O BC age no câmbio

A primeira ação do Banco Central (BC) em 2011 foi um presente de Dia de Reis para a indústria. Uma nova medida para conter a valorização do real - um pesadelo para a indústria brasileira - foi apresentada nessa quinta-feira, dois dias depois de o ministro da Fazenda, Guido Mantega, haver prometido mais intervenções para frear o dólar em queda. As autoridades, segundo o ministro, dispõem de um arsenal de "infinitas medidas". A novidade anunciada ontem pode ser a primeira delas. A partir de agora, as instituições financeiras terão três meses para ajustar suas transações cambiais. Em dezembro, a posição vendida equivalia a US$ 16,8 bilhões. Uma redução para US$ 10 bilhões poderá ser considerada aceitável, segundo o diretor de política monetária do BC, Aldo Mendes.

, O Estado de S.Paulo

07 Janeiro 2011 | 00h00

O governo tem sido fortemente pressionado pelos produtores brasileiros para conter a depreciação do dólar, isto é, a valorização do real. A valorização da moeda brasileira encarece o produto nacional na comparação com o estrangeiro. Isso torna a produção do Brasil menos competitiva tanto no exterior quanto no mercado interno. O grande aumento da importação no ano passado foi em grande parte uma consequência desse desequilíbrio, prejudicial tanto para as empresas quanto para os trabalhadores, porque dificulta a criação de empregos.

Bancos e outros agentes financeiros ficam vendidos em dólares quando apostam na valorização do real. Se estiverem certos nessa aposta, ganharão quando tiverem de comprar os dólares para entregar aos compradores, porque a moeda americana valerá menos do que hoje. Esse jogo tem sido lucrativo, porque o excesso de dólares no mercado internacional tem facilitado a aplicação de grandes volumes no Brasil e em vários outros mercados emergentes. No caso brasileiro, o bom desempenho da economia nacional e os juros elevados são fortes atrativos.

No ano passado, o BC comprou US$ 41,4 bilhões, na tentativa de enxugar o mercado e tornar o câmbio menos instável. No segundo semestre o Ministério da Fazenda elevou o imposto cobrado no ingresso de capitais de curto prazo para desestimular a especulação. Isso pode ter produzido algum efeito, mas não interrompeu a desvalorização da moeda americana. O banco central dos EUA anunciou no último trimestre a injeção de mais US$ 600 bilhões no mercado ao longo de seis meses, se a economia do País continuasse em marcha lenta. A emissão corresponde a US$ 75 bilhões por mês e a ameaça permanece, apesar de sinais de reativação econômica.

No Brasil, o dólar continuou caindo perigosamente na virada do ano e isso determinou tanto as declarações do ministro da Fazenda quanto a nova iniciativa do BC. Em abril, toda instituição com posição vendida superior a US$ 3 bilhões terá de recolher 60% do excedente ou da diferença entre aquela posição e o patrimônio de referência (PR). O cálculo será realizado com o menor desses dois valores - os US$ 3 bilhões ou o PR. Bancos poderão reduzir sua posição vendida comprando dólar e assim freando a sua desvalorização.

A nova iniciativa foi em geral bem recebida por analistas de consultorias e do mercado financeiro. Houve quem a considerasse suave, por causa do prazo de três meses para ajuste das carteiras e do teto de US$ 3 bilhões sem depósito compulsório. O recolhimento ao BC vai ser em reais e sem remuneração. Uma posição vendida de US$ 10 bilhões para todo o sistema é considerada razoável neste momento, mas a avaliação do BC poderá mudar, avisou Aldo Mendes.

É cedo para saber se a nova iniciativa será suficiente para deter a valorização do real. Ainda este mês o BC poderá decidir um novo aumento dos juros para combater a inflação. Se o fizer, tornará os papéis brasileiros mais atrativos para quem dispõe de dólares para aplicar no País - especialmente se o Fed continuar emitindo dezenas de bilhões por mês. Enfrentar todos esses desafios será muito complicado, se o combate à inflação continuar dependendo só do BC. O novo governo prometeu um aperto fiscal para complementar a política monetária. Mais do que nunca, é preciso cortar gastos e seguir esse caminho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.