O PMDB acode o clã Sarney

Os distraídos decerto não se deram conta, mas a República correu grave risco na madrugada da quinta-feira. Pelo menos é o que se poderia deduzir dos estridentes pronunciamentos com que o vice-presidente Michel Temer e o seu companheiro de caciquia no PMDB, o presidente do Senado Renan Calheiros, reagiram a um obscuro episódio ocorrido a altas horas no aeroporto maranhense de Imperatriz, a cerca de 500 quilômetros da capital São Luís. Ao que parece, uma equipe da Polícia Federal (PF), mobilizada a partir de uma suposta denúncia anônima e chefiada pelo delegado regional do órgão, invadiu um avião de campanha do senador Edison Lobão Filho, candidato ao governo do Estado - pelo PMDB, claro.

O Estado de S.Paulo

27 Setembro 2014 | 02h04

Alegadamente de armas em punho, os federais revistaram o aparelho, os carros e a bagagem da comitiva do suplente de senador que exerce o mandato desde que seu pai, o titular da cadeira, se licenciou para ocupar o Ministério de Minas e Energia. A propósito, ao que se divulgou semanas atrás, o nome do genitor teria sido citado pelo ex-diretor de abastecimento da Petrobrás Paulo Roberto Costa entre os envolvidos no festival de corrupção na área da estatal que o delator comandava. Desde então, o ministro não tem sido visto em Brasília. Em Imperatriz, os federais estariam atrás de dinheiro de caixa 2 da candidatura de Lobão Filho. A diligência deu em nada e os policiais se retiraram, deixando como encontraram os bens vistoriados.

Nada nem remotamente parecido, portanto, com os devastadores resultados de outra incursão da PF em terreno politicamente minado no Maranhão. Em 1.º de abril de 2002, agentes do órgão acharam e apreenderam R$ 1,34 milhão em dinheiro vivo no escritório do marido e sócio da então governadora Roseana Sarney, filha do oligarca nascido José Ribamar Ferreira de Araújo Costa. O escândalo acabou com as pretensões de Roseana de conquistar a cadeira que já foi do pai, no Palácio do Planalto. Mas não impediu que no mesmo ano ela se elegesse senadora, juntamente com uma cria da família, Edison Lobão. O clã serviu fielmente ao regime militar, mas para o PT de Lula e de Dilma isso são águas passadas.

O ainda senador Sarney, de 84 anos, e a atual governadora Roseana, 61, não participarão mais de disputas eleitorais. O futuro do soba, de qualquer forma, estará em causa no pleito próximo. Ele corre o risco de sofrer uma rara derrota se as urnas confirmarem a dianteira do adversário histórico do clã, o ex-presidente da Embratur e ex-deputado federal Flávio Dino, do PC do B. Ele aparece nas pesquisas com 42% de intenções de voto ante 30% de Lobão Filho. Daí, quem sabe, o teor desproporcional ao incidente das notas emitidas por Temer e Renan sobre o que teria sido a instrumentalização de forças policiais para "atingir candidaturas legitimamente constituídas", no dizer do vice-presidente, como se a legitimidade das aspirações de Lobão Filho estivesse em dúvida.

De seu lado, o titular do Senado advertiu que as instituições não podem "descambar para a exploração político-partidária". De fato, não podem, mas, pelo seu retrospecto amplamente conhecido, Renan Calheiros está longe de ser a figura pública mais credenciada a invocar esse princípio. A indignação ostentada por ambos em face de uma ocorrência de dimensões afinal restritas - embora, ainda assim, precise ser plenamente esclarecida, como promete o Ministério da Justiça - contrasta com a indiferença dos aliados e agregados do clã Sarney diante da baixaria cometida contra o oposicionista Flávio Dino, numa tentativa, que se revelaria aloprada, de favorecer a candidatura de Lobão Filho, mediante falso testemunho.

Um presidiário do notório complexo penal de Pedrinhas, em São Luís, revelou que foi induzido por duas autoridades do setor, com a promessa de receber uma paga e regalias na cadeia, a gravar um vídeo acusando o candidato do PC do B de ligações com o crime organizado. Os maranhenses não merecem o que a oligarquia Sarney faz há décadas do Estado, enquanto os priva do acesso a serviços públicos minimamente aceitáveis. O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Maranhão é o segundo pior do País. É a obra de um sistema de poder.

Mais conteúdo sobre:
Editorial Estadão PMDB Sarney

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.