Indústria quer mais firmeza para investir

Embora a produção da indústria paulista tenha registrado em abril o crescimento animador de 2,6% em relação a março, segundo o IBGE, os empresários ainda estão cautelosos quanto a novos investimentos para expansão e modernização, em face de uma demanda muito desaquecida. Recente levantamento feito pelo Departamento de Competitividade e Tecnologia (Decomtec) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) com 1.120 empresas indica que 56,6% delas declararam não ter feito investimentos em 2015 e 73,2% disseram não ter intenção de fazê-lo até o fim do ano.

O Estado de S. Paulo

24 Junho 2016 | 03h00

A estimativa é de que o investimento da indústria de transformação deve somar neste ano R$ 48,4 bilhões, pouco menos da metade (50,4%) do que foi aplicado em 2015. Pelos cálculos do Decomtec, a formação bruta de capital fixo deve cair de 18,2% do PIB em 2015 para 17% do PIB em 2016.

O levantamento foi realizado antes da posse do presidente em exercício, Michel Temer. Hoje há mais otimismo, disse o diretor do Decomtec, José Ricardo Roriz Coelho, mas os dados e o cenário que balizaram a pesquisa não se alteraram. 

As empresas ainda não se sentem seguras para fazer investimentos, em razão do baixo retorno esperado.

É natural que as indústrias aguardem que a reação do mercado configure uma tendência firme, antes de planejar novos investimentos. Persiste o temor de um recuo da demanda, que induz o setor industrial a adotar uma estratégia defensiva, procurando concentrar-se na redução de custos e no aumento da produtividade, como observou Roriz Coelho. 

Com o alto custo do dinheiro, a melhor opção à disposição das empresas manufatureiras para investir em máquinas e equipamento é o uso de capital próprio. A pesquisa prevê que 74% dos investimentos fixos em 2016 devem provir de recursos próprios, mas a margem de disponibilidade desse capital se vem tornando mais estreita, devendo recuar de 4% para 2% do faturamento.

Além desses fatores, há incertezas ligadas ao quadro político-econômico. Por exemplo, uma nova política econômica já foi delineada, mas há incertezas quanto à sua implementação na prática, agravadas por não ter sido ainda resolvida em definitivo a questão do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. 

Pode haver melhora no segundo semestre, mas, pelo visto, os empresários voltam suas vistas para 2017.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.