Os presságios do BC

Diante dos maus presságios do Banco Central (BC) sobre a economia brasileira, a presidente Dilma Rousseff poderá escolher entre duas soluções. A mais simples e mais de acordo com seu padrão de governo será chamar uma benzedeira. A outra, um pouco mais trabalhosa e bem mais ortodoxa, será mudar a política econômica. Em qualquer caso será conveniente rezar para os resultados aparecerem num prazo bem curto. Segundo as novas projeções do BC, a economia crescerá menos que no ano passado, a inflação será maior e as contas externas continuarão em mau estado. As novas estimativas aparecem no Relatório de Inflação, um estudo trimestral sobre as condições econômicas do País e sobre o cenário externo. Os cálculos agora apontam uma expansão de 2% para o Produto Interno Bruto (PIB), em 2014, e uma alta de preços de 6,1% neste ano, 5,5% em 2015 e 5,4% no primeiro trimestre de 2016. Se os números se confirmarem, dentro de dois anos a inflação oficial ainda estará bem longe da meta, de 4,5%.

O Estado de S.Paulo

28 Março 2014 | 02h06

A cada novo relatório a convergência para a meta é empurrada para mais tarde. Tudo se passa como se a taxa de 4,5%, já muito alta pelos padrões internacionais, fosse um objetivo meramente retórico, jamais levado a sério pelas autoridades. Esse adiamento poderia fazer sentido, se uma inflação nesse nível pudesse favorecer o crescimento econômico. A experiência, tanto brasileira quanto internacional, nem de longe sustenta essa hipótese.

Se os fatos confirmarem a nova projeção do BC, a presidente Dilma Rousseff contabilizará em quatro anos de mandato um crescimento econômico médio de 2% ao ano, muito abaixo dos padrões dos países emergentes. Até há pouco, as previsões do BC indicavam para este ano uma expansão de 2,3%, igual à de 2013.

Mas os números ficam mais feios quando se examinam os detalhes da projeção. O melhor desempenho ainda será o da agropecuária (3,5%), embora muito menor que o do ano passado (7%). O crescimento da produção industrial passará de 1,3% em 2013 para 1,5%. Mas essa pequena melhora dependerá em boa parte da mera recuperação da indústria extrativa mineral - um avanço de 4% depois de um recuo de 2,8% no ano passado. O setor de transformação, em outros tempos o mais dinâmico e o líder da inovação no Brasil, deverá produzir apenas 0,5% mais que em 2013. Será um desempenho miserável, depois de uma contração em 2012 e de um crescimento de 1,9% no ano passado.

Na construção civil haverá uma desaceleração de 1,9% para 1,1%, apesar dos planos de infraestrutura e do programa de moradias, aparentemente levados pouco a sério pelo pessoal do BC. A indústria de produção e distribuição de eletricidade, gás e água deverá melhorar, com a expansão passando de 2,9% em 2013 para 3,7%.

O terceiro grande setor, o de serviços, avançará 2,2%, pouco mais que no ano passado (2%). Mas essa ainda é, no Brasil, uma área muito menos moderna e menos produtiva que nas economias mais avançadas e já na chamada fase pós-industrial.

Do lado da demanda, o consumo das famílias deve ser um pouco menos dinâmico que no ano passado, com expansão de apenas 2%. O consumo do governo continuará prosperando e deverá avançar 2,1% (1,9% em 2013). O investimento em capital fixo, isto é, em máquinas, equipamentos, edificações e obras de infraestrutura, poderá aumentar 1%. No ano passado cresceu 6% e mesmo assim o País ainda investiu menos de 20% do PIB, uma taxa muito distante da meta oficial - ainda modesta - de 24%.

As novas projeções para as contas externas haviam sido publicadas no começo da semana. O BC elevou de US$ 78 bilhões para US$ 80 bilhões o déficit estimado para a conta corrente do balanço de pagamentos e cortou de US$ 10 bilhões para US$ 8 bilhões o superávit comercial. O mau estado das contas externas está ligado principalmente ao fraco desempenho da indústria no comércio exterior.

A piora das previsões do BC é compatível com os números divulgados pelas várias fontes oficiais e privadas. Refletem a baixa qualidade da política econômica e a teimosia da presidente e de sua equipe. Até quando?

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.