Informação precária, escolhas medíocres

A frase, infeliz, de Fernando Henrique "não é porque são pobres que apoiam o PT, é porque são menos informados" a rigor deveria ser oferecida, para comentário, aos candidatos a uma vaga num curso de pós-graduação, teórico, sobre comportamento eleitoral.

OLIVEIROS S. FERREIRA, O Estado de S.Paulo

27 Outubro 2014 | 02h04

O cientista político quis apenas dizer que o militante pode errar quando analisa a situação político-eleitoral usando instrumentos teóricos obtidos com uma visão estreita da sociedade e do comportamento individual em momentos de decisão. A frase não afronta o sociólogo, pois este é quem poderá afirmar que não é a condição socioeconômica o que determina o voto, mas sim um conjunto de elementos que moldam a maneira de o eleitor ver o mundo e avaliar os candidatos e a solidez de suas promessas. Um sociólogo destemperado diria: "É a visão do mundo, a ideologia, estúpido!".

A reação de Lula deve ter levado Fernando Henrique a concluir que o professor não deve querer dar aulas aos eleitores em época de eleições. As palavras serão mal compreendidas e atribuídas ao amigo do candidato ou ao próprio candidato. Mas não é a reação de Lula o que interessa.

A frase dita é o que merece atenção na medida em que destoa do pensamento corrente (e coerente, nas previsões dos que trabalham com Sociologia Eleitoral obrigando-se a buscar nas condições socioeconômicas dos eleitores as razões de um voto a favor ou contra candidatos que defendem ou combatem o status quo). O curioso, em algumas análises desse tipo, é que não se avalia a adequação do discurso à realidade que seria mantida ou alterada. O que vale é a ideia que se faz da posição social do candidato, não de sua conduta enquanto governo, no passado, ou de seu programa para o futuro.

Se nós, analistas de situação por profissão, cometemos enganos desse tipo, seria de estranhar que o eleitor tomasse gato por lebre?

Tomará - e muitas vezes até dirá que o guisado está bom de gosto - e recomendará o prato aos amigos porque as pessoas que reputa importantes demonstram ter igual paladar. Com o que nunca será possível esperar que os votos correspondam a uma visão coletiva da realidade ou que o comentário do analista corresponda aos fatos. Mais grave: na medida em que o analista merecer algum crédito, sua visão distorcida da realidade se difundirá e, passado algum tempo (não muito!), será voz corrente que o importante é saber se o eleitor é patrão ou é empregado, e não como ele vê o País, o processo político e a realidade socioeconômica. É, apesar de tudo, uma visão do mundo que decorre das informações (não são outra coisa) que o analista soube arquivar. Na pasta errada, convenhamos, pois a visão do mundo que elas permitem que ele tenha é, à falta de outro termo, uma visão falha, obreirista, como se dizia de posturas no passado.

Ninguém negará a influência que o status tem na origem e mesmo na formulação de ideias e na procura (?) do comportamento adequado. Silone nos diz, em seu belo romance Fontamara, da descrição que os cafoni (camponeses) fazem de sua existência e de suas relações com o proprietário - seria antes o "senhor" - da terra: o chefe de todos é Deus, senhor do céu; depois vem o príncipe Torlonia, senhor da terra; depois vêm os guardas armados do príncipe Torlonia; depois, ninguém; depois os cachorros; depois, ainda ninguém. Depois, vêm os cafoni - os camponeses - e fim. Silone não insiste na determinação do pensamento pela posição socioeconômica. Mostrará, ao contrário, como a convivência com um estranho vindo da cidade acrescenta novas informações às que os camponeses têm de seu dia a dia, permitindo que alguns vejam de outra maneira sua situação e resolvam modificá-la, fazendo um jornal que, após cada denúncia de abusos, lançará a pergunta: "Que devemos fazer?". Os cafoni continuam sendo camponeses - estarão, no entanto, mais informados.

Chamando a atenção para a importância da informação (depois de processada, a concepção do mundo, a ideologia em sentido amplo), a frase de Fernando Henrique é relevante e merece ser discutida, inclusive na universidade. A quantidade de informação, ou a visão das coisas que se constrói depois de processar todas as informações que recebemos na vida, porém, não nos altera necessariamente o grau de consciência da realidade.

E não será fácil alterar o parâmetro de análise. Uma dificuldade, de pronto - somos levados, obrigatoriamente, a nos perguntar: a "informação" oferecida ao público não estará marcada, em sua origem, pela posição socioeconômica de quem a produz? O que significará perguntar se o veículo que leva a informação tem ou não, por qualquer razão, interesse em difundir a sua versão dos fatos. Mas também significa atribuir aos indivíduos a incapacidade de mesclar o que recebem de jornais, rádio e TV e do contato com quem reconhecem ser mais bem informado ao que receberam durante toda a sua vida - sua experiência, em suma.

Esta é a opção intelectual de muitos - tantos que se formou a ideia de que o diretor de um jornal determinará que se dê esta ou aquela versão das coisas para agradar ao anunciante! Que, então, deixa de ser meramente anunciante interessado em vender um produto e passa a ser um anunciante-engajado, que compra o anúncio para que se noticie que o candidato que ele detesta ou de quem gosta (mas não confessa a ninguém) é um bom ou mau menino. Mais ainda: a preocupação maior de todos, diretor e funcionários, não será fazer um bom jornal para vender cada vez mais em bancas e assinaturas e influenciar os governantes, será agradar a anunciantes, cada um deles pensando da maneira como o diretor ou o editor imagina que um anunciante pensa.

Caso se predisponha a utilizar esse modelo de raciocínio, o analista terá encontrado o caminho mais curto para chegar ao hospício.

PROFESSOR DA USP E DA PUC-SP, É MEMBRO DO GABINETE E OFICINA DE LIVRE PENSAMENTO ESTRATÉGICO. SITE: WWW.OLIVEIROS.COM.BR

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.