O Lula de sempre no palanque

A temporada populista de caça ao voto escancarou-se no fim de semana com o comício promovido pelo ex-presidente na Paraíba

O Estado de S.Paulo

21 Março 2017 | 03h00

A temporada populista de caça ao voto escancarou-se no fim de semana com o comício promovido pelo ex-presidente Lula da Silva na Paraíba. Foi o troco dado ao presidente Michel Temer no mesmo local em que o chefe do governo promoveu, no último dia 10, um ato público para comemorar, como símbolo da Transposição do São Francisco, a chegada das águas do rio ao município paraibano de Monteiro. O comício petista foi apresentado como a “inauguração popular” do projeto lançado por Lula em 2007 e que Dilma, apesar das reiteradas promessas, não teve competência para inaugurar enquanto estava no poder. No palanque, Lula foi o demagogo populista de sempre: “Se eu for (candidato a presidente em 2018) é para ganhar e trazer de volta a alegria deste país. Eu sei colocar o povo para sonhar com emprego e salário”. Finge não saber que, uma hora, o povo acorda.

Lula deixou a Presidência em 2010 com mais de 80% de aprovação popular. Hoje, amarga a rejeição de quase metade da população brasileira. Réu em cinco ações penais, três delas na Lava Jato, o ex-presidente manteve no comício de domingo na Paraíba a mesma atitude de vítima que adota sempre que se sente politicamente desconfortável. Nessas ocasiões, introduz no discurso a figura de seus implacáveis inimigos: “eles”, todos aqueles que ousam discordar politicamente do chefão petista ou não acreditar que ele seja “a pessoa mais honesta deste país”.

Novo “evento popular” a ser protagonizado por Lula está programado para 3 de maio, quando ele prestará seu primeiro depoimento na presença do juiz Sergio Moro, em Curitiba. A ideia ainda não foi anunciada pela direção do PT, mas acredita-se que mesmo sem a chancela oficial do partido haverá uma forte mobilização para levar às ruas da capital paranaense apoiadores do ex-presidente dispostos a protestar contra a “perseguição política” de que ele é vítima.

Lula também tem mantido, desde outubro, encontros mensais com cerca de uma dúzia de economistas, a maioria ligada à Unicamp, com o objetivo de discutir medidas a serem propostas para a retomada do crescimento econômico e o combate ao desemprego. Até o momento esses encontros não têm produzido resultados satisfatórios porque, de acordo com membros do grupo, as divergências internas são grandes, tanto no que diz respeito a medidas de curto prazo como no que se refere àquelas de natureza estrutural.

Essas divergências são agravadas pelo fato de que Lula sabe exatamente o que deseja, cobrando dos especialistas apenas a melhor forma de colocar essas ideias em prática. Na verdade, o que ele espera é um milagre, que se resume a, em linhas gerais, fazer funcionar os mesmos princípios intervencionistas que constituíam a essência da “nova matriz econômica”, cujos resultados negativos foram precipitados pela incompetência gerencial do poste Dilma Rousseff, provocando o colapso da economia brasileira.

O que Lula pretende é municiar-se de argumentos de apelo popular para radicalizar o ataque ao presidente Temer, acusando-o de ser o responsável, em 10 meses de governo, pelo desastre econômico e social que os petistas passaram mais de 13 anos construindo. É óbvio que a grande maioria dos brasileiros, além de ter memória curta, não domina certas complicações econômicas. Mas é fácil a um demagogo populista fazer acreditar que o governo tudo pode e se aquele que está aí não resolve, por exemplo, o problema do desemprego, é porque não quer ou porque, perversamente, não se sensibiliza com as dificuldades da população mais pobre.

Para fazer os brasileiros voltarem a “sonhar com emprego e salário”, Lula não terá o menor escrúpulo de ressuscitar nos palanques – com atraente alcunha – o espírito da malfadada “nova matriz econômica”. Esse é o desafio que impôs aos economistas que o apoiam, na expectativa de que eles desatem o nó dos recursos inexistentes e promovam a mágica da retomada da gastança, cujos efeitos negativos sempre podem ser atenuados por uma boa “pedalada”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.