O consumo continua forte

Sustentado pelo aumento do emprego, pelos ganhos salariais e pela expansão do crédito, o consumo privado continuou crescendo mais que a oferta interna de bens e serviços no segundo trimestre, quando o Produto Interno Bruto (PIB) foi 0,8% maior que no primeiro, segundo o IBGE. No trimestre anterior, a economia havia crescido 1,2%.

, O Estado de S.Paulo

03 Setembro 2011 | 00h00

Entre abril e junho o consumo privado foi 1% maior que nos três meses anteriores e 5,5% superior ao de um ano antes. A expansão trimestral foi a 31.ª consecutiva. O descompasso entre a demanda dos consumidores e a oferta interna explica em boa parte a vigorosa e prolongada alta de preços, interrompida brevemente no meio do ano e agora retomada, como confirmam os últimos dados de inflação.

Também o consumo do governo - o custo dos serviços prestados pelas administrações federal, estadual e municipal - continuou em expansão, com aumento de 1,2% entre o primeiro trimestre e o segundo.

Quando se examinam os novos dados gerais da economia brasileira, fica evidente, mais uma vez, a precipitação do Banco Central (BC) ao decidir o corte dos juros básicos. O esfriamento econômico, alegado pelo governo e pelo BC para justificar essa decisão, é apenas parcial. É muito mais sensível do lado da oferta interna de bens e serviços. O cenário é diferente do lado da demanda. O crescimento do consumo familiar foi maior no segundo trimestre do que no primeiro, quando havia ficado em 0,7%. E continua vigoroso, como indica, por exemplo, o número de veículos emplacados em agosto, 6,9% maior que o de julho e 4,7% maior que o de um ano antes.

Novos ganhos para os trabalhadores devem ocorrer no segundo semestre e já está garantido um aumento de 13,6% para o salário mínimo. Somados esses fatores a um orçamento expansionista para 2012, ano de eleições, como se pode apostar num arrefecimento da inflação? O próprio governo embutiu na proposta orçamentária uma previsão de crescimento econômico de 5%. A estimativa oficial para 2011 está em torno de 4%. O mercado prevê menos que 4%.

O investimento em máquinas, equipamentos, imóveis e infraestrutura, no segundo trimestre, foi 1,7% maior que no primeiro. Essa expansão dependeu, em parte, da importação de bens de capital. O aumento das compras externas foi impulsionado tanto pelo consumo quanto pelo investimento. Do primeiro para o segundo trimestre a produção industrial avançou 0,2%, mas esse resultado ligeiramente positivo dependeu essencialmente das atividades extrativas. A indústria de transformação, segundo o IBGE, ficou estagnada.

Esses dados da produção fabril podem até parecer muito pessimistas. De toda forma, as informações parciais disponíveis até agora apontaram uma desaceleração. A perda de impulso resultou principalmente das condições de competitividade da indústria brasileira, prejudicada pela valorização do real - seus produtos ficaram mais caros que os estrangeiros. O câmbio muito valorizado se somou a outras desvantagens bem conhecidas e genericamente descritas como "custo Brasil".

A redução dos juros básicos, neste momento, não resolverá nenhum desses problemas. O problema da indústria não está no lado da demanda, mas na formação de custos, por causa de fatores como o excesso de impostos, as deficiências da infraestrutura e o alto preço da energia. Se a demanda interna crescer com mais vigor, pressionará mais fortemente os preços e exigirá mais importações, oferecendo um mercado mais amplo aos produtores de fora.

Juros básicos menores não tornarão muito mais fácil o investimento industrial, até porque a maior parte do financiamento de longo prazo é concedida em condições melhores que as do mercado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A criação de um mercado para títulos de longo prazo depende de vários outros fatores, incluída uma gestão austera e mais equilibrada das contas públicas.

Por enquanto, só diretores do BC parecem acreditar nas promessas de austeridade. Até pagaram adiantado, cortando os juros antes da prometida contenção de gastos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.