Mediocridade com otimismo

Mediocridade será a marca da economia do País nos próximos três anos, segundo projeções do mercado, e até essa expectativa embute algum otimismo

O Estado de S.Paulo

03 Julho 2018 | 03h00

Mediocridade será a marca da economia brasileira nos próximos três anos, segundo as projeções do mercado, e até essa expectativa embute algum otimismo. Para crescer 2,50% em 2019 e repetir esse desempenho até 2021, com a inflação mais ou menos contida e investimento estrangeiro em alta, o País terá de chegar ao terceiro ano do próximo governo sem um desastre nas contas públicas e sem apavorar o mercado com o risco de um calote. Se o novo presidente será capaz de garantir esse mínimo de segurança, ou mesmo se terá uma clara percepção do desafio, ninguém pode dizer neste momento. Quanto a 2018, as previsões continuam sombrias, indicando uma atividade pouco mais intensa que no ano passado, quando os negócios começaram a sair da recessão. O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deve ficar em 1,55%, segundo a mediana das projeções coletadas na última pesquisa Focus do Banco Central (BC). Quatro semanas antes, sem o choque da crise no transporte rodoviário, as estimativas ainda apontavam uma expansão de 2,18% – uma perspectiva já pouco estimulante, embora melhor que a atual.

Um horizonte mais distante é uma das marcas da pesquisa Focus em novo formato, divulgada ontem pela primeira vez. Agora se publicam projeções até 2021, três anos à frente, cobrindo todo o período das metas de inflação já definidas. Na semana passada foi fixada a meta de 3,75% para vigorar dentro de três anos. As projeções de inflação indicam 4,10% para 2019 e 4% para os dois anos seguintes. O número apontado para 2021, portanto, está um pouco acima do alvo, mas dentro da tolerância de 1,5 ponto porcentual.

Para este ano a pesquisa registra as projeções de 4,03% e 4,16%, mais altas que as da semana anterior e bem maiores que as de quatro semanas antes (3,65% e 3,75%). Aqui aparece outra inovação. O relatório apresenta, em linha separada, a mediana das estimativas de inflação resultante de revisões nos cinco dias úteis até a coleta. Isso permite uma atualização maior de parte das informações e uma indicação mais precisa de tendências.

A manutenção de algumas projeções por longo período pode ser em parte explicada pelas dificuldades de avaliar as condições de crescimento econômico e de controle da inflação durante o próximo governo. O acréscimo de um ano – 2021 – alongou o horizonte e pode ter enriquecido o boletim Focus, mas de nenhum modo tornou menos enevoado o horizonte político. Mas, ainda assim, o conjunto dos números contém alguns detalhes muito significativos.

O crescimento econômico estabilizado em 2,50% a partir de 2019 corresponde aproximadamente ao potencial de expansão estimado para o sistema produtivo brasileiro. A mensagem é provavelmente traduzível nas seguintes palavras: se nada muito ruim acontecer, o PIB crescerá de acordo com a mediocridade de seu potencial, porque nada permite prever ganhos sensíveis de produtividade nos próximos anos.

Essa mensagem combina com as estimativas de crescimento industrial de 3,17% neste ano, 3,10% no próximo e 3% em 2020 e 2021. Não se esperam ganhos importantes de eficiência nem na indústria nem no conjunto da economia, apesar de alguma expansão do investimento produtivo em 2018 e, possivelmente, em 2019.

Espera-se, no entanto, algum controle das contas públicas. O déficit nominal – com a inclusão da despesa com juros, portanto – deve diminuir, segundo as projeções, de 7,20% do PIB neste ano para 5,80% em 2021, numa trajetória contínua de redução. O buraco ainda será grande, pelos padrões internacionais, mas algum esforço de contenção está pressuposto nesses números.

Não está claro se a pressuposição inclui reformas essenciais, mas a resposta é provavelmente positiva. Não basta, no entanto, manter contas públicas administráveis, embora isso seja fundamental. Para elevar o potencial de crescimento será preciso ir além, favorecendo investimentos públicos e privados e criando condições para ganhos de produtividade. Nada permite apostar nisso, neste momento. Mas, ainda assim, o quadro de mediocridade embute algum otimismo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.