Juros, inflação e risco eleitoral

Manter a taxa Selic em 6,50% foi um ato de prudência

O Estado de S.Paulo

21 Setembro 2018 | 03h00

Manter em 6,50% os juros básicos foi um ato de prudência, mas o futuro presidente ainda poderá apreciar essa medida como uma gentileza. A decisão foi tomada na última reunião do Copom antes das eleições. A próxima deliberação do Comitê de Política Monetária do Banco Central (BC) deverá ocorrer no fim de outubro. Nessa data já serão conhecidos o vencedor da eleição presidencial e a composição do Congresso. Até lá, a política monetária permanecerá favorável à retomada dos negócios, com a taxa básica, a Selic, no nível mais baixo da série iniciada em 1996. Se nenhum grande susto resultar da contagem dos votos, será possível prolongar a política de acomodação até o fim do ano, quando os membros do comitê se reunirão pela última vez em 2018. Mas é arriscado apostar, neste momento, num cenário de tranquilidade pós-eleitoral.

Por enquanto há alguma claridade na paisagem. Por isso a decisão do Copom veio sem surpresa. A insistência na taxa de 6,50%, repetida pela quarta vez, foi prevista pelas 69 instituições consultadas nesta semana pelo Broadcast, serviço de informações online da Agência Estado. A inflação projetada para este ano e para o próximo continua abaixo da meta de 4,5%, nos cálculos do mercado e nos do BC. Além disso, a recuperação da economia perdeu impulso em 2018. O crescimento econômico persiste, mas o ritmo é lento e ainda há muita capacidade ociosa no sistema produtivo.

Há razões muito claras, portanto, para prolongar uma política monetária relativamente suave. Essa política beneficia o Tesouro, aliviando o custo da dívida pública, e deixa algum espaço para o aumento do consumo e da produção. Esse aumento poderia ter sido maior, nos últimos meses, se houvesse mais segurança quanto à evolução dos negócios. Pesquisas da Confederação Nacional da Indústria e da Fundação Getúlio Vargas têm mostrado os entraves associados à insegurança de consumidores e de dirigentes de empresas.

O avanço lento, em ritmo inferior ao estimado no começo do ano, aparece no texto distribuído pelo Copom na quarta-feira, logo depois de sua reunião. Notas mais amplas têm mencionado seguidamente, há vários meses, a ampla capacidade ociosa. A ociosidade naturalmente inclui, além das máquinas, equipamentos e instalações com baixa utilização, os mais de 12 milhões de desempregados. Com tanta mão de obra desocupada e tanta sobra de capacidade física nas empresas, dificilmente haverá pressões inflacionárias significativas, nos próximos meses, se a demanda voltar a crescer.

Esta consideração tem orientado as decisões de política monetária desde o início da redução dos juros básicos, no fim de 2016. O nível de 6,50% tem sido estimado pelo Copom, no entanto, como um piso seguro para a Selic. Apesar da atividade ainda lenta e dos mercados com demanda moderada, é preciso levar em conta um conjunto de riscos importantes.

Os externos, associados à alta de juros americanos e às tensões comerciais, têm gerado instabilidade cambial, mas ainda sem efeitos inflacionários significativos. Os internos são derivados da incerteza eleitoral e, de modo especial, da insegurança quanto à manutenção da pauta de ajustes e reformas. A agenda reformista foi travada em 2017, por causa de dificuldades políticas, mas o esforço de controle dos gastos federais vem sendo mantido. Neste momento, até a continuação desse esforço é imprevisível a partir do próximo ano, por causa da incerteza eleitoral. Qualquer previsão sobre reformas é ainda mais arriscada.

A nota do Copom repete a advertência, já incluída em muitos informes, sobre a importância dos ajustes e reformas para a contenção da alta de preços e, portanto, para a manutenção de juros compatíveis com o crescimento econômico e a criação de empregos. Desta vez, a advertência tem valor especial. Para as pessoas sensatas e razoavelmente informadas, o aviso soa como alarme de desastre. Esse alarme, tudo indica, dificilmente será levado a sério pela maioria dos candidatos. Quantos eleitores serão capazes de ouvi-lo e de entendê-lo?

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.