Moscou joga a toalha

Diplomatas, ainda mais de alto escalão, não vêm a público fazer prognósticos sobre crises em outras paragens. Quando o fazem, é para reafirmar ou indicar uma mudança de posição dos seus governos em relação aos países citados. Assim, quando o vice-chanceler russo, Mikhail Bogdanov, declara em pleno Kremlin que o regime de Bashar Assad na Síria "tende a perder progressivamente o controle de porções cada vez maiores do território" e que, "infelizmente, não se pode excluir uma vitória da oposição", Moscou está avisando ao único cliente que lhe restou no Oriente Médio que, infelizmente, pouco pode fazer por ele a esta altura dos acontecimentos - transcorridos 20 meses do início de um movimento de protesto que se transformou em aberta guerra civil, com 40 mil mortos. Dias atrás, em desespero de causa, Bashar autorizou até o uso de velhos mísseis russos Scud, conhecidos por sua imprecisão, contra a insurgência.

O Estado de S.Paulo

15 Dezembro 2012 | 02h07

"É preciso encarar os fatos", disse ainda Bogdanov, em um reconhecimento impensável até há bem pouco, para deixar claro que o acendrado realismo da política externa russa é um breve contra a eventual tentação de amparar um aliado a caminho do cadafalso em nome dos interesses estratégicos e econômicos que foram bem atendidos durante os 41 anos da dinastia Assad - primeiro com Hafez, depois com o seu filho Bashar. O diplomata anunciou, por fim, que a Rússia se prepara para resgatar os seus cidadãos do país convulsionado. Moscou até que fez muito, dentro do que entendeu estar a seu alcance, em defesa da tirania de Damasco. No Conselho de Segurança das Nações Unidas, juntamente com a China, bloqueou recorrentes tentativas ocidentais de impor sanções globais à Síria e de autorizar medidas preventivas que poderiam desembocar numa intervenção estrangeira, como o bloqueio aéreo e o apoio logístico aos rebeldes líbios, decisivos para a queda (e execução sumária) do ditador Muamar Kadafi, há pouco mais de um ano.

Enquanto Bogdanov jogava a toalha, o secretário-geral da Otan, a Aliança Atlântica, afirmou que o fim do regime sírio "é só uma questão de tempo". O impossível é prever a duração desse tempo, os custos humanos do desenlace e a carga imposta aos países vizinhos pelo crescente fluxo de fugitivos da carnificina, vivendo em condições desesperadoras. Tampouco há consenso sobre o que o mundo pode fazer para apressar o inevitável. O cenário de uma transição (relativamente) pacífica, com endosso multilateral, que pouparia Assad de ser justiçado pelos seus ou de ser levado ao Tribunal Penal Internacional de Haia, lembra cada vez mais uma miragem. Assad tanto poderá embarcar na aventura de entrincheirar o seu governo na região costeira dominada pelos alauitas, a seita da família, ou fugir para a América bolivariana que o apoia - Venezuela e Equador, notadamente.

De seu lado, o líder da Coalizão Nacional Síria, a oposição reconhecida por uma centena de países, Moaz al-Khatib, diz que o apoio estrangeiro não é imprescindível para a tomada do poder. (Embora os insurgentes tenham recebido armas, treinamento e apoio logístico da Turquia, Catar e Arábia Saudita, o mesmo que o Irã proporciona a Assad.) O desenrolar do conflito dá razão ao colunista Peter Beaumont, do Guardian de Londres, para quem "mesmo quando se aproximam do desfecho, as guerras têm o costume de obedecer ao seu próprio calendário". O espectro mais aterrador que assoma é o uso de armas químicas. O regime não nega tê-las. Assegura que não as empregará contra a população síria, mas de um ditador que de há muito rompeu relações com a racionalidade que parecia caracterizá-lo, sem prejuízo dos seus tacões, é possível esperar qualquer coisa, incluindo atingir as próprias tropas em confronto próximo com os inimigos a serem abatidos.

Para cobrir de vez o horizonte, não é de excluir que, deposto Assad, ao menos parte de seus estoques de armas de destruição em massa caia em mãos dos combatentes islâmicos procedentes de outros países, que rezam pela cartilha da Al-Qaeda. Os EUA acabam de incluir um desses grupos, a Frente Al Nusra, na sua lista de organizações terroristas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.