Os ganhos do funcionalismo

Os reajustes salariais que o funcionalismo vem conseguindo são de causar inveja aos trabalhadores do setor privado

O Estado de S.Paulo

18 Outubro 2016 | 04h04

Bem coordenadas e frequentes, as campanhas de diferentes categorias do funcionalismo público por reajuste de vencimentos transmitem a ideia de que esses servidores são maltratados pelos administradores e estão em situação mais difícil do que a média geral dos brasileiros. Trata-se, no entanto, de uma impressão bem distante da realidade. Os reajustes salariais que o funcionalismo vem conseguindo são de causar inveja aos trabalhadores do setor privado, conforme indica recente estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Entre 2004 e 2014, as remunerações dos servidores públicos estaduais e municipais cresceram 53,52% e 46,10% acima da inflação, respectivamente. “Registre-se que, no mesmo período, a evolução das remunerações no setor privado (elevação real de 37,65% na Pnad) foi significativamente menor do que a observada no setor público”, afirmam os pesquisadores do Ipea.

Utilizando como fontes de dados a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) e a Relação Anual de Informações Sociais (Rais), o estudo teve como finalidade analisar o crescimento dos gastos com pessoal ativo nas administrações públicas estaduais e municipais brasileiras na período entre 2004 e 2014. Os pesquisadores queriam entender, por exemplo, se a elevação nos gastos com a folha salarial no período foi causada em razão do aumento dos salários ou de novas contratações.

O estudo aponta para uma diferença nas causas do crescimento dos gastos com o funcionalismo ativo entre Estados e municípios. No caso dos Estados, o fator responsável pelo significativo aumento de gastos foi a elevação salarial, já que não se observa na década analisada – especialmente na segunda metade – expressivo crescimento na contratação de novos servidores. No caso dos municípios, além do aumento dos salários, houve também significativa abertura de vagas.

O estudo também analisa os reajustes salariais nos diversos setores das administrações públicas estaduais e municipais. Entre 2004 e 2014, os servidores públicos da área de educação tiveram aumento real de salários acima da média geral do funcionalismo público. Nos Estados, o ganho desses servidores foi de 57,59% e nos municípios, de 58,04%. O estudo destaca, porém, que a remuneração média dos professores teve um crescimento real abaixo do observado no setor de educação como um todo.

Na área da saúde, os aumentos foram inferiores à média do funcionalismo, mas não foram pequenos. No período de dez anos, os servidores estaduais da área de saúde tiveram aumento de 52,59% acima da inflação. Já os funcionários municipais da área de saúde tiveram ganhos reais médios na ordem de 35,93%. Em contraste, os números do setor privado são bem inferiores. Na educação, o aumento dos salários entre 2004 e 2014 foi de apenas 14,64% e, na saúde, de 29,33%, segundo os dados da Pnad. Vale lembrar que as áreas de saúde e educação são responsáveis por mais da metade dos empregos públicos nos Estados e municípios.

Outra categoria de servidores com substantivos aumentos no período – bem acima da média do funcionalismo público em geral – foram os militares estaduais. Segundo as informações da Pnad, eles receberam, entre 2004 e 2014, aumento real de 70,09%.

Entender o crescimento dos gastos com o funcionalismo é de grande utilidade. Quando determinadas categorias, bem organizadas politicamente, colocam-se como vítimas do sistema e reivindicam, como se fosse uma questão de justiça, reajustes salariais, é necessário levar em conta a realidade do País e do mercado de trabalho – ao contrário de injustiçadas, como muitas vezes se proclamam, são categorias privilegiadas, dizem os números.

O quadro apresentado pelo Ipea é também um elemento importante na avaliação das causas da difícil situação financeira de tantos Estados e municípios. Não se chegou onde se chegou por mero infortúnio. Houve deliberada irresponsabilidade, muito útil eleitoralmente na ocasião, mas que agora cobra seu preço.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.