Luta suja em solo devastado

Lula assistiu, impassível, à solenidade em que os oradores trataram principalmente do tema da corrupção, delito pelo qual é investigado em Brasília, São Paulo e Curitiba

O Estado de S.Paulo

15 Setembro 2016 | 03h05

Quatro dias depois de o relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, tê-lo acusado de “tentar embaraçar” as investigações a seu respeito a cargo da Polícia Federal e do Ministério Público Federal, sob o comando do juiz Sergio Moro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi à sede do Poder Judiciário. Convidado para a posse da ministra Cármen Lúcia, que substituiu Ricardo Lewandowski na presidência da Suprema Corte, ele assistiu, impassível, à solenidade em que os oradores trataram principalmente do tema da corrupção, delito pelo qual é investigado em Brasília, São Paulo e Curitiba. Amigos tentaram dissuadi-lo de comparecer à solenidade para evitar constrangimentos. Mas ele foi convencido por assessores de que a recusa poderia azedar suas relações com os ministros, principalmente depois da cobrança dura que o dono da última palavra sobre seus inquéritos usou para repelir o último pedido de seus defensores. Tê-lo-ia ajudado a tomar a decisão a lembrança de que a ministra Cármen Lúcia lhe garantira sua “gratidão eterna” ao ser indicada ao cargo por ele, em 2006.

Os amigos e assessores que se opunham a seu comparecimento argumentaram que sua presença no auditório fragilizaria a versão petista de que o impeachment de Dilma Rousseff teria sido um golpe, sustentada em discursos e palavras de ordem gritados nas ruas por ele, pelo PT, pelos militantes dos movimentos sociais e pela própria presidente deposta. Ao contrário, naquele lugar impróprio, o ex-presidente deu nova demonstração de que, como seus companheiros, ele não precisa lançar mão de fatos para insistir no discurso de que “impeachment sem crime é golpe”. E não titubeou em dizer a quem dele se aproximou que a deposição de sua afilhada e sucessora teria sido, mais do que um golpe, um “crime”. Destarte, Lula disparou uma acusação grave para confrontar a Justiça, que legitimou todos os passos e ritos do processo, até porque o presidente do julgamento final, ocorrido sob a luz dos holofotes da cobertura extensiva e diária dos canais de televisão, foi Ricardo Lewandowski, que transmitia a chefia da Suprema Corte a Cármen Lúcia.

Lula disputou cinco eleições presidenciais, tendo perdido três e vencido duas, e apostou as fichas de sua até então inegável e insuperável popularidade para eleger Dilma duas vezes. Mas relegou a um plano inferior o Estado Democrático de Direito, sob cuja égide jurou duas vezes fidelidade à Constituição da República. De volta a 1988, quando o PT votou contra o texto constitucional e só o assinou, contra a vontade da maioria dos companheiros, por vigorosa insistência do deputado Ulysses Guimarães, fez pouco das instituições republicanas. “Falta muito para consolidar o nosso processo democrático”, vaticinou.

No auditório do STF, deixou claro, também, que a decomposição política e o desprestígio eleitoral de sua grei, provocados por incompetência na gestão e pela roubalheira desregrada de estatais, bancos públicos e outros patrimônios federais, e causa das dificuldades do PT nas eleições municipais deste ano, não o farão ceder. Ao contrário, ele previu que o partido “vai ter que fazer oposição, vai ter que brigar”. Age como se a tarefa de reconstruir a economia destroçada nos 13 anos, 4 meses e 12 dias dos dois governos petistas fosse apenas de Temer, a quem fingiu não reconhecer, no que, aliás, foi correspondido com idêntico descaso. Segundo Lula, “Temer vai ter que fazer com que esse país saia da crise econômica; a crise política vai durar muito tempo”.

A falta de compromisso do líder, que se orgulha de ter sido o mais popular presidente da História, com as inconsequências do próprio desgoverno comprova que, por mais que o impeachment de Dilma e a cassação do mandato de Eduardo Cunha revelem que as instituições democráticas estão funcionando, de fato ainda falta algo para a democracia se consolidar: uma oposição capaz de reconhecer os próprios erros e disposta ao diálogo para reconstruir sobre as ruínas que causou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.