Mau humor na rua e na empresa

Se depender dos consumidores, a indústria, tudo indica, terá mais um ano muito ruim e mais trabalhadores irão para a rua em 2015. A intenção de consumo das famílias (ICF) diminuiu 6,1% de fevereiro para março e ficou 11,9% abaixo do nível de um ano antes, segundo pesquisa mensal da Confederação Nacional do Comércio (CNC). Pelo segundo mês consecutivo o resultado foi o mais baixo da série iniciada em 2010. A divulgação desse quadro coincidiu com a publicação de mais uma sondagem com más notícias sobre o setor industrial. A atividade continuou em deterioração em fevereiro, com novos sinais de produção em queda e acumulação de estoques indesejados. O levantamento, elaborado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostrou uma piora das expectativas dos empresários do setor em março. Como consequência, o indicador da intenção de investimento continuou em queda. Caiu 2,2 pontos em um mês e chegou a um patamar 11,5 pontos mais baixo que o de março de 2014.

O Estado de S.Paulo

23 Março 2015 | 02h04

A combinação desses dados fortalece a aposta em um ano de recessão, até porque o setor de serviços também vai mal. No caso do comércio, o índice de intenção de consumo permanece em 110,6 pontos, ainda na zona positiva, portanto (a linha divisória corresponde ao nível 100). Mas as vendas do varejo têm perdido impulso desde o fim de 2014 e a má disposição dos consumidores prenuncia negócios fracos nos próximos meses. A pesquisa da CNC produz um indicador antecedente formado por sete componentes objetivos e subjetivos - emprego atual, perspectiva profissional, renda atual, compras a prazo, nível de consumo atual, perspectiva de consumo e condições do momento para duráveis. A variação de todos foi negativa em março.

O componente nível de consumo atual caiu 10,8% em um mês e ficou 12% menor que o de um ano antes. Quase 40% das famílias (39,1%) informaram um nível de consumo menor que o do ano passado.

A análise incluída no relatório da CNC menciona algumas explicações para a piora das perspectivas, com destaque para a inflação de 7,7% em 12 meses, o crédito muito caro e o elevado endividamento. Houve piora na avaliação do acesso ao crédito e do momento para compra de duráveis. Os dois itens estão com indicadores abaixo de 100, na faixa negativa, portanto.

No mercado ainda se aposta em pelo menos mais uma alta de juros básicos pelo Banco Central. O aperto poderá ser maior, no entanto, se a inflação for mais resistente do que as autoridades monetárias avaliam neste momento. De toda forma, qualquer novo aumento do custo do crédito inibirá mais fortemente as compras de bens duráveis, como automóveis, móveis e eletroeletrônicos, e também de alguns semiduráveis, igualmente vendidos com pagamento parcelado.

Além da acumulação de estoques indesejados, a sondagem da CNI mostrou o aumento da ociosidade. O nível médio de utilização da capacidade instalada caiu de 72% em fevereiro do ano passado para 66% em fevereiro deste ano, chegando ao menor nível da série mensal iniciada em 2011. Em fevereiro, a avaliação do emprego no setor aumentou ligeiramente, de 44,4 para 44,7 pontos, em média, mas continuou na área negativa, isto é, abaixo de 50 pontos. Em outros termos, o pessimismo em relação às contratações ficou um pouco menor.

De fevereiro para março a expectativa em relação à demanda interna caiu de 48,9 para 48 pontos, mas a avaliação das condições da demanda externa melhorou quase imperceptivelmente, de 49,5 para 49,6 pontos. Mas as vendas ao exterior continuam fracas e até agora a desvalorização cambial pouco ou nada ajudou a elevar as exportações, embora o câmbio depreciado normalmente barateie os produtos nacionais para os compradores estrangeiros.

Na média, a intenção de investimento industrial continuou em queda, recuando de 49,3 para 47,2 pontos. Com menor investimento é menor a perspectiva de crescimento econômico no curto prazo e muito menor no longo prazo. Criar algum otimismo continua sendo um grande desafio para o governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.