Santa Catarina, estado governado por Raimundo Colombo, ex-PFL e atualmente filiado ao PSD de Kassab, mais de 30 cidades já foram vitimadas nesta onda de violência pelos criminosos, e hoje eles comemoram o seu 100.º ataque desde o início de janeiro. Comemoram, eu enfatizo! São Paulo já passou por isso e ainda passa e passará, pois até 2014 ainda veremos muitos atos de vandalismo e morte neste estado. Tudo porque é necessário desconstruir os governos dos adversários do PT justamente atacando as áreas em que eles se destacaram nos últimos anos: a segurança, e tudo tem de ser feito em ações midiáticas que certamente serão aproveitadas nos programas de TV das campanhas petistas para governador destes dois estados. Só quem não sabe somar 2 com 2 é que não enxerga esta obviedade que bem traduz os métodos utilizados pelos políticos petistas. Até quando parte da população de classe média se deixará encantar pelo canto de sereia deste partido ou de seus aliados ideológicos? Até quando não enxergarão que a entrada de Marina Silva foi estratégica na última campanha presidencial, captando 20 milhões de preciosos votos apenas para dividir os votos da oposição e fortalecer a campanha da Dilma? E Paulo Skaf, da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), o que acham que ele está fazendo usando espaço na TV para sacramentar as decisões inócuas de Dilma? Gente, ou acordamos ou seremos engolidos de vez pelo PT por mais quantas décadas?

Acorda, Brasil!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

DO ‘SOMBRA’ A LULA

Muito estranha essa onda de violência em um pequeno Estado como Santa Catarina! E em várias cidades, inclusive – e principalmente na também pequena e bela Florianópolis! Pergunto-me, e a todos vocês, brasileiros patriotas e lúcidos: O que haverá por trás dessa absurda onda de maldade e crueldade?! Se tivéssemos a figura fantástica de um personagem como o “Sombra”, do antigo seriado do cinema, poderíamos afirmar: “O Sombra sabe”. Mas aqui, no Brasil, onde Lula é o nosso profeta, sabemos que ele dirá: “Não sei de nada”. Enquanto isso, a educação, a saúde, a segurança e a moradia de grande parte da população brasileira continuam manipuladas pelos interesses politiqueiros e de “pudê” dos “brilhantes políticos” danação – por favor, não leiam “da Nação”.

Sagrado Lamir David david@powerline.com.br

Juiz de Fora (MG)

*

CHUVAS EM SÃO PAULO

Mais um dia de transtorno para o paulistano por causa das chuvas. É assim há anos, e ninguém faz nada. Este é o seu retorno, eleitor paulistano, pelos que você coloca para administrar a cidade e o estado. Não é isso que você espera quando vota nos seus escolhidos, mas está aí o que lhe oferecem. A cidade continuará igual ou pior, ou vocês acham que o PT é expert em administração? Fica o Estado dividido entre o PSDB e o PT. O PSDB não sabe o que quer ou fazer. Fica orbitando, há anos, entre José Serra e Alckmin, e agora aparece o Aécio. Será que é isso que o eleitor quer? Qual a bagagem deles? Excluindo o José Serra, que tem contra a antipatia, os outros têm o quê? Do PT nem precisa falar. A incompetência é marca registrada do partido. A condição sine qua non para pertencer aos quadros do PT é ser incompetente. QI abaixo de 80. É uma pena. O paulistano não merece isso. E numa visão ampliada, nenhum cidadão merece passar por isso. O carioca também passa por isso, todos os anos, e repete o voto nos mesmos. Em Belém (PA) há poucos dias teve enchentes. Perguntar o que fazem os prefeitos seria perguntar demais? Darão a resposta padrão: estamos trabalhando para resolver o problema.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

TELEMAR E O CRÉDITO FURADO

A Telemar, que virou Oi e que acabou tendo como sócio o BNDES – tanto foram os recursos lá injetados –, agora é multada pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) pelo não cumprimento de metas exigidas para o bom atendimento de suas funções. Apenas para lembrar, a concessão de crédito tem como componente não somente os números apresentados para análise e sua consequente concessão, mas tem ainda o componente denominado caráter de quem toma o recurso, na certeza de que haverá o repagamento. Pelo visto o caráter não foi bem analisado pelo lado do tomador e pior ainda, pelo lado de quem o concedeu. Com a palavra o maior prejudicado, o BNDES e, por tabela, o povo brasileiro.

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

MULTA X PAGAMENTO

A notícia de que Anatel multou a Oi em mais de R$ 34 milhões pode até impressionar. Entretanto, efeito midiático à parte, alguém pode garantir que este valor será realmente pago?

Odilon Otávio dos Santos

Marília

*

FALTA MUITO

A declaração da Anatel de que vai exigir mais qualidade nas ligações de telefones fixos sugere que a qualidade das ligações dos móveis já foi corrigida.

É muita cara de pau.

Ulysses Fernandes Nunes Junior twitter: @Ulyssesfn

São Paulo

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.