Multas de trânsito parceladas

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado aprovou, em caráter terminativo, o Projeto de Lei 20/10, do senador Raimundo Colombo (DEM-SC), que propõe o parcelamento de multas de trânsito em até seis vezes. A justificativa para esse benefício é o alto valor de algumas das multas estabelecidas pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB), que variam de R$ 53,20, para infrações leves, a R$ 191,54, para as de natureza gravíssima. Cada valor pode ser multiplicado até por cinco, conforme a gravidade da infração.

, O Estado de S.Paulo

25 Junho 2010 | 00h00

Segundo o relator da matéria, senador Álvaro Dias (PSDB-PR), se em tese o valor das multas estimula os motoristas a cumprirem a lei, na prática, a impossibilidade de quitar de uma só vez débitos acumulados tem levado uma grande parcela dos infratores à inadimplência, o que faz crescer a frota irregular que roda nas cidades e estradas.

O processo de licenciamento anual e obrigatório do veículo não pode ser feito enquanto houver multas pendentes. Se circular sem a regularização da documentação, o proprietário terá o veículo apreendido. Nesse caso, o pagamento das multas também é exigência para a liberação do veículo. E, se a dívida não for quitada em 90 dias, ele vai a leilão.

Na cidade de São Paulo, que tem uma frota de 6,8 milhões de veículos, cerca de 1,7 milhão está em situação irregular, principalmente pela falta de pagamento de multas de trânsito e do IPVA.

Críticos do projeto de lei argumentam que a flexibilização do pagamento das multas pode amenizar o rigor da legislação de trânsito, o que não é conveniente. Observe-se, porém, que não é apenas o valor das multas que inibe o infrator e assegura o cumprimento da lei. A fiscalização rígida, permanente e sem tolerância é essencial para manter os motoristas atentos às regras do trânsito e à sua observância.

O parcelamento já existe em São Paulo, estabelecido por lei ? de iniciativa do vereador Adilson Amadeu (PTB) ? sancionada há quatro anos pelo prefeito Gilberto Kassab, que possibilita o pagamento em até 12 parcelas mensais iguais e sucessivas, apenas para veículos registrados na capital e de multas de competência municipal. As parcelas são reajustadas pela variação do Índice de Preços ao Consumidor Amplo.

Na época, 800 mil veículos tinham multas pendentes, num total de R$ 512 milhões. Esse valor é maior que o recorde de arrecadação com multas de trânsito registrado no ano passado, de R$ 473,3 milhões. Mesmo batendo recorde, a receita com multas em 2009 ficou aquém do previsto pela Prefeitura, que esperava arrecadar R$ 567 milhões. Apenas 64% do total se referia a infrações registradas em 2009. O restante correspondia ao pagamento de multas atrasadas.

Há dias, o Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo apreendeu um Gol 2001 que tinha 737 multas e mais de R$ 1 milhão em débitos. Foi o segundo veículo flagrado em uma semana em situação tão crítica. O outro foi um Palio Weekend, que acumulava 573 multas, que somam mais de R$ 1,3 milhão. Os dois veículos eram procurados pelo Detran há anos, o que comprova as deficiências da fiscalização.

Além da inadimplência, que compromete a arrecadação prevista pelo governo, esses veículos irregulares têm, na maior parte, manutenção inadequada, o que aumenta o risco de acidentes e compromete a fluidez do trânsito, porque enguiçam com frequência.

A reorganização do Comando de Policiamento de Trânsito e a parceria entre seus policiais e os agentes de fiscalização da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) são fundamentais para retirar das ruas da capital os veículos irregulares e, assim, melhorar o trânsito.

Com a aprovação do parcelamento das multas em todo o País, Estados e municípios poderão agora agir em conjunto para tornar mais rígida a fiscalização e, assim, levar a uma estrita observância da lei. Com a facilidade para quitar débitos atrasados, os proprietários de veículos não terão mais nenhuma justificativa ou desculpa para deixar de regularizar sua situação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.