Mr. Hyde, dr. Jeckyl e o seu voto

Eleição de domingo vai definir as condições em que partiremos, ou não, para reformas profundas

*Fernão Lara Mesquita, O Estado de S.Paulo

30 Setembro 2016 | 03h05

O Médico e o Monstro, na versão que se poderia dar da fábula nesta agonia das mumificadas instituições brasileiras, deveria chamar-se O Monstro e o Médico. Fomos tão longe nas distorções e tão fundo no “eu sou, mas quem não é?”, que tantas vezes salvou a pele do líder do petismo e do Foro de São Paulo desde as primeiras revelações do que se acreditava ter sido apenas o “mensalão”, que hoje “mr. Hyde” é que é a “matriz” que se apresenta aberta e cotidianamente pelos palcos, enquanto o bom “dr. Jeckyl”, sempre meio envergonhado da “caretice” dos seus pruridos “moralistas”, luta por emergir da normalidade da anormalidade a que nos acostumamos.

É realmente impressionante, para quem não viveu isso como o longo e meticuloso processo de engenharia da viciação que foi desde a primeira flor do mal plantada por Getúlio Vargas, que num sistema que ainda é chancelado em última instância pelo voto apenas e tão somente um número contado de personagens, que chegam a ser quixotescos de tão desviados do padrão num bastião isolado da 1.ª instância do Judiciário em Curitiba e dentro do Ministério Público e da Polícia Federal, se afirme sem nenhuma reserva ou restrição como defensor intransigente da ética na política e no trato dos dinheiros públicos.

Com um sistema político que obriga ao trânsito pelo lado escuro da lua pela maior parte dos caminhos que levam ao poder, das instâncias mais baixas de representação da sociedade em diante, não há nem poderia haver um só partido político entre os que percorreram uma parte dessa estrada que se possa dar o luxo de “fechar questão” em torno dessa causa, nem que seja apenas “pro forma”. Há, quando muito, “bandas saudáveis” dentro de partidos que exibem mais ou menos despudoradamente a sua insalubridade. Iniciativas individuais de membros do Legislativo tangidos para o voto contra as conspirações de lesa-pátria se e quando a imprensa detecta a tempo e denuncia com suficiente estridência as manobras para anistiar crimes cometidos, legalizar ações ilegais, devolver a impunidade aos culpados, permitir o desfrute de dinheiros roubados e por aí afora.

Não estamos sozinhos nisso, mas chocamos pela crueza, pela explicitude e pela ausência de resistência com que o crime transita no meio de nós. Todas as instituições da República – e não apenas as do Estado – se dividem hoje em “bandas” mais e menos contaminadas. O governo que substituiu o que caiu de podre é, ele próprio, dividido assim. Vive num permanente embate de nuances. No STF a banda podre é quase oficial, sendo a saudável fluida o bastante para nunca ser possível antecipar o que sairá de lá mesmo quando o que está em causa é a literalidade do texto constitucional. O voto sobre prisões a partir da condenação pela 2.ª instância, marcado para a quarta-feira, 5, será um marco histórico a definir com que velocidade “dr. Jeckyl” poderá vir a sobrepor-se ao “mr. Hyde” que se tornou padrão. À frente da arguição de “inconstitucionalidade” da inauguração da prestação de justiça num prazo discernível em pleno 3.º milênio, representando toda a “banda podre” do Poder Judiciário que tem vivido de torturar a ideia de justiça com os ferros em brasa do formalismo cínico, está nada menos que a OAB advogando em causa própria pela eternização da eternização dos litígios.

Quase todas as outras representações da sociedade civil – sindicatos de trabalhadores e patronais, partidos políticos, ONGs, “movimentos sociais”, artistas, intelectuais e outras subcelebridades do vasto planeta da parasitação do dinheiro público – dividem-se igualmente em bandas muito podres e bandas menos podres.

É penoso o parto de um Brasil novo a partir desse criado pela socialização da corrupção, também dita “corporativismo”, onde tudo pode ser “regulamentado” e “regulamentado” de novo por uma legião de ungidos blindados contra qualquer represália de quem lhes deu um mandato, do que resulta que cada indivíduo tem ao menos uma tetazinha para chamar de sua e nenhum está totalmente a cavaleiro para apontar o dedo aos demais sem ser retrucado.

A boa notícia é que as manobras conspiratórias para dar sobrevida ao mal que, por abuso, condenou à morte o organismo de que se sustenta também já são quase sempre “órfãs”. Elas emergem das sombras envergonhadas e sem reivindicação de direito autoral. Não há mais fabricantes de “narrativas”, nem manipuladores de regimentos internos, nem “velhas raposas” até há pouco festejadas como “matreiras” e “habilidosas” que assumam a paternidade de “jabutis”, de inversões da lógica da justiça com base em formalidades e outros “passa-moleques” do gênero. Não há mais quem se levante para defender de cara limpa as falcatruas tentadas. Tudo está mapeado e medido. Os efeitos são indesligáveis das suas causas.

A conspiração que resta é a do silêncio, também ela uma confissão de dolo. Mas o privilégio anda com o rabo entre as pernas, consciente da miséria que custa, sabendo-se insustentável e em litígio com a matemática, pendurado por um fio e pedindo tiro. Basta que seja olhado de frente para que finalmente se esboroe.

Tudo considerado, até que vamos indo bem. O interesse geral, ainda que de forma difusa, tem prevalecido, mesmo porque a alternativa é incontemplável. O próximo degrau escada abaixo não tem volta. Depois da partida “dos ingleses”, o Rio de Janeiro real, em que os representantes eleitos do povo já começam a pagar ao crime organizado pelo direito de se apresentar como candidatos nos seus territórios privativos de caça, é a “avant-première” do Brasil de pesadelo que, ninguém se engane, é a única alternativa ao Brasil de sonho que só a lei imperando, igual para todos, pode repor em pé.

Uma parte do remédio é a matemática quem vai impor. Mas a eleição de domingo definirá as condições em que partiremos – ou não – para as reformas mais profundas que se farão necessárias adiante para pôr o Brasil de sonho novamente no horizonte.

Eleição de domingo vai definir as condições em que partiremos, ou não, para reformas profundas

*Jornalista, escreve em www.vespeiro.com

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.