O BB a serviço da política do governo

O Banco do Brasil (BB) voltou a ser o maior banco em ativos do País graças à expansão do seu crédito, ao mesmo tempo que a nova diretoria, seguindo as instruções do presidente da República, reduziu suas taxas de juros. Diante desse resultado, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, foi levado a declarar: "É uma lição para os bancos privados. É bom que eles acordem, senão vão ter uma fatia menor do mercado."Não podemos criticar o governo por usar os bancos públicos para forçar as instituições financeiras privadas - onde a concentração é elevada - a reduzir suas taxas de juros, anormalmente altas. Essa tática gerou algum resultado, embora o spread dos bancos privados possa ser considerado ainda muito alto. O governo utilizou suas empresas para exercer um papel regulador.O problema não é esse, mas o aumento dos empréstimos. Enquanto os três principais bancos privados reduziram seus créditos de 1,7% no primeiro semestre, em comparação com 2008, verifica-se que os do Banco do Brasil aumentaram 32,7% - 69% para as pessoas físicas, 32,1% para pessoas jurídicas e 9,7% para o agronegócio. Levando em conta uma inflação de 4,8% no período, verifica-se que o BB não aumentou suas operações para pessoas físicas apenas em razão de uma taxa de juro menor, mas muito mais sob o impulso do governo, no intuito de sustentar artificialmente a demanda doméstica.No primeiro trimestre do ano, o crédito às pessoas físicas do Banco do Brasil cresceu R$ 2,5 bilhões; no segundo, R$ 3,4 bilhões. O ministro da Fazenda criticou o presidente do Itaú-Unibanco por ter dito que, diante do aumento da inadimplência, será difícil não aumentar o spread. O BB encerrou o semestre com uma inadimplência de 3,3%, ante 2,7% em março. Diante desse aumento, elevou seu spread (anualizado), que passou de 6,6%, no primeiro trimestre, para 7,3%, no segundo trimestre (para as pessoas físicas, passou, no mesmo período, de 20,5% para 21,2%...).Mas o governo não usa o BB apenas para expandir o consumo doméstico. Pretende, também, que o banco oficial se ponha a serviço da sua política externa, que está privilegiando os países latino-americanos. Decidiu que cabe ao Banco do Brasil expandir sua operações nesses países, a começar pela Argentina, que já está nos criando muitos problemas e que se destacou como campeã do calote. Cabe lembrar ao governo que o banco tem acionistas privados...

, O Estadao de S.Paulo

15 de agosto de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.