O que nos espera em 2014?

No ano que vem há uma combinação incomum de questões globais e do Brasil que nos deve afetar. Quais são esses temas relevantes que merecem nossa atenção? Há vários, todos interligados. Abaixo, listo oito deles.

ILAN GOLDFAJN, O Estado de S.Paulo

03 Dezembro 2013 | 02h05

1) Recuperação global ou estagnação secular? Há uma dúvida no ar. Imagina-se que 2014 será o ano da recuperação do crescimento no mundo. Se isso não ocorrer, voltará à tona a ideia de que o mundo não consegue sair da estagnação. Os economistas nos EUA voltarão com a tese de que estão diante da "japoneização" de sua economia, num processo de estagnação secular. Prosperarão as teses de que o crescimento anterior era fruto de bolhas e que atualmente a economia encontra dificuldades estruturais para crescer, dentre elas, o limite de zero para a queda de juros. Acredito na recuperação da economia dos EUA (e global), o que dará a tranquilidade para a volta do pleno emprego e crescimento maior (embora provavelmente menor que o período de boom excepcional dos anos 2000).

2) Ocorrerá o início da normalização da política monetária nos EUA? Em 2014, o Fed (banco central norte-americano) provavelmente começará a remover os estímulos excepcionais introduzidos para lidar com as consequências da crise financeira de 2007/2008. Hoje em dia o Fed injeta US$ 85 bilhões mensalmente na economia, por meio da compra de diferentes títulos no mercado, o que tende a exercer pressão para manter baixas as taxas de juros mais longos. À medida que a crise financeira fica distante, há a pressão para normalizar a política monetária, injetar menos recursos na economia, evitar a formação de bolhas (subidas artificiais de preços de ativos de risco). A ideia do Fed nos últimos tempos tem sido a de se comprometer a não aumentar os juros por um longo período de tempo, mesmo após a retirada das injeções monetárias, para ancorar as taxas de juros longos e evitar abortar a recuperação, ainda frágil. Tarefa difícil de realizar caso a economia de fato se recupere, o que naturalmente trará expectativas de continuidade da normalização da política monetária nos EUA e a provável subida dos juros nesse país e no mundo.

3) O dólar ganhará força? Haverá overshooting do real? A normalização da política monetária nos EUA leva ao fortalecimento do dólar. A mesma pressão para a subida de juros provoca também a volta dos fluxos de capitais para lá e a compra de dólar, o que eleva sua cotação. Foi o que observamos ao longo de 2013, só com a expectativa da mudança na política monetária nos EUA. Podemos dizer que o dólar já reagiu antecipadamente à normalização da política monetária norte-americana. Mas ainda deve sofrer algum impacto adicional, quando (e se) ocorrer de fato a redução dos estímulos no país. O real deve sofrer algum impacto adicional da valorização do dólar, mas sua extensão vai ser determinada por fatores locais, como a situação fiscal e a possibilidade de downgrade.

4) O ano que vem será o do downgrade? A política fiscal reagirá? Há uma ameaça de rebaixamento (downgrade) do grau de classificação das agências de risco em função da queda continuada do superávit primário, da expansão (para)fiscal via capitalização dos bancos públicos e, de forma geral, de um crescimento baixo. O superávit primário tem declinado gradativamente, atingindo um valor abaixo de 2% em 2013 (estimamos 1,7%) e em direção para menos de 1,5% no ano que vem. Por um lado, os Estados e municípios devem gastar as suas economias em ano eleitoral; por outro, o governo federal tem de lidar com o impacto sobre a receita das desonerações efetuadas nos últimos anos (para estimular a economia), enquanto os gastos públicos continuam crescendo forte. Na ausência de uma mudança de direção, o downgrade de uma agência pode ocorrer sem a perda do grau de investimento, mas o suficiente para assustar antecipadamente aqueles investidores que dependem do grau de investimento para aplicar no Brasil. A política fiscal tem de reagir, os estímulos via bancos públicos já parecem caminhar nessa direção. Mas um choque, como a aceitação das indenizações bilionárias dos planos econômicos, pode levar a um ou mais downgrade.

5) A inflação no Brasil vai-se estabilizar em torno de 6%? O objetivo do governo é levar a inflação a um processo de (lento) declínio em direção à meta, evitando o risco de um choque inflacionário desencadear uma espiral inflacionária para o outro lado. Mas há o problema da necessidade de reajustar vários preços administrados que estão defasados (como gasolina, diesel, energia elétrica) num ambiente em que os preços livres ainda sofrem uma inflação elevada. Em 2013 a inflação dos preços livres ainda está em torno de 7%-8%, enquanto a dos preços administrados caiu para 1,5%, mas precisando de reajustes. Mais um ano de inflação elevada pode cristalizar as expectativas e aumentar o peso da inércia na economia brasileira.

6) As taxas de juros continuarão subindo? O Banco Central do Brasil sinalizou no seu comunicado que o ciclo de alta da Selic não será muito mais prolongado. Mas a normalização dos juros nos EUA e no mundo pode ainda exercer pressão altista sobre as outras taxas de juros no Brasil, principalmente se as questões fiscal e inflacionária não forem bem encaminhadas no ano que vem.

7) O programa de concessões de infraestrutura será bem-sucedido? O programa de concessões é importante para aumentar os investimentos no Brasil. Como ocorre com a maioria dos programas, será menor que o planejado inicialmente, mas importante para atacar um dos principais gargalos da economia brasileira. O esforço em 2014 terá de ser seguido nos próximos anos.

8) Quais serão os resultados das eleições presidenciais e da Copa do Mundo no Brasil? Difícil prever, mas são temas que estarão na cabeça de todos em 2014. Certamente, esperamos que o Brasil ganhe a Copa!

ECONOMISTA-CHEFE E

SÓCIO DO ITAÚ UNIBANCO

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.