O isolacionismo de Trump

Dentro dos próprios Estados Unidos, dirigentes de grandes empresas e governadores e prefeitos dentre os mais importantes criticaram duramente a saída do Acordo de Paris

O Estado de S.Paulo

03 Junho 2017 | 03h08

A decisão do presidente Donald Trump de retirar os Estados Unidos do Acordo de Paris sobre o clima, aprovado em 2015 e assinado por 195 países, é uma demonstração de que está mesmo disposto a levar seu país para uma posição de isolamento – em claro desacordo com o mundo globalizado –, que terá certamente consequências importantes para todas as partes envolvidas. Para tal, escolheu a dedo um grave problema que envolve toda a comunidade internacional e, por isso, coloca em dúvida a vontade dos Estados Unidos de manter o papel de liderança que desempenham desde a 2.ª Guerra.

A retórica para anunciar a medida estampa a pobreza de ideias, o ressentimento e o gosto pelas fórmulas de impacto sem compromisso com a realidade dos fatos, típicos do populismo. “Eles (o restante do mundo) ficaram felizes quando assinamos o Acordo de Paris pela simples razão de que ele colocou nosso país, que tanto amamos, em uma muito, muito grande desvantagem econômica”, disse ele, certamente se referindo a sua teoria – repisada durante a campanha que o levou à Casa Branca – de que o aquecimento global é uma conspiração chinesa para prejudicar seu país. E acrescentou: “Não queremos mais que outros líderes e outros países riam de nós”.

A proposta feita em seguida, de renegociar o acordo – “Vamos ver se podemos fazer um negócio mais justo. Se pudermos, ótimo. Se não, tudo bem” –, foi logo recusada por líderes da União Europeia e da China. Para a Alemanha, a França e a Itália, o acordo não pode e não será renegociado, porque é “um instrumento vital para nosso planeta, sociedades e economias”. O primeiro-ministro da China, Li Keqiang, assegurou que seu país continua comprometido com o Acordo, porque lutar contra as mudanças climáticas é um consenso global.

A pronta reação hostil à decisão de Trump não partiu apenas de líderes estrangeiros, porque estariam, segundo ele, interessados em prejudicar o seu país. Ela foi muito mais ampla e profunda. Dentro dos próprios Estados Unidos, dirigentes de grandes empresas e governadores e prefeitos dentre os mais importantes criticaram duramente a saída do Acordo de Paris. Jerry Brown, governador da Califórnia, prometeu resistir à decisão “equivocada e insana” de Trump, e o de Nova York, Andrew Cuomo, disse que muitos Estados vão continuar, por conta própria, a tomar medidas contra o aquecimento global.

Num outro sinal de que a tarefa de Trump não será nada fácil, grandes empresas – que de acordo com a retórica do presidente deveriam se sentir protegidas – também não pouparam críticas, como a Exxon Mobil, gigante do setor petrolífero, General Electric, a rede Walmart, o banco de investimento Goldman Sachs, sem falar nas do Vale do Silício, da Califórnia, ligadas às modernas tecnologias. Trump parece ter despertado, sem querer, descontentamento e revolta mais poderosos do que poderia imaginar.

Ao contrário do que aconteceu com outras bravatas – como a construção de um muro na fronteira com o México, a expulsão em massa de estrangeiros em situação irregular e as limitações à entrada de outros no país – das quais recuou, ou foi obrigado a isso pela Justiça, Trump foi muito longe no caso do Acordo de Paris. Tudo indica que terá de ir adiante, acirrando a oposição interna e aumentando a hostilidade no exterior, sob pena de perder a face.

O diagnóstico sobre Trump, feito por Paul Edwards, professor da Universidade de Michigan, que participou como observador das negociações que levaram ao Acordo de Paris, é ao mesmo tempo certeiro e altamente preocupante: “Ele elevou teorias conspiratórias que atacam a ciência ao patamar de políticas de Estado”. E fez o mesmo, pode-se acrescentar, com relação à economia e ao comércio internacional, com sua defesa de um exacerbado protecionismo.

O isolacionismo e populismo nunca produziram bons resultados. Os de Trump são particularmente perigosos, porque ele é líder do país mais rico e poderoso do mundo, cujas decisões têm repercussões globais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.