Mercado de capitais tem novo impulso

Graças à queda da inflação e dos juros, ao lado da progressiva recuperação da economia, as emissões das empresas no mercado de capitais alcançaram R$ 198,9 bilhões no ano passado, um salto de 59% em relação a 2016

O Estado de S.Paulo

16 Janeiro 2018 | 03h11

A longa estiagem no mercado de capitais chegou ao fim em 2017. Graças à queda da inflação e dos juros, ao lado da progressiva recuperação da economia, as emissões das empresas no mercado de capitais alcançaram R$ 198,9 bilhões no ano passado, um salto de 59% em relação a 2016, de acordo com o boletim do Associação Brasileira das Entidades do Mercado Financeiro e de Capitais (Anbima). Desse total, R$ 88,2 bilhões, ou 44% das captações, referem-se a debêntures emitidas pelas empresas; R$ 40,1 bilhões, a ofertas de ações no mercado, um avanço de 274% em comparação com o ano anterior; e os restantes R$ 70,6 bilhões estão relacionados a outros instrumentos, como notas promissórias, letras financeiras, fundos de investimentos em direitos creditórios, certificados de recebíveis do agronegócio, etc.

Foi também muito expressiva a captação no exterior por empresas instaladas no País, que chegaram ao equivalente a R$ 104,1 bilhões no ano passado, um crescimento de 51%, com grande predominância de títulos de renda fixa (R$ 100 bilhões), que registraram um avanço de 54%, sempre em relação a 2016.

A expectativa é de movimento intenso no mercado de capitais também neste ano. Com um ambiente de negócios mais favorável, espera-se que a emissão de debêntures pelas empresas permaneça elevada, assim como as ofertas iniciais de ações (IPOs) e novas emissões por empresas já listadas em bolsa. Entre as razões que tendem a levar as empresas a buscar mais recursos no mercado de capitais está o fato de que a oferta de crédito pelos bancos deve seguir restrita, embora se espere que as disponibilidades se elevem em 2018.

Outro fator a considerar é a retração dos desembolsos previstos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com ajuste de suas taxas, tornando-as mais próximas das praticadas no mercado. Além disso, se o mercado de ações mantiver tendência de alta, muitas empresas poderão sentir-se encorajadas a abrir o capital.

As grandes incertezas estão ligadas às eleições a serem realizadas em 2018. Há aqueles que julgam que o cenário político pouco influirá sobre as emissões de ações e títulos de dívida corporativa. Outros, porém, são mais cautelosos embora se mantenham basicamente confiantes na evolução positiva da economia, mesmo que alguma turbulência ocorra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.