Fotos Públicas
Fotos Públicas

O futuro esperado que não veio

Nesta década, nosso PIB vai crescer cerca de 8,7% no acumulado. Exatamente a média anual dos anos 70

Luis Eduardo Assis, O Estado de S. Paulo

13 de maio de 2019 | 05h00

É preciso esforço para descolar o nariz das banalidades do cotidiano. Da mesma maneira que um nadador no mar, longe da costa, levanta a cabeça para assegurar sua direção, é preciso às vezes aferir para onde vamos. Um estudo recente publicado pela Goldman Sachs (Brazil: Two Lost Decades in Forty Years – Could it lose half a century?, A. Ramos, P. Mateus e G. Fritsch) oferece uma oportunidade para este exercício. Avaliar o progresso de uma nação é sempre um desafio. A convenção é tomar o PIB como métrica, o que está longe de ser simples para períodos mais longos, já que essa metodologia só se consolidou em meados do século passado.

Leia Também

Não vai dar tempo

Não vai dar tempo

Entre 1900 e 1940, o Brasil acumulou um crescimento do produto da ordem de 461%, com expansão acima de 50% em todas as décadas. Mesmo considerando o crescimento populacional acumulado de 136%, o aumento da renda per capita foi significativo, 2,2% ao ano. Ficou melhor ainda no período seguinte, entre 1940 e 1980, quando o PIB se expandiu nada menos que 1.436,8%, com média superior a 7% ao ano. Em termos per capita, isso significou 4,2% ao ano. Sim, já fomos uma China.

O terceiro período de 40 anos está quase no seu final, mas seu destino está selado. Levando em conta o que o mercado projeta para 2019 e 2020, a expansão acumulada entre 1980 e 2020 vai ficar abaixo de 140%. Nesta fase, temos duas décadas perdidas. Nos anos 80, o PIB cresceu miseráveis 18,4%, com queda de 4,3% na renda per capita. Na década atual, o PIB vai crescer ainda menos, cerca de 8,7% no acumulado. Este porcentual é exatamente a média anual que crescemos nos anos 70. Dez anos em um. Se a renda per capita não cair, será pela única razão que o crescimento da população hoje é menos da metade do registrado nos anos 80.

Ao ritmo que vínhamos até 1980 o PIB dobrava a cada 13 anos. No passo dos 40 anos seguintes, o PIB dobra a cada 32 anos. Se pegarmos apenas a década de 2010, teremos de esperar 83 anos para que o produto se multiplique por dois. Este descaminho é nosso; o mundo continuou crescendo. Em 1980, o produto per capita brasileiro (em dólares constantes) era 58% maior que o do Chile e 71% menor que o dos EUA. Em 2017, ele foi 28% menor que o do Chile e 80% menor que o produto per capita americano.

Quando foi que nos perdemos? Na década de 80 podemos colocar a culpa no aumento dos juros internacionais, que quebrou países com alta dívida externa – ainda assim, será preciso questionar a incúria do próprio endividamento excessivo. Nos anos recentes, a crise é quase totalmente feita pela mão do homem, vale dizer, pela adoção de políticas equivocadas.

O páreo é duro, mas a estultice que se destaca talvez seja a ideia de que os gastos públicos geram crescimento que provocará aumento da arrecadação em montante suficiente para fundear os gastos iniciais – um moto-contínuo. Também assistimos, mercê da debilidade das instituições, ao saqueamento sistemático do Estado por grupos organizados, na fúria incansável de extrair benefícios, privilégios e sinecuras. O resultado foi uma crise fiscal que ameaça quebrar o País.

Pensar que a aprovação da reforma da Previdência vai “destravar” o crescimento é doce ilusão. Não há nenhuma força que está sendo contida. O motor do crescimento está desligado. A reforma é fundamental para evitar um mal maior. Sem demanda, a capacidade ociosa e o desemprego continuarão altos. A reconstrução é tarefa de muitos anos. O IBGE nos informa que nasce um brasileiro a cada 19 segundos. Foram 6 durante a leitura deste artigo. O que eles encontrarão pela frente? Se a resposta for um país com menos educação e mais armas, perderemos mais uma década.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.