Os 60 anos do IBF

No nosso país, onde a precariedade institucional é notável, uma entidade cultural completar 60 anos de existência é façanha digna de comemoração. Façanha tanto maior se a instituição for privada (independente, portanto, do favor oficial) e, ainda por cima, liberal e pluralista, nesta terra de patotas, atos institucionais, censura judicial à imprensa, medidas provisórias e cultura política patrimonialista.A instituição cultural a que me refiro é o Instituto Brasileiro de Filosofia (IBF), criado em São Paulo, em 1949, pelo saudoso jurista e filósofo Miguel Reale (1910-2006). O órgão de divulgação do instituto, a Revista Brasileira de Filosofia, tem sido editado sem interrupção desde 1951 e é uma das mais antigas publicações periódicas de caráter filosófico da América Latina. Segundo destacava o professor Miguel Reale em 2005, "a grande missão do IBF foi estabelecer um contato permanente entre os pensadores brasileiros, devido à Revista Brasileira de Filosofia e a periódicos congressos nacionais e internacionais. Com isso, o Brasil passou a ter o seu lugar no mundo filosófico universal, não ficando, porém, limitado à exegese do pensamento estrangeiro".Quando foi comemorado o cinquentenário do IBF, reuniu-se em São Paulo, dez anos atrás, na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, o VI Congresso Brasileiro de Filosofia. Do evento, presidido por Miguel Reale, participou uma centena de docentes e pesquisadores vindos dos vários Estados do Brasil e também de outros países, como Argentina, Itália, Peru, Espanha, Alemanha e Portugal. Ao ensejo do VI Congresso Brasileiro de Filosofia teve lugar também o Colóquio Antero de Quental, dedicado ao estudo de filósofos portugueses.As comemorações pelos 60 anos do instituto ocorrem em vários lugares, sendo um dos eventos mais marcantes o Colóquio Luso-Brasileiro de Filosofia, que será realizado em São João del-Rei, na universidade federal dessa cidade mineira, entre os dias 14 e 18 de setembro. O evento será promovido, conjuntamente, pela Universidade Federal de São João del-Rei e pelo Instituto de Filosofia Luso-Brasileira - que foi criado em 1991 seguindo a inspiração pluralista do IBF. Participarão desse colóquio vários membros do Instituto Brasileiro de Filosofia, bem como pesquisadores brasileiros e estrangeiros.O mais importante significado do Instituto Brasileiro de Filosofia consiste em que estimulou entre nós a consolidação e a expansão dos estudos acerca da filosofia brasileira. No que tange a esse item, Miguel Reale formulou a metodologia que tornou possível o estudo isento dos diversos pensadores.Essa metodologia consta dos seguintes passos, segundo a síntese que dela fez Antônio Paim: Identificar o problema (ou os problemas) que tinha pela frente o pensador, prescindindo do empenho de filiá-lo a essa ou àquela corrente; abandonar o confronto de interpretações e, portanto, o cotejo excludente das ideias do pensador estudado em face de outros autores ou correntes de pensamento; ocupar-se preferentemente da identificação de elos e derivações que permitam apreender as linhas de continuidade de nossa meditação.Graças a essa metodologia foi possível aos pesquisadores do IBF e aos alunos dos cursos de pós-graduação em Filosofia Brasileira, que funcionaram entre 1979 e 1996, estudar um número bastante representativo de pensadores brasileiros, pertencentes a correntes doutrinárias as mais variadas, sem preconceitos de credo religioso ou ideologia política. É essa, sem lugar a dúvidas, a mais importante contribuição que, do ângulo metodológico, fez o Instituto Brasileiro de Filosofia, no contexto latino-americano. À luz dessa metodologia formaram-se, ao longo dos últimos 40 anos, várias gerações de estudiosos da filosofia brasileira, bem como das demais filosofias presentes na América Latina.No que tange à divulgação do pensamento brasileiro, além da realização de vários congressos nacionais e internacionais, o IBF desenvolveu ampla tarefa de edição de textos, de que surgiram as coleções Estante do Pensamento Brasileiro (com apoio da Editora da USP) e Biblioteca do Pensamento Brasileiro (em convênio com a Editora Convívio). Pesquisadores do IBF participaram, outrossim, entre 1989 e 1992, sob a orientação de Antônio Paim e Roque Cabral, além de outros catedráticos portugueses, da elaboração da Enciclopédia Luso-Brasileira de Filosofia (publicada em Lisboa pela Editorial Verbo). Desde 1986 alguns pesquisadores do IBF têm participado do Projeto Ensayo, desenvolvido pela Universidade da Geórgia, nos Estados Unidos. Dessa iniciativa surgiram os cinco volumes do Anuário Bibliográfico do Pensamento Ibérico e Ibero-Americano, que podem ser consultados no site do mencionado projeto (http://www.ensayistas.org), juntamente com sínteses biobibliográficas de autores brasileiros e portugueses.A comemoração dos 60 anos do IBF representa a conquista de um espaço livre e pluralista para a formulação e divulgação do pensamento filosófico brasileiro. E indica que já foi conquistado o objetivo que Miguel Reale traçou para a meditação filosófica nacional, com as seguintes palavras: "Quando vivermos realmente inseridos na problemática de nossas circunstâncias, natural e espontaneamente, sem sentirmos mais a necessidade de proclamá-lo a todo instante, quando houver essa atitude nova, saberemos conversar sobre nós mesmos e entre nós mesmos, recebendo ideias estrangeiras como acolhemos uma visita que nos enriquece, mas que não chega a privar-nos da intimidade do nosso lar." Ricardo Vélez Rodríguez é coordenador do Centro de Pesquisas Estratégicas da Universidade Federal de Juiz de Fora (MG) E-mail: rive2001@gmail.com

Ricardo Vélez Rodríguez, O Estadao de S.Paulo

18 de agosto de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.