Melhora a estrutura do setor de serviços

Porteiros, garçons, entregadores, vigilantes, corretores de imóveis ou funcionários de empresas de saúde beneficiaram-se com a melhora do setor de serviços nos últimos anos, pois, entre 2008 e 2009, segundo o IBGE, o setor terciário aumentou a participação no PIB de 66,7% para 68,5%. E um de seus principais subsetores, o de serviços não financeiros - que abriga 879 mil empresas, 9,2 milhões de empregados e tem receitas operacionais de R$ 680 bilhões -, contribuiu muito para a expansão, conforme a recém-divulgada Pesquisa Anual de Serviços (PAS), relativa a 2008, do IBGE. A modificação da metodologia utilizada na pesquisa tornou mais difícil a comparação com o passado, mas os resultados foram avaliados como satisfatórios pelos especialistas.

, O Estado de S.Paulo

29 de agosto de 2010 | 00h00

As empresas que atuam em serviços não financeiros dependem, sobretudo, do mercado interno. Os serviços profissionais, administrativos e complementares empregaram 3,6 milhões de trabalhadores, com remuneração média de 2,3 salários mínimos. Destacou-se o de transportes e correios, com 2 milhões de vagas (crescimento de 14,7% em relação a 2007) e salário médio de 3,1 mínimos. Outro destaque foi o de serviços prestados às famílias, em que foram criadas 37 mil empresas. "À medida que o nível de renda sobe, as famílias compram mais serviços", observa o professor da FGV Robson Gonçalves. A classe média emergente demanda mais lazer e alimentação. Em comunicado à imprensa, o IBGE deu ênfase ao setor de informação e comunicação, cuja receita foi de R$ 203,5 bilhões em 2008, e pagou os salários médios mais elevados entre todos os subsetores: 5,8 salários mínimos.

Como a maioria das empresas do setor de serviços é de pequeno porte, uma indicação a mais do fortalecimento do segmento veio do Sebrae-SP, que constatou o aumento da sobrevivência das pequenas e médias empresas (PMEs) paulistas. Entre 1998 e 2010, a taxa de mortalidade das empresas no primeiro ano de vida caiu de 35% para 27%; nos três primeiros anos de vida, de 56% para 46%; e nos cinco primeiros anos, de 71% para 58%. Ainda são índices elevadíssimos de mortalidade empresarial, mas, com normas como as da Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas, houve estímulo à competitividade e à consolidação dos negócios.

A expansão do setor de serviços é característica dos países mais desenvolvidos. Mas, para que seja sustentável, depende, entre outros fatores, de crescimento econômico, profissionalização dos empreendedores e tributos suportáveis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.