Malditos preços, benditos preços

Os preços atraem muita emoção quando se mexem. É natural, alguns ganham e outros perdem. Mas os preços fazem parte do funcionamento das economias. Há preços dos bens e serviços, mas também do trabalho (salário), do dinheiro e do tempo (juros), das empresas (ações) e até da nossa moeda em relação às outras (câmbio). A tentação dos governos é mantê-los sob mira curta, por diversas razões. Certamente para combater a inflação e evitar excessos derivados de monopólios, porém, em alguns casos, para tentar influenciar os rumos da economia.

Ilan Goldfajn *,

05 Fevereiro 2013 | 02h07

A questão é que os preços têm um papel público também: eles sinalizam quando sobra ou falta algo. Afinal, a lei mais conhecida da economia é a da demanda e oferta, em que os preços sobem quando falta o produto e caem quando sobra. Um preço subindo pode não ser apenas sinal de injustiça ou inflação, mas de escassez ou ineficiência que mereça atenção. A liberdade dos preços traz a transparência necessária para ajudar na correção de rumos, muitas vezes de forma natural, quando eles sobem para reduzir o consumo e aumentar a oferta (ou vice-versa).

É mais fácil concordar com a liberdade de preços de peixes, frutas e verduras do que de outros preços da economia. Estocar esses produtos é difícil e requer flutuação dos preços para equilibrar o mercado. Todavia também é importante permitir a flutuação de alguns preços menos óbvios, cuja informação é relevante para a economia.

Um exemplo clássico é o preço da gasolina. Muitos países têm regras para determiná-lo. Mas se o preço da gasolina se afasta da cotação internacional por muito tempo acaba gerando distorções. O consumo não se adapta ao preço internacional mais alto (relacionado ao que pode ser importado ou exportado). E quem vai ofertar não tem o sinal do preço correto para decidir quanto investe na produção. No limite, as estatais podem ser obrigadas a importar por valor mais alto do que vendem no mercado doméstico, o que pode levar a prejuízos importantes.

Prejuízos alteram outro preço significativo da economia: o das ações de empresas. Quedas sistemáticas e relevantes das ações refletem mudança do valor das empresas, um sinal de alerta importante. É necessário avaliar o que está causando a destruição desse valor e, caso necessário, realizar mudanças fundamentais.

Os juros básicos, determinados pelo Banco Central, são também um preço importante da economia. Quando os juros sobem, normalmente é sinal de pressões inflacionárias e de ciclo de atividade em alta. Quando caem, o inverso: inflação recuando e/ou atividade fraca. O Banco Central faz bem em insistir que os ciclos ainda não foram abolidos no Brasil, sinalizando que os juros podem eventualmente subir ou descer, apesar da mensagem básica de que devem ficar no atual patamar por um tempo prolongado.

Outro preço importante é a taxa de câmbio, que reflete o valor dos nossos bens relativos aos preços internacionais (ou comercializáveis, aqueles determinados no mercado internacional). No curto prazo, o câmbio pode ser determinado pelo governo, tanto mais quanto mais reservas tiver e mais controles de capitais introduzir. No longo prazo, o câmbio vai ser o que equilibrar as necessidades da economia, isto é, o câmbio consistente com um saldo na balança comercial e de serviços, compatível com persistentes entradas de capitais que, por sua vez, ajudem a financiar os investimentos necessários para o crescimento sustentado da economia. Uma taxa de câmbio mais depreciada que o equilíbrio de longo prazo (que leve a uma balança mais alta e a uma escassez de poupança externa, dado o investimento necessário) vai acabar gerando uma inflação corretiva, devolvendo o valor do câmbio real ao seu equilíbrio.

O salário é o preço do trabalho na economia. Reflete o excesso ou a escassez de mão de obra. Nos últimos anos os salários têm subido acima da inflação, refletindo crescimento maior da demanda que da oferta. A demanda tem aumentado por causa do crescimento mais forte dos setores intensivos em mão de obra (serviços, por exemplo), enquanto a oferta tem sido afetada por um crescimento mais lento da força de trabalho (por questões demográficas, entre outras). Reduzir os encargos da folha de pagamentos pode aliviar as empresas, individualmente, contudo não altera a falta de oferta e a necessidade de maior produtividade da mão de obra. Medidas que incentivem maior demanda por trabalho podem exacerbar o descompasso atual com a oferta. A competitividade da economia depende de a produtividade crescer acima (ou na proporção) do aumento dos salários.

Finalmente, os preços da energia elétrica também variam, apesar de ser um setor naturalmente mais regulado pelo governo. Quando há sobra (ou falta) de energia, esta é vendida no mercado livre a preços menores (ou maiores). Com os reservatórios das hidrelétricas mais baixos no final do ano, os preços no mercado livre subiram, sinalizando oferta menor. Da mesma forma, quando as termoelétricas, mais caras, são ligadas, em momentos de escassez, preços maiores acabam sendo repassados ao consumidor. Esse aumento é necessário para o consumidor agir a fim de economizar o necessário.

Os preços ajudam-nos a identificar escassez e ineficiências e a desenhar políticas para correção de rumos. Muitas vezes há exageros. A regulação dos mercados é fundamental. Mas não podemos dispensar o sistema de preços como um guia importante do que acontece na economia. É necessário observar os preços da economia para sinalizar escassez, excessos ou ineficiências e tomar medidas fundamentais para corrigir os problemas. Sem isso o risco é de gerar distorções na economia maiores do que qualquer flutuação excessiva de preços pudesse ter ocasionado.

* Ilan Goldfajn é economista-chefe do Itaú Unibanco e sócio do Itaúbba.
Mais conteúdo sobre:
Ilan Goldfajn

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.