Leis secas e molhadas

O marronzinho, visivelmente embriagado, é preso em flagrante depois de bater o carro num ônibus, em Taboão da Serra. Sem carteira de habilitação no momento do acidente, confessa ter consumido cerveja e cachaça e é solto após pagar fiança de R$ 5 mil. A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), que emprega o profissional, decreta: "Não cabe à companhia nenhum procedimento, visto que o caso não tem relação com os aspectos funcional e profissional". Pois é, o agente responsável pela fiscalização da Lei Seca brasileira, considerada uma das 20 mais severas entre as legislações de 82 nações pesquisadas pelo International Center for Alcohol Policies, dirigirá tranquilo pela via tortuosa da burocracia, eis que seu empregador descarta nexo entre conduta pessoal e eventos que mostram transgressão ao escopo funcional do empregado.

GAUDÊNCIO TORQUATO, O Estado de S.Paulo

28 Abril 2013 | 02h03

Esse é apenas um retalho da moldura que abriga leis não cumpridas, Justiça lerda, projetos casuísticos, prioridades invertidas, improbidade administrativa, decisões provisórias, banalização da violência, tibieza de governantes e culto ao individualismo, entre outros vetores de nossa vida social e política.

O que chama a atenção no episódio do marronzinho é a resposta da CET, da qual se pode pinçar o discurso reativo de nossa burocracia: "Não temos nada com isso, cumprimos rigorosamente o dever, condutas pessoais não estão sob nossa égide". Eis a viseira que tampa o olhar lateral das estruturas do Estado, preocupadas em ficar longe de denúncias e distribuir culpas a outros gestores, jamais avocando a si parcela (mínima que seja) de erros e desvios. Não seria mais razoável que, em face de situações como aquela, a administração do trânsito viesse a público proclamar seu dever com a formação dos quadros, significando emprego correto de equipamentos, treinamento intensivo de habilidades profissionais, campo de abrangência das leis e, em complemento, orientação psicológica, de modo a integrar condutas pessoais à planilha profissional?

O desleixo é um dos maiores obstáculos à modernização da gestão pública nas três instâncias federativas. Os maus exemplos vêm de cima, causando o efeito dominó da ineficiência. A primeira pedrinha derruba a segunda, que derruba a terceira, e assim por diante.

Veja-se o caso da Lei n.º 11.705, sancionada pela presidente Dilma Rousseff em 20/12/2012, que tornou mais rigorosa a punição de motoristas alcoolizados. Necessária para diminuir o índice de acidentes - o Brasil está em quinto lugar no ranking de recordistas de acidentes de trânsito -, no início a lei correspondeu às expectativas: registrou-se sensível queda no número de acidentes. Ao correr do tempo, a fiscalização relaxou, tanto pela falta de bafômetros quanto pela recusa dos motoristas a se submeterem ao teste. Nada surpreendente. As leis por aqui começam agigantadas e acabam banalizadas. Ou, para não perder o contraponto, leis secas acabam molhadas. A água do adjetivo serve para traduzir o amaciamento do ânimo de agentes públicos, a começar das polícias, que acabam lavando a mão na bacia dos infratores. "Para não ser multado fulano molhou a mão do guarda", dito popular.

A incúria é doença crônica da administração pública. Veja-se o caso das agências reguladoras, criadas para controlar serviços públicos, objetivando harmonizar os interesses do consumidor, como preço e qualidade, com os do fornecedor, como viabilidade econômica das atividades comerciais, sempre obedecendo aos preceitos legais. Cumprem suas funções? De maneira precária. Exemplo é o caos nos aeroportos em algumas épocas do ano. Companhias atrasam e cancelam voos sem aviso prévio, extraviam bagagens, aumentam tarifas, praticam overbooking, diminuem espaços entre as poltronas do avião e passam a cobrar por serviços antes gratuitos. Reclamar a quem? A Anac, que deveria fiscalizar as companhias, faz ouvidos de mercador.

Com uma ou outra exceção, a falta de rigor, leniência e politicagem ditam o modus operandi dos órgãos de controle de serviços essenciais. Juntando o desleixo à esperteza, forma-se a teia dos esquemas de corrupção que se espraiam pela malha administrativa. Não há remédio que dê jeito em tumores adquiridos nos primórdios de nossa civilização.

Os cartórios são a prova eloquente do passado ressuscitado, os bastiões da cultura arcaica. Qual a sua serventia senão mostrar que a palavra não serve para nada? Que a verdade só existe quando autenticada com um selo e firma reconhecida? Firma reconhecida significa que a assinatura do cidadão tem de ser igual à que registrou no cartório. A partir dessa exigência se constroem catedrais de papel: atestado de nascimento, de residência (conta de luz, água, etc.), de boa conduta (para provar que não é sonegador inveterado), de saúde e de óbito (pessoa viva com atestado de óbito tem dificuldade de provar que não entrou no caixão). Sicrano é pobre? Tem de comprovar, por atestado de cartório, a condição de pobreza.

Hélio Beltrão, em julho de 1979, tentou acabar com essas maracutaias por meio do Programa Nacional de Desburocratização. Perdeu a guerra. Hoje a pilha de documentos do cidadão atinge os píncaros.

Nos EUA, após a tragédia do 11 de Setembro, instituiu-se a obrigatoriedade da carteira de identidade, que não existia. Uma celeuma. Já por estas bandas documentos são usados como burla. A carteira de estudante, que propicia desconto de 50% na compra de ingressos em teatros, shows, cinema, passou a ser usada por quem não tem tal direito. Exemplo de insanidade? O título de eleitor. Só vale se o portador levar documento de identidade com foto.

A malandragem avança sob a égide de lições não tão cívicas. Faça o que eu digo, não faça o que eu faço. Aos amigos, pão; aos adversários, pau. Nossa balança tem dois pesos e duas medidas. E a lei? Ah, é pra inglês ver.

GAUDÊNCIO TORQUATO, JORNALISTA,  PROFESSOR , TITULAR DA USP, É CONSULTOR POLÍTICO E DE COMUNICAÇÃOTWITTER: @GAUDTORQUATO 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.