O MPL ataca de novo

O “protesto” – desta vez, as aspas se impõem ainda mais do que nas anteriores, como se verá – do Movimento Passe Livre (MPL) contra o prefeito João Doria, quinta-feira passada, foi um ato irresponsável de particular gravidade

O Estado de S. Paulo

14 Janeiro 2017 | 03h05

O “protesto” – desta vez, as aspas se impõem ainda mais do que nas anteriores, como se verá – do Movimento Passe Livre (MPL) contra o prefeito João Doria, quinta-feira passada, foi um ato irresponsável de particular gravidade. À habitual violência dessas manifestações – com depredações do patrimônio público e privado que já bastariam para condená-lo, por ser um crime – veio se juntar um ingrediente novo. Foi um falso protesto, com motivo inventado, porque o aumento da tarifa do transporte coletivo não existe.

Os baderneiros saíram de um extremo da Avenida Paulista, a Praça do Ciclista, por volta das 17 horas, e foram em direção à Rua Itália, no Jardim Europa, onde fica a casa do prefeito. Pouco mais de meia hora depois, impediram a circulação nas duas pistas das Avenidas Rebouças e Henrique Schaumann. Policiais Militares, com reforço da Tropa de Choque, fizeram um bloqueio a quatro quarteirões da residência de Doria, para impedir que o ato degenerasse em violência.

De nada adiantou, porque o “protesto” seguiu rigorosamente o roteiro de violência já bem conhecido dos paulistanos, quando o MPL e outros movimentos ditos sociais põem suas tropas na rua. Impedidos de chegar à Rua Itália, os baderneiros se dispersaram pelas ruas vizinhas quebrando tudo que podiam. Destruíram latas de lixo e depredaram quatro agências bancárias e várias lojas. Por dano ao patrimônio, quatro pessoas foram detidas, mas dificilmente elas pagarão por isso, a julgar pelo histórico de dezenas e dezenas de outros episódios semelhantes.

Quanto ao MPL, deve continuar posando de bonzinho e atribuindo a violência aos black blocs. Foi o que ele fez desde que se destacou nas grandes manifestações de junho de 2013, que começaram em São Paulo e se espalharam por várias outras cidades do País. Na ocasião, seus militantes se aproveitaram de um sentimento difuso de insatisfação da população com a situação geral do País, que a fez aderir aos protestos contra o aumento das tarifas do transporte público. Para dar uma satisfação às multidões que foram às ruas então – nas quais se misturavam os mais diferentes grupos – o MPL insistiu que nada tinha a ver com os black blocs.

Eles se infiltrariam nas manifestações contra a sua vontade. Mas em nenhum momento o MPL e outros grupos que a ele se juntaram condenaram explicitamente a violência dos black blocs que passavam por ser os únicos responsáveis pelas depredações. Muito menos o MPL impediu que os black blocs a ele se juntassem como fez com políticos quando isso foi conveniente. Na melhor das hipóteses, há evidente cumplicidade entre eles. Os black blocs são apenas a mão do gato do MPL. Além disso, não se pode também perder de vista que a base do MPL – tarifa zero – é um embuste. Ou alguém pensa seriamente que o dinheiro que sustenta o transporte público cai do céu? Do bolso de alguém ele sai, e esse alguém é o conjunto dos contribuintes que pagam pesados impostos.

A isso tudo se junta a grande inovação desse “protesto” – não havia motivo para ele. O prefeito Doria – e esse foi seu único e grave erro no caso – decidiu congelar a tarifa de ônibus durante 2017, numa jogada demagógica que vai custar caro. Como o serviço de ônibus tem de funcionar em conjunto com o Metrô e outros meios de transporte da região metropolitana de responsabilidade do Estado, o governador Geraldo Alckmin teve de seguir o prefeito, seu apadrinhado político.

Numa tentativa de ao menos reduzir o prejuízo do desastrado congelamento, Alckmin resolveu fazer aumentos parciais, como o de 14,8% da tarifa integrada de ônibus com o sistema metroferroviário. Por decisão liminar, a Justiça revogou o aumento. Até que seja julgado recurso do governo estadual, fica tudo como antes.

O MPL protestou, portanto, contra algo que não existe. Sua motivação continua sendo elementar: é preciso promover baderna por razões políticas; se não tem motivo, inventa-se um ou vai-se à luta (à depredação) sem nenhum. Se os fatos não ajudam, pior para os fatos, e a população que se dane.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.