O ambicioso plano russo

O presidente russo, Dmitry Medvedev, anunciou um ambicioso plano de modernização econômica, associado à promessa de aperfeiçoamento das instituições e das práticas democráticas inauguradas em seu país há apenas duas décadas. O cenário de seu pronunciamento foi a sessão oficial de abertura do Fórum Econômico Mundial, em Davos. O evento seria importante em qualquer circunstância, mas teve um significado especial depois do ataque terrorista ao principal aeroporto de Moscou. Ao manter sua participação na cerimônia, disse o presidente, o governo russo mostrou a disposição de não se curvar ao terrorismo. Há dez anos, em Doha, o lançamento da rodada global de negociações comerciais também foi apresentado como resposta aos ataques de 11 de Setembro: o mundo continuava funcionando e buscando a inovação.

, O Estado de S.Paulo

29 Janeiro 2011 | 00h00

As negociações de Doha foram paralisadas por divergências comerciais e ainda não foram concluídas, mas o terrorismo não impediu os esforços diplomáticos nem o longo período de prosperidade mundial interrompido em 2008 pela crise financeira. Provavelmente também não deterá o governo russo. A execução do plano apresentado em Davos poderá ser dificultada por obstáculos políticos de outra natureza.

O presidente Medvedev reconheceu em seu discurso as imperfeições do regime russo - como as deficiências do sistema judiciário - e a persistência da corrupção. Foi um reconhecimento espontâneo e, ao mesmo tempo, estratégico. A participação do capital estrangeiro será essencial para a execução do novo plano de desenvolvimento econômico. Regras instáveis, insegurança jurídica e corrupção administrativa podem travar as decisões de investimento. Além disso, o novo plano é também o roteiro de uma nova forma de inserção internacional da Rússia. O presidente Medvedev mencionou nada menos que a intenção de um acordo de associação com a União Europeia, para a constituição de um espaço econômico unificado entre o Atlântico e o Pacífico.

O plano pode ser extremamente ambicioso e de execução muito difícil, mas revela uma concepção clara e pragmática dos interesses nacionais. O presidente Medvedev fez o elogio do Grupo dos 20, embora cobrando maior determinação no cumprimento das decisões coletivas. Propôs a conversão do Bric - Brasil, Rússia, Índia e China - numa entidade operativa, isto é, com capacidade de ação política. O governo brasileiro manifestou a mesma pretensão há mais tempo. Mas há uma evidente diferença.

A estratégia internacional do governo russo, assim como a do chinês, é baseada numa concepção dos interesses e das possibilidades nacionais. Alianças têm uma função instrumental. No Brasil, bem ao contrário, o governo subordinou a ação internacional, nos últimos oito anos, a uma concepção particular - e até pitoresca - da diplomacia como extensão da luta de classes ou da ação sindical.

A prioridade à chamada diplomacia Sul-Sul resultou da ilusória noção de uma identidade de interesses e de propósitos entre países em desenvolvimento. Um dos formuladores dessa política chegou a definir a Rússia como um país "geograficamente do Norte e geopoliticamente do Sul" - ideia que nenhum político russo levou a sério. Essa observação vale também para os chineses, empenhados em consolidar sua condição de potência de primeiro time e não em participar de anacrônicas disputas ideológicas.

O pragmatismo do plano russo está expresso, também, nos propósitos de facilitar o ingresso de capitais, de criar parcerias com o investidor estrangeiro e de atrair especialistas formados nas universidades de maior prestígio, facilitando o reconhecimento de diplomas - nada parecido, neste caso, com a concessão de privilégios baseados em critérios ideológicos de "parcerias estratégicas".

O plano russo inclui também a adesão à Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, formada por países desenvolvidos e por alguns emergentes de boa reputação internacional. O Brasil foi convidado há anos para apresentar sua candidatura, mas o governo esnobou a oferta, alegando que o Brasil não entraria num clube de elite sem seus "parceiros estratégicos".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.