Pequeno pela própria natureza

O melhor para o País é que a população conheça a natureza autoritária de Jair Bolsonaro

O Estado de S.Paulo

02 Dezembro 2017 | 03h03

À medida que o tempo passa e se sedimentam alguns dos nomes que estarão sob escrutínio público nas eleições do ano que vem, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), pré-candidato à Presidência da República por um partido que, de tão secundário em relação a seus propósitos, ainda não se sabe claramente qual será, engajou-se recentemente em uma campanha para tentar suavizar a percepção que a maioria da população tem sobre a sua iracunda figura.

O movimento, de caráter meramente eleitoreiro, vai na direção diametralmente oposta àquela que o notabilizou e o fez ganhar popularidade nos nichos onde a sua natureza política rudimentar – confundida com simplicidade – tem boa acolhida.

Jair Bolsonaro é um político de posições extremadas. Sua retórica beligerante, por vezes preconceituosa, revela um homem pouco afeito ao que a boa política traz em sua essência e tem de melhor: a convergência para o diálogo e para a composição de interesses e visões de mundo conflitantes sem que o interlocutor seja visto como um inimigo a ser subjugado, como em uma guerra.

Entretanto, para atingir sua ambiciosa pretensão eleitoral e chegar à chefia do Poder Executivo nacional, Jair Bolsonaro sabe que não poderá contar apenas com o voto sectário, é preciso conquistar a simpatia de milhões de brasileiros que hoje não conhecem a fundo sua história parlamentar ou o veem com indiferença.

Não foi por outra razão que Jair Bolsonaro adotou a mesma estratégia que Lula da Silva durante a campanha presidencial de 2001, quando o petista também era visto como um candidato radical, e escreveu a sua própria versão da célebre Carta ao Povo Brasileiro.

No documento, intitulado Comunicado aos Cidadãos do Brasil, Bolsonaro tentou transmitir a ideia de ser um político conciliador, avesso aos regimes totalitários e defensor do liberalismo econômico. A carta foi escrita em um momento de fortes críticas ao despreparo de Bolsonaro para ocupar cargo tão alto como a Presidência da República.

Trata-se de um documento de pura retórica. Nada há no histórico de parlamentar que corrobore com discursos, votos e projetos de lei o que agora escreve na vã tentativa de passar-se por um liberal convicto, tanto do ponto de vista econômico como político.

Como é difícil sustentar um discurso que vai de encontro à sua própria natureza, não é raro Jair Bolsonaro ver-se traído pelas próprias palavras. Durante encontro promovido pela revista Veja, o pré-candidato recorreu à sua intransigente narrativa em defesa dos policiais – ainda que cometam excessos e ilegalidades – para afirmar que pretende condecorar policiais que tenham mortes registradas em suas fichas funcionais. “Policial que não mata não é policial”, bradou. É esta a sua real natureza.

Poucos dos que hoje apoiam Jair Bolsonaro e sua agenda política excludente e não conciliatória mudariam suas visões sobre o pré-candidato quando confrontados objetivamente com os perigos que sua eventual vitória em um pleito majoritário nacional poderiam representar para o País.

Parte importante do apoio que ele recebe está baseada em sentimentos que escapam à razão e encontram ressonância no cansaço de um segmento da população que está farto da escalada de violência urbana e da corrupção desenfreada, além de acalentar uma porosa ideia de patriotismo que tanto pode ser caracterizado como a defesa de um Estado “mais forte” como traduzir-se no mais torpe apoio a uma nova ditadura militar. Os que assim pensam são refratários aos discursos pautados pelos valores democráticos e permanecerão presos a suas convicções pelos grilhões do atraso.

O melhor para o País é que a ampla maioria da população conheça a verdadeira natureza autoritária de Jair Bolsonaro – da qual ele não conseguirá se desvencilhar, não obstante os subterfúgios narrativos e vernizes marqueteiros –, deixando, assim, sua retórica ecoar apenas no polo ideológico a que está restrita, quando o único dano que é capaz de causar é à imagem de seus prosélitos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.